Listen to the text.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Archaeologists find "totally fascinating" medieval friary and human skeletal remains

Human skeletal remains have been found in the largest medieval excavation ever carried out in Stirling, Scotland



Archaeological investigations ahead of a major development at Station Square, in Stirling, have revealed medieval remains© GUARD Archaeology LtdHuman remains, a section of a wall and a “large assemblage” of medieval material have been found at the headquarters of a 13th century Dominican friary destroyed in Stirling during the Reformation in 1559.

Archaeologists say it is unclear if the skeletal parts of the individual, discovered opposite Stirling Railway Station, date from the foundation of the nearby medieval friary, in 1233, or several centuries later.



A large piece of architectural stone found at the site© GUARD Archaeology Ltd"This is an exciting and totally fascinating find,” said Murray Cook, the Archaeologist for Stirling Council.

“For Stirling, this is the first time that a medieval site has been subject to modern excavation on this scale.

“This is real living history being brought into the light. It’s the reason people get into archaeology in the first place.

"Further down the line it would be great to share this story in more detail with the people of Stirling. After all, this is their past."

Animal bone deposits, stone architecture, medieval ceramics and garden soils have also been found at the site.

What do you think? Leave a comment below.



© GUARD Archaeology Ltd

© GUARD Archaeology Ltd

© GUARD Archaeology Ltd

More from Culture24's Archaeology section:

Roman occupiers had comfy boots, granaries and heating in southern Scotland, say experts

Archaeologists say "special" longhouse could reveal life during Scottish Middle Ages

Major community archaeology project explores the industrial heritage of Portobello Edinburgh


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.culture24.org.uk/history-and-heritage/archaeology/art500736-archaeologists-find-totally-fascinating-medieval-friary-and-human-skeletal-remains-in-stirling

Arte e Identidad - en OPINIÓN. ·

“El pintor tiene el Universo en su mente y en sus manos”.
Leonardo da Vinci

 
“Paseo a la orilla del mar”, Joaquín Sorolla, Malvarrosa, Valencia (1919)

Todos tenemos una opinión sobre el arte moderno, el arte que se viene creando desde finales de la Segunda Guerra Mundial hasta nuestros días. Todos reflexionamos sobre el origen y naturaleza del arte que acabamos de ver cuando salimos de un museo de arte contemporáneo, de una feria de arte, o cuando nos paramos en la calle de nuestra ciudad para observar el arte expuesto en una pequeña galería. Observamos con interés esas expresiones plásticas que una persona realizó en su momento y que quiso compartirla con todos nosotros. Pues bien, consideramos que no todo y todos responden a ese acto de generosidad ni mucho menos. Nosotros creemos que el arte contemporáneo comercial en general carece absolutamente de belleza, buenos gestos y sobre todo de Identidad. La obra se ha convertido en un agente para la especulación y punto. Los verdaderos artistas están fuera del mercado y eso no es justo. Por otra parte, el 80% de la gente que sale de la Capilla Sixtina, no es capaz de nombrar otra obra de Miguel Ángel a parte de “La Piedad”. ¿No deberían los museos hacer más labor de divulgación didáctica sobre Arte?

 
Sarah Illenberger Food Art 9

La repuesta o la actitud que tenemos hacia el arte que se produce actualmente viene de la mano de nuestra experiencia personal en la vida, es algo que no podemos evitar. Quizá por eso esta opinión es eso, algo muy personal. Ser familiar muy cercano de alguien que ha sido un grandísimo artista del carboncillo, por ejemplo, condiciona a la hora de apreciar lo que vemos en otros artistas. En cualquier caso hacemos un gran esfuerzo para no dejarnos llevar y abrir nuestras mentes a toda clase de propuestas. A nosotros, cuando éramos unos niños, se nos decía: “mientras no sepas dibujar una mano y un caballo a la perfección, no podrás decir que sepas dibujar”. Cuando Rafols-Casamada nos hacía dibujar con pluma estilográfica, horas y horas, en aquel palacete perdido en las afueras de Barcelona donde a veces llorábamos de impotencia porque las líneas no fluían. Pero se nos escapaba alguna que otra lágrima de emoción observando la dirección de una pincelada de Cézanne en un museo. Tampoco era que se nos estuviera conduciendo hacia lo figurativo sí o sí, era lo que nos movía el corazón. Cuando nos pasábamos horas estudiando a los grandes maestros y su técnicas, la composición del color, la proporción e incluso anatomía humana y de algún animal aprendiéndonos de memoria como dibujar hasta el último huesecillo del cuerpo, no podíamos descansar. Cuando hemos visto las lágrimas de nuestros compañeros en Bellas Artes porque se sentían perdidos ante aquella enorme vocación que les había tocado en gracia y que no la querían un día y la amaban al siguiente. ¿Qué va a pasar con los centenares de verdaderos artistas que salen todos los años de las escuelas de todo el mundo? ¿Quién será feliz con su obra? Qué queréis que os diga, vemos el arte de una forma muy personal. Se nos sigue quedando cara de idiota ante un lienzo en blanco colgado en un museo de renombre. ¿Qué piensan los demás vengan de donde vengan?

 
Sarah Illenberger Food Art 3

No podemos hacer todo un recorrido por la Historia del Arte aquí hoy. Eso sí, nosotros no tenemos la opinión ni el mismo criterio de valoración hacia el arte que la que tienen los críticos de arte del New York Times, del Herald Tribune, de Sotheby’s, de Christie’s, Tate, Pompidou, etc. Los líderes de opinión del arte contemporáneo mundial deben saber algo que nosotros desconocemos totalmente. Nosotros, hace mucho tiempo que barajamos la expresión “nos están tomando absolutamente el pelo” en muchos de los casos que se enmarcan y cuelgan de una pared que está en la onda, o se posa sobre el suelo de un exquisito coleccionista o se hace volar, y todo a partir de un millón de euros para arriba porque si no, no mola. Son los críticos y los marchantes los que han convertido el arte en moneda de cambio, en producto financiero. Es una confabulación para que nos traguemos las ruedas de molino a palo seco. Defendemos la idea de que el arte que se está mostrando al mundo como Arte, es una mierda y perdonad por favor la vehemencia. El Arte es una expresión humana que pone a todo el mundo de acuerdo sobre el concepto de belleza. Sobre lo que es Arte no hay dudas, si dudas no es Arte, es otra cosa que habrá que nombrar efe alguna manera, pero no con el nombre de Arte. El Arte provoca que las personas asintamos al unísono cuando nos sentimos sobrecogidos por una sensación de admiración estética. Lo que nos están intentando vender no pone de acuerdo a nadie, salvo al vendedor y al comprador. Menos mal que todavía quedan héroes, propietarios de las galerías locales, que nos siguen mostrando el camino de la belleza.



Sarah Illenberger Food Art – Brush


·

David Chipperfield, Arquitecto britânico criou uma nova instalação, Plantou um bosque dentro de um museu

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 A Neue Nationalgalerie de Berlim, casa que começará a renovar no próximo ano.
 
São 4 grandes troncos alinhados num espaço luminoso, originalmente criado por Ludwig Mies van der Rohe. O britânico David Chipperfield, que já tem no currículo um prémio com o nome do alemão que é considerado uma das figuras maiores da arquitectura moderna, criou assim um bosque no grande "hall" envidraçado com que Mies marcou o seu último projecto, a Neue Nationalgalerie de Berlim.

A instalação, a que chamou Sticks and Stones, vai ser atravessada pelos visitantes desta galeria de arte moderna até 31 de Dezembro, fazendo desta obra de Chipperfield uma espécie de antecâmara do grande projecto de renovação que o arquitecto vai começar a pôr em prática neste museu inaugurado em 1968 já no início do próximo ano.

“Não fizemos mais nada do que plantar troncos no espaço expositivo mais bonito de Berlim”, disse Chipperfield aos jornalistas durante a apresentação da sua nova obra, explicando que a instalação tem ainda a dupla função de homenagear o desenho original de Mies e de fazer referência à futura intervenção que obrigará o museu a fechar as portas durante vários anos, escreve a agência de notícias espanhola Efe.

Os imponentes troncos de oito metros, acrescenta o comunicado da Neue Nationalgalerie, permitem lançar um olhar à história da arquitectura e ao mesmo tempo falar do presente porque, assemelhando-se a colunas, evocam os templos clássicos e as últimas obras do próprio Chipperfield.

David Chipperfield tem trabalhado muito na capital alemã e foi a sua renovação do Neues Museum (1997-2009) que lhe valeu em 2011 o Prémio Mies van der Rohe, com que a União Europeia distingue a arquitectura.
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/david-chipperfield-plantou-um-bosque-dentro-de-um-museu-1671470#/0
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Museu da História da Medicina será inaugurado sexta-feira

Na próxima sexta-feira (3), às 20h, a Academia de Medicina de Mato Grosso do Sul inaugura o Museu da História da Medicina (MHM) de MS. “O Museu será uma justa homenagem a todos os desbravadores das artes médicas no Estado”, definiu o diretor, José Roberto Amin.

Para marcar o início das atividades do Museu, foi organizada a exposição “São Julião – caminho de paz e esperança” pela médica Beatriz Figueiredo Dobashi e o arquiteto Cleber Lopes. Foi montada uma linha do tempo, que começa em 1937 e estende-se até os dias atuais, com fotos e textos que ilustram a história do hospital, que é centro de referência para tratamento da hanseníase na América Latina.

Em 1941, o Governo Federal instalou 32 colônias para tratar os pacientes de hanseníase e o São Julião foi uma delas, inaugurada pelo presidente Getúlio Vargas. Atualmente, o São Julião é credenciado como Hospital Geral pelo SUS, servindo como retaguarda para os demais hospitais do Estado, contemplando um atendimento diferenciado, multidisciplinar e mantendo a qualidade, em especial, nas internações longas.

Além da linha do tempo, também haverá uma sala onde será possível conhecer as ações sociais do hospital. Em outro ambiente, o visitante poderá folhear as obras de Lino Villachá, um dos cinco mil hansenianos que passaram pelo São Julião. Mutilado pela doença, Lino expressou o cotidiano do Hospital com muita sensibilidade e suas histórias estão retratadas em cinco livros de crônicas e poesias. Ainda estarão disponíveis: um equipamento multimídia, que contará a história de algumas pessoas que contribuiram com o Hospital e 13 banners com informações mais detalhadas sobre os programas desenvolvidos pela unidade de saúde.

Sobre o Museu
A escolha do endereço do MHM não foi aleatória. Localizado na Rua da Liberdade, 512, ele será edificado onde historicamente foi projetada a primeira sociedade da classe médica em MS. De acordo com o presidente da Academia de Medicina, João Pereira da Rosa, ali também foram realizadas as primeiras aulas do então Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Mato Grosso, embrião da atual Universidade Federal.

Para o diretor o museu vai preencher um espaço que faltava no Estado, contribuindo para a preservação e divulgação do patrimônio histórico-cultural médico, tanto em relação à profissão, como aos profissionais. “Queremos interagir com toda a sociedade, mas, principalmente, com os estudantes e universitários, resgatando a história da Medicina, que remonta ao final dos anos de 1860, com a vinda dos primeiros médicos para nossa região”, explica Amin.

Em seu projeto, depois de concluído, o Museu contará com acervos bibliográfico, tridimensional e arquivístico e atenderá toda a comunidade com projetos educativos e sociais, com espaços adequados para estas atividades. Oferecerá salas de aulas equipadas, salas para exposições, acolhimento de oficinas, auditórios e salas funcionais e administrativas.


 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.correiodoestado.com.br/cidades/museu-da-historia-da-medicina-sera-inaugurado-sexta-feira/228600/

II Encontro de História, Memória e Oralidade

Tema central é Movimentos Migratórios, Memória e Vivência na Unesp de Assis

O II Encontro de História, Memória e Oralidade ocorre na Unesp de Assis de 14 a 17 de outubro. O evento abre espaço para debater e problematizar o uso da História Oral na constituição de fontes para o estudo da história. O evento evidencia a necessidade que ainda existe de fazer ver, por meio do debate, a muitos historiadores e estudiosos como, na atualidade do mundo globalizado, onde a comunicação de massa suprime a ideia de memória, porque tudo é muito volátil e consumível, este instrumento, deixou de ser apenas uma metodologia para tornar-se um elemento de luta política pela valorização das identidades culturais e humanas.

