quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Museu Regional Casa dos Ottoni reabre em agosto no Serro (MG)

Reabertura contará com a apresentação musical do Grupo Marahú e de um monólogo a partir de conto de Guimarães Rosa.



Espaço ficou alguns meses fechado por conta de um problema na estrutura do telhado



Na próxima terça-feira (19), o Museu Regional Casa dos Ottoni (MRCO), localizado na cidade de Serro (MG), vai inaugurar a exposição D. Zefa: a sacralização do cotidiano, com imagens do fotógrafo Lori Figueiró, marcando sua reabertura após alguns meses fechado por conta de um problema na estrutura do telhado.

Além da exposição temporária, que fica em cartaz até 31 de agosto e integra projeto para a preservação dos saberes tradicionais e da memória, o museu promove na reabertura a apresentação musical do Grupo Marahú e de um monólogo a partir de conto de Guimarães Rosa, Sinhá Secada.

Já na quarta-feira (20), será a apresentação do monólogo Menina de lá – também baseado em conto de Rosa.

Obras de infraestrutura

Em agosto de 2013, técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) analisaram a situação do MRCO e disseram ser necessário interditar imediatamente os ambientes. Em março deste ano, foram iniciados os serviços de recuperação da cobertura da casa e serviços técnicos especializados para a elaboração de projeto executivo de restauro e revisão de projetos de instalações.

Durante as obras, somente o primeiro pavimento do museu estava aberto para visitação. Por questões de segurança, o segundo pavimento e o jardim estavam fechados durante o período das obras.

Para outras informações sobre a programação, o Museu Regional Casa dos Ottoni pode ser contatado pelo telefone (38) 3541.1440 ou pelo endereço eletrônico mrco@museus.gov.br

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.brasil.gov.br/cultura/2014/08/museu-regional-casa-dos-ottoni-reabre-em-agosto-no-serro-mg

 

Museu russo do Gulag criará modelos em 3D dos campos de trabalho stalinistas

Historiadores trabalham para preservar a memória histórica do Gulag na Sibéria.


Historiadores russos criarão modelos em 3D dos campos de trabalhos forçados do Gulag que estão desaparecendo na região siberiana do rio Kolyma, no Extremo Oriente da Rússia.

Os funcionários do Museu Estatal de História do Gulag, instituição sediada em Moscou, visitaram os campos abandonados, de acesso extremamente difícil, em três localidades da região. Durante a expedição de uma semana, os pesquisadores fotografaram os campos a partir de um helicóptero controlado remotamente para criar os modelos em 3D posteriormente. Eles também coletaram objetos cotidianos da vida dos prisioneiros e reuniram-se com pessoas que estiveram nos campos e com suas famílias, bem como com antigos colegas dos funcionários da NKVD que realizavam as prisões na época das repressões stalinistas. O NKVD era o Comissariado do povo para assuntos internos, Ministério do Interior da União Soviética no âmbito do qual foi estabelecido o sistema Gulag.

O Museu russo trabalha atualmente em um projeto chamado The Doors. De acordo com o diretor da casa, Roman Romanov, quatro exposições já foram concluídas. Cada uma delas se abre ao público através de uma porta de verdade retirada de um dos milhares de campos soviéticos de trabalho penal. Este foi um dos objetivos da expedição à remota região de Kolyma: encontrar uma porta de enfermaria para a quinta exposição dedicada aos campos siberianos. No entanto, quando os pesquisadores viram as antigas construções em ruínas, desistiram da ideia inicial e decidiram usar uma velha porta de uma colônia penal. Além disso, resolveram avançar o projeto dos modelos em 3D a fim de preservar a memória dos locais históricos.

O Gulag era um sistema formado por cerca de 30 mil campos de trabalhos forçados para criminosos, presos políticos e qualquer cidadão em geral que se opusesse ao regime da União Soviética. Todavia, a grande maioria era de presos políticos. Devido às duras condições de trabalho, estima-se que mais de dois milhões de pessoas tenham morrido nos campos.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.diariodarussia.com.br/cultura/noticias/2014/08/14/museu-russo-do-gulag-criara-modelos-em-3d-dos-campos-de-trabalho-stalinistas/

Guerreiros: do bronze ao aço - Museu Histórico de Santa Catarina

O quê: Concebida pelo SCAM – Grupo de Recriação Histórica e Cultural, a mostra aborda a história das armaduras, exibindo réplicas de armaduras de cavaleiros medievais, legionários romanos e samurais.

Quando: Até 31/8. Terça a sexta, das 9h às 17h; sábados e domingos, das 10h às 16h. Entrada gratuita.

Onde: Museu Histórico de Santa Catarina – Palácio Cruz e Sousa (Praça XV de Novembro, 227 – Centro | Florianópolis – SC)

Informações: (48) 3665 6362

armadura

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti https://www.museus.gov.br/ibram-agenda/guerreiros-do-bronze-ao-aco/

China investe US$ 812 milhões por museus gratuitos


O Ministério das Finanças da China informou que alocou 4,96 bilhões de yuans (US$ 812,62 milhões) para apoiar as entradas gratuitas a museus, galerias, memoriais e bibliotecas neste ano. 
 
Os fundos para 2014 manterão 1.815 museus e memoriais locais gratuitos, bem como 6.537 galerias, bibliotecas e instalações culturais locais. 

A cifra é quase igual à do ano passado. Cerca de 5,11 bilhões de yuans (US$ 837,7 milhões) foram usados para apoiar a entrada gratuita em 2013. 

fonte: http://portuguese.cri.cn/721/2014/08/14/1s188002.htm @edisonmariotti #edisonmariotti   por Xinhua

Museos y Moda

“La gente desnuda tiene poca o ninguna influencia sobre la sociedad”. Mark Twain

Hoy, hemos dedicado esta entrada a una buena amiga que nos lo ha pedido, por lo que vamos a escribir sobre los museos de trajes o museos de moda. aquellos que muestran en sus exposiciones la historia de la moda en el mundo.
 
Son muchos los museos en los que se puede ver historia de la moda, incluso en museos de ciencias o de historia. Por supuesto, existen museos monográficos sobre el tema, dedicados solo y exclusivamente al traje y sus complementos. La indumentaria es lo que nos separa del aire, salvo en esta época del año por este hemisferio, en cualquier caso es un hecho físico que ha afectado y afecta a todos los pueblos y culturas a lo largo de la historia de la humanidad, tanto de Oriente como de Occidente, de ahí su enorme importancia. La ropa, en sus distintas manifestaciones como objeto humano, ha generado museos específicos: museos del vestido, de la moda, accesorios, de la maquinaria e industria textil, de la materia prima utilizada (seda, lana, lino), de los zapatos, de perfumes, incluso hay museos dedicados a la peluquería. 
 
Y todo ello sin pararnos a hablar sobre la representación del vestido a lo largo de la historia del arte en todas sus expresiones. Debemos mencionar, eso sí, que los museos dedicados a los vestidos, a la indumentaria, tienen una problemática especial y concreta con su museografía que no tienen otros museos como los de maquinaria textil, por ejemplo. Muchos de estos diseños son además centros de enseñanza, ya que están adscritos a escuelas de diseño de la moda. Todo ellos cumplen su función didáctica como testigos del paso del tiempo. Muchos de ellos se encuentran actualmente en fase de actualización, aplicando las nuevas técnicas de restauración y conservación a la delicada tela.

Hoy haremos una selección de aquellos museos que nos parecen muy importantes en relación con historia de la moda y, como siempre, os decimos que no podemos mencionar a todos. Os pedimos disculpas a los que echéis alguno de menos. Pues eso, a vestirse de museos…

Museo del Traje (Madrid, España)



Museo de la Moda (Bath, Inglaterra)



Museo Pallais Galliera (París)



Museo Metropolitano de Nueva York – Instituto del Traje



Museo Instituto de la Tecnología de la Moda de Nueva York



Museo Alberto & Victoria de Londres – Galería de la Moda



Museo Cristobal Balenciaga (Getaria, España)



Museo Gucci de Florencia (Italia)



Museo Instituto de la Moda de Kyoto (Japón)



Museo Salvatore Ferragano – Palazzo Spini Feroni de Florencia (Italia)



Museo de la Moda (Santiago de Chile, Chile)



Museo de la Moda de Bélgica – MoMu (Antwerp, Bélgica)



Tassen Museum Hendrikje (Amsterdam, Holanda)



Les Arts Décoratifs de Paris (París, Francia)



Museo de la Moda de Portugal MUDE (Lisboa, Portugal)



Museo de la Moda de Kobe (Kobe, Japón)



Museo Universitario de Kent (Kent, Ohio, EEUU)



Museo del Lápiz de Labios de Berlín (Berlín, Alemania)



Museo de la Joyería de Seúl (Seúl, Corea del Sur)



Museo del Perfume (Barcelona, España)



Para finalizar solo hacer mención a que mañana estaremos en Paraguay visitando museos. Nos vemos mañana.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  EVE Museografía http://evemuseografia.com/2014/08/14/museos-y-moda/