Listen to the text.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Museu da Pessoa lança livros e promove dia especial para visitantes

No próximo dia 13 (sábado), o Museu da Pessoa abre suas portas ao público para promover o lançamento de duas novas obras: Mulheres Que Fazem História e Todo Mundo Tem Uma História Para Compartilhar, desenvolvidos por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, com patrocínio da Consul e Nestlé.

Durante o evento Todo Mundo Tem Uma História Para Contar, que acontece das 14 às 17h na sede do museu (Rua Natingui, 1100, Vila Madalena – SP), além de assistir a vídeos dos depoimentos do Programa Conte Sua História e dos projetos da Nestlé e Consul, o público ainda poderá se divertir gratuitamente com as apresentações da contadora de histórias Sandra Lessa, que acontecem às 14h30 e 15h30, com a performance baseada nas histórias de vida dos depoentes de 2014.

Cada participante poderá levar para casa um exemplar de um livro produzido pelo Museu da Pessoa, instituição pioneira e que há 22 anos se dedica a transformar histórias de vida em informação, dispondo de um rico acervo virtual e colaborativo. Atualmente, conta com 16 mil depoimentos de histórias de vida, de pessoas comuns e figuras públicas.

“Ao longo desses anos, temos trabalhado com grandes empresas em projetos que tem promovido suas marcas através de ações que valorizem a memória institucional, da comunidade em que está inserida ou do seu público consumidor. Diversos projetos já foram criados para organizações como, por exemplo, Whirpool, Anglo American, Petrobras, Votorantim, Vale, Nestlé e Pfizer”, ressalta Karen Worcman.

As Obras

Mulheres Que Fazem História é fruto de uma parceria entre o Museu da Pessoa e o Instituto Consulado da Mulher, ação social da Consul, que já beneficiou mais de 32 mil pessoas de todo o Brasil, que saíram da informalidade, iniciaram seu micro negócio e desenvolveram iniciativas de geração de renda em variadas atividades econômicas.

A obra reúne 30 depoimentos de mulheres assessoradas pelo Instituto, em cidades como São Paulo (SP), Guarujá (SP), São Bernardo do Campo (SP), Rio Claro (SP), Cordeirópolis (SP), Manaus (AM), Joinville (SC, Conceição de Coité (BA) e Lauro de Freitas (BA).

Todo Mundo Tem Uma História Para Compartilhar, desenvolvido pelo Museu da Pessoa em parceria com a Nestlé, reúne 44 narrativas que tratam dos ciclos de vida, mostrando a partir da vivência de pessoas do campo e da cidade, como elas vivem e se relacionam com desafios básicos, como trabalho, alimentação, maternidade, cuidados com o outro.

Essas histórias de vida foram coletadas entre fevereiro e setembro de 2014, em várias cidades do Sudeste do País, como Águia Branca, Carmo de Minas, Floreal, Iacri, Itirapina, Linhares, Mirandópolis, Mogi Mirim, Piracicaba, Rio de Janeiro, São José do Rio Pardo, São Lourenço e Vitória. A obra integra o Projeto Ouvir o Outro, da Nestlé, que registrou em vídeo 60 depoimentos em diferentes regiões brasileiras, como forma de promover conhecimento e contribuir com a preservação da memória no Brasil.

Sobre o Museu da Pessoa

Tem por objetivo democratizar a construção da memória social por meio da valorização de histórias de vida de toda e qualquer pessoa da sociedade. O material coletado é organizado e disseminado por meio de produtos culturais como livros, exposições, documentários, sites etc., e utilizado posteriormente em projetos socioculturais, colaborando com a transformação da cultura e dos valores, promovendo o diálogo e contribuindo na difusão das memórias individuais e coletivas. Em 20 anos de atuação, o Museu da Pessoa inspirou a criação de três outros museus, em Portugal, Canadá e EUA. Hoje conta com um acervo de 16 mil depoimentos de histórias de vida e 72 mil documentos e imagens que contam a história de instituições, cidades e de grupos sociais diversos.

Sobre o Consulado da Mulher

Presente em 17 Estados do País e 55 municípios, o Consulado da Mulher assessora 122 empreendimentos populares, beneficiando diretamente 6.550 mulheres e suas famílias. Desde a sua fundação em 2002, o Instituto já beneficiou mais de 32 mil pessoas em todo o Brasil. Por meio de assessoria técnica a mulheres em vulnerabilidade social e econômica, o Consulado da Mulher atua para identificar oportunidades de geração de trabalho e renda e desenvolve uma atividade empreendedora que permita melhores condições financeiras e de vida a elas e suas famílias. Elas recebem capacitação, cursos técnicos e doação de eletrodomésticos da Consul como meio de produção. Com conhecimento e mais confiantes, essas mulheres podem aumentar a renda, sair da informalidade, ampliar seus negócios e sustentar suas famílias.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.jornaldiadia.com.br/news/noticia.php?Id=50046#.VIhy-mcr1sU

Palhaços vão tomar conta do Museu da Língua Portuguesa

No sábado, dia 13, 



Comemorando o Dia Nacional dos Palhaços, no sábado dia 13 de dezembro,como já acontece desde sua inauguração, um grupo de palhaços realizará apresentações poéticas e divertidas nas áreas expositivas do Museu da Língua Portuguesa. A atividade é totalmente gratuita e basta retirar na bilheteria o ingresso para visitar o Museu.


As intervenções, de 20 minutos cada,acontecerão em 3 horários diferentes, confira abaixo:


1ª. Entrada – 12h



Cortejo poético criando uma trajetória musical pelo espaço.

Paradas com fragmentos de Poesia: Tiradas de Shakespeare – Haikais e poemas mimizados

Intervenção cômica: Paródia Musical – Blue Moon – (Voz, funil e acordeon)




2ª. Entrada – 13h



Cortejo poético criando uma trajetória musical pelo espaço.

Parada: número tradicional de palhaço “A Vidente”

Intervenção cômica: Paródia Musical




3ª. Entrada – 14h



Cortejo poético criando uma trajetória musical pelo espaço.

Parada: Jogos com Poesias

Intervenção cômica: Paródia Musical – Summer Time (Voz , funil e acordeon)


Venha visitar o Museu e aproveite para se divertir com estes profissionais do riso, que há séculos divertem todas as gerações !


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.museudalinguaportuguesa.org.br/noticias_interna.php?id_noticia=431

Museu da Música - Itu completa 7 anos com evento cultural Publicado: Terça-feira, 9 de dezembro de 2014 por Jéssica Ferrari

Data conta com lançamento
de publicação e concerto.

Museu da Música lança o seu
terceiro Caderno de Música


No dia 14 de dezembro, o Museu da Música – Itu completa 7 anos de criação. Para celebrar a data foi preparado um evento que conta com a participação do Coral Vozes de Itu, quando será celebrado um importante convênio de cooperação cultural com a Igreja do Bom Jesus e será lançado o terceiro volume dos Cadernos de Música do museu.

Na ocasião será aberto o ano comemorativo dos 250 anos de construção da Igreja do Bom Jesus e 150 anos da chegada dos Jesuítas a Itu.

Programação:
14/12 (domingo)

10h – Igreja do Bom Jesus
Assinatura do Convênio de Cooperação Cultural entre o Instituto Cultural de Itu (mantenedora do Museu da Música) e a Igreja do Bom Jesus para realização conjunta de diversos projetos culturais, entre eles:
a celebração dos 250 anos de construção da Igreja do Bom Jesus
a celebração dos 150 anos da chegada dos Jesuítas a Itu
a realização anual do Sermão das Sete Palavras
a organização e conservação da Biblioteca Histórica da Igreja do Bom Jesus.

Na ocasião o Grupo Lorenzon fará a entrega das estantes especiais para o acervo da biblioteca, que está oferecendo graciosamente ao projeto cultural.

Finalizando o evento, o Museu da Música lança o seu terceiro Caderno de Música, publicação de pesquisa no acervo do museu, cujo título é “Robert Godding, Jesuíta músico em Itu”, sobre a trajetória do compositor inglês que viveu em Itu por cerca de vinte anos, na Igreja do Bom Jesus. A publicação foi editada graças ao investimento de associados do Museu da Música e apoio cultural do Sincomércio – Itu.

10h15 – Rua Paula Souza
Cortejo de Reis, quando o Coral Vozes de Itu cantará as Loas de Natal da tradição popular da região Norte do Brasil. Haverá uma parada no Museu da Energia, que completa na ocasião, seus 15 anos de fundação, quando o grupo homenageia a instituição.

11h – Igreja Matriz de Nossa Senhora Candelária
Concerto de Natal com o Coral Vozes de Itu cantando músicas da tradição de Natal na Europa e no Brasil.

Os Cadernos de Música estarão à venda, aos interessados, ao valor de R$ 20,00 (vinte reais). Toda a renda é revertida para atividades culturais do Museu da Música.

O evento é realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de Itu e conta com apoio do Instituto Cultural de Itu, Igreja do Bom Jesus, Paróquia de Nossa Senhora Candelária e Associação Cultural Vozes de Itu.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.itu.com.br/cultura/noticia/museu-da-musica-itu-completa-7-anos-com-evento-cultural-20141209

Museu de Arte Sacra de SP tem exposição de presépios de papel


Exposição de montagens de papel foi inaugurada neste fim de semana.
Presépios de papel ficam expostos até janeiro.



O Museu de Arte Sacra de São Paulo, na Avenida Tiradentes, no Centro de São Paulo, inaugurou no sábado (6) uma exposição de presépios de papel. Um presépio napolitano de 1620 peças é um dos destaques do acervo permanente do espaço que fica em uma das alas do Mosteiro da Luz.


Presépios de papel são de origem europeia
(Foto: Letícia Macedo/ G1)

A representação do nascimento de Cristo em montagens de papel remonta do século XVII quando as famílias ricas da Itália e da Áustria contratavam artistas para representar a natividade. O costume se difundiu com o aparecimento de técnicas como a litografia e, posteriormente, de máquinas mais modernas de impressão. Eles são bem conservados e pequenos. Na mostra, que ocupa uma sala, os mais antigos datam do início do século XIX e tem origem alemã.

O interessante da mostra é observar quão diferente são as representações do local onde Maria, José e o recém-nascido receberam a visita dos reis magos. Alguns elementos presente nas cenas, como neve ou plantas, demonstram uma leitura tipicamente europeia do episódio bíblico.

Presépio napolitano
Um presépio, doado por Ciccilo Matarazzo, ocupa 110 metros quadrados em uma sala anexa ao museu. O conjunto, além da Sagrada Família, a montagem retrata o cotidiano de uma aldeia napolitana do século XVIII. Objetos, móveis, utensílios, comestíveis e animais dão muita vida à montagem. O presépio tem várias profissões urbanas e homens do campo. Muitos anjos muito delicados estão suspensos sobre a cena da natividade. O presépio chama a atenção dos visitantes principalmente com a aproximação das festas de fim de ano.
Presípio tem 1620 peças e retrata vila napolitana (Foto: Letícia Macedo/ G1)

Museu de Arte Sacra de São Paulo
Presépio da Natividade: exposição permanente
Presepe di Carta – Coleção Celso Battistini Castro Rosa
Período: até 6 de janeiro de 2015.
Avenida Tiradentes, 676 – Luz, São Paulo
Tel.: (11) 3326.3336 – agendamento de visitas monitoradas
Horário Terça a sexta das 9h às 17h, sábado e domingo das 10h às 18h
Ingresso R$ 6,00 (estudantes pagam meia entrada); grátis aos sábados
Para mais informações, visite o site da página.

 


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti Do G1 São Paulo

 


LE MUSÉE GRÉVIN SE "FASHIONISE" AVEC UN NOUVEL UNIVERS MODE

QUE DE RENOUVEAU AU MUSÉE GRÉVIN ! DES ICÔNES DE LA FASHION SPHÈRE COMME INÈS DE LA FRESSANGE OU CARA DELEVINGNE VONT AVOIR DROIT À LEURS STATUES DE CIRE, DANS UN NOUVEL UNIVERS DÉDIÉ À LA MODE. LE LIEU EN PROFITE ÉGALEMENT POUR SE REFAIRE UNE BEAUTÉ AVEC UNE RESTAURATION DE L'INTÉRIEUR DU MUSÉE.




Le musée Grévin se transforme et se modernise ! Lundi prochain aura ainsi lieu une étape cruciale de ce coup de jeune : l'inauguration d’un nouvel Univers Mode "Grévin Fashion". Le musée parisien a en effet décidé de consacrer un espace privilégié à de grands noms de la mode ou à des tops reconnus. Plusieurs personnalités vont ainsi avoir droit à leur double de cire : Ines de La Fressange et Chantal Thomass par exemple, qui viendront baptiser ces changements lundi prochain lors d’une soirée privée, ou encore les mannequins Cara Delevingne et Coco Rocha.

Mais le changement ne s'arrête pas là. Un "son et lumière" conçu sur mesure, des décors en noir et blanc, des photographies d’art et d’immenses miroirs, grâce auxquels les colonnes se multiplieront à perte de vue... La mise en scène des lieux a été totalement repensée pour livrer au public un univers contemporain tout en gardant le décor patrimonial.

Les visiteurs pourront découvrir toutes ces nouveautés dès le 16 décembre. Et pour permettre au plus grand nombre de venir apprécier ce nouvel univers Fashion Grévin, un tarif spécial soirée "édition limitée" à moins 30% sera disponible pendant les vacances de Noël du 20 décembre au 4 janvier.

Musée Grévin

10 Boulevard Montmartre, à Paris


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.grazia.fr/mode/news/le-musee-grevin-se-fashionise-avec-un-nouvel-univers-mode-718636

MUSEOS Y SU FUNCIÓN SOCIAL · en INSTITUCIONES, MUSEO,OPINIÓN. ·

“No existe la estabilidad social
si no hay estabilidad individual”.
Aldoux Huxley

Desde el año 1974, que ya ha llovido, con la declaración de Santiago de Chile de la International Council of Museums (ICOM), el concepto de museo que fue definido allí es el siguiente: “una institución al servicio de la comunidad y de su desarrollo”. El museo es por tanto un activo social contribuyendo a la evolución de la sociedad en aspectos como son la cultura, la ciencia, el turismo y el desarrollo económico.


La función básica del museo es situar a los visitantes dentro de su mundo para que tomen conciencia de su problemática como individuo integrante de la sociedad. Es un concepto que no se aísla de algunos planteamientos museísticos nuevos o especializados, considerando que esta idea dibuja un camino si cabe más racional y lógico para llegar finalmente a la meta del desarrollo y evolución de los museos como entidades al servicio de la sociedad. El museo debe ser siempre un instrumento al servicio de la comunidad. Si el museo se compromete con la sociedad, debe programar las estrategias necesarias para atraer a los visitantes potenciales, sea cual sea su origen, nivel socio-económico o cultural. Este es un hecho que se ha convertido en el lema de los museos que defienden por encima de todo su responsabilidad en la colaboración para la educación de la sociedad, además de ser herramientas para la inclusión social y para humanizar, si cabe, a la comunidad.

Archivo EVE

Como decíamos en la entrada de ayer, las tendencias de los grandes museos en su relación con la sociedad, es defender sus políticas económicas por encima de todo, evolucionando cada vez más en este sentido hasta convertirse en corporaciones para una élite. Los grandes museos se alejan de la sociedad y los museos locales corren el peligro de extinción total. La sociedad no se ve cercana a las grandes instituciones-corporaciones, así la sociedad no se integrará como comunidad del museo, no se apoyará en el museo para aprender más cosas, para ser mejores personas. Si alguien nos dice que se siente perfectamente integrado en la “sociedad Guggenheim”, por poner un ejemplo, que nos escriba por favor y nos lo cuente. Los museos no deben convertirse en islas autárquicas alejadas de las personas, no deben obsesionarse reafirmando su altísimo pedestal inamovible.


Pensamos en la comunidad y observamos que lo común, lo cercano, tiene más peso sobre la difusión y conocimiento del patrimonio cultural que cualquier otra iniciativa, lo cercano funciona, sin aspavientos. Este modelo cercano de museo debe promoverse desde la administración central en colaboración con entidades colaboradoras que aseguren la viabilidad del proyecto museístico. No estamos inventando nada nuevo; en Estados Unidos o en Inglaterra los museos trabajan con la sociedad desde hace décadas, evolucionando juntos. Muchos museos norteamericanos se financian con aportaciones privadas (y que desgravan impuestos) que van desde una pequeña aportación del ciudadano de a pie, a una sustanciosa aportación de una corporación industrial (y que desgrava impuestos), contribuyendo todos en la medida de sus posibilidades, permitiendo que la institución sea “suya”, sea social. También se ponen en marcha todo tipo de iniciativas para conseguir fondos, como puede ser la edición de una revista para su comunidad, venta de merchandising y hasta la organización de mercadillos. Y que no se entienda esta forma de mantener a los museos como “paternalismo” cultural. De esta forma, la sociedad acaba por sentir la institución como algo propio, un servicio público, algo que hay que defender porque es patrimonio de su comunidad, como aportación al bien universal social. El museo en realidad no debe “pertenecer a nadie”, es un bien de todos, no debe estar al servicio de un grupo ideológico, económico, corporativo o de una clase social determinada, debe tener una marcada función social. No hay otra.


El museo, como lo entendemos nosotros, se marca como objetivo acercarse a toda la sociedad que tiene voz para crear una vinculación estable con ella, estableciendo y difundiendo valores humanos, mejorando el status quo cultural y emocional de la sociedad. Siempre decimos lo mismo, somos muy pesados, pero es que creemos en ello totalmente, a pie juntillas, los museos deben conseguir que una vez que salgamos de ellos nos hayamos convertido en mejores personas. La cultura es el único camino hacia la paz y la libertad y alguien debe dar el primer paso para que no siga siendo esto solo una frase chula.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti