Listen to the text.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

The Museum at “the Beginning of America”

The West Quoddy Head Lighthouse, Lubec, Maine (all photos by the author for Hyperallergic).

Dubbed “the beginning of America” by locals, the West Quoddy Head Lighthouse in Maine is situated at the easternmost point of the continental United States. The site also includes a modest exhibition space, making it the easternmost museum in the US. Personable, informative, and engrossing, the exhibits at Quoddy Head served as a reminder of everything I love about museums.
The West Quoddy Head Lighthouse, Lubec, Maine


Situated in Quoddy Head State Park, the distinctive red and white stripped lighthouse overlooks the Quoddy Narrows strait between the US and Canada. A stone marking the lighthouse’s coordinates sits opposite a flag pole bearing the US, Canadian, and Maine flags. The park’s name derives from the local Native American tribe, the Passamaquoddy, which itself roughly translates as “pollock place,” a reference to the coast’s rich marine life.

The lighthouse boasts coastal views of Canada’s Grand Manan Island and Roosevelt Campobello International Park (the location of President Franklin D. Roosevelt’s summer retreat). The latter is home to East Quoddy Lighthouse which accounts for the paradox of naming America’s easternmost lighthouse, West Quoddy Head.

During our vacation in Downeast Maine, my wife and I had read that whales are regularly sighted off the coast of Quoddy Head. This was enough of an excuse to make a two-hour drive along the coast. Having set out to spot whales, we hadn’t banked on an intriguing museum experience.
A pin badge from the WQHLKA Visitors Center.


Since its automation in 1988, the lighthouse has been maintained by the West Quoddy Head Light Keepers Association (WQHLKA). Its management modestly describes the lighthouse annex as a “visitor center,” but it is, for all intents and purposes, a museum. There are displays on the history of the lighthouse, as well as guides to Maine’s wildlife. The museum’s exhibits are loosely organized. The result is pleasantly conversational, as if a Mainer were discussing architectural history and then veered into a tangent about the local wildlife.

In one room, a video tour of the lighthouse sits alongside a framed list of facts about the American Bald Eagle. Next door, a map of the Canadian-US border is hung beside a collage of a former lighthouse keeper’s family photos. The captions include “Little Bobby,” “Dorothy and Kitty,” and “Bob Brings Home a Lobster Sept 1936.” The museum’s emphasis is on communicating the totality of the locals’ lived experience. The confluence of lobster cages, uniforms, newspaper cuttings, and lighthouse ephemera feels entirely appropriate. Visitors leave with a heightened sense of what day to day life must have been like for the former lighthouse keepers.

The lighthouse center is charmingly and unapologetically retrograde. A few of its photographic displays have yellowed from sunlight exposure. I failed to notice that a caption accompanying a photograph of a crab had been mixed up with a neighboring image of a lobster. Instead of simply swapping the labels back over, the management added a third: “Yes, we know that the Jonah Crab and Northern Lobster labels are reversed.” The museum might not be flashy, but it’s certainly engaging. I admired its humor, its modesty, but most of all, the personable nature of its displays.


An exhibit notice above a photographic display of marine life.

West Quoddy Head was a breath of fresh air, a reminder of what museums ought to be, places for stories to be shared. The accommodating staff at Quoddy Head (all of whom are dedicated volunteers) brought this all back to me. As a New York resident, I realize that museum professionals in the city often forget this. The conversation becomes about money, the acquisition of “quality” pieces, and the need for continuous expansion. The true aspirations of museums are frequently sidelined by the ever increasing demand to embrace the entertainment industry.

The West Quoddy Head Lighthouse sets, in its own unique way, a wonderful example of what museums can achieve. Standing at the beginning of America, in the impossibly beautiful and captivating state of Maine, I felt both refreshed and renewed.

The stone marking West Quoddy Head as the easternmost point of the continental United States (Maine 44° 49′ N 66° 57′ W).

The state of Maine, U.S., and Canadian flags.

A map marking West Quoddy Head and other neighboring lighthouses.

WQH Light Keepers
A complete list of West Quoddy Head’s light keepers. The lighthouse was automated in 1988.

Interior of the lighthouse visitor center.

Diagrams and photographs of assorted whales. The display is accompanied with press clippings of beaching incidents.

Artists in Maine
A display of artists who regularly visited Maine, incl. Winslow Homer, Rockwell Kent, Andrew Wyeth, Edward Hopper, and others.

Lobster Diagram
A diagram of the American lobster (Homarus americanus).

WQH Video Dedication
A dedication to Park Ranger David G. Jones. The notice sits above his video display of the lighthouse interior.

Eagle Facts
A list of facts about the American Bald Eagle.

WQH Shore Line
The beach below West Quoddy Head Lighthouse.

Pebbles along the Quoddy Head coastline.

WQH Fog Horn
The lighthouse horn. The warning sounds blasts two times every thirty seconds.

WQH
West Quoddy Head Lighthouse (Quoddy Head State Park, Lubec, Maine) is open from 10am-4pm daily, from Memorial Day weekend through mid-October.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://hyperallergic.com/149777/the-museum-at-the-beginning-of-america/

Oldest traces of modern humans in Europe found in Austria

This estimation of the existence of modern humans in Europe is several thousands of years earlier than previously thought.
 
  Philip Nigst from the Division of Archaeology at the University of Cambridge told the Austria Press Agency on Monday that this showed the first modern humans settled in the region at the beginning of a warm phase of the Ice Age.
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  http://www.neurope.eu/article/oldest-traces-modern-humans-europe-found-austria


Museos, Ciencia, Tecnología y… en INSTITUCIONES, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·

“Los que no se mueven, no sienten sus cadenas”. Rosa Luxemburgo

Los actuales museos de ciencia y tecnología, nos hacen reflexionar sobre las funciones y obligaciones que una institución museística debe asumir para mantenerse como museo y así evitar transformarse en otra cosa, en algo irreconocible. Y no es una transformación de tipo semiológico, es el cambio radical de concepto de museo de ciencia y tecnología a otra cosa muy diferente y que nosotros creemos que es para mal. ¿Se trata de una evolución necesaria e inevitable?





Archivo EVE

Ciencia y Tecnología, áreas del conocimiento humano que posiblemente sean las más inquietas en términos de evolución y ritmo de desarrollo, son las que están cambiando el concepto de museo irremediablemente. En el conjunto de los museos del mundo, son los de ciencia y tecnología los que más se han transformado en estos últimos 30 años. Pero el peligro del movimiento evolutivo es cuando se cambia eliminando, cuando se evoluciona a lo loco, o cuando se es soldado en la lucha por la supervivencia al límite. Son estos museos los que están en el filo de dejar de ser museos para convertirse en otra cosa, algo más cercano a un centro de difusión “interactiva”, que un espacio donde los objetos históricos sirven de apoyo en la didáctica de la evolución del hombre y su trabajo para mejorar el mundo – o destruirlo definitivamente -. Los museos no deberían dejar de ser museos, entidades conservadoras y difusoras de nuestra historia, aunque su obligación sea la de mostrarnos una visión premonitoria que nos ayude a hacer de este mundo un lugar mejor para vivir, al puro estilo del enunciado de Silicon Valley. Sabemos que muchos de estos centros están embutidos en la dicotomía ya bien conocida de “si somos conservadores no vamos a poder sobrevivir”. Existen matices de gris, pero nos obliga a ser muy creativos y saber jugar con el equilibrio. Y hablando de creatividad, las actividades multitarea, para los más jóvenes fundamentalmente (colegios y ocio), son las que aportan recursos importantes a estos “museos-centro” de ciencias y tecnología, y no tanto las visitas para ver objetos, eso es cierto. Pero nos da mucha pena que los museos románticos de ciencia y tecnología como tales acaben por desaparecer.



Archivo EVE

¿Y no podría combinarse la acción de conservar con la acción de sobrevivir? Para que los museos de ciencia y tecnología no se desdibujen convirtiéndose en garabato, se necesita el apoyo financiero del gobierno. Si los gobiernos no ayudan con subvenciones a estas instituciones para que puedan mantener su identidad de museos, su transformación hacia el concepto de parque temático será imparable. Y llegados a este punto se plantea un pregunta muy popular últimamente: ¿Qué es mejor, ceder o desaparecer? Los museos en general buscan desesperadamente la forma de atraer visitantes, y se obligan y trabajan en la generación de ideas – algunas un tanto peregrinas – para captar el interés ciudadano. Existen museos de ciencias y tecnología que ya celebran cumpleaños para niños, noches de pijamas, e incluso han celebrado sesiones de búsqueda de pareja entre las exposiciones interactivas. ¿Todo vale?



Imagen: Go Outside Magazine

Vemos que los museos, y podríamos hablar en general, carecen de hoja de ruta que combine el mantenimiento de sis identidad con la generación de recursos que asegure su existencia. A este paso, dentro de unos años, no muchos, el concepto de museo habrá cambiado radicalmente para convertirse en “institución que hace lo que sea para sobrevivir”. Nos da mucha pena porque observamos incluso como museos de ciencias y tecnología de “toda la vida”, están reconvirtiéndose eliminando objetos históricos para dejar espacio a las instalaciones interactivas. Si esa es la evolución que toca, estamos asistiendo a la desaparición definitiva de la palabra museo relacionada con la ciencia y la tecnología, y darle la bienvenida a los centros de ciencias que llegan a empujones para quedarse. Si esto tiene como consecuencia que así fomentamos conocimiento y cultura en la sociedad, bienvenido sea, pero lo dudamos mucho. La difusión de conocimiento como tal nunca debe olvidar sus orígenes, la historia de la evolución, la historia de la involución, de lo contrario seguiremos formando parte del bucle espacio-tiempo del error. Los gobiernos deberían evitar la desaparición de los museos, aunque ya sabemos que los tiempos que corren nos obligan a luchar para sobrevivir, mas que trabajar para conservar.



Sastrería año 2000, previsión en 1910 (Archivo EVE)

EJEMPLOS DE EVOLUCIÓN DEL CONCEPTO DE MUSEO A CENTRO DE CIENCIAS:

Exploratorium Museum

NEMO Museum

Museo de la Ciencia y Tecnología de París

Museo de Ciencias y Tecnología de Londres


·

CNPC reconhece Comitê Gestor do SBM como Colegiado Setorial de Museus

Em reunião ontem (23), em Brasília (DF), o Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC) aprovou, com 19 votos favoráveis, que o Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus (SBM) seja equiparado a Colegiado Setorial de Museus no plenário do CNPC. Nove representantes votaram contra e quatro se abstiveram.

O comitê, cuja nova constituição foi ratificada em abril deste ano, é composto por 23 representantes de sistemas de museus, conselhos e associações de classe, museus privados e comunitários, além de universidades, ministérios e autarquias vinculadas ao Ministério da Cultura (MinC). No total, são 13 membros indicados pela sociedade civil e 10 pelo poder público.
  



Primeira reunião de trabalho do novo Comitê Gestor do SBM aconteceu em Maio na sede do Ibram em Brasília

“O Ibram e o campo dos museus recebem a decisão do CNPC como um voto de confiança na transparência do Sistema Brasileiro de Museus e na qualificação do seu comitê gestor que constitui, de fato, um colegiado, por traduzir a dinâmica do setor em suas diversas expressões”, explica Angelo Oswaldo, presidente do Ibram.

O CNPC é um órgão colegiado integrante da estrutura básica do MinC, e tem por finalidade propor a formulação de políticas públicas com vistas a promover a articulação e o debate dos diferentes níveis de governo e a sociedade civil organizada para o desenvolvimento e o fomento das atividades culturais no território nacional. Atualmente, 17 colegiados setoriais estão instalados – número que passa para 18 com o resultado da reunião do dia 23. Saiba mais.

Histórico
Criado em 2004, o Comitê Gestor do SBM tem por finalidade principal facilitar o diálogo entre museus e instituições afins, com vistas a gestão integrada e ao desenvolvimento dos museus, acervos e processos museológicos brasileiros.

O comitê propicia ainda o fortalecimento e a criação dos sistemas regionais de museus, a institucionalização de novos sistemas estaduais e municipais e a articulação de redes temáticas de museus. Foram as discussões no âmbito do órgão, em 2006, além de consulta feita ao setor museal, que formataram o Projeto de Lei que levou a criação do Estatuto de Museus em 2009.

Em agosto de 2011, o Ibram solicitou ao MinC e ao CNPC que equiparasse o Comitê Gestor do SBM a Colegiado Setorial de Museus, pedido reiterado em outubro de 2013, por meio de inclusão de novo parágrafo na portaria que estabeleceu, em 2010, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Políticas Culturais.


Fórum Nacional de Museus: eleições diretas para CNPC acontecem a cada dois anos

Após pedido de vistas do processo por parte de representantes do CNPC, na última terça-feira (22) as relatoras consideram pertinente a demanda do Ibram, tendo em vista que as atribuições do referido comitê vão ao encontro dos propósitos dos colegiados setoriais, o tempo de mandato de seus membros é o mesmo (2 anos), assim como sua composição contempla tanto o poder público quanto sociedade civil.

Fórum Nacional de Museus
O Fórum Nacional de Museus (FNM) é instância onde os representantes do setor museal junto ao CNPC são escolhidos pelo voto direto. Em 2012, durante sua quinta edição, quatro entidades foram habilitadas a concorrer as vagas, tendo sido escolhidas a Associação Brasileira de Museologia (ABM) como titular, e o Conselho Federal de Museologia (Cofem) como suplente, após indicações para lista tríplice.

Neste ano, o 6º Fórum Nacional de Museus, que acontecerá entre os dias 24 e 28 de novembro, em Belém (PA), propõe os mesmos procedimentos de seleção de representantes para o CNPC. Podem votar na eleição todos os participantes, maiores de 16 anos, inscritos no FNM. Cada eleitor pode votar apenas uma vez, apresentando um documento oficial com foto no momento da votação.



fonte: Texto e fotos: Ascom/Ibram @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.museus.gov.br/cnpc-reconhece-comite-gestor-do-sbm-como-colegiado-setorial-de-museus/

A arte do chocolate contada num novo museu em Bruxelas

A confecionar mais de 170 mil toneladas de produtos de chocolate por ano, a Bélgica sabe muito sobre esta arte. Para partilhar algum desse conhecimento, acabou de abrir, em Bruxelas, um novo museu.

No dia da inauguração, a correspondente da euronews Efi Koutsokosta perguntou a um chocolateiro “qual é o segredo da sua receita”, mas este respondeu que “isso não se revela. As pessoas vão provar. Mas acho que o nosso segredo é confecioná-lo bem”.

Denominado Aldeia do Chocolate Belga, o museu é destinado a miúdos e graúdos, com exposições mais tradicionais, mas também com jogos interativos.

Situa-se na antiga fábrica Vitória – onde em tempos 1500 pessoas produziam esta gulodice – e foram precisos nove anos e quase 2,5 milhões de euros para a transformar.

A correspondente da euronews refere que “desde a história à forma de fabrico do chocolate belga original, tudo se pode aprender na cozinha no interior do museu, além de dar uma ajuda e, claro, provar”.

Os cursos são uma das principais atrações para quem fique tentado a tornar-se chocolateiro depois de aprender tudo sobre a história, as variedades, os usos e as técnicas.

O chocolateiro profissional Maxime Pliester refere que “a base de tudo está numa particularidade muito especial que é um processo industrial de raspagem e mistura dos grãos de cacau. É um segredo da indústria belga, é o segredo do chocolate belga”.

O visitante pode ver, ainda, uma estufa onde crescem variedades da planta de cacau e outras espécies vindas, sobretudo, dos continentes africano e sul-americano.

Philippe Pivin, autarca de Koekelberg (freguesia da capital onde fica o museu), diz que “este museu é uma aventura apaixonante que agora começa. É um barco novo que se fez ao mar e espero que navegue até muito longe”.

E, naturalmente, não podia faltar uma loja para adquirir bombons, tabletes e bebidas, com a oportunidade de degustar marcas muito conhecidas e outras mais artesanais.

Um dos visitantes promete “dizer aos meus amigos na Hungria que, se tiverem tempo de visitar a Bélgica, em particular Bruxelas, não podem deixar de visitar este museu”.

Uma visitante local acrescenta que “na Bélgica, adoramos chocolate. E o chocolate belga é o melhor do mundo. Isto costumava ser uma fábrica onde se fazia muito bom chocolate. Eu desconhecia isso, mas é realmente emocionante”.

No final convém ter em conta os efeitos negativos de demasiado consumo de chocolate, ou talvez fique para outro dia!

 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  http://pt.euronews.com/2014/09/23/a-arte-do-chocolate-contada-num-novo-museu-em-bruxelas/

Casarão da família Biagi vai dar espaço a um museu

Imóvel da rua Tibiriça de 1925 será a Casa da Memória Italiana

Novo Museu


Divulgação
Casarão da família Biagi vai se transformar na Casa da Memória Italiana - um museu privado; clique na imagem e veja a galeria de fotos. (Foto: Divulgação)
Construído em 1925, o casarão da família Biagi localizado na rua Tibiriçá vai se transformar na Casa da Memória Italiana - um museu privado que terá na exposição mobiliário e objetos italianos, além de um espaço para oficinas, palestras e até exposição de arte contemporânea. O imóvel, que está vazio há pouco mais de um ano, após a morte de Angé Biagi, que viveu no local com a irmã Ozonia, está com sua estrutura impecável. A sala dourada (na foto), por exemplo, mantém as cadeiras de tecido, o lustre de cristal e a cristaleira impecáveis.

Imóvel doado
O patriarca Pedro Biagi, que nasceu na província de Pádova e veio para o Brasil com 6 anos de idade, comprou a casa em 1941 - antes pertenceu à fazendeira Joaquina Evarista Meirelles. Recentemente, o imóvel foi adquirido por Edilah Biagi e Weimar Marchesi Amorim, para ser doado ao Instituto Casa da Memória Italiana, que irá administrar o local. Já Maurílio Biagi Filho comprou toda a mobília, que também será doada ao museu. As doações serão oficializadas no sábado, na presença de toda a família Biagi e Amorim.
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.jornalacidade.com.br/social/giro/NOT,2,2,992348,Casarao+da+familia+Biagi+vai+dar+espaco+a+um+museu.aspx

Primeiro Bate-bola no Museu Pelé é sucesso de público

Na mesa-redonda formada pelos jornalistas Armando Gomes, Sylvio Ruiz, Anibal Gomes e Eduardo Barazal, o ex-jogador falou sobre a responsabilidade que teve em suceder o Rei

O auditório do Museu Pelé ficou lotado para primeira edição do ‘Bate-bola no Museu Pelé’, realizado na manhã desta quarta-feira (23). O evento teve como principal convidado o tricampeão mundial, Roberto Rivellino, que aproveitou a chegada antecipada para conhecer o acervo do Rei do Futebol. “Estou emocionado! Tenho uma alegria muito grande em fazer parte da história do Pelé, principalmente na Copa de 70”, afirmou ex-jogador, que naquele mundial ficou conhecido como “A patada atômica”.

O ‘Bate-bola no Museu Pelé’ teve o ponta pé inicial dado pelo próprio Rei, com uma mensagem em vídeo para o ex-companheiro de seleção brasileira. Na sequência, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa deu as boas-vindas aos convidados e público. “Hoje iniciamos uma nova etapa do Museu Pelé, onde iremos promover eventos para discutir o futebol. Para tanto, nada melhor que o pé quente do craque Rivellino”.

Na mesa-redonda formada pelos jornalistas Armando Gomes, Sylvio Ruiz, Anibal Gomes e Eduardo Barazal, Rivellino falou sobre a responsabilidade que teve em suceder o Rei com a camisa 10 da seleção. “Não me sentia o substituto do Pelé, até porque, ele é insubstituível. Deus me deu um dom. Para o Pelé, Deus deu muitos”.

No descontraído bate-papo com os cronistas esportivos, o ex-meia esquerda que fez história no Corinthians e Fluminense, cravou a Copa de 70 como o apogeu da carreira do Rei. “Fomos para o México desacreditados. Havia até um boato que o Pelé estaria cego. Imaginem só se ele estivesse enxergando?”, afirmou ‘o bigode’, antes de completar: “Na Copa de 70, Pelé não se comportou com a estrela. Pelo contrário, fez parte do todo. Até nisso foi genial”.
O auditório do Museu Pelé ficou lotado para primeira edição do ‘Bate-bola no Museu Pelé’ (Foto: Luiz Torres/DL)
O auditório do Museu Pelé ficou lotado para primeira edição do ‘Bate-bola no Museu Pelé’ (Foto: Luiz Torres/DL)


Encontro de gerações

Ao se observar o público da primeira edição do ‘Bate-bola no Museu Pelé’ duas coisas chamavam a atenção: o auditório lotado e a mistura de rostos jovens e mais experientes. Os senhores certamente foram ouvir as histórias de um dos maiores craques que futebol brasileiro já produziu. Os meninos buscavam uma inspiração.

Com apenas 10 anos, Marcus Wallace Mendonça, disse que ficou contente em assistir à mesa-redonda. “Meu avô fala muito sobre o Rivellino, principalmente sobre aquele drible, o elástico. Vou começar a praticar”, contou o garoto, que é aluno da escolinha de futsal do Rebouças.

Já Leonardo César Oliveira Santos veio com o time sub-15 do Santos F.C. para ouvir Rivellino. “Aprendi muito hoje. É legal saber que ele é bom não apenas como jogador, mas também como pessoa”, disse o zagueiro de 14 anos, que já assistiu lances do craque pelo Youtube.

Diferentemente dos jovens, o aposentado Paulo Leite Matos, de 68 anos, eram um dos que tiveram o privilégio de ver Rivellino em ação ao vivo. “Ele tinha um dos chutes mais fortes que eu já vi. Na minha escala de maiores craques brasileiros estão Pelé, Rivellino e Zico, nesta ordem”.



 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.diariodolitoral.com.br/conteudo/42511-primeiro-bate-bola-no-museu-pele--e-sucesso-de-publico

Inscrições para encontro do PNEM no DF seguem abertas até dia 28

Os interessados em participar do Encontro Regional do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) do Distrito Federal (DF), marcado para o próximo dia 30 de setembro, em Brasília (DF), devem se inscrever até a meia-noite deste domingo (28). Para isso, é necessário preencher o formulário disponível na blog do programa, onde também está detalhada a programação ao longo do dia.

O encontro, que tem como objetivo ampliar a participação dos profissionais da área de educação em museus na construção do PNEM, terá lugar no Museu Nacional Honestino Guimarães, que integra o Conjunto Cultural da República na capital do país.

A expectativa é que educadores e trabalhadores de museus, professores e estudantes dos cursos de Artes, Museologia e Educação, pessoas que trabalham com memória social, profissionais da área de cultura participem das atividades.
 
Museu da Abolição (PE)
Museu da Abolição, no Recife, sediará Encontro Regional do PNEM

Os encontros regionais do PNEM servem para sintetizar as contribuições pactuadas em diversos momentos ao longo de 2014, sendo a penúltima etapa do processo de aperfeiçoamento do documento preliminar do programa.

A Plenária Nacional do PNEM será realizada durante o 6º Fórum Nacional de Museus (FNM), em Belém (PA), entre os dias 24 e 28 de novembro.

Encontros Regionais
No dia 6 de outubro, o Encontro Regional de Pernambuco será realizado no Museu da Abolição (Rua Benfica, 1150 – Madalena, Recife), das 13h às 18h. Educadores de museus e instituições culturais, coordenadores, gestores, pesquisadores e demais interessados darão continuidade ao trabalho iniciado no mês de maio.

Já no dia 13, é a Rede de Educadores em Museus da Bahia (REM-BA) promove o Encontro Regional do PNEM no estado. A atividade acontece no Museu Eugênio Teixeira Leal, localizado no Pelourinho (Rua do Açouguinho, 1 – Salvador). O evento será das 8h às 17h e os participantes ganharão certificado. Saiba mais.
Texto e foto: Ascom/Ibram @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.museus.gov.br/educacao-museal-inscricoes-para-encontro-do-pnem-no-df-seguem-ate-dia-28/