O tema do II Encontro , "Movimentos Migratórios, Memória e Vivência", pretende retomar e valorizar a memória do imigrante enquanto narrador de suas vivências, quando de sua chegada, em terras que não eram suas. Serão   retomados os depoimentos de imigrantes japoneses, alemães, portugueses, espanhóis, italianos, libaneses, enfim, todos aqueles que decidiram vir para o Brasil e aqui fincar raízes. Também será problematizada a versão da historiografia oficial, ou seja, de que a chegada e recepção dos imigrantes no Brasil foi regada de simpatias e "portas abertas".

O escopo deste II Encontro é o resgate dessas experiências e, principalmente para nós historiadores, o ensejo de colocar em revisão o discurso oficial e celebrativo, que demonstra ser esta fase da nossa história algo construído sem problemas e sofrimentos. Propomos uma nova versão para esta história , que resgate a chegada desses seres humanos , arrancados de suas terras natais , e sua adaptação em "terras brasílicas", de maneira menos alegórica. Gostaríamos de ensejar , portanto, esta discussão, - que só é possível, através da história Oral - , contando com o depoimento daqueles que podem nos contar suas vivências, pois como diz Walter Benjamim , não levar em conta a importância da memória é arrancar de nós uma qualidade que se extingue a cada dia. "E como se estivéssemos sendo privados de uma faculdade que nos parecia totalmente segura e inalienável : a faculdade de intercambiar experiências".

Período: de 14/10/2014 à 17/10/2014
Local: Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Assis
Coordenação: Prof. Eduardo José Afonso
Promoção: Departamento de História
Vagas: 250
fonte: @edisonmariotti Informações http://www.assis.unesp.br/#!/departamentos/historia/i-encontro-de-historia-memoria-e-oralidade/

Brasil mantém múmia do Antigo Egito intacta em Museu Nacional

O Brasil é um dos poucos países a manter intacta uma múmia do Antigo Egito. Isso porque os pesquisadores do Museu Nacional do Rio estão usando a tomografia computadorizada para desvendar os segredos guardados durante milhares de anos.

É a maior coleção da América Latina. As relíquias do Egito Antigo foram compradas em 1826 por Dom Pedro I. Elas mostram a importância da mumificação para os egípcios. “Até recentemente era comum desenfaixar as múmias. Você pegava o corpo, e pra saber o que tinha lá dentro, você acabava destruindo o corpo. Hoje em dia a gente consegue ter uma visão até melhor do que se abrisse o corpo”, explica o egiptólogo Antonio Brancaglion Junior.

A tecnologia ajudou nesta mudança. Os pesquisadores levam as múmias a clínicas para fazer tomografias computadorizadas. “É um alvoroço, todo mundo quer ver, tirar foto. É um alvoroço. E o segundo é a própria curiosidade dos pesquisadores, porque eles querem saber o que tem lá dentro, né? É bem emocionante. Conforme a gente vai vendo as camadas aparecendo, todo mundo está em volta das telas pra ver”, conta o pesquisador do Instituto Nacional de Tecnologia Jorge Lopes.

Uma tomografia revelou o esqueleto de um gato mumificado, animal sagrado no Egito de milhares de anos atrás. Com as informações obtidas no exame, os especialistas do museu reproduziram o esqueleto do felino em 3D.

Mesmo em coleções fora do Brasil, é muito raro encontrar uma múmia com o sarcófago fechado e preservado. Analisando os desenhos e hieróglifos, os pesquisadores do Museu Nacional conseguem concluir de onde são as múmias. Uma delas é de uma cantora religiosa do templo mais importante do Egito Antigo, do deus Amon, e que existe até hoje. Agora, só com uma tomografia foi possível descobrir mais sobre a identidade da Sha Amum Em Su.

O exame mostrou que a cantora tem um enchimento na garganta, feito de tecido e resina, colocado durante a mumificação. “A hipótese que a gente tem é que pelo fato dela ser uma cantora, eles teriam tido um cuidado maior na hora de preservar o corpo, de preservar a garganta dela, para que ela pudesse continua com esta função dela, no pós-vida”, conclui o egiptólogo.

Esse sarcófago nunca foi aberto porque Dom Pedro queria manter a múmia intacta. O desejo dele foi respeitado pelo Museu Nacional, que é vinculado à Universidade Federal do Rio.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.portalaz.com.br/noticia/geral/308177_brasil_mantem_mumia_do_antigo_egito_intacta_em_museu_nacional.html

Museu Goeldi reforça intercâmbio científico com Europa

Encontro com embaixadores de países europeus possibilitou estender a rede de contatos e consolidar antigas parcerias

O 24º Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, em Belém (PA), sediou um encontro internacional estimulado por ciência, tecnologia e informação. Instituições do Brasil e da Europa puderam apresentar seus portfólios científicos e a capacidade para associações bilaterais em projetos voltados para inovação e pesquisa. Para o Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG/MCTI), o momento foi de estender a rede de contatos e consolidar antigas parcerias.
"A oportunidade de estar com embaixadores de diferentes países europeus e discutir e encaminhar com eles propostas de financiamento científico foi singular", disse coordenadora do Núcleo de Inovação de Transferência de Tecnologia (NIT) do Goeldi, Graça Ferraz. Ela representou o museu no evento, organizado pelo projeto B.Bice+, na semana passada.
Um exemplo desse fluxo de ideias e projetos aconteceu na mesa de apresentações entre instituições locais e estrangeiras, evento específico promovido pela Embaixada da Noruega. Reunidos no Centro de Capacitação (Capacit) da Universidade Federal do Pará (UFPA), líderes e pesquisadores de Finlândia, Dinamarca, Bélgica e França, entre outros países, conheceram o potencial de cooperações de cada local e os mecanismos para pô-las em prática.
A embaixada norueguesa apresentou um canal de diálogo e partilha de saberes já consolidado com o Brasil, que tem o MPEG como um dos parceiros. Trata-se do consórcio Biodiversity Research Consortium Brazil-Norway (BRC), voltado para pesquisas na área da biodiversidade amazônica. Assinado em 2013, atualmente o consórcio conta com quatro projetos financiados, dois dos quais com a maioria da equipe formada por pesquisadores do Museu Goeldi, e com agenda de execução para o ano que vem.
Sobre o Goeldi
O Museu Paraense Emílo Goeldi é uma instituição de pesquisa vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI) do Brasil. Está localizado na Avenida Magalhães Barata, 376, na cidade de Belém, estado do Pará.

Desde sua fundação, em 1866, suas atividades concentram-se no estudo científico dos sistemas naturais e socioculturais da Amazônia, bem como na divulgação de conhecimentos e acervos relacionados à região.
Fontes: @edisonmariotti #edisonmariotti 
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação
Museu Goeldi 

Obras de artista plástica em museu na Serra, ES

O Museu Histórico da Serra recebe a exposição 'Carinhos D'alma - o Segredo de Mistério Criador', da artista plástica Patrícia Krug, até o dia 22 de outubro. A mostra reúne 14 quadros e pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. A entrada é gratuita.

A coleção já foi exposta em várias cidades brasileiras e sairá do país pela primeira vez entre os dias 24 e 26 de outubro, quando fica exposta na Feira de Arte Contemporânea no 'Carrousel du Louvre', em Paris.

Serviço
Exposição 'Carinhos D’alma – o Segredo do Mistério Criador'
Museu Histórico da Serra - Rua Cassiano Castello, nº 22, Centro
Visitação de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h
Até o dia 22 de outubro
Obras de Patrícia serão expostas em Paris (Foto: Denys Lobo/ PMS)


Mostra tem 14 quadros de Patrícia Krug.
Aberta para visitação até o dia 22 de outubro.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/09/exposicao-reune-obras-de-artista-plastica-em-museu-na-serra-es.html