Google+ Followers

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

O MUSEU DE ARTE MODERNA NOVA-IORQUINO VENCEU O PRÉMIO MAIS ALTO DOS LEADING CULTURE DESTINATION, CONSIDERADOS OS ÓSCARES DA ARTE E DA CULTURA.

Criado nos anos 20 por Lillie Bliss, Cornelius Sullivan e John D. Rockefeller para dar espaço à arte moderna em Nova Iorque. O museu tem crescido desde então e, graças às experiências multissensoriais que apresenta, venceu o prémio principal dos Leading Culture Destination.

O museu nova-iorquino é conhecido pelas exibições dos artistas mais reconhecidos do mundo e experiências artísticas fora-da-caixa, características que, aponta a CNN, parecem ter sido mais valorizadas na edição deste ano.

Os museus mais clássicos ficaram de fora e os mais irreverentes foram galardoados. Exemplos disso são o Tate Modern ou o Centro Georges Pampidou, bem como a Fundação Louis Vuitton, que venceu o Óscar da arquitetura e design.

Estes prémios sublinham um destino cultural emegente em quase todos os continentes do mundo, sendo que, na Europa, ficou decidido que o vencedor era o The Whitworth Hall, o museu de arquitetura gótica que pertence à Universidade de Manchester.

Um importante aspeto dos Prémios Leading Culture Destinations é o facto de sublinharem um destino cultural emergente em quase todos os continentes do mundo. Na Europa, quem venceu o galardão foi o The Whitworth Hall, o museu de arquitetura gótica que pertence à Universidade de Manchester, na Inglaterra.

Portugal não consta nem nunca constou da lista de nomeados para qualquer prémio. Mas a comunidade lusófona já foi representada com o Museu de Arte do Rio e Janeiro (MAR), no Brasil, que esteve apontado para ganhar o prémio de Melhor Destino Cultural Emergente da América Central e do Sul.
O MOMA, EM NOVA IORQUE, GANHOU O PRÉMIO PRINCIPAL.



SENDO CONSIDERADO O LÍDER DOS DESTINOS CULTURAIS DO ANO.

A FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON, EM PARIS, GANHOU O PRÉMIO DE MELHOR ARQUITETURA E DESIGN ESPACIAL.



O TATE MODERN, EM LONDRES, VENCEDOR DO PRÉMIO PARA MELHORES EXIBIÇÕES E PROGRAMAS.


O MUSEU DE ARTE MODERNA VENCEU TAMBÉM O PRÉMIO DE MELHOR EXPERIÊNCIA DIGITAL, COM A “RAIN ROOM”.


O CENTRO GEORGES POMPIDOU, EM PARIS, VENCEDOR DO PRÉMIO DE MELHORES BEBIDAS E COMIDA.



O PRÉMIO MELHOR LOJA FOI PARA O VICTORIA AND ALBERT MUSEUM, EM LONDRES.


THE WHITWORTH HALL, DA UNIVERSIDADE DE MANCHESTER, EM INGLATERRA, FOI CONSIDERADO O MELHOR DESTINO CULTURAL EMERGENTE DO ANO NA EUROPA.


O MUSEU DE ARTE DA PREFEITURA DE OITA, NO JAPÃO, VENCEU O MELHOR DESTINO CULTURAL EMERGENTE DO ANO NA ÁSIA.



MMP+, MARRAQUEXE, EM MARROCOS É O MELHOR DESTINO CULTURAL EMERGENTE DO ANO EM ÁFRICA.


MUSEU WHITNEY, NOVA IORQUE. MELHOR DESTINO CULTURAL EMERGENTE DO ANO NA AMÉRICA DO NORTE.


GRAN MUSEO DEL MUNDO MAYA DE MÉRIDA, MÉXICO. MELHOR DESTINO CULTURAL EMERGENTE DO ANO NA AMÉRICA CENTRAL E DO SUL.


O MUSEU ÁRABE DA ARTE MODERNA, DOHA, NO CATAR É O MELHOR DESTINO CULTURAL EMERGENTE DO ANO NO MÉDIO ORIENTE.


A CIDADE DO MÉXICO VENCEU O PRÉMIO DE MELHOR CIDADE EMERGENTE PARA A CULTURA.


ESTE É O MURAL DO HOTEL LA COLOMBE D’OR, SAINT-PAUL-DE-VENCE, EM FRANÇA. É NELE QUE SE VIVE A MELHOR EXPERIÊNCIA DE ARTE NUM HOTEL.

GAZETA DO ROSSIO




colaboração: OBSERVADOR.PT

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário