Listen to the text.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

LER ESTA NOTÍCIA - E todos os convocados vão ter aulas de inglês, dadas por uma patrocinador da CBF, e vamos trazê-los ao nosso museu, para que conheçam nossa história.

Garimpo na Europa e amor pelo país: o plano de Gallo para a base do Brasil

Coordenador das categorias de base sai fortalecido e agora tem papel de integração com a Seleção principal após desastre na Copa do Mundo

 

Se houve alguém que saiu fortalecido do desastre brasileiro na Copa do Mundo, este foi Alexandre Gallo. O coordenador das categorias de base da CBF ganhou mais poderes e será o responsável por viabilizar uma integração efetiva entre as categorias de base e a seleção principal do Brasil. O objetivo é a conquista da inédita medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, em 2016.

- Depois da Copa do Mundo, o presidente Marin me indagou se eu teria um plano de sequência para os próximos anos, e eu apresentei um plano olímpico. Queremos fazer uma mudança em algo que nunca foi levado verdadeiramente a sério - afirmou Gallo, que está no cargo desde fevereiro de 2013.

O plano prevê um aproveitamento maior, na seleção principal, de atletas com idade até 21 anos - justamente aqueles que estariam dentro do limite de 23 anos para disputar a Olimpíada do Rio, daqui a dois anos.

- Historicamente há um "gap" de jogadores que atuam pela seleção sub-20 e depois não conseguem espaço na principal e chegam para disputar a Olimpíada sem lastro, sem vivência de seleção brasileira. A ideia é que 40% ou 50% da seleção principal seja formada por jovens com idade olímpica - disse Gallo.

Alexandre Gallo brasil coletiva (Foto: Bruno Domingos / Mowa Press)Alexandre Gallo quer aulas de inglês e passeio no museu para jovens da Seleção (Foto: Bruno Domingos / Mowa Press)


Segundo as ideias apresentadas nesta quinta-feira por Gallo, os jogadores das seleções de base - sub-15, sub-17 e sub-20 - vão ter acompanhamento periódico de profissionais da seleção principal - físico, psicológico e técnico. E mais:
- Quando assumi, há 18 meses, a seleção sub-15 fazia duas convocações por ano. Agora vamos fazer dez. E todos os convocados vão ter aulas de inglês, dadas por uma patrocinador da CBF, e vamos trazê-los ao nosso museu, para que conheçam nossa história.


O coordenador das categorias de base também revelou que garimpou 35 jogadores que atuam na Europa e poderiam atuar por outras seleções. Dois deles, que defenderam a Bélgica e Portugal, respectivamente, em amistosos, já foram chamados para as equipes sub-20 do Brasil: os meias Andreas Pereira, do Manchester United, e Raphael Guzzo, do Benfica.


- Fizemos uma viagem de captação de atletas de 95 e 96. Monitoramos os clubes europeus para termos mais controle sobre os nossos jogadores. 


FONTE: @EDISONMARIOTTI #EDISONMARIOTI http://globoesporte.globo.com/futebol/selecao-brasileira/noticia/2014/07/aula-de-ingles-e-passeio-no-museu-o-plano-de-gallo-para-base-do-brasil.html

Limita al norte con el océano Atlántico, al este con Surinam, al oeste con Venezuela y al sur con Brasil.

El vuelo desde Caracas (Venezuela) hasta Georgetown (Guyana) dura 4:30 horitas y con escalas. Una combinación bastante fastidiosa la verdad, pero sí se tiene que ir, se va y punto. Guyana, y no Guayana “anymore”, cuyo nombre oficial en realidad es República Cooperativa de Guyana (en inglés: Cooperative Republic of Guyana), es un país situado al norte de América del Sur, miembro de la Unasur. Limita al norte con el océano Atlántico, al este con Surinam, al oeste con Venezuela y al sur con Brasil. También se le suele denominar como Guayana Británica, debido a su pasado colonial británico. Su capital y ciudad más poblada es Georgetown. Las dos terceras partes del oeste del país son reclamadas por Venezuela, zona llamada por ésta como Guayana Esequiba. Su otro vecino, Surinam, reclama para sí una parte del territorio oriental. Están rodeados de vecinos dándoles la lata por una cuestión de tierras; los abusones de siempre y Guyana resistiendo. Tiene unos parques naturales fantásticos sin mencionar las playas de agua azul y arena blanca para pasar una temporadita tipo “no me estreses”.






Georgetown alberga la mayoría de los museos en Guyana. Cada uno de los cuales muestra un aspecto diferente de los restos históricos de Guyana. Queremos agradecer al Gobierno de Guyana, en concreto a la Autoridad del Turismo de Guyana, que nos haya ayudado en la realización de la entrada de hoy.

1. The Guyana National Museum / Georgetown


El Museo Nacional El Museo Nacional de Guyana se encuentra en North Road en un complejo de edificios que se inauguró en 1951. Las colecciones del Museo fueron alojadas anteriormente en el Edificio Carneige. El Museo Nacional de Guyana en Georgetown tiene una gran colección de flora y fauna, de piedras preciosas que se encuentran en la formación de la tierra de la zona, los hallazgos arqueológicos, y ejemplos de las artes y artesanías amerindias. Este museo es el más grande del país y la casa de la mayoría de sus restos arqueológicos.

2. Walter Roth Museum of Anthropology / Georgetown


El Museo Walter Roth de Antropología, es el primer museo de la antropología en el Caribe de habla inglesa que fue fundado en el año 1974 con las colecciones del arqueólogo guyanés, el Dr. Denis Williams. El museo alberga una colección etnográfica del Wai Wai, una de las nueve tribus indígenas que se encuentran en Guyana,y que se presentó a este museo en 1991 por el antropólogo cultural de Guyana, el Dr. George P. Mentore. Las colecciones del Museo también incluyen restos arqueológicos excavados de todas las diez regiones administrativas de Guyana.

3. Castellani House: the home of the National Gallery of Art / Georgetown


Este gran edificio de madera fue diseñado por César Castellani. Alguna vez fue la residencia del Director de Agricultura en 1888. En 1965 el edificio fue convertido como la residencia oficial por el Sr. Linden Forbes Sampson Burnham, el entonces Primer Ministro de la Guayana Británica. En 1993 se celebró la colección inaugural de la Galería de Arte.

4. The Museum of African Heritage / Georgetown


El museo fue llamado inicialmente el Museo de Arte Africano y Etnología y fue fundada en 1985. En 2001, el museo recibió el nombre de Museo de la Herencia Africana, con el fin de abrir sus puertas a un público más amplio y comenzar a abordar plenamente de la experiencia africana en Guyana. La colección actual incluye artículos sobre arte africano, en su mayoría de África Occidental, de la máscara de madera con la puerta tallada de las sociedades secretas, ayudando a educar a las personas sobre el significado y las razones detrás de las tradiciones artísticas africanas. También en la colección son piezas más prácticas, como las pesas de bronce utilizadas para medir el polvo de oro, tambores, instrumentos musicales, juegos y ropa. Donaciones más recientes incluyen una réplica de madera del monumento de 1763.

5. John Campbell Police Museum / Georgetown


Uniformes, instrumentos de música, fotografías y otros artefactos de la policía que se remontan a la época colonial están en exposición. Muy poquita cosa.

6. National Military Museum / Georgetown


El museo exhibe artefactos históricos, como armas militares, uniformes, y muchos otros equipos y elementos utilizados por los enfrentamientos militares de tropas anteriores y los registros están en exhibición.

7. The Rupununi Weavers Society Museum / Lethem


La Sociedad de Tejedores Rupununi se asocia también con el Museo Walter Roth de Antropología en Georgetown. Esta asociación tiene por objeto promover y aumentar el conocimiento de las culturas indígenas de Guyana. Para ello, la sociedad mantiene un museo dentro de su recinto en las afueras de Lethem. El museo alberga artefactos amerindios y antigüedades, así como materiales de archivo y otros recursos intelectuales.

8. The Guyana Heritage Museum / Kastev


Utensilios de hierro, portadores de almuerzo de esmalte, hielo-afeitadoras, ollas de hierro de tres patas, de los siglos XVIII y mapas del siglo XIX, monedas y sellos, otros artefactos y una impresionante colección de libros de autores guyaneses despiertan una sensación de nostalgia. Era obvio que la recogida de estos artefactos en el Museo del Patrimonio Guyana, situada en Kastev, en West Coast Demerara fue el resultado del amor por la patria, la dedicación y el trabajo duro a lo largo de varios años.

9. The Philatelic Museum / Cummingsburg


Una filial de la oficina de correos de Guyana se estableció en 1860 y se cerró en 1962, cuando se inauguró la Escuela de Formación de Correos. El edificio está situado en Lamaha y Carmicheal Street, Cummingsburg, en la actualidad alberga un café Internet y oficina de correos operado por la Guyana Post Office Corporation.

La semana que viene nos vamos a la República Dominicana. ¡Nos vemos allí! ¡Feliz fin de semana!

N. de R.: Disculpad la calidad de las fotografías de hoy, nos ha sido literalmente imposible encontrar otras mejores. El Gobierno de Guyana ha colaborado pero no hasta ese punto. Los textos geo-políticos los hemos tomado de Wikipedia. Hoy no publicamos bibliografía por que no hemos encontrado nada interesante. Se admiten sugerencias.
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti EVE Museografía · en MISCELÁNEA, MUSEOGRAFÍA, VIAJES. ·

Museu Pelé terá mudanças constantes para garantir retorno dos turistas

Com o objetivo de atrair 50 mil pessoas por mês e 600 mil por ano, o Museu Pelé, no Valongo, em Santos, passará por mudanças constantes para garantir o retorno dos turistas e santistas ao local. A ideia é apresentar um tema diferente nos mezaninos a cada três ou quatro meses. Atualmente, o destaque fica para o tema Quatro copas e um rei.

E a rotatividade será apenas uma das novidades previstas nos próximos meses para o espaço, que completou um mês de funcionamento no último dia 15. Os detalhes sobre o futuro do museu foram apresentados para A Tribuna On-line pelo secretário municipal de Turismo, Luiz Guimarães, que se mostrou satisfeito com o balanço do primeiro mês de visitas.

Ao todo, 23 mil pessoas conheceram a história do rei do futebol desde 15 de junho, sendo, pelo menos, 50% de estrangeiros, devido à realização da Copa do Mundo no Brasil. A presença de duas seleções na Cidade - México e Costa Rica - contribuiu para a vinda do público. "Foi positivo, pois atingimos o nosso objetivo, que era atrair os turistas estrangeiros, que vieram para a Copa. Foi uma grande oportunidade para pegar esse segmento. Agora, o museu entra em seu ritmo de vida normal", afirmou Guimarães.

"O Aquário atrai, sobretudo, as crianças, e já é um espaço consolidado, com fluxo grande. Muitas pessoas da própria Cidade vão lá com frequência junto aos seus filhos. Tem também as escolas. O Museu Pelé, é voltado para quem gosta de futebol, mas também iniciou a programação de visitas escolares essa semana, já que há um setor voltado especificamente para esse público", disse Guimarães que, ao incorporar o Museu Pelé nos pontos turísticos de Santos, busca fazer com que a Cidade seja atrativa pelo seu conjunto, atingindo diferentes perfis dentro de uma mesma família.

"Hoje é a cereja do bolo e vem se integrar a uma cesta de ofertas que a Cidade possui, com Pelé, para quem gosta de futebol, a Bolsa do Café, que pega outro segmento, Aquário, Orquidário, bonde".

Novidades

Uma parceria com o Memorial das Conquistas do Santos Futebol Clube e um folder com o roteiro do Pelé na Cidade estão entre as iniciativas para agregar valor ao empreendimento, tornando Santos a capital do futebol arte, conforme se referiu Guimarães, que apontou ainda as mudanças e atrações que prometem chamar a atenção dos visitantes.

"A cafeteria deve estar operando em cerca de um mês. A parte de multimídia também vai ficar mais atrativa. Em relação às peças, estão à disposição as principais, mas, aos poucos, o restante vai sendo incorporado", ressaltou o secretário. Uma constante mudança nos objetos em destaque também é a aposta para o retorno do público.

"A cada três ou quatro meses uma parte do museu terá um tema novo. Nos mezaninos superiores, os temas serão sempre alterados. Estaremos permanentemente em mudança até para que seja atrativo mais vezes para a mesma pessoa. Um museu não pode ser estático. A AMA Brasil também pretende organizar eventos, como exposições, coquetéis, palestras para os patrocinadores ou outros interessados, já que o prédio comporta diversas atividades. Contamos, por exemplo, com um auditório com 90 lugares".

Para Guimarães, é importante que o visitante possa ter no museu uma grande vivência em relação ao futebol, oferecendo riqueza de cultura. "Museu moderno tem que ter função lúdica, envolver a pessoa na ambiência do tema". 
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.atribuna.com.br/cidades/museu-pel%C3%A9-ter%C3%A1-mudan%C3%A7as-constantes-para-garantir-retorno-dos-turistas-1.393201

Claudia Raia visita museu em Londres com a família

Atriz viajou na companhia do namorado, Jarbas Homem de Mello, e dos filhos, Enzo e Sofia.

Claudia Raia está "turistando" por Londres, na Inglaterra, com a família. Nesta sexta-feira, 18, a atriz, que está loiríssima, visitou o British Museum na companhia do namorado, Jarbas Homem de Mello, e dos filhos, Enzo e Sofia, e postou um registro do passeio no Instagram.


Em outra imagem divulgada no dia anterior, em que aparece ao lado de Jargas, ela escreveu la legenda: "Feliz".
 
legen Claudia Raia e familia (Foto: Instagram/Reprodução)Jarbas Homem de Mello, Claudia Raia, Enzo e Sofia  (Foto: Instagram/Reprodução)
Claudia raia com namorado Jarbas Homem de Mello (Foto: Instagram/Reprodução)"Feliz", diz Claudia na legenda da foto (Foto: Instagram/Reprodução)
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://ego.globo.com/famosos/noticia/2014/07/claudia-raia-visita-museu-de-londres-com-familia.html
 

“Here and Elsewhere”: Porque há muito “mundo árabe” para além das notícias

Dar a conhecer a arte contemporânea com origem e sobre o mundo árabe é o objetivo de uma exposição patente no New Museum of Contemporary Art de Nova Iorque, onde estão reunidos os trabalhos de perto de meia centena de artistas de mais de 50 países. 

A mostra “Here and Elsewhere” foi buscar o nome emprestado a “Ici et Ailleurs”, um ensaio cinematográfico assinado por Jean-Luc Godard em 1976 e que teve um enorme impacto junto de toda uma geração de artistas do mundo árabe.

A exposição pretende contrariar a ideia generalizada que apresenta o mundo árabe como uma entidade homogénea, segundo afirma o curador da mostra, Massimiliano Gioni:

“É, obviamente, uma parte gigantesca do mundo e seria naïf, até mesmo colonialista da nossa parte, reduzi-lo (o mundo árabe) a uma imagem única. Julgo que a identidade do mundo árabe ou dos mundos árabes foi, em muitos casos, formada como uma recusa desta ideia de uma unidade ficcional, que foi imposta pelo Ocidente”.

O projeto começou por ser um documentário pró-palestiniano, mas evoluiu para uma complexa reflexão sobre a forma como o mundo árabe é retratado nos media

“(Os artistas) sugerem questionar os grandes meios de comunicação ou pelo menos consciencializar para o facto de a História não ser apenas escrita pelos meios de comunicação e pelos relatos oficiais. A História também é escrita na primeira pessoa, também pode ser contada através das histórias singulares dos indivíduos e penso que também é isso que está no cerne de muitos dos trabalhos nesta exposição”, explica Gioni.

“Here and Elsewhere” está patente no New Museum of Contemporary Art de Nova Iorque até ao final de setembro.

Copyright © 2014 euronews 

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.atribuna.com.br/cidades/museu-pel%C3%A9-ter%C3%A1-mudan%C3%A7as-constantes-para-garantir-retorno-dos-turistas-1.393201