Listen to the text.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Noite de Prazeres» nos claustros do Museu de Faro - Este evento, de todo inédito em espaço municipal, destina-se a maiores de 16 anos e terá a duração de duas horas, aproximadamente. ( .pt )


Pratos afrodisíacos e poemas eróticos acompanhados de música sugestiva prometem aquecer a noite de sexta-feira, 29, data em que os claustros do Museu Municipal de Faro recebem o evento «Noite de Prazeres», uma verdadeira comemoração das delícias de Afrodite.

Com início marcado para as 21:00 horas, esta iniciativa está a ser promovida pela Tertúlia Algarvia, a quem cabe servir o jantar afrodisíaco, e pela associação DoisMaisUm, que assegura a leitura encenada de poesia erótica desde os tempos clássicos.

As reservas devem ser feitas até esta terça-feira, através do endereço eletrónico reservas@tertulia-algarvia.pt ou do telefone 289821044. O custo é de 50 euros por pessoa e a lotação está limitada a 30 pessoas.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.regiao-sul.pt/noticia.php?refnoticia=148300

Firmino Filho assina ordem de serviço para construção do Museu da Imagem e Som do Piauí

O espaço representará também um avanço econômico, já que também servirá de galeria para comercializar obras


O prefeito Firmino Filho assinou ordem de serviço para a criação do Museu da Imagem e do Som e da Pinacoteca do Piauí na tarde desta segunda-feira (25), em solenidade realizada no Palácio da Música, localizado no centro da capital.

O secretário municipal de Economia Solidária, Olavo Braz, o arquiteto Júlio Medeiros e o museologista Chico Aragão apresentaram o projeto do MIS-PI e Pinacoteca. Este foi o terceiro passo para o início do projeto, o primeiro se deu com a desocupação do prédio da antiga Câmara de Vereadores de Teresina, onde abrigará o museu. O segundo foi a finalização do projeto.

Olavo Braz contou como surgiu o projeto. “Não temos em Teresina um espaço digno para abrigar e apresentar nossa cultura, além de produzir e comercializar as obras dos artistas locais. O espaço também irá receber obras de artistas de todo o mundo. É preciso resgatar a cultura do povo e incentivar os diversos segmentos das artes. O MIS – PI e Pinacoteca será um centro de interação”, explicou.

O museologista Chico Aragão está há 5 meses em Teresina montando o projeto do Museu. “O MIS – PI será um equipamento para guardar e divulgar a memória da cidade. Espaços como este elevam a autoestima do povo e difundem a história e os valores”, frisou.

Ao todo serão investidos R$ 6.180.945,41, com recursos próprios da Prefeitura, e a obra deverá ficar pronta em 270 dias, após a licitação. O projeto terá cinco pavimentos com loja, café, cine-clube, auditório, estúdio de som, laboratório de cinema, ilha de edição, midiateca, videoteca, núcleo de digitalização, restauração e catalogação, laboratório de fotografia e espaço destinado a eventos.

Para o prefeito Firmino Filho o museu é um aparelho cultural importante para o resgate da cultura. “Tudo isso faz com que possamos incorporar nossa cultura como instrumento de produção. Vamos expor nossos valores visuais e pôr em prática as boas ideias da economia criativa. É uma forma de valorizar nossa cara, nossa gente, nossos costumes”, comemorou.

O Museu da Imagem e Som e Pinacoteca contará com elementos como fotografias, desenhos, pinturas, hemerotécnicos, videográficos, fonográficos.

 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.jornaldeluzilandia.com.br/txt.php?id=32334

Patrimonio, ¿Producto Turístico?

“El mundo es un libro, y aquellos que no viajan leen solo una página”. San Agustín

Cuando se planifica una estrategia de producto turístico, pensamos en aquello que cubre un viaje de ocio en todo su conjunto, desde que el turista sale de casa hasta que regresa. El producto turístico es el conjunto de servicios que se prestan en un lugar determinado, en unas condiciones de calidad comprometidas con el precio. En todo producto turístico se incorporan prestaciones remuneradas (hablamos globalmente): desplazamientos, alojamientos, comidas, actividades complementarias, etcétera. Existen otras prestaciones gratuitas: clima, paisaje, naturaleza, cultura, etcétera. Estas últimas prestaciones, a pesar de no estar bajo precios de consumo, influyen poderosamente en la decisión de compra del producto turístico por parte del consumidor. Por tanto, el patrimonio es un factor decisivo en la afluencia de visitantes a determinado destino.

 
magen: How to work better by Fischli/Weiss (Flickr Photo Sharing)

No debemos confundir el producto patrimonial con el turístico. Las palomitas forman parte de la experiencia de ir al cine; la película es otro elemento; pero ni las palomitas ni la película hacen toda la experiencia completa de la salida del sábado tarde. Hay más, mucho más. Podemos establecer otra relación para explicar nuestro planteamiento con mayor claridad. El producto patrimonial integrado dentro de una estrategia de venta del producto turístico relacionado con la experiencia cultural y el patrimonio, es el resultado de:

- Puesta en valor del patrimonio.

- Planificación integrada.

- Gestión cultural.

 
Imagen: Archivo EVE

Dibujar patrimonio como parte del cuadro del producto turístico en su totalidad, incluido el marco, implica definir un concepto o criterio clave, que, a modo de los que hoy solemos denominar Marca, se posicione y delimite en el territorio a partir del cual desarrollemos el argumento que permita soportar nuestra propuesta turística completa, ya diseñada previamente, bajo una unidad conceptual única. Así generamos un producto. Por supuesto, el territorio a que se convertirá en producto anexo al turismo necesitará previamente un estudio, una investigación de su historia, desarrollo y potenciación a nivel de comunicación de las características principales que sustentarán su interpretación fidedigna, su valor científico-histórico. Y pensando en nuestro cliente, el turista, toca ofrecerle el producto cultural que hemos creado e integrado en el paquete global de su viaje. Hay que decir en este punto que la prestación del servicio, la entrega del producto, determina los puntos clave en la relación visitante con la cultura que le ofrecemos; es la puerta al éxito o al fracaso de nuestro diseño de producto. Para afrontar este momento con la máxima seguridad posible, debemos acometer las siguientes tareas:

- Un trabajo conjunto, detallado y comprensivo del sector público y del privado relacionado con el patrimonio que ofrecemos.

- La asistencia continua de un órgano director único que controle y supervise.

- La asistencia de una dirección cultural que corrija siempre los posibles desvíos (ruidos) que la prestación del producto pueda generar en los objetivos previamente trazados.

- La existencia de una MARCA del plan que impacte en el visitante y funcione como un sello de garantía único e intransferible, aplicada a todos los servicios que se ofrecen, tanto los directamente ligados al plan que ha conformado el producto principal, como todos aquellos aspectos complementarios de la oferta turística integral, como es la gastronomía, la hostelería, transporte y otros servicios complementarios.

 
Imagen: Archivo EVE

Sobre esto último, hay que decir que la información, la orientación al visitante es fundamental. La comprensión de los mensajes científico-culturales debe ser fluida y apta para todo tipo de mentalidades, intereses y capacidades. Por ello, el trabajo que se desarrolla en los centros de recepción de visitantes es absolutamente vital. Si se falla ahí, estamos perdidos.

El ciclo se completará con la actualización de los recursos constantemente, renovando investigación, adecuando productos y soluciones a los tiempos – que evolucionan muy rápidamente -, así como mejorar ofertas y formas de difusión y comercialización del producto con el objetivo de crear un sistema sólido y activo. Este es el cambio de orientación que recaerá para la correcta gestión del patrimonio como producto turístico en su creación, interpretación, producción y presentación relacionado con sitios, monumentos, edificios, lugares históricos, y objetos artísticos de valor material o simbólico. Sin mencionar algo tan sumamente importante como son las manifestaciones culturales de origen social-local, vinculadas a la etnografía y la historia, y así disfrutar del territorio hasta sacarle el último suspiro de placer para los sentidos.

Fotografías utilizadas en las redes sociales para esta entrada: Follow me to, de Murad Osmann


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 

Academia de arte chinesa está a construir museu desenhado por Siza Vieira, irá acolher nomeadamente "uma grande coleção" de peças da famosa escola alemã de arte Bauhaus

O museu desenhado por Siza Vieira irá acolher nomeadamente "uma grande coleção" de peças da famosa escola alemã de arte Bauhaus, fundada em 1919 pelo arquiteto Walter Gropius
.

O Pritzker Prize, considerado o Nobel da Arquitetura, foi atribuído a Siza Vieira, em 1992ESTELA SILVA/LUSA



Uma academia de arte de Hangzhou, na costa leste da China, vai construir um museu desenhado pelo arquiteto português Álvaro Siza Vieira, em parceria com o atelier de Carlos Castanheira, disse esta segunda-feira à Lusa fonte ligada ao projeto.

“O projeto está concluído e as obras já começaram”, confirmou Siza Vieira à agência Lusa, explicando que o futuro museu terá uma área semelhante ao de Serralves, no Porto.

Esta será a segunda obra de Siza Vieira e Castanheira na China, depois do edifício de escritórios de uma fábrica de produtos químicos de HuaiAn, na província de Jiangsu, que vai ser inaugurada no próximo sábado com a presença dos dois arquitetos portugueses.

O futuro museu, que deverá estar concluído em 2016, tem cerca de 15.000 metros quadrados, “uma área sensivelmente igual à de Serralves”, adiantou Siza Vieira.

Trata-se de uma encomenda da China Art Academy de Hangzhou, cuja escola de arquitetura é dirigida por Wang Shu, o único arquiteto chinês galardoado com o Pritzker Prize, em 2012.

“Temos contado com o apoio da equipa de Wang Sho”, salientou Carlos Castanheira.

Hangzhou é a capital da província de Zhejiang, uma das mais prósperas da China, pouco maior do que Portugal e cerca de 55 milhões de habitantes. O museu desenhado por Siza Vieira irá acolher nomeadamente “uma grande coleção” de peças da famosa escola alemã de arte Bauhaus, fundada em 1919 pelo arquiteto Walter Gropius.

O Pritzker Prize, considerado o Nobel da Arquitetura, já foi também atribuído a Siza Vieira, em 1992, e a Eduardo Souto Moura, em 2011, e aos brasileiros Óscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha, em 1988 e 2006, respetivamente. Entre os outros arquitetos já distinguidos com o Pritzker Prize figuram I.M.Pei, Frank Gehry, Renzo Piano, Rem Koolhaas, Norman Foster e Tadao Ando.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://observador.pt/2014/08/25/academia-de-arte-chinesa-esta-construir-museu-desenhado-por-siza-vieira/

Da foto para o livro, do livro para o museu

Museu do Livro de Fotografia, em Colônia, reúne 30 exposições individuais para mostrar que, compiladas em livros, imagens podem contar histórias numa linguagem universal. 



Instalação do fotógrado japonês Daido Moriyama no Museu do Livro de Fotografia



Um salão do antigo complexo industrial Carlswerk, em Colônia, exibe 5 mil metros quadrados de charme industrial, luzes fluorescentes, teto de vidro e piso de concreto. No início do século 20, o primeiro cabo telefônico transatlântico, que ligou o norte da Europa à América, foi produzido no local. Hoje, conectar o mundo também é um dos objetivos do Museu do Livro de Fotografia, inaugurado em agosto no Carlswerk, por ocasião dos 175 anos da fotografia.

"Quando ouvem falar num Museu do Livro de Fotografia, a primeira coisa que vem à cabeça das pessoas são quatro mil vitrines com preciosos e caros livros, que elas podem observar à distância", diz Markus Schaden, idealizador do projeto. "Mas aqui é diferente. Queremos mostrar que em um museu de livros de fotografia, se fala uma língua que todos podem entender, no Japão, no Brasil ou em qualquer outro lugar."

Schaden não é um desconhecido na cena da fotografia de Colônia, no oeste da Alemanha. Sua loja de livros de fotografia, que leva seu nome, tornou-se uma instituição na cidade, e hoje existe apenas online. Com sua editora, ele já lançou mais de cem livros de fotografia e, agora, o Museu do Livro de Fotografia.

O museu compreende 30 exposições individuais, separadas por contêineres e biombos. O percurso começa com um livro numa vitrine: um simples álbum de fotografias. Schaden chama o objeto de um "aperitivo" para quem está apenas começando a descobrir o mundo dos livros de fotografia.


Jiang Jian, famoso na China, ganhou destaque na mostra

O mestre Jiang e os órfãos

O artista chinês Jiang Jian, chamado de "mestre Jiang" em sua terra natal, é uma celebridade na cena da fotografia chinesa. No Museu do Livro de Fotografia, há caixas penduradas na parede com diferentes fotos de seus ensaios.

O primeiro trabalho mostra órfãos em imagens de corpo inteiro, fotografados contra um fundo preto. Ao lado das imagens, uma ficha do orfanato com os dados da criança: quando ela nasceu, de onde ela veio, quando ela chegou ao orfanato, quem são seus pais. As crianças não sorriem ou posam para a câmera, mas olham sobriamente para o espectador. Ainda assim, elas são reconhecidas como crianças, como indivíduos, para além do que está escrito na ficha de dados. Jang tem o olhar sóbrio de sociólogo.

"Ele é o August Sander da China", diz Schaden, mostrando que o Museu do Livro de Fotografia não exibe apenas fotos dos grandes mestres como o alemão August Sander, famoso por trabalhos como Homens do Século 20.


Schaden, idealizador do museu, é dono de uma conhecida loja de livros de fotografia em Colônia

O mestre Jiang não é muito conhecido fora da China. Ele é violinista e, durante a Revolução Cultural Chinesa, foi enviado, assim como outros intelectuais, para viver numa aldeia. No remoto vilarejo, ele teve uma câmera de formato médio nas mãos pela primeira vez e começou a fotografar seus companheiros.

Além dos órfãos, o Museu do Livro de Fotografia também exibe fotos que Jiang fez das famílias camponesas de Henan, uma das províncias mais pobres da China, e uma série feita com uma classe de uma escola para meninas. Jiang pediu às mulheres, reunidas numa foto de formatura em 1966, que posassem da mesma maneira 40 anos mais tarde. Ele mostra todas as mulheres em fotos 3x4 de 1966 e de 2006.

990 rostos

Retratos são o tema principal do trabalho de Hans Jürgen Raabe. Num período de dez anos, o alemão fotografou 990 pessoas em 33 lugares diferentes. Em cada localidade, ele fez 30 retratos e 10 fotos, as quais mostravam detalhes sobre o lugar onde elas foram feitas, sem serem óbvios à primeira vista. Papua Nova Guiné, o santuário de Lourdes, a Torre Eiffel, o Portão de Brandemburgo e muitos outros lugares foram registrados pelo fotógrafo.

"Eu quero captar uma imagem do meu tempo, e isso é, naturalmente, uma imagem global. Para isso, não é necessário ir muito longe, ir até o Portão de Brandemburgo já é suficiente", diz Raabe. Mesmo que, à primeira vista, não se reconheça, Papua Nova Guiné também é um "caldeirão de culturas", que une diferentes tribos e línguas. Raabe quer mostrar que a globalização já aconteceu há muito tempo e que, nesses lugares que ele visita, a coexistência dessas pessoas funciona muito bem.


Na série "990 rostos", o alemão Hans Jürgen Raabe retratou pessoas em 33 lugares do mundo

Raabe começou seu projeto em 2010, e até agora, já fez 300 retratos e detalhes, que podem ser vistos agora no Museu do Livro de Fotografia. Numa grande instalação de LED, os enormes retratos tomam conta do salão no Carlswerk. E os livros de fotos também estão presentes: para cada lugar que visitou, Raabe publicou um livro, que pode ser folheado pelos visitantes da mostra.

O objetivo do museu é que o público interaja com o que vê. Além dos contêineres e biombos, cada um dedicado a um fotógrafo, há um quarto escuro, uma câmera escura, uma sala de leitura, uma livraria e um bar, que é uma réplica do Café Lehmitz – uma referência ao fotógrafo sueco Anders Petersen, que retratou o café em Hamburgo com o mesmo nome em 1978.

Colônia ontem e hoje

No porão do Carlswerk, há uma homenagem ao fotógrafo Chargesheimer, um dos grandes nomes da fotografia de Colônia. Em seu mais famoso livro, Köln 5 Uhr 30 (Colônia 5h30) , ele documentou sua cidade nos anos 1970. Aparentemente sóbrio, mas ao mesmo tempo com um olhar melancólico, Chargesheimer – cujo nome real era Karl-Heinz Hargesheimer – retratou uma cidade deserta, que, a seu ver, foi novamente destruída com a arquitetura da reconstrução depois dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial. Uma triste declaração de amor à cidade. Para a exposição Chargesheimer Reloaded – Köln 5 Uhr 30, os moradores de Colônia foram convidados a enviar fotos da cidade, mais uma vez vazia e deserta.


Contêineres abrigam 30 exposições individuais do Museu do Livro de Fotografia

Muitos podem achar que os livros de fotografias não são relíquias do passado, perguntando-se se ainda há quem compre esses pesados e caros objetos em tempos em que as imagens podem ser vistas online. Schaden diz que sim, afirmando que, na última década, mais livros de fotografia foram publicados do que nos 170 anos anteriores. Além disso, não há mais nenhuma feira de fotografia que não tenha uma sessão dedicada aos livros de fotografia, destaca.

Grandes instituições – como a Tate Modern, em Londres, e o Museu de Belas Artes, de Houston – adquiriram grandes coleções de livros de fotografia nos últimos anos. Mas um museu dedicado exclusivamente a eles ainda não existe.

Por enquanto, o Museu do Livro de Fotografia é apenas uma exposição temporária, em cartaz no Carlswerk até 3 de outubro. No fim da mostra, os contêineres azuis serão empacotados e poderão ser vistos em outros lugares. Mas Schaden pretende encontrar um espaço em Colônia para abrigar o Museu do Livro de Fotografia permanentemente.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.dw.de/da-foto-para-o-livro-do-livro-para-o-museu/a-17868401