segunda-feira, 20 de julho de 2015

CONCEPTO DE MUSEALIZACIÓN -- · en GESTIÓN, INSTITUCIONES,MUSEO, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, PATRIMONIO. ·

Seguimos esta serie explicativa veraniega sobre conceptos vinculados con el concepto de museo, sobre su diseño, planificación y gestión, ya que conocer los más importantes nos parece de valor. Sabemos que en algunos caso se os hará un poco pesado y árido, pero verdaderamente pensamos que hay que mencionar y desarrollar un poquito todos y cada uno de estos conceptos para aproximarnos a la idea completa de museo. Nos ayudará a entender lo que “se cuece entre las bambalinas y más allá”; adelante pues si estáis de acuerdo…



Según el sentido común, la musealización designa de manera general la trasformación de un lugar viviente en una especie de museo, ya sea centro de actividades humanas o sitio natural. El término patrimonialización describe mejor este principio que descansa esencialmente en la idea de la preservación de un objeto o de un espacio, sin ocuparse del conjunto del proceso museal. El neologismo museificación traduce, en sí mismo, la idea peyorativa de “petrificación” o “momificación” de un lugar viviente y se encuentra reflejado en numerosas críticas vinculadas a la “musealización del mundo”. Desde un punto de vista estrictamente museológico, la musealización es la operación que tiende a extraer, física y conceptualmente, una cosa de su medio natural o cultural de origen para darle un status museal, transformándola en musealium o musealia, “objeto de museo”, al hacerla entrar en el campo de lo museal.


Pero el proceso de musealización no consiste solamente en tomar un objeto para colocarlo en el seno del recinto museal. Como lo resume Zbynêk Stránský, “un objeto de museo no es sólo un objeto dentro de un museo”. A través de su ingreso a otro contexto y merced a los procesos de selección, tesaurización y presentación, se opera en él un cambio de estado: de objeto de culto, objeto utilitario o de delectación, de animal o de vegetal (léase de una cosa insuficientemente determinada para poder ser conceptualizada como objeto), en el interior del museo se transforma en testimonio material o inmaterial del hombre y de su medio ambiente, fuente de estudio y de exposición, adquiriendo así una realidad cultural específica.



La constatación de este cambio de naturaleza llevó a Stránský, en 1970, a proponer el término musealia (ver entrada de la semana pasada relacionada con este término recomendado a quien no lo haya leído) para designar las cosas que, por haber experimentado la operación de musealización, pudieron acceder al status de objetos de museo.


La musealización comienza por una etapa de separación (Malraux, 1951) o de suspensión (Déotte, 1986) de los objetos y cosas (verdaderos), separados de su contexto de origen para ser estudiados como documentos representativos de la realidad que constituían. Un objeto de museo no es más que algo destinado a ser utilizado o intercambiado, sino que es llevado a dar un testimonio auténtico sobre la realidad. Este desprendimiento de la realidad (Desvallées, 1998) constituye una primera forma de sustitución. Una cosa separada de su contexto es sólo un sustituto de esa realidad de la que se suponía debía dar testimonio. Esta transferencia, debida a la separación que se opera con el medio de origen, lleva forzosamente a una pérdida de información que se verifica de manera más explícita en las excavaciones clandestinas, dado que allí el contexto dentro del cual los objetos fueron exhumados ha sido totalmente vaciado. La musealización, como proceso científico, abarca el conjunto de actividades del museo: el trabajo de preservación (selección, adquisición, gestión, conservación), de investigación (del que surge la catalogación) y de comunicación (por medio de la exposición, las publicaciones, etc.) o bien, desde otro punto de vista, las actividades vinculadas a la selección, la tesaurización y la presentación de aquello que se ha transformado en musealia. No obstante, el trabajo de musealización solamente conduce a dar una imagen que no es más que un sustituto de esa realidad a partir de la cual los objetos son seleccionados. Este sustituto complejo o modelo de la realidad, construida en el seno del museo, constituye la musealidad, es decir, un valor específico que se desprende de las cosas musealizadas. La musealización, producto de la musealidad, es el valor que documenta la realidad, pero no constituye en ningún caso la realidad misma.



La musealización va más allá de la lógica de la colección para inscribirse en una tradición que descansa esencialmente sobre una gestión racional vinculada con la invención de las ciencias modernas. El objeto portador de información o el objeto-documento, musealizado, se inscriben en el corazón mismo de la actividad científica del museo tal como se realiza a partir del Renacimiento, actividad que apunta a explorar la realidad a través de la percepción sensible, la experiencia y el estudio de sus fragmentos. Esta perspectiva científica condiciona el estudio objetivo y repetido de la cosa, conceptualizada en objeto, más allá del aura que vela su significación. No contemplar, sino ver: el museo científico no presenta sólo objetos bellos sino que invita a comprender su sentido. El acto de musealización saca al museo de la perspectiva del templo para inscribirlo en un proceso que lo acerca al laboratorio.



MUSEALIZACIÓN

s. f. Equivalente inglés.: musealisation; francés: muséalisation; alemán: Musealisierung; italia: musealisazione; portugués: musealisaçāo.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti Espacio Visual Europa (EVE)


Reykjavík Art Museum is the largest art museum in Iceland, housed in three distinct buildings in central Reykjavik – Hafnarhús, Kjarvalsstaðir, and Ásmundarsafn.

Ásmundur Sveinsson: Artistic Inclination

05/09/2015
10/04/2015
The Ásmundur Sveinsson Sculpture Museum is dedicated to the works of the sculptor Ásmundur Sveinsson (1893-1982). The collection in the Museum contains works that span the whole career of the artist and clearly show how his artistic vision developed throughout his life. Among the oldest are sculptures that he created as a student at the Sate Academy in Sweden; later came the grand masterpieces that sing the praise of the Icelandic common people, folktales and nature, and finally the collections has a number of abstract works, that the artist created in the last decades of his life.

Ásmundur Sveinsson was one of the pioneers of Icelandic sculpture and was first and foremost inspired by nature and literature, as well as by the working people itself. His massive, powerful and sometimes provocative works are akin to the wondrous formations that can be seen in Icelandic nature. But although the visual material Sveinsson used was Icelandic in origin, he nonetheless adopted the main currents in international art as if nothing was closer to his heart.



Curator: Yean Fee Quay,


The Museum regularly exhibits works by three of Iceland’s most renowned artists; Erró, Kjarval, and Ásmundur Sveinsson. In addition, the Museum holds various exhibitions by Icelandic and international artists. The Museum is also a venue for young and promising talents.

The Museum’s exhibitions span everything from the historic to our times, and from the traditional to the very peripheries of art. The Museum’s exhibitions usually run for 3-4 months, with new exhibitions opening in the beginning of the year, in spring, and in autumn. The Museum’s collection is also on display in various official buildings and public spaces all over the city.

Reykjavík Art Museum oversees the City’s art collection, such as open-air artwork, and it boasts of many of the most famous works by Icelandic artist, with the total collection counting roughly seventeen thousand works. The Museum hosts diverse cultural happenings, staging over a hundred events from lectures and seminars to unusual concerts.

Reykjavík Art Museum collaborates with several festivals such as Museum Night, Reykjavik Art Festival, Design March, and Culture Night. Museum Education is a vital part of the Museum, which is visited by over thirteen thousand pupils each year.


fonte: @edisonmariotti @edisonmariotti http://artmuseum.is/
The Museum’s main office is located in Hafnarhús and is open weekdays from 8:20 – 16:15
Tel.: + 354 590 1200
Postal address:
Reykjavík Art Museum
Tryggvagata 17
P.O. Box 110
121 Reykjavik

Dupla de fotógrafas ( Carol Beckwith e Angela Fisher ) capta a essência de tribo no Sudão em série de fotos extraordinária

As fotógrafas Carol Beckwith e Angela Fisher possuem uma vivência de mais de 30 anos do registro de cerimônias, rituais e cotidiano de povos tribais africanos, o que fez com que suas imagens refletissem uma longa e profunda relação de respeito com os costumes e as pessoas dessas tribos, especialmente a Dinkas, no Sudão.

Contemplar essas imagens é como se abríssemos uma janela ao passado, observando traços de uma cultura rica e fascinante de um povo lindo, que preza pelo costume de seus ancestrais como forma de olhar para o futuro, nos deixando admirados e torcendo para que essas tribos nunca desapareçam, pois com certeza temos muito o que aprender com eles, veja alguns dos extraordinários registros das fotógrafas:



































Há ainda um pequeno documentário disponível no canal da National Geographic no Youtube, contando um pouco a história das fotógrafas e mostrando as tribos (em inglês):

link 23min


todas as fotos © Carol Beckwith e Angela Fisher fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://www.hypeness.com.br/2014/02/fotos-extraordinarias-da-tribo-dinkas-no-sudao/

Clicar aqui para ler artigo série 3/7 - A linguagem cinemática: uma nova linguagem? O conteúdo parte para uma abordagem histórica sobre o uso inicial do videoteipe pelas artes plásticas, sua legitimação por grandes museus e seu posterior desdobramento para outras formas de arte englobadas sob o nome de arte-comunicação.

Nos anos 80 do séc. recém-findo, verifica-se um crescimento inimaginável no uso de subsídios eletrônicos na produção de obras de arte que passam a se utilizar da retransmissão, como o fax e o videotexto, e a generalização do uso de computadores, com os primeiros trabalhos em multimídia, web art e com a utilização de fractais. 



A posição do artista é a de adequar essas novas tecnologias a uma perspectiva inovadora, fazendo-as trabalhar a favor de suas ideias estéticas e contra o determinismo tecnológico A revolução da arte na época do virtual não é apenas uma nova maneira de fazer arte, mas uma utilização revolucionária das ferramentas digitais para continuar a se fazer arte. Certamente isso não é apenas um detalhe, essa prática da arte com novos instrumentos produzirá, quer o artista queira, quer não, uma revolução nas modalidades de execução, recepção e apreciação da arte. (SOULAGES, 2005, p. 19).

Essa apropriação pelo artista do computador, designada inicialmente de computer art, redesenha uma nova classe de artistas, aqueles que acumulam ao talento artístico um domínio tecnológico. Em um sentido mais amplo, embora seja mais genericamente utilizada para referir-se a trabalhos realizados no âmbito das artes visuais, a computer art pode também abranger a computer music e a literatura assistida por computador.

Um artista plástico brasileiro ocupa um lugar de destaque entre os realizadores da computer art: Waldemar Cordeiro, que passa a incorporar imagens digitais ao seu trabalho. Conhecido nacional e internacionalmente por sua produção no campo da arte concreta, Cordeiro dá uma dimensão crítica e social à computer art.

Os computadores passam a ser cada vez mais requisitados na produção artística. A expansão da memória do computador permite o armazenamento e a recuperação aleatória de dados de forma não linear. Ao permitir a recuperação interativa dos dados audiovisuais armazenados, cria a possibilidade para que o sujeito receptor efetue parte de seus potenciais. 

Eles consentem que o processo de leitura seja definido pelo usuário ao longo de um universo de dados em que todos os elementos encontram-se presentes em sua memória de forma simultânea, favorecendo uma arte de combinatórias. 

Em 1982, Nelson Max criou uma paisagem tridimensional gerada em computador (Carla’s Island), que podia ser manipulada pela audiência durante a sua exibição. O computador, inicialmente desenvolvido apenas como ferramenta para a produção e o tratamento de imagens (com o desenvolvimento dos sistemas de paint systems e de programas de modelagem e animação 3-D), num segundo momento, passa a ser o próprio suporte de exibição do trabalho. O artista agora se utiliza dos recursos interativos proporcionados pela tecnologia digital, ocasionando a incorporação criativa da resposta do espectador à obra de arte.

O setor mais recente dentro do campo das artes eletrônicas é o da web art, uma fusão da arte-comunicação com a arte digital. Inicialmente, a arte-comunicação utilizou recursos não digitais, como o fax e o telefone, e, posteriormente, semidigitais como o e-mail, o slow-scan TV, ou o videotexto para estabelecer comunicação. 

Agora, as artes digitais suportam o conceito de arte-comunicação, qualificação endossada por Julio Plaza Gonzalez em seu texto Arte e interatividade: autor-obra-recepção, que também a denomina de “arte de participação” ou “arte permutacional”, relacionando-a diretamente às questões da recepção e da participação ativa do espectador na obra de arte, o que exige, segundo ele, uma “expansão das noções de arte, de criação e também de estética”. (PLAZA GONZALEZ, 2003, p. 9).

Consequentemente, na convergência entre comunicação, arte e tecnologia, encontram-se novas formas de recepção, novas formas de percepção e novas formas de abordagem estética.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
produção bibliográfica de Giselle Gubernikoff

Giselle Gubernikoff
Possui o 1o. Ano de Jornalismo pela Fundação Armando Álvares Penteado (1971), graduação em Artes/Cinema pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (1976), mestre em Artes/ Cinema pela Universidade de São Paulo (1985), doutora em Artes/ Cinema pela Universidade de São Paulo (1992), livre-docência em Ciências da Comunicação/ Publicidade pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo(2000). Professora Titular pela ECA USP em Artes Visuais/Multimídia e Intermídia na especialização Fotografia, Cinema e Vídeo (2002). Atualmente é professora titular do Departamento de Artes Visuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Audiovisual/ Cinema, com ênfase em Produção, Roteiro e Direção Cinematográficos, atuando principalmente nos seguintes temas: mídias digitais e novas tecnologias de comunicação, linguagem cinematográfica, produção audiovisual, cinema publicitário, representação feminina, cinema brasileiro, cinema e consciência cultural e museologia e mídias digitais.
(Texto informado pelo autor)


Continuação: dia 21/07/2015 as 12h00min série 4/7 

O novo Borboletário do Catavento Cultural e Educacional, Museu de ciência e tecnologia da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, Brasil, inaugurado neste sábado, 18, deixa o jardim interno mais encantador.

Quem passar pelo local vai conhecer as diferentes fases de desenvolvimento das borboletas.

Uma grande geodésia foi construída para abrigar diferentes espécies de borboletas como a borboleta olho de coruja e a borboleta júlia. Nessa imponente estrutura de ferro, formada por triângulos, foi criado um ambiente ideal com mais de 20 variedades de plantas especificas para cada espécie. Isso permite que elas se sintam mais próximas da natureza.



Estrutura de ferro terá ambiente ideal com mais de 20 variedades de plantas especificas para cada espécie.




Quem passar pelo Borboletário vai conhecer as diferentes fases de desenvolvimento das borboletas.




Borboletário será no Catavento Cultural e Educacional, museu de ciência e tecnologia.




Estrutura de ferro terá ambiente ideal com mais de 20 variedades de plantas especificas para cada espécie.




Quem passar pelo Borboletário vai conhecer as diferentes fases de desenvolvimento das borboletas.

Na fase de pupa, o nicho é extremamente específico, pois, ao passar pelo processo de metamorfose, um determinado inseto passa por uma reestruturação do corpo. Quando adulto, o corpo alado interage com outros indivíduos da mesma espécie, acasalando, pondo ovos e consequentemente, por meio da alimentação do néctar, realizando a polinização.

fonte: @edisonmariotti #edisomariotti http://www.saopaulo.sp.gov.br


SERVIÇO
Borboletário - Catavento Cultural e Educacional
De terça a domingo, das 9h às 17h (bilheteria fecha às 16h)
Palácio das Indústrias - Praça Cívica Ulisses Guimarães, s/no (Av. Mercúrio), Parque Dom Pedro II, Centro – São Paulo/SP

Valor:
R$ 6 e meia-entrada para estudantes, idosos e portadores de deficiência. Gratuita aos sábados
Informações: (11) 3315-0051 –Atendimento das 11h às 17h

Casarão do Centro Histórico em Salvador, Bahia, Brasil, abrigará museu dedicado à música brasileira

Informação foi confirmada pelo secretário de cultura e turismo de Salvador.
Imóvel vizinho também será desapropriado para receber Arquivo Público.

Casarão na Cidade Baixa será transformado em museu da música. (Foto: Reprodução/Google Street View)

Um casarão antigo com risco de desabamento na Praça Cairu, no Centro Histórico de Salvador, será transformado em um museu dedicado à música brasileira. A informação foi confirmada nesta sexta-feira (17) pelo secretário municipal de Cultura e Turismo, Érico Mendonça. Além do casarão, que é revestido de azulejos portuguezes, outros três imóveis vizinhos também serão transformados em espaços culturais - dois vão funcionar como anexos do novo museu e outro vai abrigar o Arquivo Público Municipal de Salvador.

Os imóveis, que ficam próximos ao Mercado Modelo, são alvos de uma disputa judicial entre dois proprietários. Eles serão desapropriados pela prefeitura e passarão por várias intervenções. A arquitetura original será preservada. De acordo com Mendonça, o investimento previsto é de R$ 40 milhões e a expectativa é de que as obras sejam concluídas em um período de 20 meses.

"Estamos ainda na fase de desapropriação dos imóveis. Não temos projeto pronto. Aguardamos a formação de uma PPP [Parceria Público-Privada] para elaboração de todo o projeto e visando a gestão do espaços depois, por um período ainda não definido", disse o secretário, em contato com o G1.

Segundo Mendonça, serão desenvolvidos projetos arquitetônico e museológico e estudo de viabilidade econômica. A previsão é de que a fase preliminar de estudos seja concluida até o final de setembro desse ano.

"A nossa proposta é fazer um museu da música brasileira, relacionando a música baiana com a nacional. Temos um histórico musical bastante importante, desde o nascimento do samba, passando pelo tropicalismo, pela bossa bova e depois pelo axé. E Salvador e a Bahia participaram desses movimentos", destacou.

Conforme o secretário, os imóveis serão desapropriados pela prefeitura, entre outros motivos, pelo risco de desabamento. "Além das condições precárias das estruturas, também tem a questão do interesse público e da manutenção do patrimônio público de Salvador". A ação ficará sob responsabilidade da Sefaz [Secretaria da Fazenda de Salvador].

Sobre a relocação do Arquivo Público de Salvador, o secretário afirmou que os documentos serão colocados em um espaço maior, o que dará mais comodidade aos pesquisadores. O Arquivo reúne todo o acervo bibliográfico do poder municipal. "Hoje, o Arquivo está em um prédio em más condições da Rua Chile. No novo prédio, teremos um espaço mais adequado e mais amplo para guardar os documentos e para os pesquisadores utilizarem".

fonte: @edisonmarioitti #edisonmariotti http://g1.globo.com/bahia

The Intrepid Sea, Air & Space Museum is dedicated to the exhibition and interpretation of history, science and service as related to its home aboard the aircraft carrier Intrepid, a National Historic Landmark. As you explore the Museum you will be able to examine original artifacts, view historic video footage and explore interactive exhibits.

Dear Visitor,

Welcome to the Intrepid Sea, Air & Space Museum's website, offering a window into the world of Intrepid and all she stands for historically and as an exciting, interactive museum.






The Intrepid Sea, Air & Space Museum offers visitors an exciting and educational adventure from the first glance at her imposing hull, through exhibit after exhibit documenting the lives of the sailors who served valiantly aboard her decks. Intrepid features a unique and varied aircraft collection with all five branches of the United States' armed services represented, as well as several distinctive aircraft from around the world. Many of these have been restored to bear the paint schemes and squadron markings they bore during active service. Exciting, interactive exhibits allow for a complete and fluid journey into the history of Intrepid and its significance through major world events. The mechanics of this “city at sea” are explored through rare historic artifacts, graphics, and interactive stations, as are the human stories, stories of the crewmembers and their acts of heroism, service, and sacrifice or as we call it: the humanity behind the hardware. 

Intrepid is berthed at Pier 86, a picturesque, park-like oasis on the west side of Manhattan. On the pier guests can marvel at the British Airways Concorde, tour the Growler submarine, or take a ride in one of our Flight Simulators.

As you search through our website, allow yourself to be taken on the journey of Intrepid. Learn about the original artifacts on display that tell their own stories, the wide range of fun and educational programming for families and groups of all ages, our school and camp programming, overnights and more. Become a member of MY INTREPID and receive exclusive information, offers and interactivity. Learn about our special events, hosting a party on board, or learn about some of the Intrepid collections’ other artifacts, such as the famous Blackbird aircraft. 

By visiting our website, you will see into a world of history, fascination and fun. 

We look forward to seeing you soon, on board the mighty Intrepid.

--
The Intrepid Sea, Air & Space Museum is a non-profit, educational institution featuring the legendary aircraft carrier Intrepid, the space shuttle Enterprise, the world’s fastest jets and a guided missile submarine. Through exhibitions, educational programming and the foremost collection of technologically groundbreaking aircraft and vessels, visitors of all ages and abilities are taken on an interactive journey through history to learn about American innovation and bravery. 

The Intrepid Museum was founded in 1982 with the acquisition of the aircraft carrier USS Intrepid, now a National Historic Landmark, which served tours of duty in World War II and the Vietnam War, and was a recovery vessel for the Gemini and Mercury space missions. 

Welcoming over one million visitors a year, the Museum includes the Space Shuttle Pavilion, home to Enterprise, the world’s first space shuttle that paved the way for America’s successful Space Shuttle Program. Also on display are 28 authentically restored aircraft, including the Lockheed A-12 Blackbird, the world’s fastest military jet and spy plane, and the British Airways Concorde, the fastest commercial aircraft to ever cross the Atlantic Ocean. Rounding out the Museum are the submarine Growler, the only American diesel-powered strategic missile submarine open to the public, an 18,000 sq. ft. education center, Pier 86, a publicly accessible pier that is part of the Hudson River Park Trust, and the Exploreum, an interactive hall focused on themes of water, space, air and life at sea. 

The mission of the Intrepid Sea, Air & Space Museum is to promote the awareness and understanding of history, science and service through its collections, exhibitions and programming in order to honor our heroes, educate the public and inspire our youth. 

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.intrepidmuseum.org/


--br

O Intrepid Sea, Air & Space Museum é dedicado à exposição e interpretação da história, ciência e serviço como relacionados à sua casa a bordo do porta-aviões Intrepid, um marco histórico nacional. Como você explorar o Museu você vai ser capaz de examinar artefatos originais, visualizar histórico imagens de vídeo e explorar exposições interativas.
-
Caro visitante,

Bem-vindo ao Intrepid Sea, o site da Air & Space Museum, que oferece uma janela para o mundo da Intrepid e tudo que representa historicamente e como um excitante, museu interativo.

O Intrepid Sea, Air & Space Museum oferece aos visitantes uma aventura emocionante e educativo desde o primeiro olhar em seu casco, que institui, através exposição após exposição documentando as vidas dos marinheiros que serviram corajosamente a bordo de seus decks. Intrepid dispõe de uma colecção de aeronaves único e variado, com todos os cinco ramos das forças armadas dos Estados Unidos representados, bem como vários aviões distintivo de todo o mundo. Muitos deles foram restaurados para suportar os esquemas de pintura e marcações esquadrão eles suportaram durante o serviço ativo. Emocionantes, exposições interativas permitem uma viagem completa e fluido na história da Intrepid e sua importância através de grandes eventos mundiais. A mecânica desta "cidade no mar" são explorados através de artefatos, gráficos e estações interativas históricos e raros, assim como as histórias humanas, histórias dos membros da tripulação e seus atos de heroísmo, serviço e sacrifício ou como chamamos isso: a humanidade trás o hardware.

Intrepid está atracado no Pier 86, um pitoresco, parque-como oásis no lado oeste de Manhattan. Sobre os convidados cais pode se maravilhar com a British Airways Concorde, visitar o submarino Growler, ou fazer um passeio em um dos nossos simuladores de vôo.

Como você busca através do nosso site, permita-se ser levado na viagem da Intrepid. Saiba mais sobre os artefatos originais em exposição que contam as suas próprias histórias, a vasta gama de diversão e programação educacional para famílias e grupos de todas as idades, a nossa escola e campo de programação, dormidas e muito mais. Torne-se um membro da minha INTREPID e receber informações exclusivas, ofertas e interatividade. Saiba sobre os nossos eventos especiais, uma festa a bordo, ou aprender sobre algumas das "coleções Intrepid outros artefatos, tais como a aeronave Blackbird famoso.

Ao visitar nosso site, você vai ver em um mundo de história, fascínio e diversão.

Estamos ansiosos para vê-lo em breve, a bordo do poderoso Intrepid.
-
Home> Sobre Nós> Sobre o Museu
Sobre o Museu
mídia social
Seperator
O Intrepid Sea, Air & Space Museum é uma organização sem fins lucrativos, a instituição educacional que caracteriza o porta-aviões Intrepid lendário, o ônibus espacial Enterprise jatos mais rápidos do mundo e um submarino do míssil teleguiado. Através de exposições, programação educativa e da mais importante coleção de tecnologicamente inovador aeronaves e navios, visitantes de todas as idades e habilidades são tomadas em uma viagem interativa através da história para aprender sobre inovação e bravura americana.

O Museu Intrepid foi fundada em 1982 com a aquisição do porta-aviões USS Intrepid, agora um marco histórico nacional, que serviu excursões de dever na Segunda Guerra Mundial ea Guerra do Vietnã, e era uma embarcação de recuperação para as missões espaciais Gemini e Mercury.

Congratulando-se com mais de um milhão de visitantes por ano, o Museu inclui o Pavilhão do vaivém espacial, casa para o Enterprise, primeiro ônibus espacial do mundo que abriu o caminho para programa do vaivém espacial bem sucedido de América. Também em exibição estão 28 aeronaves autenticamente restaurado, incluindo a Lockheed A-12 Blackbird, jet e espião avião militar mais rápido do mundo, ea British Airways Concorde, o avião comercial mais rápida de sempre cruzar o Oceano Atlântico. Completando o Museu são o submarino Growler, o único submarino de propulsão diesel-americano estratégico de mísseis aberto ao público, um centro de educação 18.000 sq. Ft., Pier 86, um cais de acesso público que faz parte do rio Hudson Parque Trust, e a Exploreum, um hall interativa focada em temas de água, espaço, ar e da vida no mar.

A missão do Museu Intrepid Sea, Air & Space é promover a conscientização e compreensão da história, ciência e serviço através de suas coleções, exposições e programação, a fim de honrar os nossos heróis, educar o público e inspirar nossos jovens.