Listen to the text.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Le Soleil de Chihuly restera au Musée des beaux-arts

L'imposante œuvre en verre jaune Soleil, de l'artiste Dale Chihuly, a finalement été acquise par le Musée des beaux-arts de Montréal et y restera, a annoncé mercredi l'institution.


Crédit photo : Archives Agence QMI

Agence QMI

Pendant l'exposition dédiée à l'artiste en 2013, l'œuvre avait été installée devant le musée, suscitant la curiosité des passants. Les œuvres du verrier avaient attiré plus de 278 000 visiteurs, en faisant l'exposition du MBAM la plus populaire en une décennie.

En décembre dernier, le musée avait entamé une campagne de financement afin d'acquérir la pièce de cinq mètres de diamètre. Plusieurs visiteurs et membres du musée ont répondu à l'appel en effectuant des dons.

(Crédit photo: Archives Agence QMI)

Quelques mécènes ont aussi contribué à amasser la somme nécessaire pour garder la sculpture à Montréal, dont le prixd'acquisition n'a pas été dévoilé. Le MBAM a d'ailleurs souligné l'implication de J. Sebastian van Berkom, président et chef de la direction de la firme de placement Van Berkom et Associés.

La pièce de verre a été retirée pour l'hiver afin de la préserver du froid et des intempéries, a indiqué le musée. Elle sera donc de retour au printemps, maintenant que sa présence est assurée à Montréal.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://tvanouvelles.ca/lcn/artsetspectacles/general/archives/2014/11/20141113-043710.html

"Todos podem ser Frida" no Museu da Diversidade Sexual

Projeto de Camila Fontenele de Miranda, fotógrafa paulistana radicada em Sorocaba, pode ser visto até fevereiro de 2015 em São Paulo
 


Até fevereiro de 2015, quarenta fotos do projeto Todos podem ser Frida, da fotógrafa paulistana radicada em Sorocaba Camila Fontenele de Miranda ficarão em exposição no Museu da Diversidade Sexual, na capital. Na mostra, que homenageia a pintora mexicana Frida Kahlo, Camila apresenta fotos seriadas e produzidas especialmente para compor o projeto, iniciado em 2012, e também imagens captadas a partir de intervenções públicas, quando pessoas se caracterizaram de Frida e posaram para a fotógrafa, em diversos eventos.
Também no museu, que fica no metrô República, as paredes foram pintadas e um estúdio foi instalado. Assim, os visitantes podem participar da intervenção fotográfica, se caracterizando de Frida e, depois, ter seu retrato incluso na exposição. Essas intervenções acontecerão nos dias 15, 16, 22, 23, 29 e 30 de novembro e 6, 7, 13 e 14 de dezembro, das 14h às 19h.
A ação foi lançada em parceria com a peça Frida y Diego, espetáculo de Maria Adelaide Amaral, que está em cartaz no Teatro Raul Cortez. Quem visitar a exposição pode ganhar um vale desconto para assistir à peça.
"A expectativa é grande pois o museu fica dentro do metrô República, onde há grande fluxo de pessoas. Sem contar que a exposição ficará até o dia 28 de fevereiro de 2015, então muita coisa pode acontecer. A ideia é que eu consiga levar o projeto em itinerância não só por São Paulo, mas para outros estados", planeja Camila, que há dois anos trabalha com o projeto.
O convite para a exposição partiu de um outro evento, a exposição/intervenção que a artista realizou no Sesc Sorocaba, e mobilizou muitos curiosos para conhecer o trabalho de Camila. "Muitas pessoas de São Paulo vieram para cá para conhecer o projeto, e entre elas estavam o Jefferson Duarte e o Renato Ribeiro, produtores culturais. Trocamos contatos e durante o ano firmamos o acesso até o Museu da Diversidade Sexual, apresentando o Todos podem ser Frida até que conseguimos firmar de fato." A produção da exposição, que tem a curadoria de Jefferson Duarte em parceria com os diretores do museu, começou em outubro.
"Desde que foi lançada no Facebook e em alguns canais midiáticos, a aceitação do projeto vem sendo surpreendente. Apesar de já ter feito outras exposições, a sensação é como se fosse a primeira vez por dois motivos: essa acontece na minha terra natal e, de fato, agora, o projeto vai questionar ao público a vertente diversidade/gênero como temática principal", defende.
Meio homem, meio mulher
"Inversão de valores, diversidade de gênero, conceito de beleza e comportamento social sintetizam a exposição", defendem os idealizadores no material de divulgação enviado à imprensa, sobre o projeto que começou em 2012 - ano que se comemorava os 105 de nascimento da pintora mexicana. Além do arrebatamento de Camila pela obra e história de Frida, o projeto também surgiu como um desafio pessoal, que era o de transformar as pessoas comuns em Frida, com direito a cenário, maquiagem e figurino característico, recriando o universo da pintora. Mas como transformar uma mulher na artista seria muito fácil, a fotógrafa foi além e convidou homens para representarem as muitas faces de Frida Kahlo. "Seria muito mais fácil transformar uma mulher em Frida, por conta dos traços femininos, vestidos e as cores. Com homens seria diferente tanto para mim, quanto para eles", defendeu Camila, que apresenta imagens tanto de homens quanto de mulheres caracterizados como a artista mexicana.
Para o projeto, a fotógrafa fragmentou algumas fases da vida da artista: as cores de Frida, as dores de Frida, os amores de Frida, a vida de Frida, e o aborto. "São momentos e características marcantes na vida e na personalidade da artista. Quero muito que as pessoas conheçam quem ela foi, pesquisem mais sobre ela", explicou.
Bissexual, uma mulher muito forte e muito sensível que não escondia nem a dor, nem o amor: essas são algumas das características que Camila destaca na personalidade de Frida Kahlo. "Para mim, Frida sempre foi muito forte, amorosa e guerreira. Creio que dentro dela batia um coração meio homem, meio mulher", justificou.
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  www.museudadiversidade.com.br

Igreja dos Clérigos reabre dia 12 e em 2015 acolhe Museu do Cristo

A Igreja dos Clérigos, no Porto, reabre recuperada no dia 12. A festa de inauguração durará 3 dias e incluirá animação e visitas gratuitas. Na Semana Santa de 2015, será inaugurado o Museu do Cristo, com mais de 400 peças.
 



De acordo com o presidente da Irmandade dos Clérigos, Américo Aguiar, os Cristos foram doados por um “senhor de Baião radicado em Lisboa, onde tem um antiquário” e o objecto mais antigo da colecção que vai ocupar o terceiro piso do edifício “será do século 12”.

Américo Aguiar garantiu ainda que, enquanto for presidente da Irmandade, o acesso à igreja será grátis, facto que mereceu elogios de Virgílio Macedo, do PSD, o único grupo parlamentar a participar numa visita, esta quarta-feira, para a qual foram convidados os deputados de todos os partidos eleitos pelo círculo do Porto.

“Fiquei particularmente satisfeito em saber que o acesso à igreja vai continuar gratuito. Isto mostra a abertura da igreja à sociedade. Acho que são umas obras notáveis de recuperação deste ex-líbris da cidade. Não tenho dúvidas de que, depois do espaço estar reaberto e de, no próximo ano, ser aqui aberto o Museu do Cristo, esta será ainda uma maior centralidade para todos os que nos visitam”, destacou o deputado social-democrata, em declarações à agência Lusa.

Américo Aguiar esclareceu ter reservado a inauguração do Museu do Cristo para a Semana Santa porque “no Porto não há muitas tradições ligadas” àquela celebração e “o museu pode ter o papel de cativar um bocadinho mais nesse tempo litúrgico importante para a igreja e para o ciclo turístico”.

Quanto à reabertura da renovada igreja dos Clérigos, o presidente da Irmandade vincou que será com uma missa, às 12h do dia 12 de Dezembro, exactamente 235 anos depois da primeira inauguração.

Nos dias 12, 13 e 14, as visitas a todas as valências dos Clérigos vão ser “de graça”, estando previsto “diversificar os públicos e os momentos” de celebração, disse, sem adiantar detalhes.

O responsável admitiu a vontade de deixar o espaço aberto durante 72 horas, explicando estar ainda a “reflectir” sobre o assunto.

Américo Aguiar reconheceu que a reabilitação do espaço vai obrigar a elevar a gestão “para um patamar mais profissional”, nomeadamente através da contratação de guias turísticos qualificados (actualmente estão em funções quatro, mas o responsável prevê ter o dobro).

Também será necessário formar uma equipa de musealização, para “garantir conteúdos e gestão de reservas”, mas o presidente da Irmandade recusou avançar com números.

Américo Aguiar esclareceu ainda que o tarifário das visitas não vai aumentar, mas vai tornar-se diferenciado: dois euros para o acesso à torre e outro tanto para conhecer o espólio da Irmandade, onde haverá, por exemplo, informação sobre o barroco e Nicolau Nasoni.

O presidente da Irmandade revelou a intenção de ter concertos diários de órgão na igreja, mas reconheceu não ter encontrado ainda a forma de o fazer.

A solução, explicou, pode passar por criar uma escala de organistas de várias instituições da cidade ligadas à música.

A intervenção nos Clérigos representa um investimento total de 2,6 milhões de euros, comparticipados em 1,7 milhões pelo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), cabendo os restantes 800.000 euros à Irmandade, com recurso a financiamento do programa Jessica.
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.porto24.pt/cidade/igreja-dos-clerigos-reabre-dia-12-e-em-2015-acolhe-museu-cristo/

Pierre Cardin abre aos 92 anos seu museu no coração de Paris

Pierre Cardin, o estilista que revolucionou a moda com estampas geométricas, silhuetas futuristas e cores vivas, inaugura aos 92 anos, no coração de Paris, um museu dedicado a "toda sua vida e trabalho".
 
 
 Pierre Cardin posa em seu novo museu em Paris
Pierre Cardin posa em seu novo museu em Paris


"Esse casaco deu a volta ao mundo! Foi nesse momento que comecei a ganhar dinheiro", disse o estilista de Alta-costura diante de uma das primeiras peças expostas, um casaco vermelho de corte A com um plissado que precisou da fabricação de uma máquina especial.

"Naquela época eu ainda não era Pierre Cardin, ainda não me firmara como criador", lembrou, referindo-se a um modelo de 1951 marcado pela influência de Dior, com o qual o estilista trabalhou no início de sua excepcional carrerira, há mais de 60 anos.

Para criar vestidos-casulo, saias de tiras e vinil e vestidos de festa, este pioneiro se inspirou por um lado "em um carrossel" e por outro nos "foles" que existem entre dois vagões.

Mais de 200 modelos, móveis, chapéus, sapatos e joias foram transferidos do museu de Saint-Ouen, no subúrbio da capital, onde estavam em exposição desde 2006, até esta antiga fábrica de gravatas no Marais, um bairro de Paris, organizados em três andares.

Muita gente não vinha até os arredores da cidade, disse Pierre Cardin, que com este museu no centro histórico de Paris espera atrair mais gente.

Na entrada, dois modelos masculinos com capacete e macacão recebem os visitantes, fiéis à estética futurista do estilista-estrela dos anos 1960, que foi fotografado com uniforme de astronauta.

O futurismo de Cardin parece um pouco antiquado nesse espaço de quase 1.000 m2 com paredes cobertas e escadas caracol. Os modelos estão dispostos em ordem cronológica e alguns cartazes fornecem explicações sobre as peças.

A curadora do museu, Renée Taponier, se encarrega das visitas guiadas. A entrada custa 25 euros. Esta fã incondicional, que começou como aprendiz de Pierre Cardin aos 14 anos, permanece na maison 50 anos depois, e a admiração por sua criatividade continua intacta.

"Tudo o interessa, não só os materiais que servem para a moda", disse diante de um colete masculino com uma armação no peito coberta por pequenos moldes para biscoito de silicone.

Com este museu, Pierre Cardin quer deixar "ao mundo o legado de um estilista que começou do zero". "Tive a sorte de realizar tudo o que desejava sem precisar de um banqueiro, uma autoridade, fui um homem livre desde os 20 anos", disse este "self-made man" que imigrou da Itália.

Visionário e mecenas, dirige um império mundial que vai da decoração em restaurantes (Maxim's), passando pelos perfumes e a hotelaria, que desde 2011 tenta vender. Seu hotel é estimado em 1 bilhão de euros.

O dinâmico estilista é proprietário do castelo do marquês de Sade em Lacoste (sul da França), do palácio Bragadin em Veneza, onde viveu Casanova, e do Palais Bulles na Baía de Cannes (sul da França).

Nem todos os seus projetos imobiliários se transformaram em realidade ou tiveram sucesso, e alguns criaram polêmica, como o Palais Lumière em Veneza ou o campo golfe de Luberon (sul da França).

"Tenho ideias estranhas, que surpreendem, mas isso é parte da minha personalidade", explicou.

O decano dos estilistas continua fazendo desfiles uma vez ou outra. "São os jovens que fazem a moda, não os velhos. Faço parte dos velhos, mas continuo sendo jovem", afirmou.

Apenar disso, não cita herdeiros na nova geração e lamenta a confusão entre criação e elegância.

"A criação muda tanto. Não se afirma como antes: Balenciaga, Chanel, Cardin, Courrèges. A criação é reconhecida sem o nome. A elegância não é suficiente", acrescenta.

"Mas não olho os outros, tenho tanto a fazer. Na realidade não devo julgá-los, eles fazem seu trabalho e eu faço o meu", diz Pierre Cardin.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti yahoo.com.br

Museu 2.0? Em uma conferência em Berlim, os peritos de instituições culturais e da economia digital discutirão nesta quinta-feira e sexta-feira sobre como colocar suas coleções na rede.



Berlim (dpa). O mundo digital oferece aos interessados em arte muitas possibilidades, como rolar as pinturas com o mouse ou ampliar um quadro com a lupa virtual na tela do computador. Mas, quando os museus querem colocar suas coleções na internet, eles sempre encontram muitos obstáculos, desde a falta de dinheiro até a situação jurídica. Em uma conferência em Berlim, os peritos de instituições culturais e da economia digital discutirão nesta quinta-feira e sexta-feira sobre como colocar suas coleções na rede. 
 
A internet estaria assumindo um papel cada vez mais importante para os museus, diz Börries von Notz, presidente da fundação Stiftung Historische Museen de Hamburgo. Ele é um dos iniciadores do círculo de peritos “Configurar o acesso! Mais responsabilidade para como o legado cultural”, existente desde 2011. Para muitas pessoas, a internet seria frequentemente o primeiro contato com grandes obras. “A digitalização nos ajuda a chamar a atenção e a tornar nosso conhecimento visível, compartilhando-o com outras pessoas”, diz von Notz, gerente do Jüdisches Museum de Berlim até 2013. Os cientistas também teriam cada vez mais necessidade da digitalização dos acervos.

Mas a internet não torna supérflua a visita real a um museu? “De maneira nenhuma!”, diz von Notz. “Somente os museus possuem a ponte estética única para os seus temas, a qual está intimamente ligada com o objeto original”. Como exemplo, os peritos veem o Rijksmuseum de Amsterdã. Através da home page deste museu, os interessados podem observar de perto quase toda obra, da “Guarda Noturna”, de Rembrandt, até o autorretrato de van Gogh. Mas também se podem baixar as imagens e, depois, imprimi-las em uma taça de chá ou em uma camiseta. O Google Art Project vem oferecendo desde 2011 o acesso a centenas de obras de arte em alta resolução. 
 
Neste meio tempo, cerca de 400 museus e galerias estão participando desse portal do grupo empresarial dos EUA, colocando gratuitamente algumas obras escolhidas na rede. Na Alemanha também haveria alguns projetos excepcionais, que englobam partes inteiras de coleções, diz von Notz. Mas, muitas vezes, os museus e os arquivos têm que fazer investigações exaustivas por causa dos direitos autorais de cada objeto e documento. Por isso, os museus, os arquivos e as bibliotecas querem que os direitos autorais lhes sejam facilitados. Casos problemáticos, como o aproveitamento de obras famosas para livros ou calendários, poderiam ser então resolvidos mais facilmente. Mesmo assim, milhões de digitalizações continuariam sendo extremamente difíceis e custosas. “Enfim, trata-se em todo lugar de uma tarefa para gerações”, diz von Notz.

Fonte: dpa; tradução: FSM



fonte: !edisonmariotti #edisonmariotti https://www.deutschland.de/pt/news/museu-20

Espanha: Jornal elege os 10 melhores museus de Lisboa

O jornal espanhol ABC reuniu uma lista com os 10 melhores museus em Lisboa. Da lista constam o Museu Nacional de Arte Antiga, o Museu Calouste Gulbenkian, o Museu dos Coches e o Museu da Eletricidade.

Na sua edição online, o ABC revela que "a capital lusa conta com uma ampla e variada rede de museus" e aconselha aos turistas espanhóis que visitem os museus de Lisboa para que conheçam o "lado mais cultural da cidade".

O Museu Nacional de Arte Antiga, "o mais importante dos séculos XII a XIX em Portugal", conta com uma vasta coleção de pintura, escultura e artes decorativas europeias, para além de coleções de arte asiática e africana, escreve o jornal.

O ABC destaca as várias obras portuguesas expostas, como os Painéis de São


LER ARTIGO COMPLETO  

 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://boasnoticias.pt/noticias_Espanha-Jornal-elege-os-10-melhores-museus-de-Lisboa_21576.html

Espanha: Jornal elege os 10 melhores museus de Lisboa
Os painéis de São Vicente fazem aprte do espólio do Museu Nacional de Arte Antiga, um dos selecionados pelo jornal espanhol ABC

6 Diálogos Museográficos · en MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA,

“La ciencia es el proceso que nos
traslada de la confusión al entendimiento”. 
Brian Greene

Cómo bien sabéis, para que se produzca un diálogo deben coexistir dos elementos indispensables: el emisor y el receptor. Cuando hablamos del diálogo museográfico, el papel de emisor lo interpreta la exposición y el receptor es el visitante. El contenido del diálogo, el objeto de la comunicación, lo elaboran los científicos y los conservadores, siendo el canal de comunicación el propio espacio del museo. Todos estos elementos interactúan entre sí generando interrelaciones e interacciones que conforman lo que denominamos museografía. Con relación a los diálogos que se producen en el museo como espacio de comunicación, reconocemos seis diferentes tipos de diálogo museográfico, el que se produce entre la exposición y el visitante:

1. El diálogo entre el objeto y el espacio. Es aquí donde reconocemos dos diferentes tipos de hacer museográfia: la clásica de toda la vida y la que contextualiza las colecciones del museo. Nosotros, como bien sabéis los que nos seguís, defendemos la segunda a capa y espada. Relacionamos la clásica con el polvo y el exceso de objetos en vitrinas. La nueva museografía además de mostrar objetos nos cuenta historias, provocando otra clase de diálogo, el que se establece dentro de nosotros mismos a modo de reflexión.



Archivo EVE

2. El diálogo entre los objetos. Los objetos acaban interactuando unos con otros, como si fuera una orquesta interpretando una suite o, en el peor de los casos, un caos desafinado. En este último caso, los objetos se anulan unos a otros generando lo que conocemos como “ruido”. El ruido se da cuando nos encontramos con una vitrina gigante con cientos de objetos con sus correspondientes cartelitos (todavía se ven escritos a mano que resulta romántico, pero poco práctico). Si colocamos una escultura clásica al lado de una cuadro de Mondrián (p.e.), el diálogo museográfico deberá generar el diálogo visitante-escultura-Mondrián que haga coherente esa combinación “elementos” aparentemente contradictoria y sin sentido.

3. El dialogo entre el objeto y el espacio, añadiendo la propia museografía como elemento emisor; tres eran tres. Aquí podríamos decir aquello que nuestro querido amigo Marsshall MacLuhan teorizaba: “el medio es el mensaje”. El soporte del diálogo entre objeto y visitante forma parte del mensaje. Un ejemplo evidente lo tenemos en la Neo Cueva de Altamira, dónde se la museografía ha creado un soporte nuevo adaptado a las circunstancias. La cueva real no se puede visitar en masa, por tanto la neo-cueva es una reproducción que nos permite comprender una realidad que no está a nuestro alcance, o solo lo está para unos pocos.



Matt Lyver

4. El diálogo entre los objetos y los soportes visuales e interactivos. Si colocamos una pantalla de televisión que emite una audiovisual al lado de un objeto, podríamos decir que esa emisión sustituye el diálogo entre el objeto y el visitante. El diálogo se produce entonces entre la pantalla y el visitante excluyendo al objeto de ese acto de comunicación. Eso no es bueno y desgraciadamente ocurre en demasiadas ocasiones. Conseguir el equilibrio en el ámbito del diálogo museográfico es muy difícil. Nuestro “yo” diseñador nos empuja a crear soportes que pueden fagocitar la comunicación legítima entre visitante y objeto, siendo la museográfica la que debe ayudar a que ese diálogo objeto-visitante sea fluido y universal.



Imagen: Kotaku

5. El diálogo entre el visitante y el objeto. Este es un diálogo sordo porque la museografía no puede conseguir que los objetos por sí mismos “hablen” contestando las preguntas del visitante. Sería el sueño de cualquier museógrafo que una estatua le hable al espectador. El desarrollo de la tecnología de la realidad aumentada pretende que ese diálogo se produzca, pero es un hecho sintético, nunca real.

6. Diálogo entre los objetos y el medio ambiente. Toda las soluciones que la museografía pueda aportar para que el medio ambiente forme parte de ese diálogo como elemento activo, pertenece a esta clasificación. Si conseguimos que el visitante reciba información ya no solo didáctica, sino también sensitiva, haremos que el medio dialogue con el objeto y el visitante. Es aquí cuando la museografía puede asumir el compromiso de que la exposición despierte emociones de manera activa, sin esperar a que el visitante se emocione espontáneamente o no. Como queremos que haya emociones, siempre, jugaremos esta baza. No resulta fácil en absoluto.



Imagen: Laurence Massicotte

Comprender la existencia de estos diálogos enriquece la experiencia del museo desde el punto de vista crítico. Nosotros siempre insistimos sobre la idea de que si el visitante se familiariza con estos mecanismos de presentación del objeto en la exposición, su visita será mucho más completa y enriquecedora.

Foto principal: Kate MacDowell, “Bird Brain Sculpture


OPINIÓN.

The Postal Museum (Chinese: 郵政博物館;

In an attempt to promote business development and to help the public gain better knowledge in the field of post, the Directorate General of Posts (DGP) established the Postal Museum on December 1, 1965. The museum, originally accommodated in the former office of the DGP in suburban Hsintien, formally opened to public on the 20th of March, 1966. For the convenience of the public, it moved to the current site and re-opened on October 10, 1984. The exhibition is divided into four sections located on different floors. They are Postal History Section on the 2nd and 3rd floors, Modern Postal Service Section on the 4th floor, Philately Section on the 5th floor and Special Exhibition Section on the 6th floor. In addition, there is a library specialized in Postal Service and Philately on the 7th floor. The Postal Library houses a collection of over 40,000 books as well as hundreds copies of periodicals. Its open-shelf service allows visitors to access material easily and everyone is welcome to use it.

postal museum
 

 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://museum.post.gov.tw/post/Postal_Museum/postal_museum_en/index.jsp?ID=1290071899116


The Postal Museum (Chinese: 郵政博物館; pinyin: Yóuzhèng Bówùguǎn) is located on Nanhai Street in the Zhongzheng District of Taipei, Taiwan. The museum encompasses four floors and covers the history of Chunghwa Post (the postal service for the Republic of China and Taiwan), the modern postal service, philately, and special exhibitions.[1]
The museum opened at a location in Xindian on March 20, 1967, on the 70th anniversary of Chunghwa Post. Due to remoteness of the Xindian location and the lack of space, the museum was moved to its present location in the Nanhai Academy in 1985.
The museum is within walking distance of the Chiang Kai-shek Memorial Hall Station of the Taipei Metro.



Postal Gallery

Postal Gallery comprises the Rising Sun Room, the Full Moon Room, and the Stars Room. Postal Gallery not only displays exhibits by invitation, but can also be rent for holding an exhibition. Through each exhibition, Postal Gallery provides various subjects for visitor.



pic Opening hours pic
Tuesday through Sunday from 9:00 am to 5:00 pm, no admission after 4:30 pm.
pic Closed on pic
1. Monday
2. The day following New Year's Day, Peace Memorial Day and Double-Tenth Day (Exception: the following day is Saturday or Sunday)
3. Tomb Sweeping Day, Dragon Boat Festival, Mid-autumn Festival and Chinese New Year's Holidays

Taipei City ─ Beitou Hot Spring Museum

The Hot Springs Museum was built as the Beitou public bathing house in 1913 as Taiwan’s first public Bath House during the Japanese imperial ruling period. After the Japanese left Taiwan, the Bathing facility underwent a numerous transformations from a police station, KMT party headquarters to a reception house for local county administration also known as the Zhongshan House, but eventually due to corrosion caused by the hot springs and lack of proper maintenance, the building was forced to be closed and abandoned. The Public Baths Building was then discovered again by a group of teachers and students from a Local Elementary School on their field trip. As their attempts to get the attention of government officials were no success, they turned to cultural workers and historians from Beitou area for help in restoring the baths building to its former glory. The building was then declared as a class 3 historical site by Ministry of Interior in February 1995, but it wasn’t until March 1998 where serious makeover was initiated and was finally completed with the official opening of Beitou Hot Springs Museum in October 1998.







The Beitou Hot Springs Museum is a Victorian-style building which’s built with red bricks and wooden weatherboards. The museum is divided into 2 stories, on the 1st floor visitors are able to see the public bath which is not long in use along with introduction of Hot Springs history, Hot springs facilities, appliances used in Hot springs, Beitou Stones and the bathing space. The 2nd floor offers 6 different exhibition areas including Beitou History where pictures, news articles and relevant equipments and accessories representing Beitou are on display, Look out balcony offering visitors a place to see Beitou’s beautiful scenery, Taiwanese Hollywood introducing a hundred or so films that were shot in Beitou during the 50’s and 60’s, Exhibition area B displaying other related exhibitions, Multi-media room showing the documentary of Beitou Hot Springs Museum and Tatami-floor recreation area where people used to chill out after their hot baths.
The Beitou Hot Springs Museum is located in the Beitou Hot Springs area behind Beitou Park on Zhongshan Rd., Beitou District, Taipei City. It is definitely an ideal place to start exploring the rich variety of Hot Springs, Taiwan. So come visit Beitou, Taipei and experience one of the greatest pleasures nature has to offer!

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.travelking.com.tw/eng/tourguide/taipei/beitou-hot-spring-museum.html Taipei City ─ Beitou Hot Spring Museum