Listen to the text.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Tiffany Jenkins: Stop children taking over our museums and galleries

Sociologist Tiffany Jenkins is speaking at a Battle of Ideas session called, 
“Are museums turning into playgrounds?” She is concerned that they are...








We have all done it.

Those of us who have kids, or who have been in charge of one for the day, say a niece or a nephew, have all grabbed the easy option of using a museum or gallery as a crèche. After all, most are free to enter and you can stay the whole day. Many provide a decent café, where you can choose from a “lunchbox menu” with mini cupcakes, sandwiches without the crusts, squash and even a babycino if your five year old is so inclined.

So desperate for uncritical attention, these institutions fall over themselves to welcome younger visitors, who, let’s face it, are easier to please than the traditional older, more discerning clientele – grown-ups – who tiresomely complain, about the facilities, the quality of the hang of an exhibition, or the simplistic labelling of the paintings; some of which, such as those in the Kelvingrove Museum in Glasgow, are placed at the eye-line height of a young child.

Today, museums are not just child friendly; they are child centred, organised around every perceived need of the little ones. Science museums and natural history are especially bad, but art galleries want a piece of the childcare action too. All have a packed programme of activities devoted to under 5s; 5 to tens and the teenage crowd: treasure hunts, storytelling, touch zones (that’s touching an object or a dead animal), crafts, crayons and dressing up. And they encourage you, the adult in fawning attendance, to convince yourself that the visit is educational: the brats aren’t just playing – they are learning, as they mess about with paper mache in a gallery once devoted to Greek antiquities.

You may be asking, what’s the problem? The thing is, organising museums around what the managers think makes for a family friendly museum or gallery ruins them for everyone. The way cultural institutions are increasingly organised to cater for kids is changing them for the worse for adults and forkids.

For adults, museums and galleries are increasingly off-limits during the holidays and the weekends, and during term-time, because they’re overrun by children who are rarely asked to: “Shh”, or “Slow down”, or even, “Look closely and learn”. At National Museums Scotland, it’s unbearably noisy. At the Natural History Museum in Oxford, adults unaccompanied by children are such a rarity, if you see one you wonder why they are there. And at the National Gallery and the British Museum, both in London, large school parties career through the galleries and are placed in front of the “highlights” of the collection, making it difficult for anyone else to have a look or think. Adult spaces for study and contemplation have been transformed into playgrounds.

The child focused museum and gallery also does a disservice to children. Instead of introducing young people to the material and artistic achievements of past human civilisations, too many cultural institutions direct attention away from what is unique about them, often running activities only indirectly related to what is on show.

The Pitt Rivers Museum – which holds one of the strangest collections in the country, known for its shrunken heads – asks children to, “Find Mickey”. But these aren’t objects from the large and fascinating anthropological collection; they’re wooden mice hidden within it. The kids, I concede, enjoy the game, but the mice have little do with the museum. And if children aren’t old enough to be interested in the objects or the art on show you have to ask: why are they there?

When children are old enough to appreciate cultural riches, museums and art galleries should aim to introduce them to the kind of space that they will want return to over their life time. This means not only confidently showing them interesting, beautiful, and unique things, but also, crucially, instructing them in how to behave in such special places. This means telling the little ones to be quiet, showing them how to look closely, and to respect the fact that the curators know more than they do. The adults need to say, “Shh!”

By Tiffany Jenkins 26/09/14   fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ideastap.com/IdeasMag/all-articles/tiffany-jenkins-kids-museums-battle-of-ideas

The opinions expressed here do not necessarily represent those of IdeasTap.  
The Battle of Ideas festival, supported by IdeasTap, takes place on 18-19 October at the Barbican Centre, London.

Na edição atual da revista Antiquity, uma equipe internacional de arqueólogos que trabalham na América do Sul afirma que eles encontraram evidências de pessoas que viviam no leste do Brasil mais de 20.000 anos atrás.


Archaeology -
Facts not ‘flexible’ in dating earliest Americans



Determining when humans discovered America is one of the most fascinating and contentious problems in archaeology.

An article in the September/October issue of Archaeology reviews the oldest well-documented sites in the so-called New World. One of them is next door in western Pennsylvania.

Meadowcroft Rockshelter, located less than 10 miles southeast of Steubenville, is described by excavator James Adovasio of Mercyhurst University as “a late-Pleistocene Holiday Inn” — a place where early Americans camped for short periods.

Adovasio and his team have excavated 50 tools and 700 pieces of chipped stone, including some made from Ohio’s Flint Ridge flint, dating to about 15,000 years ago.

There have been several claims for sites even older than those considered in the Archaeology review.

It’s fun to contemplate an extreme antiquity for the peopling of America, but the history of the modern human migration out of Africa and the genetics of modern American Indians suggest that people did not enter this hemisphere much before 16,000 years ago.

Claims for older sites shouldn’t be dismissed, but they must be carefully evaluated.

In the current issue of the journal Antiquity, an international team of archaeologists working in South America argues that they have found evidence of people who had lived in eastern Brazil more than 20,000 years ago. The site of Vale da Pedra Furada is located at the base of a cliff where rocky debris has accumulated for thousands of years.

Although flint was locally available and used by later cultures at the site, all of the artifacts in the deepest layers are made from quartz.

Quartz cobbles occur naturally in the area, and some archaeologists have expressed the opinion that the so-called artifacts formed when quartz cobbles tumbled down the cliff, becoming broken and battered. A few might have ended up resembling tools.

The excavators believe they are able to tell the difference between natural breakage and the results of human manufacture. In spite of their confidence, many archaeologists aren’t convinced. If there were people there 20,000 years ago, why didn’t they use the nearby flint?

In a commentary on the article, Vanderbilt University archaeologist Tom Dillehay raises questions about the evidence.

He concedes that “the earliest human record in South America is more diverse and, in several ways, different from that in North America and should be viewed with more flexible standards and expectations.” But he said that some aspects of the research “need more detailed reporting.”

For example, what criteria did the excavators use to differentiate between naturally broken bits of quartz and those identified as artifacts? If they really are artifacts, do they occur together in activity areas? Can some of the quartz chips be refitted to the tools, which would show the tools were made on the spot?

I am open to the possibility of finding evidence for people in the Americas before 16,000 years ago, but I disagree with Dillehay.

It’s fine for the evidence to defy our expectations, but it must be held to the highest standards before we rewrite the opening chapter of America’s story.

Bradley T. Lepper is curator of archaeology at the Ohio History Connection.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.dispatch.com/content/stories/science/2014/09/28/facts-not-flexible-in-dating-earliest-americans.html 

El Museo Espontáneo - en CULTURA, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·

“No hay nada como un sueño para crear el futuro”.
Víctor Hugo (Los Miserables)

En el verano de 2011 se cerraba una pequeña librería de libros y guías de viaje en el barrio de Notting Hill, Londres. Aquella pequeña librería no tenía realmente nada de especial, salvo que fue uno de los protagonistas de la comedia romántica Notting Hill (1999), acompañando los tira y afloja amorosos de Hugh Grant y Julia Roberts. Un pequeño negocio como muchos que se encuentran en nuestras ciudades, sin especial valor arquitectónico, ni vendía realmente productos estrella, pero aquella película hizo que la pequeña librería “The Travel Bookstore” fuera conocida por millones de personas en el mundo entero. Se convirtió en uno de los lugares más visitados de Londres incluso ahorque se ha convertido en una tienda de ropa de segunda mano. Esta tiendecita se convirtió en un lugar memorable, en una parte del “patrimonio” de recuerdos personales de muchas personas.

 
NATRI – IMAGINATION -white t-shirt – women: imagination is more important than knowledge – Albert Einstein

Muchos lugares tienen algo especial, porque allí se ha producido un hecho histórico relevante, una revelación mística, porque es el lugar de una leyenda, otorgándoles el poder detracción sobre multitud de personas. A veces incluso no importa que sea un lugar de ficción o real. Existen muchos y variados ejemplos sobre este poder de convocatoria que ejercen lugares como el Palacio de Verona donde se desató el amor entre Romeo y Julieta con su trágico final. A los visitantes no les importa que Romeo y Julieta sean personajes que nunca hayan existido en la realidad, es más, seguro que para muchos sí llegaron a existir y no solo en su imaginario. Acuden muchas parejas y suelen dejar testimonio de su visita con inscripciones en las paredes del palacio. El público de una manera espontáneo lo ha convertido en el Museo del Amor.

 
Imagen: Synaptic Stimuli

En Gettysburg, lugar donde ocurrió una de las batallas más nombradas de la guerra civil norteamericana, se recuerda con puntualidad el acontecimiento. Se ha mantenido el paisaje intocable, todo permanece igual que en los tiempos del suceso: cultivos, cercas. caminos, campos, el mismo aspecto que tenía en 1863. Es uno de los acontecimientos de re-enacment más conocidos del mundo. Los soldados de ahora, actores y voluntarios acampan en los claros de los bosques, realizan sus marchas estratégicas acarreando artillería y gritando mientras disparan al aire en los lugares de la conocida refriega. Todo esto produce en el visitante una impresionante sensación de viaje en el tiempo con el apoyo de la escenificación con características cinematográficas que se constituyen también un museo. En este caso el museo está dedicado a la unidad nacional de Estados Unidos, haciendo acto de contrición por la violencia y consiguiente vergüenza nacional que representa una guerra fratricida.

 
Imagen: Evgenia Arbugaeva

La tiendecita de guías de viaje de Notting Hill, el palacio de Julieta en Verona o los paisajes de Gettysburg son museos auténticos. Son los nuevos santuarios sagrados de nuestro tiempo que, de forma a veces inducida, a veces totalmente espontánea, se han elevado a lugares que representan ideas, recuerdos, valores, conceptos en los que la gente cree. Sin diseño, sin arquitectura, prácticamente de forma accidental, han sido señalados como museos por el público y eso son muchas, muchísimas visitas. Eso es mensurable, es un enorme número de visitas. El indicador que mide el reconocimiento de un museo, el parámetro que, cuando es así de impresionante en poder de convocatoria, provoca que todo tenga un sentido muy real.


  ·

Museu Amazônico expõe peças arqueológicas em mostra permanente

Cerca de 60 peças arqueológicas entre materiais de utensílios e de rituais compõem a exposição permanente `Encontrando a Amazônia Antiga’, do Museu Amazônico da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). As peças arqueológicas, que originalmente foram coletadas e catalogadas pela Divisão de Arqueologia, marca a presença humana na região há milhares de anos. O Museu Amazônico fica localizado na Rua Ramos Ferreira, 1036, Centro.


De acordo com a arqueóloga e curadora, professora Myrtle P. Shock, existem registros da ação humana na Amazônia há pelo menos 12 mil anos a.C, encontrados no Estado do Pará e, mais recentemente, no Amazonas, há 7 a 2 mil anos a.C. Segundo a curadora, a exposição é o resultado de 15 anos de trabalho que a Universidade vem desenvolvendo em vários sítios arqueológicos no Amazonas, como nas regiões dos municípios de Iranduba/Manacapuru, Itacoatiara, Presidente Figueiredo, Coari e Manaus.

 
 

Mytles Shock disse que o eixo orientador da exposição está voltado aos elementos da vida das pessoas que habitavam essas regiões, daí a origem do título da exposição `Encontrando a Amazônia Antiga’. "Queremos mostrar a vida diária das pessoas, como elas viviam e o que faziam; indo desde o preparo e cozimento de alimentos até os elementos de rituais e funerais", comenta a curadora.

Para ela, a fração mínima de material coletado é apenas uma `entrada ao conhecimento` de povos que viveram e consolidaram suas culturas, a partir da construção de sociedade que ocuparam espaços constituídos de até mil pessoas. Verdadeiras cidades, ressalta a pesquisadora.

 
Ela mostra artefatos encontrados no sítio arqueológico Dona Estella, entre os municípios de Iranduba/Manacapuru, referentes ao `Período da Pedra Lascada´ ou pré-história Cabralina na Amazônia, datados entre 7 a 6 mil anos a.C. São pedras pequenas e grandes, lapidadas com função para cortar, perfurar e raspar . "O amazonense deve ter orgulho do seu passado, pois existiram pessoas que já moravam na Amazônia antes mesmo das sociedades indígenas atuais que desenvolviam tecnologias para atividades do dia a dia, como construção de moradia, cestaria, armas para caça e pesca", comenta a arqueóloga.

A urna fúnebre é outra peça da exposição que chama atenção do visitante que é atraído pela forma antropomórfica, ou seja, uma representação humana para depósito de restos mortais, como cinzas ou ossos do morto. Ela informa que as urnas funerárias existentes na Amazônia servem como elemento para o segundo ritual fúnebre de morto.
 

Paralela à exposição das peças milenares, o visitante vai encontrar a exposição de fotos que mostra todo o processo de pesquisa de campo e a de laboratório desenvolvida pela equipe de pesquisadores da Divisão de Arqueologia, tendo à frente o arqueólogo Luciano Souza. A busca de vestígios nos sítios arqueológicos, a escavação do terreno, a logística de transporte e análise de materiais em laboratório compreendem as atividades do arqueólogo, profissional que contribui para compreensão de uma realidade histórica.

A diretora do Museu Amazônico, professora Maria Helena Ortolan, disse que a renovação da exposição "Encontrando a Amazônia Antiga" faz parte de um projeto de compreender o passado amazônico voltando para entender a contemporaneidade. Os arqueólogos podem pesquisar o passado, mas eles nos dão mais luz ao presente. Existiram povos que desenvolveram suas práticas e tecnologias que fazem da parte da historia dessa região e que deram margem para que pudéssemos ter a floresta preservada e todos às tecnologias, inclusive a social, finaliza a diretora.    
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ufam.edu.br/index.php/2013-04-29-19-37-05/noticia/2989-museu-amazonico-expoe-pecas-arqueologicas-em-exposicao-permanente
  

Museu do Coração ensina hábitos saudáveis a crianças e adolescentes

O aparato está montado no Centro de Convenções Ulysses Guimarães

Museu ensina o funcionamento do coração em tela interativa Reprodução/ TV Record

Um espaço interativo, montado no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, ensina crianças e adolescentes sobre o funcionamento do coração e ao alimentos que favorecem a vida prolongada de um dos órgãos mais importantes do corpo. O Museu do Coração foi criado pela Sociedade Brasileira do Coração e tem um caráter educativo.

Em uma das atividades interativas, os jovens podem montar um prato com opções de alimentos saudáveis, mas, nem sempre, são estas as escolhas dos visitantes.

— Eu como bastante fritura, diz um dos jovens que visitou o museu nesta sexta-feira (26). Quando o prato montado é aquele que faz bem ao coração, nem todos querem tê-lo como refeição no dia a dia.

— Eu não gosto de Arroz integral e nem de salada, diz um jovem estudante. O intuito do museu é convencer as pessoas de que, quanto mais cedo os hábitos mudam, a possiblidade de desenvolver doenças cardíacas é menor.


— Junto com essa conscientização de alimentação saudável desde pequenininho você tem que levar toda uma conscientização de mudança de hábito de vida porque você falar só para quem é adulto parece que não está funcionando muito. Então a gente acredita que se a gente levar pequenininho e mudar essa cultura desde baixo você vai conseguir interferir nisso de uma forma altamente produtiva, afirma o cardiologista Emílio César Zilli.

No local é possível acompanhar o funcionamento do coração e saber mitos e verdades sobre doenças cardíacas e aprender a preparar pratos com baixo teor de substâncias que fazem mal ao órgão. O Museu do Coração fica no Centro de Convenções até o dia 29 de setembro e funciona em horário comercial. A entrada é gratuita. 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://noticias.r7.com/distrito-federal/museu-do-coracao-ensina-habitos-saudaveis-a-criancas-e-adolescentes-29092014

Unesco: EI destrói locais históricos no Iraque e vende antiguidades

Estado Islâmico vende objetos de até 2 mil anos para se financiar. Diretor de museu diz que máfia internacional atua como intermediária.

O grupo Estado Islâmico (EI) destrói locais históricos no Iraque e vende antiguidades para se financiar, afirmaram especialistas e diplomatas durante um colóquio na Unesco sobre "patrimônio iraquiano em perigo".


ESTADO ISLÂMICO

"A Unesco pediu que o Conselho de Segurança (das Nações Unidas) adote uma resolução de proibição preventiva a qualquer comércio de objetos culturais iraquianos e sírios para lutar contra o comércio ilegal", indicou sua diretora-geral, Irina Bokova.

Bokova pediu aos Estados-membros, aos principais museus do mundo e ao mercado da arte que "intensifiquem a vigilância com relação aos objetos que poderiam proceder do atual saque do patrimônio iraquiano".

"Há máfias internacionais, que se ocupam dos vestígios (...), que informam o EI a respeito que pode ser vendido. Há intermediários mafiosos", destacou Qais Husen Rashied, diretor do museu de Bagdá.

O grupo Estado Islâmico, que considera as estátuas idolatria, dinamitou muitas igrejas e monumentos sagrados para cristãos, judeus ou muçulmanos, disseram vários participantes do colóquio.

Rashied e o diretor do Instituto Iraquiano para a Conservação das Antiguidades e do Patrimônio em Erbil, Abdullah Jorsed Qader, deram como exemplo a tumba do profeta Jonas e várias estátuas em Mossul, onde também foram destruídos palácios assírios.

As obras "são cortadas e vendidas. As peças são inestimáveis... Algumas têm 2 mil anos, podem custar muito caro", afirmou Rashied.

A diretora-geral da Unesco destacou que foram indicadas "as coordenadas e todas as informações pertinentes aos Estados-maiores envolvidos nos bombardeios" contra os jihadistas, para evitar que destruam esses locais históricos, muitos deles usados como bases pelo EI, segundo autoridades iraquianas.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/09/unesco-ei-destroi-locais-historicos-no-iraque-e-vende-antiguidades.html

 

População do Sumbe clama pela construção de um museu

Sumbe - Os cidadãos do Sumbe, capital da província do Cuanza Sul, manifestaram hoje (segunda-feira) o desejo de verem aberto, a curto ou médio prazo, um museu local para pesquisar e conservar a identidade dos povos da região.

Em declarações hoje à Angop, alguns populares disseram que essa infra-estrutura vai permitir a investigação cultural e a preservação dos hábitos e costumes do seu povo.

Segundo o estudante Alfredo Pedro, a falta de um museu local põe em risco os símbolos e outros valores culturais da região, bem com a transmissão do testemunho cultural às novas gerações.

“É através dos museus que as novas gerações vão receber conhecimentos sobre a formação das tribos, como lutavam, etnia de um determinado povo”,disse Alfredo Pedro.

Referiu que o museu é uma instituição de grande utilidade para a área académica e científica, por permitir a pesquisa sobre o modo de vida dos antepassados e onde são expostos vários materiais da história dos homens e da região.

Por sua vez, o professor Elísio Manuel disse que um museu ajuda na construção de noções contextuais da evolução cultural no tempo e espaço.

Referiu que a falta de um museu na província tem reflectido na vida dos estudantes e crianças que querem saber da natureza, da vida dos povos e não só.

De acordo com o director provincial da cultura no Kwanza-Sul, Manuel Rosa do Nascimento, o seu pelouro possui um programa já remetido a instâncias superiores para a construção de um museu local, tendo em conta o grande mosaico cultural da região, acrescentando que logo que o projecto seja aprovado será construído o empreendimento. 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/lazer-e-cultura/2014/8/40/Populacao-Sumbe-clama-pela-construcao-museu,8edb17df-ef7d-4939-b6c6-6ed5530db8d0.html
 

 

Nesta segunda-feira (29-09-2014), Dona Raimunda Rodrigues Frazão, ou simplesmente Dona Dica, como é conhecida, completa 94 anos, mantém museu de arte em sua casa, no Pará

Idealizadora e responsável pela manutenção do Museu de Arte Dica Frazão, que funciona em sua casa, em Santarém (PA), Dona Raimunda Rodrigues Frazão mantém o museu doméstico desde 1999. O local é também o ateliê onde a artesã utiliza-se de matérias-primas extraídas da flora amazônica para confeccionar roupas e acessórios: entrecascas de árvore, fibras extraídas de capim, palha de buriti, sementes, raízes de patchouli e outros materiais.
 
 

Vitrine do museu na casa de D.Dica:
dedicação pessoal

Dona Dica lembra que já presenteou a rainha da Bélgica, o Papa João Paulo II e outros chefes de estado com criações suas: “Pego a natureza e transformo em roupa, faço fibra virar pano. E minhas criações já ganharam o mundo!”, comenta.

O museu é uma das referências para turistas nacionais e estrangeiros que visitam a região, e Dona Dica se queixa da falta de recepcionista bilíngue para auxiliá-la no atendimento aos turistas que não falam português. Ela diz ainda que necessita de mais vitrines para a exposição de cerca de 20 peças que estão guardadas dentro de caixas. A artesã mantém o museu com o dinheiro da sua pensão.

