Listen to the text.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

The Istanbul Museum of Modern Art, - the Museum’s Library

The Istanbul Museum of Modern Art, Turkey’s first private museum to organize modern and contemporary art exhibitions, was founded in 2004 and occupies an 8,000 square meter site on the shores of the Bosphorus.







Istanbul Modern embraces a global vision to collect, preserve, exhibit and document works of modern and contemporary art and make them accessible to art lovers.
As part of its commitment to sharing Turkey’s artistic creativity with wide audiences and promoting its cultural identity in the international art world, Istanbul Modern hosts a broad array of interdisciplinary activities.
Apart from permanent and temporary exhibition galleries, a photography gallery, and spaces for educational and social programs, the museum offers a cinema, restaurant, design store and an extensive library.
From the Chair of the Board


When Istanbul Modern opened, we promised to offer our audiences an opportunity to witness, learn about, enjoy, appreciate and to continually become updated with the evolution of contemporary art. In order to establish museum visits as sustained leisure activities, to increase Museum attendance on a cumulative basis, and to constantly capture the public’s attention, we aspired to create a dynamic and evolving structure. We believe that we have achieved this goal.

The Museum provides a multifaceted, attractive and accessible communications platform that engages first-time visitors, as well as contemporary art enthusiasts, primary school children and scholars.

Overall, we feel that we have created a vibrant, family-friendly space that addresses a wide range of tastes, cultures and interests.

The Museum has become especially attractive to young audiences who are drawn to the interactive activities that we provide. With its permanent and temporary exhibition galleries, the photography gallery, new media area, library, cinema, educational programs, gift store, and restaurant, Istanbul Modern encourages a creative and interactive museum experience for its visitors.

The Museum has become a multipurpose cultural center for the encounters of everyday living and culture as well as serves as a catalyst for the collective energy that is generated by the interactive activities and experiences presented by the Museum.

Through an active roster of exhibitions and programs, we believe that we have opened new perspectives, spurred curiosity and encouraged reflection in the Turkish public. As a result of these efforts, we have succeeded in familiarizing the Turkish public with the entire scope of the Museum and we have encouraged frequent Museum visits.

In the nine years since the Museum’s launch, we have organized five permanent collection exhibitions and thirty-five temporary exhibitions. In addition, we have hosted twenty-nine photography exhibitions of world renowned artists from Turkey and abroad, fourteen video exhibitions in the field of video art, and organized sixteen international exhibitions.

But Istanbul Modern does not only limit itself to the display of artworks; it aims to fulfill an educational role as well. Both inside and outside of the Museum, we have instigated programs to acquaint the younger generation with the visual arts. Since the museum opened, hundreds of thousands of children and young people have benefited from our educational offerings.

Complementing all these activities, the private sector, the public and the local government have worked together to support the Museum and, as a result have engendered a novel and unique synergy. The collaboration between these three areas has further energized the Museum.

Aware of their social responsibilities, Turkish companies have supported, and continue to support, the various programs and exhibitions undertaken by the Istanbul Modern. To date, our exhibit sponsors have included some of Turkey’s leading corporations.

While the support of high quality and widely publicized activities are important to increase the social visibility and esteem of these institutions, individuals and media holdings. They in turn lend us their sponsorship and contributions, which then provides us with the vital assistance we need.

Through the activities I have briefly summed up, Istanbul Modern is now reaching out to broader segments of society and is gradually getting closer to accomplishing the original founding objectives. The number of visitors has increased rapidly and over the past seven years has now reached a total of more than 5 million. Every passing day, we are more firmly established in the public eye as a museum symbolizing the encounter of art and society.

Furthermore, as the Museum consolidates its social ties, it has also achieved international recognition, making it a popular destination today for visitors to Istanbul from all parts of the world.

There have been world-wide media reports and beneficial results for Istanbul Modern in the international press. From the day it was launched, the Museum has enjoyed a consistently high level of attention. These days, as we negotiate our entry into the EU, Istanbul Modern has become a regular stopover for foreign correspondents visiting Turkey.

While all critical reviews agree that our modern art legacy goes back a long way, they also stress that Istanbul Modern, which the New York Times called, "the changing face of Turkey," makes a very definite statement about Istanbul's image as a major cultural capital. Thus, Istanbul Modern is rapidly moving ahead on its path to becoming a recognizable world-wide brand name; a brand name that embodies the Turkish contemporary art scene.
Oya Eczacıbaşı
Istanbul Modern
Chair of the Board







the Museum’s Library - Collection
 



With a growing collection of some 9000 books and 29 national and international periodical subscriptions, the Museum’s Library provides specialization in the following areas:

• Turkish Art history and Turkish artists

• Museum, gallery and private collection catalogs

• Theoretical publications related to art

• Major art movements

• Photography and photographers

• Museology

Bibliographic information, for works in the Collection, can be accessed through the Library’s Online Catalogs. The Library is located on the ground floor and uses an “open shelf” system, allowing visitors to access the collection directly, through electronic resources for research. These resources include CD-ROM databases and art-related links to internet sites. In addition, visitors may keep up with current events and articles, relating to art, through the knowledgeable and careful selection of relevant national and international periodicals.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.istanbulmodern.org

Objetos Expuestos en el Museo: 5 Premisas · en CREACIÓN, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·

La mayoría de los museos muestran colecciones de objetos ordenados y clasificados a partir de los cuáles se puede difundir conocimiento. Lo importante, en cualquier caso, es que el objeto, una vez que esté expuesto sobre las bases de la conservación y el cuidado que requiere, aporte al visitante todo su potencial didáctico. Aunque hay museos que enseñan objetos cuyo significado tiene un valor didáctico indiscutible, otros muestran objetos con un valor didáctico reducido o bien por la ausencia de interés del propio objeto o porque su exposición al público no está planteada correctamente de cara al visitante. En cualquier caso, desde el punto de vista de la generación de conocimiento a partir del objeto expuesto en el museo, todos los objetos son susceptibles de ser utilizados como fuente de memoria histórica, siempre y cuando estén correctamente contextualizados en su exposición.



Archivo EVE

El museo debe mostrar sus objetos en la exposición siguiendo un patrón didáctico determinado evitando la dispersión de significados, ya sea de manera inductiva o hipotética-deductiva. Provocando el conocimiento directo a partir del objeto o bien suscitando interés por aprender. En cualquier caso, la inducción suele ser la manera más eficaz de acercarse al verdadero potencial didáctico del objeto expuesto. No nos vamos a enrollar más. La utilidad de los museos para mostrar la historia debe apoyarse en que sean interesantes y atraer así la atención de los visitantes. Los museos deben tener la capacidad de generar enigmas que resolver como si fuera un juego deductivo, que ayuden a desarrollar nuestra imaginación, que despierten en nosotros sensaciones algunas veces dormidas o nos saquen del estado de coma emocional estacionario. Para conseguir esto podemos enunciar estas 5 premisas generales:



Imagen: Graphic Huge

1. Lo primero que hay que afirmar es que todos los museos sirven para enseñar de manera didáctica una verdad. En este sentido, no hay realmente museos buenos ni malos.

2. Es preciso afirmar que los museos pueden ser instrumentos de enseñanza al margen de que su museografía sea más o menos didáctica.

3. Todo objeto expuesto en el museo tiene una misión didáctica – para desencadenar un interés, contestar dudas y preguntas y satisfacer nuestra necesidad de saber la verdad de las cosas -.

4. Provocar y aprovechar nuestra capacidad de deducción a partir del objeto es la forma más potente para que el museo genere conocimiento en el visitante de una menea amena y divertida si cabe.

5. El uso didáctico de los objetos requiere siempre cierto grado de interactividad.



Imagen: “Thinking Mirror” de Gadget Flow

En la medida en que el objeto expuesto es algo concreto, dotado de materialidad y con unas determinadas características, se puede comenzar un proceso de análisis del objeto a partir de este, y sacar conclusiones y certezas que pueden ser más o menos generalizables para todos los públicos. Lo que hemos enunciado aquí, estas cinco premisas generales se diversifican a su vez en otras expresiones más complejas, pero hoy toca exclusivamente enunciar esas generalidades. Otro día entraremos en los detalles de cada una de las cinco. Como veis, seguimos insistiendo en el poder didáctico del museo.

Imagen principal: libros suspendidos en el lobby del Museo de Arte Moderno de Estambul


Collection

With a growing collection of some 9000 books and 29 national and international periodical subscriptions, the Museum’s Library provides specialization in the following areas:
• Turkish Art history and Turkish artists
• Museum, gallery and private collection catalogs 
• Theoretical publications related to art 
• Major art movements
• Photography and photographers 
• Museology
Bibliographic information, for works in the Collection, can be accessed through the Library’s Online Catalogs. The Library is located on the ground floor and uses an “open shelf” system, allowing visitors to access the collection directly, through electronic resources for research. These resources include CD-ROM databases and art-related links to internet sites. In addition, visitors may keep up with current events and articles, relating to art, through the knowledgeable and careful selection of relevant national and international periodicals.

Museu da Gente Sergipana atinge a marca de 250.000 visitantes





Reconhecido como um dos 10 melhores museus do Brasil, de acordo com o ranking anunciado pelo site de viagens TripAdvisor, que reconhece os melhores museus do mundo através das opiniões e comentários dos usuários mensais do site, o Museu da Gente Sergipana Gov. Marcelo Déda atingiu no último mês de outubro a marca de 250 mil visitantes, desde a sua abertura ao público em 26 de novembro de 2011. Em agosto de 2013 o Museu já tinha atingido a importante marca de 150 mil visitantes, o que mostra que em pouco mais de um ano, o local recebeu 100 mil visitações. Os maiores responsáveis pelo crescente número ainda continuam sendo as escolas. Estudantes de todo o estado são trazidos por professores que procuram inovar nas formas de aprendizado sobre o patrimônio cultural. A nível regional, entre os que mais visitam o Museu da Gente Sergipana estão os nordestinos, principalmente os próprios sergipanos, além de pessoas provenientes dos estados vizinhos de Alagoas e Bahia. Só em janeiro de 2014, o local recebeu mais de 10 mil visitantes, e de fevereiro a outubro cerca de 2 mil turistas visitaram o museu a cada mês. O superintendente do Instituto Banese, Ezio Déda, atribui o reconhecimento do Museu às ações voltadas para valorizar, celebrar e disseminar a cultura sergipana. “O Instituto Banese tem realizado ações estruturantes de fomento à cultura sergipana em suas diversas manifestações, principalmente através do Museu da Gente Sergipana Gov. Marcelo Déda, que tem sido o templo de celebração da sergipanidade. É por meio de seu acervo permanente e da diversificada e constante programação que, prestes a comemorar três anos, o Museu mantém-se como um espaço vívido e pulsante, sendo uma importante e notória referência local e nacional. Sem dúvida, o Museu da Gente Sergipana é um legado cultural intangível que o Governo do Estado e o Banese construíram”, comemora. O reconhecimento não vem apenas pelo expressivo número de visitações. Desde que foi inaugurado o museu é premiado em diferentes categorias. Em outubro de 2012, conquistou o prêmio ‘O Melhor da Arquitetura 2012’, na categoria ‘Restauro’, disputando com 498 projetos de todo o Brasil, uma premiação inédita para Sergipe. O Guia Quatro Rodas Brasil 2013, principal publicação nacional de turismo, também reconheceu em 2012 o Museu da Gente Sergipana como “Atração do Ano”. No ano passado, foi condecorado com o prêmio Rodrigo de Melo Franco Andrade na categoria ‘Responsabilidade Social’, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para ações de destaque nacional na preservação e promoção do Patrimônio Cultural, já este ano recebeu do site de viagens TripAdvisor o Certificado de Excelência 2014 no setor ‘Hospitalidade ao Redor do Mundo’.Para a coordenadora do Museu, Katiane dos Santos, a marca de 250 mil visitantes em menos de três anos de existência é bastante expressiva. “Esse número é muito importante e significa que estamos conseguindo alcançar variados públicos de diferentes lugares. Também mostra que o Museu tem se tornado um ponto de atração turística, sendo visitado por quem procura cultura e lazer. É gratificante alcançar estes números, eles são um sinal da qualidade que atingimos e do quanto isso tem alcançado o público tanto de Sergipe quanto de fora do nosso estado”, vibra a coordenadora. Museu da Gente Sergipana

Inaugurado em 26 de novembro de 2011, o Museu da Gente Sergipana teve seu acervo instalado no antigo prédio do Colégio Atheneuzinho, que foi totalmente restaurado pelo Banco do Estado de Sergipe (Banese), em parceria com o Governo do Estado. Ele abriga um espaço multimídia de última geração, comparável ao Museu da Língua Portuguesa e ao Museu do Futebol, em São Paulo. É um museu totalmente tecnológico voltado para expor o acervo do patrimônio cultural material e imaterial do estado de Sergipe, através de instalações em multimídia interativa e exposições itinerantes. Aracaju é a primeira capital do nordeste a receber um aparelho cultural desse nível, voltado para a valorização da cultura sergipana, mediada pelos recursos de multimídia.

Considerado um marco histórico para o Estado de Sergipe, o museu abriga exposições permanentes, como “Nosso cabras”, “Nossas Praças”, “Nossos Falares”, e também exposições temporárias como “O Carrossel do Tobias” e “Clemilda Morenas dos Olhos Pretos”, atualmente em cartaz. O espaço também dá lugar a apresentações culturais que já fazem parte do seu calendário, como o ‘São João da Gente Sergipana’, ‘Agosto: mês das culturas da Gente’, ‘É tempo de Criança’, Natal da Gente Sergipana’. O Museu funciona de terça à sexta, das 10h às 17h, e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 16h, e está localizado na Avenida Ivo do Prado, 398, Centro, em Aracaju. O telefone para contato é o (79) 3218-1551. 



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti Manuella de Miranda Vieira http://www.faxaju.com.br/conteudo.asp?id=192577

Edital convoca entidades para indicarem membros ao CNPC - Iniciativa visa a escolha de titular e membro do setor de museus e memória no Conselho de Políticas Culturais



Foi publicado nesta segunda-feira (10), no Diário Oficial da União, Extrato de Edital para a inscrição e a habilitação de entidades do setor de museus e memória. A iniciativa serve para a formação de lista tríplice visando a escolha de titular e membro do setor do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC).

O processo seletivo será composto de duas etapas: uma etapa inicial de inscrição e habilitação das entidades que se submeterão à processo de votação durante o 6º Fórum Nacional de Museus (FNM) – que acontece em Belém (PA), de 24 a 28 de novembro – para escolha das três entidades mais votadas; e uma outra final, com a indicação de um representante das três entidades mais votadas. Acesse o edital completo.

As entidades de caráter associativo e de âmbito nacional atuantes da área de museus e memória poderão se inscrever até o dia 13 de novembro pelo endereço eletrônico eleicaocnpc@museus.gov.br. Outras informações e dúvidas sobre o edital devem ser enviadas para o mesmo endereço.

O CNPC é um órgão colegiado integrante da estrutura básica do Ministério da Cultura, e tem por finalidade propor a formulação de políticas públicas com vistas a promover a articulação e o debate dos diferentes níveis de governo e a sociedade civil organizada para o desenvolvimento e o fomento das atividades culturais no território nacional.

Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti Institui Brasileiro de Museus

Feira ARCO Madrid 2015 dedicada à Colômbia vai reunir 212 galerias de arte - Como convidados, vão passar pela ARCO Madrid, entre outras, delegações da Tate Americas Foundation, o Philadelphia Museum of Art, o Museum of Contemporary Art Detroit, a Dallas Contemporary, San Francisco Museum of Modern Art, Los Angeles County Museum of Art, o Perez Art Museum Miami.




A Colômbia estará representada por uma dezena de galerias, selecionadas pelo comissário independente Juan A. Gaitán, que apresentará 20 jovens artistas, entre eles David Peña, Icaro Zorbar, Marcela Cárdenas e Ricardo León



A 34.ª edição da Feira Internacional de Arte Contemporânea - ARCO Madrid, em 2015, que terá a Colômbia como país convidado, vai reunir 212 galerias de 30 países, anunciou hoje a organização.

Ao programa geral, que conta com a participação de 160 galerias, somam-se mais 10 na ArcoColombia, 22 no programa Opening e 24 no SoloProjects, indicou a Feira de Madrid (IFEMA).

Ao todo, no programa geral e nos projetos paralelos, Portugal estará representado por 11 galerias na ARCO Madrid, que irá decorrer entre de 25 de fevereiro e 01 de março de 2015.

A organização anunciou que, para a edição do próximo ano, teve um aumento de 24 por cento na participação, resultando em 27 novas galerias entradas no programa geral.

Também registrou um aumento das galerias estrangeiras, que constituem 71 por cento do total, indicou, com um crescimento importante nas originárias da Europa e da América Latina.

Pelo quarto ano consecutivo, será realizado o Encontro de Museus da Europa e da Iberoamérica, dirigido pelo curador português João Fernandes, subdirector artístico do Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, de Madrid, e Cuauhtémoc Medina, curador chefe de Museo Universitario Arte Contemporáneo (México).

A Colômbia estará representada por uma dezena de galerias, selecionadas pelo comissário independente Juan A. Gaitán, que apresentará 20 jovens artistas, entre eles David Peña, Icaro Zorbar, Marcela Cárdenas e Ricardo León.

Em Bogotá existem atualmente 60 galerias de arte, como a Valenzuela Klenner, a La Cometa, a Casas Riegner e a Nueveochenta, e 58 museus, entre os quais o Museu Nacional da Colômbia e o Museu de Arte Contemporânea, uma realidade que a ARCO Madrid pretende ter este ano em foco no certame.

Como convidados, vão passar pela ARCO Madrid, entre outras, delegações da Tate Americas Foundation, o Philadelphia Museum of Art, o Museum of Contemporary Art Detroit, a Dallas Contemporary, San Francisco Museum of Modern Art, Los Angeles County Museum of Art, o Perez Art Museum Miami. 
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ionline.pt/artigos/mundo/feira-arco-madrid-2015-dedicada-colombia-vai-reunir-212-galerias-arte

Quem gosta de museus, encontra no Rijksmuseum é um dos maiores e mais importantes espaços da cidade.



Passeio na cidade das bicicletas

Há mais bicicletas que pessoas a habitar em Amesterdão. Sinal da busca pela qualidade de vida que se sente numa das melhores cidades da Europa para visitar e conhecer.

São 880 mil bicicletas para 800 mil habitantes. São também cem canais, mais de mil pontes e milhões de locais onde apreciar tranquilamente a beleza de uma cidade diferente. Amesterdão está carregada de história, desenhada na pacata vila piscatória do século XIII, depois na próspera “Golden Age” colonial do século XVII até se tornar no atual centro de comércio, negócio e cultura. Vivem em Amesterdão 820 mil pessoas e metade são estrangeiros. A diversidade cultural vê-se nas ruas, vale muito a pena passear por entre os canais e sentir a energia de uma cidade dinâmica como muito poucas na Europa.


Mark Dadswell/Getty Images


AFP PHOTO / TIMOTHY TIMOTHY CLARY/AFP/Getty Images


Mark Dadswell/Getty Images



Há muito para ver e fazer em Amesterdão. Algumas sugestões:

Se gosta de museus, encontra no Rijksmuseum é um dos maiores e mais importantes espaços da cidade. Renovado em 2013, apresenta uma coleção notável de alguns dos nomes mais importantes da arte holandesa. Pinturas de Rembrandt, Vermeer e Frans Hals, mas também mapas, peças de escultura, vestuário e arte asiática. A Rijksmuseum alberga 800 anos de história num espaço agora renovado.

O Van Gogh Museum é um dos museus mais populares do mundo, nele encontram-se mais de 200 pinturas, 500 desenhos e 700 cartas do pintor holandês. As paisagens impressionistas e as naturezas mortas (de onde se destacam os famosos girassóis) constituem a principal atração, mas há também workshops para crianças e música com artistas e DJs à sexta-feira.

Um dos novos museus da cidade é o Amsterdam Tattoo Museum, abriu em 2011 e reúne dezenas de milhares de objetos representativos da arte da tatuagem dos cinco continentes. Além da história ancestral, a curadoria de Henk Schiffmacher abre espaço para as diferentes subculturas (prisão, exército, marinheiros, prostitutas). O criador e ainda principal impulsionador do museu organiza mensalmente a visita de um tatuador de renome, que durante dois dias presta serviço a preço reduzido.

Também carregada de história está a Anne Frank House, a casa onde se escondeu a família de Anne Frank e onde foi escrito um livro que é hoje um memorial do Holocausto: ” O diário de Anne Frank”.

E para uma visita mais pitoresca pode também explorar a Masmorra de Amesterdão, onde atores de carne e osso representam os séculos mais negros da história da cidade. Prepare-se, pode ser assustador…

Mas o melhor é mesmo passear pelos muitos bairros da cidade e explorar os canais que atraem todos os anos milhões de turistas do mundo inteiro. Estas são algumas das principais atrações:

O Mercado das Flores (Bloemenmarkt) no canal Singel, um mercado flutuante repleto de cor aberto todos os dias da semana.

O Palácio Real (Koninklijk Paleis) na Dam Square, um palácio do século XVII que já foi a Câmara da cidade, é ainda usado pela casa real mas está aberto ao público a maior parte do ano.

O Vondelpark, o parque que recebeu o nome do famoso poeta holandês em 1867, é um dos grandes espaços verdes da cidade, ponto de reunião de famílias e turistas, onde se pode passear, fazer um piquenique ou praticar desporto.

E é precisamente no Voldelpark que se encontra a Ilha das Tulipas, a flor que é o símbolo do país. O “paraíso das tulipas” como é também conhecido, está aberto ao público entre os meses de junho e setembro.

O mais charmoso bairro do centro é provavelmente o Begijnhof, um pátio fechado que no século XIV serviu de residência a uma irmandade religiosa. É nele que se encontra preservada a casa de madeira mais antiga da cidade: data de 1465.




Koen van Weel/AFP/Getty Images


Ilvy Njiokiktjien/AFP/Getty Images)


Mark Dadswell/Getty Images)

A gastronomia é outra excelente experiência em Amesterdão. Há comidas de todo o mundo, mas dada a longa relação da Holanda com a Ásia, este continua a ser um dos melhores locais da Europa para provar sabores do sudoeste asiático. Para além disso, as tradicionais cervejas holandesas ajudam bastante à integração no ambiente (e por isso o Museu da Heineken ainda é uma das atrações mais visitadas).

Típicas são também as tradicionais coffee shops, onde se vai para muito mais do que beber café. Aliás, não é pelo café que são conhecidas, mas pela diversidade de oferta de marijuana. O consumo de drogas leves é tolerado na Holanda, mas há poucos anos o governo proibiu o consumo em locais públicos e restringiu o consumo de canabis aos 250 estabelecimentos espalhados pela cidade. Entre as mais conhecidas estão o Barney’s, o Dampkring e o The Buldog. Desde há 27 anos, no final do mês de novembro, celebra-se a Cannabis Cup, uma semana dedicada ao consumo dos produtos da marijuana.

À noite, as opções são mais do que muitas. Amesterdão é uma cidade conhecida pela dimensão da noite, mas tem muito mais para oferecer que as coffee shops, bordéis, lojas de sexo e museus da Red Light District. A cidade é liberal em todos os aspetos, está no centro da Europa e por lá passam obrigatoriamente os principais DJs, bandas e artistas. A eletrónica e o hip-hop estão no centro das atenções, mas há música e espetáculos para todos os gostos, distribuídos por centenas de bares e clubes noturnos, sete dias por semana.


ANOEK DE GROOT/AFP/Getty Images


EVERT ELZINGA/AFP/Getty Images


Koen van Weel/AFP/Getty Images
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://observador.pt/2014/11/11/passear-na-cidade-das-bicicletas/

El Museo Espectáculo - · en INSTITUCIONES, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·


“Se convierte en juego aquello
que carece de significado”.
Rachel Cohn

 
Archivo EVE

Visitar un museo debe convertirse en una experiencia de descubrimiento y diversión. Con la ayuda de la programación de nuevas actividades, algunas alejadas de la ortodoxia del museo cuando éste es valiente y se arriesga. En ocasiones, estas actividades a veces se encuentran más cerca del espectáculo o lo son directamente, más que como función del museo como entidad para la conservación y divulgación de sus colecciones y contenidos. Con el planteamiento de estas acciones se ha visto la oportunidad de atraer público a los museos que, sin este tipo de intervenciones, probablemente nunca pisarían el suelo de uno de ellos. Se viene demostrando, aun en casos puntuales, que el museo puede ser un gran promotor de eventos pero también puede recibir propuestas que vengan de otras instituciones ya sean públicas o privadas.

 
Archivo EVE / Desfile Dior en el museo

Las empresas privadas comienzan a interesarse por los museos, ya sea para gestionar una tienda en régimen de franquicia, utilizar las instalaciones para presentar un producto o servicio a un público invitado previamente, como es el caso de la presentación libros, grabar spots publicitarios o vídeos musicales, servir de platós de cine y televisión, patrocinar alguna exposición temporal, etcétera. El museo ha entrado de lleno en el mercado del ocio y del turismo cultural, el museo se ha integrado sin conflictos en el ámbito del mercado a través del patrocinio cultural de las empresas privadas.

 
Imagen: Concierto de la Sinfónica de Britten en el Fitzwilliam Museum

Esta “comercialización” también es motivo de crítica cuando se estima que el museo solo debe dedicarse a sus tareas tradicionales. La proliferación de museos en ciudades pequeñas en estos últimos años y también en el ámbito rural, se ha vislumbrado como estrategia de desarrollo turístico y económico de las poblaciones y comarcas. El auge del turismo de tipo cultural en los museos desde la segunda mitad del siglo XX hasta nuestros días, transforma a los museos en lugares que atraen a masas ya sea a sus exposiciones, su espectacular arquitectura en algunos casos, o sus acciones de promoción, que a veces incluye la participación de la comunidad (re-actment). La industria cultural tiene sus críticos al considerar que el museo pierde así su esencia como institución “Templo de las Musas” y se convierte en un puro instrumento económico. El teórico Iñaki Díaz Balerdi, dice:

“La espectacularidad era un fácil y agradecido reclamo, al permitir un eficaz deslumbramiento del público ante arquitectural impactantes, tesoros sorprendentes o parafernalias multimedia capaces de introducir en la modernidad al más rústico [...]. Además contribuía a aumentar los índices de frecuencia de las visitas, a engrosar en la estadística de asistencia, asunto de capital importancia en una sociedad economicista que reduce casi todas sus valoraciones a la prueba del balance contable y la rentabilidad”.

 
Imagen: Gala del MET, 2014

Os podemos ofrecer tres ejemplos sobre la diversidad de propuestas que ofrecen algunos museos:

- Festival del Cine y Cultura Indígena como el que organiza el Agua Caliente Cultural Museum, museo sobre cultura indígena en Palm Springs de California. Exhiben películas, documentales, cortometrajes protagonizados por nativos norteamericanos y otros pueblos indígenas. Se utiliza el museo y un teatro céntrico de la ciudad, con el objetivo de entretener, inspirar y educar al público.

- Mercado de los Continentes en Dahlem, Berlín, organizado por la Asociación de Amigos del Museo Etnológico en colaboración con los Museos Estatales de Berlín. Durante cuatro fines de semana seguidos, tienen lugar numerosas actuaciones musicales, mercados de artesanía, exposiciones y actividades diversas en los museos que colaboran.

- Museum Mille Festival, desde hace 34 años se celebra este festival en Nueva York, en el cual nueve de los museos más importantes de la Gran Manzana, un día al año, celebran una fiesta en la calle, concretamente en la Quinta Avenida, cerrándola al tráfico, haciéndose así una fiesta con espectáculos musicales y artísticos para niños y adultos a lo largo de la calle. Los museos ofrecen entrada gratuita y toda clase de actividades interactivas.

 
Imagen: FFFFOUND.com / Vomi

Hay muchos otros ejemplos: Tarraco Viva (Tarragona, España), The New Year’s Celebration (Florida, EEUU), Cambridge Science Festival (MIT), La Noche de los Museos del 19 de todos los años, y muchos otros ejemplos más. Si bien en todas las propuestas el museo juego un papel activo en su desarrollo, muchas veces el museo debe controlar su nivel de implicación en eventos populares externos. Puede ser un error entrar en la dinámica de organización de acciones aisladas que no tienen continuidad y cuyo impacto a largo plazo es mínimo. El museo debe crear su marca propia, su Identidad, concentrando sus esfuerzos en la organización de eventos que los haga visibles entre el resto de la oferta cultural. El esfuerzo y la inversión de recursos del museo y que deben servir para estrechar vínculos con la comunidad; si no lo hacen así, se malgastará energía, tiempo, ilusión y dinero.

Imagen Principal: Pam Wishbow

BIBLIOGRAFÍA:
SABATÉ NAVARRO, M – GORT RIERA
Museo y Comunidad. Un museo para todos los públicos
Ediciones TREA, 2012.


fonte:  @edisonmariotti #edisonmariotti de Espacio Visual Europa (EVE)