terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Art World Abstracts: Tate Britain Plans Major Barbara Hepworth Show, and More!

The Tate Britain has released details on the first large-scale London exhibition of Barbara Hepworth’s artwork since 1968. “Barbara Hepworth: Sculpture for a Modern World” will open in October and feature over 70 works, including her most recognizable abstract carvings and bronze sculptures, previously unseen photos from the Hepworth archive, and experimental photograms created by Hepworth. The show will travel to the Kroller-Muller museum in Otterlo, the Netherlands, and the Arp Museum in Rolandseck, Germany in 2016. [Guardian]
 
 
 

Barbara Hepworth by Peter Keen, (early 1950s).
(Courtesy National Portrait Gallery)


Christie’s and Sotheby’s have reported (surprise, surprise) record sales for 2014. Christie’s announced Tuesday that it sold $8.4 billion in fine and decorative art last year, an increase of 17 percent, and new record for the company. Comparatively, Sotheby’s sold $6 billion, seeing an increase of 18 percent and also setting its own record. The more interesting findings are that both claim one-third of 2014 buyers were first-timers, which means that more money is entering the art collecting arena and they’re buying big. However, the fight for big consignments is taking a bite out of profits for both auction houses. [Wall Street Journal]

The Guggenheim announced Sara Raza its UBS MAP curator for the Middle East and North Africa this morning. During her two-year curatorial residency, Ms. Raza will follow her predecessors June Yap and Pablo León de la Barra in acquiring work from specified world regions for the museum’s permanent collection, which will be included in an exhibition in New York in 2016. [The Art Newspaper]

Here are highlights from the 24th edition of Photo LA, which Hyperallergic contributor Matt Stromberg happily declares “Art Basel this ain’t, as Photo LA lacks both the trendiness and grandiosity now so prevalent in the art fair circuit.” Founded by dealer Stephen Cohen, and located at the LA Mart, this year’s honoree is Catherine Opie, it’s the first year for their brand new “Artist Series,” and there’s a special section for female photographers from Los Angeles. [Hyperallergic]

A farmer from Norfolk, England found what he believed to be a scrap of metal while plowing a field. Instead of tossing it, he used the scrap as a doorstop for nearly a decade only to discover after consulting an archaeologist that the bronze piece was actually a 3,500-year-old ceremonial dagger that dates to 1,500 B.C. Known as the “Rudham Dirk,” it may have been made by the same individual that crafted the only five dirks in known existence. [Smithsonian]

Heirs to the German supermarket company Aldi have won €19.4 million in damages from German art dealer Helge Achenbach. A Dusseldorf court ruled that Mr. Achenbach had made unauthorized commission charges on 14 paintings and nine cars to the late Berthold Albrecht of the Aldi heirs. Mr. Achenbach has a separate criminal trial pending in Essen, and is being held in custody. [BBC]

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  http://observer.com/2015/01/art-world-abstracts-tate-britain-plans-major-barbara-hepworth-show-and-more/#ixzz3PPgMqTrB

London Art Fair 2015 21 Jan 2015 – 25 Jan 2015 The Business Design Centre London, United Kingdom



The 27th edition of the Fair features 128 galleries and takes place at the Business Design Centre in Islington, London, from 21-25 January 2015.







ART PROJECTS

Art Projects presents the freshest contemporary art from across the globe, showcasing large scale installations, solo shows and curated group displays.

'Dialogues' features collaborative presentations between galleries from the UK and abroad, curated by Anna Colin for Art Projects.




PHOTO50

Photo50 is the Fair’s guest-curated annual showcase of contemporary photography.

Sheyi Bankale curates the section for London Art Fair 2015, presenting an exhibition entitled 'Against Nature'. Read his blog.
Tweet

    @LondonArtFair
    #LAF2015

Website

    www.businessdesigncentre.co.uk

Supported by

Flowers Cork Street

London, United Kingdom

Jack Bell Gallery

London, United Kingdom

Lemon Street Gallery

Cornwall, United Kingdom

Adam Gallery

London, United Kingdom

Hilton Fine Art

Bath, United Kingdom

Erskine, Hall & Coe Ltd.

London, United Kingdom

Sarah Myerscough

London, United Kingdom

Knight Webb Gallery

London, United Kingdom

Jonathan Cooper Park Walk Gallery

London, United Kingdom

Whitford Fine Art

London, United Kingdom

Danielle Arnaud

London, United Kingdom

Waterhouse and Dodd

London, United Kingdom

Beaux Arts (Bath)

Bath, United Kingdom

Redfern Gallery

London, United Kingdom

Beers Contemporary

London, United Kingdom

Abbey Walk Gallery

Grimsby, United Kingdom

Cynthia Corbett Gallery

London, United Kingdom

Andipa Gallery

London, United Kingdom

Charlie Smith london

London, United Kingdom

Four Square Fine Arts

Lewes, United Kingdom

Crane Kalman Brighton

Brighton, United Kingdom

Fold Gallery London

London, United Kingdom

James Hyman Gallery

London, United Kingdom

108 Fine Art

Harrogate, United Kingdom

Flowers Kingsland Road

London, United Kingdom

Bernard Chauchet Contemporary Art

London, United Kingdom

Osborne Samuel

London, United Kingdom

Panter & Hall

London, United Kingdom

Purdy Hicks Gallery

London, United Kingdom

jaggedart

London, United Kingdom
Conversation

Have you been to this event? What do you think? Join the discussion here!
Remember, you can include links to your instagram pictures and to videos.

Please login to join the conversation


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti https://www.artrabbit.com/events/london-art-fair-2015

Angoulême: Charlie prend ses quartiers au musée de la BD

Le musée Charlie ouvrira le jeudi 29 janvier, le temps du festival de la BD.
 
  . PHOTO/Photo archives Renaud Joubert

Le musée de la bande dessinée d’Angoulême, aux chais Magelis, va devenir le musée "Charlie Hebdo" le temps du festival, à l’initiative de la Cité, de l’équipe du festival et du Département.

Toutes les planches exposées sur le parcours traditionnel du musée vont être retirées des vitrines et remplacées par des dessins et des documents liés à l’hebdomadaire satirique.

Pour réaliser cette exposition qui s'ajoute au programme officiel, le musée est exceptionnellement fermé au public à partir de ce mardi, et jusqu’au 28 janvier inclus. Il rouvrira ses portes le premier jour du festival de la BD, jeudi 29 janvier, rebaptisé musée Charlie, et devrait être un des points forts de la 42e édition.

L’exposition mobilise toute l’équipe de l’établissement, en lien étroit avec la préfecture pour les questions de sécurité. Planches originales, documents divers sur "Charlie Hebdo" et ses dessinateurs, unes de l'hebdo constitueront cette exposition improvisée mais d'ampleur, que les festivaliers pourront découvrir à partir du 29 janvier.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.charentelibre.fr/2015/01/19/angouleme-le-musee-de-la-bd-devient-le-musee-charlie-pendant-le-festival,1935948.php

Atual vice-presidente do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), ex-diretor do Museu de Zoologia da USP, o professor Carlos Roberto Brandão será o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

A informação, divulgada na manhã desta segunda-feira, 19, pelo jornalista Ancelmo Góis, de O Globo, foi confirmada pela reportagem do jornal O Estado de S.Paulo. Brandão foi convidado pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, na sexta-feira.




Brandão foi secretário-geral do International Council of Museus (ICOM) em Paris durante três anos - antes, fora presidente do ICOM-Brasil durante dois mandatos. Graduado em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) em 1977. No período de 1977 a 1980 cursou o mestrado em Ciências Biológicas, com foco em Zoologia, também pela USP. Em 1984 concluiu seu doutorado, com as mesmas especificações do mestrado, ainda pela USP. No ano de 1995 tornou-se Livre Docente pela mesma instituição.



Dentre suas diversas publicações, destacam-se o livro Invertebrados Terrestres (editora da Fapesp, 1999) e os artigos New Technomyrmex in Dominican amber (Hymenoptera: Formicidae), with a reappraisal of the Dolichoderinae phylogeny, publicado em 1998 pela Entomologica Scandinavica, além de Revision of the Neotropical ant subfamily Leptanilloidinae, publicado pela Systematic Entomology, em 1999.

O Instituto Brasileiro de Museus é responsável pela administração direta de 30 museus e articula as políticas públicas para a área museológica em todo o País. Seu último presidente foi Angelo Oswaldo, que deixou a pasta para assumir o cargo de Secretário de Cultura de Minas Gerais.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.dgabc.com.br/Noticia/1137718/cientista-da-usp-e-novo-presidente-do-ibram?referencia=ultimas

Mostra “Olhares Cruzados” reúne acervo de quatro museus da USP

O Museu de Zoologia, o Museu Paulista, o Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) e o Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP inauguram, no dia 22, a mostra “Olhares Cruzados nos Museus da USP”. São quatro dos museus mais importantes do País, com acervos únicos e que se destacam na América Latina por serem universitários e estarem vinculados à produção do conhecimento e à preservação da história do homem, da natureza e da arte. Sob o tema Identidades Diversas, os museus convidam o público a conhecer as suas origens e cruzar informações em áreas aparentemente distintas, mas que levam a refletir sobre os caminhos do mundo contemporâneo.










Foto: Acervo / MPUSP
Índio Pescador – Francisco Leopoldo e Silva



A exposição integra a programação dos 80 anos da USP. Com o patrocínio do Banco Bradesco e apoio do Programa de Educação Continuada (Pece) da Escola Politécnica, estarão reunidas na sede do MAC Ibirapuera pinturas, esculturas e objetos coletados que propiciam a compreensão da formação da cultura brasileira e, ao mesmo tempo, a observação dos primeiros indícios de vida em nosso planeta. “Olhares Cruzados” propõe um entroncamento de caminhos que levam às identidades múltiplas e às diferentes abordagens culturais e científicas.

“O título da mostra corresponde à forma como trabalhamos nesse projeto”, explica a professora Heloisa Barbuy, coordenadora da programação dos 80 anos da USP e curadora do Museu Paulista. “Cada um dos museus buscou uma sintonia entre todos e essas conexões poderão ser facilmente percebidas pelo visitante na própria exposição. Representações de seres humanos e animais estarão presentes como formas de estabelecer identidades, e a partir daí há vários caminhos possíveis.”

Heloisa, que também representa o Museu Paulista na curadoria da mostra, explica que selecionou retratos do século 19 como a imagem de D. Pedro I, pintada em óleo sobre tela, de Benedito Calixto, e Francisca Miquelina de Souza Queiroz, de autoria desconhecida, procurando estabelecer um diálogo com uma série de retratos modernos e contemporâneos como o Perfil de Zulmira, óleo sobre tela de Lasar Segall, ou Mulher na Poltrona, litografia sobre papel de Pablo Picasso (ambos do MAC). “Essas obras expressam o quanto o contexto histórico e os padrões vigentes são decisivos na concepção e realização de qualquer retrato ou objeto. Por isso os acervos podem ser considerados como documentos culturais”, diz. 


Conexões


Foto: Acervo / MAC
Maria Martins – O Implacável, 1947

O visitante atento vai se surpreender ao observar Índio Pescador (1919-1920), de Francisco Leopoldo e Silva, uma das esculturas que se destacam no edifício em estilo renascentista do italiano Tommaso Gaudenzio Bezzi, o conhecido Museu do Ipiranga, agora muito à vontade no prédio moderno de Oscar Niemeyer. Uma mudança que contextualiza o passado e o presente. O índio, símbolo de identidade nacional, conversa com o Índio e a Suassuapara, de Victor Brecheret, do acervo do MAC. As esculturas trazem aspectos curiosos da cultura indígena. O primeiro registra o cotidiano da sobrevivência e o outro, a luta de dois índios Kalapalo.

Interessante observar o trabalho de artistas que, apesar de conviverem na mesma época e na mesma cidade, e de terem estudado juntos na Academia de França, em Paris, têm leitura e estilos diversos. Ambos foram influenciados pelos mestres renascentistas e pelo impressionista Auguste Rodin. Porém, Brecheret surpreende pelas formas que foram as pioneiras do Modernismo, enquanto Leopoldo e Silva manteve as linhas clássicas.

São esses olhares que os curadores e as equipes de cada museu foram cruzando na montagem das peças no espaço. Segundo a curadora e vice-diretora do MAC, Katia Canton, a expectativa é de que o público perceba a harmonia na integração dos acervos. “Trabalhar em conjunto é sempre uma experiência rica. Os curadores se reuniram quinzenalmente para trocar ideias. A meta foi propiciar um diálogo, tendo como eixo a identidade e diversidade”, comenta.

Katia lembra que o MAC está completando 52 anos. “A pesquisa em um museu de arte contemporânea não observa a obra de arte como objeto autônomo, mas para todo o sistema que a constitui em suas formas de circulação e legitimação. Nesse sentido, a pesquisa tem como meta contribuir para a revisão das escritas da história da arte e da cultura.”

Nessa revisão, o MAC traz as caricaturas e ilustrações de Emiliano Di Cavalcanti que marcaram o Modernismo, a poética das aquarelas de Yolanda Mohalyi e as fotos de Alice Brill, que resgata cenas como a do carnaval em Salvador na década de 1950. E o Museu Paulista apresenta, entre as diversas peças, o vaso e ânfora com mistura das águas dos rios Javari e Capiberibe, de Elio Di Giusto, a coleção de moedas desde D. João V, a importância das gravatas ao longo dos séculos e também objetos que marcaram o cotidiano, como as bonecas e conjuntos de peças de porcelana.
Preservação


Foto: Divulgação/ FMZUSP

As 200 peças que o Museu de Zoologia selecionou dão um novo tom à mostra, trazendo para o espaço a trajetória do homem, as mudanças na natureza e nas formas de vida e seus efeitos no planeta. “Fizemos a seleção do acervo com o intuito de mostrar o papel que as coleções biológicas representam no estudo da biodiversidade”, observa a professora e curadora Maria Isabel Landim. “Além disso, mostramos como a nossa relação com a biodiversidade mudou, e abordamos, na fronteira da biologia, uma interface com as ciências humanas sobre a relação dos seres humanos com a natureza.”

Na mostra, o Museu de Zoologia, que reúne uma das maiores coleções de animais brasileiros do mundo, com cerca de 11 milhões de exemplares, traz a importância de suas pesquisas. “O foco de nossa participação está em apresentar o museu como instituição que tem como principal atividade a atribuição de identidade aos entes da natureza que chamamos de espécies. É uma atividade que nos remete ao passado de instituições similares, os museus de história natural, desde suas origens até os dias atuais.”

Histórias como a do peixe que recebeu o nome de “Macunaíma: herói sem nenhum caráter” serão levadas para a mostra. “Em 2003, a National Science Foundation dos Estados Unidos financiou um ambicioso projeto para aumentar o conhecimento sobre os bagres do mundo”, conta Isabel. “Esse foi o primeiro descrito pela equipe do laboratório de Ictiologia depois de uma expedição ao rio Araguaia e tornou-se nosso herói. Em geral, espécies são descritas por possuírem algum caráter exclusivo. Esta apresenta apenas uma combinação única de caracteres. Daí ter recebido o nome Ituglanis macunaima: herói sem nenhum caráter.”

Nas vitrines, a equipe procurou atribuir a identidade às espécies em uma linguagem simples. Os pesquisadores contam ao público, por exemplo, a história do professor Ubirajara Martins de Souza, que atuou no Museu de Zoologia desde 1959 e descreveu cerca de 2 mil espécies de besouros serrapaus. Uma caixa com diversos exemplares descritos pelo cientista está na mostra.

Novas lagostas, novos peixes, os vários tipos de cupins da Mata Atlântica, além de uma diversidade de vertebrados e invertebrados, também fazem parte da exposição. “No mundo contemporâneo, com nosso planeta abrigando mais de 7 bilhões de seres humanos exercendo enorme pressão sobre ambientes naturais, a urgência do presente nos coloca diante da missão de interpretar a diversidade antes que seja extinta”, diz Isabel. “O museu descreve e estuda espécies para tentar mitigar as ações humanas que provocam seu desaparecimento. Ou seja, é preciso conhecer para preservar.”
Raízes


Foto: Ader Gotardo / MAE
Plumaria e fibra vegetal – Máscara Grande, Tapirape

A história da cultura indígena do Brasil e de outras áreas americanas, as manifestações das culturas africanas e afro-brasileiras, as heranças da antiguidade grega e romana e as sociedades do Oriente Médio compõem o acervo do MAE. Para a mostra “Olhares Cruzados”, os curadores Camilo de Mello Vasconcellos, Marisa Coutinho Afonso e Carla Gibertoni Carneiro escolheram 35 peças significativas para pontuar as raízes da nossa cultura. “A discussão sobre identidade cultural é baseada no acervo que representa diferentes grupos humanos no tempo e no espaço, revelando as histórias, mudanças culturais e ambientais”. explica a professora Marisa.

A equipe de curadores selecionou sete peças de arqueologia brasileira, como crânio humano e estatueta antropomorfa, encontrados em sambaquis e sítios arqueológicos localizados no litoral brasileiro; cerâmicas amazônicas das regiões de Santarém e da Ilha do Marajó; seis peças de arqueologia clássica, como vaso e ânfora gregas, terracota etrusca, tampa de sarcófago egípcio e vaso canopo; quatro peças de arqueologia pré-colombiana, como cerâmicas das culturas Mochica, Chimu e Paracas.

Há também nove peças de etnologia brasileira que incluem cerâmicas, plumárias, máscaras de vários grupos, como Karajá, Bororo, Kaapór, Kayapó-Xikrin, Yawalapiti, Tukuna e Tapirapé, e nove peças de etnologia africana, incluindo estatuetas, máscaras, joias, metal de várias regiões da África ocidental. “Apesar das diferentes áreas de conhecimento em que atuam os quatro museus, a seleção das peças permite a apresentação das maneiras como as pessoas se representam em várias culturas, a sua utilização em atividades cotidianas ou cerimoniais e uma discussão sobre a sociodiversidade e a biodiversidade”, afirma Marisa.

Olhares Cruzados nos Museus da USP – exposição comemorativa aos 80 anos da USP, com patrocínio do Banco Bradesco e apoio do Programa de Educação Continuada da Escola Politécnica da USP. Abertura para convidados no dia 22 e para o público no dia 23 de janeiro. Museu de Arte Contemporânea (MAC) Ibirapuera, na avenida Pedro Álvares Cabral, 1.301. Até 14 de junho, terças, das 10 às 21 horas; de quarta a domingo, das 10 às 18 horas. Entrada gratuita. Mais informações pelo telefone (11) 2648- 0254 e no site www.mac.usp.br.


Mostra “Olhares Cruzados” reúne acervo de quatro museus da USP
Editoria: Cultura, USP Online Destaque | Autor: Redação | Data: 19 de janeiro de 2015
Palavras chave: , , , , , , , , , , , , , , , , ,


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti Leila Kiyomura / Jornal da USP
http://www5.usp.br/78503/mostra-olhares-cruzados-reune-acervo-dos-quatro-museus-da-usp/


Informações relacionadas

200 cartoons sobre o Charlie Hebdo mostram-se no Museu Virtual do Cartoon



Após o ataque ao jornal Charlie Hebdo, onde morreram 12 pessoas, o Museu Nacional da Imprensa, no Porto, pediu a cartoonistas de todo o mundo que pegassem na caneta e homenageassem o jornal satírico francês. As respostas chegaram de todo o mundo e os mais de 200 cartoons já podem ser vistos, numa galeria virtual.

“Je suis Charlie” é o nome da galeria que foi inaugurada no Museu Virtual do Cartoon, disponível no site do Museu Nacional da Imprensa. Nesta exposição gratuita e à distância de um clique podem ver-se trabalhos de Ares, Angél Bolígan, Diego Herrera, Constantin Sunnerberg, entre muitos outros, provenientes de países como Cuba, Austrália, Bélgica, China, Estados Unidos, Grécia, Índia, Irão, Moçambique, Palestina, Sérvia, Tailândia e Turquia.




Após o ataque ao jornal Charlie Hebdo, onde morreram 12 pessoas, o Museu Nacional da Imprensa, no Porto, pediu a cartoonistas de todo o mundo que pegassem na caneta e homenageassem o jornal satírico francês. As respostas chegaram de todo o mundo e os mais de 200 cartoons já podem ser vistos, numa galeria virtual.

“Je suis Charlie” é o nome da galeria que foi inaugurada no Museu Virtual do Cartoon, disponível no site do Museu Nacional da Imprensa. Nesta exposição gratuita e à distância de um clique podem ver-se trabalhos de Ares, Angél Bolígan, Diego Herrera, Constantin Sunnerberg, entre muitos outros, provenientes de países como Cuba, Austrália, Bélgica, China, Estados Unidos, Grécia, Índia, Irão, Moçambique, Palestina, Sérvia, Tailândia e Turquia.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti https://www.google.com/url?rct=j&sa=t&url=http://observador.pt/2015/01/20/200-cartoons-sobre-o-charlie-hebdo-mostram-se-no-museu-virtual-cartoon/&ct=ga&cd=CAEYACoUMTQ5OTUyMzAyMTUxNzI4Nzc4MTgyGjc4N2UwZWViMGViNzhhYmM6Y29tOnB0OlVT&usg=AFQjCNE2GnGAAVpH3dRT75UHpUEBr5wrOw

Luxemburgo e Portugal "trocam" obras de arte

O Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo vai ter patente a partir de 29 de Janeiro uma pintura do Museu de Arte Antiga em Lisboa, no âmbito da iniciativa "Obra Convidada", que vai levar uma tela do museu luxemburguês também a Portugal.

Iniciado em 2013, com uma obra de Lucas Cranach, o Velho, vinda do The Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, o ciclo de exposições "Obra Convidada" tem vindo a apresentar naquele museu português algumas obras de arte de grandes museus estrangeiros.

O intercâmbio temporário chega agora ao Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo (MNHA), que vai exibir a pintura "O Casamento Místico de Santa Catarina", do pintor barroco espanhol Bartolomé Esteban Murillo (1618-1682). A tela, considerada “uma das mais excepcionais peças da juventude do pintor”, foi oferecida pela Rainha Isabel II de Espanha ao Rei D. Luís de Portugal.

Em simultâneo, o Museu de Arte Antiga em Lisboa vai mostrar já a partir de 22 de Janeiro a pintura "Baco, Vénus e Cupido", do italiano Rosso Fiorentino (1494-1540), proveniente do Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo.

No Grão-Ducado, a exposição da tela cedida pelo museu português é inaugurada a 29 de Janeiro, às 18h, numa apresentação que vai contar com um concerto de guitarra portuguesa, com João Godinho e Paulo Cartaxo, e com a presença da ministra da Cultura do Luxemburgo.

Para o director do museu luxemburguês, que lançou em Novembro visitas guiadas em língua portuguesa, a mostra é também uma ocasião para atrair mais portugueses ao MNHA.

"Já temos com certeza visitantes portugueses, mas parece-me que ainda há progressos a fazer. Queremos dar a conhecer melhor o museu junto da comunidade portuguesa e convidar os seus membros a apropriar-se deste espaço cultural", disse Michel Polfer ao CONTACTO.

O director do MNHA sublinha ainda a importância de dar a conhecer a cultura portuguesa no Luxemburgo, e adianta que o museu prepara já uma exposição sobre os Descobrimentos portugueses, em colaboração com o Museu Nacional de Arte Antiga.

Prevista para o Outono de 2017, a exposição, que tem como título provisório "Drawing the World" ("Desenhando o Mundo"), vai dar a conhecer no Luxemburgo o período mais emblemático da história de Portugal.

"O conhecimento de um país e dos seus habitantes passa também pelo conhecimento da sua cultura. É uma evidência que a história de Portugal e o seu rico património histórico e cultural não são bem conhecidos no Luxemburgo, apesar da presença da comunidade portuguesa há quase meio século, e o museu quer dar o seu contributo", disse Michel Polfer.

A obra do Museu Nacional de Arte Antiga vai poder ser vista no Luxemburgo de 29 de Janeiro a 10 de Maio, estando agendadas ainda três conferências sobre arte portuguesa.

A 26 de Março, vai estar no Luxemburgo Anísio Franco, conservador do Museu Nacional de Arte Antiga em Lisboa, para falar sobre as colecções de arte antiga do país. A 16 de Abril, é a vez de Delfim Sardo, comissário independente, falar sobre arte moderna e contemporânea portuguesa.

Em data a confirmar, virá ainda ao Luxemburgo António Filipe Pimentel, director do Museu de Arte Antiga, disse ao CONTACTO Sónia da Silva, responsável de comunicação do MNHA.



 O Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo,
na capital, vai acolher uma obra do Museu de Arte antiga,
em Lisboa Foto: Guy Jallay

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.wort.lu/pt/cultura/exposic-o-luxemburgo-e-portugal-trocam-obras-de-arte-54be672a0c88b46a8ce51d06

10 Consejos para el Trato a las Personas Mayores en los Museos · en INSTITUCIONES, MUSEO, MUSEOGRAFÍA, OPINIÓN. ·




“El único error importante es aquel del
que no hemos aprendido nada”.
Henry Ford



Las personas mayores son un sector de nuestra sociedad muy importante, que necesita de nuestra atención y delicadeza. Los trataremos de forma homogénea, sin entrar en más detalles sobre su perfil social. Normalmente acuden a los museos en grupo, siendo un colectivo que debe ser muy importante para cualquier museo. Por esta razón, y porque son nuestros mayores, requieren un atención preferente que podríamos sintetizar en los siguientes 10 puntos:

1. Si se trata de una visita organizada previamente, hay que salir a recibirlos a la puerta. Lo merecen y ellos nos lo agradecerán.

2. Desde el comienzo mismo de la visita, hay que ofrecerles la máxima amabilidad, educación y tranquilidad, nada de prisas. Hay que dejar que se tomen su tiempo para todo, incluida la visita al aseo y ojo con las escaleras. Hay que tener siempre sillas a mano y espacios para que puedan descansar cuando lo necesiten.

3. Las personas mayores han tenido muchas experiencias en su vida, no son niños. Es un gran error infantilizar la visita.

4. El recorrido que hagáis con ellos debe ser cómodo por encima de todo; allá donde tengan que detenerse, colocad sillas o bancos para que puedan sentarse.

5. Mucha atención con la medidas de las letras de los textos en paneles o rótulos y su colocación. Hemos visitado museos con textos pegados en el suelo, eso es una grosería y una falta de respeto a todos los públicos, menos a los reptiles. Los diseñadores que hacen esas cosas deberían estar prohibidos. Las personas siempre deben ser prioridad, deben estar por encima de los diseñadores megagüaisdivinosdelamuerte.

6. Las personas mayores son perfectamente capaces de asistir a talleres, pero debemos recordar que para ellos es prioritaria la comunicación, la paciencia y la amabilidad. hay que dejar que hablen y se expliquen a su ritmo.

7. Hay que pensar muy bien el guión de la visita: es fundamental que las ideas sean claras, y si les habláis hay que vocalizar las palabras con claridad y hacerlo despacio; alguno de ellos pueden tener dificultades de audición. Tened en cuenta que las personas mayores no son estúpidas, no las tratéis como si lo fueran.

8. Si para los niños es importante la imaginación, para las personas mayores lo son los recuerdos: nunca olvidéis esto.

9. No tratéis de tener un discurso florido ni ser exhaustivos con las personas mayores. hay que darles tiempo para que piensen y no les forcéis con preguntas, que sean ellos los que pregunten cuando quieran, lo harán seguro si habéis captado su interés.

10. Procurad tener un detalle con ellos, que se lleven alguna cosa del museo a casa.



Ilustración en un sobre de Mark Powell

El museo debe ofrecer autenticidad, no hay que forzar la máquina del trato por el trato. La naturalidad y lo espontáneo será bueno no solo para las personas mayores, también para los niños y adultos.

Foto cabecera: Blog de Shawn Stussy (Double blog)

Imagen principal y para las redes sociales: Blog The Sartorialist (Scott Schuman)


Carpet Museum Irã

arpet-weaving is undoubtedly one of the most distinguished manifestations of Iranian culture and art, dating back to the Bronze Age, but as the materials used in carpets including wool and cotton, decay into dust during the course of time, archaeologists couldn't make any special discovery during the archaeological excavations. What have remained for us from the early ages as evidence of carpet-weaving are nothing more than a few pieces of worn-out rugs. 





Such fragments do not help very much in recognizing the carpet-weaving characteristics of pre-Seljuk period (13th and 14th centuries AD). Among the oldest pieces discovered are those found in Eastern Turkestan, dating back to the third to fifth centuries AD, and also some of the hand-weavings of the Seljuks of Asia Minor on exhibit in Ala’edin Mosque in Konya and Ashrafoghlu Mosque in Beyshehir, rkey. These pieces attracted the attention of researchers earlier this century, and now they are kept in the Museum of Turkish and Islamic Art in Istanbul and the Mowlana Museum in Konya.

In a unique archaeological excavation in 1949, the exceptional Pazyryk carpet was discovered among the ices of Pazyryk Valley, in Altai Mountains in Siberia. It was discovered in the grave of a Scythian prince by a group of Russian archaeologists under the supervision of professor Rudenko. Radiocarbon testing revealed that Pazyryk carpet was woven in the 5th century BC. This carpet is 1.83×2 meters and has 36 symmetrical knots per cm2.The advanced weaving technique used in the Pazyryk carpet indicates a long history of evolution and experience of this art. Most experts believe that the Pazyryk carpet is the final achievement of at least one thousand years of experience and history. According to this theory the art of carpet-weaving in Iran is at least 3500 years old. 
In 1978, the founders of the Carpet Museum of Iran established this Museum with a limited number of Persian carpets and kilims, in order to revive and develop the art of carpet-weaving in the country, and to provide a source to satisfy the need for research about the historical background and evolution of this art 
The Carpet Museum of Iran, with its beautiful architecture and facade resembling a carpet-weaving loom is located on the northwest of Laleh Park in Tehran. It is composed of two exhibition galleries covering an area of 3400 m2.The ground floor gallery is assigned for permanent exhibitions and the upper floor gallery is considered for the temporary exhibitions of carpets, kilims, and carpet designs.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://carpetmuseum.ir/home.htm