terça-feira, 31 de março de 2015

Muzej slovenskih filmskih igralcev, Muzej Divača - Ita Rina, the actress - Museu de Atores de Filme esloveno


Zgodovina



Muzej slovenskih filmskih igralcev, ki ga upravljata Občina Divača in Slovenska kinoteka, domuje v prenovljeni Škrateljnovi domačiji v Divači, enkratnem primeru kraške arhitekture. V Divači sta se rodili kar dve znameniti filmski igralki: leta 1903 Metka Bučar, leta 1907 pa Ida Kravanja, ki je z umetniškim imenom Ita Rina zaslovela kot zvezda evropskega nemega filma.

Leta 1997 je Občina Divača v sodelovanju z Zavodom za varstvo kulturne dediščine Nova Gorica obnovila stanovanjsko hišo domačije – Škrateljnovo hišo. Slovenska kinoteka pa je v prvem nadstropju uredila stalno razstavo posvečeno življenju in delu Ite Rine. Ob prenovi gornjega nadstropja Škrateljnove hiše v razstavni prostor se je prvemu direktorju Slovenske kinoteke Silvanu Furlanu porodila ideja, da bi stalno razstavo, posvečeno prvi slovenski filmski zvezdi, nadgradili v Muzej slovenskih filmskih igralcev.

Obnova se je začela leta 2002, ko je arhitekt Vojteh Ravnikar v svojem seminarju za študente Fakultete za arhitekturo Univerze v Ljubljani pripravil natečaj načrta prenove. Leta 2007 je Občina Divača kot nosilka projekta obnove kandidirala za sredstva Norveškega finančnega mehanizma. Projekt je bil odobren leto pozneje, pogodba z Norveškim finančnim mehanizmom pa je bila podpisana 3. junija 2008. Julija 2010 je bila obnova Škrateljnove domačije končana, 8. julija 2011 pa je bil Muzej slovenskih filmskih igralcev svečano odprt.
skrateljnova domacija  nekoc 01

skrateljnova domacija  nekoc 02

skrateljnova domacija  nekoc 03

skrateljnova domacija  nekoc 04



fonte:
@edisonmariotti
#edisonmariotti 
www.muzejdivaca.si

colaboração 

Milena Parteli



via tradutor do google

A História
Museum de Atores de Filme esloveno, administrado pelo Município de Divača e esloveno Cinematheque, está em uma fazenda renovado em Škratelj Divači, um único caso de arquitetura cárstica. Em Divači nascem com dois famosa atriz de cinema: 1903 Metka Bucar de 1907 Ita Rina, que é o nome artístico Ita Rina chegou à fama como a estrela do cinema mudo europeu.

Em 1997, o município de Divača em cooperação com o Instituto de Defesa do Património Cultural Nova Gorica quinta restaurada casa de habitação - casa Škrateljnovo. Esloveno Cinemateca fica no primeiro andar organizou uma exposição permanente dedicada à vida e obra de Ita Rina. Ao renovar o andares superiores casa Škratelj no showroom foi o primeiro Diretor da idéia esloveno Cinematheque Silvan Furlan para fazer uma exposição permanente dedicada à primeira estrela de cinema esloveno, atualizou o Museum of Actors de Filme esloveno .

Restauração começou em 2002, quando o arquiteto Vojteh Ravnikar em seu seminário para estudantes da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Ljubljana preparou plano concurso renovação. Em 2007, o município de Divača como um portador do projeto de restauração aplicada para o financiamento do mecanismo financeiro da Noruega. O projeto foi aprovado um ano depois, o contrato com o mecanismo financeiro da Noruega foi assinado em 3 de Junho de 2008. Em julho de 2010, a renovação casa Škrateljnova concluída em 8 de julho de 2011, o Museu de Atores esloveno Filme solenemente aberta.

Franklin G. Burroughs-Simeon B. Chapin Art Museum, em Myrtle Beach, na Carolina do Sul., monges criam por 6 dias mandala de areia que será destruída

Grão por grão, eles preenchem o desenho, que é feito para ser efêmero.
Segundo o costume, obra será destruída e areia será jogada no mar.

Monges durante cerimônia que inicia a construção da mandala em museu dos EUA (Foto: The Sun News, Charles Slate/AP)


Grão por grão e com muita paciência, monges tibetanos estão construindo uma mandala de areia colorida dentro de um museu dos Estados Unidos.

O trabalho dura seis dias e, como dita o costume, será destruído assim que for terminado, durante uma cerimônia no sábado, 4 de abril. A areia será jogada no oceano.

Monges traçam linhas da mandala que será preenchida com areia colorida (Foto: AP Photo/The Sun News, Charles Slate)


Monges do monastério de Depung Gomang começaram o trabalho nesta segunda-feira (30) no Franklin G. Burroughs-Simeon B. Chapin Art Museum, em Myrtle Beach, na Carolina do Sul. A ideia da construção da mandala, segundo o museu, é “gerar energias para a saúde e a paz global”.

A instituição terá durante a semana atividades gratuitas e abertas ao público, como oficinas de meditação e mandalas em livros de colorir.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2015/03/em-museu-monges-criam-por-6-dias-mandala-de-areia-que-sera-destruida.html

Penelope Curtis será a primeira estrangeira a dirigir o Museu Gulbenkian

A historiadora britânica de arte Penelope Curtis, 53 anos, que assumirá o cargo de diretora do Museu Calouste Gulbenkian a partir do outono deste ano, será a primeira estrangeira a dirigir esta entidade.

Desde abril de 2010 no cargo de diretora da galeria Tate Britain, em Londres, Penelope Curtis irá suceder a João Castel-Branco Pereira, 68 anos, que foi diretor do Museu Calouste Gulbenkian entre 1998 e 2014, altura em que anunciou a aposentação.

No cargo atual, em Londres, onde coordenou várias exposições, Curtis foi responsável pela abertura da nova Tate Britain, em 2013, e pela reorganização das galerias.

Penelope Curtis estudou História Moderna no Corpus Christi College, em Oxford (1979--1982), e fez um mestrado e um doutoramento sobre escultura francesa pós-Rodin no Courtauld Institute of Art (1983--89).

O seu campo de investigação incide sobretudo na arte do período entre as duas guerras mundiais, arquitetura e arte contemporânea, tendo publicado vários livros e ensaios sobre estes temas.

Antes de assumir a direção da Tate Britain, Penelope Curtis foi curadora no Henry Moore Institute, em Leeds, no norte da Inglaterra, a partir de 1999, tendo sido responsável por um programa de exposições que incluiu esculturas de todas as épocas.

Sob a sua direção, foi desenvolvida investigação sobre as coleções da Tate Britain, lançadas novas publicações e adquiridas obras de artistas como Rodin, Epstein e Calder.

Foi a primeira curadora de exposições na Tate Liverpool, quando da abertura da galeria, em 1988.


Penelope Curtis


Assinou a curadoria e cocuradoria de exposições como "Barbara Hepworth: A Retrospective", na Tate Liverpool, em 1994, "Sculpture in Painting", em 2010, no Henry Moore Institute e Modern British Sculpture, na Royal Academy, em 2011.

Tem realizado conferências em museus e universidades dentro e fora do Reino Unido, foi ainda presidente do júri do Turner, um dos mais prestigiados prémios de arte britânicos.

Foi membro da Art Commissions Committee for the Imperial War Museum e, entre outros cargos, faz atualmente parte do Advisory Committee for the Government Art Collection.

As publicações da sua autoria incluem "Sculpture 1900--1945", no "Oxford History of Art" (Oxford editora 1999) e "Patio & Pavilion: the place of sculpture in modern architecture" (Ridinghouse/Getty, 2007).

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=816732&tm=4&layout=121&visual=49

Danças Folclóricas do Brasil - Museu dançante - O desafio trazido ao museu pelas obras que levam o público a se movimentar pelo espaço motivou o convite à São Paulo Companhia de Dança para experimentar o processo de criação de coreografias no MAM.

O que são danças folclóricas, coreografia, músicas, instrumentos musicais, história, principais danças, aspectos culturais



Introdução 

As danças sempre foram um importante componente cultural da humanidade. O folclore brasileiro é rico em danças que representam as tradições e a cultura de uma determinada região. Estão ligadas aos aspectos religiosos, festas, lendas, fatos históricos, acontecimentos do cotidiano e brincadeiras. As danças folclóricas brasileiras caracterizam-se pelas músicas animadas (com letras simples e populares) e figurinos e cenários representativos. Estas danças são realizadas, geralmente, em espaços públicos: praças, ruas e largos.



Principais danças folclóricas do Brasil

Frevo

Este estilo pernambucano de carnaval é uma espécie de marchinha muito acelerada, que, ao contrário de outras músicas de carnaval, não possui letra, sendo simplesmente tocada por uma banda que segue os blocos carnavalescos enquanto os dançarinos se divertem dançando. Os dançarinos defrevo usam, geralmente, um pequeno guarda-chuva colorido como elemento coreográfico.







Samba de Roda

Estilo musical caracterizado por elementos da cultura afro-brasileira. Surgiu no estado da Bahia, no século XIX. É uma variante mais tradicional do samba. Os dançarinos dançam NUMA roda ao som de músicas acompanhadas por palmas e cantos. Chocalho, pandeiro, viola, atabaque e berimbau são os instrumentos musicais mais utilizados.
Resultado de imagem para samba de roda



Maracatu

O maracatu é um ritmo musical com dança típico da região pernambucana. Reúne uma interessante mistura de elementos culturais afro-brasileiros, indígenas e europeus. Possui uma forte característica religiosa. Os dançarinos representam personagens históricos (duques, duquesas, embaixadores, rei e rainha). O cortejo é acompanhado por uma banda com instrumentos de percussão (tambores, caixas, taróis e ganzás).

Resultado de imagem para maracatu







Baião

Ritmo musical, com dança, típico da região nordeste do Brasil. Os instrumentos usados nas músicas de baião são: triângulo, viola, acordeom e flauta doce. A dança ocorre em pares (homem e mulher) com movimentos parecidos com o do forró (dança com corpos colados). O grande representante do baião foi Luiz Gonzaga.




Catira

Também conhecida como cateretê, é uma dança caracterizada pelos passos, batidas de pés e palmas dos dançarinos. Ligada à cultura caipira, é típica da região interior dos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Goiás e Mato Grosso. Os instrumento utilizado é a viola, tocada, geralmente, por um par de músicos.




Quadrilha

É uma dança típica da época de festa junina. Há um animador que vai anunciando frases e marcando os momentos da dança. Os dançarinos (casais), vestidos com roupas típicas da cultura caipira (camisas e vestidos xadrezes, chapéu de palha) vão fazendo uma coreografia especial. A dança é bem animada com muitos movimentos e coreografias. As músicas de festa junina mais conhecidas são: Capelinha de Melão, Pula Fogueira e Cai,Cai balão.

Resultado de imagem para quadrilha



fonte:
@edisonmariotti #edisonmariotti
 http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/dancas_folcloricas.htm
 http://mam.org.br/exposicao/museu-dancante/







Como um corpo se posiciona? As artes visuais e a dança encaram o desafio comum de lidar com corpos no espaço. Para a dança, a ocupação de palcos e tablados sempre foi associada ao movimento, mas a escultura tradicionalmente trabalha com objetos parados.








No entanto, as artes visuais ultrapassam as fronteiras estabelecidas ao produzirem obras que convidam o público a agir, abandonando a posição passiva característica da contemplação. Além de poder circundar a escultura, o público passa a tocar, penetrar, subir, descer, pisar, sentar, deitar etc. Essas obras criam, assim, situações de movimentação do público que transformam as exposições em locais de intensa interação corporal.

O desafio trazido ao museu pelas obras que levam o público a se movimentar pelo espaço motivou o convite à São Paulo Companhia de Dança para experimentar o processo de criação de coreografias no MAM. Foram selecionadas obras do acervo que contêm elementos de composição compartilhados pela dança: gravidade, desequilíbrio e flutuação. Além de esculturas, foram também selecionados desenhos, performances, instalações, fotografia e filmes que motivem o público a se mexer.

A disposição das peças na Grande Sala permite ao coreógrafo propor movimentos aos bailarinos no mesmo espaço habitado pelo público do museu. Não há palco nem plateia: o movimento do público e o do bailarino compartilharão o mesmo solo, ambos motivados pelas obras aqui expostas. O museu não é um lugar de repressão corporal e silêncio: para incitar o público a se ver como agente da criação artística, recebemos a São Paulo Companhia de Dança para um baile das artes.






Nos períodos de intervalo, exibiremos filmes sobre a produção da São Paulo Companhia de Dança, bem como seus documentários sobre expoentes da dança no Brasil.