Google+ Followers

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

The Archaeology Museum of the American University of Beirut in Beirut, Lebanon is the third oldest museum in the Near East after Cairo and Constantinople.

The museum was formed in 1868 after Luigi Palma di Cesnola gifted a collection of Cypriot pottery to the newly formed American University of Beirut. Georges Post was the first curator of this collection and Morris Jesup donated the funds for construction of Post Hall (pictured) which opened in 1902.




There is much archaeological plundering in Lebanon due to weak governmental control and people arrive daily at the museum with suggested artefacts plundered from clandestine excavations. Between 1902 and 1938 the Museum acquired collections from all around the Middle East. The museum remained closed during World War II and re-opened in 1948. 




It expanded in the 1950s and doubled its floor space with a refurbishment under curator D.C. Baramki which opened to the public in 1964. The museum remained open during the years of crisis in Lebanon between 1975 and 1990 and underwent another complete renovation in 2006 under the present director, Dr. Leila Badre. 

A Mezzanine level was added that increased the space by one fifth using funds secured from the Joukowsky Family Foundation.The AUB Archaeological Museum is the third oldest museum in the Near East, after Cairo and Constantinople

The collections are organized by chronology and themes with displays along the sides of the gallery displaying the evolution of pottery. Other displays include The Cesnola Collection; the museums first showing pottery from Cyprus from the Bronze Age to the Roman era. The Pre-Historic collection includes Paleolithic and Neolithic eras. The Ksar Akil collection was donated from the University of Boston team who excavated this archaeological site in 1948. 

The display shows a 23 m stratigraphic sequence of thirty seven layers illustrated by the flint tools belonging to several cultures detected. The sequence is radiocarbon dated between 50,000 to 18,000 BP, and contained a human jaw dated to 40,000 BP and a complete skull dated to 35,000 BP.

The Paleolithic showcase displays the journey of man through the stone age covering important events such as the discovery of fire, hunting and cave paintings. The Neolithic showcase covers the dawn of agriculture, animal domestication, the beginnings of pottery, villages and religion. 

The terracotta figurines collection shows their evolution from the Bronze Age to the Roman era and their importance in the development of religion. The metal figurines collection, mostly of males and gods used as symbols of power. The Bronze Age displays show artefacts dated between 3000 BC and 1200 BC including evidence of early writing, trade and urbanization. 

The Iron Age displays shows evidence of the invasions of sea people and city states during the period between 1200 BC and 400 BC. The Phoenician showcases display the extraction of purple dye from murex shells, pottery and Phoenician glass. Phoenician religion is represented by a large stelae of a priest, a throne of Astarte, libation spoons and a glass amulet. 

Other notable features of this section include the Ford Mandible dating from the 5th century BC showing the earliest known example of dentistry. The Bodashtar inscription is also displayed along with an explanation of the development of the linear alphabet. The Classical period collection includes funerary reliefs from Palmyra, Egypt and the Levant, a Byzantine mosaic and collection of funerary sarcophagi displayed on the staircase leading to the mezzanine. 

The Islamic period displays materials from the Umayyad Period in 656 AD to the Ottoman Empire in the 19th century where glazed tiles and plates are shown.

The newly added Mezzanine include table cases displaying small objects, such as a collection of coins, scarabs and seals, lamps, amulets, cosmetics, jewelry, tools and weapons.

The museum has been involved in various archaeological research and recovery projects. In 1956-1974 the museum was involved in excavations at Tell el-Ghassil in the Beqaa Valley which was determined an agrarian site with levels dating from 1800 to 600 BC. Some of the Iron Age material recovered is displayed in the museum including a goblet with incised decoration of birds and ducks discovered at Tell el Yehudiyeh dating from 1730 to 1550 BC that was found next to a skeleton, presumed to be a funerary gift for use in the afterlife.

The museum has also carried out a number of excavations in Beirut Central District under the directorship of Dr. Leila Badre. These have included the ancient tell of Beirut, BEY 003 this was to try to discover the “Biruta” of the Amarna Letters. Evidence was found of a fortification system that constructed in the second millennium BC continuing until the Hellenistic period along with the remains of a building dating back into the third millennium BC and a hoard of Egyptian objects. 

Another site the museum has been involved with is BEY 012, Saint Georges Cathedral of the Greek Orthodox where excavations were carried out in 2001. Eight layers showed occupation from the Hellenistic period onwards, the remains of five, possibly six successive churches were found. Another site investigated was BEY 215, the an-Nahar building, revealing six levels of occupation dating from the Persian to Byzantine eraas showing continuous inhabitation since the 4th century BC. Tell Kazel in Syria has also excavated and studied by Dr. Leila Badre since 1985. Likely the ancient Simyra, levels from the Mameluk Period to the Bronze Age were discovered. 

Finds included a temple and rooms with sea shell paved floors. Visitors to the museum can view relics such as cylinder seals, necklaces, pottery and temple offerings organized according to their site location. The museum has also embarked on the restoration of the wall paintings of Mar Sarkis and Bakhos in Kaftoun with the University of Warsaw.



http://ddc.aub.edu.lb/projects/museum/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

compartilhe!


--br
O Museu de Arqueologia da Universidade Americana de Beirute em Beirute, Líbano é o museu mais antigo terceiro no Próximo Oriente após o Cairo e Constantinopla.

O museu foi formado em 1868 após Luigi Palma di Cesnola oferecida uma coleção de cerâmica cipriota para a Universidade recém-formado Americana de Beirute. Georges Post foi o primeiro curador desta coleção e Morris Jesup doou os fundos para a construção de Pós Hall (foto), que abriu em 1902.

Há muito pilhagem arqueológica no Líbano devido ao controle governamental fraco e as pessoas chegam diariamente no museu com artefatos saqueados sugeridas a partir de escavações clandestinas. Entre 1902 e 1938 o Museu adquiriu coleções de todo o Oriente Médio. O museu permaneceu fechado durante a Segunda Guerra Mundial e re-inaugurado em 1948.

Ela se expandiu nos anos 1950 e duplicou o seu espaço com uma reforma sob curador DC Baramki que abriu ao público em 1964. O museu permaneceu aberto durante os anos de crise no Líbano entre 1975 e 1990 e passou por outra reforma completa em 2006 ao abrigo do presente diretor, Dr. Leila Badre.

Um mezanino foi adicionado que aumentou o espaço para um quinto com recursos garantidos do Museu Arqueológico AUB Joukowsky Família Foundation.The é o terceiro museu mais antigo no Oriente Médio, depois de Cairo e de Constantinopla


As coleções são organizadas por cronologia e temas com exibições ao longo dos lados da galeria exibindo a evolução da cerâmica. Outros indicadores incluem a recolha Cesnola; os museus primeiro mostrando a cerâmica a partir de Chipre a partir da Idade do Bronze até a época romana. A coleção inclui Pré-histórico do Paleolítico e Neolítico eras. A coleção Ksar Akil foi doado pela Universidade de Boston equipe que escavou este sítio arqueológico em 1948.

O visor mostra uma sequência estratigráfica 23 m de trinta e sete camadas ilustradas pelas ferramentas de pedra que pertencem a várias culturas detectados. A sequência é radiocarbono datado entre 50.000 a 18.000 BP, e tem uma mandíbula humana datados de 40.000 BP e um crânio completo datado de 35.000 BP.

O showcase Paleolítico mostra a viagem do homem através da idade da pedra cobertura de eventos importantes, tais como a descoberta do fogo, caça e pinturas rupestres. O showcase Neolítico abrange os primórdios da agricultura, domesticação animal, os começos de cerâmica, aldeias e religião.

A coleção de figuras de terracota mostra sua evolução a partir da Idade do Bronze até a época romana e sua importância no desenvolvimento da religião. A coleção de figurinhas de metais, principalmente de homens e deuses usadas como símbolos do poder. Idade do Bronze monitores mostram artefatos datados de entre 3000 aC e 1200 aC incluindo provas de escrever cedo, comércio e urbanização.

A Idade do Ferro exibe mostra a evidência das invasões dos povos do mar e estados municipais durante o período entre 1200 aC e 400 aC. Os showcases fenícios exibir a extração de corante púrpura das conchas Murex, cerâmica e vidro fenício. Religião fenícia é representado por um grande estelas de um sacerdote, um trono de Astarte, colheres de libação e um amuleto de vidro.

Outras características notáveis ​​desta seção incluem a Ford Mandíbula que data do século aC 5 mostrando o mais antigo exemplo conhecido da odontologia. A inscrição Bodashtar também é exibido, juntamente com uma explicação sobre o desenvolvimento do alfabeto linear. A coleção período clássico inclui relevos funerários de Palmyra, Egito e do Levante, um mosaico bizantino e coleção de sarcófagos funerária exibido na escadaria que leva ao mezanino.

O período exibe islâmicos materiais do período de Umayyad em 656 AD para o Império Otomano, no século 19, onde azulejos e placas são mostrados.

O Mezzanine recém-adicionado incluem casos de mesa exibindo pequenos objetos, como uma coleção de moedas, escaravelhos e vedantes, lâmpadas, amuletos, cosméticos, jóias, ferramentas e armas.


O museu tem estado envolvida em vários projetos de pesquisa e recuperação arqueológicos. Em 1956-1974 o museu estava envolvido nas escavações em Tell el-Ghassil no Vale do Beqaa que foi determinado um local agrária com níveis datam de 1800 a 600 aC. Parte do material da Idade do Ferro recuperado é exibido no museu, incluindo um cálice com decoração incisa de aves e patos descobertas em Tell el Yehudiyeh namorando 1730-1550 aC que foi encontrado ao lado de um esqueleto, que se presume ser um presente funerário para uso em vida após a morte.

O museu também tem realizado uma série de escavações em Beirut Central District sob a direção do Dr. Leila Badre. Estes incluíram o antigo dizer de Beirute, BEY 003 este era tentar descobrir a "Biruta" das Cartas de Amarna. Foram encontradas evidências de um sistema de fortificação que construiu no segundo milênio aC continuando até o período helenístico, juntamente com os restos de um edifício que remonta ao terceiro milênio aC e um tesouro de objetos egípcios.

Outro site do museu foi envolvido com é BEY 012, Saint Georges Catedral da Igreja Ortodoxa Grega, onde escavações foram realizadas em 2001. Oito camadas mostrou ocupação do período helenístico em diante, os restos de cinco, possivelmente, seis igrejas sucessivos foram encontrados. Outro site investigado foi BEY 215, o edifício an-Nahar, revelando seis níveis de ocupação que data do persa para eraas bizantinos mostrando habitação contínua desde o século 4 aC. Diga Kazel na Síria também tem escavado e estudado pelo Dr. Leila Badre desde 1985. Provavelmente o Simyra antigo, os níveis, desde o período mameluco à Idade do Bronze foram descobertos.

Achados incluíram um templo e quartos com escudo do mar pisos pavimentados. Os visitantes do museu podem ver relíquias como selos cilíndricos, colares, cerâmica e ofertas templo organizados de acordo com a sua localização site. O museu também iniciou a restauração das pinturas de parede de Mar Sarkis e Bakhos em Kaftoun com a Universidade de Varsóvia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário