Google+ Followers

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Abrir museus de Santa Catarina, Brasil, a eventos estão entre ações para atrair mais público

Abrir os museus para eventos, realizar mostras e apresentações culturais estão entre as ações para atrair mais visitantes aos museus catarinenses. Santa Catarina é o segundo estado com melhor taxa de habitantes por museu – há um para cada 28.299 habitantes, segundo levantamento feito pelo G1, com base em dados do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Pelo menos 105 dos 295 municípios catarinenses contam com espaços museológicos, nove estão fechados.

Palácio Cruz e Sousa recebeu pouco mais de 30 mil visitantes em 2014 (Foto: Valéria Martins/G1)
Abrir Palácio Cruz e Sousa está entre os planos da Sol
para atrair mais visitantes (Foto: Valéria Martins/G1)

O Sistema Estadual de Museus não contabilizou o número de visitantes nos museus catarinenses, mas avalia que 60% do público é composto por estudantes de todos os níveis, 19% por turistas, 16% por moradores locais e 4% por pesquisadores externos.

Para o coordenador do Sem/SC, Maurício Rafael, isso ocorre porque os espaços atendem em horário comercial e muitos não abrem aos finais de semana e à noite por falta de equipe.

O Museu Histórico de Santa Catarina (Palácio Cruz e Sousa) em Florianópolis, por exemplo, recebeu 34.321 pessoas em todas as atividades realizadas em 2014. A Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte (Sol) tem planos "ambiciosos" para levar mais pessoas ao Palácio Cruz e Sousa.

“A ideia é construir uma interação maior com a sociedade, abrir para eventos, a exemplo de museus na Europa, usando o jardim e algumas salas. Existem pessoas que dificilmente vão ao museu e elas podem ir por causa do evento e despertar o interesse de ir mais vezes. Entre os eventos: mostras, exposições, casamentos, ensaios fotográficos. O que for possível e o calendário permitir”, afirma o secretário da Sol, Filipe Mello.,


Museus dinâmicos 

Para o coordenador do Sem/SC, o investimento em capacitação torna os espaços museológicos mais dinâmicos e atraentes ao público.

“Ainda existe o preconceito de que o museu é um local de coisas velhas e antigas, que toda vez que voltar, vai encontrar o mesmo acervo em exposição. Com o espaço dinâmico, consequentemente, a comunidade começa a se atrair”, afirma o coordenador

O fotógrafo, cineasta e coordenador do Instituto de Memórias e Imagens Câmara Clara, Daniel Choma, de 35 anos, sugere ações para atrair mais a população aos museus. Segundo ele, parcerias com instituições do terceiro setor dariam maior vazão para desenvolver novos projetos.

“Acredito que os esforços atuais de aproximar os museus das escolas são importantes. Além disso, a diversificação das atividades pode ser um bom caminho, como mostra de filmes, apresentações musicais, exposições a céu aberto. Outra via é realizar parcerias com a sociedade civil para a superação dos problemas. Agora, um maior investimento do estado é essencial”, observa.

Além de ações para dar movimento aos museus, uma boa localização e arquitetura também são indispensáveis, conforme analisa o estudante de arquitetura Artur Hugo da Rosa, de 20 anos.

“Os museus podem ser mais bem localizados ou terem uma presença arquitetônica mais influente sobre as pessoas, gerando esse ponto focal na cidade e interesse nas pessoas em visitá-lo. Por exemplo, o Museu de Arte de São Paulo (Masp) tem uma presença forte na paisagem da cidade”, opina.

Museus são referência para 'futuro melhor'

De acordo com Maurício Rafael, a população catarinense vai procurar os museus quando conhecê-los melhor e se identificar com o local. “A gente trabalha na perspectiva de que os museus atendam sua função social e que a sociedade se sinta identificada com o que esteja exposto, que se tenha um grande círculo de visitação local e de turistas", afirma.

Segundo o cineasta Daniel Choma, o museu cumpre sua função social com o público e pode contribuir para "evitar erros do passado".

"Os museus são espaços portadores de importantes fragmentos da memória social. Um povo que não conhece a sua história é como um órfão em abandono e desmemorializado, sem qualquer referência para seguir adiante e construir um futuro melhor", conclui.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2015/07/abrir-museus-de-sc-eventos-estao-entre-acoes-para-atrair-mais-publico.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário