Google+ Followers

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Museu de São Carlos, São Paulo, Brasil, é reinaugurado com mostra sobre a Revolução de 32

Espaço reúne objetos, documentos e réplicas como a do 'trem da morte'.


Reinaugurado após passar quase dois anos em reforma, o Museu de São Carlos (SP) apresenta ao público a exposição "A Guerra Civil de 1932", que reúne objetos, documentos e réplicas de peças presentes na luta que mobilizou o Estado de São Paulo contra Getulio Vargas e em prol de uma Constituição.

São morteiros, armas, munição e capacetes, além de itens como a miniatura do “trem fantasma da morte”. A locomotiva recebeu esse nome porque, enquanto seu farol cegava os oponentes, deixando-os vulneráveis, soldados embarcados disparavam e, muitas vezes, acertavam o alvo.

Miniatura do 'trem fantasma da morte' é uma das
atrações da exposição (Foto: Reprodução/EPTV)

“O museu foi reaberto há dois meses. Ele ficou quase dois anos em reforma. Nós refizemos toda a forração do museu, em algumas salas nós mantivemos a espessura original do forro que era utilizado aqui no prédio da estação de São Carlos, nós também revitalizamos o piso e hoje o museu está aberto à população com essa exposição 'A Guerra Civil de 1932'", disse a chefe da unidade, Luana Vieira.

O museu está localizado na antiga Estação, na Praça Antônio Prado, e funciona aos sábados, domingos e feriados das 9h às 16h. De terça a sexta, o horário de funcionamento é das 9h às 17h. A entrada é gratuita. Mais informações: (16) 3373-2700.

História
Em 1930, um ano depois da crise do café, Getúlio Vargas assumiu o país. No governo provisório, o presidente nomeou interventores para governar São Paulo. Contrariados, os grandes fazendeiros de café começaram a organizar um movimento no estado para derrubar Vargas e pedir uma nova constituição no país.

Como as reivindicações não foram atendidas, os paulistas começaram a se manifestar nas ruas contra o governo de Vargas. Em um desses protestos, em maio de 1932, uma reação policial provocou a morte de estudantes que militavam contra o governo, Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. As iniciais dos nomes (MMDC) se tornaram símbolo da revolução.

A revolução de 32 teve duração três meses. Neste período 135 mil homens participaram da batalha. Do lado paulista, 850 soldados perderam a vida.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/07/museu-de-sao-carlos-e-reinaugurado-com-mostra-sobre-revolucao-de-32.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário