quinta-feira, 23 de julho de 2015

¿QUÉ ES MUSEOGRAFÍA? -- · en INSTITUCIONES, MUSEO,MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·

El término museografía, que hizo su aparición a partir del siglo XVIII (Neickel, 1727), es más antiguo aún que el término museología y reconoce tres acepciones específicas:




1. Actualmente, la museografía se define como la figura práctica o aplicada de la museología, es decir el conjunto de técnicas desarrolladas para llevar a cabo las funciones museales y particularmente las que conciernen al acondicionamiento del museo, la conservación, la restauración, la seguridad y la exposición. La palabra misma ha sido utilizada desde hace mucho tiempo en concurrencia con el término museología para designar las actividades intelectuales o prácticas atinentes al museo. Se usa por lo regular en el mundo franco-parlante pero raramente en los países angloamericanos que prefieren la expresión práctica de museo (museum practice). Por su parte, numerosos museólogos del Este han utilizado el concepto de museología aplicada, es decir, la aplicación práctica de los resultados obtenidos por la museología como ciencia en formación.


2. El uso de la palabra museografía procura designar el arte o las técnicas de la exposición. Desde hace algunos años se ha propuesto el término expografía para referirse a las técnicas vinculadas con las exposiciones, ya sea que se sitúen en un museo o en un espacio fuera del museo. De manera más general, lo que se ha dado en llamar el “programa museográfico”, engloba la definición de los contenidos de la exposición y sus imperativos, así como el conjunto de vínculos funcionales existentes entre los espacios de exposición y los restantes espacios del museo. Este uso impide comprender que la museografía no sólo se define por el aspecto visible del museo. 

El museógrafo, como profesional de museos, debe tener también en cuenta las exigencias del programa científico y de gestión de colecciones y apuntar a una presentación adecuada de los objetos seleccionados por el conservador; conocer los métodos de conservación e inventario de los objetos; situar en escena los contenidos al proponer un discurso que incluya mediaciones complementarias susceptibles de ayudar a la comprensión y preocuparse por las exigencias de los públicos cuando moviliza técnicas de comunicación adaptadas a la correcta recepción de los mensajes. 

Su objetivo es coordinar, a menudo como jefe o encargado de proyectos, el conjunto de competencias científicas y técnicas que obran en el seno del museo, organizarlas, a veces confrontarlas y arbitrarlas. Para cumplir estas tareas, se crean oficios más específicos: la gestión de las obras o de los objetos pertenecen al régisseur(registraire en Canadá); el responsable de la seguridad se ocupa de la gestión de vigilancia y de las tareas que conciernen a su sector; el responsable de la conservación es un especialista en conservación preventiva y conocedor de los métodos de conservación curativa o restauración. Dentro de este marco interrelacionado, el museógrafo se interesa particularmente por las tareas inherentes a la exposición. 

En todo caso, la museografía parte del marco de la escenografía – entendida como el conjunto de técnicas de acondicionamiento del espacio – del mismo modo que la escenografía parte del marco de la arquitectura de interiores. Hay mucho de escenografía y de arquitectura en la museografía, hecho que acerca el museo a otros métodos de visualización y a otros elementos vinculados a su relación con el público. 

La aprehensión intelectual y la preservación del patrimonio entran igualmente en juego, convirtiendo al museógrafo (o al expógrafo) en intermediarios entre el conservador, el arquitecto y los públicos. Su lugar, no obstante, es variable, según el establecimiento disponga o no de un conservador para producir el proyecto. El desenvolvimiento de ciertos actores en el ámbito del propio museo (arquitectos, artistas, comisarios, etcétera) conduce sin embargo a la necesidad de lograr un permanente equilibrio en sus roles de intermediarios.



3. Antiguamente, por su etimología, la museografía designaba la descripción del contenido de un museo. Del mismo modo que la bibliografía constituye una de las etapas fundamentales de la investigación científica, la museografía se concibe para facilitar la investigación de las fuentes documentales de los objetos a efectos de desarrollar su estudio sistemático. Esta acepción que ha perdurado a lo largo del siglo XIX, persiste aún en ciertas lenguas, sobre todo en la rusa.


MUSEOGRAFÍA

S. f. (del latín museographia). Equivalente inglés: museography, museum practice; francés: muséographie; alemán: Museographie; italiano: museografia; portugués: museografia.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  Espacio Visual Europa (EVE)

Andijan Regional Museum is one of such museums. All exhibits of the museum’s fund were discovered in Fergana region or belong to the history of this area.

From the ancient times, the Fergana Valley has always been a prosperous land. In different historical periods, Fergana saw strong states which left behind an impressive legacy. These are monuments of architecture, arts and crafts, various findings of the ancient period, sculptures and works of art. Today, these monuments are closelyexamined by scientists and stored in various museums of Uzbekistan.



Andijan Regional Museum is one of such museums. All exhibits of the museum’s fund were discovered in Fergana region or belong to the history of this area.

The museum’s entire collection is divided into many areas: ethnography, fine art, applied arts, archeology and many other. The museum houses a vast collection of exhibits describing the life of the population of Fergana region in the ancient, antique, medieval periods of the regional history.

The museum collection comprises of over 66,000 exhibits. It includes not only archaeological findings, but also the works of contemporary masters of Fergana region: artists and artisans, who, following the traditions of their predecessors, are reviving the ancient craft of the great masters of the Fergana region.

The museum exposition is constantly updated. The museum regularly holds various exhibitions, both in Fergana and all over Uzbekistan. Also, each year Andijan Regional Museum, along with other museums of Uzbekistan, displays its best contemporary works in the Gallery of Fine Arts of Uzbekistan. Thus, anyone can see the exposition.

--
Presently, there are 110 different museums in Uzbekistan, 98 of them, including branches of the state museums are under the supervision of the Ministry of Culture and Sports of the Republic of Uzbekistan. The largest number of museums is located in Tashkent, the capital of Uzbekistan. Other interesting Uzbekistan museums are located in major tourist cities, such as Samarkand, Bukhara and Khiva. State Museum of Art named after I.V. Savitsky, located in Nukus, the capital and administrative center of the Republic of Karakalpakstan, is one of the most famous museums in Central Asia.

The art galleries and craft centers that promulgate the Uzbek modern and classic art as well as folk crafts are gaining ever increasing popularity in Uzbekistan. Tashkent with about a dozen major art galleries, hosts regular exhibitions of fine art to display folk pieces of virtu, antiques and other items that compose the cultural heritage of Uzbekistan. Art studios and galleries, opened in other major cities of Uzbekistan such as Samarkand, Bukhara, Khiva, are enjoying great success both among Uzbekistan tourists and residents. 

The craft centers or centers of Uzbek arts and crafts showcase hereditary artisans’ workshops, whose hand-made pottery as well as silk carpets and suzanne, jewelry and accessories, forged products and costumes make up the original national wealth of the Uzbek people. There you can not only buy the thing you like, but also attend a master class where you will be shown a process of creating unique gift items in ethnic style found only for the Central Asian region.

fonte: @edisonmarioti #edisonmariotti www.orexca.com


--br
Vale de Fergana

O vale de Fergana (em uzbeque: Farg‘ona vodiysi; em quirguiz: Фергана өрөөнү, pronúncia AFI: [ferʀɑnɑ œrœːny]; em tajique: водии Фaрғонa, em russo: Ферганская долина, em persa: وادی فرغانه) é uma região fértil da Ásia Central abrangendo o Quirguistão, o Tajiquistão e o leste do Uzbequistão. O vale estende-se por cerca de 22000 km² e é habitado por cerca de 10 milhões de pessoas, um quinto da população total da Ásia Central.

O Vale do Ferghana é considerado o coração do Uzbequistão, um terço da população daquele país vive naquele vale, que contém uma planície que é continuamente fertilizada pela inundação do Rio Sir Dária que nasce na Cordilheira Pamir e forma um vale de cerca de 300 km de comprimento e 170 km de largura, rodeado pelas Montanhas Chatkal (parte da Cordilheira Tian Shan) ao norte, Montanhas Fergana (também parte da Cordilheira Tian Shan) ao leste, e as Montanhas Pamir-Alai (parte da Cordilheira Pamir) ao sul.

É a região mais densamente povoada da Ásia Central .

História

Historicamente, o melhor acesso para os comerciantes e conquistadores ocorreu através do Portão Khodjent no oeste do Vale, onde o rio deixa o vale antes da Estepe da Fome. Tribos invasoras ingressaram na região na Idade do Bronze e se misturaram com os povos agrícolas locais. Pinturas em cavernas no alto das montanhas revelam cenas antigas da caça e da agricultura. A cidade de Khodjent é da época das conquistas de Alexandre, o Grande, em 329 AC, quando foi fundada a nona cidade denominada como Alexandria (Alexandria Eskhate)

No Séculos II AC, o chinês Zhang Qian, considerado o fundador da Rota da Seda, alcançou o vale, depois de uma década de lutas contra povos nômades que promoviam saques nas regiões fronteiriças da China. Zhang buscou estabelecer relações comerciais com os povos que habitavam o Vale e relatou a existência de cultivo de arroz e de trigo, fabricação de vinho de uvas, bons cavalos, cidades fortificadas, várias centenas de milhares de habitantes, capacidade de lutar com arcos e lanças, que podiam ser disparadas a partir de cavalos.

Os cavalos do Vale de Fergana, devido ao seu grande tamanho e velocidade, foram cobiçados pelo Imperador Wudi, da Dinastia Han. Tais cavalos foram importantes para as campanhas militares chinesas que viabilizaram rotas comerciais entre o leste e o oeste, trazendo a seda para a Europa e o vinho para a China. Os sogdianos foram importantes comerciantes naquele setor da Rota da Seda. Os budistas construíram um importante templo em Kuva.

Ocorreu uma invasão árabe, seguida de uma turca e de uma chinesa, depois o vale se tornou a fronteira do Império Samânida. A capital da região foi Kasansay, e depois, sucessivamente: Aksiketh, Uzgen e Andijan, onde vivia um descendente de Tamerlão Babur, o último timúrida e o primeiro mogul, que nasceu em 1483.

A partir do início do Século XIX, o Canato de Kokand se expandiu para além de Vale de Fergana, e se tornou a terceira potência da Ásia Central. O crescimento econômico permitiu o financiamento da educação islâmica e de obras públicas.

Depois a região passou a ser parte do Império Russo e depois da União Soviética. Contra a dominação russa, surgiu o Movimento Basmachi (bandido), que eram mujahidins que lutavam contra os infiéis russos.

Em 1924, a região foi dividida entre três repúblicas soviéticas: o Uzbequistão, o Quirguistão e o Tajiquistão. Na época soviética ocorreu um intenso desenvolvimento agrícola e industrial. Em 1939, foi construído um canal de 270 km em apenas 45 dias, por 180 mil voluntários, e a região se converteu em centro de produção de algodão para a União Soviética.

A independência do Uzbequistão, do Quirguistão e do Tajiquistão, fomentou disputas mesquinhas, que ocasionalmente geraram agressões inter-étnicas.

Ao longo da era soviética as práticas islâmicas sobreviveram fortemente na região e após essa época teve início um financiamento estrangeiro para movimentos islâmicos fundamentalistas1 .

Clicar aqui para ler artigo série 6/7 - A linguagem cinemática: uma nova linguagem? O conteúdo parte para uma abordagem histórica sobre o uso inicial do videoteipe pelas artes plásticas, sua legitimação por grandes museus e seu posterior desdobramento para outras formas de arte englobadas sob o nome de arte-comunicação.

Para a Estética da Recepção a construção social do indivíduo se dá dentro de um discurso de linguagem que carrega consigo suas marcas históricas, sociológicas e/ou antropológicas.
--
A arte-natureza cedeu lugar à arte-linguagem e é essa exploração que permite criar outro universo de comunicação que dá origem a outro receptor. Ultrapassou-se a concepção de que a mensagem de arte era produzida pelo emissor para ser consumida pelo receptor, de que comu nicação era algo que ocorria no início de um processo – o emissor – para se consumar no fim – o receptor –, a comunicação artística passou a ser considerada como algo que ocorria no interior do próprio veículo que se comunicava, na própria linguagem. Essa arte-linguagem presume tentar uma transformação total do receptor porque transforma o próprio
universo que o cerca. Exige um receptor ativo e operador de linguagens, capaz de ler um signo múltiplo – verbi-voco-visualtátil – a um só tempo. (FERRARA, 1981, p. 43).
--

--
A linguagem artístico-visual como expressão de um conhecimento de mundo, como um contexto da cultura que cifra visualmente experiências essenciais, ou seja, princípios que regem apropriações significativas do ser na sua vivência do mundo e que formam a matéria-prima dessa produção simbólica. (ARANHA et al., 2011, p. 41).
--


Para os autores, “a expressão artística está atrelada a uma transposição de contextos culturais por meio de um sistema de codificações próprio”. (ARANHA et al., 2011, p. 43). Por meio de um diálogo com a criação, o receptor habita novas experiências, a sua percepção sensibiliza-se com novos sentidos visuais codificados em elementos formais, criando condições para que se estabeleçam novas correlações a partir dos códigos da linguagem artística. (ARANHA et al., 2011, p. 43).


Cinema, audiovisual ou multimídia?

Nessa convergência das diferentes áreas, a teoria da Estética da Recepção acaba sendo incorporada pelas teorias que se ocupam das artes audiovisuais. Regina Gomes, da Universidade Nova de Lisboa, em seu texto Teorias da recepção, história e interpretação de filmes: um breve panorama (s/d) aponta que, dentro da Teoria do Cinema, Robert Stam em seu livro Film theory: an introduction (2000), caracteriza os anos de 80 e de 90 (séc. XX) como o período de crescimento do interesse pelo receptor e pela experiência fílmica. Segundo Stam, tal interesse se deu influenciado por teorias originadas na literatura e associadas ao Reader Response Theory, de Stanley Fish e Norman Holland e, especialmente, à Teoria da Estética da Recepção, de Hans Robert Jauss e Wolfgang Iser. O papel ativo do leitor no processo comunicacional dado pela Estética da Recepção foi transferido ao espectador de cinema, que preenche as “lacunas” do texto fílmico.

--
A natureza histórica e socialmente condicionada da espectatorialidade irá ser reconhecida nos estudos de recepção como algo imprescindível para entender o processo cinematográfico. O espectador, historicamente situado, molda e é moldado pela experiência cinematográfica, num processo dialógico sem fim. O
conhecimento e a interpretação do processo cinematográfico devem, sem dúvida, levar em conta este diálogo que reconhece a participação concreta e ativa do espectador de filmes. (GOMES, s/ d, p. 142).
--

É fato que o cinema, no transcorrer de sua história, perdeu sua identidade única para servir de suporte para várias outras práticas ou como componente de algum outro campo. Para Casseti, o cinema sempre foi a “encruzilhada de um grande número de diferentes campos”, que inclui a história da mídia, das artes cênicas, da percepção visual e das modernas formas de subjetividade. (2007, p. 33). 

No fim de 1990, o estudioso David Bordwell assumiu o referencial conceitual da filosofia analítica e da psicologia cognitiva como referências conceituais para os estudos sobre cinema, contestando assertivas do pensamento pós-estruturalista francês1 aplicados à Teoria do Cinema, o que ele denomina de “A Grande Teoria”. 

Assim como na Estética da Recepção, para Bordwell e Carroll (1996), a significação é uma construção do espectador a partir da especificidade do filme, defendendo a necessidade de contextualização do espectador na história, já que a Estética da Recepção é fundamentada na tradição. Bordwell apoia o uso de teorias fragmentadas ligadas a estudos de casos e baseada em pesquisa empírica, que passam a ser conhecidas como Estudos Culturalistas sobre Cinema.


Continuação: dia 24/07/2015 as 12h00min série 7/7

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
produção bibliográfica de Giselle Gubernikoff

Giselle Gubernikoff
Possui o 1o. Ano de Jornalismo pela Fundação Armando Álvares Penteado (1971), graduação em Artes/Cinema pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (1976), mestre em Artes/ Cinema pela Universidade de São Paulo (1985), doutora em Artes/ Cinema pela Universidade de São Paulo (1992), livre-docência em Ciências da Comunicação/ Publicidade pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo(2000). Professora Titular pela ECA USP em Artes Visuais/Multimídia e Intermídia na especialização Fotografia, Cinema e Vídeo (2002). Atualmente é professora titular do Departamento de Artes Visuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Audiovisual/ Cinema, com ênfase em Produção, Roteiro e Direção Cinematográficos, atuando principalmente nos seguintes temas: mídias digitais e novas tecnologias de comunicação, linguagem cinematográfica, produção audiovisual, cinema publicitário, representação feminina, cinema brasileiro, cinema e consciência cultural e museologia e mídias digitais.
(Texto informado pelo autor)

Imizu City Shinminato Museum

This museum displays materials and documents of the “ Koju-Bunko” (library) left by Ishiguro Nobuyoshi, a mathematician and a registered surveyor who was born in that is now Takagi, Shinminato City in the latter part of the Edo period and his descendants from four generations, works of Ishiguro Munehiro, a ceramic artist from kuguminato, Shinminato City and the first living national treasure, and historical and folk materials and documents of Shinminato City and the surrounding area. There is a surveying garden to the west of the museum and you can experience hands-on surveying in Ishiguro Nobuyoshi. This museum aims to be a museum where people can learn about difficult and deep things easily and pleasantly.

Imizu City Shinminato Museum



◆More than 12,000 articles historical materials including more than 3,700 national important cultural properties such as books concerned with Japanese mathematics, surveying, astronomy calendar and the art of navigation, drawings, surveying instruments and archives which passes on the family learning of four generations of the Ishiguro family

◆Elegant and unique ceramics, calligraphies, sketches and letters by Ishiguro Munehiro

◆Characteristic historical and folk materials and documents of Shinminato City nurtured by the sea and a lagoon, and the surrounding area

fonte: @edisonmarioti #edisonmariotti http://www.city.imizu.toyama.jp/museum/index.html



--
Toyama Museum Association was organized in 1966 with the purpose of facilitating communication and cooperation between museums in Toyama Prefecture and striving for the spread and development of museum programs. To accomplish this purpose, the association conducts various activities including holding seminars, publishing bulletins and museum guidebooks, and managing this website. Membership has grown from eight at its launch to 73 as of 2012, comprising not only major museums and art museums but also public and private facilities of varying scales and types. The association’s website opened in December 1996 and has since supported the dissemination of information by member museums. This new website replaced it in March 2013 with a subsidy under the Agency of Cultural Affairs’ project for tourism promotion and local revitalization through the use of cultural heritage. To meet the diverse needs of information-oriented society, it is designed with a cloud computing function to enable remote entry of information, bilingual screen display to reach an international audience, and compatibility with personal computers, smartphones, and tablet computers. (The English-language contents of the website are based on data available as of March 2013.) By allowing member museums to update entries on their own, the website supports an even quicker dissemination of information. For details on member museums, please direct inquiries to the relevant facility. The Secretariat of Toyama Museum AssociationAddress2F The Museum of Modern Art, Toyama 1-16-12 Nishi-nakano-machi, Toyama City, Toyama Pref., Japan Zip cord 939-8636

Bulgaria - Aviation Museums and Collections

As mentioned before, part of the reason for going to the Batak dam in southern Bulgaria - see earlier post - was to visit the Bulgarian Aviation Museum situated next to Plovdiv airport, near Bulgaria's second city. The large collection of airplanes dating back to World War 2 types, takes you through the decades right up to recently used Mikoyan-Gurevich MiG-23's. All of the airplanes are parked outside; an air conditioned building houses exhibits going back to the founding days of the Bulgarian Air Force a century ago.

All very inviting if aviation and former Eastern Bloc planes attract you. To me the visit, the sunny weather and the three hours spent walking around, was most enjoyable!

Below are a few pictures, but to see the full size picture click on the links provided below so as to enjoy the airplanes in proper format. Thank you for looking.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://anewad.blogspot.com.br/

Bulgarian Aviation Museum

Arado Ar 196

The Arado was used in World War 2 by the German Navy and some were provided to the Bulgarian Air Force for reconnaissance purposes over the Black Sea.

MiG-23

The Mikoyan-Gurevich MiG-23 is a Russian built all purpose airplane provided to most of the former Eastern Bloc / Warsaw Pact / Communist countries of  Europe.


The collection of aircraft next to Burgas airport on the Black Sea coast, also warrants mention. A mixture of military and civilian aircraft.

Burgas Airport Collection

Mig-21

Antonov An-12



Below is the link to my entire Airplane-Pictures portfolio:-






-
 (All images by Nicola Miller, reproduced with permission)
Abandoned planes and aircraft graveyards are popular subjects of urbex photography, decaying mechanical wonders that reflect an important component of 20th century history. Officially amuseum, this Cold War collection of fighter planes and helicopters at Burgas Airport is a hangover from Bulgaria’s membership of the Warsaw Pact, which saw the country operate mainly Soviet aircraft including various models of MiG.  It’s many years since these examples have seen active service and they now make for some great urban exploring.

The Regional Museum of local lore of Mykolaiv is one of the oldest museums in Ukraine. -- O Museu da sabedoria local de Mykolaiv Regional é um dos mais antigos museus na Ucrânia.

The official date of its opening is 15 (28) of December in 1913.


The Regional Museum of local lore of Mykolaiv


The true museum’s history begins in 1803 when in Mykolaiv at Depot cards there was created the Cabinet rarity. At the root of the office-museum was Admiral de Traverse. For more than 40-year history of its existence, the museum assembled a valuable collection. According to eyewitnesses, who visited museum in the early 19th century, in museum, accept the ancient archaeological sites, were minerals, shells, stuffed animals, ethnographic exhibits. There also were maps, plans of cities, buildings and models of ships. The assembly was traditional at that time - when natural artifacts were located near the ancient. In 30 years of 19th century objects from the museum office were transferred to Odessa, Kherson and Kerch, and only a small part of the exhibits remained in Mykolaiv in the Black Sea mouth mate.


In February 1912 to the council of Mykolaiv approached the descendants of Emmanuel Frantsova Petrovich who died in 1909 and who was the owner of the unique natural science collections. According to his will, this collection was presented to the city, but it had to fulfill several requirements - namely, to provide adequate space and preserve its integrity. The duma of Mykolaiv established a special commission, composed of Duma’s speakers, well-known public figures. S.I. Gaiduchenko was selected as the Chairman. On Sunday, December 15, 1913 at noon in the presence of Mayor M. Leontovich, the representatives of the city’s Duma and numerous guests took place the opening ceremony of the museum. Its first director was S. I. Gaiduchenko.

The formation of the museum’s collection continued: the funds received new items of archeology, interesting documentary sources, photographs, weapons, objects of ethnography and numismatics. The natural collection also filled up. The city’s government allocated funds for the purchase of antiquities. In the financial book for the years 1913-1916, which is stored in the archives of the museum, there are bills and receipts with the list of purchased items. S. I. Gaiduchenko together with the museum’s articulator A. D. Petraschuk in 1916 - 1917 traveled to the estate of Grand Duke Mykola Mykolajovych to the Katerynoslav province and brought the Cossack over grave cross, "stone women", archeology items, stuffed birds and animals.

In June 1918 the 58th Infantry Regiment of Prague was decided to be a part of the museum Despite the energetic events of the Revolution and the Civil War the museum continued to develop. In 1920 because of the initiative of local government was organized the work of Olbian expedition, so with the help of this the archaeological museum collection was enriched in 1634 items. From that time the museum itself became known as the historical and archaeological, and Natural collection became a separate museum.

After the death of S. I. Gaiduchenko, F. T. Kaminsky became the director of it (May, 1923) - archaeologist, expert on the history of the land, popularizer of the ancient monuments.

Feodosij Tymofijovych Kaminsky cooperated with the famous archaeologist, director of the Olbian expedition, B. V. Farmakovskyi. From 1925 was taking part in the expedition and was involved in the creation of archaeological preserve "Olbia". All materials from excavations were sent to the museum’s collection. F. T. Kaminsky made an important contribution in conservation and other historical monuments of our region.

Museum needed a new space for the exposition, and F. T. Kaminsky started to look for the new facilities. In March 1929 took place the ceremonial opening of the new exposition of the museumwhaich was in the building of the former guardhouse on the Soviet Square. But after six months the museum's director, tireless researcher F. T. Kaminsky, was accused as a member of the Union for the Freedom of Ukraine process, and he had been in Stalin's camps for 25 years. The terrible repressions didn’t omit the other museum’s staff. The prominent local historian and scholar M. D. Lahuta was also arrested.

The museum’s exhibition in 30-s has become very politicized, which reduced the level of perception.

In 1936, in connection with the reconstruction of Soviet Square, the destruction of the Admiralty cathedral and the building of guardhouse, the museum moved into the building of the cathedral and adjacent to it house on the Dekabristy Street, 32. In the early 40's in the museum opened new departments: the primitive social order, Olbia, feudalism, the history of the city Mykolaiv, and the history of weapons, which exhibited the Turkish guns XVII, gun of the period of the Russo-Turkish wars of the 18th century. During the Great Patriotic War museum continued to work and the underground anti-fascist organization were operated there.

After the iberation of Mykolaiv the museum’s workers spent the new exposition and restored exhibits. The museum was needed to the citizens who survived a terrible war and have not lost interest in history and nature of native land. In November 1950 there was a unification of historical and natural history museums into the Regional Museum of local lore of Mykolaiv, which he is now. For the natural collections have been created so-called "school room" where the items from the famous collection of E. P. Frantsova were displayed: minerals, corals, stuffed animals, birds, fish and even a few anomalies. The exhibition called "school room" because it exhibits served as didactic material for the study of botany, zoology, geography, chemistry, mineralogy. But in 1968 at the location of the "school room" was built a house and its residents moved into the premises of the museum’s storerooms.

In the museum of 60th-90th years of 20th century is typical activation of the collecting scientific works. One by one the collecting expedition conducted in districts and in other cities of the USSR. New museum were opened in companies and at schools, in towns or villages of Mykolaiv. Natural History Museum staff provided them with a methodological and practical assistance. The regional museum happened to become more developed due to the enlargement of its departments. In 1972 was opened the Ochakiv Military and History Museum by Suvorov, the central place of the exhibition was a diorama "Storm of the fortress Ochakiv." In 1975, on the eve of celebrating the 30th anniversary of Victory in the house on the Lyagina Street,5, where the Hero of the Soviet Union lived during the occupation, the museum opened its doors to "underground-partisan movement in the Mykolaiv region during World War II, 1941 -1944 years".

In 1978 there was a remarkable event for the city of shipbuilders - opened the only Museum of Shipbuilding and fleet opened in the Soviet Union. His exposition was developed in the halls of the house of the commander of the Black Sea fleet and ports and was on the Admiral Street, 4. For the creating of this unique museum its creative team has been named as laureates of the State Prize of Ukraine by T. G. Shevchenko. In the middle of 1980s branches of the museum were Pervomaysk Historical Museum and the museum "Partisan sparks." From 1973 to 1985 Vira Pavlivna Cherniavs’ka headed the museum. During her leadership the museum has acquired a certain prestige not only in the Mykolaiv region, but also abroad. Were open new departments, conducted new exposition, expanded staff scientists.

Museum today
Today the Regional Museum of local lore is an impressive museum association. Total fixed asset counts more than 180 thousands of items. First of all it is a unique collection of natural, archaeological objects, started from the late Paleolithic period, and the Cossack era, a collection of ancient books, objects of worship, ethnography, numismatics, weapons, etc.

Significant contribution to the museum business in Mykolaiv was made by Liudmyla Dmytriivna Hlopyns’ka, an honored worker of the culture of Ukraine, a laureate of the Shevchenko National Prize. All her creative life she dedicated to the museum - was a research fellow, a head of the Museum of Shipbuilding and Fleet and a Director of the Regional Museum of local lore of Mykolaiv. During her leadership the complex of Staroflotski barracks were brought to the museum. They were built by the architect K. Ackroyd in the middle of the 19th century. Here it is being planned to open a museum town with various museums, art galleries, antique and secondhand shops, sites for ethnographic festivals and historical reconstructions.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://nikvesti.com/


--in
O Museu da sabedoria local de Mykolaiv Regional é um dos mais antigos museus na Ucrânia.


A data oficial de sua abertura é de 15 (28), de Dezembro de 1913.


O Museu da sabedoria local de Mykolaiv Regional

A verdadeira história do museu começa em 1803, quando em Mykolaiv em Depot cartões de lá foi criado o Gabinete raridade. Na raiz do escritório-museu foi almirante de Traverse. Para a história da sua existência mais de 40 anos, o museu montou uma valiosa coleção. De acordo com testemunhas oculares, que visitou museu no início do século 19, no museu, aceitar os antigos sítios arqueológicos, foram minerais, conchas, animais empalhados, exposições etnográficas. Havia também mapas, planos de cidades, edifícios e modelos de navios. O conjunto era tradicional na época - quando artefatos naturais foram localizados perto da antiga. Em 30 anos de objetos do século 19 a partir do escritório do museu foram transferidas para Odessa, Kherson e Kerch, e apenas uma pequena parte das exposições permaneceu em Mykolaiv na boca companheiro Mar Negro.

Em fevereiro de 1912 para o Conselho de Mykolaiv aproximou-se dos descendentes de Emmanuel Frantsova Petrovich que morreram em 1909 e que era o proprietário das coleções de ciências naturais únicas. De acordo com a sua vontade, esta coleção foi apresentada para a cidade, mas tinha que cumprir vários requisitos - ou seja, para fornecer um espaço adequado e preservar a sua integridade. A Duma de Mykolaiv estabeleceu uma comissão especial, composta de falantes da Duma, bem conhecidas figuras públicas. S.I. Gaiduchenko foi escolhido como o presidente. No domingo, 15 de dezembro, 1913 ao meio-dia, na presença do prefeito M. Leontovich, os representantes da Duma da cidade e inúmeros convidados teve lugar a cerimónia de abertura do museu. Seu primeiro diretor foi o S. I. Gaiduchenko.

A formação do acervo do museu continuou: os fundos recebidos novos itens de arqueologia, fontes documentais interessantes, fotografias, armas, objetos da etnografia e da numismática. A coleção natural também encheu. O governo da cidade alocados fundos para a compra de antiguidades. No livro financeiro para os anos 1913-1916, que são armazenados nos arquivos do museu, há contas e recibos com a lista de itens comprados. SI Gaiduchenko juntamente com Petraschuk articulador AD do museu em 1916 - 1917 viajou para a fazenda do Grão-Duque Mykola Mykolajovych à província Katerynoslav e trouxe o cossaco sobre o túmulo cruz, "mulheres" de pedra, artigos de arqueologia, pássaros e bichos de pelúcia.

Em junho de 1918, a 58th regimento de infantaria de Praga foi decidida a ser uma parte do museu Apesar dos eventos energéticos da Revolução e da Guerra Civil museu continuou a desenvolver. Em 1920, por causa da iniciativa do governo local foi organizado o trabalho da expedição Olbian, por isso, com a ajuda desta coleção do museu arqueológico foi enriquecida em 1634 itens. A partir desse momento o museu em si tornou-se conhecido como o acervo histórico e arqueológico e natural tornou-se um museu separado.

Após a morte de SI Gaiduchenko, FT Kaminsky se tornou o diretor de TI (maio de 1923) - arqueólogo, especialista em história da terra, divulgador dos monumentos antigos.

Feodosij Tymofijovych Kaminsky cooperou com o famoso arqueólogo, diretor da expedição Olbian, BV Farmakovskyi. A partir de 1925 estava tomando parte na expedição e foi envolvido na criação de arqueológico preservar "Olbia". Todos os materiais de escavações foram enviados para a coleção do museu. FT Kaminsky fez uma importante contribuição na conservação e outros monumentos históricos da nossa região.

Museu precisava de um novo espaço para a exposição, e FT Kaminsky começou a olhar para as novas instalações. Em março 1929 teve lugar a abertura cerimonial da nova exposição do museumwhaich estava no prédio da antiga guarita na Praça Soviética. Mas depois de seis meses o diretor do museu, incansável pesquisador FT Kaminsky, foi acusado como um membro da União para a Liberdade de processo Ucrânia, e ele tinha sido em campos de Stalin por 25 anos. As terríveis repressões não omitir equipe do outro museu. O proeminente historiador local e estudioso MD Lahuta também foi detido.

A exposição do museu em 30 s tornou-se muito politizada, o que reduziu o nível de percepção.

Em 1936, em conexão com a reconstrução da Praça Soviética, a destruição da catedral de Admiralty e da construção de guarita, o museu mudou-se para a construção da catedral e adjacente à mesma casa na Dekabristy Street, 32. Na década de 40 no início o museu abriu novos departamentos: a ordem social primitivo, Olbia, o feudalismo, a história da cidade Mykolaiv, ea história das armas, que exibiu as armas turcas XVII, arma do período das guerras russo-turcas do século 18. Durante a Grande Guerra Patriótica museu continuou a trabalhar ea organização anti-fascista subterrânea foram operados lá.

Após a iberation de Mykolaiv trabalhadores do museu passou a nova exposição e exposições restaurados. O museu foi necessário para os cidadãos que sobreviveram a uma terrível guerra e não perderam o interesse em história e natureza da terra natal. Em novembro de 1950, houve uma unificação de museus históricos e naturais de história no museu de folclore local de Mykolaiv, que ele é agora Regional. Para as coleções naturais foram criados chamada "sala de escola" onde os itens da famosa coleção de EP Frantsova foram apresentadas: minerais, corais, animais empalhados, pássaros, peixes e até mesmo algumas anomalias. A exposição chamada "sala da escola" porque exibe serviu como material didático para o estudo da botânica, zoologia, geografia, química, mineralogia. Mas em 1968 no local da "sala da escola" foi construído uma casa e seus moradores se mudaram para as instalações de armazéns do museu.

No museu de anos 60o-90o do século 20 é a ativação típico das coletando trabalhos científicos. Um por um a expedição coleta realizada em distritos e em outras cidades da URSS. Novo museu foram abertas nas empresas e nas escolas, nas cidades ou vilas de Mykolaiv. Natural History Museum equipe forneceu-lhes uma assistência metodológica e prática. O museu regional aconteceu a tornar-se mais desenvolvida devido ao alargamento dos seus serviços. Em 1972 foi inaugurado o Ochakiv Militar e Museu de História por Suvorov, o lugar central da exposição foi um diorama "Tempestade da fortaleza Ochakiv." Em 1975, na véspera da comemoração do 30º aniversário da vitória em casa sobre o Lyagina Street, 5, em que o herói da União Soviética viveu durante a ocupação, o museu abriu suas portas para "movimento underground-partidária na região Mykolaiv durante a Segunda Guerra Mundial, 1941 -1944 anos ".

Em 1978 houve um evento marcante para a cidade de construtores navais - abriu o único Museu da construção naval e da frota abriu na União Soviética. Sua exposição foi desenvolvido nos corredores da casa do comandante da frota e portos do Mar Negro e estava no Admiral Street, 4. Para a criação deste museu único sua equipe criativa tem sido apontado como vencedores do Prêmio de Estado da Ucrânia por TG Shevchenko. No meio da década de 1980 ramos do museu foram Pervomaysk Museu Histórico eo museu "faíscas partidária." A partir de 1973-1985 Vira Pavlivna Cherniavs'ka dirigiu o museu. Durante a sua liderança o museu adquiriu um certo prestígio não só na região de Mykolaiv, mas também no exterior. Foram abertos novos departamentos, conduzido nova exposição, cientistas da equipe expandidas.

Museu hoje
Hoje, o Museu Regional da sabedoria local é uma associação museu impressionante. Ativo fixo total conta com mais de 180 milhares de itens. Primeiro de tudo, é uma colecção única de objectos naturais, arqueológicos, iniciado a partir do período paleolítico tarde, ea era cossaco, uma coleção de livros antigos, objetos de culto, a etnografia, numismática, armas, etc.

Contribuição significativa para o negócio museu em Mykolaiv foi feita por Liudmyla Dmytriivna Hlopyns'ka, um trabalhador honrado da cultura da Ucrânia, um laureado do Prémio Nacional de Shevchenko. Toda a sua vida criativa ela dedicada ao museu - foi um bolseiro de investigação, um chefe do Museu da construção naval e da frota e um diretor do Museu da sabedoria local de Mykolaiv Regional. Durante a sua liderança do complexo de quartéis Staroflotski foram levados para o museu. Eles foram construídos pelo arquiteto K. Ackroyd no meio do século 19. Aqui ele está sendo planejado para abrir uma cidade museu com vários museus, galerias de arte, antiquários e lojas de segunda mão, locais para festivais etnográficos e reconstruções históricas.