Listen to the text.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Igreja da Sé será reaberta após reforma e contará com museu de arte - em São Luís. MA


Após 11 meses de reforma, a igreja será reaberta, em São Luís.
Dentro da Igreja, será inaugurado, também, o Museu de Arte Sacra.





A Igreja da Sé, um dos pontos religiosos e turísticos mais importantes de São Luís será reaberto nesta quarta-feira (10). Totalmente restaurada, a igreja é um monumento construído pelos jesuítas, em 1622, e tombado pelo Patrimônio Histórico Mundial e, agora, o prédio abriga o Museu de Arte Sacra.

Após onze meses de trabalho de restauração, a Catedral da Sé, finalmente, está pronta. A principal peça de toda a reforma é o altar mor é o único altar de igreja, no Brasil, construído em estilo tradicional português tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional isoladamente.

A peça é de grande importância para a história da arte e do cristianismo no Brasil. Na reforma foram utilizadas tintas e mão de obra especial. Só de ouro 22 quilates, vindos da Itália, foram gastos mais de 600 mil reais. Tudo para ter de volta o altar igual a como era na inauguração de 1622.

“O Iphan não vai mais permitir a colocação de flores dentro da igreja próximo ao altar mor, porque elas são uma fonte de problemas, já que elas trazem umidade, oxidam o ouro, insetos e etc. E, de todo modo, nenhuma noiva precisa enfeitar tão precioso como essa”, revela a superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogea.

Padre Cézar, há 6 anos na Catedral da sé, está emocionando com o resultado da reforma e não vê a hora de voltar a celebra missas na igreja.”Eu estou muito ansioso, querendo ver como vai ser daqui para frente a nova Catedral da Sé”, conta.

Museu de Arte Sacra
Também vai ser inaugurado o Museu de Arte Sacra, que passa a ocupar as dependências da igreja. O museu funcionava anteriormente em prédio anexo ao Museu Histórico e Artístico do Maranhão e agora será reinaugurado com uma exposição mais contextualizada e atrativa. Todas as peças do acervo foram restauradas e receberam informativos que deixará a visitação mais completa.

A exposição está dividida em 13 salas que contam também um pouco da história religiosa e sua importância na construção do Maranhão. Ao todo, 400 peças estão expostas. As obras têm proteção total, sendo cobertas com cúpulas de vidro temperado à prova de balas. O espaço foi cedido pela igreja para funcionar durante 30 anos.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2014/09/igreja-da-se-sera-reaberta-apos-reforma-e-contara-com-museu-de-arte.html

Museu das Missões (RS) será restaurado e ganhará anexo



A cidade de São Miguel das Missões (RS) receberá dois projetos culturais que pretendem fomentar a vida cultural e social de moradores e visitantes.

O maior deles é o Complexo Cultural de São Miguel Arcanjo, que, entre outras ações, prevê a construção de um anexo ao Museu das Missões e a restauração do atual conjunto edificado do museu, composto pelo Pavilhão Lucio Costa e pela Casa do Zelador. Com isso, a instituição museológica ganha novo escritório, auditório multiuso, reserva técnica, biblioteca, espaço expositivo e área para ações educativas.

Para o diretor do Museu das Missões, Ariston Correia, esse projeto será um grande avanço. “Já se falava há muito tempo nisso. Hoje as salas do museu não têm tamanho adequado para as exposições e, principalmente, para abrigar nosso acervo. Com o projeto de ampliação, os visitantes poderão ter uma visão melhor de cada peça,” explica Correia. 
 
Complexo Cultural Museu das Missões será ampliado com novo projeto
Complexo Cultural Museu das Missões será ampliado com novo projeto
 


Aprovação local

O projeto do Complexo Cultural está sendo elaborado pela empresa Brasil Arquitetura e terá fiscalização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), cujo escritório técnico na região também será instalado, que colabora com o andamento do projeto em conjunto com o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e a Prefeitura de São Miguel das Missões.

Na última quinta-feira (4), houve uma audiência pública para apresentação do projeto aos miguelinos. “Na audiência, os moradores da cidade ficaram encantados, pois sabem da necessidade de termos um espaço melhor para o museu. E, com os projetos, haverá também novos espaços na cidade,” afirma Ariston Correia.

O projeto executivo tem previsão de ficar pronto em janeiro de 2015, quando ocorrerá, então, a apresentação e a contratação de projetos da parte hidráulica, elétrica, urbanística e, na sequência, o início das obras.

Parque Histórico Nacional das Missões

O outro projeto que terá impacto na mesma cidade é o de cooperação técnica internacional chamado Valorização da Paisagem Cultural e do Parque Histórico Nacional das Missões Jesuíticas dos Guarani, organizado por Iphan, Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura (Unesco) e Instituto Andaluz de Patrimônio Histórico (Espanha).

O Ibram faz parte da Comissão Executiva deste projeto, junto com Iphan, governo do Estado do Rio Grande do Sul, prefeituras da região missioneira, Associação dos Municípios das Missões, entre outros.

Ao longo de três anos, o projeto de Valorização da Paisagem Cultural destinará insumos a novas pesquisas, estudos, análises e desenvolvimento de instrumentos que visam ressaltar a paisagem missioneira, bem como a instalação efetiva do Parque, promovendo a diversidade sociocultural e ambiental.

Fonte_ @edisonmariotti #edisonmariotti: Instituto Brasileiro de Museus
 
 

Estudantes de cursos da área artística poderão ter acesso gratuito a museus

Os estudantes brasileiros matriculados em cursos de Artes, Museologia, Arquitetura, Audiovisual, Música, Design e Moda poderão passar a ter o benefício de entrada gratuita nos museus e demais instituições museológicas do Sistema Brasileiro de Museus. Essa é a proposta dos senadores Inácio Arruda (CE) e Vanessa Grazziotin (AM), ambos do PCdoB, apresentada por meio do Projeto de Lei do Senado (PLS) 49/2014.

O projeto acrescenta artigo à Lei 11.904/2009, que criou o Estatuto dos Museus, para determinar que o “acesso às instituições museológicas participantes do Sistema Brasileiro de Museus é gratuito" aos estudantes dos cursos mencionados acima. A proposta diz ainda que a comprovação do direito à gratuidade será feita pela apresentação de carteira estudantil.

Para os autores do projeto, os museus são “equipamentos culturais tradicionais” e “espaços privilegiados para a formação humanista”. De acordo com eles, mais de 65% dos municípios com população entre 20 mil e 100 mil habitantes ainda não possuem museus.

“O Brasil assegura, constitucionalmente, que o Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, o que leva à necessidade de facilitar o acesso aos museus. Assim sendo, é primordial que as instituições museológicas abram, prioritariamente, seus acervos aos estudantes das áreas de Artes, particularmente a musical, a visual e a audiovisual, mas também aos acadêmicos de Design e de Moda. São esses os futuros mediadores do acesso à cultura comunicada pelos museus, seja como professores, seja como técnicos ou artistas”, afirmam Inácio e Vanessa na justificação do projeto.

O PLS 49/2014 tramita em caráter terminativo na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), onde espera parecer da relatora, a senadora Ângela Portela (PT-RR).

Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Turismo + Patrimonio


“El viajero ve lo que quiere ver. 
El turista ve lo que ha ido a ver”.
G.K. Chesterton

Cuando se reflexiona sobre cultura social ya entrado el siglo XXI, para analizar los términos y circunstancias en que esta cultura general se desarrolla, es inevitable girar la vista hacia el turismo cultural – con la explosión del low – y su incidencia en museos, monumentos históricos, patrimonio cultural e industrial y su planificación.

 
Foto: John Faier

El turismo se ha democratizado y es accesible a casi todos los estratos sociales, ahora quizá menos con la crisis, pero el que más y el que menos se da un garbeo. Los países sin tradición turística a nivel cultural se han visto obligados a reaccionar porque el que viaja se lo quiere comer todo, que no quede ni una miga en el plato. Por otro lado los países receptores de ese turismo en masa no son tontos y quieren sacar tajada. Todo por el bien de la libre circulación de las divisas.



Esta adaptación a la capacidad de acogida significaba entonces planificar y gestionar el patrimonio, los museos y el propio turismo cultural. Es muy necesario gestionar los bienes culturales con programas de conservación y restauración – no vaya a ser que se muera la gallina, que ya está pachucha -, que afectan sobre todo a ciudades a las que se les supone un atractivo turístico derivado de su patrimonio. Lo mismo ha tenido que hacerse con los museos, ya que era necesario una renovación con nuevos proyectos y planteamientos museológicos y museográficos, desde la red estatal a las redes locales. En unos países se ha hecho más que en otros, eso está claro. Hubo otros tiempos que nosotros recordamos con mucha nostalgia, cuando los fondos europeos subvencionaban equipamientos culturales. Hasta se nos salta alguna lagrimita que otra recordándolo.



En España se dio el fenómeno de la multiplicación de los centros de interpretación. Proliferaron como setas. Todos los alcaldes querían uno. Hoy están casi todos cerrados. Había una cosa que se llama “mantenimiento” que parecía que no entendían. La cosa era inaugurar equipamiento, había dinero para ello. A algunos no les dio tiempo a construir. Conocemos un alcalde que en un municipio de 3.500 habitantes quiso construir su mausoleo sin deceso personal “Centro de las Artes Escénicas”, que no llegó a ver la luz, pero ahí se fueron 1,5 millones de euros. Cuando le preguntábamos por la gestión del centro del que nosotros no teníamos nada que ver, se encogía de hombros. Ahora es un esqueleto de edificio abandonado. Pero no todo fueron despropósitos. Países como Portugal, supieron aprovechar el momento y fueron capaces de hacer cosas muy buenas para uso y deleite del turismo y de los locales. Nos encanta Portugal por ello y por mucho más.



Spomenik, Jan Kempenaers

Ahora parece que los países nórdicos se están moviendo mucho, con inauguraciones de museos en serie, aunque ya disfrutan de museos, “paramuseos” y ecomuseos excelentes, ellos miran mucho para los suyos. Lo mismo ocurre con los países del este y sureste de Europa, y nos alegramos mucho porque si lo hacen bien va a ser muy bueno para ellos. Solo recordar algo fundamental: la suma de museo + cultura + turismo tiene que ser igual = “sentido común”*, y todo saldrá bien.

(*) Y ponerse en manos de buenos profesionales.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://evemuseografia.com/2014/09/10/turismo-patrimonio/
Foto redes sociales: Mount Buzludzha (Bulgaria)

Nova York: Marcas contratam curadores de museus para decoração de vitrinas

As vitrinas em Nova York são um charme à parte, principalmente na Quinta avenida. Sabe-se que algumas grifes, como a Ralph Lauren, contratam — e pagam caro — para que curadores de museus montem as fachadas das lojas.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://wp.clicrbs.com.br/redesocial/2014/09/09/nova-york-marcas-contratam-curadores-de-museus-para-decoracao-de-vitrinas/?topo=13,1,1,,,13



Ralph Lauren

Mediadores de Museus de cinco países participam em conferência em São Brás de Alportel

O Museu do Trajo de São Brás de Alportel vai acolher a primeira Conferência Europeia de Mediadores de Museu, uma iniciativa realizada no âmbito do projeto «Museum Mediators» que juntará profissionais de Portugal, Espanha, Itália, Estónia e Dinamarca, os países que fazem parte desta rede europeia.

«Há ainda muito a ser feito, desenvolvendo com grande ambição, novas conceções e reflexões sobre o papel dos museus na sociedade em que vivemos, com o incontornável papel da Mediação. Vamos desfrutar de um urgente e emocionante debate sobre os nossos sonhos, as nossas ideias e os nossos futuros», anunciou a organização do evento, a cargo dos responsáveis pelo «Museum Mediators».

«Esta conferência não será feita de comunicações. Trata-se tão só de partilhar, criar e desfrutar de dois dias de interação com amigos que compartilham da mesma paixão: Museus, Ideias, Pessoas, Democracia», acrescentam.




Os Mediadores de Museus e Educadores «são profissionais altamente qualificados que vêm de diferentes campos académicos, com pouca ou nenhuma formação educacional e comunicacional, competências tão indispensáveis para suas atividades diárias».

Foi esta realidade que levou à criação do projeto «Museum Mediators», cujo principal objectivo é criar as práticas e orientações vistas para os profissionais da mediação que representam a estrutura institucional e profissional, vistas como necessárias pelos parceiros desta rede.

«Depois de um projeto de dois anos financiado pela Comissão Europeia através do Lifelong Learning Program, os parceiros têm vindo a alcançar os seus objetivos», descrevem.

Neste período, além da criação efetiva da rede, foram organizados cursos de formação em Portugal, Espanha, Itália, Estónia e Dinamarca, em que estiveram envolvidos 103 alunos, e criada uma estrutura “Think Tank”, para debate e reflexão de Mediação em Museus Europeus.

Mais informações sobre a conferência e o projeto «Museum Mediators» pode ser encontrada

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti no site da iniciativa. // //