segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Vasco Araújo expõe "O Inferno Não São os Outros" em Loures. Os museus de Guimarães mostram o têxtil enquanto arte. ( .pt )

"O Inferno Não São os Outros"

O artista plástico Vasco Araújo expõe "O Inferno Não São os Outros". A mostra reúne obras em escultura, instalação, fotografia e vídeo de um dos artistas portugueses revelados em finais do século XX que mais projecção internacional tem nos nossos dias. Araújo nasceu em Lisboa, em 1975, e participou em inúmeras exposições individuais e colectivas, para além de programas de residências como Artscape Gibraltar Point em Toronto (Canadá), Pinacoteca do Estado de S. Paulo (Brasil), Récollets em Paris (França) e Core Program em Houston (EUA). A exposição pode ser vista na Galeria Municipal Vieira da Silva (Loures), até 17 de Janeiro, de segunda a sábado, das 10h às 13h e das 14h às 18h. Grátis.

Vasco Araújo expõe





O têxtil enquanto arte nos museus de Guimarães

A segunda edição da bienal de arte têxtil de Guimarães ocupa grande parte dos espaços culturais da cidade nos meses de Verão. São seis exposições, em cinco museus e mais de 100 artistas envolvidos, com diferentes propostas que têm em comum o propósito de trazer o têxtil para o centro da criação contemporânea. Os grandes destaques da programação são “Fiber Futures”, que reúne obras de artistas japoneses que criam com as chamadas “fibras do futuro” (palacete de S. Tiago, centro histórico) e a mostra competitiva internacional, constituída por 53 obras de artistas de 34 países, patente na Casa da Memória. No mesmo espaço podem também ser vistas as exposições dos países convidados: Lituânia, Estónia e Espanha. As propostas da Contextile 2014 estendem-se para a Plataforma das Artes, onde estão expostos os resultados da residência artística de Sindy Steitler com as artesãs do bordado tradicional local, e Instituto do Design, que acolhe “Emergências”, com trabalhos de alunos de escolas artísticas. No Paço dos Duques, há ainda “Em busca do silêncio”, de Margarida Reis.

 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://lazer.publico.pt/noticias/338143_sugestoes-do-dia-25-de-agosto

Cuál debería ser el papel de un Centro Cultural? ¿Cultura (con c mayúscula) o cultura?

¿Cuál debería ser el papel de un Centro Cultural? ¿Cultura (con c mayúscula) o cultura?


Hace tiempo que por procedimientos internos esta duda me ronda por la cabeza. La cultura es un derecho humano y por tanto toda persona tiene derecho a revalorizarla, a difundirla y sobretodo a apropiarse de ella. Pero, ¿qué o quién define cuál es tipo de cultura que se debe fomentar?

Os dejo algunos de los principios que establece la Convención sobre la protección y promoción de la Diversidad de las expresiones culturales por la UNESCO.

UNESCO1 UNESCO2



Un Centro Cultural, por lo que yo entiendo, es un espacio en el cual se fomenta la diversidad cultural y distintas manifestaciones de diferentes culturas, podemos encontrar desde una exposición de un artista emergente hasta una exposición de gastronomía popular, pasando por un sin fin de disciplinas, de niveles de formación y de necesidades culturales. Pero, a la hora de conceptualizar sobre este espacio, ¿en qué me baso para definir que “algo” tiene el grado de definirse “Cultura” o sin embargo es simplemente ocio?

Recientemente leí un artículo llamado “El culto a lo Culto” de Manuel Delgado Ruiz muy interesante y en el cuál me apropié de alguna terminología que emplea. Hacía el paralelismo de lo “Culto” con mayúscula como una nueva religión, el adoramiento a un tipo de cultura que desde una élite (como tradicionalmente ha sido la élite sacerdotal) es designada como “digna” de establecerse en este altar y el resto “cultura”. Pero, ¿qué diferencia hay entre una manifestación artistística de un artista plástico conceptual y la gastronomía típica de una familia que domingo tras domingo celebra su ritual? ¿por qué una cultura es válida para ser difundida y revalorizada y por qué la otra se invisibiliza y se la deja en un segundo lugar? ¿Por qué una manifestación cultural de masas, por ejemplo el fútbol o un grupo de música más “comercial”, no es una cultura digna de albergarse en un Centro Cultural, sólo aquella que cuenta con pocos adeptos pero con una formación elevada y constituyen una élite académica? ¿Por qué si en el ámbito de cultura se habla tanto de apropiación y procesos de identificación se segmenta a una cultura estipulada por las instituciones académicas, o en su defecto las instituciones culturales (en su gran mayoría públicas)? ¿Quién tiene el derecho a decir que esa es cultura de “calidad” o de ocio? ¿Estamos cayendo en el gran abismo que tradicionalmente ha existido entre las instituciones culturales y el gran público? Sí, uso “gran público” para definirme a mi misma a toda esa masa de gente con apetencias culturales diarias, con manifestaciones culturales creadas desde su propia identificación y que se apropian cada día de su cultura, que, sólo en raros casos, encuentra cobijo o simplemente identificación en las ofertas de las instituciones culturales.

Recientemente escuché un comentario “En época de bonanza en España había una oferta cultural muy variada, había una gran inversión en cultura, desde que no existen esas “subvenciones” ya no hay tanta oferta cultural; y lo más triste de todo es que la población no la demanda, no la siente como propia, no siente que se les ha recortado un derecho.” Aquí hay un punto fuerte, ¿qué tipo de oferta cultural se ofrecía para que la población no la sintiese como propia? ¿se creaban proyectos de un tipo de cultura que fomentaba la apropiación? ¿o se centraba en una oferta cultural, designada por una élite y ofrecida gratuitamente a un público que no la demandaba? Caigo otra vez en la misma pregunta: ¿Quién o qué es capaz de definir una manifestación cultural como lo bastante importante para que sea difundida y rechazar el resto? Y esto me lleva a otra pregunta, ¿realmente ha habido una democratización de la cultura o simplemente una cultura elitista ofrecida a “precios populares”? Porque he visto muchas muchas manifestaciones culturales que siguen adelante sin esas “subvenciones” pero curiosamente todas tienen un denominador común, la población que las demanda las siente como propias y son sus propios promotores. Esta población siente que debe pagar para ver un grupo emergente en su lengua, porque es algo suyo, paga también por ferias gastronómicas, porque lo sienten como un elemento propio como su ritual diario, en cambio, no pagarían por ir a un Centro Cultural o Institución Cultural a valorar un tipo de cultura impuesta que la sienten alejada de su día a día, no nos engañemos ni aún siendo gratuítas irían.

He tenido la gran suerte de participar en dos actividades culturales muy distintas: Una exposición sobre fútbol “Las Catedrales del Fútbol” producida por el MUVIM e itinerada en Costa Rica y una mesa redonda “#Blogsxarte: Blogs y Nuevas Tecnologías aplicadas al mundo del Arte Contemporáneo”. Dos actividades opuestas completamente, con públicos objetivos opuestos y apetencias culturales distintas.

En la exposición “Las Catedrales del Fútbol” valoré mucho que el tipo de visitante fuera alguien que no había ido nunca a un Centro Cultural ni Museo, que apasionadamente hablaba de como había estado ahorrando para ir a ver el Bernabeu o el Camp Nou, y de la emoción que sintió cuando Keylor Navas hacía sus paradas míticas en el Mundial Brasil 14. Todos estos “sentimientos” los intentamos plasmar en un evento “Historias de Estadio” en el cual el visitante se apropiaba de la sala de exposiciones y la hacía suya: colgaba una fotografía en un estadio o relacionada con el fútbol y alrededor contaba su historia. Sí se apropiaron del espacio y sí dejaron de sentirse tan paganos. Tengo que decir que a mi, personalmente, no me gusta el fútbol y no siento ninguna pasión al ver un partido, pero valoro y me sorprende toda esa devoción, apropiación e incluso patriotismo que surge a raíz de esta cultura de masas. Para la élite cultural, ¿esta exposición debería haber existido? ¿Cómo es que un hecho como es el fútbol que abarca a todo tipo de clases sociales ha tenido su presencia en un Centro Cultural? Sí, conozco personas que NO creían que este tipo de manifestaciones se debían revalorizar y difundir desde las Instituciones Culturales. Aprovecho para apuntar un museo que creo que está rompiendo este abismo y está teniendo realmente un enfocque “social”, el caso del MUVIM de Valencia.
20140716_201750 20140716_193557 20140716_193700


Por otro lado, estuve en la organización de la mesa redonda “#blogsxarte: Blogs y Nuevas Tenologías aplicadas al mundo del Arte Contemporáneo”. Artistas, gestores culturales, bloggers críticos comentaban sobre el mundo del Arte Contemporáneo y su situación actual. Una conclusión extraje: el Arte Contemporáneo existe a 10.000km de la gran masa de la población actual, el abismo entre lo “incomprensible” y el “paganismo” es enorme. Pero un hecho me sorprendió aún más: una mujer del público comentó que los bloggers éramos una élite a la cual los artistas nos temían. Otra duda asaltó mi mente: ¿los bloggers somos una élite? Si surgimos como alternativa a las regias directrices propagadas por las universidades e instituciones públicas, surgimos como una voz alternativa sin miedo a decir “hacéis un tipo de cultura para una élite y la disfrazáis de cultura para todos”; ¿en qué momento también nos constituimos una élite? ¿Cómo podemos hacer una crítica o una gestión cultural ausentes de élites? Lo siento, no encuentro respuesta.
 
BtknumpIcAEyQHv conversatorio3


Sólo creo que el tipo de cultura que se debería fomentar, difundir y revalorizar es el tipo de cultura que crea procesos de identificación y apropiación, porque si seguimos así la “Cultura”, en mayúscula, está destinada a ser siempre mantenida por las instituciones públicas y alejada de la gran mayoría de las personas que pagan los impuestos; mientras que la “cultura” seguirá estando ahí, creciendo, haciéndose sentir como un derecho y, al fin y al cabo, estando defendida por los propios agentes culturales, que en la gran mayoría son las personas que día a día la viven, la crean y la comparten.

 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://gestionandolaculturacritica.wordpress.com/2014/08/25/cual-deberia-ser-el-papel-de-un-centro-cultural-cultura-con-c-mayuscula-o-cultura/

Conhecimento indígena é preservado em livro de papel sintético

Agência FAPESP – Um papel sintético feito de plástico reciclado – resultado de uma pesquisa desenvolvida com apoio da FAPESP – está ajudando a preservar o conhecimento sobre plantas medicinais transmitido oralmente há séculos pelos pajés do povo Huni Kuĩ do rio Jordão, no Acre.

Descrições de 109 espécies usadas na terapêutica indígena, bem como informações sobre a região de ocorrência e as formas de tratamento, foram reunidas no livro Una Isĩ Kayawa, Livro da Cura, produzido pelo Instituto de Pesquisa do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (IJBRJ) e pela Editora Dantes.

A obra teve uma tiragem de 3 mil exemplares em papel comum, cuchê, voltada ao grande público e lançada recentemente no Rio de Janeiro e em São Paulo. Outros mil exemplares, destinados exclusivamente aos índios, foram feitos com papel sintético, que é impermeável e tem a textura de papel cuchê, com o intuito de aumentar a durabilidade no ambiente úmido da floresta. O lançamento foi realizado com uma grande festa em uma das aldeias dos Huni Kuĩ do rio Jordão.

O trabalho de pesquisa e organização das informações durou dois anos e meio e foi coordenado pelo botânico Alexandre Quinet, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. O grande idealizador do projeto, porém, foi o pajé Agostinho Manduca Mateus Ĩka Muru, que morreu pouco tempo antes de a obra ser concluída.

“O pajé Ĩka Muru era um cientista da floresta, observador das plantas. Há mais de 20 anos ele vinha reunindo esse conhecimento até então oral em seus caderninhos. Buscando informações com os mais antigos e transmitindo para os aprendizes de pajé. Ele tinha o sonho de registrar tudo em um livro impresso, como os brancos fazem, e deixar disponível para as gerações futuras”, contou Quinet.

Também conhecidos pelos nomes de “Kaxinawá” – termo que os índios não gostam – , “gente verdadeira” ou “gente do cipó”, os Huni Kuĩ formam o grupo indígena mais numeroso do Acre. Sua presença vai até parte do Peru. No Brasil, somam mais de 7 mil indivíduos, divididos em 12 diferentes terras. O “livro da cura” retrata a terapêutica praticada nas 33 aldeias de uma dessas terras indígenas que se estende pelo rio Jordão.

Além das informações sobre as plantas, a obra apresenta, por meio de relatos e desenhos, um pouco da cultura do povo Huni Kuĩ, como seus hábitos alimentares, suas músicas e suas concepções sobre doença e espiritualidade. Todo o conteúdo está escrito em “hatxa kuĩ” – língua falada nas aldeias do rio Jordão – e traduzido para o português.

De acordo com Quinet, foram feitas cinco viagens à região acreana para a realização da pesquisa, além de quatro períodos de residência de tradutores Huni Kuĩ no Rio de Janeiro.

“Realizamos uma oficina que durou 15 dias e reuniu os 22 pajés das aldeias do rio Jordão. Os capítulos do livro são, na verdade, transcrições literais dos temas abordados por eles, organizados dentro da sistemática indígena. Apenas sofreram revisões para facilitar a compreensão”, contou Quinet.

Das 351 espécies elencadas pelos pajés como medicinais, os pesquisadores coletaram 196 amostras – resultando na seleção das 109 plantas que integram o livro. O material botânico foi identificado de acordo com as técnicas taxonômicas e depositado no herbário do Instituto de Pesquisa do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

A partir do nome científico das espécies, os pesquisadores também levantaram na literatura científica, quando possível, o uso feito por outros povos do mundo. O trabalho contou com a colaboração de 21 taxonomistas de instituições brasileiras e internacionais.

“O objetivo inicial do pajé Ĩka Muru era criar um material de ensino para aprendizes de pajé, visando a facilitar a localização das plantas nos jardins medicinais. Mas o livro também tem o objetivo de difundir a cultura da tribo e a importância de preservar a floresta de forma ampla. Buscaram o Jardim Botânico para que esse conhecimento pudesse ser universalizado dentro de bases científicas”, disse Quinet.

Vitopaper

Para representar o conteúdo escrito em “hatxa kuĩ”, a editora Anna Dantes criou uma fonte tipográfica especial inspirada nas letras manuscritas nos cadernos indígenas. Também foi dela a ideia de produzir uma edição especial em papel sintético.

“Logo na primeira reunião feita com os pajés na floresta eu pude observar que os livros enviados para os povos indígenas sofrem muitos danos por causa da umidade e tornam-se muito perecíveis. As páginas vão entortando e grudando umas nas outras. Também são danificadas pela presença de pequenos animais, como cupins. Era um projeto muito ambicioso, que demandaria um grande esforço, e não poderíamos criar um produto que desapareceria em pouco tempo”, disse Dantes.

Dantes contou que foi a primeira vez que trabalhou com o Vitopaper, material produzido pela empresa Vitopel e originalmente desenvolvido por Sati Manrich, pesquisadora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

“Quando iniciamos o projeto, em 2003, nossa ideia era encontrar uma solução comum a dois grandes problemas: derrubada de árvores para a produção de celulose e a dificuldade de dar um destino adequado ao grande volume de lixo plástico produzido nos centros urbanos”, contou Manrich.

No processo desenvolvido por ela na universidade, o plástico oriundo de embalagens de alimentos, produtos de limpeza ou garrafas de água é higienizado e moído. Recebe, então, a adição de partículas minerais para a obtenção de propriedades ópticas – como brilho, brancura, contraste, dispersão e absorção de luz – e resistência mecânica ao rasgamento, tração e dobras.

A mistura é colocada em uma máquina extrusora a altas temperaturas, onde amolece e se funde. No final, o material transforma-se em uma folha grande fina, semelhante a um papel fabricado com celulose, que é enrolada e cortada de acordo com a aplicação.

Segundo a Vitopel, para cada tonelada de Vitopaper produzido são retiradas das ruas e lixões 750 quilos de resíduos plásticos. Além disso, segundo Manrich, cerca de 30 árvores deixam de ser derrubadas.

“Gostaria que esse exemplo fosse adotado não apenas para imortalizar o conhecimento dos índios como também na produção de livros didáticos, pois eles teriam uma durabilidade muito maior”, afirmou Manrich.


fonte @edisonmariotti fapesp

Una Isĩ Kayawa, Livro da Cura - Por Karina Toledo
Organizadores: Agostinho Manduca Mateus Ĩka Muru e Alexandre Quinet
Lançamento: 2014
Preço: R$ 120,00
Páginas: 260 Mais informações: www.facebook.com/UnaIsiKayawa?fref=ts

Ambulatório recebe exposição coletiva de artes plásticas

Contemplando o projeto Arte no HGG, exposição marca abertura da nova galeria de arte do Hospital Alberto Rassi – HGG, que será inaugurada nesta segunda-feira, dia 23, juntamente com o Ambulatório de Medicina Avançada

Dando continuidade à política de humanização do Hospital Alberto Rassi – HGG, o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech) convidou 12 artistas plásticos goianos para exibirem suas obras na unidade hospitalar. A exposição coletiva contempla o projeto “Arte no HGG” e marca a abertura da galeria de arte implantada no novo Ambulatório de Medicina Avançada, que será inaugurado nesta segunda-feira, dia 23.

A artista plástica Helena Vasconcelos, que já promove a exposição “Senhora das Cores” no Hospital Alberto Rassi – HGG desde o dia 29 de maio, está entre as convidadas para compor a nova galeria de arte. Além dela, abrilhantam a lista de artistas expositores os nomes de Mairone Barbosa, Juca de Lima, Saida Cunha, Alessandra Telles, Robert Cortes, Amaury Menezes , Selvo Afonso, Nonatto Coelho, Alexandre Liah, Isa Costa e Omar Souto, pioneiros da arte no Estado.

Helena conta que, para participar desta segunda galeria de arte implantada no hospital, ela preparou uma obra exclusiva e inédita. De acordo com a artista, compartilhar do projeto é contribuir para a promoção da inclusão cultural.

“Expor no HGG tem sido muito importante para mim, porque vejo a alegria estampada no rosto das pessoas quando elas param para apreciar as minhas obras. Essa parceria têm me dado a sensação de que meu dever enquanto cidadã e artista, em fazer o bem e praticar a solidariedade, está sendo cumprido.”

Com obras que retratam paisagens, Amaury Menezes será um dos grandes representantes da arte figurativa na exposição coletiva. Ele explica que nunca participou de um projeto que leva a obras de arte para o ambiente hospitalar, e que se surpreendeu com o convite. “Só de imaginar que uma pessoa vai olhar para a minha arte e sentir paz interior, eu já fico satisfeito. Porque o meu lema é esse, pintar e fazer arte” ilustra.

Arte no HGG
O projeto Arte no HGG, inserido no Programa de Humanização do Hospital Alberto Rassi, tem como objetivo levar exposições artísticas de temas variados para a unidade, promovendo o acesso à cultura por parte de seus pacientes, acompanhantes e colaboradores.

A iniciativa teve ponto de partida em março, quando a artista Rucélia Ximenes, referência no mundo da moda, completou 40 anos de carreira com a mostra “Os caminhos da arte de Rucélia Ximenes”. Helena Vasconcelos, com acervo colorido e que retrata personagens e festas populares goianas, ocupa atualmente a galeria da entrada principal da unidade hospitalar.


Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti IDTECH - See more at: http://www.idtech.org.br/principal.asp?edoc=conteudo&secaonome=Not%EDcias&secaoid=168&conteudoid=9794#sthash.oHtNbMRe.dpuf
Ambulatório recebe exposição coletiva de artes plásticas

Contemplando o projeto Arte no HGG, exposição marca abertura da nova galeria de arte do Hospital Alberto Rassi – HGG, que será inaugurada nesta segunda-feira, dia 23, juntamente com o Ambulatório de Medicina Avançada

Dando continuidade à política de humanização do Hospital Alberto Rassi – HGG, o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech) convidou 12 artistas plásticos goianos para exibirem suas obras na unidade hospitalar. A exposição coletiva contempla o projeto “Arte no HGG” e marca a abertura da galeria de arte implantada no novo Ambulatório de Medicina Avançada, que será inaugurado nesta segunda-feira, dia 23.

A artista plástica Helena Vasconcelos, que já promove a exposição “Senhora das Cores” no Hospital Alberto Rassi – HGG desde o dia 29 de maio, está entre as convidadas para compor a nova galeria de arte. Além dela, abrilhantam a lista de artistas expositores os nomes de Mairone Barbosa, Juca de Lima, Saida Cunha, Alessandra Telles, Robert Cortes, Amaury Menezes , Selvo Afonso, Nonatto Coelho, Alexandre Liah, Isa Costa e Omar Souto, pioneiros da arte no Estado.

Helena conta que, para participar desta segunda galeria de arte implantada no hospital, ela preparou uma obra exclusiva e inédita. De acordo com a artista, compartilhar do projeto é contribuir para a promoção da inclusão cultural.

“Expor no HGG tem sido muito importante para mim, porque vejo a alegria estampada no rosto das pessoas quando elas param para apreciar as minhas obras. Essa parceria têm me dado a sensação de que meu dever enquanto cidadã e artista, em fazer o bem e praticar a solidariedade, está sendo cumprido.”

Com obras que retratam paisagens, Amaury Menezes será um dos grandes representantes da arte figurativa na exposição coletiva. Ele explica que nunca participou de um projeto que leva a obras de arte para o ambiente hospitalar, e que se surpreendeu com o convite. “Só de imaginar que uma pessoa vai olhar para a minha arte e sentir paz interior, eu já fico satisfeito. Porque o meu lema é esse, pintar e fazer arte” ilustra.

Arte no HGG
O projeto Arte no HGG, inserido no Programa de Humanização do Hospital Alberto Rassi, tem como objetivo levar exposições artísticas de temas variados para a unidade, promovendo o acesso à cultura por parte de seus pacientes, acompanhantes e colaboradores.

A iniciativa teve ponto de partida em março, quando a artista Rucélia Ximenes, referência no mundo da moda, completou 40 anos de carreira com a mostra “Os caminhos da arte de Rucélia Ximenes”. Helena Vasconcelos, com acervo colorido e que retrata personagens e festas populares goianas, ocupa atualmente a galeria da entrada principal da unidade hospitalar.


Fonte: IDTECH - See more at: http://www.idtech.org.br/principal.asp?edoc=conteudo&secaonome=Not%EDcias&secaoid=168&conteudoid=9794#sthash.oHtNbMRe.dpuf