quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Projeto leva música negra a museu no Centro de Vitória

Mucane recebe, a partir de domingo, uma série de grupos afro. Sonora Brasil Tambores e Batuques acontece, sempre, às 19h.

Grupo paraense Samba de Cacete da Vacaria (PA)
(Foto: Divulgação Semc)

O Museu Capixaba do Negro (Mucane) promove o projeto Sonora Brasil Tambores e Batuques, entre este domingo (10) e o próximo dia 16 (sábado), no Centro de Vitória. Sempre a partir das 19 horas, o local vai receber apresentações de grupos musicais.

O projeto traz manifestações da tradição de quilombolas, que têm o tambor como um elemento fundamental e, em alguns casos, sagrado. Os grupos utilizam instrumentos fabricados artesanalmente, de acordo com as tradições de suas comunidades. Compõem seus repertórios cânticos que aludem a fatos da vida social, ao trabalho e às crenças religiosas.

Segundo a organização, o Sonora Brasil é um projeto temático do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Sesc) e visa à promoção e à formação de ouvintes musicais, desenvolvendo programações identificadas com a história da música no Brasil. "Trata-se de um evento importante com grupos locais e de outros estados. Esse intercâmbio, além de valorizar a cultura, também contribui para a formação musical e oferece acesso do público à música tradicional", afirmou o coordenador do Mucane, Welington Barros.

Tradições musicais de vários estados estão no
Sonora Brasil (Foto: Divulgação Semc)

Programação
O grupo Raízes do Bolão, do quilombo do Curiaú (AP), abrirá a programação, no domingo (10), apresentando música e dança típicas do Amapá, com destaque para o marabaixo e o batuque. Essas manifestações da cultura popular estão associadas a festividades da igreja católica em louvor a Santo Expedito, São Tiago e São José, entre outros, e remetem a tradições seculares com origem em quilombos da região.

A atração de segunda-feira (11) será a Banda de Congo Mirim da Ilha (Vitória), composta por 25 crianças e jovens da região de São Pedro que integram o projeto "Congo na Escola". Os participantes recebem aulas práticas e teóricas sobre a história e música do congo, ministradas pelo mestre Zé Bento. Esse projeto abrange cerca de 70 estudantes da rede municipal de educação, que frequentam oficina de congo no Centro Cultural Caieiras.

O grupo gaúcho Alabê Oni (RS), que é formado pelos músicos e pesquisadores da história do tambor de sopapo (o grande tambor) Richard Serraria, Mimmo Ferreira, Pingo Borel e Kako Xavier, apresenta-se na terça (12). O grupo mostrará repertório de maçambiques, quicumbis, alujás e candombes, manifestações da cultura negra do Rio Grande do Sul ligadas a tradições religiosas e de matriz africana.

Na quarta-feira (13), será a vez do grupo Raízes de Tocos (BA). Liderado pelo mestre Satu, o grupo apresentará o tradicional samba de roda da Bahia. Os integrantes são lavradores na região da antiga Fazenda dos Tocos, no município de Antônio Cardoso. Ele se apresenta em festas profanas e religiosas, como as de São Cosme e São Damião. Tocadores e cantadeiras/sambadeiras cantam acompanhados de tambores de oca de pau, pandeiros, triângulo, cacumbu e viola.

Na quinta-feira (14), sobe ao palco do Mucane a Banda de Congo da Barra do Jucu (mestre Honório), que é a mais antiga do lugar e mantém uma tradição de 43 anos. Foi fundada por Honório de Oliveira Amorim e atualmente tem como mestre Daniel Vieira dos Santos, integrante da formação inicial. Com sua batida própria, a banda tem como padroeiro São Benedito e faz várias apresentações pelo Brasil.

Mais uma atração capixaba apresenta-se na sexta-feira (15). Trata-se da bateria da Unidos da Piedade, que é a primeira escola de samba do Espírito Santo. Com 14 títulos no Carnaval de Vitória, a Piedade completa 60 anos este ano e se coloca como patrimônio cultural do Espírito Santo. Sua bateria faz jus ao título de “Berço do Samba” que a Piedade ostenta.

Fechando a programação, no sábado (16), apresenta-se o grupo paraense Samba de Cacete da Vacaria (PA). Os participantes são moradores da zona rural da cidade de Cametá e vivem da produção agrícola. O tradicional samba de cacete é geralmente praticado em mutirões chamados "o convidado", em que a comunidade junta suas forças para preparar a terra para o plantio. O samba é tocado no intuito de animar o grupo para que o trabalho seja feito com eficiência e rapidez.

Serviço
Sonora Brasil Tambores e Batuques
Quando: de domingo (10) a sábado (16), a partir das 19 horas
Onde: Museu Capixaba do Negro (Mucane) – avenida República, 121, Centro
Entrada gratuita

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  http://g1.globo.com/espirito-santo/musica/noticia/2014/08/projeto-leva-musica-negra-museu-no-centro-de-vitoria.html

Institute for Collaborative Research in the Humanities at Queen’s University Belfast, exploring ‘folk horror’

‘A Fiend in the Furrows’ is a three-day conference in association with the School of English and the Institute for Collaborative Research in the Humanities at Queen’s University Belfast, exploring ‘folk horror’ in British and Irish literature, film, television, and music. The event will include academic papers, film screenings, musical performances, and readings.





Supernatural and horrific aspects of folklore inform the Gothic and weird writings of
M.R. James, Arthur Machen, Algernon Blackwood and Lord Dunsany, where philosophical and religious certainties are haunted and challenged by the memory of older cultural traditions. Folklore has a profound and unsettling impact on the imaginative perception of landscape, identity, time and the past. Folk memory is often
manifested as an intrusive and violent breach from an older repressed, ‘primitive’ or
‘barbarous’ state that transgresses the development of cultural order. Gothic and
weird fictions are burgeoning as the focus of serious academic enquiry in philosophy
and literary criticism, and the genres continue to have an impact on popular culture.

Through the writing of Nigel Kneale and Alan Garner, among others, the tradition
has influenced British and Irish horror cinema and television, being revived and reimagined in films such as Quatermass and the Pit (1967), The Devil Rides Out(1968), Witchfinder General (1968), Blood on Satan’s Claw (1971), The Wicker Man(1973), and more recently in Wake Wood (2010) and Ben Wheatley’s Kill List (2011) and A Field in England (2013). The conference will examine ‘folk horror’ texts, films and music in their period context and the implications for British and Irish culture’s understanding of their own unsettled pasts.

It will feature papers examining topics such as:

Late 19th century Gothic literature
Early 20th century weird fiction
Modernism and weird fiction
The ghost story
Contemporary horror and fantasy fiction
Children’s literature
Folklore collectors and redactors
Folklore and the supernatural
Primitivism, atavism, degeneration
Rural and urban folklore
Horror cinema and television
Folkmusic
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://blogs.qub.ac.uk/folkhorror/

¿Qué es una Holografía?

Hoy vamos a dedicar la entrada a explicar en que consiste una holografía aplicada a las exposiciones y colecciones de los museos. En algunas ocasiones cuando intentábamos razonar la aplicación de la proyección holográfica en un proyecto museográfíco, se nos preguntaba: ¿eso de la holografía es como cuando la princesa Leia aparecía para hablar con Luke Skywalker sobre R2D2? Pues sí y no. Una holografía es una proyección audiovisual que se realiza lanzando los haces de luz sobre un tipo de cristal especial, cristal que, como mucho, disponga de un 90% de transparencia.

true-3d-display-technology

 Si es más transparente que eso la imagen se pierde. Las holografías sin cristal de apoyo como pantalla no se pueden hacer – y no puede ser totalmente transparentes -, la luz ambiente del lugar donde se realice tiene que ser baja. Cuando en las pelis de ciencia ficción el universo se conforma en el aire de la nave, dónde el héroe señala entonces a la tripulación el planeta que se va a conquistar mientras gira las estrellas con la mano, eso, hoy, es imposible. Siempre debemos proyectar sobre algo material que actúe como pantalla. Lo más cercano a lo “inmaterial”, sin cristal, es a proyectar sobre vapor de agua. El famoso holograma de Freddy Mercury que se pudo ver en la ceremonia de los Juegos Olímpicos celebrada en Londres, se hizo sobre cristal, o el de Michael Jackson, para la que también se usó un enorme cristal en términos de longitud. Eso sí, nunca veremos de donde procede la luz del proyector. Cuando podamos manejar los átomos a nuestro antojo con fines audiovisuales, entonces ya veremos.

Desde el punto de vista de la holografía aplicada a la museografía, comentar que puede ser útil. En la medida que nosotros las hemos usado y que han tenido repercusión, ya no solo por la novedad que representan aun hoy, sino también por su aplicación práctica, es un medio muy interesante. Hoy por hoy todo consiste en instalar un proyector multimedia casi convencional y una pantalla de cristal especialmente fabricada para su uso en holografía. Nosotros las traemos desde Estados Unidos, no son baratas. El único problema que nos hemos encontrado cuando las hemos usado para “resucitar” personajes, es que ofrecen cierto aire fantasmagórico distorsionando su percepción realista por parte del visitante. Si la proyección la hacemos sobre vapor de agua, entonces convertimos directamente al personaje en un fantasma. La empresa española Paraddax ofrece diversas soluciones interesantes incluida la proyección sobre vapor.

ABRAHAM LINCOLN PRESIDENTIAL MUSEUM 'GHOSTS OF THE LIBRARY' 
Proyección sobre vapor de agua (archivo EVE)

Para los objetos es mucho más realista. Hoy el sistema Dreamoc ha conseguido un nivel de realismo que era impensable dos años atrás. El problema que tienen estos sistemas, es que aun hoy necesitan una estructura para poder emplearse adecuadamente y una iluminación determinada. No pueden colocarse en cualquier sitio. La estructura es un gran mueble, bastante feo como veréis en el vídeo y que actualmente es imposible evitar. Otras compañía danesa, trabaja también sobre holografía 3D pero el problema sigue siendo el mismo, las enormes estructuras que se necesita para hacer que la holografía sea posible. En cualquier caso, creemos que estos avances multimedia ser irán desarrollando a velocidad de crucero y que en cualquier momento todo será diferente, pero eso sí, la holografía seguirá siendo necesaria, aunque acabemos percibiendo la imagen como si nada estuviera allí “reflectando”. Queda aun mucho camino que recorrer para que se nos aparezca la princesa Leia.

 La empresa Dreamoc XL con el sistema REalFiction ha conseguid unos efectos verdaderamente espectaculares 3-innovation-store_holographic-displays-2Paraddax-Holoman150-04Paraddax-Holoman150-06Lumibox Chanel 2_ParaddaxJFK Anniversary Paine House 



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://evemuseografia.com/2014/08/07/que-es-una-holografia/

Os museus têm a missão de preservar o passado, para que melhor se entenda o caminho percorrido pelo homem através do tempo.

‘A história do mundo em 100 objetos” é um livro singular, com 781 páginas, escrito por Neil MacGregor, Diretor do British Museum, e publicado no Brasil pela Intrínseca, em 2013. Os museus têm a missão de preservar o passado, para que melhor se entenda o caminho percorrido pelo homem através do tempo, nas diversas civilizações. Criado em 1753, o British Museum reúne um acervo fantástico de objetos coletados de todas as partes do planeta, o que o credencia como um dos melhores do mundo. Em 2010, o Museu e a Rádio 4, da BBC, fizeram um programa para divulgar uma pequena parte do acervo, mas que tivesse o condão de juntar as peças representativas da experiência
humana, desde dois milhões de anos atrás até os dias atuais. A partir desse programa, MacGregor resolveu escrever essa obra, a qual se sobrepõe à produção da Rádio 4 BBC, pois a ótima descrição de fatos e de objetos se completa com belas ilustrações.

