Listen to the text.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Museu Metropolitano de Nova York lança projeto na internet em 11 idiomas

O Museu Metropolitano de Nova York (Met) lançou nesta quarta-feira uma das suas exposições mais ambiciosas, ainda que seja virtual: o projeto "One Met. Many Worlds" ("Um Encontro. Muitos mundos") no qual 500 peças de sua coleção enciclopédica podem ser acessadas de diferentes perspectivas e em 11 idiomas.

O diretor do Met de Nova York, Thomas P. Campbell, anunciou hoje a estreia deste recurso online pela coleção que ajuda o navegante a conhecer obras de uma maneira "divertida, poética e criativa", segundo seus responsáveis, pois as obras se relacionam por temáticas: cores, materiais e qualidades.

Português, inglês, espanhol, árabe, mandarim, francês, alemão, italiano, japonês e coreano são as 11 línguas nas quais é possível visitar o museu a partir de qualquer aparelho com conexão a internet.

"One Met. Many Worlds" é outra ferramenta inovadora para experimentar a coleção do museu (...) É a primeira forma de aproximação, para tentar refletir todas as culturas que estão presentes em nossa coleção", disse Campbell em comunicado.

Além das clássicas explicações fornecidas pelo museu, a plataforma se abre à interatividade e oferece ao visitante a possibilidade de deixar opiniões sobre obras de Johannes Vermeer; Jean-Baptiste Carpeaux, ou um vestido de Comme des Garçons da coleção outono-inverno 2000-2001.

Este projeto virtual se soma a outras iniciativas com as quais o museu quer se aproximar do público que não pode comparecer fisicamente à sua sede na Quinta Avenida.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://tecnologia.terra.com.br/internet/museu-metropolitano-de-nova-york-lanca-projeto-na-internet-em-11-idiomas,71e238f261d86410VgnCLD200000b2bf46d0RCRD.html

Viana acolhe o primeiro museu multimédia dedicado ao chocolate

O primeiro museu em Portugal dedicado ao chocolate, com tecnologia 3D e 4D, abre na sexta-feira em Viana do Castelo, num investimento superior a 700 mil euros.


"Da investigação que fizemos, é o primeiro espaço com um conceito lúdico e interativo em Portugal. O visitante é convidado a fazer uma viagem no tempo para conhecer a história da descoberta do cacau e as diferentes regiões de produção através de realidade aumentada, salas 4D, experiências 3D e videowalls", explicou à Lusa Goreti Silva, gerente da empresa "Na Rota do Chocolate".

Segundo a responsável, o museu obrigou à criação de conteúdos exclusivos, totalmente produzidos por uma empresa nacional, como uma aplicação interativa para os mais pequenos.

O espaço museológico, que deu mote à criação do hotel "Fábrica do Chocolate", abre ao público esta sexta-feira.

A unidade de quatro estrelas recentemente inaugurada representou um investimento de 3,4 milhões, dos quais 2,2 comparticipados por fundos comunitários.

Através de uma visita personalizada ou, em alternativa, com recurso a áudio-guia, o museu convida o visitante, em cada uma das cinco salas que o compõem, a viver experiências sensoriais.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.jn.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Viana%20do%20Castelo&Concelho=Viana%20do%20Castelo&Option=Interior&content_id=3968816

Forró no Museu Théo Brandão

O Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore vai celebrar o São João com uma tradicional festa junina, com direito à fogueira, forró pé de serra e comidas típicas.

O “Forró no Museu” vai acontecer na próxima sexta, 13, a partir das 19 h. O arrasta-pé será comandado pelo trio de forró Colibri. A programação é voltada ao público de todas as idades.

O evento é gratuito e tem o apoio da Prefeitura Municipal de Maceió. Mais informações: 3214-1710 e 3214-1715.

@edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ufal.edu.br/noticias/2014/06/forro-no-museu-theo-brandao

Orlando além dos parques A cidade de Winter Park é charmosa e com vários museus, lojas, restaurantes elegantes e espaços ao ar livre para diversão de turistas

A charmosa cidade de Winter Park, localizada a aproximadamente 30 minutos de Orlando, é uma boa dica para ir além das visitas aos famosos parques de diversão da cidade. Com ares de vilarejo europeu, a pequena cidade tem 30 mil habitantes e recebe turistas do mundo inteiro. A área foi criada no fim do século 19 como refúgio para os americanos em férias de inverno, dando origem ao seu nome.

Museus, lojas, restaurantes elegantes e parques estão entre as atrações mais procuradas. “Para conhecer melhor a cidade, o ideal é estacionar o carro e caminhar pelas ruas arborizadas e calmas, aproveitando para checar o comércio local e suas peculiaridades”, comenta o CEO da Temporada em Orlando, Wendel Ferrari.

Segue um roteiro para um dia de passeio na cidade

Esculturas em Jardim – localizadas dentro do museu Albin Polasek, o jardim conta com peças incríveis, como, esculturas figurativas e peças mitológicas. A coleção inclui escultura de Polasek e sua primeira esposa, Ruth Sherwood, bem como antiguidades da coleção.

Museu Albin Polasek – criado para homenagear Albin Polasek (1879-1965), um dos mais importantes escultores americanos. O museu promove o legado do artista, com mais de 200 obras em exposição permanente. (633 Osceola Avenue, Winter Park, Florida, 32789)

Hannibal Square Heritage Center – oferece aos seus visitantes várias exibições relacionadas à arte e à história de Winter Park, entre elas a “coleção Heritage: fotografias e histórias orais de West “Winter Park”, com exibição permanente, e “Um Lugar: Paul Kwilecki e quatro décadas de fotografias de Decatur County”, disponível até julho de 2014. (642 W. New England Avenue, Winter Park – FL, 32789).

The Wine Room – ideal para um happy hour, a casa oferece 150 rótulos americanos e estrangeiros, que podem ser degustados em um moderno sistema self-service. Ao chegar, o visitante irá comprar um cartão magnético com créditos para a degustação dos vinhos que escolher dentro da loja. Depois, ele elegerá o melhor vinho e, caso queira, poderá comprar a garrafa. (270 Park Avenue South, Winter Park, FL 32789).

Charles Hosmer Morse Museum of American Art – abriga a maior coleção de joias, cerâmicas, pinturas, vitrais, além de algumas luminárias do artista norte-amaericano Louis Comfort Tiffany. (445 North Park Avenue, Winter Park, FL, 32789).

Park Avenue – bonito local para caminhada ou passeios de bicicleta. Tem vários bancos para descansar e apreciar a paisagem, além de fontes e jardins. Uma vez por mês são realizados concertos grátis. Trata-se da principal e mais sofisticada via da cidade. (445 North Park Avenue, Winter Park, FL, 32789) Restaurantes como Anna’s Polish e Tamarind Indian Cuisine e bares como Taps Wine & Beer e The Bar Method são ideais para encerrar a noite em Winter Park. “A família toda vai gostar de respirar novos ares, aproveitando esse momento de pausa para desbravar novos lugares e se divertir”, finaliza Ferrari.

A Temporada em Orlando – A Temporada em Orlando é uma empresa brasileira, líder no país em aluguel de casas de alto padrão, localizadas próximas à Disney e destinadas ao turismo de curta temporada. Surgiu em abril de 2011, como Temporada na Disney e sob o comando do empresário Wendel Ferrari. Em sua primeira viagem de lua de mel à cidade americana, o empresário conheceu o sistema de aluguel de casas. Gostou tanto, que resolveu investir na compra de um imóvel já vislumbrando a possibilidade de um novo negócio.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.dm.com.br/texto/180061-orlando-alam-dos-parques

Football Museum becomes arena for World Cup tourists

The venue is hosting an exhibit about the 20 World Cups that jokingly tells of how Brazil has ‘won’ all of them. Even before the championship has begun, foreigners have turned up to visit. Isaura Daniel*

São Paulo – The Museum of Football, located in São Paulo’s Pacaembu Stadium, has become one of the homes to the 2014 FIFA World Cup, even though it will not host any matches. A few weeks prior to the contest, foreigners and Brazilians alike began turning up in large numbers, driven by the latest trending topic: football. And the museum has prepared a special program for those who want to watch matches on match days, and in the meantime learn about the history of the players, balls, and teams that starred in the 20 World Cup editions that have passed.

Isaura Daniel/ANBA


In a tunnel without walls, a joke about the World Cups

Apart from a special exhibit on the 20 World Cups, the Museum has prepared a lounge whose theme is the 100th anniversary of the Brazilian national team, with intense artistic and cultural activity. The exhibit, which opened on May 27th, is titled Brasil 20 Copas (Brazil 20 Cups), and relies heavily on humour. It features a make-believe history that holds a lot of truth nonetheless, and lists the reasons why Brazil has “won” the 20 World Cups. Well, hasn’t it?

Visitor need to get the joke: in a sort of time tunnel, the year of each Cup is written on the floor, as is the reason for Brazil’s victory – which is often, in fact, the reason for its defeat. One will learn, for instance, that in 1930 the problem of the Brazilian team was cold weather and the fact that the pizzas in Uruguay, where the tournament took place, lacked ketchup. And also that Zagallo had not been born yet. Mário Jorge Lobo Zagallo, a player in the national team rosters that won the Cup in 1958 and 1964, the coach of the winning team in 1970, technical coordinator of the team that won in 1994, and once again the coach in 1998, when Brazil finished second, was only born a year later, in 1931.

The reason for the victory in 1958 (did it really take place)? This time it is true! Pelé and Garrincha would have defeated the Vikings, Napoleon’s Troops and all armies if they had to. Why did Brazil fail to win the Cup in 1982? Because this is football! In 1986? Because the French brought Kryptonite stashed in their luggage. Whatever happened in 1994? Goalkeeper Taffarel tried grabbing the ball like a butterfly hunter. In 2006? Thick socks and high heels do not match.

Brazil 20 Cups also includes a shower on a corner where there is no water, but visitors can hear a song sung by Pelé and Elis Regina, another by Romário, among others. Right next to it there is the locker of two Brazilian national team masseurs, Ximbica and Mário Américo, with replicas of vintage jerseys, an original ball, and the utility belt they used to carry.

Isaura Daniel/ANBA


Curious facts about World Cup foods The exhibition features a bit of the history of the World Cups and the winning countries, in a light, visual language, including pictures of food and beverages. Coffee is one of them, because in 1996, England banned its consumption by World Cup players, since it was considered a stimulant. There are also pictures of beans, jerked beef and guava candy, because that was what Brazilians brought in their suitcases for the 1954 World Cup.

“Football has been spoken of from the perspectives of sociology, humanities and football,” says the architect and Museum of Football CEO Luiz Laurent Bloch, explaining the exhibit’s humour. “But no one had ever said Brazil has won 20 Cups,” he quips. A 12-minute film recounts Brazil’s World Cup history.

The lounge 100 years of Brazilian national team was inaugurated on June 10th and up until August 3rd it will host a widely varied program, including attractions relating to the countries playing the World Cup this year. The schedule includes poetry readings, audiovisual screenings, literary performances, book launches, workshops, educational games, and other activities to celebrate the history of the Brazilian national team. The show is featured in Armando Nogueira Auditorium, which has been adapted for the event. According to Bloch, the venue is still available for other events during the period, in case the interest arises.

As of this Wednesday (11th), the Museum of Football had become a bona fide global arena, with people speaking English and Spanish all over. According to Bloch, the museum has worked in tandem with travel agencies, hotels, tourism guides, the media and the consulates, introducing the venue as an attraction for World Cup tourists. An Arab television channel, Al Jazeera, has even shot a news story there.

In addition to the temporary exhibit on the World Cups and the National Team’s Lounge, the museum itself is an attraction for sports tourists. Those who visit the exhibits usually see the other areas as well. They include photographs of the main Brazilian players projected onto big screens as if they were sculptures, curiosities about different World Cup editions, pictures taken in different years, and novelties such as pebolim and a quick peek into the Pacaembu Stadium.

The Museum of Football belongs to the São Paulo State Secretariat for Culture. Last year, it had 330,000 visitors. According to Bloch, during these pre-World Cup days, foreign visitors have been mostly Latin American.

Service

Brazil 20 Cups Exhibit
May 27th to September 7th, 2014
At Museu do Futebol - Praça Charles Miller, no number
For additional information go to: http://museudofutebol.org.br/en/
 @edisonmariotti #wsiaonmariotti
isaura.daniel@anba.com.br

H&M faz parceria com o Whitney Museum Of American Art e com o artista Jeff Koons para celebrar a inauguração da nova flagship store na Quinta Avenida

NOVA YORK, 12 de junho de 2014 /PRNewswire/ -- A H&M, uma das maiores varejistas da moda no mundo, continua a se expandir em Nova York, com a sua maior flagship store (loja conceito). Na quinta-feira, 17 de junho, às 12h, a marca sueca da moda vai inaugurar sua loja inspirada no museu, com a colaboração do icônico artista americano Jeff Koons.



Foto - http://photos.prnewswire.com/prnh/20140610/116619

Foto - http://photos.prnewswire.com/prnh/20140610/116622

Foto - http://photos.prnewswire.com/prnh/20140610/116624

Logo - http://photos.prnewswire.com/prnh/20131009/NY95232LOGO



Ao celebrar a abertura de sua nova flagship store na Quinta Avenida, a H&M é patrocinadora, do mundo da moda, da exibição "Jeff Koons: A Retrospective" (Jeff Koons: Uma Retrospectiva) do Whitney Museum of American Art (Museu Whitney da Arte Americana). A loja inspirada no museu é a exibição perfeita para a primeira colaboração da varejista sueca com um artista -- no caso, um dos mais notáveis e influentes artistas de nosso tempo, Jeff Koons.

A H&M, cujo endereço é 589 Fifth Avenue (Quinta Avenida), tem 57.000 pés quadrados (5.295 metros quadrados) e uma fachada esplêndida de janelas. Um átrio impressionante de cinco andares e uma tela de LED de 26 x 20 pés chamam a atenção e criam uma sensação de magnificência à entrada da loja. Acabamentos intemporais, como ladrilhos de mármore verde e branco, uma parede de espelhos opulenta, um trabalho em madeira em zigue-zague singular e um serviço de concierge completo de compras, tudo cria uma experiência verdadeiramente única.

"A parceria com a H&M foi realmente estimulante para mim e a oportunidade de exibir um dos meus trabalhos mais populares a uma nova geração de pessoas foi inspiradora. A H&M traz o melhor da moda, estação após estação, e é muito bom ver meu trabalho em sua nova loja", disse Jeff Koons.

"Estamos orgulhosos por celebrar a inauguração de nossa maior flagship nos EUA na Quinta Avenida, com o anúncio de nosso patrocínio do Whitney Museum of American Art e de Jeff Koons, que fez o design de nossa edição limitada da bolsa de couro "Balloon Dog". É uma grande honra ter a visão desse artista prolífico, mundialmente reconhecido, em exibição e como a fachada de loja da nova H&M da Quinta Avenida", disse o presidente da H&M para os EUA, Daniel Kulle.

Essa é a primeira localidade no mundo a oferecer o trabalho de um artista contemporâneo célebre, desse calibre, tornando a H&M o destino em que a moda e arte interagem. A bolsa de couro "Balloon Dog" também será comercializada em mercados selecionados nos EUA, incluindo os de Los Angeles, Chicago e Dallas, bem como online, no site hm.com, a partir de 17 de julho de 2014. Uma quantidade seleta de peças também será vendida no Whitney, durante a Retrospectiva.

Além de comprar as colaborações de Jeff Koons para a H&M, os consumidores poderão se abastecer com todos os conceitos da H&M, para toda a família. Essa será a primeira loja na área de Nova York a ter um departamento H&M Home, com produtos para a casa, além das coleções para mulheres, homens, adolescentes de ambos os sexos, com seções separadas de "loja dentro da loja" para acessórios e lingerie. Essa unidade também terá uma coleção completa do varejista sueco para crianças, com roupas de qualidade para meninos e meninas de todas as idades, de recém-nascidos a 14 anos.

Ao celebrar o dia da inauguração, a H&M, situada no endereço 589 Fifth Avenue, irá oferecer aos primeiros 500 fregueses na fila uma camiseta da H&M e um "Access to Fashion Pass" (acesso a passe da moda), com valores de $ 10 a $ 500, além de outras ofertas fantásticas para toda a família.

O endereço da nova flagship store da H&M da Quinta Avenida é 589 5th Avenue, New York, New York 10017. Comunicações com a loja podem ser feitas pelo telefone (855) 466-7467. A loja ficará aberta nos seguintes horários: domingo a quinta-feira, das 9h às 21h; sexta-feira e sábado, das 9h às 22h.

A exibição "Jeff Koons: A Retrospective" será realizada de 27 de junho a 19 de outubro de 2014 no Whitney Museum of American Art, localizado no endereço 945 Madison Avenue, com a 75th street, em Manhattan.

Depois disso, a exibição será levada para o Centre Pompidou, Musee national d'art moderne (de 26 de novembro de 2014 a 27 de abril de 2015), seguindo então para o Guggenheim Museum Bilbao (de 5 de junho de 2015 para 27 de setembro de 2015).

Para mais informações, visite whitney.org.

A H & M Hennes & Mauritz AB (publ) foi fundada na Suécia, em 1947, e suas ações são comercializadas na NASDAQ OMX de Estocolmo. O conceito de negócios da empresa é oferecer moda e qualidade ao melhor preço. Além da H&M, o grupo inclui as marcas & Other Stories, Cheap Monday, COS, Monki e Weekday, bem como a H&M Home. O Grupo H&M tem cerca de 3.200 lojas, em 54 mercados, incluindo mercados de franquia. Em 2013, as vendas, incluindo o VAT, foram de SEK 150.090 milhões. O número de empregados é de mais de 116.000.

Para mais informações, visite hm.com.
FONTE H&M @edisonmariotti #edisonmariotti

Barry Bergdoll: "Porquê criar um museu de arquitetura quando podemos ir ao Google?"

O curador de Arquitetura e Design do Museu de Arte Moderna da Nova Iorque, Barry Bergdoll, esteve esta quarta-feira na Biblioteca de Serralves, onde falou numa sessão dedicada ao lugar da Arquitetura no museu de arte.

Berry Bergdoll apresentou, quarta-feira à tarde, 11 de junho, a palestra "At Home in the Museum? Reflections on the Role of Architecture in the Art Museum in the Global Experience Economy", na Biblioteca do Museu de Serralves.

O também professor da Universidade de Columbia (CU) é o atual curador do departamento de Arquitetura e Design do Museu de Arte Moderna da Nova Iorque (MoMA), estabelecido em 1932, e o "mais antigo departamento dedicado à arquitetura do mundo", disse Berry Bergdoll, "algo um pouco assustador, ser a única instituição que, nos últimos 80 anos, tem tentado exibir continuamente arquitetura".



Ao abordar a difícil relação da arquitetura com a sua exposição em museus, o curador americano explicou que a "arquitetura, num museu, é sempre removida do seu contexto original e recontextualizada".

"Se conhecerem o atual edifício do Museu de Arte Moderna, criado por Taniguchi [arquiteto japonês], reconhecem a presença pouco habitual de um templo japonês, ao lado de uma igreja neogótica e um arranha-céus, que se ergue na ponta do Jardim de Esculturas do MoMA", contou Berry Bergdoll. "Foi bastante irritante para mim quando descobri que a exposição mais popular de arquitetura alguma vez exibida pelo MoMA foi essa reprodução do templo japonês do século XVII [que não é uma exposição mas parte integrante do museu]".

"Uso este exemplo porque mostra uma arquitetura do museu, que não está no museu", continuou o professor. "Este é o absoluto e clássico paradoxo de que não se pode exibir arquitetura no museu por si, nunca ou quase nunca tem o mesmo status que um trabalho de arte ou escultura".


A difícil entrada da arquitetura no mundo dos museus

Berry Bergdoll também discutiu o acesso, por parte dos arquitetos e do seu trabalho, às grandes galerias mundiais. Para o curador do MoMA, essa entrada fez-se muito lentamente e, primeiro, através do mundo das representações, "pintura, gravuras e, mais tarde, fotografia".

O professor da Universidade de Columbia abordou ainda a forma como os "arquitetos que eram também membros de academias de pintura e que, assim, conseguiam passar trabalhos de arquitetura para os museus de arte".
O curador enquanto instigador da mudança

No final do debate, Berry Bergdoll falou ainda das suas noções de como um curador ou uma exibição de arquitetura poderiam mudar a forma de se fazer, construir e organizar edifícios.

Por exemplo, uma exposição de casas muito degradadas de Nova Iorque poderia levar a uma maior tomada de consciência das más condições de vida dos habitantes urbanos americanos, enquanto uma exibição de projetos arquitetónicos futuristas caso Manhattan seja inundada poderiam levantar questões pertinentes em relação à arquitetura de cidades que sofram com o aumento do nível médio das águas do mar, devido às alterações climáticas.

Para o curador americano, tudo depende de uma "agenda estética versus agenda ativista/social". A sessão foi a última do ciclo de conferências internacional "Container and Content", organizado e produzido pela arquiteta e investigadora em museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), Susana Rosmaninho.


O MoMA e o Google: Questões em aberto

"Porque é que o Museu de Arte Moderna continua a ser um local de enormes multidões? Multidões sem precedentes, mesmo sabendo que grande parte da coleção foi captada em imagens e está disponível através do Google, e que podemos aproximarmo-nos de alguns painéis mais do que qualquer guarda de museu alguma vez nos deixaria? Porque é que o Tate Modern, o Pompidou, o MoMA, são as primeiras paragens de muitos turistas nessas cidades, quando há alguns anos, os museus de arte contemporânea eram os sítios que nós íamos para ter silêncio?", questionou Berry Bergdoll.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://jpn.c2com.up.pt/2014/06/12/barry_bergdoll_porque_criar_um_museu_de_arquitetura_quando_podemos_ir_ao_google.html


BRASIL - BOA SORTE

Google divulga a COPA DO MUNDO 2014 do Brasil na primeira página do site.





@edisonmariott #edisonmariotti





Museu Dona Beja será restaurado

O Museu Dona Beja, imóvel tombado que fica no Centro de Araxá, no Alto Paranaíba, deverá ser restaurado pela prefeitura da cidade. O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou ação civil pública e conseguiu liminar na Justiça determinando a reforma do imóvel, que está condições precárias. Conforme o MP, o edifício merece uma proteção específica e urgente, sob pena de danos irreversíveis ao patrimônio cultural do estado. Em vistoria realizada pela equipe técnica da promotoria, foram verificados infiltrações nas paredes, buracos nos forros, umidade no piso, presença de cupins na estrutura e em elementos de madeira, até defeitos na fiação elétrica. Para se ter idéia da situação do imóvel, há bacias espalhadas pelo chão para receber as goteiras.

Além de toda situação, em 2013, um incêndio atingiu o casarão. Segundo Corpo de Bombeiros, tudo indica que o curto-circuito na rede elétrica tenha provocado faíscas e as chamas atingiram a cama da famosa e bela Anna Jacinta, mulher de hábitos pouco convencionais que virou tema de novela. Conforme os militares, o fogo foi contido por dois funcionários do museu que usaram extintores. De acordo com os bombeiros, as lâmpadas da casa estão com problemas, o que levantou a suspeita de problema elétrico. Apenas a cama e o estrado foram destruídos.

Segundo a liminar da Justiça, a prefeitura tem 120 dias para revisar toda a cobertura do edifício, recuperar os forros de madeira e esteira comprometidos pela umidade, além de realizar reparos no piso, elaborar e executar projeto elétrico e de prevenção e combate a incêndio e pânico. A Justiça impôs multa diária de R$ 1 mil para o caso de descumprimento das obrigações. (LC)
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://aqui.uai.com.br/app/noticia/cadernos/cidades/2014/06/11/interna_cidades,47468/museu-dona-beja-sera-restaurado.shtml

VAMOS FALAR DE MUSEU E CULTURA?

O Oi Futuro realizou nos dias 20 e 21 de maio, no teatro do Oi Futuro Flamengo, dois encontros onde foram apresentados os resultados de dois recortes (Teatro e Museu) da pesquisa Hábitos Culturais dos Cariocas, com conversas, troca de experiências e impressões.

A pesquisa, desenvolvida pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiroe JLeiva, procurou conhecer, em profundidade, os hábitos culturais dos cariocas, analisando o perfil socioeconômico do público, a importância da educação, principais barreiras de acesso, entre outros pontos interessantes.

Confira aqui o resultado completo dessa pesquisa!

Se preferir, veja separadamente cada apresentação:

Museu

Teatro 

 11 de junho de 2014 fonte @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.oifuturo.org.br/noticias/vamos-falar-de-museu-e-cultura/