domingo, 1 de março de 2015

Національний Художній Музей України, -- National Art Museum of Ukraine


Історія виникнення



З історії Національного художнього музею України



Музей був заснований зусиллями української інтелігенції наприкінці ХІХ століття як перший загальнодоступний музей Києва.

Будівля музею споруджена за проектом московського архітектора Петра Бойцова у неокласичному стилі. Доопрацьовував проект та керував роботами відомий київський зодчий Владислав Городецький. Скульптурне оздоблення фасаду виконано майстернею Еліо Саля.

Перша виставка з нагоди ХІ Всеросійського археологічного з’їзду відкрилася у недобудованому приміщенні Київського міського музею старожитностей і мистецтв у серпні 1899 року. Офіційне відкриття та освячення закладу, який здобув назву Київський художньо-промисловий та науковий музей імені государя імператора Миколи Олександровича, відбулося 30 грудня 1904 року.



1919 року після націоналізації музей став називатися 1-м Державним, з 1924 — Всеукраїнським історичним імені Тараса Шевченка, з 1936 — Державним українським, з 1939 — Державним музеєм українського мистецтва. Під час німецької окупації Києва у 1942 році музей був об’єднаний з колекцією російського мистецтва під загальною назвою Державний музей східноєвропейського мистецтва, 1944 року попередній статус музею було відновлено. У зміні назв музею відобразилися складні процеси життя країни та певні етапи становлення вітчизняної музейної справи. Зокрема, за назвами можна простежити, як змінювався профіль колекції, і як окремі частини первинної збірки відходили, аби стати підґрунтям для народження інших музеїв Києва.

Остання назва цієї інституції — Національний художній музей України — з’явилася 1994 року за часів незалежності української держави, що засвідчило найвищий статус музею як провідної колекції вітчизняного мистецтва, яка і нині залишається духовною скарбницею нашої країни, її гордістю та багатством.



Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://namu.kiev.ua/en/about/history.html



History

From the history of the National Art Museum of Ukraine



The museum was founded thanks to the activities of Ukrainian intellectuals at the end of ХІХ century as the first free-for-all Kyiv museum.

Museum building was constructed under the project of Moscow architect Petro Boitsov in neo-classic style. This project was updated and implemented by Kyiv architect Vladyslav Horodetskiy. Sculpture decoration of the frontispiece is performed by Elio Salia.

The first exhibition on the occasion of the ХІ All-Russian Archaeology Conference took place in incompleted building of Kyiv City Museum of Antiquity and Art in August 1899. Official opening and consecration of the institution called Sovereign Imperator Mykola Oleksandrovych Kyiv Art-Industrial and Scientific Museum was held on December 30, 1904.



In 1919 after the nationalization museum was called the First State, from 1924 – Taras Shevchenko All-Ukrainian Historical Museum, from 1936 – the State Ukrainian Museum, from 1939 – The State Museum of Ukrainian Art. During the Germany occupation of Kyiv in 1942 the museum was integrated with the Russian art collection under the common name the State Museum of East European Art, in 1944 the previous museum status was renewed. Changes of the museum names reflected the complicated life processes in the country and certain stages of Ukrainian museum work restoration. For example, the name changing shows the changes of museum collection’s profile and separation of certain parts of this collection for establishment of other Kyiv museums.

The last name of this institution is the National Art Museum of Ukraine, it arose in 1994 in the independent Ukrainian state and it proved the highest museum status as the leading collection of Ukrainian art, which still remains the spiritual treasury of our country, its pride and wealth.


Cultura e cozinha brasileira - MEXIDÃO DA ZÚ - Mônica Rangel , do livro Interpretações de gosto ( SENAC ).

Chef

Monica Rangel, fiel à essência mineira Meticulosa, estudiosa e dinâmica.


monica rangel1 Superchefs

Organizadora do Concurso Gastronômico de Visconde de Mauá, Rio de Janeiro - Brasil - viaja frequentemente pelo Brasil e mundo afora para dar palestras, fazer demonstrações e participar de eventos gastronômicos.

Consultora da Rede de Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, na área de gastronomia, e fundadora do “Movimento Brasil à Mesa” que tem como objetivo central valorizar a gastronomia brasileira, ela atua com a Embratur para representar o Brasil em diversos eventos gastronômicos pelo mundo.   
    
O Gosto com Gosto é considerado por dez anos consecutivos o melhor restaurante mineiro do Brasil. O Gosto com Gosto é comandado pela mineira Mônica Rangel desde 1994. 

A chef fabrica todas as linguiças servidas e vendidas no restaurante, bem como os doces, chutneys e geleias feitos no fogão a lenha.   

Mesmo quando não está no restaurante, a vida gastronômica não para: a fim de desafiar cozinheiros locais a descobrir mil possibilidades para o pinhão, fruto característico da serra da Mantiqueira, a chef, junto a outros moradores, montou a Associação Comercial Visconde de Mauá (ACVM) e concebeu o Concurso Gastronômico de Visconde de Mauá, que reúne cozinheiros locais e grandes chefs nacionais e internacionais.     

Mas quando o assunto é viajar pelo mundo, a chef já esteve em diversos eventos, realizando palestras, demonstrações culinárias e, até mesmo, cozinhando para Copa do Mundo da Alemanha. Monica também coordena a mais de 6 anos um cruzeiro gastronômico levando nossa cozinha para fora do País.     

Mônica Rangel é praticamente uma autodidata. E o modo mais fácil de começar a cozinhar para ela foi com suas memórias e sua vivência. A chef conta que fez poucos cursos de gastronomia. Aprendeu o cozimento em baixa temperatura com chef francês radicado no Brasil, Laurent Suaudeau.      

Tem muitos projetos e sonhos para o futuro, mas o mais premente e manter tudo que já construí até agora e olhe que da trabalho, muito mais do que criar. Quero muito ampliar o trabalho de valorização de nossa gastronomia dentro e fora do Brasil.   

Gosto com Gosto Rua Wenceslau Braz, 148 Visconde de Mauá • Resende • Rio de Janeiro - Brasil  • www.gostocomgosto.com.br




MEXIDÃO DA ZÚ



Responsável: Mônica Rangel e Claudio Rangel


Ingredientes:

1 col de sopa de manteiga
250g filé mignon cortado em cubos
2 col de sopa de bacon cortados em cubos
2 col de sopa de cebola picada
1 col de sopa de alho picado
2 ovos
50 g de linguiça
300 g. de arroz cozido
1 concha de feijão cozido
5 col de sopa de farinha de mandioca
Sal a gosto
Cheiro verde a gosto


Modo de Preparo:

Coloque o bacon, o filé e a linguiça para fritar na manteiga. Acrescente a cebola e o alho e deixe dourar bem. Adicione os ovos mexidos e o sal. Misture tudo e coloque o arroz e o feijão. Por ultimo a farinha de mandioca e o cheiro verde picado. Ajuste o sal e polvilhe queijo ralado.
Fonte:  @edisonmariotti #edisonmariotti  Chef Mônica Rangel – http://cybercook.terra.com.br

Grad Gewerkenegg - Mestni muzej Idrija -- Gewerkenegg Castle – The Idrija Municipal Museum

Predstavitev

Javni zavod Mestni muzej Idrija ima upravni sedež na idrijskem gradu Gewerkenegg, ki je bil sezidan v prvi polovici 16. stoletja. V okviru Mestnega muzeja Idrija delujeta dve organizacijski enoti: Oddelek Idrija ter Oddelek Cerkno.

Grad_Gewerkenegg_1

Idrijski oddelek muzeja obsega stalne in začasne postavitve v danes prenovljenem grajskem kompleksu, kjer je na ogled stalna razstava Pet stoletij rudnika živega srebra in mesta Idrije, za katero je Evropski muzejski forum muzeju podelil nagrado fundacije Luigi Micheletti za najboljši evropski muzej industrijske in tehniške dediščine leta 1997. Muzej upravlja in skrbi za mnoge tehniške in kulturne spomenike v Idriji, med njimi so idrijska kamšt, zbirka obnovljenih rudniških strojev in naprav v jašku Frančiške, rudarska hiša ter Partizanska tiskarna Slovenija na Vojskem.

Oddelek v Cerknem poleg Cerkljanskega muzeja vključuje tudi dva kulturna spomenika nepremične dediščine na Cerkljanskem, to sta domačija pisatelja Franceta Bevka v Zakojci in Partizanska bolnica Franja v Dolenjih Novakih. V muzeju sta na ogled dve stalni razstavi: Cerkljanska skozi stoletja in PUST JE KRIV! – Pripoved o cerkljanskih laufarjih. Pisateljeva domačija je veren prikaza življenja na Cerkljanskem na prehodu iz 19. v 20. stoletje, v njej je predstavljeno tudi Bevkovo življenje in delo. Partizanska bolnica Franja je v celoti rekonstruiran spomenik iz druge svetovne vojne, ki ostaja kraj spomina z veliko sporočilno in simbolno vrednostjo.



Grad Gewerkenegg - Mestni muzej Idrija

Idrijski grad, ki dominira nad starim delom mesta, je ohranil zgodovinsko ime Gewerkenegg, kar v nemškem jeziku pomeni rudniški grad. Sezidan je bil v letih 1522–1533 za potrebe Rudnika živega srebra. V njem so sprva shranjevali žito in živo srebro, kasneje pa je več kot 400 let nudil prostore rudniški upravi. Tekom stoletij so bili v njem nameščeni tudi različni uradi, šole in stanovalci. Renesančni grajski kompleks s tremi okroglimi vogalnimi stolpi in čelnim stolpom je sredi 18. stoletja doživel baročno predelavo – uredili so notranje arkadno dvorišče in ga poslikali z dekorativnimi freskami. Današnjo podobo je dobil v prvi polovici 90. let 20. stoletja. Danes je namenjen muzejski dejavnosti, glasbeni šoli ter v manjši meri gostinskim in trgovskim lokalom.

Mestni muzej ima na gradu Gewerkenegg upravne prostore, javnosti pa je na ogled osrednja stalna razstava Pet stoletij rudnika živega srebra in mesta Idrije, na kateri je prikazan poltisočletni razvoj rudnika v podzemlju in vzporedno z njim rast mesta na površini. Na razstavi so predstavljeni tehnološki procesi, zgodovinski dogodki, življenjske zgodbe in usode. Pri tem so v pomoč originalni predmeti, replike in kopije, rudniške karte, zemljevidi, sheme, risbe, makete in številne fotografije. Muzejska razstava zavzema večino prvega in drugega grajskega nadstropja, nameščena je v 26 razstavnih prostorih s skupno površino nad 1.300 m2.
Razstava je razdeljena v sklope:


Za pregledno stalno razstavo je Mestni muzej Idrija leta 1997 prejel nagrado fundacije Luigi Micheletti za najboljši evropski muzej industrijske in tehniške dediščine, ki jo vsako leto podeljuje Evropski muzejski forum.

Leta 2003 je bila stalna razstava dokončana s sklopom Mejniki 20. stoletja, s katero je prikazano obdobje italijanske okupacije, poitalijančevanja in fašističnega pritiska na prebivalstvo, čas nemške zasedbe, bombardiranje Idrije spomladi 1945, delovanje Partizanske bolnice Pavla, Tiskarne Slovenija in partizanskih enot na Idrijskem. Predstavljena sta obnova mesta in razvoj nove oblasti po drugi svetovni vojni, vrh in hkrati konec delovanja nekdaj drugega največjega rudnika živega srebra na svetu ter prestrukturiranje podeželja.
Razstavo sestavljajo naslednji sklopi:


V drugem grajskem nadstropju je na ogled tudi razstava o Partizanski bolnici Pavla, razstava donacij Valentine Orsini Mazza in Bevkova spominska soba.



Idrija je najstarejše klekljarsko središče na Slovenskem, ki ohranja tradicijo te domače obrti že več kot tristo let. Prva pisna omemba čipk iz Idrije sega v leto 1696. Idrijska čipka je tip ročno klekljane čipke, ki se je tekom stoletij oblikovala v našem prostoru. Leta 2008 smo v muzeju postavili novo razstavo o idrijski čipki z naslovom »Idrijska čipka, z nitjo pisana zgodovina«.
Razstava v treh prostorih je razdeljena na osem vsebinskih sklopov, s pomočjo katerih spoznate ključne značilnosti in dejavnosti, ki opredeljujejo idrijsko čipko:
- 1. prostor: Klekljane čipke v Evropi, Razvoj idrijske čipke;
- 2. prostor: Trgovina s čipkami, Klekljarice;
- 3. prostor: Čipkarska šola, Čipke in družba, Festival idrijske čipke ter Zakladnica čipk.

Izbor nekaterih zanimivosti, predstavljenih na razstavi:
- kopije doslej še neobjavljenih dokumentov in posnetkov čipk, najdenih v arhivih;
- Jovankin prt, protokolarni pogrinjek za 12 oseb in eden največjih ohranjenih klekljanih izdelkov iz 70. let 20. stoletja, namenjen soprogi takratnega predsednika Tita;
- večerne kreacije s čipkami priznanih slovenskih modnih oblikovalcev;
- najkrajši tečaj klekljanja: 5-minutna demonstracija osnov klekljanja s pomočjo videoposnetka;
- projekcija ohranjenih posnetkov iz čipkarskih festivalov v Idriji od 50. let 20. stoletja do danes

Za razstavo je bil muzej v letu 2008 nagrajen z Valvasorjevim priznanjem – najvišjim slovenskim strokovnim priznanjem na muzejskem področju.




--

Gewerkenegg Castle – The Idrija Municipal Museum

Dominating over the old town, Idrija's castle has preserved its historical name, Gewerkenegg, which in German means mine castle. It was built in the period from 1522-1533 for the needs of the mercury mine. Initially used to store wheat and mercury, the castle was later occupied by the mine administration for more than 400 years. Over the centuries, it has also housed various offices, schools and residents. In the mid 18th century, the Renaissance castle complex with its three round corner towers and single front tower was renovated in baroque style and painted with decorative frescoes. Its present-day appearance dates back to the first half of the 1990's. Today, the castle is used for museum activities, the music school and, to a smaller extent, restaurants and shops.

The Municipal Museum has its administrative offices at Gewerkenegg Castle, which also houses the Museum's main permanent exhibition, entitled Five Centuries of the Mercury Mine and the Town of Idrija presenting the five-hundred-year history of the mine beneath the surface and the parallel growth of the town above the surface. Technological processes, historical events, life stories and destinies are exhibited here with the help of original objects, replicas and copies, mine drawings, maps, outlines drawings, models and numerous photographs. The museum exhibition takes up the majority of the first and part of the second floor of the castle, and is displayed in 26 exhibition rooms covering a total area of more than 1,300 sq.m.
The exhibition is divided into the following sections:

The permanent exhibition was completed in 2003 with a section entitled Milestones of the 20th Century, presenting the period of the Italian occupation, Italianisation and fascist pressures on the population, the German occupation, the bombardment of Idrija in the spring of 1945, the functioning of the Pavla Partisan Hospital, the Slovenia Printing Shop, and partisan units in the Idrija region. The exhibition also displays the reconstruction of the town and the development of the new authorities after World War II, the peak and end of operation of the former second-largest mercury mine in the world, and the restructuring of rural areas.
The exhibition is divided into the following segments:
The Idrija Region
Period of the Italian and German Occupation
Resistance against the Occupying Forces
Life in Idrija
International Dimensions
Rural Frescoes
   
On the second floor of the castle is also an exhibition on the Pavla Partisan Hospital, an exhibition of donations by Valentina Orsini Mazza and the Memorial Room of Slovene writer France Bevk.
Idrija is the oldest lacemaking center in Slovenia, having preserved this domestic craft for more than three hundred years. The first written mention of Idrija lace goes back to the year 1696. Idrija lace is a type of hand-made bobbin lace that has developed in this area over the centuries. In 2008 a new exhibition on Idrija lace was set up in the museum, entitled »Idrija Lace, A History Written in Thread«.
The exhibition is set up in three rooms and divided into eight thematic groups, which acquaint visitors with the key characteristics and activities defining Idrija lace:
- Room 1: Bobbin Lace in Europe, Development of Idrija Lace;
- Room 2: Lace Trading, Lacemakers;
- Room 3: Lacemaking School, Lace and Society, Idrija Lace Festival, and Treasure Chest of Lace.

A selection of interesting specimens presented at the exhibition:
- copies of unpublished documents and photos of lace pieces found in archives;
- Jovanka's tablecloth, a protocolary table cover for 12 persons and one of the largest preserved bobbin-lace articles from the 1970's, a gift to the spouse of the then reigning President Tito;
- evening creations adorned with lace, made by recognised Slovenian fashion designers;
- the shortest lacemaking course: 5-minute demonstration of the basics of lacemaking, presented in a video film;
- presentation of preserved photos and clips from lacemaking festivals in Idrija from the 1950's up to the present.

In acknowledgement of the exhibition, the Museum received the Valvasor Award in 2008 – the highest Slovenian award for achievements in museology.

--


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.muzej-idrija-cerkno.si/index.php/sl/o-muzeju/predstavitev.html


CerknoJesen

Frontespizio della brochure Slovenka,
Vojsko, marzo 1945

Musée Picasso - Paris

Projet développé spécifiquement sur cahier des charges du MNPP, démarré durant l'été 2009, utilisé par une vingtaine de collaborateurs du musée.
Destiné à l'origine à tracer les œuvres durant le déménagement du musée : suivi par codes-barres, rapport d'avancement ou d'anomalies, localisation temps réel.

Au fil des années, la solution a bénéficié de nombreux enrichissements, assurant également aujourd'hui le suivi des opérations de régie, notamment mouvements et récolement.
La solution a récemment été complétée d'une capacité de gestion éditoriale, pour permettre la rédaction et l'organisation de contenus de médiation en relation avec les œuvres.


(crédits photo: LPLT / Wikimedia Commons )


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.aa-partners.com/coups-de-projecteur/musee-picasso-paris


Paco Rabanne au musée des Tissus : pas que des robes de pacotille Coulisses. Huit ensembles, offerts en 1997, sont dans les réserves. Une conférence les a mis en lumière, hier.

Au musée des Tissus de Lyon, il y a 2,5 millions de références dont huit ensembles (robes et bijoux) de Paco Rabanne. Ils ont été créés entre 1994 et 1996 et offerts en 1997 par le directeur de cette maison. Actuellement, tous sont conservés dans les réserves, mais une conférence était consacrée hier mercredi à ce créateur couronné par un dé d’or en 1990, véritable « Jules Verne de la couture » pour Cécile Demoncept, responsable du service culturel.

Photo Pierre Augros



Fils d’une ouvrière, première d’atelier chez Balenciaga, il a suivi des études d’architecture pendant douze ans, et commencé par créer des bijoux. En utilisant des matériaux inhabituels : plastique et métal qu’il continuera d’employer pour ses robes. « Il était intéressé par le travail autour de matières, qui n’étaient pas destinées à la mode. Il veut supprimer la notion de couture », rappelle la conférencière. Il découpe des petits modules, reliés les uns aux autres, ce qui lui vaudra d’être surnommé « le métallurgiste de la mode », par Gabrielle Chanel.

Ses sources d’inspiration ? Gaudi et ses mosaïques, le Moyen Age et ses cotes de maille, l’Asie et ses samouraïs. Il a beaucoup travaillé le court, mais offert des robes longues au musée, avec du tissu tout de même (souvent des mousselines de soie signées Bucol) et une constante : une profusion d’effets de lumière.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti - http://www.leprogres.fr/sortir/2015/02/26/paco-rabanne-au-musee-des-tissus-pas-que-des-robes-de-pacotille-  www.mtmad.fr

Vignobles, salles et musées au menu du Prix Mies van der Rohe

Les noms des cinq finalistes du Prix d’architecture Mies van der Rohe ont été communiqués, mercredi 25 février, lors d’une conférence de presse qui s’est tenue à la maison de l’Europe de Londres. Les projets lauréats sont le Musée d’art de Ravensburg (Allemagne), réalisé par l’agence allemande Lederer Ragnarsdóttir Oei, le Musée maritime d’Elseneur (Danemark), conçu par les Danois de BIG (Bjarke Ingels Group), les chais de la maison Antinori en Toscane, signés par les Italiens d’Archea Associati, la salle philharmonique de Szczecin (Pologne), élaborée par les Italos-espagnols de Barozzi/Veiga, et le centre pour étudiants de Saw Swee Hock à Londres, dessiné par les Irlandais O’Donnell+Tuomey.




La salle philharmonique de Szczecin (Pologne) réalisée par Barozzi/Veiga. SIMON MENGES



Les chais des vignobles Antinori en Toscane réalisés par Archea Associati. PIETRO SAVORELLI

Afin de se faire une idée plus précise des réalisations, les membres du jury prévoient de visiter au cours des prochaines semaines les cinq projets finalistes, et d’échanger directement avec leurs différents usagers. Le 7 mai, les architectes présenteront leurs projets lors d’une cérémonie qui se tiendra à Barcelone avant la délibération et la proclamation du vainqueur par le jury dès le lendemain.

Le centre pour étudiants Saw Swee Hock à Londres réalisé par l'agence O’Donnell + Tuomey. DENNIS GILBERT - Tous les deux ans depuis 1987

Le Prix de l'Union européenne pour l'architecture contemporaine, plus connu sous le nom de Prix Mies van der Rohe, est l’une des principales distinctions architecturales de dimension internationale. Il a pour but, selon ses promoteurs, de « faire connaître et de récompenser la production architecturale de qualité en Europe ».


Décerné tous les deux ans depuis 1987, il est le fruit d’un partenariat égal entre la Commission européenne, le Parlement européen et la Fondation Mies van der Rohe à Barcelone. Cette dernière a été créée en 1983 à l’initiative de la mairie de la cité catalane dans le but de reconstruire le pavillon allemand, conçu par l’architecte Ludwig Mies van der Rohe (1886-1969) pour l'exposition internationale de Barcelone en 1929.

Le Musée de Ravensburg (Allemagne) réalisé par Lederer Ragnarsdóttir Oei. ROLAND HALBE - 420 candidats au total

Pour chaque édition, le jury sélectionne deux projets : le premier reçoit le Prix de l'Union européenne pour l'architecture contemporaine en raison de ses qualités conceptuelles, techniques et de construction ; le second reçoit la mention spéciale « Jeune architecte ».

Le jury sélectionne également l’ensemble des travaux des finalistes qui seront inclus à la fois dans un catalogue et dans le cadre d’une exposition présentée dans les locaux de la Fondation Mies van der Rohe. Une autre exposition mettant en valeur la totalité des 420 candidats ayant participé au concours sera, en outre, présentée à l'Ecole d'architecture de Barcelone (ETSAB) jusqu'au 19 mars.

Le Prix Mies van der Rohe consiste en une bourse de 60 000 euros tandis que la mention spéciale est dotée de 20 000 euros. A partir de 2015, un stage « Jeune talent » permettra à un architecte récemment diplômé de travailler dans le bureau du lauréat du prix pendant un an.

Le Musée maritime danois d'Elseneur réalisé par Bjarke Ingels Group. RASMUS HJORTSHOJ

Le concours est ouvert à tous les projets réalisés en Europe sur une période de deux ans précédant l'attribution du prix. Parmi les précédents lauréats, figurent notamment le Portugais Alvaro Siza pour la Banque Borgès et fils de Vila do Conde (1988), le Français Dominique Perrault pour la Bibliothèque nationale de France à Paris (1996), l’Irako-anglaise Zaha Hadid pour le parking et le terminus d’Hoenheim nord à Strasbourg (2003) et les Norvégiens de Snohetta pour l’Opéra national de Norvège à Oslo (2009).

Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  http://www.lemonde.fr/architecture/article/2015/02/26/vignobles-et-musees-au-menu-du-prix-mies-van-der-rohe_4583434_1809550.html#uUAydwVoAaDwt1Tu.99

Os novos espaços de arte e música na cidade olímpica -- O Rio de Janeiro chega ao 450º aniversário - PARABÉNS !


Rio vai ganhar dois novos museus, e parques olímpicos deixarão importante legado

Rio - O Rio de Janeiro chega ao 450º aniversário com o olhar voltado para o futuro, sem deixar de valorizar sua herança histórica. O passado renasce nas âncoras culturais e urbanísticas da Zona Portuária, e o futuro chega grandioso nos espaços abertos na orla em direção à Barra da Tijuca e aos Jogos Olímpicos de 2016.
O prédio da Cidade das Artes, na Barra: audácia na arquiteturaFoto: Carlo Wrede / Agência O Dia

No reencontro da área central do Rio com o mar, um dos destaques é o Museu do Amanhã, que está sendo erguido na região do Porto. Seguindo a concepção do controvertido arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o projeto prevê a implantação no Pier Mauá de 30 mil metros quadrados de jardins, com espelhos d’água, ciclovia e uma área de lazer.

O prédio principal terá 15 mil metros quadrados e se valerá de recursos naturais, como a água da Baía de Guanabara, que vai ser utilizada na climatização do interior do museu. No telhado haverá placas para possibilitar a captação de energia solar.

Depois da derrubada da Perimetral, a inauguração do Museu do Amanhã vai alavancar de vez a revitalização da Zona Portuária. A ideia é que seja um dos pioneiros na nova geração de museus que estão sendo instalados em vários países, voltados não somente para o passado, mas para explorar possibilidades futuras.

“Por muito tempo, a cidade permaneceu separada de uma de suas partes mais importantes, o porto. Vamos ajudar o carioca a se reaproximar da região”, diz o diretor do Museu do Amanhã, Luiz Alberto Oliveira.

Também voltado para o mar, o imponente prédio novo do Museu da Imagem e do Som (MIS), com 9,8 mil metros quadrados em estilo para lá de contemporâneo, muda o cenário de uma das praias mais famosas do mundo, a de Copacabana. Dará novos ares a uma área antes marcada por uma casa noturna decadente.

Para o Calçadão de Copacabana será transferido um acervo de 30 coleções, 304.845 documentos, 93 mil fotografias e 60 mil discos. O colosso, que deve ficar pronto ainda neste semestre, também vai guardar mais de mil depoimentos de personalidades da cultura.

“A instituição mostra a carioquice em memória através da criatividade do povo do Rio, seus compositores e cantores, seus fotógrafos e também cineastas”, diz a presidente do MIS, Rosa Maria Araújo.

O Museu de Arte do Rio (MAR), localizado no velho coração da cidade, também nasceu em 1º de março, assim como o Rio. Em dois anos, caiu no gosto do carioca com seus 15 mil metros quadrados e suas oito grandes salas de exposições. “Em pouco tempo de existência, mostramos que é possível estabelecer novas relações entre o passado e o presente”, acredita o diretor da instituição, Carlos Gradim.

Na Barra, a audácia arquitetônica da Cidade das Artes emergiu em um recanto onde não havia nada além de pistas de asfalto e canteiros acanhados de grama. Inaugurada há pouco mais de dois anos, tornou-se referência cultural para a região.

As obras que reconstroem o Rio para a Olimpíada do ano que vem tornaram a rotina do carioca uma corrida de obstáculos, mas os sinais de que terá valido a pena começam a chegar.

A VEZ DOS ESPORTES

Os parques olímpicos da Barra e de Deodoro vão mudar ainda mais a paisagem.Na Barra, uma das intervenções mais arrojadas é o Parque Olímpico, com 1,18 milhão de metros quadrados, onde antes funcionava o Autódromo de Jacarepaguá e existia a comunidade Vila Autódromo.

Ali serão realizadas competições de basquete, judô, tae kwon do, luta-livre, luta greco-romana, handebol, tênis, ciclismo de pista, polo aquático, natação, nado sincronizado, ginástica artística e várias outras modalidades esportivas. As instalações terão capacidade para receber até 120 mil pessoas.

A desocupação das casas da comunidade ainda rende discussão, mas a maior parte dos moradores já se mudou para imóveis do Programa Minha Casa, Minha Vida. Em muitos casos, os equipamentos olímpicos construídos no local serão transformados ou abertos para uso da população após os Jogos Olímpicos.

No espaço da Arena do Futuro, por exemplo, o carioca terá quatro escolas municipais, um centro de esportes aquáticos e oito quadras do Centro de Tênis.

O Parque Olímpico de Deodoro será palco de 11 modalidades olímpicas e quatro paralímpicas. Após o megaevento, parte da área do Complexo de Deodoro também ficará como legado. Batizada de Parque Radical, a área se transformará no segundo maior espaço de lazer da cidade, atrás apenas do Parque do Flamengo. Com cerca de 500 mil metros quadrados, a instalação de Deodoro contará com o circuito de canoagem slalom e a pista de ciclismo BMX, que serão mantidos para o uso daqueles que mais comemoram o dia de hoje: os cariocas.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2015-02-28/os-novos-espacos-de-arte-e-musica-na-cidade-olimpica.html

Acervos e interatividade nos museus a um clique dos usuários

Visitas virtuais aos museus de todo o mundo, inlcusive os do Brasil, estão ficando cada vez mais interativas, com jogos, e-books e cursos à distância entre as opções

O Museu do Homem do Nordeste, no Recife, deve apresentar novidades na interatividade com o usuário da internet



Aproximar os admiradores das artes plásticas de seus ídolos; trazer aos nossos dias obras seculares; fazer com que, mesmo de muito longe – geograficamente _ possamos interagir com os mais importantes acervos de obras de arte do mundo. Aplicativos e demais ferramentas digitais oferecidas, a cada dia mais, pelos museus do Brasil e de vários cantos do mundo, transformam a interatividade e a tecnologia numa espécie de intimidade: dos já conhecidos tour virtuais a ferramentas que possibilitam uma maior aproximação do usuário com a obra do artista. 

A novidade, impulsionada pela Google Art Project, ferramenta lançada em 2011, satisfaz o admirador das obras de Van Gogh, por exemplo, que pode baixar aplicativos de imagens do artista, para contemplá-las no papel de parede do celular, mas também atende a crianças e adolescentes que desejem interagir com os museus, sem sair de casa.

Sempre que a publicitária Tereza Cristina Araújo pergunta ao filho, se ele quer fazer (mais) uma visita ao museu, a resposta vem em forma de curiosidade: “Para onde vamos dessa vez?”. Aos 10 anos, Filipe Assis Araújo já percorreu, virtualmente, alguns desses espaços. O The British Museum, na Inglaterra, foi o escolhido, na última ‘viagem’ feita com a mãe, especificamente na seção para crianças de 7 a 11 anos. Por lá, fez o download de um arquivo que contava a história das primeiras moedas do mundo. 

Foi dessa forma – navegando pelas possibilidades que os sites oferecem – que ele conheceu alguns dos mais ricos espaços em história, arte e cultura. “Sempre tive paixão por obras e acervos, dos mais variados. E a conveniência de ter acesso a tudo isso, sem sair de casa, é fascinante. Meu filho segue os meus passos desde os 3 anos. Às vezes, é ele quem me chama para mais uma viagem”, contou a publicitária.


No Museu do Prado, em Madri, é possível participar-se de cursos de arte à distância. No Brasil, a Pinacoteca de São Paulo disponibiliza e-books dos catálogos, que podem ser ‘folheados’ em computadores desktops, tablets e e-readers. O Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) tem os aplicativos MAM Coleção e MAM Quebra Cabeça. Este, com um conteúdo mais lúdico, em que é possível brincar com cerca de 51 obras da coleção, embaralhadas em peças que podem, depois de montadas, ser compartilhadas nas redes sociais, por exemplo.

O Museu do Homem do Nordeste, no Recife, garante estar fazendo investimentos para aprimorar a comunicação virtual. “Em breve, será oferecido um site com exposições virtuais, além dos recursos que estão sendo viabilizados para oferecer, no museu, tablets com roteiro de visita em três línguas”, comentou Maurício Antunes, coordenador geral de museologia da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj).





INTERAÇÃO

A tecnologia não faz oposição à contemplação, a poucos metros de distância, da Mona Lisa, da Vênus de Milo, de obras-primas de Rembrandt e Michelangelo ou de representações de animais e faraós do Egito antigo – acervo que faz parte do Museu do Louvre, em Paris. Na verdade, a ideia é que ela funcione como parceira das visitas presenciais, quando possíveis. Pelo menos essa é a opinião de quem reconhece os benefícios virtuais de acesso a uma obra de arte sem, no entanto, abrir mão da experiência (real) de vislumbrá-los pessoalmente.

“É fantástico poder passear por inúmeros museus de todo o mundo, que hoje oferecem a experiência de uma exposição virtual. Mas é melhor ainda viver essa experiência. Eu posso passear virtualmente pelo Louvre, mas é só indo naquele espaço social internacionalizado que posso, na interação com os outros, descobrir o que pensam as pessoas sobre as riquezas que foram parar naquele museu”, completou o coordenador.

A propósito, a publicitária Tereza Cristina já foi até o Museu do Louvre. Indagada sobre as experiências de visitas pessoais e virtuais, ela acrescentou: “Consegui ir uma única vez a Paris. Claro que fui ao Museu do Louvre. Mas foi voltar para casa e acessar, além dele, outras dezenas de museus que me fascinaram tanto quanto a minha ida ao Louvre”, revelou a mãe de Filipe, que deve viajar, nos próximos dias, para São Paulo. E tem, na programação, idas ao MAM, ao Masp e ao Museu do Futebol. “Quero que ele conheça de perto a cultura dos museus. Mas manter esse hábito de conhecimento, no dia a dia, só é possível através do mundo virtual”, admite.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cultura/noticia/2015/02/28/acervos-e-interatividade-nos-museus-a-um-clique-dos-usuarios-170175.php

No Recife, Museu do Estado recebe Juliano Holanda em projeto musical

Músico integra a Orquestra Contemporânea de Olinda e o trio Wassab. Apresentação neste sábado está prevista para começar a partir das 17h.

Juliano Holanda lançou seus dois trabalhos solos em 2014: 'A arte de ser invisível' e 'Pra saber ser nuvem de cimento quando o céu for de concreto' (Foto: Divulgação)

O Museu do Estado de Pernambuco (Mepe), nas Graças, Zona Norte do Recife, abre as portas, neste sábado (28), para o projeto Ouvindo e Fazendo Música, que recebe o músico pernambucano Juliano Holanda. Ele integra a Orquestra Contemporânea de Olinda e o trio instrumental Wassab. A apresentação começa a partir das 17h, e os ingressos custam R$ 5 e R$ 2,50 (meia).

No ano passado, Juliano Holanda lançou seus dois trabalhos solos: ‘A arte de ser invisível’ e ‘Pra saber ser nuvem de cimento quando o céu for de concreto’. Nascido em Goiana, Zona da Mata Norte, e criado em Olinda, o músico já teve mais de 100 composições gravadas e participações em mais de 30 discos.

Ao longo dos mais de 20 anos de carreira, ele também participou de discos de Mônica Feijó, Geraldo Maia, Rabecado, Cascabulho, Gonzaga Leal, Zeh Rocha, Silvério Pessoa, Alessandra Leão e Academia da Berlinda. Antes da apresentação, Juliano Holanda realiza uma oficina de guitarra, marcada para as 15h, com inscrição gratuita pelo e-mail fazendomusicanomepe@gmail.com.

O projeto Ouvindo e Fazendo Música é uma ação do Ministério da Cultura, Governo de Pernambuco, Secretaria Estadual de Cultura, Fundarpe, Museu do Estado de Pernambuco e Santander. Clientes do banco e integrantes da Sociedade dos Amigos do Mepe não pagam ingresso.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/pernambuco/musica/noticia/2015/02/no-recife-museu-do-estado-recebe-juliano-holanda-em-projeto-musical.html
Serviço
Show de Juliano Holanda no projeto Ouvindo e Fazendo Música
Sábado (28), a partir das 17h
Ingressos: R$ 5 e R$ 2,50
Museu do Estado de Pernambuco - Avenida Rui Barbosa, nº 960 - Graças, Recife
Telefone: (81) 3184-3174

Dia da Música Clássica será celebrado com concerto no Museu Imperial

Apresentação gratuita será neste domingo (1º), às 16h, em Petrópolis, RJ. Ingressos devem ser retirados até o horário de início da apresentação.



Em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, o Dia Nacional da Música Clássica será celebrado, neste domingo (1º), com um concerto gratuito, às 16h, no Cineteatro do Museu Imperial. A apresentação, que será com o Conjunto Anima e Cuore, também abre a temporada de concertos 2015 no espaço. Os ingressos poderão ser retirados na bilheteria do museu até o horário de início da apresentação.

Sob regência do maestro Antônio Gastão, o programa abrangerá compositores como Heitor Villa-Lobos, Carlos Cruz, Ernani Aquiar, Lylian Romero, dentre outros. O programa possui obras exclusivamente brasileiras, desde o período colonial até peças contemporâneas. O Conjunto foi fundado em 1986 e possui em seu currículo diversas apresentações de sucesso, entre concertos didáticos destinados à comunidade universitária e eventos especiais. O grupo, que é formado por músicos voluntários e alunos bolsistas da Universidade Católica de Petrópois (UCP), tem um repertório extenso e variado, incluindo desde peças de compositores anônimos do período medieval até os grandes mestres do período barroco.

  fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/rj/regiao-serrana/noticia/2015/02/dia-da-musica-classica-sera-celebrado-com-concerto-no-museu-imperial.html

Serviço:
Concerto com Conjunto Anima e Cuore
Local: Cineteatro do Museu Imperial, na Rua da Imperatriz nº 220, no Centro
Horário: neste domingo (1º) às 16h
Ingresso: Gratuito, mas ingresso deve ser retirado na bilheteria
Informações: (24) 2233-0300

Conservatório de Portugal, fundado em 1836 sob o reinado de D. Maria II, e denominado Conservatório Geral de Arte Dramática ( .pt )

O Conservatório comemora 180 anos em 2015 e o estado de conservação do edifício denuncia a idade. A Câmara diz que nem pessoas nem bens estão seguros ali dentro, mas as obras teimam em não chegar.

conservatório,

As paredes desta escola não são iguais às das outras escolas. Na Escola de Música do Conservatório Nacional (EMCN), para além das vozes das crianças, é a música que ressoa por todo o lado. Para além das mochilas com livros, os instrumentos musicais são inseparáveis dos alunos que ali podem entrar a partir dos seis anos em regime parcial e a partir dos 10 anos a tempo inteiro. Alguns tocam instrumentos que os superam em altura. Na Rua dos Caetanos, em Lisboa, estuda-se música – e foi ali que Maria João Pires, a mais internacional pianista portuguesa, aprendeu, entre 1953 e 1960. António Victorino d’Almeida, Luís de Freitas Branco, Fernando Lopes-Graça, Jorge Moyano, Jorge Peixinho e Rui Vieira Nery, entre tantos outros, também. “Quase todos os músicos portugueses passaram por aqui. O Mário Laginha terminou o curso no mesmo dia que eu”, contou ao Observador a diretora Ana Mafalda Pernão.


“É patente a satisfação da comunidade em relação ao ambiente e clima educativos”. A frase elogiosa não é da diretora, mas sim da avaliação externa feita pela Inspeção-Geral de Educação em 2011. Mas há um senão, que contribui para que as paredes desta escola não sejam mesmo iguais às da maioria das outras escolas. Nem os tetos. “Estamos nas aulas e ouvimos “ping, ping, ping!”. Pode soar a batida musical, mas o “ping” descrito pela aluna Ulilan Pereira, de 11 anos, é proveniente da chuva a cair nas salas. Há paredes tricolores, já que a tinta amarela original descascada deixa ver o cinzento do cimento e a cor negra da humidade. Por baixo dos tetos onde cai chuva, o chão de madeira está branco, destruído pela água. “Ainda recentemente uma professora por pouco não ficou gravemente ferida depois de uma rajada de vento ter levado uma janela de uma sala”, contou Nuno Villallonga, professor de canto. Não é caso único e, ao ver imagens do interior do edifício, percebe-se porquê.


“A situação da EMCN já se arrasta há anos, para não dizer há décadas”, sublinhou Nuno Villallonga. O encerramento de 10 salas de aula, a 16 de fevereiro, por parte da Câmara Municipal de Lisboa, parece ter sido a gota de água para que alunos, pais, professores e membros da direção tenham ido para a rua exigir obras. O momento deu-se esta terça-feira, 24 de fevereiro, e Nuno Villallonga era um dos manifestantes que se juntaram à porta do Conservatório em protesto pela falta de condições. O sistema de alarme da escola foi acionado – não se sabe se por algum dos muitos manifestante -, mas a verdade é que, numa questão de minutos, alunos e professores estavam na rua. Chegaram mesmo a fechar a escola a cadeado.


O Observador teve acesso ao parecer da Câmara e, entre os vários perigos identificados, encontra-se “insegurança em relação ao risco de incêndio devido às infiltrações em contacto com a rede elétrica que evidencia vetustez e elementos em falta”. A CML determinou, por isso, “a execução de obras de consolidação e reparação no edifício. E concluiu: “não estão reunidas as condições mínimas de salubridade e segurança para a presença de pessoas e bens, até que sejam realizadas as obras preconizadas no presente auto. Deverão ainda ser tomadas as medidas necessárias e convenientes por forma a garantir a segurança de pessoas e bens na via pública, face ao risco de queda de elementos construtivos do imóvel“, tais como forras em pedra e lâminas de ardósia. A inspeção camarária foi pedida pela EMCN em abril do ano passado, depois de uma parte do teto de uma sala ter caído. Em outubro último, “num dia de desespero, foi preciso chamar a proteção civil e os bombeiros porque a chuva ameaçava fazer ruir o teto de algumas salas de aulas e a água estava por todo o lado”, relatou Lília Kopke, professora de piano que também se juntou ao protesto improvisado. Na altura, a proteção civil foi clara: não estavam reunidas condições suficientes para realizar aulas em alguns setores do edifício. Bens dispendiosos, como pianos, continuam ali. Os mais de 900 alunos inscritos, para além de funcionários e corpo docente, também.


A inspeção da CML concluiu que "não estão reunidas as condições mínimas de salubridade e segurança para a presença de pessoas e bens, até que sejam realizadas obras".
O problema, denunciam professores e alunos, é que o Conservatório não tem verbas suficientes para fazer as obras necessárias e as entidades competentes continuam a não dar uma resposta definitiva para travar a situação. Os protestos iniciados na terça-feira deram frutos. Na quinta-feira, a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) reuniu com a direção da EMCN e concordou em desbloquear verbas “tendo em vista a realização, neste momento, das intervenções mais urgentes, que permitam melhorar as condições de funcionamento do edifício”, conforme nota enviada ao Observador. Ana Mafalda Pernão admitiu que é uma pequena vitória, já que as intervenções vão além das 10 salas interditas, como era a intenção inicial, e incluem agora as restantes salas onde caíram tetos, o pátio (interditado em dezembro depois de ali terem caído pedaços de friso) e também o telhado. Os orçamentos começaram a ser preparados esta sexta-feira para enviar à tutela, mas a diretora, licenciada em arquitetura, sublinhou que continuam a ser “remendos”, como aqueles que a escola tem feito recorrendo a recursos próprios, muitas vezes obtidos através de concertos solidários.


Enquanto não se fizer uma requalificação total, os danos vão continuar. “Era preciso uma cobertura nova, porque telhas com 70 anos ou mais racham à mínima diferença de temperatura e uma telha partida é água que entra”, queixou-se, acrescentando que já não se encontram telhas daquele tamanho. “Às vezes remendamos tetos, ainda há dois ou três anos fizemos um teto inteiro numa sala e já está outra vez a chover a meio. Tive de pedir a um senhor das obras que fosse ver e, felizmente, há sempre algumas almas caridosas que passam por aqui e não cobram nada”. Para além das janelas partidas, da falta de isolamento, dos tetos que caem, da humidade e do cheiro a mofo, a diretora defende uma reestruturação do espaço, “para corresponder às funções de ensino académico atual”, explicou.


Já derrubaram uma parede para criar uma sala maior, mas o ensino das disciplinas não musicais está todo espalhado porque está dependente das salas que têm condições para determinadas aulas. Instalar rede de Internet no velho edifício foi uma aventura. Mais tarde, a direção teve de trocar com a sala de ginástica porque era mais espaçosa para a prática de desporto, mas agora está cheia de calhas porque a direção tinha várias tomadas de computador. “Durante as aulas de ginástica os meninos sentam-se em cima delas, atiram bolas, e aquelas calhas estão todas a cair. Não está um projeto pensado de raiz”, queixou-se Ana Mafalda Pernão. O ideal seria mesmo a construção de um edifício próprio. A sugestão não é da escola, é de uma avaliação externa feita pela Inspeção-Geral de Educação em 2011, e onde se incluem as seguintes conclusões:


“O edifício ainda não foi sujeito a obras de requalificação, o que dificulta a prática pedagógica, nomeadamente devido à implementação, em 2007-2008, do regime integrado no ensino básico que exigiu a adaptação de espaços específicos e de salas para as disciplinas da formação geral, como sejam Educação Visual e Educação Física e respetivos balneários”;
“Existe apenas um pátio interior, de dimensões reduzidas, para o recreio dos alunos. A insuficiência de espaços não permite à Escola dispor de um bufete para os alunos, substituído por dois distribuidores automáticos”. Existe uma cantina no piso térreo para servir a Escola de Música e também a Escola de Dança, mas tem apenas 60 lugares sentados;
“A construção de um edifício próprio ou a requalificação do atual, no âmbito do Programa de Modernização do Parque Escolar, constituiria uma oportunidade para assegurar um melhor e mais eficaz funcionamento da Escola”;
“O Salão Nobre não é utilizado na sua plenitude, nomeadamente, porque parte da galeria está a ceder, sendo suportada por três pilares de ferro, o que pode pôr em causa a segurança”.
A saga das obras


A última reestruturação foi feita no edifício sob a direção de Ivo Cruz, em 1946, há quase 70 anos, com direito a uma nova biblioteca, desenhada pelo arquiteto Raul Lino.”Eu conheci o edifício com um aspeto ainda muito cuidado, pelas peças antigas que tem sempre foi mantido com cuidado, quase com aspecto de museu”, contou a diretora, que ali entrou pela primeira vez em 1974, tinha 11 anos. Pelo menos desde 2002 que os protestos pela situação insustentável se repetem. Já nesse ano o deputado do CDS João Almeida, num requerimento ao Ministério da Educação, se referia à “situação dramática” e à “necessidade de obras no edifício o mais brevemente possível”.


Com a criação da Parque Escolar em 2007 sob o Governo Sócrates, muitas escolas conseguiram resolver os problemas. A esperança parecia residir aí, mas a EMCN não teve sorte. “Nós fomos colocados na terceira fase da Parque Escolar. Ficamos para o fim e, com a entrada do novo Governo, foi suspensa e nem sequer houve projeto.”, recordou Ana Mafalda Pernão. Em outubro de 2014, o Observador questionou a DGEstE sobre se existia algum projeto para reestruturar o edifício. Em resposta por e-mail, a tutela disse estar “a acompanhar este processo”. “No entanto”, acrescentam, por se tratar de um edifício do século XIX numa zona considerada como de potencial valor arquitetónico, a intervenção é “onerosa, sendo por isso importante que no processo de elaboração do projeto sejam ponderadas as opções técnicas, construtivas, funcionais e programáticas”. Nesse sentido, “o IGESPAR está a ser consultado sobre algumas dessas opções, pelo que só após finalizado esse processo será possível concluir o projeto e iniciar as reparações necessárias”.


“Nós fomos colocados na terceira fase da Parque Escolar. Ficamos para o fim e, com a entrada do novo Governo, foi suspensa e nem sequer houve projeto", disse Ana Mafalda Pernão.
Desde outubro do ano passado não houve novidades concretas e nada foi concluído. De acordo com a diretora do Conservatório, o “processo” está pendente deste janeiro de 2014. “Numa reunião na DGEstE, no dia 20 de agosto, foi-nos dito que a arquiteta estava a contactar o IGESPAR para saber se podia aplicar um qualquer material”, decisão que a arquiteta já teria pendente desde junho. “Parece-me mais uma desculpa”, disse Ana Mafalda Pernão. Para tentar manter a casa em ordem, e porque sempre que é necessária alguma pequena intervenção urgente o processo de requerimento à tutela é moroso, a direção tem desenvolvido várias iniciativas para angariar receitas. “Temos angariado imensa coisa. Há uns anos fizemos uma corrida solidária aqui à volta do Bairro, em que os meninos davam voltas consoante o dinheiro que lhes dessem. Angariámos 3.900 euros. Em 2014 fizemos uma obra aqui no palco do Salão Nobre, que estava em condições já muito más, como aliás toda a sala. De um concerto aqui no palco e outro na entrada, durante um dia inteiro, conseguimos angariar dinheiro para fazer a recuperação do palco”, contou a diretora.


Cátia Ferrão, membro da direção da associação de pais, alertou para os “graves problemas de desigualdade entre os alunos do Conservatório e os restantes, porque os primeiros não estão a ser preparados devidamente para os exames nacionais que se avizinham”. Nos dias em que chove são colocados baldes para conter a água, mas em dias em que a água cai com mais intensidade “simplesmente não há aulas”, denunciou.


Um edifício com história


Ana Mafalda Pernão entrou pela primeira vez no Conservatório em 1974 para fazer um exame de educação musical. Mais tarde, no 10.º ano de escolaridade começou a estudar ali e nunca mais saiu, começando a trabalhar em 1987 e conseguindo o primeiro mandato para diretora em 2009. Maria José Borges, professora de história da música, estreou-se em 1972, numa visita de estudo da escola que frequentava. Ambas concordam que a primeira sensação era a de estarem num museu. “Isso fascinou-me de tal maneira que eu acho que foi aí que eu comecei a entusiasmar-me pelo conhecimento da história da música”, disse Maria José Borges.


Foi a professora de história da música a conduzir o Observador numa visita guiada ao que de mais histórico e belo há para ver. Esquecendo-se os problemas estruturais por breves momentos, os alunos do Conservatório ainda estudam num edifício museu.




O pátio onde, até dezembro, os alunos corriam, brincavam, ensaiavam e assistiam a concertos já foi o claustro de um convento, o dos Caetanos, que acabou por dar nome à rua. O Conservatório deve a sua morada ao ministro da Justiça Joaquim António de Aguiar, mais conhecido por “Mata-Frades”, que em 1834 decretou a extinção das Ordens religiosas em Portugal e a nacionalização dos bens. Já a criação da Escola de Música, em 1835, deve-se ao músico português João Domingos Bomtempo e “veio colmatar uma falha grande. Na época, não havia um local onde se formassem músicos num contexto laico, de ambos os sexos e de todas as classes sociais”, salientou Maria José Borges. O ensino da música era feito no Seminário da Patriarcal e em outros seminários espalhados pelas províncias. Assim, o ensino passou a ir muito além da música religiosa. “Desde o princípio que tem o seu gene de democraticidade”, sublinhou a professora.


No dia 5 de maio de 1835 foi criado o primeiro Conservatório de Música, cuja direção foi entregue a João Domingos Bomtempo. Faz em breve 180 anos.
Com o edifício abandonado, cedo se chegou à conclusão que era ali que o primeiro Conservatório de Portugal, fundado em 1836 sob o reinado de D. Maria II, e denominado Conservatório Geral de Arte Dramática, devia morar, sob a direção de Almeida Garrett. Para além da Escola de Música, dirigida por Bomtempo, era formado pela Escola de Teatro e Declamação e por uma Escola de Mímica e Dança. Maria José Borges acha que a decisão de ir para a Rua dos Caetanos pode ter sido uma vendetta. “Durante a guerra entre Liberais e Miguelistas sabe-se que os frades do Convento dos Caetanos acolheram elementos de um regimento Miguelista. Não sei até que ponto não terá havido uma certa retaliação por parte dos homens do Liberalismo em quererem enxotar os últimos frades residentes”. A professora de história da música até tem uma teoria: “Às vezes na brincadeira costumo dizer que as vicissitudes por que a escola tem passado ao longo dos séculos é alguma maldição dos frades”.


conservatório
“É creado em Lisboa um Conservatório Geral da Arte Dramática”, lê-se no Diário do Governo de 11 de novembro de 1836. Após a proclamação da República, em 5 de outubro de 1910, passa a chamar-se Conservatório Nacional de Lisboa.
Maria José Borges teve em mãos documentação sobre o primeiro ano letivo da escola de música, que terá sido em 1938. A escola de teatro só começou a funcionar um ano depois. Foi então a música a inaugurar ali o Conservatório e, teimosamente, só a música se mantém até hoje, depois de as escolas de teatro e dança terem encontrado novas instalações. E as obras, outra vez elas. É que antes de o Conservatório se instalar no Convento foram necessárias intervenções, de acordo com documentos da época. “Já na altura o edifício, datado do século XVII e destruído pelo terramoto de 1755, estava a cair de velho”, contou Maria José Borges.


O Salão Nobre é o ex libris da edificação. Projetado por Eugénio Cotrim e inaugurado em 1892, pela Tribuna Real passaram os reis D. Carlos e o seu pai, D. Luís. “Não tenho conhecimento de que algum presidente da República tenha vindo assistir a espetáculos da nossa escola”, comentou Maria José Borges. Hoje, o Salão Nobre tem quase tanto de belo como de degradado. Os ensaios convivem com o teto pintado por José Malhoa e com as rachas que o desfiguram. O prazer de ali assistir a um concerto contrasta com o perigo de derrocada. Almeida Garrett, Passos Manuel, Domingos Bomtempo e Francisco Xavier Migone vão assistindo do teto, imortalizados pela arte de Malhoa.


conservatório, 
O Salão Nobre
Em 2005, a Direção Regional de Educação de Lisboa abriu um concurso público para recuperar o Salão Nobre, mas as obras não saíram do papel. Em 2008, o Parlamento recebeu uma petição subscrita por 5043 cidadãos, apelando à recuperação do salão. No mesmo ano, o PCP apresentou na Assembleia da República um projeto de resolução para que o Governo Sócrates adotasse as medidas necessárias para a sua requalificação. Pediam “uma rápida intervenção física de conservação e requalificação do espaço público em causa”, e o reforço em um milhão de euros para um projeto adequado. O Governo respondeu que “tomou medidas para o início das obras, mas que tal não sucedeu por falta de acordo da parte da Direção da EMCN”. Não se chegou a acordo porque o projeto estaria “à margem das necessidades pedagógicas da escola e desfigurando em parte os traços próprios e característicos do Salão Nobre”, explicou Ana Mafalda Pernão. PS, o CDS e PSD votaram contra a proposta do PCP. O assunto morreu. Tal como, nas últimas obras feitas, em 1946, morreram as pinturas que existiam nas paredes do Salão Nobre por não se terem acautelado devidamente os traços próprios do património.


Os futuros Fernando Lopes Graça e Maria João Pires


Francisco Dias tem 10 anos e entrou agora para o primeiro ano do Conservatório, o equivalente ao quinto ano do ensino básico. Quer aprender mais sobre o violoncelo, instrumento que já toca desde os seis anos por influência da mãe, irmã do músico Boss AC. “Ela só me quis inscrever porque eu quero ser músico. Até já cantei uma música com o Boss AC chamada ‘Tu és mais forte'”. Confirma-se, é Francisco quem aparece no final do vídeo, gravado em 2012 pelo popular rapper.






A experiência foi tão boa que, quando questionado sobre se gosta mais de cantar ou de tocar violoncelo, Francisco respondeu prontamente: “cantar”. Francisco é um dos cerca de 300 alunos em regime integrado, no qual os alunos podem completar a sua formação geral com o ensino especializado da música, a partir do quinto ano. Os restantes estão no Conservatório ou em regime articulado, ou supletivo. A tempo parcial, portanto.


Carolina Batista tem 10 anos e faz parte dos “caloiros” que entraram em setembro para o primeiro ano do Conservatório. Para entrar, teve de prestar provas, como todos os outros. “Vim cá parar porque o meu primo Tiago insistiu muito comigo”. Carolina não queria deixar as colegas da outra escola, mas acabou por fazer a prova de formação musical e as audições com o seu bombardino, só para ver no que davam. Metade dos candidatos ficou para trás. Na outra metade ficou Carolina, e os bons resultados ajudaram a dissipar as dúvidas e os medos. “Quando saíram as percentagens, a minha mãe acordou-me às cinco da manhã aos berros, a dizer: ‘Carolina, tu entraste!’, e eu comecei aos pulos na cama, fiquei muito contente”. “Estou a adorar a nova escola!”. A resposta de Carolina torna-se tão repetitiva quanto a pergunta feita pelo Observador a cada criança. Os mais velhos ajudam os mais novos, a relação com os professores é boa, o ambiente é agradável. O “mas” chega quando se fala nas instalações. “Tem muita história, mas já é velhinho…”.


“Quero muito ser pianista”, disse Tomás Jorge, 11 anos, muitas certezas. Está no segundo ano – equivalente ao 6.º – e a decisão de entrar no Conservatório foi feita em conjunto com a mãe, gestora, e o pai, bancário, que o apoiam desde que aos seis anos começou a tocar piano. “Já conhecia o Conservatório porque fazia algumas audições aqui”. Depois do “aqui”, onde ficará até ao 12.º ano, quer seguir para a Escola Superior de Música. Por enquanto, aproveita a escola onde se sente bem e onde já fez muitos amigos. Vasquinho, como é conhecido por todos, não larga o violino nem quando lhe perguntamos quais são as músicas que mais gosta de ouvir. “Só ouço música clássica”, disse.


vasquinho
Seja no pátio, à porta das salas ou nos corredores, há música em cada canto desta escola
“Chamam-nos betinhos por andarmos nesta escola. Estranhamente!”, acrescentou Carolina. “Mas eles é que estão numa escola completamente nova”. O rótulo de betinhos deve-se, explica Carolina, por ser uma escola cheia de música e de ballet. “Mas se eles viessem assistir a uma aula avançada se calhar iam adorar. Mas mesmo que sejamos betinhos, eu prefiro andar nesta escola do que na anterior.”


A direção não tem dados sobre a população estudantil da escola, mas em primeiro na lista de interessados em colocar os filhos na EMCN estarão artistas, pessoas ligadas ao mundo do espetáculo, não só música mas também cinema, teatro e dança. “Têm uma sensibilidade e estão mais abertos a que os filhos sigam essa carreira”, explicou. Depois, pessoas que acham que a música é essencial na formação do ser humano. “Muita gente coloca aqui os filhos porque querem que eles tenham um bom ensino da música, independentemente se depois vão ou não seguir uma carreira na área. Está provado que estudar música desenvolve o cérebro, põe em funcionamento partes que as outras disciplinas não põem, enfim, isso no campo da neurologia está muito bem trabalhado”. De facto, não faltam pesquisas que atestam a influência da música no desenvolvimento cerebral da criança. No estudo “The Effects of Musical Training on Structural Brain Development“, por exemplo, verifica-se que o estudar música em tenra idade contribui para uma melhor plasticidade estrutural do cérebro, facilitadora da aprendizagem. O neurocientista português António Damásio recorreu à pianista Maria João Pires para obter resultados inéditos nos estudos sobre controlo cognitivo e emocional, publicados no livro Sentimento de Si.


E quanto à situação socioeconómica? “Há de tudo”, respondeu. “Claro que um pai que tenha maior capacidade financeira tem facilidades, mas há muita gente de níveis sociais mais baixos, há muita gente que vem porque na sua terra toca em bandas filarmónicas”. Frequentar música não é barato. Para ajudar em casos mais urgentes, a escola tem alguns instrumentos, ou que ali ficaram esquecidos, ou fruto de doações. No ano letivo de 2011/2012, 68% dos pais dos 936 alunos matriculados eram licenciados, de acordo com uma avaliação externa feita pela Inspeção-Geral de Educação. 5% possuíam o primeiro ciclo do ensino básico. Havia 31 alunos a beneficiar de auxílios económicos no âmbito da Acção Social Escolar.


Ana Barros inscreveu este ano letivo a filha, Lia. “Há dois anos que ela me pedia para estudar música”. A mãe, esteticista a terminar o curso de turismo, afirma que a vontade não deriva de influência familiar. “Acho que foi na televisão que ela começou a ver, depois a pedir, mas as aulas privadas são muito caras e nos pólos ela não tinha horário para entrar”. A única possibilidade era a EMCN. Ana Barros pesquisou na Internet e descobriu que havia ensino integrado. “Disse que a inscrevia, apesar de vir de Odivelas e ser um bocadinho longe para ir e vir todos os dias”, admitiu. Está a gostar da escola. “As pessoas são muito agradáveis, os colegas entre si são muito afáveis, muito amigos uns dos outros. Estou a gostar mesmo muito do ambiente que aqui se vive”.


Beatriz Duque e o seu violino também entraram no Conservatório este ano, mas aos 10 anos, Beatriz já fala em levar a sua música para outro país, como fez Maria João Pires. “Se tiver de ser…”.


A música é assunto sério


Fazer da música profissão em Portugal está longe de ser fácil. Mas o ensino da música mudou muito. Evoluiu, democratizou-se e já é levado a sério, nomeadamente ao nível do ensino superior. “Uma pessoa fazia um curso e fazia música se quisesse, que foi o que nós na minha geração fizemos”, recordou Ana Mafalda Pernão, que teve de se licenciar em arquitetura para ser “doutora”. Com o tempo, as pessoas começaram a encarar o curso de música como o curso principal. “Ainda hoje, em certas reuniões, se chama, por exemplo, o Jorge Moyano, que é pianista e professor da EMCN, por senhor arquiteto, porque ele tem o curso de arquitetura, ainda que nunca tenha exercido arquitetura na vida. Mas isso passou, de facto. Hoje em dia um pianista é um pianista”.


Hoje, os alunos podem escolher a EMCN como escola principal a partir do quinto ano e depois podem seguir para a Escola Superior de Música, ao contrário do passado. Daí que Ana Mafalda Pernão tenha uma licenciatura em arquitetura e Maria José Borges se tenha licenciado em história. A criação do ensino integrado aconteceu em 2007/2008, quando Maria de Lurdes Rodrigues era ministra da Educação, uma possibilidade que os alunos a partir do quinto ano só tinham até então no Conservatório de Braga. A EMCN produz em 2015 a primeira “fornada” de alunos de ensino integrado, desde o quinto até ao 12.º ano. Uns continuam para a Escola Superior de Música, mas “muitos vão para o estrangeiro”, avisou a diretora.


No último ano letivo, as inscrições foram superiores ao número de vagas, sinal de que há cada vez mais alunos interessados em aprender música. Mas, para além das interrupções por chuva nas salas e protestos por obras, outro fator roubou aulas aos alunos: o atraso na colocação de professores do ensino vocacional. Neste caso, os outros conservatórios públicos e as escolas secundárias de ensino artístico especializado, como a António Arroios em Lisboa e a Soares dos Reis no Porto, também foram afetados. A 1 de outubro de 2014, a EMCN assinalou o Dia Mundial da Música com um protesto à porta do Ministério da Educação.


“Como sempre, a cultura e o ensino artístico são sempre colocados para trás e, portanto, tudo isto tem levado muito tempo. Ao levar muito tempo, os problemas em vez de se resolverem vão aumentando”. A declaração de Ana Mafalda Pernão foi feita em outubro, a propósito das três semanas de atraso sobre o início das aulas, mas bate certo com o atraso de vários anos na resposta ao pedido de obras. Alunos, pais, professores e direção prometem não desistir. Até agora, têm cumprido.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://observador.pt/especiais/escola-de-musica-do-conservatorio-nacional-entre-o-museu-e-a-ruina/