Listen to the text.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Museología: Creatividad Obligatoria

Ya conocemos la definición convencional de lo que es una exposición: “una es una representación ordenada a partir de objetos ordenados colocados unos al lado de los otros para ser vistos por el público (Moles, 1983). Esta idea de exposición se nos ha quedado un tanto obsoleta, veamos porqué. En las teorías miseológicas que aun ¡un se barajan con exasperante frecuencia se dice, se comenta eruditamente, que en la exposición intervienen tres factores importantes:
EVE:AllaboutGiving

1. El efecto producido en el espectador o visitante por los objetos expuestos. Estos objetos son portadores de significados que contribuyen a una explicación del contenido de la exposición.

2. El tratamiento de la temática de la exposición tanto en su totalidad, como en cada uno de sus elementos constitutivos. Esto representa la forma o técnica aplicada que dependerá del número de objetos y de su modo de inserción en el conjunto temático, estando la selección de los objetos en relación a su grado de representatividad o significación con respecto al tema; la ubicación de los objetos dentro del espacio, así como de la conexión que se establezca entre ellos; de los medios y equipos técnicos utilizados y del propio carácter de la sala de la exposición.

3. El ordenamiento de la exposición mediante la aplicación de los conocimientos museológicos, es decir, del discurso expositivo.

SamuelWeidmann:EVE 
Foto: Samuel Weidmann

Dejad que sigamos con la metodología un poquito más: Estos tres componentes tienen consecuencias cuantitativas y cualitativas importantes y, de su interpelación van a surgir una gran diversidad de técnicas de exposición (Gradner y Heller 1960; Bruce, 1964; Pope-Hennessy, 1975 y Velarde, 1988). Y seguimos; no obstante, debemos tener siempre presente que el objetivo principal de una exposición es crear unas condiciones idóneas para que se produzca el diálogo visitante-objeto… Esto es lo que se encuentra uno en los libros de la teoría de la museología, y cuando la teoría se aplica insistentemente a la museografía. A nosotros se nos revuelve un poco todo cuando leemos estas cosas.

Parece ser que los teóricos no se acaban de dar cuenta que hay algo que se denomina “la realidad” y que nos cuentan desde su púlpito a los humanos, ellos parecen no serlo, lo que se debe y no debe hacer a la hora de proyectar un museo.

JoanBaran:EVE 
Fotografía: Joan Baran

Lo que se consigue con la difusión de lo teórico en estos casos, es que no estemos evolucionando a la velocidad necesaria para dar respuesta a las necesidades de los visitantes; a lo que quieren y necesitan – los niños, los adolescentes, los terinteañeros, los cuarentones con o sin hijos, los maduritos y la tercera edad masculina y femenina -. Los museos aburren a las piedras en una gran mayoría, ¿por qué? Pues porque los museos en su gran mayoría -, no ofrecen a losa visitantes lo que los visitantes necesitan. Estamos en el año 2014, siglo XXI, la percepción de las personas con relación a lo que les rodea, nunca ha sido tan compleja como ahora, ¿cuál es la razón? El inmenso exceso de información al que podemos acceder y, además, usando multitud de gadgets soportes para llegar a esa información, todo facilísimo.

Querámoslo o no, lo que ha producido esta evolución en la percepción de la realidad por parte de la sociedad, es que las personas nos hemos vuelto muy poco pacientes con la información que recibimos: lo queremos todo y lo queremos ya. No se da ni una mínima oportunidad al titubeo o a la espera. Esta forma de “leer” la realidad que ahora tiene la sociedad y que lo ha importado de la manera del bit2bit, dentro de nuestro campo de actuación que son los museos, hace que todo el planteamiento museológico y museográfico deba cambiar ya, deba evolucionar inmediatamente.

JulianTuwim 
Diseño: Julian Twin

Para empezar y concretizando, no enrollándonos más, que nos vais a abandonar si seguimos bla, bla, comentar que echamos mucho de menos en los programas formativos de la enseñanza de la museología el término “creatividad” y su desarrollo, su aprendizaje – señores la creatividad no es un don natural, es una herramienta -. Habrá quien piense que la creatividad sea eso, un don que se tiene o no se tiene, que se nace con él o no, y que por tanto no se puede enseñar y menos aplicado en algo “tan metodológico” como es la museología.

Es un grave error pensar así. Nosotros hemos tenido la oportunidad, hace muy poco, de testar el interés de nuestros futuros museólogos sobre la creatividad aplicada en su campo, y nos hemos quedado muy sorprendidos para mal, por la escasísima respuesta. Todo apunta al poquísimo interés en incorporar la creatividad a lo que ellos entienden como el discurso museológico. Estamos espantados porque eso es como decir que con las nuevas generaciones vamos a tener más de lo mismo, es decir, grandes discursos, pocas soluciones a la medida de las expectativas de la sociedad y mucha menos evolución de cara al futuro. ¿Seguimos aspirando a la funcionarialidad? ¿Aprobar examen y a vivir? No, no, por favor, aquí no.

SteveBonner:EVE 
Foto Steve Bonner

Estos nuevos museólogos no se dan cuenta que, como nos ha pasado a nosotros, tendrán que, por ejemplo, tratar con Lucasfilms para montar una exposición y que una empresa como Lucasfilms no admite tratar con personas que no saben lo que es la creatividad. Lo podemos asegurar porque lo hemos sufrido lidiando con museólogos cartesianos. O, sin tanto exotismo, tratar con profesionales nórdicos para montar una exposición conjunta donde habrá un choque de “culturas museológicas”. Si un alumno de museología o de cualquier otra disciplina no es consiente de que necesita la creatividad para mejorar la realidad, mal asunto. Sin creatividad, como dirían los de Silicon Valley: “no podríamos hacer de este mundo un lugar mejor para vivir”. Señores profesores, dejen ustedes por favor de hablar desde los púlpitos y echen un vistazo a lo que está ocurriendo allá fuera, que nos comen los chinches aquí si siguen ustedes dejando al margen la creatividad y la brutal simplicidad de pensamiento, de la que hablaremos de nuevo en otra ocasión.

StarWarsIdentities:EVE 
Uno de los carteles promocionales de la exposición: Star Wars Identities, propiedad de Lucasfilms

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti · en MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·

Curador do MoMA vai a Serralves debater o lugar da Arquitetura nos museus modernos

A Biblioteca de Serralves recebe, esta quarta-feira, 11 de junho, o curador de Arquitetura e Design do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, Barry Bergdoll, numa sessão dedicada ao lugar da Arquitetura no museu de arte.

"At Home in the Museum? Reflections on the Role of Architecture in the Art Museum in the Global Experience Economy" é o nome do debate que Barry Bergdoll, professor na Universidade de Columbia (CU) e curador no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA) pretende trazer à Biblioteca do Museu de Serralves no dia 11 de junho, às 17h30.

A sessão, de entrada gratuita mas com lotação limitada, integra-se no ciclo de conferências internacional "Container and Content", organizado e produzido pela arquiteta e investigadora em museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), Susana Rosmaninho.

Segundo a própria investigadora, o ciclo de conferências pretende abordar a "problemática da comunicação da Arquitetura", tanto em museus, centros de arquitetura ou outras instituições, até porque, como refere o programa do ciclo, "apesar do aumento da cobertura mediática no tema, a arquitetura ainda encontra uma presença residual no mundo dos museus".

Numa sessão que terá um debate com a moderação do diretor adjunto e curador sénior do Museu de Serralves, João Ribas, Susana Rosmaninho quer que a discussão sirva para "motivar ou para dar pistas a quem tem poder de decisão nos museus ou noutras instituições culturais (...) como pôr em prática atividades de divulgação, curadoria, mediação e educação no campo da Arquitetura".

"Qual é o papel do curador como facilitador da aproximação à arquitetura?" será outra questão que a investigadora da FLUP quer ver esclarecida na sessão.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://jpn.c2com.up.pt/2014/06/09/curador_do_moma_vai_a_serralves_debater_o_lugar_da_arquitetura_nos_museus_modernos.html

Museu da Cidade-Oca recebe a maior exposição já realizada sobre a civilização maia

"Mayas: revelação de um tempo sem fim" reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo o seu esplendor


Pela primeira vez em 3 mil anos de existência os maias chegam ao Brasil. O reconhecimento da riqueza cultural deste povo pré-colombiano começou a espalhar-se pelo mundo a partir do século XIX. Nas últimas décadas do século passado, quando seu sistema de escrita foi completamente decifrado, a cultura maia despertou definitivamente múltiplos interesses, em diversos segmentos da sociedade.

No Brasil nunca houve uma exposição capaz de traduzir e revelar a sua abrangência cultural no campo da arte, arquitetura e estudos astronômicos e matemáticos.

Brasil e México unem-se em uma parceria inédita que traz a São Paulo a exposição "Mayas: revelação de um tempo sem fim".

De 10 de junho e 24 de agosto, o Museu da Cidade - OCA, no Ibirapuera, receberá mais de 380 objetos da civilização maia que desvendam detalhes desse povo que floresceu por séculos em uma grande parte de nosso continente.

A curadoria da mostra é da Dra. Mercedes de la Garza, professora emérita da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) e de sua reconhecida equipe de pesquisadores do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH), em colaboração com o Conselho Nacional para a cultura e as Artes (CONACULTA).

A mostra, que foi apresentada no Palácio Nacional, na cidade do México até abril de 2014, seguirá para o Museu Quai Branly - Museu das Artes e Civilizações da África, Ásia, Oceania e Américas, em Paris, na França, após a passagem pelo Brasil.

"Essa é a mais grandiosa e ambiciosa exposição de arte e arqueologia já realizada para uma civilização latino-americana. Ela reúne elementos que comprovam toda a complexidade dessa sociedade e seu desenvolvimento em importantes áreas do saber como, por exemplo, a habilidade que tiveram para entender os conceitos de tempo e espaço", explica José Enrique Ortiz Lanz, coordenador nacional de Museus e Exposições do Instituto Nacional de Antropología e Historia (INAH).

Em São Paulo, a exposição é uma realização do INAH, da Embaixada do México, do Museu da Cidade - Oca e da Prefeitura da Cidade de São Paulo.

"Com a inauguração da mostra "Mayas: revelação de um tempo sem fim" o Museu da Cidade - OCA se afirma como um espaço para grandes exposições mundiais no ano em que completa 60 anos de existência. Em um momento de celebração e de comunhão em torno da Copa do Mundo, Brasil e México têm o privilégio de atuar em parceria para trazer a São Paulo a maior de todas as exposições já organizadas sobre a civilização maia, para ser exibida de forma inédita, antes mesmo de outras capitais mundiais. Esta é uma valiosa oportunidade para paulistanos e visitantes terem contato com os conhecimentos e contemplarem um dos povos pré-colombianos mais desenvolvidos" afirma o secretário municipal de cultura, Juca Ferreira.

A exposição conta com o apoio do Ministério da cultura, por intermédio a Lei de Incentivo à cultura - Lei Rouanet, e tem o patrocínio do Banco Itaú, da Embratel, da Claro e da Caixa Seguros, além do apoio da Femsa e Pullman. Conta também com o apoio do PROAC - Programa de Ação cultural, do Governo do Estado de São Paulo.

A organização da exposição está a cargo da Expomus, empresa brasileira que atua desde 1981 no mercado cultural, tendo realizado importantes projetos no Brasil e no exterior.

O ESPLENDOR DE UMA cuLTURA

Os Maias produziram objetos de grande beleza e valor artístico, todos no contexto de suas manifestações religiosas, políticas e sociais. Para aproximar os visitantes dessas diversas facetas, a exposição será organizada tematicamente, apresentando o estilo de vida, a organização sociopolítica, a religiosidade e valores de vida dessa civilização, que se expressam por meio de sua criação plástica e deixam suas marcas nos mais diversos objetos e utensílios. Um exemplo dessa expressividade é a peça que abre a exposição: o trono do Templo XXI de Palenque, uma das expressões artísticas mais sublimes da arte maia.

A seção introdutória da mostra apresentará uma visão geral da área geográfica e dos grupos maias - que reúnem cerca de 30 etnias, cada uma com língua e expressividade próprias -, a fim de que o espectador situe as obras por região, localizando assim as principais cidades. Ela terá ainda uma linha do tempo, com informações sobre os períodos cronológicos desde a época pré-hispânica até a atualidade, passando pelos períodos colonial e pelo século XIX.

Após essa introdução, os visitantes encontrarão oito áreas temáticas, espalhadas pelo subsolo do Museu da Cidade-OCA, que ocuparão uma área de 3 mil m², em que terão contato com a diversidade e detalhes dessa cultura, são elas: O homem frente à natureza; Comunidade e vida cotidiana; O coração das cidades; O homem diante do tempo e dos astros; As elites governantes e sua historiografia; As forças sagradas; O homem e os deuses: os rituais; e Entrar no caminho: ritos funerários.

Na mostra, os visitantes poderão compreender também como o passado dessa civilização mescla-se com o México de hoje e o quanto se faz presente na cultura nacional, revelando sua inestimável importância. Entre os objetos expostos estarão artefatos e utensílios que conseguiram transcender a pilhagem, a destruição de sua cultura e a invalidação de sua religião por parte da conquista espanhola. Os maias chegaram aos dias de hoje conservando suas línguas e conduzindo uma nova e rica cultura original, resultado das mudanças e das distintas significações adquiridas por seus costumes e crenças, que lhes deram nova identidade.

Por todos estes motivos, o mês de junho ficará marcado pela chegada dos maias ao Brasil. A realização da maior competição futebolística será uma oportunidade única de apresentar, também, aos povos do mundo todo, que aqui estiverem presentes, o fascinante universo maia.

Instituto Nacional de Antropologia e História, México.

O Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) é uma instituição ligada ao Governo Federal do México que foi fundada em 1939 com o objetivo de garantir a investigação, conservação, proteção e difusão do patrimônio arqueológico, antropológico, histórico e paleontológico do México. Sua criação, foi fundamental para a preservação do patrimônio cultural mexicano, o que faz do INAH uma instituição de pesquisa respeitada e referenciada no mundo todo. Reúne, atualmente, mais de 800 pesquisadores nas áreas em que atua e tem sob sua responsabilidade mais de 120 museus no território mexicano, organizados em museus nacionais, regionais, locais, de território e comunitários. O INAH é referência mundial no estudo e preservação dos registros acerca do povos pré-colombianos.

Museu da Cidade - OCA

Reunindo importantes coleções de Arquitetura, Artes Visuais, Imagem e Antropologia, o Museu da Cidade é a principal instituição da Prefeitura de São Paulo para difusão da memória. Seu acervo artístico, documental e iconográfico estabeleceu-se desde os anos 30, quando Mário de Andrade funda o Departamento de cultura. A OCA tornou-se em 2014 área central do Museu da Cidade, consolidando o Parque Ibirapuera como a maior praça de exposições da capital paulistana, somando-se aos museus ali presentes, ambiente decisivo de internacionalização do meio cultural brasileiro, promovendo o relacionamento vivo do Brasil com o Mundo.

Serviço
"Mayas: revelação de um tempo sem fim".
De 10 de junho e 24 de agosto
Museu da Cidade - OCA
Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n - Portão 3
Parque Ibirapuera / São Paulo - SP
Telefone: +55 11 3241-1081
De terça a domingo das 9 horas às 17 horas
Entrada Franca​


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.segs.com.br/demais-noticias/161586-museu-da-cidade-oca-recebe-a-maior-exposicao-ja-realizada-sobre-a-civilizacao-maia.html

Museu de Ciências da Unipar facilita aprendizagem de anatomia e ecologia

Umuarama - Cobra sucuri de seis metros, esqueleto de búfalo de 1,80m de altura, arara azul, onça suçuarana... Esses bichos empalhados encantam crianças e adultos que visitam o MIC (Museu Interdiciplinar de Ciências) da Universidade Paranaense. Projeto de extensão do curso de Ciências Biológicas, o espaço foi implantado em 2003 e de lá pra cá tem se tornado referência quando o assunto é integração entre escolas e a Unipar, recebendo constantemente excursões de Umuarama, região e até de outros estados.
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
“Uma visita ao museu representa a oportunidade de conhecer, na prática, muito daquilo que a maioria das pessoas já viu nos livros escolares”, afirma o técnico responsável do MIC, Edson Gerônimo. “Nosso projeto tem como missão principal promover a educação científica para conservação do meio ambiente e da saúde humana, despertando nos visitantes, especialmente alunos do ensino fundamental, o uso dos sentidos, o esforço intelectual na formulação de questões e o interesse pelas ciências e pelo mundo ao seu redor”, enfatiza.

Ao entrar no espaço, os visitantes participam de atividades monitoradas de sensibilização, desenvolvidas com base em uma coleção didática ligada a temas de ciências e à questão ambiental, despertando ainda mais a curiosidade. Recentemente o projeto recebeu 26 alunos do ensino fundamental, vindos do Colégio Monteiro Lobato, de Iporã, que ficaram deslumbrados com o que viram. O grupo teve o contato direto com os animais empalhados, alguns em processo de extinção, e recebeu orientações sobre a importância de cada um no ecossistema.

“Tudo aqui é muito bonito, adorei. Quero voltar outras vezes”, conta entusiasmada a aluna Maria Eduarda Valentim. Mostrando um esqueleto humano (de resina plástica), a monitora Karoline Lopes - ex-aluna do curso de Ciências Biológicas e mestranda em Ciêncial Animal - explicou aos visitantes o funcionamento do sistema esquelético. Já com os monitores Gustavo Palin e Lucas Reati, do 1º ano do curso de Medicina Veterinária, eles aprenderam sobre sistema circulatório, manuseando coração de suínos (de verdade).

“É muito gratificante essa aproximação com a comunidade. E aqui temos a oportunidade de estudar ainda mais sobre diversos assuntos vistos em sala de aula, como anatomia, ética”, conta Gustavo, que já foi aluno do Colégio Monteiro Lobato.

Outra abordagem que prendeu atenção dos visitantes foi sobre Anatomia Comparada. “Apresentamos vários tipos de crânios, explicando a função de cada parte que os compõem”, diz Edson Gerônimo, que também é professor da turma. Ele lembra ainda que o projeto contribui para a formação acadêmica dos monitores, porque “promove o desenvolvimento da competência pedagógica e amplia a produção do conhecimento, com atividades práticas das teorias estudadas no curso, como anatomia humana e animal”.

O Museu fica aberto ao público de segunda a sexta, das 8h às 12h, das 13h às 17h e das 19h às 22h. A visita pode ser agendada no Prove (Programa de Valorização da Educação) pelo telefone 3621-2848.



Acervo

Atualmente, o MIC (Museu Interdiciplinar de Ciências) da Unipar conta com cerca de 250 amostras - peças do corpo humano (anatômicas) e de ecossistemas (esqueletos e animais empalhados) - que obedecem a aspectos didáticos e científicos, com informações e dados sobre a natureza de cada material. “É um projeto que está em constante aprimorante. Para isso procuramos sempre trazer algo novo na área da zoologia, biologia, geologia, paleontologia e botânica, que vai agregar mais conhecimento, tanto para os visitantes, quanto para os estudantes dos cursos de graduação que participam dos estágios”, destaca o responsável técnico do MIC, Edson Gerônimo. Para o segundo semestre, conta, mais dois animais empalhados se juntarão ao acervo: uma onça suçuarana e um tamanduá bandeira.

fonte: @edisomariotti #edisonmariotti http://www.ilustrado.com.br/jornal/ExibeNoticia.aspx?NotID=56251&Not=Museu%20de%20Ci%C3%AAncias%20da%20Unipar%20facilita%20aprendizagem%20de%20anatomia%20e%20ecologia