Listen to the text.

domingo, 22 de março de 2015

Vales de cultura, mais museus e uma maior promoção dos produtos locais -- o arquitecto Carlos Marreiros sugeriu a criação de dois novos museus em Macau – um sobre arquitectura e outro dedicado à medicina tradicional chinesa.


Vales de cultura, mais museus e uma maior promoção dos produtos locais 


Alexis Tam reuniu-se ontem com os membros do Conselho para as Indústrias Culturais, que sugeriram medidas para dinamizar o sector.

Patrícia Silva Alves

A poucas semanas de se apresentarem as Linhas de Acção Governativa para a área da cultura, Alexis Tam, secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, ouviu ontem as sugestões dos membros do Conselho para as Indústrias Culturais para dinamizar o sector.

As ideias variaram entre a introdução de mais museus em Macau até à criação de vales de cultura, uma iniciativa que, segundo Agnes Lam, promotora da iniciativa, replicaria o modelo já existente noutros sectores.

“Será que podemos criar vales para o consumo de artes? A lógica seria a mesma da dos vales de saúde, mas com a diferença de ser para consumir produtos artísticos ou culturais”, sugeriu a professora da Universidade de Macau, sublinhando que a medida poderia ser aplicada também na compra de livros.

No entanto, apesar de ter assinalado que “estava muito de acordo” com a medida, Alexis Tam mostrou-se cauteloso com a sua aplicação.

“Nós, Governo, temos de ter também em consideração os seus efeitos, pois pode ter repercussões significativas no que respeita a atribuição do erário público e este tem de ser usado com muito cuidado”, defendeu o secretário.

Mais consenso houve na necessidade de divulgar melhor os produtos “made in Macau” com Alexis Tam a reconhecer que “há uma escassez de espaços de exibição”. Já em resposta à crítica do deputado Si Ka Lon, também membro do conselho, de que o Executivo “deveria acelerar a recuperação” da Casa de Vidro, na praça do Tap Seac, pois não via “melhorias” naquela instalação, Alexis Tam defendeu que o Governo “está a estudar” essa opção para ser usada como zona de exposições de artigos.

Para além do Tap Seac, Angela Leong, administradora delegada da SJM, sugeriu que os produtos locais fossem mais divulgados no terminal do Pac On, que está em obras de expansão, e no aeroporto.

Mais uma vez em sintonia com algumas opiniões apresentadas pelos membros da entidade, Alexis Tam reconheceu que os empresários locais deveriam desenvolver os seus conhecimentos de marketing e, como tal, afirmou que ia promover a vinda de especialistas para os ajudar.

“O problema não é só o design, mas também a concepção e venda [dos produtos]”, assinalou o secretário, acrescentando que a sua ideia é promover seminários e conferências com empresários locais e especialistas estrangeiros.

Já o arquitecto Carlos Marreiros sugeriu a criação de dois novos museus em Macau – um sobre arquitectura e outro dedicado à medicina tradicional chinesa.

Por fim, a presidente da Associação de Mulheres Empresárias de Macau, Kong Mei Fan, sugeriu que a RAEM aproveite a Ilha da Montanha não só para ajudar as PME locais, mas também para replicar as influências portuguesas nos cinco quilómetros quadrados reservados a Macau. Essa seria a forma de marcar as características particulares da RAEM e, com isso, atrair atenções e consumidores.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti https://pontofinalmacau.wordpress.com/2015/03/18/vales-de-cultura-mais-museus-e-uma-maior-promocao-dos-produtos-locais/

Pedro Arcanjo assume direção do Museu de Arte da Bahia, o MAB Ele entra no lugar de Sylvia Athayde, que ficou 24 anos na função.

Segundo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), autarquia da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), a medida é parte da mudança do projeto de gestão de equipamentos culturais. Além do MAB, o IPAC coordena ainda o Museu de Arte Moderna (MAM), o Palacete das Artes e o Centro Cultural Solar Ferrão, em Salvador. No interior, o IPAC é responsável pelo Convento dos Humildes, em Santo Amaro; do Museu Wanderley de Pinho, em Candeias; do Parque Castro Alves, em Cabaceiras do Paraguaçu e uma galeria na cidade de Cachoeira.

Novo gestor
Pedro Arcanjo nasceu em Maragojipe e tem mostra individuais realizadas na capital, no Recife, São Paulo e Brasília. No exterior, já apresentou suas obras em países como Argentina, Alemanha, Áustria e Suíça. Realizou ainda curadorias, pesquisas em história da arte, ensaios sobre fotografia contemporânea e documentação antropológica visual em terreiros de candomblé.

Arcanjo é idealizador do Festival das Filarmônicas e da Bienal do Recôncavo. Recebeu o Prêmio Aloísio Magalhães, no alão do Museu de Arte Contemporânea de Olinda, e foi "Destaque Cultural" do Conselho Estadual de Cultura. Ele também já foi secretário de Cultura de Maragojipe, onde iniciou o processo para que o carnaval da cidade se tornasse Patrimônio Imaterial do Estado, o que ocorreu em 2009.

Museu de Arte da Bahia MAB Bahia (Foto: Divulgação)



Pedro Arcanjo assume o lugar da museóloga Sylvia Athayde na gestão do Museu de Arte da Bahia, o MAB, localizado no Corredor da Vitória, em Salvador, a partir desta quinta-feira (19). O escolhido é curador, sociólogo, fotógrafo e mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Athayde dirigiu o espaço cultural por 24 anos.

Medida é consequência de mudança de projeto de gestão do IPAC.

Pedro Arcanjo é o novo gestor do Museu de
Arte da Bahia, em Salvador (Foto: Divulgação)


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/03/pedro-arcanjo-assume-direcao-do-museu-de-arte-da-bahia-o-mab.html

MUSEUS BRASILEIROS PARTICIPAM DE CAMPANHA MUNDIAL EM REDES SOCIAIS