Listen to the text.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

The Jewish Museum, as an institution concerned with Jewish culture and traditions, has a long tradition in Lithuania .


HISTORY OF THE JEWISH MUSEUM


 The first Jewish museum was established in Vilnius (then Vilna) in 1913 through the efforts of the Society of Lovers of Jewish Antiquity. The activities of this society and museum were interrupted with the outbreak of the First World War. In 1919, noted Jewish writer Sholom Zanvil Rapoport (better known under the pseudonym of Sh. An-sky) revived the society, renamed the Lithuanian-Belorussian Society for Jewish History and Ethnography. The Jewish Museum was re-established in 1920 and named posthumously after Sh. An-sky.


When Vilnius was occupied by Polish troops that same year, the Jewish History and Ethnography Society continued its work in Kaunas, the interim Lithuanian Capital. In 1931, the Society finally established a Jewish museum, similar to its predecessor in Vilnius. On the eve of the Second World War, the Museum housed over 3000 objects and 6000 books, as well as other valuable items, such as letters, memoirs, andpinkasim (Jewish Community’s chronicles). In addition, there were more than a hundred thousand documents, photographs, newspaper issues, etc. Original texts of the privileges (charters) granted to Jews by the Grand Dukes the late Middle Ages, were considered the most valuable museum
 item.



With the annexation of Lithuania by the Soviet Union in 1940, the museum was placed under the supervision of the People's Commissariat (Ministry) of Education and lost its independent status. In May 1941 the museum was handed over to the Soviet Lithuanian Academy of Science.

Another Jewish museum was established in Polish Wilno (as Vilnius was then called) in 1925. It was known as the Theater Museum of the Institute for Jewish Research, or YIVO. Uma Olkienicka was the director of the museum. The collection was centered around the personal archives of well-known actress Esther Rochl Kaminski. The researchers of YIVO continued to collect material and planned to establish various Jewish museums dedicated to education, art, ethnography, sports and literature.

With the establishment in 1940 of the Soviet regime in Lithuania many Jewish institutions were abolished. The country’s Jewish communities and Hebrew-language institutions ceased to exist. Most periodicals were shut down. The YIVO Institute, the Sh.An-sky Museum and the Jewish History and Ethnography Museum in Kaunas fell under the jurisdiction of the People's Commissariat of Education. Many staff workers and some directors of these institutions were arrested and dismissed. Remaining staff were forced to re-orientate their activities. Even in an atmosphere of repression and under strict control by the authorities, these institutions continued their creative work. In 1941, just prior to the Nazi invasion, YIVO successfully inaugurated a large exposition dedicated to the 90th anniversary of the birth of Jewish writer Itzhak Leybush Peretz.

Historical and cultural work did not stop even with the outbreak of the war. The ghetto intellectuals strived to save the Jewish nation s cultural and historical heritage. They urged other inmates to preserve items of historical and cultural value, even in the difficult ghetto conditions. A museum was established in Vilnius to preserve such items. German and Lithuanian documents were collected. These included orders and regulations issued on the Jewish question, and eyewitness accounts, especially those of mass murders, and other Nazi cruelties.

In September 1941, the Nazis established the Vilnius and Kaunas divisions of the Alfred Rosenberg Headquarters. The goal of these units was to collect Lithuania’s Jewish artistic and cultural valuables, which amounted to the plundering and destruction of a large portion of Lithuanian Jewry’s cultural heritage. The Strashun, Balosher, and YIVO libraries, the Sh. An-sky Museum and the Kaunas Society of History and Ethnography were ransacked. A group of approximately twenty inmates from the Vilnius ghetto were forced to assist the Rosenberg Headquarters in this infamous work. Those Jewish intellectuals risked their lives to save the valuable items. The brigade of the twenty included Abraham Sutzkever and Shmerl Kaczerginski, future founders of the post-war Vilnius Jewish museum. Some Lithuanian non-Jewish intellectuals, such as Assistant Professor M. Abramowicz, Vilnius University librarian Ona Šimaitė, and writer Kazys Boruta, helped the Jews in their endeavors. In the ghetto, special hiding places were prepared to store the rescued items.

In the summer of 1944, while the Second World War still raged, a Jewish museum, the only one in the Soviet Union, was established in Vilnius. Jewish survivors who returned to the city founded the museum shortly after the withdrawal of Nazi troops. Soviet authorities could not understand the need for such an institution. Nevertheless in late August of that year a committee for collecting material under the aegis of the Ministry of Education was established, although it was not until the end of 1944 that the Jewish Museum was officially registered under the authority of the Soviet Lithuanian Ministry of Culture. Writer Shmerl Kaczerginski became director. His apartment was chosen as the first site for the museum which in the beginning had no other premises. The activities of that institution were not typical of a museum. Apart from collecting and preserving the Jewish cultural heritage, they also listed the addresses of returning Jewish survivors. The museum received numerous letters from across the Soviet Union and abroad with inquiries about people's relatives and acquaintances, the majority of whom were victims of WWII. The museum became the spiritual and cultural center for Vilnius Jews where all current problems facing the community were discussed. The museum leadership dealt with the highest echelons of power as a representative of the Jewish people. The museum ultimately found a home in the former ghetto library and jail buildings at 6 Strashun (now Žemaitijos) street. Surviving Jewish cultural treasures were brought to this location from numerous hiding places. The museum undertook a number of tasks. These included the preservation of what remained of the Jewish cultural heritage, collection historical material, preparation of expositions and preservation of mass murder sites and other important Jewish sites.

Each item pertaining to Jewish heritage that could still be found, and had not been destroyed by the Nazis, was brought to the Jewish Museum. These included books, manuscripts, periodicals, archives of Jewish pre-war institutions and societies, archives of the YIVO and the Jewish Community, as well as Judaic ceremonial objects. Among the surviving objects were the works of 47 Jewish sculptors, as well as a collection of paintings by Mane Katz, Max Band, Feferman and Mergoszilski . A lot of material, especially archive documents, was discovered in cellars, attics, and various other hiding places. The most serious obstacle was the difficulty involved in physically bringing the numerous items to the museum site. Since Soviet authorities could not fully appreciate the value of the surviving Jewish artifacts, most of the items were doomed to destruction, and were removed to paper-recycling factories.

The first museum exhibition was titled "The Brutal Destruction of the Jews during the German Occupation". This reflected the most relevant Jewish theme for those days. Exhibitions on the Vilnius and Kaunas ghettos, the Paneriai murder site, and Jewish literature were soon added.

A resolution dated June 10, 1949, passed by the Council of Ministers of Soviet Lithuania, ostensibly meant to reorganize the Jewish Museum into the Vilnius Local History Museum, in fact meant the museum's abolition. Their rich collection was sent to various institutions. The resolution allowed the transfer of ethnographic material to the Local History Museum, exhibits for revolutionary events to the State History and Revolution Museum, and objects of artistic value to the Art Affairs Board. The books were passed to Soviet Lithuania‘s Book Chamber. All remaining inventory was handed over to the Librarians Training College. Archive materials were placed in storage in the Lithuanian Central State Archives. Lastly, the museum building was handed over to the Committee for Cultural and Educational Institutions.

The new Local History Museum and its expositions, such as The Achievements of Vilnius Industry through the Post-War, Stalin's Five-year Term and the Cultural Heritage of the City of Vilnius in the Post-War period had nothing to do with the Jewish theme and could not meet the needs of Lithuanian Jews.

Throughout the Soviet period, the existence of a Jewish museum or any Jewish institution in Soviet Lithuania was impossible. Only the Paneriai and Kaunas 9th Fort memorials made vague reference to the Jews, as victims of the Holocaust. Jewish history and heritage seemed doomed to total obliteration.

The situation suddenly changed with the Perestroyka reforms in the late 1980s. On September 6, 1989, the Government of Soviet Lithuania passed Resolution No. 177p. This resolution permitted the re-opening of the Jewish Museum after 50 years of non-existence. Governmental Resolution No. 56p, dated February 13, 1991, authorized the return of most of the stored artifacts from the post-war Jewish Museum to the re-established Jewish State Museum of Lithuania. The same year, the M. K. Čiurlionis Art Gallery in Kaunas donated the surviving objects it had in storage from the Kaunas Society of History and Ethnography to the new Jewish institution. These treasures became the basis for the Jewish Museum's collection. In 1997, on the 200th anniversary of the death of renowned Torah scholar the Gaon of Vilna, our institution was renamed the Vilna Gaon State Jewish Museum.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.jmuseum.lt/index.aspx?Element=ViewArticle&TopicID=6




--- em português via tradutor do google ---

HISTÓRIA DO MUSEU JUDAICO


 O primeiro museu judaico foi criado em Vilnius (então Vilna), em 1913, através dos esforços da Sociedade dos Amantes da Antiguidade Judaica. As atividades desta sociedade e museu foram interrompidos com a eclosão da Primeira Guerra Mundial. Em 1919, observou escritor judeu Sholom Zanvil Rapoport (mais conhecido sob o pseudônimo de Sh. An-céu) reavivou a sociedade, renomeou a Sociedade lituano-bielorrussa de História Judaica e Etnografia. O Museu Judaico foi restabelecida em 1920 e nomeado postumamente após Sh. An-céu.


Quando Vilnius foi ocupada por tropas polonesas no mesmo ano, a História Judaica e Etnografia Sociedade prosseguiu o seu trabalho em Kaunas, a Capital da Lituânia interino. Em 1931, a Sociedade finalmente estabeleceu um museu judaico, semelhante ao seu antecessor em Vilnius. Às vésperas da Segunda Guerra Mundial, o Museu abrigou mais de 3000 objetos e 6000 livros, bem como outros itens valiosos, tais como cartas, memórias, andpinkasim (crônicas de Comunidade Judaica). Além disso, havia mais de cem mil documentos, fotografias, edições de jornais, etc. textos originais do privilégios (charters) concedidos aos judeus pelo Grão-Duques do final da Idade Média, foram considerados o museu mais valioso
 item.




Com a anexação da Lituânia pela União Soviética em 1940, o museu foi colocado sob a supervisão do Comissariado do Povo (Ministério) de Educação e perdeu seu status independente. Em maio de 1941 o museu foi entregue para a Academia Soviética de Ciências da Lituânia.

Outro museu judaico foi criada em polonês Wilno (Vilnius como era então chamado) em 1925. Era conhecido como o Museu do Teatro, do Instituto para Jewish Research, ou YIVO. Uma Olkienicka foi o diretor do museu. A coleção foi centrado em torno dos arquivos pessoais de conhecida atriz Esther Rochl Kaminski. Os pesquisadores de YIVO continuou a coleta de material e planejado para estabelecer vários museus judeus dedicados à educação, a arte, a etnografia, esportes e literatura.

Com a criação em 1940 do regime soviético na Lituânia muitas instituições judaicas foram abolidas. Comunidades judaicas do país e as instituições de hebraico deixou de existir. A maioria dos jornais foram fechados. O Instituto YIVO, o Sh.An-sky e Museu de História Judaica e Museu de Etnografia em Kaunas caiu sob a jurisdição do Comissariado do Povo da Educação. Muitos trabalhadores equipe e alguns diretores dessas instituições foram presos e demitidos. Funcionários restantes foram obrigados a reorientar as suas actividades. Mesmo em uma atmosfera de repressão e sob estrito controle por parte das autoridades, essas instituições continuaram o seu trabalho criativo. Em 1941, pouco antes da invasão nazista, YIVO inaugurou com sucesso uma grande exposição dedicada ao 90º aniversário do nascimento do escritor judeu Itzhak Leybush Peretz.