Uma história ideal é formada de textos e objetos, mas, em alguns capítulos do livro, isto se prova ser impossível, conforme diz o próprio autor. Como exemplo, ele cita o capítulo 89, quando ocorre o primeiro encontro entre o capitão Cook e os aborígenes australianos. Dos ingleses, ficaram relatos científicos e o diário de bordo do capitão sobre aquele fatídico dia. Porém, dos aborígenes restou apenas um escudo de madeira deixado para trás por um homem em fuga, por conta do pânico causado por um tiro de arma de fogo. O
autor, então, conclui: “Se quisermos reconstruir o que de fato aconteceu naquele dia, o escudo deve ser examinado e interpretado com a mesma profundidade e o mesmo rigor com que examinamos e interpretamos os relatos escritos”. Como se sabe, quase sempre são os vitoriosos que escrevem a história, principalmente quando os vencidos foram alvos de conquistas. Nos contatos das sociedades letradas com as não letradas, os relatos escritos são somente uma parte da verdade; a outra parte deve ser buscada na leitura que se faça dos objetos.

Preferi uma leitura intercalada desse livro, pois senti se tornar cansativo ao tentar ler da primeira à última página. Vez por outra volto à leitura, quando faço a escolha do assunto porque já conheço, ou por alguma outra afinidade. O capítulo 33 fala da famosa Pedra de Roseta, oriunda do reinado de Ptolomeu V, no Egito – 205 a.C. –, encontrada em El-Rashid, no Egito, em 196 a.C. Neil MacGregor diz que este é o objeto mais popular do British Museum, até mesmo ao se comparar com as múmias. Refere-se a suas andanças
pelo Museu, quando sempre encontra um bom grupo de visitantes, ao redor da Pedra. Pode até mesmo ser que eu, certo dia, tenha sido uma daquelas pessoas, durante visita que fiz ao British Museum, alguns anos atrás.

A Pedra de Roseta é um bloco de granito, com 114,4 cm de altura, 72,3 cm de largura e 27,9 cm de espessura. Ela traz as mesmas inscrições em três línguas diferentes: o grego clássico, de uso oficial, a escrita demótica, usada pelo povo e os hieróglifos egípcios. Porém, ainda existe uma quarta língua, pois, na face quebrada da Pedra, está escrito em inglês: “Tomada no Egito pelo exército britânico, em 1801”. De fato, em 1798, as forças de Napoleão invadiram o Egito, mas, três anos depois, foram derrotadas pelos ingleses, na Batalha do Nilo. Os termos do Tratado de Alexandria exigiram a entrega de antiguidades, entre elas a Pedra de Roseta. Esse pedaço de granito
quebrado remete à época dos reis gregos de Alexandria, depois que Alexandre, o Grande, invadiu o Egito; à longa disputa entre franceses e britânicos, e à mais famosa decifração que se tem notícia – a dos hieróglifos. Um objeto simples guarda importante resgate de um tempo histórico.



Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://tribunadonorte.com.br/noticia/pedra-de-roseta/289732
Daladier Pessoa Cunha Lima
reitor do UNI-RN

Artista torna corpo de mulheres invisível utilizando pintura.

Um chinês com a incrível habilidade de “desaparecer” diante dos olhos de todo mundo por meio da pintura. Pois saiba que ele não é o único a usar essa técnica.

De acordo com o pessoal do site SFGate, a artista norte-americana Trina Merry também é mestre em tornar pessoas invisíveis em plena vista.

Em um de seus projetos, Trina decidiu usar a cidade de Nova York como estúdio de arte e tornar os corpos de mulheres seminuas invisíveis em meio a alguns locais bem conhecidos, como o Museu Guggenheim, o Empire State Building e a ponte do Brooklyn.

Mas, para conseguir o efeito desejado, primeiro as modelos precisam se posicionar diante de uma paisagem específica e, depois, ter o corpo todo pintado. Após ficarem prontas, as mulheres devem permanecer completamente imóveis em determinadas poses enquanto as fotos são clicadas a partir de um ângulo específico.

Além de incrivelmente e trabalhoso, todo o processo é bem demorado, e muitas vezes os corpos das modelos precisam ser repintados caso alguma coisa mude no conjunto da cena. Você pode conferir o resultado dos cliques de Trina na galeria abaixo ou visitar o site da artista através deste 


link http://www.trinamerryartist.com/ 

para conhecer outros projetos interessantes.



fonte @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.trinamerryartist.com/