Memória e reconhecimento

Segundo a paraense Sylvia Braga, arquiteta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que conheceu, ainda na infância, o trabalho de Dona Dica por meio dos leques que sua mãe usava, a estilista, artesã e bordadeira precisa ter seu valor reconhecido, especialmente pelo esforço pessoal em preservar a memória do trabalho feito à mão na região oeste do Pará.

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, Dona Dica é “exemplo de mulher guerreira, a qual devemos generosas lições de vida e uma criação artesanal de notável qualidade, internacionalmente reconhecida”.

Ele ressalta ainda que a valorização e a proteção desse acervo, por meio de programas públicos de fomento à cultura e ao turismo, podem em muito beneficiar Dona Dica e o próprio município de Santarém. Na cidade, existem ainda outros três museus mapeados pelo Cadastro Nacional de Museus.

Fonte: @edisonmariottio #edisonmariotti http://www.brasil.gov.br/cultura/2014/09/dona-dica-mantem-museu-de-arte-em-sua-casa-no-para Instituto Brasileiro de Museus
 
 

Nick Cave. Um museu virtual de tralha

Um cigarro cravado a Tom Waits, uma toalha com restos de uma pastilha de Nina Simone, o cartão de um serial killer ou um cordão umbilical. Para promover o seu filme, “20,000 Days on Earth” – parte ficção, parte realidade –, Nick Cave tornou-se curador de um museu virtual, o Museum of Important Shit. No site, toda a gente pode expor objectos importantes da sua vida e contar uma história – Clara Silva mostra-lhe alguns. A saga do 20 000.º dia na terra do músico chega ao cinema a 27 de Novembro


Alice, um cão de plástico que se quer “dead or alive” e que desapareceu devido a “problemas de coração partido, explica-se,” é outro dos objectos do museu. Mas, desta vez, um que se procura. Na fotografia, Alice nas últimas férias em Formentera


“This was Tom Waits Camel.” Uma beata de um cigarro cravado a Tom Waits durante um concerto de Chuck E. Weiss no Paradise Lounge de São Francisco. O dono da preciosidade guarda-a desde 1993. “Ele foi um cavalheiro e também me deu lume”, escreve


O cartão de John Wayne Gacy, “um pedaço de história negra”, conhecido como o “palhaço assassino”, um serial killer que se vestia de palhaço e matou pelo menos 29 rapazes. Este era o cartão que costumava dar às vítimas, supostamente para entrevistas de trabalho


Uma toalha com o que resta de uma pastilha que Nina Simone poisou no piano num incrível concerto e que Warren Ellis, violinista e compositor dos Bad Seeds, guardou numa toalha. Foi esta história e fotografia que deu a ideia para este Museum of Important Shit


O Nokia 3510i que Angelina Jolie usou no filme de 2007 “A Mighty Heart”, de Michael Winterbottom, que conta a história da viúva do jornalista Daniel Pearl. O dono do telemóvel, Joakim Sundström, é músico e editor de som de vários filmes e diz ter uma colecção de telemóveis antigos usados por celebridades


Kurt, o nome do baixo Fender de alguém. O baixo é de “72 ou 73” e está com o dono desde Setembro de 2002. “Foi amor à primeira vista. Na altura não tinha dinheiro e tive de deixar um depósito (...). Refiro--me a ele como o meu marido.”


“Fuck Art Let’s Dance”, a primeira cassete que Ian gravou para Jane, em 1993 – ainda estão juntos. Na cassete estava uma música de Nick Cave & The Bad Seeds, “The Ship Song”, do álbum “The Good Son”


Um dos objectos da colecção pessoal de Nick Cave no museu é este saco “Kylie Minogue”, encontrado durante uma digressão em Manchester, em 1992: “Deram-me uma droga que me fazia gostar de pessoas e andava sozinho pelas ruas, já muito tarde, quando alguém me levou para um quarto pequeno e escuro, onde estava pendurado este saco a tiracolo”, escreve. Kylie Minogue, com quem gravou “Where The Wild Roses Grow”, em 1996, também entra no filme


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ionline.pt/artigos/lifestyle-liv/nick-cave-museu-virtual-tralha/pag/-1