Trabalho histórico e cultural não parou, mesmo com o início da guerra. Os intelectuais do gueto se esforçado para salvar herança cultural e histórica da nação judaica s. Eles instaram outros detentos para preservar itens de valor histórico e cultural, mesmo em condições difíceis do gueto. Um museu foi criado em Vilnius para preservar tais itens. Foram coletados documentos alemães e lituanos. Estes incluíram ordens e regulamentos emitidos sobre a questão judaica, e relatos de testemunhas oculares, especialmente os de assassinatos em massa, e outras crueldades nazistas.

Em setembro de 1941, os nazistas criaram as divisões de Vilnius e Kaunas da Sede Rosenberg Alfred. O objetivo dessas unidades era coletar objetos de valor artístico e cultural judeu da Lituânia, que somaram a pilhagem e destruição de uma grande parte do património cultural lituano judeus. O Strashun, Balosher e bibliotecas YIVO, o Sh. An-céu Museu ea Sociedade Kaunas de História e Etnografia foram saqueados. Um grupo de cerca de vinte detentos do gueto de Vilnius foram obrigados a ajudar a Sede Rosenberg neste trabalho infame. Esses intelectuais judeus arriscaram suas vidas para salvar os itens valiosos. A brigada do vigésimo incluído Abraham Sutzkever e Shmerl Kaczerginski, futuros fundadores do pós-guerra Vilnius museu judaico. Alguns intelectuais não-judeus lituanos, como Professor Assistente de M. Abramowicz, bibliotecário da Universidade de Vilnius Ona Šimaitė e escritor Kazys Boruta, ajudou os judeus em seus empreendimentos. No gueto, lugares especiais esconderijos estavam preparados para armazenar os itens resgatados.

No verão de 1944, enquanto a Segunda Guerra Mundial ainda assola, um museu judaico, o único na União Soviética, foi criada em Vilnius. Sobreviventes judeus que retornaram à cidade fundou o museu pouco depois da retirada das tropas nazistas. Autoridades soviéticas não conseguia entender a necessidade de tal instituição. No entanto, no final de agosto do mesmo ano uma comissão de recolha de material sob a égide do Ministério da Educação foi estabelecida, embora não tenha sido até o final de 1944 que o Museu Judaico foi oficialmente registrada, sob a autoridade do lituano Ministério da Cultura Soviética. Escritor Shmerl Kaczerginski tornou-se diretor. Seu apartamento foi escolhido como o primeiro local para o museu, que no início não tinha outras instalações. As atividades dessa instituição não eram típicos de um museu. Além de coletar e preservar a herança cultural judaica, eles também estão listados os endereços de retornar sobreviventes judeus. O museu recebeu inúmeras cartas de toda a União Soviética e no exterior com perguntas sobre parentes e conhecidos das pessoas, a maioria dos quais foram vítimas da Segunda Guerra Mundial. O museu se tornou o centro espiritual e cultural para os judeus Vilnius, onde foram discutidos todos os problemas atuais enfrentados pela comunidade. A liderança museu lidou com os mais altos escalões do poder como um representante do povo judeu. O museu em última análise, encontrou uma casa na biblioteca gueto e prisão edifícios antigos em 6 Strashun (agora Zemaitijos) rua. Sobrevivendo tesouros culturais judaicas foram trazidos para este local a partir de inúmeros esconderijos. O museu empreendeu uma série de tarefas. Estes incluíram a preservação do que restou da herança cultural judaica, coleta de material histórico, preparação de exposições e preservação dos locais dos assassinatos em massa e outros locais judaicos importantes.

Cada item pertencente a herança judaica que ainda poderia ser encontrado, e não havia sido destruído pelos nazistas, foi levado para o Museu Judaico. Estes incluíram livros, manuscritos, periódicos, arquivos de instituições judaicas pré-guerra e sociedades, arquivos do YIVO e da comunidade judaica, assim como objetos cerimoniais judaicos. Entre os objetos sobreviventes foram as obras de 47 escultores judeus, bem como uma coleção de pinturas de Mane Katz, Max Band, Feferman e Mergoszilski. Um monte de material, principalmente documentos de arquivo, foi descoberto em porões, sótãos, e vários outros esconderijos. O obstáculo mais grave foi a dificuldade em trazer fisicamente os inúmeros itens para o site do museu. Desde autoridades soviéticas não poderia apreciar plenamente o valor dos artefatos judeus sobreviventes, a maioria dos itens foram condenados à perdição, e foram removidos para fábricas de reciclagem de papel.

A primeira exposição do museu foi intitulado "A destruição brutal dos judeus durante a ocupação alemã". Isso refletiu o tema judaico mais relevante para aqueles dias. Exposições sobre os guetos de Vilnius e Kaunas, local do assassinato do Paneriai e literatura judaica foram adicionados em breve.

A resolução de 10 de Junho de 1949, aprovada pelo Conselho de Ministros da Lituânia Soviética, ostensivamente destinadas a reorganizar o Museu Judaico no Museu de História Local Vilnius, na verdade significava abolição do museu. Seu rico acervo foi enviado para várias instituições. A resolução permitiu a transferência de material etnográfico do Museu de História Local, exposições para eventos revolucionários da História do Estado e Museu da Revolução, e objetos de valor artístico ao Conselho dos Assuntos de arte. Os livros foram passados ​​para reservar Câmara de Soviética Lituânia. Todos inventário restante foi entregue ao Training College bibliotecários. Materiais de arquivo foi colocada em depósito no Arquivo Central do Estado lituanos. Por último, o edifício do museu foi entregue ao Comité para instituições culturais e educacionais.

O novo local Museu de História e suas exposições, como as conquistas de Vilnius indústria através do Pós-Guerra, em cinco anos Prazo de Stalin e do Patrimônio Cultural da cidade de Vilnius, no período pós-guerra não tinha nada a ver com o tema judaico e não poderia atender às necessidades dos judeus lituanos.

Durante todo o período soviético, a existência de um museu judaico ou qualquer instituição judaica na Lituânia Soviética era impossível. Somente o Paneriai e Kaunas 9 Fort memoriais feitos vaga referência aos judeus, como vítimas do Holocausto. História e herança judaica parecia condenado a obliteração total.


A situação mudou de repente com as reformas perestroyka no final de 1980. Em 06 de setembro de 1989, o Governo da Lituânia Soviética aprovou a Resolução No. 177p. Esta resolução permitiu a reabertura do Museu Judaico, após 50 anos de não-existência. Governamental Resolução nº 56p, datado de 13 de fevereiro de 1991, autorizou o retorno da maioria dos artefatos armazenados do Museu do pós-guerra judaica para o Jewish Museum Estado da Lituânia re-estabelecida. No mesmo ano, a Galeria de Arte MK Čiurlionis em Kaunas doou os objetos sobreviventes que tinham em depósito da Sociedade Kaunas de História e Etnografia para a nova instituição judaica. Estes tesouros se tornou a base para a coleção do Museu Judaico. Em 1997, no 200º aniversário da morte do renomado estudioso da Torá o Gaon de Vilna, nossa instituição foi rebatizado o Estado Jewish Museum Vilna Gaon.

O Museu Nacional do Azulejo tem por missão recolher, conservar, estudar e divulgar exemplares representativos da evolução da Cerâmica e do Azulejo em Portugal

Promovendo as boas práticas de Inventariação, Documentação, Investigação, Classificação, Divulgação, Conservação e Restauro da Cerâmica e, muito em especial, do Azulejo. Integra também a missão do MNAz a salvaguarda patrimonial da igreja e dos demais espaços do antigo Mosteiro da Madre de Deus.

Fachada do MNAz

O MNAz procura constituir-se como referência nacional e internacional, seja pela especificidade das suas colecções e dos seus espaços musealizados, seja pela excelência dos conhecimentos que lhe compete produzir e apoiar.

O Centro das suas actividades é a Cerâmica de Revestimento, pelo que deve constituir-se como entidade de referência e apoio à formação académica e profissional, à investigação científica e tecnológica nas áreas da cerâmica de revestimento, cabendo-lhe apoiar as entidades públicas e privadas que tutelam patrimónios construídos com revestimentos cerâmicos, por todo o país.

Através das suas actividades, o museu dá a conhecer a história do Azulejo em Portugal procurando chamar a atenção da sociedade para a necessidade e importância da protecção daquela que é a expressão artística diferenciadora da cultura portuguesa no mundo: o Azulejo.



O Museu Nacional do Azulejo é um dos mais importantes museus nacionais, pela sua colecção singular, o Azulejo, expressão artística diferenciadora da cultura portuguesa, e pelo edifício ímpar em que se encontra instalado, o antigo Mosteiro da Madre de Deus, fundado em 1509 pela rainha D. Leonor (1458-1525).





Após as intervenções de José Maria Nepomuceno e de Liberato Telles, os edifícios do Convento e Igreja da Madre de Deus foram sendo objecto de inúmeras reparações e alteração dos espaços sempre como parte integrante do Asilo D. Maria Pia. Para o local foram sendo conduzidos e armazenados painéis de azulejo, provenientes de outros locais, que inicialmente se destinavam à decoração do interior do edifício, mas que acabaram por ali permanecer guardados em caixotes.

Surgiu, então a hipótese de colocar sob a tutela do Museu Nacional de Arte Antiga diversos monumentos, a fim de poder ser feita a sua salvaguarda patrimonial, ficando estabelecido, numa carta do seu director João Couto datada de 15 de Dezembro de 1954, que a Igreja e dependências da Madre de Deus, em Xabregas, deveriam ser consideradas como anexos do Museu Nacional de Arte Antiga.




Com o objectivo de realizar uma exposição comemorativa dos 500 anos do nascimento da Rainha D, Leonor a Fundação Calouste Gulbenkian custeou as despesas com grandes obras de restauro, designadamente, no claustro e pinturas, da Igreja da Madre de Deus.

No ano de 1957 iniciaram-se os trabalhos preparatórios tendo-se considerado dever classificar todo o conjunto como Monumento Nacional, e por despacho ministerial de homologação no dia 12 de Novembro de 1957, ficou determinado a sua integração no Museu Nacional de Arte Antiga através de orientações políticas específicas de salvaguarda patrimonial.

Quando, no dia 7 de Janeiro de 1958, a exposição terminou, os edifícios foram entregues à tutela daquele museu, tendo sido logo levantada a questão de aproveitamento dos espaços para a instalação de um Museu do Azulejo.











Procedeu-se à transferência dos azulejos para a Madre de Deus, tendo-se ocupado da montagem e organização o Engenheiro João Miguel dos Santos Simões, vogal efectivo da Academia Nacional de Belas Artes, responsável pela Brigada de Estudos de Azulejaria da Fundação Calouste Gulbenkian e conservador-ajudante do Museu Nacional de Arte Antiga.

Em 1965, o Director–Geral do Ensino Superior e das Belas Artes, concluindo que iria estudar a possibilidade de abrir o Museu ao público, na parte dada como montada, considerou indispensável criar determinadas condições para as sua concretização.

Numa informação datada de 12 de Dezembro de 1967, Santos Simões refere-se à exposição, ocorrida a 30 de Setembro, sobre o Museu do Azulejo, informando que ainda que este possa ser aberto ao público, tal como se encontra, conviria que se abreviassem os trabalhos de pequenas reparações e acabamentos.


No dia 3 de Fevereiro de 1971, Santos Simões, numa carta dirigida à directora do Museu Nacional de Arte Antiga, solicita a necessidade de haver uma reunião urgente entre todas as instituições intervenientes no Convento da Madre de Deus/Museu do Azulejo, de forma a ser revisto o problema da sua imperiosa inauguração. De modo a continuar as tarefas iniciadas por Santos Simões, Rafael Salinas Calado, foi convidado, em 1973, por Maria José Mendonça para se ocupar da Secção de Cerâmica do Museu Nacional de Arte Antiga, localizada desde 1959 no antigo Convento da Madre de Deus.

O Decreto-Lei nº 404/80, de 26 de Setembro, concedeu ao Museu do Azulejo a emancipação, tornando-o Nacional e autonomizando-o em relação ao Museu Nacional de Arte Antiga, do qual constituía um anexo desde 18 de Dezembro de 1965.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.museudoazulejo.pt/pt-PT/OMNAz/Histor/ContentList.aspx

Jornalista de 95 anos doa foto inédita da criação do Museu Imperial - Rio de Janeiro - Brasil




Foto mostra o presidente Getúlio Vargas na data da assinatura do decreto.
Após 75 anos, museu conta agora com único registro de seu "nascimento".


Na imagem, o jornalista Oswaldo Miranda aparece ao lado do então presidente Getúlio Vargas (Foto: Divulgação/Museu Imperial)Na imagem, o jornalista Oswaldo Miranda aparece ao lado direito do então presidente Getúlio Vargas e do primeiro diretor da instituição, Alcino Sodré (Foto: Divulgação/Museu Imperial)



Museu Imperial em Petrópolis (Foto: Alexandre Durão/G1)
Com um acervo composto por mais 8 mil objetos, 60 mil publicações e 250 mil documentos, o Museu Imperial de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, carecia de um dos registros mais importantes de sua história: uma fotografia do dia em que foi criado pelo presidente Getúlio Vargas. E foi das mão de um jornalista de 95 anos que a instituição conseguiu o até então desconhecido documento. Oswaldo Miranda aparece na foto, em 29 de março de 1940, ao lado de Vargas, Alcino Sodré - o primeiro diretor do Museu - e outras importantes autoridades políticas da época. A foto passou a compor o arquivo histórico da unidade no último dia 7 de abril.

Oswaldo Miranda aparece ladeado por Fernando Costa, membro da Academia Petropolitana de Letras e o diretor do Museu Maurício Vicente Ferreira Jr  (Foto: Divulgação/Museu Imperial)Oswaldo Miranda (ao meio) aparece com Fernando
Costa, membro da APL, e o diretor do Museu
Imperial, Maurício Ferreira (Foto: Divulgação/
Museu Imperial)
O decreto-lei nº 2.096 transformou o prédio, onde funcionava o Colégio São Vicente de Paulo, no imponente museu que, 75 anos depois, recebe mais de 300 mil visitantes por ano. Conseguir uma imagem como esta, após mais de sete décadas, foi uma grande surpresa para o administrador do espaço, Maurício Ferreira.

"O documento é único. A fotografia registra o momento do nascimento do Museu Imperial”, declarou.

Além de uma cópia da imagem, uma caixinha de recordações com outros arquivos que fazem parte da história do jornalista foi doada por ele a instituição, que o homenageou pela sua importância na área da comunicação, não só de Petrópolis, mas de todo o país.



A fotografia registra o momento do nascimento do Museu"
“Eu não sabia que o Museu não tinha essa fotografia. Para mim, foi uma surpresa. Lembro que entraram em contato comigo dizendo que era da instituição e que tinham visto a foto em uma publicação recente, em que conto minhas experiências com o presidente Getúlio. Foi a partir daí que chegaram até mim”, contou o jornalista aposentado ao G1.

Sua aparição na foto, recorda, se deu quase que por acaso. Ele tinha sido escalado por um jornal petropoliano para fazer uma matéria sobre o momento da assinatura do decreto. Naquele dia, Oswaldo tomou depoimentos, apurou as informações e, sem saber, acabou entrando para a história do Museu.
O Museu Imperial recebe mais de 300 mil pessoas por ano (Foto: Alexandre Durão/G1)“Saber que pude presenciar um momento como este e que anos depois voltei não só para dar uma cópia deste registro, mas para contar o que vi e ter tantas pessoas interessadas no que tenho a dizer, me enche de alegria. Agora, mais do que nunca, sei que faço parte desta história”, finalizou orgulhoso.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/rj/regiao-serrana/noticia/2015/04/jornalista-de-95-anos-doa-foto-inedita-da-criacao-do-museu-imperial.html

Bruno RodriguesDo G1 Região Serrana

Museo di Palazzo Mocenigo: visitar o museu é fazer uma viagem para os séculos 17 e 18. Ele possui um acervo que mostra como era a vida da nobreza de Veneza durante esse período com manequins com roupas da época e móveis que demostram como as casas eram decoradas, além de diversos outros objetos. Inaugurado em 1985 e instalado em um casarão do século 17, o espaço passou por uma grande restauração em 2013 e ganhou cinco novas salas, totalmente dedicadas à produção de perfumes, uma tradição da cidade. O ingresso custa € 8 (R$ 26).

Para observar como era a vida da nobreza veneziana entre os séculos 17 e 18, vá ao Museo di Palazzo Mocenigo, inaugurado em 1985 e instalado em um belíssimo casarão secular

Para observar como era a vida da nobreza veneziana entre os séculos 17 e 18, vá ao Museo di Palazzo Mocenigo, inaugurado em 1985 e instalado em um belíssimo casarão secular


Nella pianta di Jacopo de’ Barbari (1500) si ha documentazione dell’edificio che all’epoca si presentava a base pressoché quadrata con cortile al centro. In seguito il palazzo venne progressivamente ampliato (i discendenti di Nicolò acquistarono delle proprietà adiacenti la loro) e ristrutturato. L’aspetto che conserva attualmente risale probabilmente all’inizio del XVII secolo, ma non si ha alcuna notizia circa i tempi di esecuzione e non se ne conosce l’architetto.




Le due facciate esterne, sulla strada (salizàda) e sul canale di San Stae, sono caratterizzate dalle ampie “serliane”, finestre ricorrenti nell’architettura veneziana del XVII/XVIII secolo. Si tratta di trifore con l’apertura centrale ad arco e le due laterali più basse a trabeazione, che consentono, tra l’altro, l’alternarsi di piani nobili e ammezzati.

La prima presenta nella parte centrale tre serliane sovrapposte collegate da mensoloni sansoviniani (motivo questo che si ripete anche nelle finestre laterali); l’ala di sinistra si prolunga rendendo così l’insieme non simmetrico e presenta inoltre una parte più bassa rispetto al corpo principale; la zoccolatura è a bugnato.

La seconda facciata ha i portoni architravati e le serliane solo nei due piani nobili; le finestre laterali sono suddivise in modo da creare un doppio ordine di stanze e la struttura principale è affiancata da un’ala notevolmente più bassa, con al piano nobile una serliana. Il prospetto sulla salizada rispecchia un gusto più tardo rispetto a quello sul canale, presentando delle linee seicentesche.



Il prospetto sulla strada, da cui oggi si accede al palazzo, evidenzia un prolungamento sul lato sinistro, frutto di acquisizioni di edifici adiacenti. La struttura interna è quella tipica delle abitazioni patrizie veneziane, con il grande salone centrale (pòrtego) passante e destinato alle funzioni di rappresentanza, ai cui lati si affacciano le altre stanze.




Abitato dai Mocenigo fino a tempi recenti, il palazzo conserva al primo piano nobile affreschi e arredi di gusto rococò o neoclassico risalenti perlopiù alla seconda metà del Settecento. Di particolare rilievo gli affreschi dei soffittirealizzati nel 1787 per le nozze del nipote di Alvise IV con Laura Corner, come quelli di Jacopo Guarana (Verona, 1720 – Venezia, 1808), Giambattista Canal(Venezia, 1745 – 1825) e Giovanni Scajaro (att. Seconda metà sec. XVIII). Notevoli anche le porte in radica e le cornici in legno intagliato e dorato.






Palazzo Mocenigo di San Stae (traduzione dialettale di Sant’Eustachio) fu abitato per secoli da un ramo della famiglia Mocenigo, una delle più prestigiose del patriziato Veneziano.
Da questa illustre famiglia, originaria secondo alcuni dalla Lombardia, secondo altri di Aquileia, provengono ben sette Dogi:
Tommaso (1414-23),
Pietro (1474-76),
Giovanni (1478-85),
Alvise I (1570-77; fu il doge vincitore di Lepanto),
Alvise II (1700-1709),
Alvise III (1722-32),
Alvise IV (1763-78).
Tra i membri della famiglia Mocenigo numerosi furono procuratori, ambasciatori, capitani, ecclesiastici e uomini di lettere.
Il ramo principale della famiglia abitava i palazzi di San Samuele, e agli inizi del Seicento il ramo discendente da Nicolò Mocenigo, fratello del Doge Alvise I, si stabilì nel Palazzo di San Stae.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://mocenigo.visitmuve.it/it/il-museo/sede/la-sede-e-la-storia/


AGENDAS MUNDI LXXXI – MUSEOS DE JAPÓN - · en CULTURA, INSTITUCIONES,MUSEO, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, VIAJES. ·

Japón, el país donde colonias extraterrestres conviven con las más ancestrales tradiciones y si no nos creéis, preguntádselo a Bill Murray. El país que mira con recelo la llegada de otra ola gigante en cualquier momento, viviendo aun con la amenaza constante de la radiación. Y puede que, como ningún otro país del planeta, Japón se mantenga observador pasivo con sabiduría y espíritu crítico hacia Occidente: “Tomamos vuestra tecnología, pero conservamos nuestra cultura”. Su territorio nunca fue ampliamente colonizado o misionado. Practica una religión animista-panteísta centenaria mientras está a la cabeza de los avances tecnológicos. Es un país en el que decenas de millones de personas pueden apelotonarse en ciudades superpobladas sin perder la calma. Mientras se explora Japón, a menudo uno se asombra de cómo los japoneses hacen las cosas y, quizá, con la misma frecuencia, por qué no hacemos lo mismo en el resto del planeta. Su gastronomía natural es fantástica.

Japón es un país insular del este de Asia. Situado en el océano Pacífico; tiene al oeste el mar del Japón, China, Corea del Norte, Corea del Sur y Rusia, al norte el mar de Ojotsk y al sur el mar de China Oriental y Taiwán. Los caracteres que componen el nombre de Japón significan «el origen del sol», motivo por el que el país también es conocido como la Tierra del Sol Naciente. Japón es un archipiélago de 6852 islas. El Área del Gran Tokio en la isla de Honshū, donde está la ciudad de Tokio, capital de facto de la nación, es la mayor área metropolitana del mundo, con más de treinta millones de residentes. Ahora veamos que tiene Japón como patrimonio museístico; muchísimo, por lo que le vamos a dedicar más de un Agendas Mundi, si os parece bien.



Muchos templos en Japón guardan y exponen tesoros con distintos grados de interés. Entre todos ellos, el Museo Nacional del Tesoro en el templo Kofukuji es probablemente el que tiene una visita más que recomendable, a pesar de su ubicación discreta y exterior recogido; incluso se puede pasar por alto fácilmente en una visita a Kofukuji. El museo tiene una gran colección de arte budista, que incluye la estatua de las tres caras Ashura de seis brazos, una de las estatuas budistas más famosos de Japón.



Ubicado en el Parque de la ciudad de Nara, el excepcional Museo Nacional de Nara es una joya antigua, siendo un lugar didáctico para familiarizarse con el arte de las estatuas budistas. El museo exhibe una colección permanente de arte budista japonés y una gran colección de objetos religiosos. También es sede de exposiciones anuales de tesoros del cercano templo de Todaiji cada otoño.



El Museo de Arte Kubota Itchiku presenta una colección de excepcional de kimonos, creados con la técnica de entrehilado de hilo de seda teñido, obra de Kubota Itchiku. Los edificios triangulares del museo resultan intrigantes por su forma y ubicación, generando una atmósfera muy especial. Los jardines que rodean mejoran aún más el atractivo de este museo. Es un lugar espectacular en otoño con vistas muy de cerca del famosísimo monte Fuji.



El Museo Nacional de Arte de Tokio (Kokuritsu Shin-Bijutsukan) en Roppongi, es uno de los museos más grandes de Japón. la institución mantiene una gran colección permanente de arte pero también alberga excelentes exposiciones que se renuevan periódicamente. El museo se muestra en un edificio futurista cuyas instalaciones son parte de la atracción. Además, Roppongi es un distrito de Tokio que es bien conocido como la zona de ocio nocturno más importante de la ciudad entre los extranjeros, ya que ofrece un gran número de bares de ambiente occidental, restaurantes y clubes de copas nocturnas. Roppongi y los distritos circundantes de Azabu, Hiroo y Akasaka son el hogar de muchas embajadas y una gran comunidad de expatriados.

5. Museo Miho | Koka


El Museo Miho cuenta con una arquitectura de diseño muy particular integrado en su espectacular entorno natural. El museo cautiva aun mostrando un duro contraste combinando acero, vidrio y “piedra caliente”, complementado con vistas panorámicas de los valles circundantes. Las exposiciones del museo se componen de obras de antiguas civilizaciones no solo de Japón sino también foráneas como son sus exposiciones sobre cultura egipcia, romana y una amplia muestra de diversas culturas asiáticas.



El Museo de Arte Otsuka es el museo más grande de Japón. Alberga una gran colección de reproducciones a tamaño real de las obras maestras del arte occidental desde la antigüedad hasta el siglo XX, con réplicas de obras tanto escultóricas como pictóricas de Miguel Ángel, El Greco, Goya, Monet y Picasso.

7. Museo de Arte Mori | Naruto


Situado en lo alto de uno de los pisos superiores del Roppongi Hills Mori Tower, el Museo de Arte Mori alberga interesantes exposiciones temporales de arte contemporáneo. Las exhibiciones de arte se complementan muy bien con las vistas aéreas que se pueden disfrutar desde el observatorio ubicado en el la terraza de la planta inferior de la instalación.



Como su redundante nombre indica, el Museo de Arte Contemporáneo del Siglo XXI de Kanazawa, ofrece una variedad de obras de arte de vanguardia dentro de un fascinante edificio de decoración high-tech. Exhibe creaciones artísticas interesantes de artistas contemporáneos de renombre procedentes de Japón y de todo el mundo. El museo acoge con frecuencia exposiciones temporales de obras de arte diseñadas recientemente también.

9. Museo de Arte Teshima | Isla de Teshima


El Teshima Art Museum es una de las obras de arte contemporáneo más importantes y bellas en Japón. Del museo está emplaza en el paraíso natural de la Isla de Teshima, un medio absolutamente rural, en medio de terrazas de cultivos de arroz. La “sencilla” estructura de hormigón estimula los sentidos de sus visitantes con el juego de las gotas de agua sobre una superficie de un blanco inmaculado que se mantiene milagrosamente limpia. La ubicación del museo hace que sea aún mejor, con un encanto rústico añadido. Las obras de arte expuestas se encuentran dispersas en torno a la instalación. El museo está abierto casi todos los días, especialmente las instalaciones al aire libre, sin embargo algunas de las obras de arte más pequeñas son sólo se pueden visitar los fines de semana y días festivos (ojito al dato).

10. Museo de Arte Chichu | Isla Naoshima


El Museo de Arte Chichu, diseñado por el renombrado arquitecto Tadao Ando, ​​es una institución muy especial de arte moderno, construido debajo de la tierra, en una colina con vistas a la costa sur de la isla de Naoshima. El propio edificio del museo es una obra de arte, utilizando hábilmente la luz natural para resaltar las obras, creando así una experiencia visual que estará fuertemente influenciada por el entorno natural que lo rodea. La obra expuesta es de arte moderno de artistas locales y alguna de pintores de fuera de Japón.

Como os comentábamos al comienzo del Agendas Mundi de hoy, el periplo por los museos japoneses no puede quedar zanjado con una sola entrega de 10 museos. Hay mucho y bueno, por lo que nos daremos otros pasito por donde nace el sol la semana que viene. Hasta entonces, que seáis muy felices.

fone: @edisonmariotti #edisonmariotti  Espacio Visual Europa (EVE)

Embora a língua oficial e predominante no Brasil seja o português, o país tem entre 150 e 170 idiomas nativos, a maioria na região amazônica. - Parceria com Museu do Índio produz gramáticas e documenta 13 línguas indígenas




Treze línguas indígenas faladas no Brasil e sob ameaça de extinção foram documentadas em áudio e vídeo por um projeto do Museu do Índio, da Fundação Nacional do Índio (Funai), em parceria com a UNESCO. Dez delas ganharam gramáticas descritivas básicas e um banco de dados que poderá resultar em dicionários. O projeto também deu início à produção de cinco gramáticas pedagógicas para uso em escolas indígenas do país.


As ações fazem parte do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas (Progdoc), que envolveu 40 povos e uma população total de cerca de 35 mil indígenas. O programa começou a ser discutido em 2008 e será concluído neste ano. O legado é imenso: mais de 2 mil horas de áudios e vídeos de falantes nativos, mais de 70 mil fotos digitais e 32 livros, com ou sem tradução para o português, além das gramáticas.

O trabalho coordenado por linguistas contou com a colaboração de indígenas que receberam capacitação e auxílio financeiro para atuar nas suas próprias comunidades. Durante o projeto, eles esbarraram concretamente no problema que tentam evitar: o desaparecimento de idiomas nativos. Isso ocorreu em Mato Grosso, onde o único falante vivo de que se tinha notícia da língua Apiaká, uma das 13 documentadas, morreu durante a pesquisa - após já ter dado depoimento em vídeo.

Embora a língua oficial e predominante no Brasil seja o português, o país tem entre 150 e 170 idiomas nativos, a maioria na região amazônica. Algumas línguas contam com cerca de 20 mil falantes, caso do Guarani, do Tikuna, do Terena, do Macuxi e do Kaingang. Outras, porém, são faladas por cinco pessoas ou até menos, situação em que se enquadrava o Apiaká.

A professora de linguística e antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Bruna Franchetto diz que a média brasileira é de menos de 200 falantes por língua. Daí a necessidade de documentação dos idiomas, já que as projeções quanto à preservação desses idiomas não são otimistas. Afinal, nem mesmo as línguas nativas com maior número de falantes estão a salvo.




Bruna é coordenadora do Projeto de Documentação de Línguas Indígenas (Prodoclin) do Museu do Índio, braço do Progdoc responsável pela parte linguística do programa. Ela teme que, até o fim do século 21, nenhuma das línguas nativas brasileiras continue sendo usada diariamente e transmitida de geração em geração.

“Cada língua é um patrimônio. Quando uma língua desaparece, leva consigo riquíssimos conhecimentos que não poderão mais ser acessados”, diz a professora.

Um dos livros publicados é “Contos Desano”, que reúne histórias e ilustrações do povo Desano, habitante do noroeste da Amazônia, no Brasil e na Colômbia.

Num texto introdutório, em português, Bruna e a ex-gestora científica do Prodoclin Mara Santos fazem referência à estimativa do linguista Michael Krauss, feita em 1992, de que “90% das línguas do mundo estariam na beira da extinção no século XXI, se não fossem tomadas medidas preventivas”. Bruna e Mara citam também a estimativa do professor e especialista em línguas indígenas Aryon Rodrigues de que, antes da chegada dos europeus ao atual território brasileiro, 500 anos atrás, mais de 1.200 línguas nativas seriam faladas cotidianamente.

“Línguas vivas e reconhecidas na sua plenitude não são apenas repositórios de tradições e conhecimentos complexos e milenares, mas também os veículos de sua transmissão de uma geração para outra e a base de autoestima e afirmação de alteridade, individual e coletiva”, diz o texto.

De acordo com Bruna, as línguas indígenas foram orais até o século 20. Ainda que existissem registros pictográficos, nenhuma delas estava alicerçada em alfabetos, isto é, letras. Foi a partir da década de 1950 que as línguas nativas passaram a incorporar a escrita alfabética.

O diretor do Museu do Índio, José Carlos Levinho, destaca a qualidade do material produzido na parceria com a UNESCO. Segundo ele, a impressão dos textos em línguas indígenas exigiu intensa colaboração entre linguistas, designers e editores, a fim de garantir a reprodução fidedigna da grafia das palavras.

Levinho considera também fundamental o envolvimento de pesquisadores indígenas. Para ele, a participação deles contribuiu para a valorização da cultura nativa entre as novas gerações. É que as comunidades indígenas, como qualquer sociedade, convivem com conflitos geracionais. E isso, segundo o diretor, pode resultar em desinteresse das gerações mais novas pela língua e pela cultura de seus ancestrais.

“As gerações mais antigas perfuravam o lóbulo da orelha ou os lábios. As gerações mais novas já não fazem isso, porque sabem que aquelas pessoas eram estigmatizadas. Ao invés de negar a autoridade dos mais velhos, os bolsistas indígenas precisaram buscar nos velhos as informações para o projeto. O que sinalizou que a valorização da cultura é algo apreciado”, diz Levinho, que planeja estender a documentação de línguas indígenas a grupos de índios recentemente contatados.

O Prodoclin registrou os seguintes idiomas (com o respectivo tronco ou família linguísticos entre parênteses): Apiaká (Tupi-Guarani); Desano (Tukano); Ikpeng (Karib); Kanoé (isolado); Karaja (Macro-Jê); Kawaiwete (Tupi-Guarani); Kisêdjê (Macro-Jê); Maxakali (Macro-Jê); Ninam (Yanomami); Paresi-Haliti (Arawak); Rikbaktsa (Macro-Jê); Shawãdawa (Pano); e Yawanawa (Pano).

Para dez línguas, foram produzidas gramáticas descritivas básicas, além de léxicos (repertório de palavras de uma língua). As três línguas que ficaram sem gramáticas descritivas e léxicos foram a Apiaká, a Rikbaktsa e a Shawãdawa.

O Prodoclin prepara também cinco gramáticas pedagógicas das línguas Ikpeng, Karaja, Kawaiwete, Paresi-Haliti e Wapichana. A língua Wapichana, da família Arawak, falada pelos índios de mesmo nome que habitam Roraima, não constava no projeto e foi incluída posteriormente. A previsão é que as gramáticas pedagógicas fiquem prontas até dezembro.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/partnership_with_museu_do_indio_produces_grammars_and_documents_13_indigenous_languages/#.VTE-xdJVikq