quinta-feira, 19 de junho de 2014

Museu Regional de São João del Rei realiza recital de órgão de tubos

Organista Elisa Freixo toca instrumento histórico durante recital. 
Apresentação gratuita será nesta quinta-feira (19), às 18h30.
 
O Museu Regional de São João del Rei, no Campo das Vertentes, realiza nesta quinta-feira (19) um recital de órgão de tubos com a organista Elisa Freixo, às 18h30, com a participação especial do Septeto Flautas Gerais. Serão apresentadas obras de Bach, Gluck, Boismortier, Vivaldi, Mozart, Patápio Silva, Osvaldo Lacerda e Villa-Lobos. O evento é gratuito e ocorre na galeria térrea do museu.

O órgão de tubos do Museu Regional, instrumento que será usado na apresentação, foi fabricado no final do século XVIII, na região de São João del Rei. Ele é o único de origem civil em funcionamento que foi confeccionado no Brasil, com técnicas manuais e matérias-primas locais. O instrumento fica exposto no Museu Regional, localizado na Rua Marechal Deodoro, nº 12, no Centro. Outras informações podem ser adquiridas pelo telefone (32) 3371-7663.

Em Tiradentes, haverá apresentação na sexta-feira (20), às 20h, na Matriz de Santo Antônio. A entrada é R$ 30. No dia 21 de junho, apenas o Grupo Septeto Flautas Gerais se apresenta no Museu do Oratório, em Ouro Preto, às 18h30. Os ingressos custam R$ 10. Já no dia 22, a apresentação normal com Elisa Freixo ocorre às 12h15 na Catedral da Sé, em Mariana. A entrada será R$ 28.

Órgão de tubos Museu Regional São João del Rei (Foto: Museu Regional de SJDR/Acervo) 
Órgão do Museu Regional será utilizado na apre-
sentação  (Foto: Museu Regional de SJDR/Acervo)

Elisa Freixo

A organista e cravista Elisa Freixo estudou na Escola Superior de Música Santa Marcelina, além de cursar a Escola Superior de Música e Artes Cênicas de Hamburgo, a Schola Cantorum de Paris e o Conservatório Nacional de Rueil Malmaison. Ela possui 14 discos e CDs gravados.

Septeto Flautas Gerais

O Septeto Flautas Gerais foi criado por iniciativa do flautista e arranjador Alberto Sampaio, dirigente da Orquestra de Flautas Flutuar de Belo Horizonte. Os integrantes do Septeto usam toda a família das flautas transversais, flauta baixo, contralto, flauta de concerto em dó e o flautim.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2014/06/museu-regional-de-sao-joao-del-rei-realiza-recital-de-orgao-de-tubos.html

 

Museos sin Objetos + 6 Soluciones

Existen contenidos y materias que se muestran en los museos sin la presencia de objetos, dejando en un segundo lugar los elementos, piezas únicas y míticas. La museografía del siglo XXI proyecta la interpretación de la realidad de una manera didáctica. Se muestra el hecho histórico, técnico, científico, incluso artístico sin objetos. Esta forma de interpretación surge de la necesidad de dar respuesta a un hecho recurrente: proyectos de museos locales que carecen de piezas originales, o que están distribuidas por museos nacionales e incluso internacionales y no se recuperan para su exhibición en sus lugares de origen.






Bárbara Kruger





Walltowatch.com

También existen otras razones pero el fondo es el mismo, no disponemos de objetos que mostrar. Éstos equipamientos no son museos, ¿lo son?, son otra cosa, ¿lo es? Las denominaciones aplicadas a estas entidades es un debate en si mismo al que nosotros no vamos a responder aquí hoy. El ICOM tiene un enunciado aplicado al museo convencional y viene a decir que lo que no se ajusta a esa definición institucionalizada no es museo, es otra cosa: aulas interpretativas, centros de visitantes, museos locales, etc. Lo hemos comentado en otras ocasiones, se multiplican los enunciados, la denominación que más se puede aproximar recién inventada, desde nuestro punto de vista, es el concepto de ecomuseo.





Frank Havermans /cultuurbewust.nl

Volviendo al tema que nos ocupa hoy, hablamos de las exposiciones sin objetos. Se trata de la representación frente a la exhibición: no presentamos piezas, sino que las “reproducimos” o las simulamos. Lo que en un museo de arte sería la copia del original, en esta nueva tipología adquiere un valor al mismo nivel, incluso superior en ocasiones. Lo curioso también es que en muchas de estas exposiciones ni tan siquiera la copia o el facsímil se muestra, es lo que denominamos la tecnología como objeto. Algo que resulta un tanto inquietante. la exposición es la forma en que se comunica el objeto, el sistema que usamos para comunicarlo, la tecnología que lo hace existir para el visitante.





Imagen: Terence Koh / Saatchi Gallery

Nuestro trabajo se centrará en conocer, analizar y “exponer” las nuevas colecciones de piezas tecnológicas que son las que nos sirven de vehículo para la representación, sus características, sus necesidades y, resumiendo, todas las exigencias expositivas que van desde el equipamiento hasta los espacios, la protección, la seguridad, la iluminación, etc. Podemos establecer una tipología de los “objetos”:

· Pervicencia tradicional: muchas de las representaciones que se han utilizado históricamente en los museos tradicionales van a mantenerse, pero muy evolucionadas en su presencia ante el visitante, manteniendo la mismas propiedades y exigencias: con el uso de sistemas gráficos de todo tipo, paneles (nosotros no somos muy partidarios), transparencias, hologramas, etcétera. Los objetos pueden ser los mismos pero el discurso expositivo cambia radicalmente. Los medios audiovisuales tradicionales de proyección y sonido, como las imágenes fijas, diaporamas, vídeos, se mantienen invariables.

· Sistemas tecnológicos: soluciones que aumentan su popularidad como medio de representación ya que se está produciendo una enorme y rapidísima evolución en sus posibilidades aplicadas a la museografía. En el campo de la información y transmisión de datos no tiene rival y las propuestas de interacción con el visitante por medio de juegos y diversión tampoco lo tienen.

· Objeto virtual: Tiene un desarrollo muy específico de simulación virtual. Hablamos de la representación plana en 3D, con programas de animación y movimiento que sustituyen a los antiguos soportes estáticos que ya no son competitivos. Los espacios de simulación virtual en 3D, ya sean monitorizados en pantallas, ya sean con el uso de casco en el espacio real o en salas dotadas de sensores con fidelidad simulada, pero que cada vez se aproxima más a la vivencia cotidiana de la percepción real.

· Tecnología óptica: la óptica unida a todas estas tecnologías comienza a ofrecer opciones increíbles a nivel de posibilidades técnicas y de representación virtual. Bien realizadas son impactantes. Hablamos de pantallas táctiles de gran tamaño y escaso volumen que permiten intervenir directamente al visitante sin ningún tipo de conocimiento o destreza técnica previa. A los niños les encanta. También podemos usar cristales de proyección (incluyen en su interior terminaciones eléctricas sobre plasma) que, conectados a un ordenador, se convierten en pantalla de imágenes o videos retroproyectados, superponiéndoles y recuperando su transparencia cuando interesa.

· Ilusiones ópticas: como en el teatro, los trucos perceptivos son una excelente forma de sorprender al visitante. La óptica hace posible prácticamente un campo ilimitado de soluciones museográficas.

· Espacios de simulación: son en realidad una mezcla entre maquetas a escala 1:1, simulaciones técnicas y efectos especiales. La bajada a una mina, la simulación de un terremoto, un a galerna marina con viento, lluvia, truenos y relámpagos, son algunos ejemplos de lo ya realizado y lo que aun nos queda por inventar. La aceptación de los visitantes hacia estas soluciones es grande ya que tienen una “lejana semejanza” con los parques temáticos y de atracciones. Bien es cierto que correctamente ejecutados son una fuente de información que ningún otro lenguaje puede comunicar con tanta efectividad didáctica.



 

Imagen: http://www.thisiscolossal.com



Todo esto supone la solución a un problema, fomentar una didáctica moderna, atraer a la sociedad hacia el conocimiento y la cultura, pero nunca fabricar por fabricar “reproducciones de la realidad” que reemplacen definitivamente una verdad insustituible. La verdad será siempre la Verdad, pero la nada no tiene sentido ni valor alguno.


BIBLIOGRAFÍA:
RICO, J.C.
La difícil supervivencia de los museos
Editorial TREA, Gijón (2003)

fonte: · en MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. @edisonmariotti #edisonmariotti

PINTURAS CHINA TRADE - Produzidas na China para o mercado de exportação

Produzidas na China para o mercado de exportação, desde o final do século XVIII, as pinturas China Trade atingiram o pico da sua popularidade nas décadas de 40 e 50 do século XIX. Realizadas na sua maioria em aguarela e guache sobre papel, recorrendo a uma paleta de cores vibrantes, constituíam uma espécie de “postais ilustrados” da época e um reflexo da relação entre a China e o Ocidente numa era anterior à fotografia.
Este workshop divide-se em duas sessões. A primeira dedicada à contextualização histórica que se realizará durante uma visita ao Museu e à iniciação ao desenho. A segunda é dedicada a um exercício de pintura tomando como ponto de partida as pinturas China Trade.

Constança Arouca concluiu em 2004 o Curso Avançado em Artes Plásticas e, em 2005, o Projecto Individual no Curso de Imagem em Movimento, ambos no Ar.Co. Em 2012 concluiu a pós-graduação de Antropologia – Culturas Visuais, na FCSH da Universidade Nova de Lisboa.


PINTURAS CHINA TRADE 

8 e 15 Julho
Com Constança Arouca
Horário: 15.00 às 17.00
Preço: €40,00
Público-alvo: Adultos
Participantes: Mín.7, Máx.12

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.museudooriente.pt/2004/pinturas-china-trade.htm#.U6LabECs8Sl

Grande exposição de Björk no MoMA

Um dos mais conceituados museus do mundo, o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMa), anunciou que, a partir de Março de 2015, vai acolher uma exposição dedicada à carreira da cantora islandesa Björk.

A exposição vai «percorrer a sua carreira através de sons, filmes, efeitos visuais, instrumentos, objectos, roupas e actuações. Também será apresentada uma biografia, em parte ficcionada, que Björk co-escreveu com o escritor Sjón Sigurdsson, que colaborou em vários álbuns seus», anuncia o museu em comunicado.

Na mesma nota enviada à imprensa, Biesenbach, o curador-chefe do MoMA, diz que os visitantes vão ter sensações extraordinárias: «Björk é uma artista extremamente inovadora, cujas contribuições para a música contemporânea têm causado impacto em toda uma geração pelo mundo fora».

Na semana passada já tinha sido anunciado que o museu ia exibir uma app da artista, criada para smartphones e tablets, integrando-a na sua colecção de arte. "Biophilia", o mesmo nome do álbum lançado em 2011, foi desenvolvida pela própria cantora.

Disponível desde 2012 para utilizadores de iOS (sistema operacional do iPad e do iPhone), "Biophilia" chegou também ao Android em Julho do ano passado, sendo a primeira vez que um álbum explora as possibilidades multimédia das novas tecnologias móveis.

Ouça, mais abaixo, 'Crystalline', um dos temas que faz parte do álbum "Biophilia".

video em http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=MvaEmPQnbWk

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://cotonete.iol.pt/noticias/body.aspx?id=57879

Nova entidade foi eleita Associação de Amigos do Museu da Imigração de Joinville

Eles têm em comum a juventude, a maioria é historiador ou de área análoga, e agora, juntos, dividem a responsabilidade de representar a comunidade joinvilense no que diz respeito a apoiar e colaborar com as atividades do MNIC (Museu Nacional de Imigração e Colonização) de Joinville. Eleita no dia 9, em assembleia aberta à comunidade, a diretoria intitulada “Memória em Movimento” está determinada em estimular a comunidade a ser participativa nas questões que envolvem o museu. 
 
 
Fernanda Dalonso, Cibele Piva Ferrari, Bruno Marques,
o coordenador do museu, Dilney Cunha, e Misleine Kreich: novas ideias

Os membros da associação já são atuantes em questões que remetem à história e ao patrimônio. E, segundo Cibele D. Piva Ferrari, presidente eleita da associação, a ligação de todos com o museu começou na infância. “Não apenas com o MNIC, mas com todos os museus de Joinville. Mas esse acaba sendo especial, por conta da oportunidade de podermos ajudar, pois essa é a nossa maior intenção”, ressalta.

A diretoria, eleita no dia 9 - mesma data em que foi feita a leitura do estatuto, que teve aprovação unânime das 50 pessoas que compareceram ao encontro, juntamente com a eleição para o conselho fiscal do museu - ficou assim disposta: Cibele D. Piva Ferrari (presidente/historiadora), Jeferson Luiz de Freitas (vice-presidente/historiador), Roberta Nabuco de Oliveira (secretária/ socióloga), Michel Fábio Souza (segundo secretário/babalorixá), Bruno Marques (tesoureiro/historiador), Misleine Kreich (segunda tesoureira/historiadora) e Fernanda Dalonso (colaboradora/psicóloga).

A mesma interação proposta pela diretoria é esperada pelo coordenador do museu, o historiador Dilney Cunha. “Nós queremos uma parceria intensa, pois através da associação e do conselho fiscal poderemos encaminhar projetos, pensar em possíveis aquisições de acervo e inúmeras outras coisas”, explica.

Entre as propostas da diretoria recentemente criada está a de promover sessões de cinema com debates, atividades no jardim do museu e ouvir mais os visitantes sobre o que esperam do museu. Com estas ações, a diretoria acredita que conseguirá uma maior participação da comunidade e a democratização deste espaço. “Nós somos a sociedade civil aqui. Os grupos da cidade vão se reconhecer e se sentirão representados”, ressalta Bruno Marques.

Luta em conjunto com o conselho fiscal

A fiscalização das contas e a submissão de pareceres ficarão a cargo do também eleito conselho fiscal da associação, composto por Paulo Roberto Silva, André Schneider Dietzold e Guilherme Gassenferth. Silva, que também é advogado, informa que segundo o estatuto da Associação de Amigos do Museu, a gestão do conselho e da nova associação terá a duração de dois anos. Ambas terão que trabalhar juntas, para que os objetivos sejam alcançados. “Toda escrituração, parecer, prestação de contas, passará pelos três membros. Pois somos um dos braços da associação”, afirma.

A Associação de Amigos do MNIC desde já se coloca à disposição da comunidade e ressalta que todo o trabalho que foi feito até hoje em relação ao museu, seja ele da antiga comissão fundadora ou da coordenação, será sempre respeitado. E quem quiser se associar, fazer parte desse movimento ou apenas acompanhá-lo, pode entrar em

contato pelo endereço eletrônico aamnic.mm@gmail.com

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://ndonline.com.br/joinville/plural/176144-um-espaco-para-manter-a-memoria-em-movimento.html

Delta abre museu sobre a empresa em Atlanta (EUA)

A Delta Air Lines inaugurou o Museu do Voo Delta, em Atlanta (Estados Unidos), que conta a trajetória da companhia e o desenvolvimento da aviação comercial. As celebrações da inauguração comemoraram, também, a marca de 85 anos em prestação de serviços para passageiros. O museu fica abrigado nos hangares originais de manutenção da companhia, datados de 1940.


“Este museu é um testamento a rica história e cultura da Delta, que sempre foi profundamente enraizada no nosso povo”, diz o CEO da Delta, Richard Anderson. “O museu também comemora a contribuição da Delta para o transporte de passageiros, que influencia no crescimento econômico e desenvolvimento, promovendo melhor compreensão entre as culturas”, finaliza.

O museu tem centenas de artefatos, muitos deles nunca foram expostos ao público. Há também uma exposição permanente de cinco aeronaves: Travel Air 6B Sedan, The Spirit of Delta, um Boeing 767, DC-3 e Ship 41. O museu tem, ainda, um teatro para 117 pessoas e uma sala de conferência que pode abrigar até 30 pessoas.

Pzara mais informações, acesse www.deltamuseum.org @edisonmariotti #edisonmariotti

Bósnios visitam Museu Pelé e buscam inspiração para jogos da Copa

Presidente da Federação de Futebol da Bósnia, Elvedin Begic, ficou encantado com um item: o ingresso da partida de despedida do "Rei" da Seleção, contra a Iugoslávia


Bósnio fica encantado com ingresso da despedida
de Pelé da Seleção (Foto: Antonio Marcos)

Encantados. Foi desta forma que parte da comissão técnica da seleção da Bósnia-Herzegovina e jornalistas que acompanham a equipe europeia no Brasil ficaram após visita ao Museu Pelé, nesta terça-feira, em Santos.

A comitiva bósnia foi representada pelo presidente da Federação de Futebol do país, Elvedin Begic, que observou atentamente cada relíquia conquistada pelo eterno camisa 10 da seleção brasileira. Uma, em especial, chamou mais a atenção do europeu.

- O ingresso do jogo de despedida pela seleção brasileira contra a antiga Iugoslávia nos chamou atenção porque é o nosso antigo país. Faz parte da nossa história.

Elvedin Begic, presidente da Federação de Futebol da Bósnia, em visita ao Museu Pelé (Foto: Antonio Marcos)



Além de conhecer detalhes da vida e da carreira do Rei do Futebol, Begic revelou que a visita teve um motivo bastante especial. Segundo o dirigente, uma seleção precisa de sorte, além de competência. Por isso, o passeio veio em um momento importante para a Bósnia na Copa.

- Não podíamos perder a oportunidade de conhecer este lugar histórico que mostra a vida da maior lenda do futebol. Além de conhecer a história de Pelé, viemos buscar um pouco de sorte também, pois necessitamos.

Bósnios se inspiram durante visita ao Museu Pelé, em Santos (Foto: Antonio Marcos)
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://globoesporte.globo.com/sp/santos-e-regiao/copa-do-mundo/noticia/2014/06/bosnios-visitam-muse-pele-e-buscam-inspiracao-para-jogos-da-copa.html

 

Museu do Semiárido é reaberto em Campina Grande

Espaço foi inaugurado em 2007 pelo Instituto Nacional do Semiárido. Artigos típicos de casas do interior podem ser vistos na Museu.



O Museu Interativo do Semiárido guarda informações sobre o clima que prevalece em boa parte do Nordeste brasileiro e que na Paraíba se concentra nas regiões do Cariri e Sertão. O espaço fica na Universidade Federal de Campina Grande e estava fechado passando por reformas e melhorias e foi reaberto ao público nesta segunda-feira (16), justamente em época de São João.

O espaço foi inaugurado em 2007 pelo Instituto Nacional do Semiárido, que tem importantes pesquisas e trabalhos com agricultores da Paraíba. No museu, os visitantes encontram artigos de uma típica casa da zona rural do interior de cidades que têm o clima seco. São desde móveis rústicos e refinados como cristaleiras até camas com lastro de couro, vitrolas, tamboretes, cacimbas, cantil, ancoretas e cabaça. O museu tem ainda o espaço para a religiosidade com o tradicional altar do canta da parede.



Também são lembrados os equipamentos industriais utilizados na produção de artigos tipicamente nordestinos. “Há também um espaço onde são contadas as estórias de lendas regionais, como Comade Fulôzinha, Curupira e Caipora”, explicou o curador do museu, Daniel Duarte.

O espaço fica aberto todos os dias de 8h às 11h e das 13h às 17h. A entrada é gratuita e o campus da UFCG fica em Bodocongó. Outro local da cultural regional aberto este mês foi o Museu de Arte Popular da Paraíba às margens do Açude Velho, onde estão obras de cantores, poetas, repentistas e artesãos do estado.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2014/06/museu-do-semiarido-e-reaberto-em-campina-grande.html