sábado, 18 de outubro de 2014

New mosaic revelations strongly suggest occupant of Amphipolis tomb is Macedonian Royal

Archaeologists working in the Amphipolis tomb in northern Greece have uncovered a new section of the stunning mosaic uncovered last week, which covers the entire floor space in the second chamber. They have now exposed a third character in the mosaic composition, which confirms that the scene depicts the Abduction of Persephone. The Greek Ministry of Culture has announced that this new information gives them great certainty that the occupant of the tomb is a member of the Macedonian royal family, ruling out theories that it may belong to an admiral or general that served in Alexander the Great’s army.

 New mosaic revelations strongly suggesting Amphipolis tomb is for a Macedonian Royal






The enormous mosaic, which covers the entire floor of the second chamber and measures 14.7-foot wide (4.5m) by 9.8-foot long (3m), is made with white, black, grey, blue, red, and yellow pebbles. When the mural was first uncovered last week, archaeologists could see that it depicts a chariot with two horses led by the god Hermes, and with an unknown bearded man in the driver’s seat.


vídeo:
 https://sketchfab.com/models/dfe1cfa036614fdb81ac11245566cbbd/embed

Amphipolis Tomb by Greektoys.org (update) by Greektoys.org on Sketchfab

New interaction display of the Amphipolis tomb showing the mosaic on the floor of the second chamber. Credit: Greektoys.org

The newly-exposed section revealed that the bearded man is holding a young woman in a white tunic with her hand raised in fear. The Greek Ministry said that the well-known scene is the mythological representation of Pluto’s abduction of Persephone, daughter of Zeus and Demeter and goddess of agriculture and fertility.

Homer describes Persephone as the formidable, venerable majestic queen of the underworld, who carries into effect the curses of men upon the souls of the dead. Persephone was abducted by Pluto, previously known as Hades, the god-king of the underworld. While Persephone is in the underworld, her mother mourns and refuses to allow crops to grow until she gets her daughter back again. Eventually, Zeus forces Pluto/Hades to return Persephone. He complies with the request, but first he tricked her, giving her some pomegranate seeds to eat. Persephone was released by the god Hermes, who had been sent to retrieve her, but because she had tasted food in the underworld, she was obliged to spend a third of each year (the winter months) there, and the remaining part of the year with the gods above. The myth of her abduction represents her function as the personification of vegetation, which shoots forth in spring and withdraws into the earth after harvest.

Oil painting of Hades abducting Persephone


Oil painting of Hades abducting Persephone


Oil painting of Hades abducting Persephone, 18th century (Wikipedia)

The depiction of the abduction of Persephone in the mosaic floor directly links the Amphipolis tomb to the Macedonian Royal family.  A mural representing the same scene was discovered in the royal cemetery of these tombs, where King Philip II, Alexander the Great's father, is buried.

“We find the scene of the rapture of Persephone in the mural of the tomb of Persephone, in the royal cemetery at Vergina, Greece. We also have a second display of God Pluto with Persephone, in a scene of a holy marriage, on the backrest of the marble throne, in the tomb of Eurydice, mother of Philip in Aeges,” said lead archaeologist Katerina Peristeri in a recent press conference. “Both scenes are connected with the cults of the underworld, with the cult of Orpheus – descent into Hades – as well as with the cult of Dionysus. Each head of the house of Macedonia was a high priest of these cults… the scene presented in our case has a symbolic meaning, which could denote some kind of relationship of the person buried in the tomb to the Macedonian royal family. The political symbolism is very strong in all eras in Greece.”





Mural depiction the abduction of Persephone from the tomb of Philip II, father of Alexander the Great, in Vergina, Greece. (Wikimedia Commons)

Although there are many theories regarding the tomb’s occupant, the most well-supported theory to date is that it belongs to Alexander the Great’s mother, Olympias. The caryatids – sculpted female figures serving as architectural supports - represent Orphic priestesses (Klodones) of Dionysus who took part in sacred rites. Olympias was a passionate devotee of Dionysus and used to participate in Dionysiac rites with the Klodones, in which the mystical baskets, like those seen on the heads of the caryatids, were used to hold Olympias' pet snakes, which would terrify the male participants in the Dionysiac rites. Now the newly discovered mosaic also connects the tomb’s owner with the cult of Dionysus.  Whether this theory is correct or not, remains to be seen.

Featured image: Newly-exposed mural in the Amphipolis tomb depicting the abduction of Persephone. Credit: Greek Ministry of Culture




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti - See more at: http://www.ancient-origins.net/news-history-archaeology/new-mosaic-revelations-amphipolis-tomb-macedonian-0102839#sthash.V05N4vZV.dpuf

New mosaic revelations strongly suggest occupant of Amphipolis tomb is Macedonian Royal

shareThis
Archaeologists working in the Amphipolis tomb in northern Greece have uncovered a new section of the stunning mosaic uncovered last week, which covers the entire floor space in the second chamber. They have now exposed a third character in the mosaic composition, which confirms that the scene depicts the Abduction of Persephone. The Greek Ministry of Culture has announced that this new information gives them great certainty that the occupant of the tomb is a member of the Macedonian royal family, ruling out theories that it may belong to an admiral or general that served in Alexander the Great’s army.
The enormous mosaic, which covers the entire floor of the second chamber and measures 14.7-foot wide (4.5m) by 9.8-foot long (3m), is made with white, black, grey, blue, red, and yellow pebbles. When the mural was first uncovered last week, archaeologists could see that it depicts a chariot with two horses led by the god Hermes, and with an unknown bearded man in the driver’s seat.
New interaction display of the Amphipolis tomb showing the mosaic on the floor of the second chamber. Credit: Greektoys.org
The newly-exposed section revealed that the bearded man is holding a young woman in a white tunic with her hand raised in fear. The Greek Ministry said that the well-known scene is the mythological representation of Pluto’s abduction of Persephone, daughter of Zeus and Demeter and goddess of agriculture and fertility.
Homer describes Persephone as the formidable, venerable majestic queen of the underworld, who carries into effect the curses of men upon the souls of the dead. Persephone was abducted by Pluto, previously known as Hades, the god-king of the underworld. While Persephone is in the underworld, her mother mourns and refuses to allow crops to grow until she gets her daughter back again. Eventually, Zeus forces Pluto/Hades to return Persephone. He complies with the request, but first he tricked her, giving her some pomegranate seeds to eat. Persephone was released by the god Hermes, who had been sent to retrieve her, but because she had tasted food in the underworld, she was obliged to spend a third of each year (the winter months) there, and the remaining part of the year with the gods above. The myth of her abduction represents her function as the personification of vegetation, which shoots forth in spring and withdraws into the earth after harvest.
Oil painting of Hades abducting Persephone
Oil painting of Hades abducting Persephone, 18th century (Wikipedia)
The depiction of the abduction of Persephone in the mosaic floor directly links the Amphipolis tomb to the Macedonian Royal family.  A mural representing the same scene was discovered in the royal cemetery of these tombs, where King Philip II, Alexander the Great's father, is buried.
“We find the scene of the rapture of Persephone in the mural of the tomb of Persephone, in the royal cemetery at Vergina, Greece. We also have a second display of God Pluto with Persephone, in a scene of a holy marriage, on the backrest of the marble throne, in the tomb of Eurydice, mother of Philip in Aeges,” said lead archaeologist Katerina Peristeri in a recent press conference. “Both scenes are connected with the cults of the underworld, with the cult of Orpheus – descent into Hades – as well as with the cult of Dionysus. Each head of the house of Macedonia was a high priest of these cults… the scene presented in our case has a symbolic meaning, which could denote some kind of relationship of the person buried in the tomb to the Macedonian royal family. The political symbolism is very strong in all eras in Greece.”
Mural depiction the abduction of Persephone from the tomb of Philip II, father of Alexander the Great, in Vergina, Greece. (Wikimedia Commons)
Although there are many theories regarding the tomb’s occupant, the most well-supported theory to date is that it belongs to Alexander the Great’s mother, Olympias. The caryatids – sculpted female figures serving as architectural supports - represent Orphic priestesses (Klodones) of Dionysus who took part in sacred rites. Olympias was a passionate devotee of Dionysus and used to participate in Dionysiac rites with the Klodones, in which the mystical baskets, like those seen on the heads of the caryatids, were used to hold Olympias' pet snakes, which would terrify the male participants in the Dionysiac rites. Now the newly discovered mosaic also connects the tomb’s owner with the cult of Dionysus.  Whether this theory is correct or not, remains to be seen.
Featured image: Newly-exposed mural in the Amphipolis tomb depicting the abduction of Persephone. Credit: Greek Ministry of Culture
- See more at: http://www.ancient-origins.net/news-history-archaeology/new-mosaic-revelations-amphipolis-tomb-macedonian-0102839#sthash.V05N4vZV.dpuf

New mosaic revelations strongly suggest occupant of Amphipolis tomb is Macedonian Royal

shareThis
Archaeologists working in the Amphipolis tomb in northern Greece have uncovered a new section of the stunning mosaic uncovered last week, which covers the entire floor space in the second chamber. They have now exposed a third character in the mosaic composition, which confirms that the scene depicts the Abduction of Persephone. The Greek Ministry of Culture has announced that this new information gives them great certainty that the occupant of the tomb is a member of the Macedonian royal family, ruling out theories that it may belong to an admiral or general that served in Alexander the Great’s army.
The enormous mosaic, which covers the entire floor of the second chamber and measures 14.7-foot wide (4.5m) by 9.8-foot long (3m), is made with white, black, grey, blue, red, and yellow pebbles. When the mural was first uncovered last week, archaeologists could see that it depicts a chariot with two horses led by the god Hermes, and with an unknown bearded man in the driver’s seat.
New interaction display of the Amphipolis tomb showing the mosaic on the floor of the second chamber. Credit: Greektoys.org
The newly-exposed section revealed that the bearded man is holding a young woman in a white tunic with her hand raised in fear. The Greek Ministry said that the well-known scene is the mythological representation of Pluto’s abduction of Persephone, daughter of Zeus and Demeter and goddess of agriculture and fertility.
Homer describes Persephone as the formidable, venerable majestic queen of the underworld, who carries into effect the curses of men upon the souls of the dead. Persephone was abducted by Pluto, previously known as Hades, the god-king of the underworld. While Persephone is in the underworld, her mother mourns and refuses to allow crops to grow until she gets her daughter back again. Eventually, Zeus forces Pluto/Hades to return Persephone. He complies with the request, but first he tricked her, giving her some pomegranate seeds to eat. Persephone was released by the god Hermes, who had been sent to retrieve her, but because she had tasted food in the underworld, she was obliged to spend a third of each year (the winter months) there, and the remaining part of the year with the gods above. The myth of her abduction represents her function as the personification of vegetation, which shoots forth in spring and withdraws into the earth after harvest.
Oil painting of Hades abducting Persephone
Oil painting of Hades abducting Persephone, 18th century (Wikipedia)
The depiction of the abduction of Persephone in the mosaic floor directly links the Amphipolis tomb to the Macedonian Royal family.  A mural representing the same scene was discovered in the royal cemetery of these tombs, where King Philip II, Alexander the Great's father, is buried.
“We find the scene of the rapture of Persephone in the mural of the tomb of Persephone, in the royal cemetery at Vergina, Greece. We also have a second display of God Pluto with Persephone, in a scene of a holy marriage, on the backrest of the marble throne, in the tomb of Eurydice, mother of Philip in Aeges,” said lead archaeologist Katerina Peristeri in a recent press conference. “Both scenes are connected with the cults of the underworld, with the cult of Orpheus – descent into Hades – as well as with the cult of Dionysus. Each head of the house of Macedonia was a high priest of these cults… the scene presented in our case has a symbolic meaning, which could denote some kind of relationship of the person buried in the tomb to the Macedonian royal family. The political symbolism is very strong in all eras in Greece.”
Mural depiction the abduction of Persephone from the tomb of Philip II, father of Alexander the Great, in Vergina, Greece. (Wikimedia Commons)
Although there are many theories regarding the tomb’s occupant, the most well-supported theory to date is that it belongs to Alexander the Great’s mother, Olympias. The caryatids – sculpted female figures serving as architectural supports - represent Orphic priestesses (Klodones) of Dionysus who took part in sacred rites. Olympias was a passionate devotee of Dionysus and used to participate in Dionysiac rites with the Klodones, in which the mystical baskets, like those seen on the heads of the caryatids, were used to hold Olympias' pet snakes, which would terrify the male participants in the Dionysiac rites. Now the newly discovered mosaic also connects the tomb’s owner with the cult of Dionysus.  Whether this theory is correct or not, remains to be seen.
Featured image: Newly-exposed mural in the Amphipolis tomb depicting the abduction of Persephone. Credit: Greek Ministry of Culture
- See more at: http://www.ancient-origins.net/news-history-archaeology/new-mosaic-revelations-amphipolis-tomb-macedonian-0102839#sthash.V05N4vZV.dpuf

Documentário inédito sobre Lina Bo Bardi tem projeção no jardim do Museu da Casa Brasileira





 O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, e a produtora Respire Cultura realizam no sábado, dia 25 outubro, uma nova edição do Slow Art. O evento, patrocinado pelo Colégio Albert Sabin, está inserido nas comemorações do centenário de nascimento da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (1914-1992) e dialoga com a mostra Maneiras de expor: arquitetura expositiva de Lina Bo Bardi, em cartaz no MCB até 9 de novembro. 


A programação, que começa às 14h30, inclui oficinas culturais, show da banda Pitanga em Pé de Amora, às 18h, e, a partir das 19h15, a exibição do documentário inédito Precise Poetry, dirigido por Belinda Rukschcio. O filme, premiado recentemente no Arquitetura Films Festival Lisboa 2014, aborda vida e obra de Lina Bo Bardi por meio de entrevistas com amigos e colaboradoras, trazendo imagens de projetos criados por ela em São Paulo e Salvador e destacando seu legado para a arte e a arquitetura do Brasil.

Na tarde do dia 25, será possível conhecer mais sobre o universo representado nas exposições de Lina Bo Bardi, por meio da mostra Maneiras de expor e do contato com a artista Marcia Benevento, colaboradora da arquiteta em diversas exposições. No sábado, a partir das 14h30, Marcia oferece a oficina Ciranda na Casa Brasileira, atividade que reúne confecção de instrumentos de percussão, música e dança, rememorando a valorização da cultura popular incentivado por Lina Bo Bardi em contraposição aos hábitos de satisfação pelo consumo. "Iluminar as raízes da cultura e assim valorizar sua arte e expressão, para melhor entender o processo histórico que deu forma (cor e aroma) ao povo brasileiro. Estes foram os princípios estéticos que a arquiteta defendeu", revela Marcia Benevento. "A ideia é convidar pais e estudantes em torno de uma roda de ciranda, divertida e prazerosa, despertando a curiosidade sobre o folguedo e as condiçõ es em que este ocorre".

Na ocasião será possível também visitar a cobra gigante criada pela artista no jardim do MCB, aos moldes da sucuri cenográfica desenvolvida por ela para a mostra Entreato para Crianças (SESC Pompeia, 1985). As outras oficinas que integram o Slow Art - Lina Bo Bardi são: Cara de Quintal, que busca estimular a criação de espaços que dialogam com a natureza, com elementos como módulos de caixa de papelão e fitas que ajudam as crianças a desenvolver a noção espacial, por meio da construção coletiva de cenários, túneis e outros ambientes; e Pintura em Mobiliário , mediada pelas artistas do Etudia MY.S, a atividade instiga a reflexão sobre a reutilização de materiais descartados por meio da pintura e customização de bancos de papelão.

Sobre o Slow Art
O Slow Art tem como objetivo transpor as paredes de museus e centros de cultura para espaços ao ar livre na cidade. E assim aproximar a arte das pessoas. Por meio de intervenções como a projeção de documentários e conteúdos relacionados à produção artística, o projeto promove mudanças na forma de encarar exposições e propõe a discussão e interação entre públicos diversos.

"O Slow Art traz conteúdos complementares à exposição do MCB Maneiras de expor ao oferecer informações artísticas e biográficas sobre Lina Bo Bardi por meio de um documentário INÉDITO", explica Chiara Battistoni, uma das idealizadoras do projeto.

Sobre a mostra Maneiras de expor (em cartaz no MCB até 9 de novembro)
Exposição em homenagem ao centenário de nascimento de Lina Bo Bardi (Roma, 1914 - São Paulo, 1992), reúne desenhos, cartazes e fotos originais de exposições realizadas pela arquiteta, além de vídeos com depoimentos de colaboradores. A partir da pesquisa feita em documentos e fotografias e da construção de expositores em escala, foram montadas ambientações que transformam as salas do MCB em modelos de aproximação de mostras como "Caipiras, capiaus: pau-a-pique", "Bahia no Ibirapuera", além das pinacotecas do MASP 7 de Abril e MASP Paulista, incluindo seis exemplares dos famosos cavaletes de vidro

"Apresentamos nesta exposição-homenagem, uma frente da múltipla atuação da arquiteta Lina Bo Bardi: exposições que desenhou, curou e realizou", explica o curador Giancarlo Latorraca. "Buscamos trazer uma visão ampla e não única desta 'trajetória expositiva', desde as experiências aplicadas no MASP 7 de Abril, feitas com a fresca bagagem da cultura museológica italiana, às grandes mostras populares do SESC Pompeia."

Programação Slow Art - Lina Bo Bardi

14h30 às 17h30
Oficinas: "Ciranda na Casa Brasileira", "Cara de Quintal" e "Pintura em Mobiliário"
A atividade Ciranda na Casa Brasileira, oferecida por Lídia Yogui, Miguel Paladino, Marcia Benevento e músicos cirandeiros, reúne confecção de instrumentos de percussão, música e dança. Cara de Quintal busca estimular a criação de espaços que dialogam com a natureza, com elementos como módulos de caixa de papelão e fitas que ajudam as crianças a desenvolver a noção espacial, por meio da construção coletiva de cenários, túneis e outros ambientes. Pintura em Mobiliário, mediada pelas artistas do Etudia MY.S, instiga a reflexão sobre a reutilização de materiais descartados por meio da pintura e customização de bancos de papelão. Para as oficinas, o atendimento aos participantes será feito por ordem de chegada e de acordo com a disponibilidade de vagas

18h às 19h
Show do grupo Pitanga em Pé de Amora
Formado por jovens na faixa dos vinte anos, o grupo Pitanga em Pé de Amora adota o trabalho coletivo como norte para a criação de um repertório autoral. Seus integrantes (Angelo Ursini, Daniel Altman e Ga Setúbal, todos eles multi-instrumentistas) se revezam na autoria das composições letradas por Diego Casas, que além de letrista titular, também faz junto com Flora Popovic e Daniel Altman o vocal da maioria das canções. O caráter colaborativo abrange não só a criação musical, mas também a performance do grupo no palco, evidente no rodízio de instrumentos musicais que se dá ao término de cada música, sobressaindo a espontaneidade e o improviso de um time centrado em sua vocação: fazer uma música bonita e envolvente de se acompanhar, com letras simples que celebram histórias pitorescas, as melodias e o amor.
Mais informações: www.pitangaempedeamora.com.br

19h15 às 20h15
Exibição do filme "Precise Poetry - Lina Bo Bardi's Architecture"
Documentário da diretora austríaca Belinda Rukschcio lançado em 2013 e inédito no Brasil, "Precise Poetry - Lina Bo Bardi's Architecture" traz entrevistas com colaboradores da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (Roma, 1914 - São Paulo, 1992), explorando aspectos sociopolíticos e eventos sociais que influenciaram em sua obra. O filme foi premiado recentemente no Arquitetura Films Festival Lisboa 2014. Assita ao trailer no endereço: www.precise-poetry.com


Sobre a Respire Cultura
Foi criada com o objetivo de realizar eventos culturais que, por meio de atividades e experiências artísticas, oferecem ao público uma nova forma de relacionamento entre pessoas, marcas e o espaço público. Conectada à sustentabilidade e à vida, a Respire Cultura tem como missão redescobrir maneiras de articular projetos culturais que dialoguem com a cidade.

Sobre o Museu da Casa Brasileira
O Museu da Casa Brasileira se dedica às questões da cultura material da casa brasileira. É o único do país especializado em design e arquitetura, tendo se tornado uma referência nacional e internacional nesses temas. Dentre suas inúmeras iniciativas, destaca-se o Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, realizado desde 1986, e o projeto Casas do Brasil, que promove um inventário sobre as diferentes tipologias de morar no país.

SERVIÇO

Slow Art - Lina Bo Bardi
25 de outubro, sábado - Entrada Gratuita
14h30 - Oficinas culturais
18h - Show da banda Pitanga em Pé de Amora
19h15 - Exibição no jardim do MCB do documentário Precise Poetry, de Belinda Rukschcio

Realização: MCB e Respire Cultura
Patrocínio: Colégio Albert Sabin

Mostra Maneiras de expor: arquitetura expositiva de Lina Bo Bardi
Visitação: até 9 de novembro

Local: Museu da Casa Brasileira
Av. Faria Lima, 2.705 - Jd. Paulistano
Tel.: (11) 3032-3727

Visitação
De terça a domingo, das 10h às 18h
Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia-entrada)
Gratuito aos sábados, domingos e feriados

Acesso a pessoas com deficiência / Bicicletário com 40 vagas
Estacionamento pago no local

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,711062,Documentario_inedito_sobre_Lina_Bo_Bardi_tem_projecao_no_jardim_do_Museu_da_Casa_Brasileira,711062,1.htm





Visitas orientadas: (11) 3032-2564 / agendamento@mcb.org.br
www.mcb.org.br

Informações para a imprensa | Slow Art:
Marcelo Cia (11) 3871-0022, ramal 209 |marcelo@agencialema.com.br

Informações para a imprensa | Museu da Casa Brasileira
Filipe Bezerra - Coordenador de comunicação | comunicacao@mcb.org.br
João Vicente - Assistente de comunicação | assistcomunicacao@mcb.org.br
Izabelle Prado - Assistente de comunicação | assist2comunicacao@mcb.org.br

Informações para a imprensa | Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo
Jamile Menezes - (11) 3339-8243 | jmferreira@sp.gov.br
Natália Inzinna - (11) 3339-8162 | ninzinna@sp.gov.br

Data 25/10/2014
Endereço Av. Faria Lima, 2.705 - Jd. Paulistano
Cidade SÃO PAULO

De consumidor a parceiro - DESTAQUE ,PANORAMA DA CULTURA

Em seu livro “A cultura dos indivíduos”, o sociólogo francês Bernard Lahire afirma que, se não houver a apropriação do bem cultural a partir do consumo, de nada adianta aproximar as pessoas da oferta cultural por estratégias de distribuição ou de preço. O objeto cultural, por sua vez, pode ser percebido de várias formas diferentes, de acordo com as influências de cada ator.

 
 
“A apropriação e o consumo cultural, e consequentemente das artes, são tão heterogêneos como seus espectadores”, afirma a pesquisadora Gisele Jordão. “Se a experiência do consumo artístico é tão individual, como compreender em escala quantitativa o consumo artístico do brasileiro e suas motivações?”

Esse foi o desafio da segunda edição da pesquisa Panorama Setorial da Cultura Brasileira, comandada por Gisele e sobre a qual Cultura e Mercado vem fazendo uma série de matérias, abordando as características do público de cultura no país. “Os fatores que influenciam a decisão de consumo são muitos. Eles não podem ser entendidos isoladamente”, explica Gisele.

O comportamento de consumo dos mercados culturais e artísticos pode obedecer a vários critérios já estabelecidos no marketing, como os geográficos (de localização), os demográficos (idade, sexo, ocupação, religião, entre outros), os comportamentais (que compõem variáveis do comportamento de consumo em relação às artes) e os psicográficos (que consideram elementos sobre o estilo de vida), e por benefícios esperados, como diversão e informação, por exemplo.

De acordo com a pesquisa, no que diz respeito aos interesses pessoais, o tema é o principal aspecto influenciador da decisão de consumo do brasileiro: ele só escolhe um programa cultural se o tema interessar. Visto isso, ele vai procurar saber se a atividade é divertida e, na sequência, se é algo com o qual já está familiarizado.

Além disso, para consumir cultura, o brasileiro leva em consideração, em especial, três coisas: a opinião de pessoas próximas (amigos/familiares), a localização (só escolhe uma atividade que seja fácil de chegar) e o preço (fator fundamental ao escolher uma atividade). “Devemos lembrar que o preço é relativo na percepção dos respondentes, que ponderam todas essas questões para decidir o custo versus benefício que a oferta cultural oferece para ele”, explica Gisele.

Conquistando o público - A localização e a gratuidade das atividades, junto com a diversidade das áreas artísticas contempladas e a qualidade da programação, são fatores que levam cerca de 30 mil pessoas por mês à sede do Instituto Itaú Cultural, em São Paulo. Mas os números aumentaram muito nos últimos 14 anos: até os anos 2000, a média de visitação ficava entre 100 e 200 pessoas por dia.

“Acreditamos que esse aumento ocorreu quando o Instituto iniciou programas mais consolidados de formação de público e intensificou a frequência de suas ações artístico-culturais na sede, além de ter adotado uma política voltada a todas as áreas de expressão artística”, conta Aninha de Fátima, gerente do Núcleo de Comunicação do Instituto. Há também um trabalho para atender quem não consegue chegar até a Avenida Paulista. “Nosso site e produtos online são dedicados a fomentar, criar redes de dados e ações de formação para ampliar, aprofundar e tornar perenes [e atemporais] as atividades que começaram na sede.”

Hoje, o site tem cerca de um milhão de usuários únicos por mês. E além de atuar em todas as frentes de comunicação para informar o público – assessoria de imprensa, publicidade, comunicação dirigida, produção de conteúdo exclusivo para o site e desenvolvimento de produtos -, a equipe utiliza as redes sociais como uma das mais eficazes formas de interação imediata. “Acreditamos muito nas nossas ações que acontecem para o ambiente web. É uma maneira de formar plateia para a cultura”, acredita Aninha.

No Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS-SP), a criação de novos projetos e uma programação regular, com atividades simultâneas, fez com que o público crescesse significativamente nos últimos quatro anos – passando de 61,6 mil visitantes em 2010 para 256,7 mil em 2013. Sem esquecer das grandes exposições como Game On (2011), Georges Méliès, Mágico do Cinema (2012), Ai Weiwei (2013), Stanley Kubrick (2013/2014), David Bowie (2014) e Castelo Rá-Tim-Bum (em cartaz até janeiro de 2015).

Mensalmente, a média em 2014 tem sido de 44 mil pessoas. “Hoje uma pessoa que visita o museu para uma mostra cinema ou está matriculada em um dos nossos cursos pode ver três exposições, duas delas gratuitas. Isso faz com que ela volte e passa a ter em mente que aqui há uma programação regular”, diz André Sturm, diretor executivo do museu.

Segundo ele, a programação variada e para todos os públicos é um dos principais atrativos do local. Há eventos mensais criados pelo próprio museu nas áreas de música, dança, ópera, infantil, cinema e gastronomia. Além disso, o espaço também é sede de eventos que vêm crescendo a cada edição, como a Feira Plana (de publicações independentes), Conexão Cultural (música, arte, gastronomia), Social Media Week, e de outros já tradicionais na cidade, como o Festival Internacional de Curtas Metragens e a Mostra Internacional de Cinema.

Trabalhando hoje com sua capacidade máxima de público – e muitas filas para as principais exposições -, o MIS-SP mantém o público informado por meio da divulgação na imprensa, agenda mensal de programação, catálogos e folders das exposições e envio de newsletter semanal com os principais eventos, além da atualização diária do site e das mídias sociais.

Do outro lado da cidade, na Vila Nova Cachoeirinha, o Centro Cultural da Juventude adota uma estratégia de engajamento do público. “Acreditando na gestão democrática e participativa, implementamos diversos mecanismos para ampliar a atuação da comunidade e de artistas locais”, conta Rogério Fonseca, gestor de comunicação do espaço.

Entre essas ações estão: contratação de atividades de formação continuadas, como oficina de capoeira, oficina de dança de salão e turmas de circo (com foco no público infantil); contratação de artistas locais para desenvolvimento de atividades culturais tanto no próprio CCJ quanto em outros locais, como escolas, praças e associações culturais e de bairro na zona norte da cidade (onde está situado o espaço); diálogo permanente com a rede de assistência sociais, escolas municiais e estaduais e organizações culturais da região; e desburocratização do serviço de agendamento de espaço.

Atualmente o CCJ recebe, por dia, cerca de 400 pessoas, número que varia quando há grandes eventos. Segundo Fonseca, houve um aumento considerável de público, sobretudo no último ano. O motivo? “As atividades cotidianas, principalmente de formação, foram ampliadas com o intuito de ampliar a participação diária no CCJ”, explica.

Como ações de comunicação, há um guia mensal com a programação distribuída no entorno do equipamento, visando atingir a comunidade que circula próximo mas ainda não conhece o espaço; distribuição de flyers e cartazes na comunidade; promoção de atividades culturais fora do CCJ, como escolas, praças; e participação em diversas redes culturais e sociais na zona norte.

Engajando a audiência – Posicionar o público como parceiro é uma das lições apresentadas pela presidente da National Arts Strategies, Russell Willis Taylor, durante a conferência da Arts Marketing Association deste ano. Quem conta é o consultor britânico James McQuaid, em artigo publicado nesta semana no site da rede de profissionais da cultura do The Guardian. “Mas mais do que isso, nós precisamos construir essa mentalidade de observar e escutar – os usuários e não-usuários”, acrescenta.

Isso requer que as instituições saiam de seus próprios mundos, esqueçam por um momento o pagamento da entrada e considerem as comunidades às quais elas pertencem e qual é a relação entre sua proposta de valor e essa comunidade. “Conhecer seus públicos é uma questão de liderança. Também é responsabilidade de todos em uma organização; deve ser parte da cultura”, diz McQuaid.

Em outro artigo da mesma série, ele expõe algumas armadilhas nas quais instituições culturais costumam cair quando o assunto é a conquista de público. Uma delas diz respeito à crença de que todo mundo acha arte interessante, mas ainda não sabe. “Quando é que nós realmente sentamos e pensamos sobre o que nossa atividade significa para as pessoas?”, questiona.

Segundo McQuaid, quem trabalha com cultura quer que o público seja um pouco como ele: interessado, apreciador, flexível e doador. Mas quando uma organização precisa crescer e buscar novas audiências, ela precisa lidar com questões como marca e publicidade. Então é preciso se perguntar: seu público se vê nas suas mensagens?

Outro equívoco é acreditar que ter uma estratégia digital é suficiente. “Nós precisamos evoluir nossos modelos de engajamento de forma a fazer da cultura uma experiência diária, não um evento especial. O digital está se tornando cotidiano nas nossas vidas, mas focar nele como uma resposta, como o ‘santo remédio’, não chega ao centro do que as pessoas querem e precisam”, alerta o consultor.

Em um mundo onde a distinção entre profissional e amador, produtor e consumidor, crítico e divertido é tão pouco clara, McQuaid acredita que é preciso pensar como e por que o público vai querer ver a oferta cultural como parte de suas vidas. “Como um setor, temos que confiar no papel que devemos exercer na vida das pessoas. Podemos provocar experiências de vida transformadoras e oferecer fantasias que surpreendem e encantam. Talvez se nos sentíssemos mais próximos do nosso público, tivéssemos menos insegurança sobre o nosso papel e mais disposição não só para proteger o que temos como encontrar meios de levar isso para gerações futuras.”

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.culturaemercado.com.br/panoramadacultura/publico-de-cultura-de-consumidor-a-parceiro/

O evento realizado no Deutsches Museum, em Munique, reuniu cerca de 170 pessoas, entre elas representantes do governo federal alemão, do governo do estado da Baviera, da diretoria da FAPESP e de importantes instituições de ensino e de pesquisa dos dois países.

FAPESP assina novos acordos de cooperação na Alemanha

Dois novos acordos para promover a cooperação entre pesquisadores do Estado de São Paulo e da Alemanha foram assinados pela FAPESP nesta quarta-feira (15/10), durante o simpósio FAPESP Week Munich. Parcerias foram formalizadas com o Ministério da Educação e Pesquisa da República Federativa da Alemanha (BMBF, na sigla em alemão) e com a Universidade de Münster, uma das três mais importantes instituições de ensino superior do país. O evento realizado no Deutsches Museum, em Munique, reuniu cerca de 170 pessoas, entre elas representantes do governo federal alemão, do governo do estado da Baviera, da diretoria da FAPESP e de importantes instituições de ensino e de pesquisa dos dois países.

Ao dar as boas-vindas aos convidados, o diretor-geral do Deutsches Museum e anfitrião do evento, Wolfgang Heckl, disse que o local foi escolhido para ser a sede da conferência organizada pela FAPESP em parceria com o Centro Universitário da Baviera para a América Latina (Baylat) por ser o lugar em que "a ciência e a tecnologia encontram a sociedade".

"Somos um dos principais museus dedicados à ciência do mundo e também realizamos pesquisa. Este é, portanto, um lugar ideal para reunir pesquisadores", afirmou.

Em seguida, o ministro de Educação, Ciência e Artes do Estado da Baviera, Ludwig Spaenle, ressaltou que a internacionalização bem-sucedida é um dos principais objetivos das universidades bávaras para os próximos anos.

"Estamos procurando parceiros de peso e há muitos a serem encontrados em São Paulo. Estou impressionado com o progresso da FAPESP e os resultados do trabalho que tem realizado e estou convencido de que a FAPESP Week Munich 2014 ajudará a promover a colaboração científica entre a Baviera e São Paulo", disse.

A embaixadora do Brasil na Alemanha, Maria Luiza Ribeiro Viotti, destacou que há poucos países com os quais o Brasil mantém uma relação tão próxima. Essa proximidade, segundo Viotti, teve início ainda no século 19, quando diversos naturalistas alemães se interessaram em estudar a geografia, a fauna, a flora e a população indígena brasileira.

"A imigração alemã para o Brasil ajudou a moldar a sociedade e a cultura brasileira. O diálogo contínuo entre as culturas e as experiências pessoais forjaram em nossas sociedades uma rede extraordinária de interesses mútuos desenvolvida ao longo dos anos", afirmou.

Segundo Viotti, a cooperação em ciência, tecnologia e inovação tem se tornado cada vez mais relevante à medida que os dois países, principalmente o Brasil, enfrentam o desafio de melhorar a competitividade de sua economia.

"O Brasil vê a Alemanha como um aliado estratégico no desenvolvimento de ciência e tecnologia. Estamos cientes do papel-chave que centros de excelência, como os que podem ser encontrados na Bavária, podem ter nesse processo. A FAPESP é uma das mais qualificadas instituições brasileiras para a promoção e a colaboração internacional em pesquisa e este simpósio será um passo importante na elaboração de novos projetos e oportunidades para avançar nesse sentido", disse.

O presidente da FAPESP, Celso Lafer, ressaltou que o simpósio faz parte da estratégia de internacionalização da fundação paulista e disse estar convencido de que a diplomacia relacionada à ciência é uma importante contribuição para a paz internacional.

"Pesquisadores em todo o mundo compartilham valores comuns no que se refere à investigação científica e nesse sentido são stakeholders do processo de cooperação. Certos processos de tomada de decisão e de formulação de políticas públicas ganham muito com os subsídios que a ciência pode oferecer", destacou.

Além de Lafer, representaram a diretoria da FAPESP José Arana Varela, diretor presidente do Conselho Técnico-Administrativo, e Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico.

A delegação da fundação paulista ainda contou com a presença de Euclides Mesquita Neto, membro da coordenação da área de Engenharia, Marilda Bottesi, assessora especial para assuntos institucionais e internacionais, Carlos Eduardo Lins da Silva, consultor em Comunicação, além de nove pesquisadores de universidades do Estado de São Paulo que apresentarão resultados de seus trabalhos no evento.

Biodiversidade brasileira em cartaz

Logo após a cerimônia de abertura da FAPESP Week Munich, ocorreu a inauguração da exposição "Brazilian Nature: Mystery and Destiny", em cartaz no foyer da Biblioteca do Deutsches Museum até 6 de janeiro de 2015.


A mostra, que já esteve em instituições dos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Espanha, Japão, China e na própria Alemanha, é composta por 37 painéis que resgatam o trabalho de pesquisa realizado entre 1817 e 1820 pelo naturalista bávaro Carl Friedrich Philipp von Martius, considerado ainda hoje o maior levantamento já realizado sobre a flora brasileira.

Esta edição foi enriquecida com seis obras originais produzidas por naturalistas alemães que integram o acervo da biblioteca do Deutsches Museum. Os livros retratam a geografia, a flora, a fauna e a população brasileira no século 19.

"Temos a maior biblioteca dedicada à ciência e tecnologia da Alemanha, com cerca de 1 milhão de livros. Uma das obras em exposição, publicada por Joseph Jacob von Plenck sobre a flora brasileira, é especialmente relevante, pois é considerada a base da aplicação farmacêutica das plantas", disse Heckl à Agência FAPESP.

Durante a cerimônia de inauguração, Lafer ressaltou que a exposição é fruto do trabalho desenvolvido pelos pesquisadores do programa BIOTA-FAPESP, que revisaram e atualizaram a obra Flora Brasiliensis, publicada originalmente por von Martius entre 1840 e 1906.

Os painéis permitem comparar as imagens originais feitas no século 19 com fotografias atuais de plantas e biomas. A versão digitalizada pode ser vista com legendas em português, inglês, espanhol, mandarim, japonês e alemão no endereço: www.fapesp.br/publicacoes/braziliannature.

Ampliando parcerias

Durante a manhã de quarta-feira, os diretores da FAPESP se reuniram com Bernd Sibler, secretário de estado do Ministério de Educação, Ciência e Artes da Baviera, com o ministro-adjunto, Michael Mihatsch, e com Christoph Parchmann, chefe do Departamento de Assuntos Internacionais do ministério. Durante o encontro foi discutida a importância da cooperação entre os estados de São Paulo e da Baviera.

Em seguida, a delegação da FAPESP visitou a Ludwig-Maximilians-Universität München (LMU), para discutir a possibilidade de formalizar um acordo de cooperação entre as duas instituições.

Participaram do encontro Hans van Ess, vice-presidente para assuntos internacionais da LMU, Stefan Lauterbach, diretor do Escritório Internacional, Thomas Koch, diretor da Divisão de Financiamento de Pesquisa e de Promoção de jovens acadêmicos, Susanne Weber, da Divisão de Estratégia e Desenvolvimento da Excellence Initiative, Lena Bouman, do Centro de Estudos Avançados, e Susanne Dietrich, do escritório internacional para Cooperação com a América Latina.

"A internacionalização é importante para o sucesso de uma universidade. Estou ciente do quão importante a América Latina, e o Brasil especialmente, se tornou recentemente. A LMU tem apenas três escritórios de representação no mundo e um deles está em São Paulo, o que mostra o quanto o país é importante para nós", disse van Ess.

Lauterbach apresentou um panorama sobre a universidade bávara, fundada em 1472 e considerada uma das principais da Europa. Segundo ele, a LMU abriga cerca de 50 mil estudantes, 700 professores e 3,9 mil funcionários acadêmicos. Oferece cursos e pesquisas em todas as áreas do conhecimento. Por suas salas já passaram 13 vencedores do Prêmio Nobel e 17 do Prêmio Leibniz, o mais importante da Alemanha na área científica.

Weber apresentou em seguida os programas desenvolvidos pela LMU no âmbito do "The Excellence Initiative", programa criado pelo governo federal da Alemanha com o objetivo de fomentar pesquisa de fronteira, criar condições excelentes para os estudantes de universidades alemãs e fortalecer a cooperação internacional.

No final, Brito Cruz apresentou um breve panorama da ciência no Estado de São Paulo e do trabalho realizado pela FAPESP no fomento à pesquisa.

Agência FAPESP @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.planetauniversitario.com/index.php/notas-do-campus-mainmenu-73/33564-fapesp-assina-novos-acordos-de-cooperacao-na-alemanha

Cachorros passeiam entre quadros e esculturas no Museu do Cão nos EUA

Local permite entrada dos bichos; obras exibidas retratam cães. Animais campeões de competições e da cultura pop são homenageados.

Visitante passeia com seu cachorro no Museu do Cão (Foto: American Kennel Club Museum of the Dog, Diane Saltzman/AP)Visitante passeia com seu cachorro no Museu do Cão (Foto: American Kennel Club Museum of the Dog, Diane Saltzman/AP)
 


Em um museu localizado na cidade de St. Louis, nos EUA, os quadros e esculturas não retratam pessoas, paisagens ou objetos: são todos sobre cachorros.

O “museu dos cães” – chamado American Kennel Club Museum of the Dog – tem outra característica única: lá, cachorros são bem-vindos, e os funcionários não parecem nem um pouco preocupados com os bichinhos fazendo bagunça ou derrubando coisas.

Pinturas e esculturas têm cachorros como tema (Foto: American Kennel Club Museum of the Dog, Diane Saltzman/AP) 
Pinturas e esculturas têm cachorros como tema
(Foto: American Kennel Club Museum
of the Dog, Diane Saltzman/AP)
 


“Fazemos isso há muitos anos e nunca tivemos problemas”, diz Stephen George, diretor executivo da instituição. E brinca: “Os seres humanos costumam causar mais problemas.”

O museu, que fica em uma casa história de 1853, tem um Hall da Fama em honra a cães campeões em diversas competições, aos cães da cultura pop como Rin Tin Tin e aos heróis que ajudam em resgates e outros serviços.

O museu também convida animais de verdade para que os visitantes possam aprender sobre várias raças, e oferece espaço para encontros de clubes caninos e treinamentos.

Dificuldade de definir a idade
 
O museu permite a visita de animais (Foto: American Kennel Club Museum of the Dog, Diane Saltzman/AP)O museu permite a visita de animais (Foto: American Kennel Club Museum of the Dog, Diane Saltzman/AP)


O museu foi fundado em 1982 em Nova York, mas se mudou para St. Louis alguns anos depois. George, que assumiu o local há um ano, diz que ele é relativamente desconhecido. São cerca de 10 mil visitantes anualmente, mas ele espera que o número cresça.

Cão de madeira que pertencia a um carrossel do século 19 faz parte do acervo (Foto: American Kennel Club Museum of the Dog, Diane Saltzman/AP) 
Cão de madeira que pertencia a um carrossel do
séc. 19 faz parte do acervo (Foto: American Kennel
Club Museum of the Dog, Diane Saltzman/AP)
 


Um aspecto interessante das pinturas sobre cães é a dificuldade de definir a idade das obras. Em retratos de pessoas ou objetos, há frequentemente pistas sobre a era em que foram feitos, como o vestuário ou a decoração. Mas um cachorro pintado no século 19 não costuma ser muito diferente de um cão pintado no século 21.

O museu vive de doações e tem algumas peças notáveis, como vários trabalhos de 1830 de Edwin Landseer, que pintou os cachorros da rainha Vitória.

Há também artefatos curiosos: coleiras de mais de um século de idade, um cão de madeira de um carrossel do século 19 e brinquedos antigos em forma de cachorros.


 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2014/10/cachorros-passeiam-entre-quadros-e-esculturas-no-museu-do-cao-nos-eua.html

600 ans d'histoire allemande riche en "triomphes et tragédies" au British Museum

Londres (AFP) - D'une bible de Gutenberg à un exemplaire du Capital de Marx, du Reichstag aux camps de concentration, le British Museum de Londres explore 600 années d'une histoire allemande complexe, souvent occultée par les horreurs du régime nazi.

L'exposition, baptisée "Germany, memories of a nation", qui ouvre ses portes jeudi jusqu'au 25 janvier, démarre dans le hall principal du musée, avec une Coccinelle Volkswagen, modèle 1953. Voiture iconique s'il en est, la "voiture du peuple" symbolise aussi parfaitement la renaissance d'un pays laminé après la Seconde Guerre mondiale, souligne Barrie Cook, l'un des commissaires de l'exposition.

Mais le musée n'a pas voulu trop s’appesantir sur la période de conflit qui "domine de manière écrasante" les chapitres consacrés à l'Allemagne dans tout livre d'histoire publié en Grande-Bretagne comme ailleurs, explique-t-il.

Il ne l'occulte pas non plus comme en témoigne notamment une réplique de la grille d'entrée du camp de concentration de Buchenwald portant sur son fronton la glaçante injonction: "Jedem das Seine" ("A chacun son dû").

Au total, ce sont près de 200 pièces, objets hétéroclites -chopes de bière, pièces et billets de banque, bicorne perdu par Napoléon à la bataille de Waterloo...-, tableaux -dont le célèbre portrait de Goethe réalisé par Tischbein- ou sculptures qui ont été rassemblés, pour cette exposition prévue pour coïncider avec le 25e anniversaire de la chute du Mur de Berlin, le 9 novembre.

Avec l'objectif de rappeler aux visiteurs "une histoire pleine à la fois de triomphes et de tragédies", de guerres et d'inventions.

L'exposition, qui ne suit pas un ordre chronologique, démarre avec une vidéo de la chute du Mur de Berlin, juxtaposée à la carte du pays, qui a beaucoup changé de physionomie au cours des siècles, peinte aux couleurs de son drapeau.

- "Antidote aux clichés" -

Parmi les objets marquants rassemblés, témoignages de l'ingéniosité et du savoir-faire allemand, une horloge en or fabriquée par Isaac Habrecht sur le modèle de celle qu'il a réalisé pour la cathédrale de Strasbourg, un rhinocéros en porcelaine qui rappelle que la ville de Meissen a réinventé cette matière précieuse, un berceau en bois aux allures très modernes dessiné par l'école du Bauhaus, preuve que "nous vivons dans un monde du Bauhaus: une combinaison d'artisanat et d'art", dit M. Cook.

Un foisonnement lié à la nature décentralisée d'un pays qui a vu se multiplier les centres économiques, culturels et de décision, souligne le conservateur.

Le British Museum évoque aussi le thème peu évoqué des villes et territoires perdus à l'ouest comme Strasbourg et Bâle, ou à l'est comme Kaliningrad, qui a conduit à l'exode de millions d'Allemands. "Les musées allemands, très précautionneux sur la question, n'ont probablement pas la même liberté que nous", explique M. Cook.

Journaliste au quotidien berlinois Tagesspiegel, Bernhard Schulz juge "l'approche (du British Museum) très intéressante".

"Ce n'est pas une exposition historique dans le vrai sens du terme (...) il s'agit davantage d'une histoire des mémoires de l'Allemagne, de ce qui est central à la conscience allemande en général", dit-il.

Pour le quotidien britannique Times, l'exposition "offre une myriade d'antidotes à tous les clichés colportés par les tabloïds sur la plus puissante nation d'Europe".

Sa portée auprès du public devrait être décuplée par une série de 30 émissions programmées sur la radio BBC 4, en collaboration avec le directeur du British Museum, Neil MacGregor






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://tempsreel.nouvelobs.com/culture/20141016.AFP8508/600-ans-d-histoire-allemande-riche-en-triomphes-et-tragedies-au-british-museum.html

Camille Claudel, l’exposition-évènement à la Piscine de Roubaix

26 sculptures, 12 de Camille Claudel et 14 d’Auguste Rodin investiront prochainement le musée de la Piscine de Roubaix dans le cadre d’un prêt exceptionnel pour l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau qui se tiendra du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.


La Petite Châtelaine - Détail
La Petite Châtelaine, © Musée Rodin (C. Baraja) Prêt exceptionnel d'œuvres



Les Causeuses, La Petite Châtelaine, Clotho ou encore La Vague : des œuvres parmi les plus célèbres de Camille Claudel, actuellement exposées au musée Rodin de Paris prendront place au musée de la Piscine de Roubaix, dans le cadre de l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau, du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.

Les œuvres sont encore visibles au musée Rodin jusqu’au dimanche 19 octobre.
150 ans de la naissance de Camille Claudel

La piscine – qui fut le premier musée français à organiser en 1995 une souscription publique pour l’achat de La Petite Châtelaine de Camille Claudel – fête cet automne les 150 ans de la naissance de l’artiste en rassemblant plus de 150 œuvres, provenant de collections publiques et privées, françaises et internationales, comme le musée Rodin, le musée d’Orsay, le musée Sainte-Croix de Poitiers ou encore le futur musée Camille Claudel de Nogent-sur-Seine.

Des œuvres d’Auguste Rodin seront également exposées. Elles permettront, avec d’autres œuvres, de créer un jeu de questions-réponses, de mettre en comparaison une thématique ou tout simplement de faire apparaître en creux la relation entre les deux artistes, avec des portraits de Camille Claudel, comme L’Adieu ou Camille Claudel, portrait aux cheveux courts. Des œuvres de Bourdelle, Desbois, Maillol, Meunier, Falguière et Legros prendront place au musée Rodin pendant le temps du prêt.

Camille Claudel (1864-1943), au miroir d’un art nouveau | Du 8 novembre 2014 au 8 février 2015 | Musée de la Piscine Roubaix.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.musee-rodin.fr/fr/actualites/camille-claudel-lexposition-evenement-la-piscine-de-roubaix


www.roubaix-lapiscine.com
- See more at: http://www.musee-rodin.fr/fr/actualites/camille-claudel-lexposition-evenement-la-piscine-de-roubaix#sthash.NHpyiqJV.dpuf

Camille Claudel, l’exposition-évènement à la Piscine de Roubaix

Actualité du 16 octobre 2014

 
26 sculptures, 12 de Camille Claudel et 14 d’Auguste Rodin investiront prochainement le musée de la Piscine de Roubaix dans le cadre d’un prêt exceptionnel pour l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau qui se tiendra du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.
 
La Petite Châtelaine - Détail
La Petite Châtelaine, © Musée Rodin (C. Baraja)

Prêt exceptionnel d'œuvres

Les Causeuses, La Petite Châtelaine, Clotho ou encore La Vague : des œuvres parmi les plus célèbres de Camille Claudel, actuellement exposées au musée Rodin de Paris prendront place au musée de la Piscine de Roubaix, dans le cadre de l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau, du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.
Les œuvres sont encore visibles au musée Rodin jusqu’au dimanche 19 octobre.

150 ans de la naissance de Camille Claudel

La piscine – qui fut le premier musée français à organiser en 1995 une souscription publique pour l’achat de La Petite Châtelaine de Camille Claudel – fête cet automne les 150 ans de la naissance de l’artiste en rassemblant plus de 150 œuvres, provenant de collections publiques et privées, françaises et internationales, comme le musée Rodin, le musée d’Orsay, le musée Sainte-Croix de Poitiers ou encore le futur musée Camille Claudel de Nogent-sur-Seine.
Des œuvres d’Auguste Rodin seront également exposées. Elles permettront, avec d’autres œuvres, de créer un jeu de questions-réponses, de mettre en comparaison une thématique ou tout simplement de faire apparaître en creux la relation entre les deux artistes, avec des portraits de Camille Claudel, comme L’Adieu ou Camille Claudel, portrait aux cheveux courts. Des œuvres de Bourdelle, Desbois, Maillol, Meunier, Falguière et Legros prendront place au musée Rodin pendant le temps du prêt.
Camille Claudel (1864-1943), au miroir d’un art nouveau | Du 8 novembre 2014 au 8 février 2015 | Musée de la Piscine Roubaix.
www.roubaix-lapiscine.com
- See more at: http://www.musee-rodin.fr/fr/actualites/camille-claudel-lexposition-evenement-la-piscine-de-roubaix#sthash.NHpyiqJV.dpuf

Camille Claudel, l’exposition-évènement à la Piscine de Roubaix

Actualité du 16 octobre 2014

 
26 sculptures, 12 de Camille Claudel et 14 d’Auguste Rodin investiront prochainement le musée de la Piscine de Roubaix dans le cadre d’un prêt exceptionnel pour l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau qui se tiendra du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.
 
La Petite Châtelaine - Détail
La Petite Châtelaine, © Musée Rodin (C. Baraja)

Prêt exceptionnel d'œuvres

Les Causeuses, La Petite Châtelaine, Clotho ou encore La Vague : des œuvres parmi les plus célèbres de Camille Claudel, actuellement exposées au musée Rodin de Paris prendront place au musée de la Piscine de Roubaix, dans le cadre de l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau, du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.
Les œuvres sont encore visibles au musée Rodin jusqu’au dimanche 19 octobre.

150 ans de la naissance de Camille Claudel

La piscine – qui fut le premier musée français à organiser en 1995 une souscription publique pour l’achat de La Petite Châtelaine de Camille Claudel – fête cet automne les 150 ans de la naissance de l’artiste en rassemblant plus de 150 œuvres, provenant de collections publiques et privées, françaises et internationales, comme le musée Rodin, le musée d’Orsay, le musée Sainte-Croix de Poitiers ou encore le futur musée Camille Claudel de Nogent-sur-Seine.
Des œuvres d’Auguste Rodin seront également exposées. Elles permettront, avec d’autres œuvres, de créer un jeu de questions-réponses, de mettre en comparaison une thématique ou tout simplement de faire apparaître en creux la relation entre les deux artistes, avec des portraits de Camille Claudel, comme L’Adieu ou Camille Claudel, portrait aux cheveux courts. Des œuvres de Bourdelle, Desbois, Maillol, Meunier, Falguière et Legros prendront place au musée Rodin pendant le temps du prêt.
Camille Claudel (1864-1943), au miroir d’un art nouveau | Du 8 novembre 2014 au 8 février 2015 | Musée de la Piscine Roubaix.
www.roubaix-lapiscine.com
- See more at: http://www.musee-rodin.fr/fr/actualites/camille-claudel-lexposition-evenement-la-piscine-de-roubaix#sthash.NHpyiqJV.dpufCamille Claudel, l’exposition-évènement à la Piscine de Roubaix
Actualité du 16 octobre 2014

26 sculptures, 12 de Camille Claudel et 14 d’Auguste Rodin investiront prochainement le musée de la Piscine de Roubaix dans le cadre d’un prêt exceptionnel pour l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau qui se tiendra du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.

La Petite Châtelaine - Détail

La Petite Châtelaine, © Musée Rodin (C. Baraja)
Prêt exceptionnel d'œuvres

Les Causeuses, La Petite Châtelaine, Clotho ou encore La Vague : des œuvres parmi les plus célèbres de Camille Claudel, actuellement exposées au musée Rodin de Paris prendront place au musée de la Piscine de Roubaix, dans le cadre de l’exposition Camille Claudel (1864-1943), Au miroir d’un art nouveau, du 8 novembre 2014 au 8 février 2015.

Les œuvres sont encore visibles au musée Rodin jusqu’au dimanche 19 octobre.
150 ans de la naissance de Camille Claudel

La piscine – qui fut le premier musée français à organiser en 1995 une souscription publique pour l’achat de La Petite Châtelaine de Camille Claudel – fête cet automne les 150 ans de la naissance de l’artiste en rassemblant plus de 150 œuvres, provenant de collections publiques et privées, françaises et internationales, comme le musée Rodin, le musée d’Orsay, le musée Sainte-Croix de Poitiers ou encore le futur musée Camille Claudel de Nogent-sur-Seine.

Des œuvres d’Auguste Rodin seront également exposées. Elles permettront, avec d’autres œuvres, de créer un jeu de questions-réponses, de mettre en comparaison une thématique ou tout simplement de faire apparaître en creux la relation entre les deux artistes, avec des portraits de Camille Claudel, comme L’Adieu ou Camille Claudel, portrait aux cheveux courts. Des œuvres de Bourdelle, Desbois, Maillol, Meunier, Falguière et Legros prendront place au musée Rodin pendant le temps du prêt.

Camille Claudel (1864-1943), au miroir d’un art nouveau | Du 8 novembre 2014 au 8 février 2015 | Musée de la Piscine Roubaix.

www.roubaix-lapiscine.com
- See more at: http://www.musee-rodin.fr/fr/actualites/camille-claudel-lexposition-evenement-la-piscine-de-roubaix#sthash.NHpyiqJV.dpuf

Memórias do contrabando no Museu da Guarda ( .pt )

O Museu da Guarda e o Núcleo de Oralidade, Memória e Esquecimento (NUOME) do Movimento Internacional para uma Nova Museologia vão promover, no sábado, naquela cidade, o encontro “Por Terras de Contrabando. Memórias na 1.ª Pessoa“. 
 


Segundo a organização, a iniciativa, com início previsto para as 09H00, no Museu da Guarda, conta com a participação de ex-contrabandistas da freguesia de Fóios, no concelho do Sabugal.

O encontro faz parte de uma linha programática do NUOME que tem como principal objetivo “explorar o potencial das oralidades, das memórias e do esquecimento através dos museus e da participação das populações locais, contribuindo para a valorização da diversidade cultural que caracteriza o território português”.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.asbeiras.pt/2014/10/memorias-do-contrabando-no-museu-da-guarda/