Listen to the text.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Museus para visitar em Viena

Haus der Musik, Kunsthistorisches Museum, Albertina, Naturhistorisches Museum: veja 10 museus imperdíveis na capital austríaca


O Palácio Imperial de Hofburg, em Viena, contém as melhores exposições da família Habsburg 




Viena é sinônimo de luxo, sofisticação e requinte, além de ser considerada uma das mais divertidas cidades do mundo. Com uma arquitetura extraordinária, capaz de deixar qualquer pessoa de boca aberta, museus variados, casas de ópera e escolas que incentivam o estudo da arte, o principal centro político da Áustria é conhecido por ser uma capital cultural. A cidade, uma das mais belas da Europa, é também um verdadeiro paraíso para todo e qualquer amante de arte e uma das 10 melhores cidades para viajar em 2015.

E quando o assunto é museu, poucas cidades possuem a infraestrutura de Viena. A capital austríaca tem mais de 100 museus, abrangendo desde a história antiga até os dias atuais, alguns interativos, outros temáticos, uns contendo galerias imensas. Há também outros pequenos, pouco conhecidos, porém ainda assim curiosos e que valem uma espiadela. Tudo é tão organizado e atrativo que podemos seguramente dizer que em Viena o passado está vivo.

Outro de seus diferenciais é que, ao contrário da maioria das cidades no mundo, em Viena os museus não cessam suas atividades às segundas-feiras. Aliás, não há dia de fechamento, e, dessa forma o turista ganha mais um dia da semana para se programar e conhecer algumas das mais bonitas e ricas casas de cultura e arte do mundo.

Descontos e gratuidades facilitam o acesso aos museus de Viena
Uma boa dica para quem planeja conhecer a maior quantidade de museus possível é adquirir o Vienna Card, que dá mais de 210 descontos em atrações turísticas, incluindo museus, teatros, cafés e restaurantes. Existem duas opções de Vienna Card: uma para 48h de benefícios, custando 18,90 € (pouco menos de R$ 55) e outra para 72h de descontos, saindo a 21,90 € (R$ 63). Lembrando que, em Viena, embora museus sejam atividades custosas, todo primeiro domingo de cada mês esses estabelecimentos abrem gratuitamente as portas ao público (veja atrações gratuitas na capital da Áustria).

Se você dispõe apenas de uma curta estadia em Viena, visitar um número grande de museus não será uma tarefa fácil. Confira, então, aqueles que acreditamos serem os mais completos e atrativos estabelecimentos do gênero nesta cidade:

Kunsthistorisches Museum (Museu de História da Arte) e Naturhistorisches Museum (Museu de História Natural): são edifícios gêmeos separados por uma praça no centro de Viena. O primeiro é repleto de obras de grandes pintores, escultores e artesãos, com acervos egípcio, oriental, barroco e renascentista, além de exposições holandesa, flamenga, italiana e alemã dos séculos XVI e XVII. O museu funciona todos os dias, das 10h às 18h, porém, todas as quintas, fecha às 21h. A entrada custa 14 € (R$ 40).

Já o Naturhistorisches tem uma grande quantidade de minérios, a maior coleção de meteoritos do mundo e restos de animais, inclusive pré-históricos. As ossadas de dinossauros impressionam. A Venus Galgenberg, a mais antiga escultura figurativa do mundo, está exposta na sala 11. Reserve ao menos três horas para visitar os 39 halls desse museu. O museu abre suas portas todos os dias, exceto às terças, das 9h às 18h30min e sua entrada sai por 10 € (cerca de R$ 29).

O deslumbrante edifício onde funciona o Museu de História Natural de Viena



The Third Man Museum: é um espaço criado em homenagem ao filme "O 3º Homem" (1949), estrelado por Orson Welles e Joseph Cotten, e que foi eleito pelo British Film Institute o melhor filme britânico do século XX, além de dar um Oscar ao seu diretor Robert Krasker. Este museu particular compreende um total de 2,3 mil documentos originais dispostos nas suas 13 salas de exibição, incluindo roteiros originais, uma coleção de itens de premières em mais de 20 países e 420 versões cover de "Harry Lime Theme", a cítara usada por Anton Karas para gravar a música do filme. O museu só abre aos sábados, das 14h às 18h, custando 8,50 € o ingresso (pouco menos de R$ 25). Há datas especiais de abertura, que variam mês a mês (acompanhar no site oficial).

Palácio Imperial de Hofburg: foi a residência oficial da família Habsburg, monarcas de vários territórios entre os séculos 13 e 20, como o Sacro Império Romano-Germânico e o Império Austro-Húngaro. Atualmente, o Palácio abriga os escritórios do presidente austríaco e uma série de museus que engloba as pratarias reais, os apartamentos imperiais e numerosos itens da lendária Imperatriz-consorte Elisabeth da Áutria, responsável pela união do Império Austro-Húngaro e morta a facadas por um anarquista italiano. De setembro a junho, o palácio funciona todos os dias, das 9h às 17h30min e em julho e agosto, das 9h às 18h. A menor taxa de ingresso sai a 11,50 € (R$ 33).

Fachada do Palácio Imperial de Hofburg, de frente para a Praça Michaeler, no coração de Viena



Madame Tussauds: é um famoso museu de figuras notórias feitas de cera incrivelmente realistas. Com sede em Londres, tem 13 filiais ao redor do globo. Em Viena foi inaugurado em 2011, com exposições interativas, que permitem ao público compor uma música com Mozart e Beethoven ou realizar um teste de QI (quociente de inteligência) junto a Albert Einstein. É um ótimo lugar para levar crianças e adolescentes, que irão reconhecer seus atores, cantores e celebridades favoritos. Entradas custam 20,50 € (R$ 60) se compradas na hora ou 14,35 € (pouco mais de R$ 40) quando adquiridas através do site oficial. O Madame Tussauds abre as portas diariamente, das 10h às 18h.

Belvedere Palace & Museum: chama a atenção não somente por sua estrutura imponente dos dois palácios (Upper e Lower), mas também pelos seus graciosos jardins, que, por si só, já valem a visita. O palácio possui o mais extenso acervo de obras austríacas da segunda metade do século 19 e início do século 20. A maior coleção do mundo de pinturas de Gustav Klimt está exposta aqui, com inegável destaque para sua obra-prima "O Beijo", quadro baseado em seu caso com sua amante Emilie, que evidencia a sexualidade do artista, nessa época ainda velada (em suas últimas pinturas será escancarada). O Belvedere funciona diariamente, das 10h às 18h. Já o preço do ingresso para a visita ao Lower Belvedere é de 11 € (R$ 30) e de 14 € (R$ 40) no caso do Upper Belvedere. É mais econômico comprar o ticket que dá direito à entrada em ambos os palácios. O valor é de 19 € (R$ 55).

O Upper Belvedere Palace é uma das construções mais esplêndidas da capital austríaca



Haus der Musik (Casa da Música): oferece uma experiência única e enriquecedora. Este é provavelmente o museu mais interativo de Viena. Divide-se em quatro andares: o primeiro conta a história da famosa Filarmônica de Viena; o segundo é um espaço que irá testar os limites de sua audição através de instrumentos sonoros, brinquedos e da tecnologia, sendo possível até gravar seu próprio CD; o terceiro apresenta os principais compositores da música ocidental; e, finalmente, no último andar, você assumirá o papel de maestro e conduzirá a Orquestra Filarmônica de Viena. Abre diariamente, das 10h às 22h e custa 13 € o ingresso (R$ 38).

Museumsquartier (bairro dos museus): é um centro cultural moderno que combina diversos estilos urbanos, próximo ao Palácio Imperial de Hofburg. Algumas de suas principais instituições são o Museu de Arte Moderna, o Leopold Museum, o pavilhão Kunsthalle Wien e o Centro de Arquitetura de Viena. Este é um dos maiores espaços de arte do mundo, com uma área total de 60 mil metros quadrados, que conta ainda com restaurantes, cafés e lojas. É o lugar perfeito para ver e ser visto.

O Museumsquartier (bairro dos museus) de Viena é um espaço que visa a socialização aliada ao enriquecimento cultural

Ernst Fuchs Museum: é um museu privado que contém obras deste gênio da arte. Funciona em uma charmosa mansão projetada por outra sumidade, o arquiteto Otto Wagner. Localizado no bairro de Penzing, numa tranquila zona residencial, esta é uma atração fora do circuito turístico tradicional, mas que compensa o deslocamento para os fãs do estilo art noveau, art decó e jugendstil. Funciona de terça à sábado, das 10h às 16h e nos demais dias somente por meio de solicitação prévia. Sua entrada custa 11 € (R$ 30).

A antiga mansão arquitetada por Otto Wagner guarda incríveis obras de Ernst Fuchs em Viena
Albertina
 
 
 
 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.pureviagem.com.br/noticia/turismo-em-viena-museus-para-visitar-na-cidade_a4235/1

Museu Capixaba do Negro recebe exposição de selos, em Vitória

'Orisun Asa' mostra a importância da cultura negra para o país. Mostra fica exposta até o dia 29 de março.


Selos retratam a importância da cultura negra para o
país (Foto: Divulgação/ Semc)



O Museu Capixaba do Negro (Mucane) vai receber, a partir do dia 29 de janeiro, às 18h, a exposição 'Orisun Asa', uma reunião de 19 painéis com selos que resgatam a importância da cultura negra para o país. A mostra foi montada em parceria entre o Museu Nacional dos Correios e Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Governo Federal.

A exposição abre um panorama sobre a presença do negro na filatelia - estudo de selos e de itens relacionados à história postal - brasileira, através de três módulos com 19 painéis, divididos nos temas personalidades, que aborda nomes como Pelé e Mãe Menininha do Gantois; Saberes e Fazeres, que trata de áreas como gastronomia e religião; e Política e Social, com assuntos como a Lei Áurea e a Igualdade Rocial.







A exposição ficará no Mucane até o dia 29 de março, com visitação gratuita de terça a sexta-feira, das 9h às 17h, e sábados e domingos, das 12h às 16h.


Serviço
Exposição Orisun Asa - Mostra Filatélica
Abertura: 29 de janeiro, às 18h
Visitação: até 29 de março - terça a sexta, das 9h às 17h, e sábados e domingos, das 12h às 16h
Onde: Museu Capixaba do Negro (Mucane) - avenida República, 121, Centro
Aberta ao público

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2015/01/museu-capixaba-do-negro-recebe-exposicao-de-selos-em-vitoria.html

Genocido aukų muziejus . Lietuvos . - Museu das Vítimas do Genocídio - Lituania - ( .pt )



Genocido aukų muziejus (tuo metu – Lietuvos genocido aukų muziejus) įsteigtas Lietuvos Respublikos kultūros ir švietimo ministro bei Politinių kalinių ir tremtinių sąjungos prezidento 1992 m. spalio 14 d. įsakymu. Pirmuoju direktoriumi paskirtas istorikas Gintaras Vaičiūnas.


Muziejus įrengtas pastate, kuriame beveik penkiasdešimt metų veikė sovietinės saugumo tarnybos, pasauliui geriausiai žinomos kaip KGB. Lietuvos žmonėms šis pastatas yra sovietinės okupacijos simbolis, todėl labai svarbu, kad kaip tik jame įkurtas muziejus, turintis dabartinei kartai priminti, o ateinančioms – papasakoti apie sunkius ir tragiškus Lietuvai ir jos žmonėms 1940–1991 m.


 
Buvusių KGB rūmų pastatas

1997 m. muziejus reorganizuotas. Lietuvos Respublikos Vyriausybės 1997 m. kovo 24 d. nutarimu „Dėl Represijų Lietuvoje tyrimo centro ir Genocido aukų muziejaus perdavimo Lietuvos gyventojų genocido ir rezistencijos tyrimo centrui“ muziejaus steigėjo teises perėmė Lietuvos gyventojų genocido ir rezistencijos tyrimo centras (LGGRTC). Muziejus yra šio Centro Memorialinio departamento dalis. Nuo 1997 m. muziejui vadovauja Memorialinio departamento direktoriaus pavaduotojas Eugenijus Peikštenis.


Pirmaisiais muziejaus gyvavimo metais lankytojai galėjo apžiūrėti tik buvusį KGB vidaus kalėjimą, įrengtą pastato rūsyje 1940 m. rudenį (kameras, karcerius, pasivaikščiojimo kiemelius). 1999 m. kūrybingi architektai kartu su muziejaus darbuotojais parengė muziejaus ekspozicijų projektą. Kadangi muziejus įkurtas istoriniame pastate, rengiant ekspozicijas buvo nutarta palikti ankstesnį išplanavimą, išsaugoti išlikusias autentiškas detales, kai kur atkurti buvusias patalpas ar jų fragmentus. Buvusį KGB vidaus kalėjimą nuspręsta palikti visai autentišką, tiksliau, tokį, kokį jį paliko sovietų saugumiečiai išsikraustydami iš pastato 1991 m. rugpjūtį.


 
Buvusio KGB vidaus kalėjimo kamera


Pirmoji ekspozicija, parengta pagal naująjį projektą, buvo atidaryta 2000 m. birželio 24 d. buvusioje mirties nuosprendžių vykdymo patalpoje. Joje eksponuojama medžiaga supažindina lankytojus su XX a. 5–7 dešimtmečiais vykdytomis egzekucijomis, jų aukomis ir budeliais.


 
Ekspozicijos buvusioje mirties nuosprendžių vykdymo patalpoje atidarymas.
2000 m. birželio 24 d.


2002 m. pradėta rengti ekspozicijas pirmajame muziejaus aukšte – lapkričio mėn. buvo atidaryta įvadinė ekspozicija „Lietuva 1940–1941 m.: netektys prasideda…“ Ji įrengta buvusiame MGB (KGB) vidaus kalėjimo viršininko pavaduotojo kabinete, todėl greta eksponatų, pasakojančių apie krašto okupaciją ir sovietizaciją, galima apžiūrėti ir atkurtą šio kabineto interjerą. Ekspozicijų rengimas pirmajame muziejaus aukšte buvo baigtas 2004 m. pabaigoje, įrengus ekspozicijas, skirtas partizaniniam karui 1944–1953 m.


 
Muziejaus direktorius Eugenijus Peikštenis supažindina Prezidentą Valdą Adamkų su ekspozicija „Lietuva 1940–1941 m.: netektys prasideda…“.
2002 m. lapkričio 27 d.


2006 m. antrajame muziejaus aukšte buvo įrengtos ekspozicijos, skirtos Lietuvos gyventojų kalinimui gulage 1944–1956 m., trėmimams 1944–1953 m. ir KGB veiklai 1954–1991 m. 2007 m. lankytojams duris atvėrė paskutinė antrojo aukšto ekspozicija, pasakojanti apie pilietinį (neginkluotą) antisovietinį pasipriešinimą 1954–1991 m. Dvejose antrojo aukšto patalpose taip pat atkurti buvę interjerai – už stiklo pertvarų eksponuojama KGB fotolaboratorija ir telefoninių pokalbių klausymosi kabinetas.


 
Muziejaus direktorius Eugenijus Peikštenis pristato antrojo aukšto ekspozicijas Europos parlamento nariui Vytautui Landsbergiui.
2006 m. balandžio 7 d.


Įrengus ekspozicijas, skirtas sovietų okupacijai, atsirado galimybė parengti ekspoziciją ir apie nacių okupacijos laikotarpį Lietuvoje, tuo labiau kad atlikus polichrominius tyrimus buvusio KGB vidaus kalėjimo 3-iojoje kameroje buvo rasti gestapo kalintų žmonių įrašai, datuojami 1942–1944 m. Kadangi toje kameroje dar vyko restauravimo ir konservavimo darbai, ekspozicijos teko šiek tiek palaukti – ji įrengta 2011 m.




Muziejaus direktorius Eugenijus Peikštenis su naujausia muziejaus ekspozicija supažindina Ministrą Pirmininką Andrių Kubilių.
2011 m. spalio 20 d.

Nuo 2008 m. gruodžio 31 d., LGGRTC žinion perdavus Tuskulėnų rimties parką su jame esančiais pastatais, Genocido aukų muziejus turi padalinį – Tuskulėnų rimties parko memorialinį kompleksą.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti colaboração Emilija Žentilienė - http://genocid.lt/muziejus/lt/563/c/