Listen to the text.

domingo, 11 de janeiro de 2015

Disputes damage hopes of rebuilding Afghanistan’s Bamiyan Buddhas

Plans are afoot to restore giant Buddhist symbols destroyed by the Taliban, but experts cannot agree on best way forward
 
Colossal Buddha at Bamiyan
The Sasal Buddha at Bamiyan, Afghanistan, pictured before its destruction in 2001. Photograph: Ian Griffiths/Corbis


It is always a shock reaching Bamiyan, coming face to face with the two huge cavities in the cliff face. The upright tombs stare out over the valley, a splash of vegetation surrounded by wild mountains. The town straddles the Silk Road, close to the point where it used to enter Persia, dwarfed by two massive mountain ranges, the Koh-i-Baba and Hindu Kush. The void left by the two destroyed Buddha figures is appalling, it rouses an emotion almost more powerful than their once tranquil presence did for centuries.

To understand what happened you must go back to the beginning of 2001. The Taliban-led regime was on very poor terms with the international community and increasingly tempted by radical gestures. The decision to destroy the two monumental Buddha figures at Bamiyan was just part of the drive to destroy all the country’s pre-Islamic “icons”, an act of defiance to the outside world.

Demolition work at Bamiyan started at the beginning of March 2001 and lasted several weeks, the two figures – 58 and 38 metres tall – proved remarkably solid. Anti-aircraft guns had little effect, so the engineers placed anti-tank mines between their feet, then bored holes into their heads and packed them with dynamite. The world watched this symbolic violence in impotent horror.

Now almost 14 years on, reconstruction work has yet to start as archaeologists and Unesco policy-makers argue.

The two cavities resemble open wounds, a blemish on the long history of Afghanistan, which experienced the fervour of Buddhism long before the arrival of Islam. For 15 centuries the two mystic colossi gazed down as the trading caravans and warring armies streamed past. Monks came from China to worship here. Others meditated in nearby caves.

The two Buddhas, draped in stucco robes, are testimony to a unique case of cross-breeding, which flourished in the early years of the first century AD, drawing on Buddhist influences from India and Greek aesthetics left behind by Alexander the Great. It gave rise to the kingdom of Gandhara and made a mark so deep that even the disciples of Allah, who reached here in the ninth century, made no attempt to disturb it.

Today the site has recovered a certain serenity. Children play volleyball below the cliffs and archaeologists work unhindered. Whereas a low-intensity war is still rumbling on elsewhere in Afghanistan, the central Hazarajat region and its capital Bamiyan (population circa 60,000) has been relatively spared. Most of the inhabitants are Shia Muslims and they had little sympathy with the Sunni Taliban from the Pashtun south. In the 1990s there was fierce fighting between the two sides. In Bamiyan there is a fairly enlightened view of Islam, and few women wear burqas. They proudly explain that 40% of girls in the province are in education, the highest proportion in Afghanistan.

So the outrage perpetrated by the Taliban came as a huge shock, a blow against a tolerant community that sees itself as unusual in the country as a whole. “The statues symbolised Bamiyan,” says mullah Sayed Ahmed-Hussein Hanif. Bamiyan had adopted and integrated the statues, making them a part of local legend. They had become an allegory for unhappy love, a foreshadow of Romeo and Juliet set in the Hindu Kush. He was Salsal, prince of Bamiyan; she was Shamana, a princess from another kingdom. Their love affair was impossible so, rather than live apart, they turned into stone, beside each other for all eternity.

“Local people had completely forgotten they were figures of the Buddha,” says Hamid Jalya, head of historical monuments in Bamiyan province. The Taliban and their dynamite reminded them of the original story. Ever since, people here have been unsure what to do about them.
Bamiyan buddha
Bamiyan residents in favour of rebuilding the Buddhas seem less concerned about Unesco’s insistence on using original materials. Photograph: Corbis


An incident in 2013 demonstrated the sensitivity of the subject. A decade ago Unesco authorised archaeologists and engineers to consolidate the two niches, with props and grouting. But nothing else. Almost two years ago someone noticed that, on the site of the small Buddha, a team from the German branch of the International Council on Monuments and Sites (Icomos) was beginning to rebuild the feet. This was contrary to Unesco policy, based on the 1964 Venice charter for the conservation and restoration of monuments and sites, which requires the use of “original material”. If work on the Bamiyan remains disregarded this rule, then the site would be struck off the World Heritage list. The Afghan authorities ordered the Icomos team to down tools, leaving the remains even less sightly than they were before.

The incident highlights the lack of a clear consensus on the future of Bamiyan both internally and among the international community. “Bamiyan seems emblematic of the way international aid has treated Afghanistan,” says Philippe Marquis, former head of the French Archaeological Delegation in Afghanistan (Dafa). There has been endless dithering, underhand rivalry, pointless discord and mistakes.

The Buddhas are a powerful symbol – of confessional tolerance, Buddhism in a Muslim country and the remains of the Silk Road – with scope for considerable political kudos, so academic quarrels have been diverted to serve strategic aims. The Afghans have watched this spectacle with growing amazement: Germany and its experience of post-war reconstruction; France and its archaeological exploits in Afghanistan; Japan and Korea, with their interest in the origins of Buddhism; Unesco and its byzantine bureaucracy. The various parties have sometimes cooperated with one another, but more frequently waged secret wars. “All these endless discussions among experts are pitiful, yielding no positive results,” says Zamaryalai Tarzi, a Franco-Afghan archaeologist who has been in charge of the French dig at the foot of the Bamiyan cliff for many years.

Behind the squabbling there is, however, a very real controversy as to how best to honour the fallen Buddhas. How should we go about making sense of an obscurantist crime the better to vanquish it? Or, in other terms, how should we mourn the martyrs? There are two opposing schools of thought: complete reconstruction or keeping the status quo. For now, the latter camp have the upper hand. “The two niches should be left empty, like two pages in Afghan history, so that subsequent generations can see how ignorance once prevailed in our country,” Tarzi asserts. Many other sites have adopted this approach, in particular the Genbaku dome in Hiroshima and the former summer palace in Beijing.

There is also a practical side: any attempt at reconstruction would be extremely complex. The original material, as required by the Venice charter, would be a major obstacle. The 2001 demolition left a heap of scattered fragments. Barely a third of the smaller Buddha has been saved, consisting of a pile of rock behind a wire fence. Furthermore, some of what does remain is from more recent additions. Over the centuries, long before the coming of the Taliban, the two figures were damaged and defaced. In the 1970s Indian archaeologists rebuilt the feet of the smaller Buddha using new material. Given this, how can the Venice charter rules be applied?

The final objection is that it may be a mistake to focus so much attention on the two Buddhas, given that the Bamiyan valley boasts many other exceptional sites, as yet little known. The ruins of the Shahr-e-Gholghola fortress, and probably monastery, perched on a hillock across the valley from the Buddhas, and the fortified town of Shahr-i-Zohak are both at risk, worn down by weather and earthquakes. “The priority is to save all the endangered sites around Bamiyan,” says Amir Fouladi, of the Aga Khan Trust. “There is no urgency about rebuilding the Buddhas.” The economic development of Bamiyan, due to gather speed with the projected launch of the Hajigak iron ore mines, makes it all the more important to adopt an overall strategy.
Bamiyan maintenance
International maintenance and restoration teams in Bamiyan have been criticised for their ‘endless’ and ‘pitiful’ discussions. Photograph: Alex Masi/Corbis


Meanwhile, the advocates of reconstruction have not wasted their time. Although the current mood is hardly in their favour, the small structure resting on the remains of the small Buddha’s feet suggests that the German branch of Icomos has not given up hope. Its president, Michael Petzet, a professor at the Technical University of Munich, has made many statements in favour of at least rebuilding the smaller of the two figures. The local representative of Icomos Germany, Bert Praxenthaler, sees the controversy about the small Buddha’s feet as salutary in that it “stirred debate about what should be done with the Buddhas”. “We must be ready the day a decision is taken,” he adds. He is referring to the possibility that an ad hoc Unesco group may give the go-ahead for “partial re-assembly of the fragments”. His organisation sees this as an opportunity to demonstrate the quality of its restoration work in combining old and new materials.

Local residents are in favour. The idea of leaving the larger niche empty but rebuilding the smaller Buddha appeals to them, particularly as they take little interest in quarrels about original material. They are more concerned about boosting tourism in a relatively isolated area in desperate need of revenue. But there is symbolic value too. “By rebuilding a Buddha we could regain possession of our history and send a message to the whole world in favour of reconciliation between religions,” says Shukrya Neda, who campaigns for a local NGO. “By leaving the other niche empty we leave a testimony to the damage done by the Taliban.” Kabul has officially approved this approach, but some in Bamiyan feel its support is rather timid, for ethnic reasons. The Hazara population of Bamiyan distrust the Pashtun leaders in Kabul. “The government doesn’t want Bamiyan to develop its identity and economy,” says Riza Ibrahim, head of the city’s tourist board. “It’s discrimination.”

Unesco has tried to steer a cautious middle course on the issue of reconstruction. Its ad hoc expert committee has warned against rushing to make a decision. “It is neither for nor against reconstruction,” says Masanori Nagaoka, head of Unesco’s culture unit in Kabul. The committee has ruled that before considering partial reassembly of the small Buddha, a thorough technical and scientific study would be required. All of which favours keeping the status quo. Will the reconstruction lobby finally succeed in resurrecting Shamana (the small Buddha)? Perhaps, by dint of patience, but everyone seems to have overlooked an essential detail: the legendary prince and princess wanted to stay together forever. If Shamana rises again, but without Salsal, it would break their oath.

This article appeared in Guardian Weekly, which incorporates material from Le Monde 
@edisonmariotti #edisonmariotti http://www.theguardian.com/world/2015/jan/10/rebuild-bamiyan-buddhas-taliban-afghanistan

Pesquisadora brasileira encarou americanos, caçadores e a burocracia para manter a memória do país na Serra da Capivara - Piauí - Brasil

Arte na pedra: parque foi declarado Patrimônio Cultural da Humanidade

A luta de Niède Guidon pela arte rupestre no Piauí








A arqueóloga brasileira mais respeitada no exterior, Niède Guidon, 80 anos, é guardiã do Parque Nacional da Serra da Capivara, localizado no sudeste do estado do Piauí. Ela tem que lidar com ameaças de morte, invasões de caçadores, falta de recursos para o andamendo das pesquisas e manutenção do sítio arqueológico. Nascida em Jaú (SP), estudou em escola pública e encontrou na arqueologia o espaço para a curiosidade e a investigação, que sempre a acompanharam. Conseguiu bolsa da Embaixada da França para estudar Arqueologia na Universidade de Sorbonne, em Paris, onde fez carreira como professora universitária. Aprofundou-se em pesquisas sobre a pré-história do Brasil com descobertas revolucionárias a respeito da chegada do homem à América. Em Brasília, para abertura do evento Serra da Capivara: os brasileiros com mais de 50 mil anos, que engloba exposição e ciclo de conferências, Guidon falou ao Correio sobre a preservação da arte rupestre, arrependimentos, medos e dificuldades para o desenvolvimento do turismo na região.






"A preservação das pinturas rupestres depende essencialmente da manutenção das condições naturais"

Trabalho no Brasil

Começamos a pesquisa há 40 anos. Eu morava na França e vim ao Brasil em missão financiada pela governo francês. Todos os anos, eu voltava com meus alunos para fazer pesquisas aqui. Depois, a partir dos anos 1990, nós tivemos o apoio do CNPq e de universidades brasileiras, que participam das pesquisas até hoje. Desde 1978, os professores brasileiros tinham o apoio do CNPq, da Finep… Nunca houve um problema para a questão das pesquisas. No começo, era difícil porque era uma região distante sem infraestrutura, pobre, típica do Nordeste. Nos primeiros anos, tinha o problema de infraestrutura, mas as pessoas que tinham roça lá sempre nos ajudavam dando água, comida… Sempre houve colaboração da população rural.

Leia mais notícias em Diversão&Arte

O parque

Foi criado o Parque Nacional da Serra da Capivara, em 1979, e, depois foi declarado Patrimônio Cultural da Humanidade. Na realidade, o governo brasileiro é responsável pela preservação disso: a parte da natureza pelo Ministério do Meio Ambiente, e parte da cultura pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O problema é a questão do financiamento, porque o ministério não tem recurso e o Iphan também não. Os guardas não são suficientes e são terceirizados. Agora, teve um corte muito grande dos recursos. Parece que os contratos dos guardas florestais não serão renovados… Não sei como ficará a proteção da área. Temos o suficiente para chegar até o fim do ano, mas, depois, eu não sei como vai ser, o que vamos fazer. Estávamos investindo na autossustentabilidade com o turismo. Nós compramos os terrenos mais bonitos para construir hotéis, buscar parcerias e obter recursos. Mas, infelizmente, o aeroporto até hoje não saiu. Já tivemos gerentes e diretores de grandes empresas hoteleiras, que foram lá, querem construir hotéis de cinco ou seis estrelas, porque todos os patrimônios da humanidade têm hotéis dessa classe para receber os turistas. Mas esses investidores condicionam as obras hoteleiras à construção do aeroporto. Estamos esperando desde 1998.



Arte na pedra: parque foi declarado Patrimônio Cultural da Humanidade



Ação de caçadores

Quem deve prender os caçadores é o governo federal, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Mas o que acontece: prende e o vereador manda soltar. A polícia obedece aos vereadores. O político não está interessado que a lei seja cumprida. Ele quer voto. Então, se ele solta o caçador, a família toda vai votar nele. É muito difícil porque a lei, na realidade, não é aplicada. A lei depende da vontade do político.

Ameaças de morte

Agora, eles desistiram das ameaças porque eu disse que tinha um dinheiro guardado e que, se eu morresse, tinha a lista das pessoas e que um amigo meu mandaria um pessoal da Rocinha, do Rio de Janeiro, ir lá e acabar com a família inteira. Aí eles desistiram. Ainda mostrei o extrato bancário.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2013/10/06/interna_diversao_arte,391923/correio-relata-a-luta-de-niede-guidon-pela-arte-rupestre-no-piaui.shtml

Tips for understanding David Hayes, other Modern sculptors - "I don't understand; what's it supposed to be?"



How many times have you heard that statement uttered in front of a piece of modern or contemporary sculpture? Or blurted it yourself?

Robbin Zella, director of the Housatonic Museum of Art at Housatonic Community College in Bridgeport, said viewing modern sculpture doesn't need to be such a difficult endeavor, as long as the viewer is open to having a "conversation" with the piece. Sounds easy enough, but is it possible for the "average Joe/Jane" to do?


Now through Feb. 8, the playful biomorphic and geometric art of the late Connecticut sculptor David Hayes is being celebrated at the Housatonic Museum of Art, in Bridgeport, with an exhibit, "Modern Master of American Abstraction." Above is an example of his work. Photo: Contributed Photo / Connecticut Post Contributed
 Now through Feb. 8, the playful biomorphic and geometric art of the late Connecticut sculptor David Hayes is being celebrated at the Housatonic Museum of Art, in Bridgeport, with an exhibit, "Modern Master of American Abstraction." Above is an example of his work. Photo: Contributed Photo




"Yes," said Zella, who oversees a multimillion-dollar collection that includes a sizable portfolio of modern art from the 1860s to the 1970s.

Viewing modern art is "like going to a dance," she said. "If you want to be a wallflower and sit alone in a corner, that's your choice. But if you want to get the most out of the experience, you need the right attitude and a willingness to get involved. Same with art."

As with any form of artistic expression -- whether it be literature, music or art -- it's nearly impossible to gain a deep appreciation for a work based on a cursory or one-time exposure. One needs to be a willing participant in the process, she said. So Zella suggests "slowing down, and remembering that sculpture is three-dimensional, which means that you need to move around it and see it from various angles and perspectives.

"It's important to keep in mind that the elements of design -- as with clothing and furniture -- apply," she said. "Look for line, shape, color, composition and material -- and how all of it is executed."

Granted, some works are more difficult to comprehend than others, but "as long as you approach it with a sense of curiosity and a willingness to engage in conversation with the piece, you will have a point of departure" for future exploration, Zella said.

Or just let your imagination run wild, as the late Connecticut sculptor David Hayes suggested that viewers do when contemplating his pieces.

Hayes is the subject of a new exhibit, "David Hayes: Modern Master of American Abstraction" at HMA's Burt Chernow Galleries. Known for his huge biomorphic and geometric welded sculptures, Hayes painted and sculpted until his death on April 9, 2013. The Housatonic exhibition features drawings and maquettes that were created as studies for Hayes' monumental sculptures at his Coventry studio and estate, where dozens of his sculptures are situated on 50-plus acres of farmland and woodlands. Zella said the influence of his mentor David Smith and his friend, Connecticut legend Alexander Calder, are visible in the two playful welded steel polychrome works on view at the HMA.

To fully appreciate any period in art history, Zella continued, it helps to put the era in context. For example, the French Impressionists, who were the early Modernists, not only painted what we now consider to be "pretty" pictures, they painted revolutionary ones: before the 1860s, the idea of painting everyday people in everyday situations, often outdoors, was considered unconventional (and sometimes called "crude") by the art world.

Later, the Modernists in Paris were considered "degenerate" by the Nazis. Even so, under Adolf Hitler's orders, much of the art was confiscated. Many artists fled and -- with Europe in shambles during World War II -- New York came to supplant the City of Light as the nexus of the art world, becoming fertile ground for the Abstract Expressionist movement. And central to that New York circle was Smith, Hayes' mentor.

Hayes may have been influenced by Smith (and eventually Calder), but as he matured as an artist, his work became distinctively his own, drawing inspiration from nature, at times "translating delicate foliage into lyrical, brightly painted industrial-strength sculptures," Zella said.

"He truly was a modern master. In his gouaches, there is a precision and sureness that reflects an artist at the top of his game," she said. "If I could characterize our show, I would say `exuberant.' There is a liveliness to his work, even a whimsy at times ... a great `joie de vivre' that can make you smile. It's a joyful show."

Housatonic Museum of Art, 900 Lafayette Blvd., Bridgeport. Monday through Friday, 8:30 a.m. to 5:30 p.m; Thursday to 7 p.m.; Saturdays 9 a.m. to 3 p.m.; Sundays, noon to 4 p.m.; closed Dec. 25-26 and Jan. 1-2. Through Feb. 8. 203-332-5052;

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti www.hcc.commnet.edu/artmuseum/


Modi, Jaitley support India on canvas art auction



New Delhi, Jan 8: Prime Minister Narendra Modi and Finance Minister Arun Jaitley have supported an art auction along with prominent celebrities like M.C. Mary Kom, Shah Rukh Khan and Pandit Birju Maharaj, organisers said Wednesday.
 


The auction “India on Canvas” has brought together eminent personalities from different walks of life, along with well-known artists, to produce canvases that will be auctioned for Khushii, an NGO that works for the upliftment of poor and destitute communities.

The auction will feature two types of works: collaboration and endorsement.

In the collaborative work, artists have worked along with the other personality where as in endorsement prominent names like Modi and Jaitley have endorsed the artwork.

“The prime minister has added a few brush strokes to endorse the art work. Others celebrities have endorsed the work so that it fetches good amount,” organisers said.

A letter from the prime minister to the organisers said: “Khushii’s efforts to provide education to under privileged children are indeed praise worthy. I also appreciate the organisation’s initiative to provide health care and mid-day meals to the students.”

Modi’s painting “Om Namo Shivay”, in collaboration with artist Satish Gupta, is a tribute to Lord Shiva and is a melange of sculpture and painting on a single canvas.

The fourth-edition of the auction will take place on Jan 15.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.newsroompost.com/148634/modi-jaitley-support-india-canvas-art-auction/

Alguns traços da relação com o universos marítimo estão retratados no Memorial Amazônico da Navegação - Mangal reabre exposição “Arquitetura dos Rios” no aniversário de 10 anos











Banhada por rios, a Região Amazônica tem sua história e cultura intimamente ligada ao universo marítimo. Alguns traços dessa relação estão retratados no Memorial Amazônico da Navegação, localizado no Mangal das Garças. Instalada desde a criação do parque, em 2005, a mostra reúne do rústico ao que há de mais moderno no transporte fluvial da região, passando pelos aspectos militar (representado pelo acervo doado pela Marinha do Brasi), comercial (retratado em um breve histórico da Empresa de Navegação da Amazônia) e regional (presente nas maquetes de embarcações comumente usadas no estado).

Para celebrar os 10 anos do Mangal das Garças, o Museu receberá novamente a exposição “Arquitetura dos Rios”, montada em 2012, durante a Semana dos Museus em Belém. Em exposição, imagens feitas por quatro fotógrafos paraenses: Geraldo Ramos, Alexandre Lima, Rafael Araújo e Armando Queiroz.

As fotos retratam a navegação artesanal na Amazônia, a relação do ribeirinho com as canoas e barcos e a importância que o transporte fluvial tem para os moradores da região que abriga a maior bacia hidrográfica do mundo. As imagens também possibilitam que o visitante conheça as habitações tradicionais que ainda hoje compõem a paisagem ribeirinha amazônica, como as palafitas e casas de barro.

“Os 10 anos do Mangal são também os 10 anos do Memorial, por isso decidimos reabrir esta exposição, que esteve instalada no Museu em 2012 e que é uma mostra da realidade dos estaleiros navais da região”, ressalta Emanoel Franco, diretor do Museu da Navegação.

O Memorial Amazônico da Navegação e a exposição “Arquitetura dos Rios” podem ser visitados de terça a domingo, das 9h às 18h. O ingresso para o museu custa R$ 5,00, com meia entrada para estudantes. Às terças-feiras a entrada é gratuita. Uma oportunidade para visitar o espaço é nesta segunda-feira, 12, em que o parque abre excepcionalmente e oferece gratuidade em todos os espaços monitorados.

Camila Barros
Organização Social Pará 2000

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.agenciapara.com.br/noticia.asp?id_ver=108071

Museu de Cera estende temporada em João Pessoa até 20 de janeiro

Exposição está montada em um shopping no bairro do Manaíra.

Ingressos são vendidos a R$ 15 (segunda-feira) e R$ 20 (demais dias).

Imagem de Marlon Brando, que integra o Museu de Cera, em exposição itinerante no Manaíra Shopping (Foto: Wagner Lima/G1 PB)










Foi estendida até o dia 20 de janeiro, a exposição do Museu de Cera Dreamland, em cinco galerias montadas em um shopping no bairro de Manaíra, em João Pessoa. No espaço, é possível encontrar 40 personagens do cinema, personalidades da política e da música, ícones infantis e astros do cenário Pop. A visitação é aberta ao público de segunda a sexta-feira das 15h às 21h15 e nos sábados, domingos e feriados das 13h às 21h30, aos preços de R$ 15 (meia-entrada na segunda-feira) e R$ 20 (meia-entrada nos demais dias). Os ingressos são vendidos na bilheteria da exposição.





Homem de Ferro integra a exposição com nomes
do cinema do acervo do Museu de Cera
(Foto: Wagner Lima/G1 PB)

No espaço, há opções para todos os gostos. Os amantes do cinema, por exemplo, têm logo na entrada as imagens de Marlon Brando, em uma das cenas do filme O Poderoso Chefão; John Wayne (ícone dos filmes de faroeste); Jack Sparrow em um das cenas decenário do filme Piratas do Caribe; e o Homem de Ferro.

Todo o passeio é acompanhado por uma trilha sonora voltada para os hits dos artistas do pop, trilhas originais de cinema e temas musicais relacionados às personalidades, o que ajuda o visitante a se transportar para o mundo da fantasia.

O coordenador da exposição, João Paulo, explicou que as cinco galerias foram criadas pensando na diversidade de público. “Trouxemos peças bem ecléticas para agradar a todos os gostos e não ficarmos restritos a uma idade. Vir à exposição é um passeio também muito familiar”, frisou.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti G1.com

José Sasportes doa a sua biblioteca de dança ao Museu do Teatro

O antigo ministro da Cultura do governo de Guterres assinará o protocolo que formaliza a doação na próxima quarta-feira







Uma biblioteca e todo um espólio documental referente à dança vão ser doados na próxima quarta-feira ao Museu do Teatro. Não é uma biblioteca e um espólio qualquer. Pertencem a José Sasportes, ministro da Cultura do Governo de António Guterres que foi também crítico de dança, director da Escola de Dança do Conservatório Nacional e director do Serviço Acarte da Fundação Gulbenkian.

Sasportes, 78 anos, publicou em 1970 História da Dança em Portugal, trabalho sobre aquela expressão artística que foi então inédito no país. O ano passado, coordenou outra obra inédita, esta num campo de trabalho situado além-fronteiras: Storia della Danza Italiana. Um ano antes, em 2012, a Associazione Italiana per la Ricerca sulla Danza (Airdanza) tinha-lhe prestado homenagem com a publicação de Passi, Tracce, Percorsi – Scritti Sulla Danza in Omaggio a José Sasportes.

Ao longo da vida, José Sasportes tem-se dedicado a recolher vasta documentação e bibliografia dedicada à dança. Daí que o comunicado enviado ao PÚBLICO refira que a doação agora anunciada “constitui um importante contributo para o enriquecimento do Museu”. Nele lê-se ainda que a doação “reforça a vocação do Museu do Teatro para ser também um museu da dança”.

O protocolo que oficializa a doação será assinado no Museu do Teatro, às 12h da próxima quarta-feira, pelo director-geral da Direcção-Geral do Património Cultural, Nuno Vassallo e Silva, pelo director do Museu do Teatro, José Carlos Alvarez, e por José Sasportes. O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, também estará presente.
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/jose-sasportes-doa-a-sua-biblioteca-de-danca-ao-museu-do-teatro-1681884



German auction house putting Hitler watercolour on market



NUREMBERG — A 1914 watercolour by Adolf Hitler to be auctioned this Saturday (Nov 22) could fetch up to €50,000 (S$81,752) given strong global interest, a German auction house chief said yesterday (Nov 18).
 
 
 
German auction house putting Hitler watercolour on market
A watercolour of the old registry office in Munich by former German dictator Adolf Hitler lies next to a catalog of his paintings and drawings at the Weidler auction house. Photo: Reuters
 


Auctioneer Kathrin Weidler said the painting, entitled Standesamt und Altes Rathaus Muenchen (Civil Registry Office and Old Town Hall of Munich), is one of about 2,000 works Hitler painted from about 1905 to 1920 as a struggling young artist.


Asked about criticism that it is tasteless to auction the Nazi dictator’s works, generally considered to be of limited artistic merit, she said complaints should be addressed to the sellers — an unidentified pair of German sisters in their 70s.

“Those who want to get worked up about this should just go ahead and get worked up about it,” Ms Weidler told Reuters at her Weidler Auction House in Nuremberg, where Hitler held mass Nazi party rallies from 1933 to 1938.

“They should take it up with the city of Nuremberg or with those who preserved it. It’s an historical document.”

Hitler wrote in his autobiography Mein Kampf that his hopes as a young man of becoming an artist were dashed by his repeated rejection by Vienna’s Academy of Fine Arts.

“We’ve had inquiries so far from four continents and the interest in this particular painting appears to be quite high,” Ms Weidler said. “The interest has been high from America, Japan and across Asia. I don’t know if all these bidders will actually come to the showroom in person. It’s possible but the last time we had a painting from this artist, that didn’t happen.”

Five other Hitler paintings previously auctioned fetched as much as €80,000 while others went for just €5,000.

“It’s impossible to say how much it’ll go for — anything from a few thousand to something around €50,000 euros,” she said. The minimum bid has been set at €4,500 euros and 10 per cent of the earnings are to be donated to charity.

Ms Weidler said the original handwritten bill dated Sept 25, 1916 came with the painting and was a rarity for Hitler’s art.

But that has raised doubt among critics about the painting’s provenance. They recall how hoaxer Konrad Kujau used supposed certifications of authenticity to trick some historians when he marketed what proved to be bogus Hitler’s Diaries in 1983. REUTERS

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.todayonline.com/world/europe/german-auction-house-putting-hitler-watercolour-market

Paris : une statuette en bronze volée au musée des Arts décoratifs

Une statuette en bronze, dont la valeur est estimée à plusieurs centaines de milliers d'euros, a été volée ce samedi après-midi au musée des Arts décoratifs à Paris. Malgré la fermeture et la fouille du musée, l'auteur de ce vol n'a pas été identifié.

ARCHIVE. Le musée des Arts décoratifs est situé dans le palais du Louvre, rue de Rivoli, à Paris.
ARCHIVE. Le musée des Arts décoratifs est situé dans le palais du Louvre, rue de Rivoli, à Paris. Guillaume Roujas


Une statuette en bronze a été volée samedi après-midi au musée des Arts décoratifs à Paris. «Vers 16 h 30, le personnel du musée a découvert qu'une statuette en bronze de cinq kilos avait été volée», a annoncé une source policière, sans donner davantage de précisions.





Situé rue de Rivoli, dans le palais du Louvre, le musée des Arts décoratifs vise à la valorisation des beaux-arts appliqués et au développement des liens entre industrie et culture. Selon I-Télé, la valeur de la statuette volée est estimée entre 400 000 et 500 000 €. Lorsque le vol a été constaté, le musée a alors été fermé et fouillé, mais l'auteur du vol aurait disparu.
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.leparisien.fr/faits-divers/paris-une-statuette-en-bronze-volee-au-musee-des-arts-decoratifs-10-01-2015-4435739.php

Museu Arqueológico terá horário ampliado aos fins de semana



O objetivo da mudança é oferecer mais uma opção de passeio para os veranistas do Rincão




Foto: Lucas Sabino/Arquivo


O Museu Arqueológico Balneário Rincão, que abriga material arqueológico, cerâmica e objetos líticos datados de 900 a aproximadamente 4 mil anos, terá o horário de atendimento ampliado a partir deste fim de semana. Sábado e domingo, até o fim da temporada, o museu estará aberto das 14 às 18 horas. O objetivo da mudança é oferecer mais uma opção de passeio para os veranistas que escolhem o Rincão como praia durante o verão e contar um pouco mais sobre a história do município a este público.

Segundo a coordenadora do museu, Elisângela Machieski, a Administração Municipal e o Departamento de Cultura, responsável pelo museu, tem por objetivo proporcionar novas oportunidades de acesso à cultura e à história local. “Esse horário estendido é também para as pessoas que trabalham, pois o Museu funciona normalmente em horário comercial. Abrir as portas aos fins de semana, ainda mais durante a temporada, é possibilitar às pessoas que não têm acesso a oportunidade de conhecer e visitar o espaço”, explica Elisângela.

Durante a semana, de segunda a sexta-feira, o museu funciona das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas, e a entrada é franca. O Museu Arqueológico fica na Rua Florianópolis, s/n, Centro, junto à antiga Igrejinha, ao lado do Hotel Cassetari. O telefone para contato é o (48) 3468.4105.


fonte: @edisonmariotti #edisonmarioti http://www.engeplus.com.br/noticia/geral/2015/museu-arqueologico-tera-horario-ampliado-aos-fins-de-semana/

Museu sem eira, nem beira - Ainda durante a programação especial de verão, iniciam no dia 18 de janeiro as exposições itinerantes do Museu Sem Eira, Nem Beira. As mostras fotográficas e de coleções serão exibidas no Calçadão Cultural sempre aos domingos, das 14 às 18 horas, a seguem durante os dias 25/01, 01/02, 08/02 e 15/02.
Colaboração: Lariane Cagnini/Comunicação Balneário Rincão

Museu Nacional de Belas Artes comemora 78 anos no RJ



Mostra conta com 20 obras, algumas arrematadas em leilões das prestigiadas Sotheby's e Christie's, e segue até 29/03




O Museu Nacional de Belas Artes, vinculado ao Ministério da Cultura, completará 78 anos na próxima terça-feira (13).

Em comemoração, abre suas portas, na mesma data, para a exposição "Apreensões e Objetos do Desejo: obras doadas pela Receita Federal ao MNBA" . A mostra conta com 20 obras de arte, algumas arrematadas em leilões das prestigiadas Sotheby's e Christie's, e segue até 29 de março.

A diretora do museu explica que as novas peças completarão lacunas relativas ao período moderno e contemporâneo do acervo já existente no museu. As obras estarão expostas temporariamente e passarão, depois, por um processo de conservação e pesquisa para figurarem no circuito permanente do MNBA.

Os visitantes poderão ver trabalhos do italiano Michelangelo Pistoleto, do indiano Anish Kapoor, do húngaro Victor Vasarely e do argentino Miguel Ángel Ríos, entre outros. Além disso, a mostra contempla obras de brasileiros, como dos gêmeos Otávio Pandolfo e Juarez Machado, assim como de Beatriz Milhazes e Daniel Senise, entre outros.

Além dessa exposição, estará em cartaz, também a partir de 13 de janeiro, a mostra "Ver e Sentir Através do Toque", para pessoas cegas ou com baixa visão. José Borges da Costa, Tarsila do Amaral, Manabu Mabe e Francisco Rebolo são os artistas com obras expostas.

História

O acervo do MNBA remonta aos tempos do Brasil Império, com o conjunto de obras de arte trazido por D. João VI de Portugal, em 1808. A esse acervo, juntou-se a coleção de Joachin Lebreton, chefe da missão artística francesa, e outras obras dos séculos 19 e início do século 20.

Em 1937, foi construída a nova sede da Escola Nacional de Belas Artes, com projeto do arquiteto Moralles de los Rios, e o acervo foi transferido para lá. Em 13 de janeiro de 1937, o Museu foi criado oficialmente.

Serviço
Exposição: "Apreensões e Objetos do Desejo: obras doadas pela Receita Federal ao MNBA"
Período: 13 de janeiro até 29 de março.
Local: Sala Bernardelli, Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia (RJ).
Visitação: terça/sexta de 10h às 18h;  sábado, domingo e feriado de 12h às 17h.
Ingresso: entrada franca em janeiro, mês de aniversário do MNBA (comemorado no dia 13).
Tel: (21) 3299-0600
Exposição: Ver e Sentir Através do Toque
Abertura: 13 de janeiro, a partir de 11:30h.
Período: 13 de janeiro a 02 de maio
Sala: Flamengo-Holandês, situada no 2º andar
Visitação: terça/sexta de 10h às 18h;  sábado/domingo/feriado de 12h às 17h.
Ingresso: entrada franca em janeiro, mês de aniversário do MNBA

Fonte: @edisonmarioti #edisonmariotti Ministério da Cultura

Paulo Coelho abre fundação na Suíça e museu virtual com 80 mil documentos



No térreo de um prédio residencial em Genebra, Paulo Coelho e sua mulher, a artista plástica Christina Oiticica, estão finalizando as obras do espaço, de 200 metros quadrados, que abrigará a fundação com o nome do casal.

Christina Oiticica e Paulo Coelho têm a mesma tatuagem: cumplicidade (Foto: Xurxo Lobato/Getty Images)

Na semana passada, o último contêiner com preciosidades do monumental acervo do escritor, até então mantido no Brasil, chegou à cidade suíça, onde ele mora há cinco anos. Fazem parte dele 80 mil documentos – incluindo cartas, manuscritos de seus livros, contratos com editoras do mundo inteiro e rascunhos das letras de suas músicas -, milhares de fotos, presentes de fãs, cartazes de lançamentos de suas obras em 66 idiomas, roupas e até o fardão da Academia Brasileira de Letras.

O mago guarda pastas com os contratos dos quatro cantos do globo terrestre (Foto: Bruno Astuto)

O MAGO NA NUVEM. A fundação, que terá exposições temporárias temáticas, abre as portas ainda no primeiro semestre. Mas por que na Suíça? “A Suíça é uma sede física, porque, como moramos aqui, é mais fácil fazer a curadoria e o processo de digitalização”, diz Paulo. “Mas vou colocar absolutamente tudo na nuvem, numa espécie de museu virtual, para que todos os meus leitores, de todos os países, possam ter acesso ao acervo”.

Com 26 milhões de fãs no Facebook e outros mais de 9,7 milhões no Twitter, Paulo está cada vez mais conectado. “As redes sociais me deram a chance de estar mais presente no dia a dia dos meus leitores e os trazer também para o meu dia a dia. Todos os dias, eu escolho 30 deles para responder”, conta. “Nesse sentido, restringir o acervo a paredes físicas seria algo limitador. Não quero que as pessoas tenham que viajar para a Suíça ou qualquer outro lugar que seja para me encontrar. A nuvem democratiza esse encontro”.

Paulo guarda todos os presentes que recebe dos fãs (Foto: Bruno Astuto)

PINTANDO COM A NATUREZA. Paulo e Christina cogitaram montar a fundação num espaço maior. “Chegamos a ver uma casa de três andares, mas, depois de visitarmos algumas fundações do tipo, achamos que seria um culto ao ego que, definitivamente, não é o nosso objetivo”, diz Christina, atualmente com três exposições em cartaz na Suíça. Desde 2003, ela pinta suas telas e as enterra em caminhos considerados sagrados. Um ano depois, volta aos lugares e, com uma pá, recupera os quadros. “Considero um trabalho feito a quatro mãos, em parceria com a Natureza. É uma forma de chamar a atenção para a preservação do meio ambiente, mas também de trabalhar sobre nossas raízes, nossa relação com os quatro elementos, recuperar o diálogo do ser humano com a Terra para chegar ao espiritual”, diz Christina.

Christina e Paulo em uma visita a Aparecida (Foto: Reprodução)

O primeiro móvel da fundação, que tem paredes pintadas de branco, vermelho e amarelo em homenagem a Nossa Senhora da Rosa Mística, santa de devoção do casal, já está instalado: a mesa em que Paulo escreveu seu primeiro best-seller, O diário de um mago, de 1987. “A mesa estava no nosso apartamento de Copacabana. Ele ia escrevendo e me mostrando o livro. Hoje em dia, escreve de uma vez e me mostra depois. Eu sou a primeira leitora”, conta Christina.

O escritor guarda em pastas, organizadíssimas, matérias suas em jornais e revistas do mundo todo (Foto: Bruno Astuto)

A FESTA DE ANIVERSÁRIO. Como todos os anos, no próximo dia 19 de março ele comemorará seu aniversário (a data para valer é 24 de agosto) com uma festa em homenagem a São José, a quem atribuiu sua sobrevivência após um parto difícil. A celebração, que já passou por Paris, Lisboa, Istambul e Melch, acontecerá em Santiago de Compostela, ponto de destino do famoso Caminho Sagrado medieval ao qual ele devolveu a fama depois da peregrinação retratada em O diário de um mago. A cidade espanhola está em festa com o retorno de seu “padrinho”. Serão 150 convidados para a festa no hotel Parador dos Reis Católicos.

Um panorama da fundação, ainda em fase final de instalação (Foto: Bruno Astuto)

O SUCESSO DE ‘ADULTÉRIO’. Paulo tem motivos para comemorar. Lançado em abril de 2014, seu novo romance, Adultério, já figura nas livrarias de 40 países – na maioria, no topo da lista dos mais vendidos. É seu maior sucesso desde O zahir, de 2005. O tema e o título causaram uma resistência inicial nas editoras. Em dois países, foram vetados. Em outros, de fé muçulmana, o título mudou – sem seu consentimento – para A adúltera. “Incialmente, iria escrever um livro sobre depressão e pedi aos leitores que me mandassem depoimentos sobre o assunto. Nove em cada dez falavam de depressão gerada por casos de traição. Comecei a escrever uma crônica sobre adultério e ela imediatamente cresceu e se tornou um livro”.

O novo romance, muitas vezes, faz companhia aos títulos antigos, como no caso de O alquimista, de 1988, atualmente em segundo lugar na lista de best sellers do jornal americano The New York Times – lista que, detalhe, o livro frequenta há mais de seis anos.

A valiosa mesa de trabalho onde o escritor brasileiro mais traduzido do mundo criou suas obras (Foto: Bruno Astuto)

FALEM DE MIM. Paulo não comenta a adaptação de sua biografia para os cinemas, Não pare na pista, mas deixa entender que gostou do resultado final. “Na verdade, eu não tenho que gostar. A vida da gente só pertence a Deus”. Então não se incomoda com biografias a seu respeito, mesmo sem seu consentimento? “É claro que não. O meu passado não pertence a mim, assim como o meu futuro. A única coisa que temos é o presente, é o rio que está passando agora, diante dos nossos olhos. Ele jamais será igual.



http://s04.video.glbimg.com/x360/3883387.jpg



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/bruno-astuto/noticia/2015/01/video-bpaulo-coelhob-abre-fundacao-na-suica-e-museu-virtual-com-80-mil-documentos.html