Listen to the text.

sábado, 29 de agosto de 2015

Nagasaki Atomic Bomb Museum - A memória do nuclear: a bomba de Nagasaki

Uma foto que se encontra no museu, tremenda na sua evocação: uma criança de lábios apertados carregando o irmãozinho bebé, já morto, no local da cremação.

“Há um museu pequeno mas muito bem organizado em Nagasaki sobre a bomba atómica. Não ir ao museu era um pouco como ir a Roma e não ver o Papa.” 


Chega-se ao museu atravessando o Parque da Paz, que os japoneses construíram em memória da bomba que foi lançada a 9 de Agosto de 1945. 

Matou em segundos 73 mil pessoas, feriu outras tantas, deixou sem casa 120 mil. Ao todo, viviam em Nagasaki 240 mil pessoas. A bomba é uma ferida na cidade e na sua memória.

O parque foi construído em torno do local onde a bomba foi largada. Há um memorial e uma gigantesca estátua apontando o céu. Há uma fonte, lembrando os que morreram por falta de água. Há uma torre queimada de uma igreja e as ruínas enegrecidas de um edifício-prisão.

Nagasakigenbaku.jpg

O museu é simples porque em boa verdade não há muito pouco para contar. Mas há uma foto, isolada, imensa, tremenda na sua evocação: uma criança de lábios apertados carregando o irmãozinho bebé, já morto, no local da cremação. Órfãos.

A foto é de Joe D’Donnell, o marine americano que em 1945 fotografou durante seis meses Hiroshima e Nagasaki. No museu, a foto, que todos os japoneses conhecem, tem uma legenda escrita pelo próprio O’Donnell. Diz ele que, no final, a criança tinha os lábios cheios de sangue, tal a força com que cerrava os lábios.

Para mim, o museu foi aquela foto.

Uma portuguesa que vive na capital japonesa dizia que os japoneses fazem questão de sublinhar, durante os treinos sistemáticos a propósito dos terramotos, que não se deve gritar para não assustar os outros e assim não entrarem em pânico. Se assim for, têm mais possibilidades de sobrevivência.

Os japoneses têm razão. Mas são um povo especial, com uma maneira de reagir muito própria, irrepetível se calhar. Foi por isso que me lembrei da foto do menino órfão. Não chorou. Não gritou. Mas apertou os lábios até fazer sangue.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://expresso.sapo.pt/internacional/2015-08-09-A-memoria-do-nuclear
colaboração: LUÍSA MEIRELES



--in
Nagasaki Atomic Bomb Museum

Established 1955,
built current museum 1996

Location 7-8 Hirano-machi, Nagasaki, Nagasaki
Website www1.city.nagasaki.nagasaki.jp/na-bomb/museum
The Nagasaki Atomic Bomb Museum (長崎原爆資料館 Nagasaki Genbaku Shiryōkan?) is in the city of Nagasaki, Japan. 

The museum is a remembrance to the atomic bombing of the city that occurred on 9 August 1945, at 11:02:35 am. When the United States of America dropped a nuclear bomb on Nagasaki. Next to the museum is the Nagasaki National Peace Memorial Hall for the Atomic Bomb Victims, built in 2003, which marks the hypocenter of the event. The bombing marked a new era in war, making Nagasaki a symbolic location for a memorial. The counterpart in Hiroshima is the Hiroshima Peace Memorial Museum. These locations symbolize the nuclear age, remind visitors of the vast destruction and indiscriminate death caused by nuclear weapons, and signify a commitment to peace.

The Nagasaki museum was completed in April 1996, replacing the deteriorating International Culture Hall. The museum covers the history of the event as a story, focusing on the attack and the history leading up to it. It also covers the history of nuclear weapons development. The museum displays photographs, relics, and documents related to the bombing.

History of the Museum
The museum at the Nagasaki Peace Park replaced the Nagasaki International Culture Hall, where artifacts related to the bombing of Nagasaki were originally exhibited. These artifacts are now supplemented with photographs depicting daily life in Nagasaki before the atomic bomb was dropped, the devastation produced by the bomb, and the history of nuclear arms development.

History covered in the museum
The Nagasaki Atomic Bomb Museum covers the history of the bombing of Nagasaki, Japan. It portrays scenes of the war, the dropping of the atomic bomb, the reconstruction of Nagasaki, and present day. Additionally, the museum exhibits the history of nuclear weapons development.

The atomic bomb was developed by scientists working under the Manhattan Project. The project was granted funding on December 6, 1941, with American leaders aiming for a new invention that would serve as a wartime weapon. The decision to drop an atomic bomb on Japan had been made by 1943, and a shortlist of candidate target cities was in place in 1945. At the time, it was argued that the an atomic bombing would bring about a more rapid end to the war. Hiroshima, the first target, was selected to show the power of America's new weapon. The second bombing, of Nagasaki, was intended to demonstrate that the USA had a large arsenal.[8] At 11:02 A.M. local time on August 9, 1945, the atomic bomb, nicknamed Fat Man after Winston Churchill, was dropped on Nagasaki, forever changing the city's landscape.[8] A mushroom cloud rose to an altitude of 45,000 feet above the city.

Within the museum is a history of the city before the bomb was dropped. The hypocenter of the explosion was the Urakami district, which was a traditionally rustic and isolated suburb. However, the population soared after the 1920s when the district was chosen as the site for munitions factories. An industrial zone was quickly created. Additionally, the Urakami district was home to the Nagasaki Medical College. When the bomb was dropped at 11:02 A.M. on August 9, 1945, the 20 neighborhoods within a one-kilometer radius of the hypocenter were completely destroyed by the heat flash and blast winds generated by the explosion. They were then reduced to ashes by the fires which followed. Within 2 km of the hypocenter, roughly 80% of the houses collapsed and burned. When the smoke cleared, the area was strewn with corpses.

Reconstruction of the city proceeded slowly. It was not until the latter half of 1946 that the first emergency dwellings were provided to the communities. The need for buildings far surpassed the availabilities. As late as 1950, applications for corporate dwellings exceeded the availability ninety times. The national government of Japan created a war disaster reconstruction plan in November 1945 which projected a city concept which would abandon the old war industries and focus instead on a revival of foreign trade, shipbuilding, and the fishing industry. Today, the city is considered a peace city and has pledged itself to the mission of world peace.

Inside the Museum
The residents of Nagasaki consider it their duty to make sure the horrors which they experienced due to the atomic bombing are never repeated. Because of this, the museum is designed in such a way that the audience can see just what effect the bomb had on the city, the reconstruction, and the lasting effects of the atomic bomb. The museum opens with a room dedicated to the city as it was just before the bomb decimated Nagasaki. A clock which stopped at 11:02, the precise time the bomb hit the city, is also on display to demonstrate how so many people were killed in an instant.

In the next section, visitors enter a room which shows Nagasaki just after the bombings. Included in this room is a water tank with contorted legs which was located at Keiho Middle School, approximately 800m away from the hypocenter of the bombing. The section "Events leading up to the Nagasaki Atomic Bombiing" isolates historical events from contemporary biases. The permanent exhibition rooms display large materials exposed to the blast, as well as a replica of a sidewall of the Urakami Cathedral which was hit by the bomb.


Nagasaki Urakami Cathedral M5727
The purpose is to reproduce the state which the city was in immediately after the bombing. Photographs and facts are shown alongside artifacts left by the deceased.[13] Additionally, the second section contains some of the rosaries found inside the Urakami Cathedral. At the time of the bombing, dozens of people were inside the Cathedral for confession. This section also exhibits a timeline of events which shows a course of events that occurred prior to the bomb being dropped in Nagasaki. Leaflets which American forces dropped on Japan during the early part of 1945 are on display. One gives information on the bombing of Hiroshima and the power of the atomic bomb, warning citizens to leave the city and stop fighting. Also included are melted bottles, the bones of a human hand stuck to a clump of melted glass, burnt clothing, a lunchbox with its contents still charred inside of it, and a helmet with the remains of a victim’s skull on the inner surface. Section B shows damage caused by the radiation, damages caused by the blast, appeals of the atomic bomb survivors, and the rescue and relief activities which were carried out.

After viewing the city scene, museum visitors are invited to think about issues related to war and nuclear non-proliferation. This section of the museum contains the political sections entitled "The Road to the Atomic Bombing" and "The War between China and Japan and the Pacific War". It is there that the experience of militarism in Japan and the demands of war are juxtaposed with arguments for the end of nuclear weapons. Visitors are presented with facts on modern nuclear weapons alongside facts related to victims of the atomic bombing. It is a call for peace and an end of the nuclear age.

The final room in the museum contains videos and documents related to the Nagasaki bombing. Visitors can also find answers to their questions and documents like Nagasaki’s Peace Declaration.

Le Musée amérindien de Mashteuiatsh, situé à 75 minutes de Chicoutimi aux abords du Lac-Saint-Jean, attire pourtant une forte clientèle européenne, qui découvre une fascinante culture ilnue et un site d’interprétation riche en découvertes naturelles.

«C’est un trésor à découvrir !», lance avec enthousiasme Isabelle Genest, directrice générale de la Société d’histoire et d’archéologie de Mashteuiatsh.

Musée amérindien de Mashteuiatsh: 10 000 visteurs cette année

«Nous connaissons une autre bonne année, puisque nous franchirons le cap des 10 000 visiteurs. De plus, notre site a pu bénéficier d’une visibilité accrue, le mois dernier, avec le passage de l’émission «La petite séduction», et par la tenue du Grand rassemblement des premières nations».

La directrice nous apprend que 60% de la clientèle est européenne. «Grâce à des organismes de promotion internationaux, on voit débarquer régulièrement des visiteurs provenant de la France, de la Suisse, de la Belgique et de l’Allemagne».

Et qu’est-ce qui attire autant de curieux vers ce centre éloigné du Québec ? «Les gens découvrent avec fascination l’authenticité d’un peuple qui a survécu à sa propre histoire». Depuis 1978, le Musée amérindien de Mashteuiatsh raconte l’histoire et la culture du peuple ilnu.

À travers ses expositions permanentes et temporaires, le musée, ouvert à longueur d’année, se veut aussi une vitrine de la création artistique contemporaine ilnue et autochtone. Des animateurs et artisans inuatsh accompagnent les visiteurs.

On dit que visiter le Musée amérindien de Mashteuiatsh, c’est parcourir des millénaires côte à côte avec la nature afin de partager les richesses d’une culture en pleine évolution.

Une nouvelle exposition évolutive présente l’histoire des Pekuakamiulnuatsh – les Ilnus du Lac-Saint-Jean – telle qu’ils la pensent et veulent la présenter. En plus de sa partie historique traditionnelle, l’exposition propose un volet contemporain qui traite de l’actualité et des aspirations d’un peuple.

Les visiteurs peuvent profiter du même coup du site d’interprétation avec sa collection vivante de plantes, d’arbres et d’arbustes indigènes à travers une reconstitution d’une partie de la forêt boréale.

Deux expositions temporaires s’ajoutent au menu d’ici le 30 octobre :


- Régalia Fierté autochtone : une exposition de photos qui démystifie la tradition du pow-wow «pour en sonder les dimensions identitaires et contemporaines».

- Dans la diversité… la création : le peintre Florent Robertson surprend avec ses œuvres uniques et touchantes en trois dimensions.


- Jusqu’au 19 septembre, c’est ouvert tous les jours de 9h à 18 h. Pour en savoir plus : museeilnu.ca ou 1 888 875-4842.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://fr.canoe.ca/voyages/nouvelles/archives/2015/08/20150821-131917.html

O Museu Histórico Farroupilha, Rio Grande do Sul, Brasil, foi criado em 11 de fevereiro de 1953.

A escolha de Piratini para sediar o Museu decorre do fato de o município concentrar o maior conjunto arquitetônico tombado pelo Patrimônio Histórico, em âmbito estadual e nacional.

Resultado de imagem para museu piratini


Em seu acervo encontra-se um conjunto de peças de diferentes épocas, de diversos temas: são objetos pessoais de Bento Gonçalves, telas sobre a Guerra dos Farrapos, mobiliários do século XIX, moedas do período colonial até os nossos dias, objetos do cotidiano, máquinas de costura, xícaras, talheres, palmatórias, fardas, armas, vestuários, imagens sacras, entre outros.

A Diretoria Artística Cultural desempenha o papel de articulador das políticas da secretaria que se relacionam com os institutos – as linguagens artísticas (música, cinema, artes visuais e cênicas), com o objetivo de planejar, acompanhar e adequar as ações culturais aos eixos estruturantes do programa da SEDAC, para que os projetos sejam realizados de forma democrática, plural, transversal e diversificados, e que se desenvolvam de maneira sustentável, valorizando a dimensão estética, cidadã e econômica da cultura, no sentido de inovar, promover e fomentar a produção artística contemporânea desenvolvida no Estado.

Movida Cultural

O programa Movida Cultural pretende ampliar e promover a circulação e trocas dos bens culturais existentes nas cidades do interior do Estado e na Capital, de forma a alcançar outros patamares de desenvolvimento da cultura do Rio Grande do Sul, valorizando a diversidade cultural local, de forma a superar a visão tão somente de cultural tradicionalista gaúcha, oferecendo suporte para outros modos sustentáveis da produção da arte, capacitando para a incorporação e assimilação de novos conceitos estéticos, de maneira a lançar novos desafios, desencadeando assim, outros olhares e outras percepções acerca do processo criativo e artístico da cadeia produtiva em âmbito local, regional e nacional.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.cultura.rs.gov.br/

Museu Kunsthaus Graz produz a energia que consome através de painéis solares em sua cobertura. -- The Kunsthaus Graz opened its doors in 2003, the architectural pièce de résistance of Graz’s year as European Capital of Culture.

A cidade austríaca de Graz possui seu próprio museu de arte, e um bastante singular, diga-se de passagem. Projetado por Sir Peter Cook e Colin Fournier, o Museu Kunsthaus Graz - conhecido dentre os locais como o "alien amigável" - é um marco arquitetônico no centro da cidade que age como uma ponte entre o histórico e o moderno.

© Eduardo Martinez, Nicolas Lackner, Christian Plach

Apesar da forte imagem que transmite exteriormente, o impacto ambiental que causa é muito pequeno, já que sua forma orgânica é composta por 1288 painéis fotovoltaicos de acrílico semitransparente, que produzem a energia necessária para seu funcionamento.




A estrutura de 27 mil m² em forma de bolha abriga uma coleção de arte contemporânea, design, cinema, fotografias e outras formas de comunicações visual. Localizado na margem oeste do rio Mur, no centro histórico da cidade, o Museu de Arte de Graz abriu suas portas em 2003.

© Eduardo Martinez, Nicolas Lackner, Christian Plach


Construído como parte das celebrações da cidade no momento em que foi nomeada a capital européia da cultura, o edifício se converteu rapidamente em um símbolo da cidade.

© Eduardo Martinez, Nicolas Lackner, Christian Plach

Sua fachada curva é chamada de "BIX Façade" (uma combinação entre as palavras "big" - grande - e "píxel") e foi especialmente projetada pela empresa realities. esta grande tela urbana apresenta fontes luminosas controladas por computador sob sua pele.
Planta

Deste modo, a pele externa envidraçada assume um importante papel de mediadora com o exterior, além de coletar energia através das unidades fotovoltáicas integradas.

Corte





--in
About Kunsthaus Graz

The Kunsthaus Graz opened its doors in 2003, the architectural pièce de résistance of Graz’s year as European Capital of Culture. The biomorphous building designed by Peter Cook and Colin Fournier—known locally as the Friendly Alien—has since become an attraction for art lovers and the culturally minded from all over the world. But it has also become an essential landmark in the urban identity of the city of Graz. As an exhibition centre for contemporary art, the Kunsthaus exhibits Austrian and international art from 1960 onwards. Its BIX media façade—designed by Berlin designers realities:united—constitutes a unique fusion of architecture and media technology. Effectively a large screen in the middle of the city, it acts as an instrument of art communication.



The History of Kunsthaus Graz


Previous history

The intention to build a gallery for modern and contemporary art in Graz was declared back in the 1980s: the ideas under discussion at that time concerned what was known as the ‘Trigon-Haus’ (Trigon House) in the Pfauengarten of the Graz Stadtpark, and were based around the concept of cross-border work with Austria’s neighbouring countries. The aim was to reference the three-country biennial trigon, which took place in Graz between 1963 and 1995. Organised by the Neue Galerie Graz, these exhibitions brought together artists from Italy, (ex-)Yugoslavia and Austria and encouraged exchange between them. Designed by the Viennese officeSchöffauer Schrom Tschapeller, the ‘Trigon House’ seemed to be the ideal site for these biennials.

However, the project was ultimately abandoned for political reasons and so in 1997 there was a new call for proposals.

This time, the plan was to realise a gallery in the middle of the Graz Old Town—inside the Schlossberg. The competition was held, and won by Swiss firm Weber Hofer Partner Architekten—but its construction was blocked by a referendum. A structure that survives from this phase is the ‘Dom im Berg’ event location, which is accessed via the tunnel system inside the little mountain. It is interesting to note the design for the Kunsthaus in the Schlossberg submitted by Peter Cook and Colin Fournier in 1997. Bubbles protrude from a colourful viscous-looking structure, already anticipating today’s Kunsthaus.

Urban location with potential

The Kunsthaus Graz was created on a site that had previously been run-down and unappealing. The ‘Iron House’ was in a state of disrepair and stood next to an unpaved car park in the middle of the red light district, attracting few people apart from that particular clientele.

The arrival of the Kunsthaus Graz gave a much-needed boost to the area around Südtiroler Platz and provided a link tying it to the Old Town. Numerous small shops moved in, and a creative scene emerged that has since maintained a lively exchange with the urban environment.

The ‘Iron House’

The ‘Iron House’ was one of the first cast-iron buildings in continental Europe, erected in Graz in 1848—a full three years before the famous Crystal Palace (London, 1851). The architect, owner and first manager of this daring construction, Josef Benedict Withalm (1771–1864) imported the new cast-iron technology from England and developed a modern concept for its use: a department store with large, inviting windows on the ground floor, a ritzy café—the Café Meran—on the first floor and a bar in the basement. In the first design, the building had two storeys and was shown as a glazed cast-iron structure that was topped off with a flat roof on a recessed third floor. Just two years later the roof was leaking, and so was replaced by an extended third floor with a hipped roof. After numerous structural changes during the course of its 150 years of use, in 2003 the ‘Iron House’ was finally restored to its original state, which mainly involved the uncovering of the iron facade and the reconstruction of the floors in their original proportions.

The area once occupied by the glamorous Café Meran is now home to the exhibition spaces of Camera Austria.

The low mezzanine floor contains offices, while the ground floor is filled with the Kunsthaus foyer and various service facilities.

Polyhymnia

During the ‘Iron House’ restoration, a female statue was discovered inside the building. She is made entirely of cast-iron and had been long forgotten.

As a protector of the arts, the muse Polyhymnia has now been returned to her fitting position. In her strict poise, she refers less to the fashionable basement nightclub of times long gone; rather, her patronage of dance ties her to the musical theatre that existed on the site previously. It is interesting to consider that the statue’s form follows the ancient model, while the material used reflects the modernity of the ‘Iron House’ architecture 150 years ago.

Musée Sidi Mohamed Ben Abdellah à Essaouira

La bâtisse abritant le musée Sidi Mohamed Ben Abdallah date du XIX ème siècle. Sa structure initiale a subi plusieurs changements. Etant une demeure seigneuriale composée de plusieurs chambres s'ouvrant sur un patio doté d'une fontaine, la bâtisse est devenue pendant le protectorat le siège de la mairie de la ville. Avec l'indépendance, le monument abritait les services municipaux avant de devenir par la suite la maison des jeunes.




Aperçu historique :




Le 20 Octobre 1980, le monument a été choisi pour abriter le musée de la ville et de sa région, nommé « Musée Sidi Mohamed Ben Abdallah.» L'objectif majeur était de conserver et de présenter le patrimoine culturel de la province .



L'exposition permanente :

Le parcours du musée s'organise comme suit :
Le rez-de-chaussée :

Présente au visiteur des informations générales sur l'histoire de la ville et de sa région depuis les époques préhistorique, antique (phénicienne, mauritanienne, romaine et romaine tardive) et médiévale jusqu'à la fondation de l'actuelle médina au XVIII ème s. par le Sultan Sidi Mohamed Ben Abdallah et sa déclaration patrimoine universel de l'humanité.

Le patrimoine naturel de la ville d'Essaouira et de sa région est présenté à travers des panneaux illustrant la richesse du potentiel naturel : la faune et la flore. Une vitrine murale présente notamment les différentes étapes d'extraction de l'huile d'Argan.

Une série de photos anciennes retracent le mode de vie et l'évolution architecturale de la médina.

L'étage :

Met en scène le patrimoine immatériel de la province d'Essaouira, à travers plusieurs collections :

La bijouterie traditionnelle met en valeur des ouvres artistiques, synthèse de différentes cultures (amazighe, juive, arabes) ;
Les armes sont représentées par une série d'armes à feu et d'armes blanches avec leurs accessoires ;

Une collection de monnaies frappée à Essaouira au XVIIIème siècle ;
La collection de costumes exposée est le reflet d'un art vestimentaire propre à la société marocaine, en particulier Essaouira, durant le XIX ème et le XX ème siècles ;

Des instruments de musique traditionnelle et profane associés à des objets de rituel à savoir la musique des Gnaoua, Hmadcha, Melhoun, la musique Andalouse et Amazigh ;

Des ouvres artistiques de bois de thuya dont les coffres, les coffrets et les tables traduisent, avec toute générosité, le savoir-faire du mâalem souiri quant au travail du bois de thuya, exclusivité de la ville ;

Des plafonds et des parties de plafonds en bois peint témoignant la création et la finesse du mâalem Zouaq ;

Des tapis provenant d'Essaouira et sa région qui doivent leur production à deux importantes tribus : les Oulad Bou Sbaâ et les Chiadma.

 

 

 




fonte: @edisonmariotti #edisonmarioti 
http://www.minculture.gov.ma/fr/index.php?option=com_content&view=article&id=93&Itemid=133&lang=fr

Musée Sidi Mohamed Ben Abdellah
Derb Laalouj - Essaouira
Tél . : (+212) 544-47-23-00

Museus fundametais na transmissão de conhecimentos sobre as comunidades angolanas - director Nacional dos Museus


Luanda - o director Nacional dos Museus, Ziva Domingos, destacou, em entrevista à Angop, o facto de os museus serem os principais guardiões da memória colectiva e da identidade cultural dos povos, transformando-se em escolas de transmissão de conhecimentos sobre os hábitos e costumes das comunidades.





Eis a integra da entrevista:

Angop: Director que avaliação se pode fazer do estado actual dos museus angolanos?

Ziva Domingos (ZD) - São 40 anos de muita luta, 40 anos de muitos desafios. Aliás, se olharmos um pouco a historiografia dos museus de Angola veremos que estamos também a completar 40 anos. Os museus começaram a surgir, basicamente, depois da independência, isto em 1976, com o Museu Nacional de Antropologia. Foi neste ano que começamos a ter uma rede mais consistente dos Museus de Angola. Digamos que houve muita evolução, olhando para trás, porque, a partir da legislação, da Lei do Património, desenvolver o Estatuto Geral dos Museus, factor que permitiu com que os museus fossem reconhecidos e ganhassem um estatuto próprio.

Com as bases criadas, os museus têm respondido aos desafios da sociedade. Não digo que já atingimos o ideal, mas diria que estamos a caminhar para que se tornem, de facto, em instituições capazes de contribuir na afirmação e desenvolvimento de Angola.

Angop: Sabe-se que, no âmbito das acções do Executivo de construção e reconstrução de infra-estruturas culturais, existe um plano para a recuperação e reforço do acervo museológico. Do diagnóstico feito, qual é, nesta altura, a maior necessidade dos museus angolanos?

ZD - A maior necessidade passa, naturalmente, pela capacitação dos técnicos. Estamos num ramo das ciências humanas e sociais e nem sempre recebe a atenção devida em termos de formação de quadros. E concorre a isto o facto de a juventude não se rever muito nesta área do saber, fazendo com que os nossos museus tenham e vivam actualmente com dificuldades de especialistas. Ao longo dos anos trabalhamos com os técnicos, aliás, devo reconhecer e agradecer pelo empenho e dedicação dos mesmos para que os museus tenham a imagem que têm hoje, com algumas capacidades limitadas em termos de conhecimentos nas áreas de museologia, museografia, gestão do património, havendo, portanto, uma necessidade de continuarmos a capacitar os quadros como forma de dotarmos as instituições de pessoal com nível superior de formação e conhecimentos teóricos e práticos.

Apesar de haver um movimento de jovens que estão a sair da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, as instituições museológicas ainda carecem de técnicos especializados muito bem dotados para atender as necessidades que se impõem. Mas continuamos a motivar os jovens e procurar formas de capacitar os que temos à disposição. Fizemos um levantamento que levou os ministérios da Cultura e do Ensino Superior a trabalharem conjuntamente para dar resposta às necessidades dos museus, com a atribuição de bolsas de estudos para os nossos profissionais.

Angop: Em relação às infra-estruturas, nesta altura estão a ser edificados Depósitos Centrais nos museus do Dundo e de Antropologia. Como ficará a questão do acondicionamento de peças nos demais museus?

ZD - Além destes dois projectos, temos também o do Museu de História Natural, que vai entrar numa fase de renovação. Há um estudo feito e com o trabalho já na fase inicial em relação à requalificação do edifício passaremos a parte técnica e científica, que é a renovação da própria exposição e dos depósitos e laboratórios. Tudo está a ser feito para que em 2016 o projecto seja executado e, desta forma, termos uma instituição à altura das necessidades do público.

Relativamente ao Museu Regional da Huíla, o Governo local já manifestou a intenção de trabalhar com o Ministério da Cultura no sentido de se edificar uma nova infra-estrutura museológica. No mesmo caminho está o Museu Nacional de Arqueologia (Benguela), um processo que já se arrasta há muitos anos. Há empresas que manifestaram o interesse em trabalhar connosco para a renovação da instituição. Mas mesmo nas actuais condições tem promovido algum trabalho de pesquisa e escavações arqueológicas. 

20130322085524museu_regional.jpg (220×119)

Angop: Em função do processo de escavação arqueológica que está a ser submetida à cidade de Mbanza Congo, antiga capital do Reino do Congo e actual capital da província do Zaire, no âmbito do processo de inscrição na lista do património cultural mundial, qual será o futuro do Museu dos Reis do Congo?

ZD - O Museu dos Reis do Congo deverá ser repensado. Se queremos inclui-lo no quadro da dinâmica do património mundial, há todo um trabalho de reflexão a ser feito. Foram feitas escavações arqueológicas e com resultados bastante satisfatórios e cujo acervo será colocado no referido museu. A estrutura actual não tem e nem terá capacidade para receber o acervo todo, razão pela qual se deverá pensar na construção de uma outra infra-estrutura que poderá surgir com outra denominação. O Museu dos Reis do Congo em termos biográficos é limitado. Portanto, deveremos pensar em algo com uma outra dimensão. 

Angop: Como instituições guardiães da história, hábitos e costumes dos povos, estão dotados, quer em termos de acervo museológico quer de pessoal, para atender o público?

ZD - Estão. Falta-nos apenas procurar formas de divulgarmos cada vez mais o que temos em termos de riqueza do acervo museológico, razão pela qual estamos a trabalhar na edificação de depósitos para podermos acomodar em melhores condições o acervo dos museus que possa ser utilizado com frequência. Neste momento, o acervo do Museu Nacional de Antropologia exposto não constitui 20 por cento do que existe. O grosso da colecção está guardado na cave do Museu de História Natural. Quando o depósito estiver concluído, podemos ter à disposição do público exposições com cerca de quatro mil peças que retratam as mais variadas facetas do quotidiano angolano.

Em condições normais, os nossos museus podem promover uma outra dinâmica em termos de rotação das exposições temporárias e permanentes que vão permitir ao público conhecer melhor as riquezas culturais angolanas.

Falando concretamente dos museus do Dundo e de Antropologia, a partir de 2016, terão as condições necessárias para dar ao público tudo quanto existe da realidade cultural angolana, diversificando as suas ofertas e dando ao público a oportunidade de se manter informado e educado culturalmente.

O trabalho que está a ser feito ocorre dentro de uma estratégia muito clara e consolidada da mediação cultural de levar a riqueza ao povo e convidar o povo a descobrir cada vez mais os traços culturais do país.

Angop: Que acções têm sido desenvolvidas para os museus atraírem mais público?

ZD - Os museus têm promovido algumas acções de sensibilização junto das escolas, que em período de férias levam os estudantes a promover visitas guiadas. Mas não basta só nos limitarmos às escolas.

Mas o processo deve também passar por uma estratégia conjunta com os ministérios da Comunicação Social e do Turismo, para melhor divulgação da importância dos museus na preservação da história dos povos. Os museus constituem hoje instrumentos e instituições que podem entrar na dinâmica de diversificação da economia. É necessário desenvolver o turismo cultural, uma vertente em que os museus marcos determinantes para se atrair mais turistas, quer nacionais como estrangeiros. A estratégia deve passar pelo alargamento do leque dos parceiros, para que os museus sejam cada vez mais conhecidos. 

Angop: Senhor director, os nossos museus estão dotados de meios/equipamentos para evitar que os visitantes saiam sem levar nada escondido?

ZD - Equipamentos electrónicos não, mas nos últimos anos foi feito um trabalho de sensibilização junto do público para melhor preservamos a nossa história cultural. Se olharmos para os anos de 1990 e compararmos com a situação actual, há uma grande melhoria em torno da segurança dos museus. Os roubos diminuíram e cada vez mais o pessoal é formado e começa a entender o que é deontologia profissional. Outro mecanismo de segurança tem sido o factor de o país ratificar os instrumentos internacionais, permite que os técnicos percebam a importância da salvaguarda do acervo dos museus, aumentando a consciência do público sobre a necessidade de se garantir que a história do país deve ser preservada.

Devo, no entanto, reconhecer que somente estas acções não são suficientes, havendo a necessidade de se recorrer, actualmente, aos meios electrónicos para garantir a segurança das nossas instituições museológicas. Estamos a trabalhar que isto aconteça o mais breve possível, para melhor protegermos o acervo dos museus angolanos.

Angop: Já se fez inventariação de peças retiradas ilegalmente dos museus angolanos?

ZD - Em termos de número, não podemos quantificar. Mas é um desafio que temos em mãos. Não, porque a maioria dos nossos museus não têm o inventário actualizado, não sabendo o número exacto de peças existentes no acervo. Este desafio será ultrapassado quando tivermos concluído o trabalho de inventariação do acervo dos museus, uma acção que está a ser levada a cabo, tendo em conta a edificação dos depósitos centrais. Com os depósitos construídos, os museus poderão ter o seu acervo muito bem arrumado, inventariado e protegido.

A actualização do inventário dos museus é, nesta altura, a principal tarefa da Direcção Nacional dos Museus, não só manualmente mas de forma informatizada para que possamos ter uma base de dados personalizada. 

Angop: Em função da cooperação/convénios com instituições internacionais, quantas peças retiradas dos museus angolanos foram recuperadas e quantas foram detectadas em colecções ou instituições privadas no estrangeiro?

ZD - Temos apenas uma peça recuperada nos anos de 1990. Mas é necessário também reforçar que o processo de recuperação de peças museológicas retiradas ilicitamente em museus angolanos e não só requer determinadas etapas e que levam tempo. É necessário que se faça primeiro um levantamento do número de peças, onde estão, como estão salvaguardadas e a partir daí desencadear um mecanismo de negociação com as entidades colectivas/individuais que têm sob seu poder as peças museológicas. 

Sabemos onde as peças estão e a nossa estratégia assenta na identificação e registo do acervo para poder, depois, desencadear os mecanismos necessários para a sua recuperação.

Mas temos que estar conscientes de que recuperar o que está lá fora não é um processo fácil, porque a maioria do acervo angolano, em particular, e em geral o africano, que está nos museus ocidentais faz parte, hoje, destes museus. O processo não é fácil e exige uma diplomacia, uma negociação com as instituições onde se encontram, no sentido de, numa primeira fase, conseguir recuperar a documentação, trabalhar num projecto de investigação científica com as instituições em causa, e, numa segunda fase, para a recuperação física, provar que temos condições de segurança para a protecção do acervo.

Para este processo, podemos utilizar as Convenções da UNESCO, entre as quais a de 1970, e outros diplomas internacionais que tratam da questão da protecção e recuperação das peças localizadas fora dos museus angolanos.

Angop: O que é necessário para que uma instituição ganhe o estatuto de museu?

ZD - Existem normais que definem o que é uma instituição museológica. O Conselho Internacional dos Museus define os caminhos necessários para tal. Para ser um museu, deve primeiro ser um estabelecimento aberto ao público, que tenha capacidade de preservar o acervo e promover trabalhos de investigação científica que o acompanha. Meios humanos, materiais e financeiros são outros itens a serem levados em conta. Tendo as condições enumeradas caberá a Direcção Nacional dos Museus e ao Conselho Internacional dos Museus fazer a avaliação e consequente validação do pedido. Há uma dinâmica que pode definir, tendo em conta os termos de referências estabelecidos.

Angop: Que caminhos são percorridos para a renovação/enriquecimento do acervo dos museus?

ZD - A prioridade é criar condições para melhor conservar e valorizar o que existe e posteriormente fazer a análise das condições para descobrirmos as lacunas existentes. É necessário um trabalho profundo de colecção por colecção para sabermos se todas as províncias ou todos os grupos étnicos estão equitativamente representados no nosso acervo museológico e só poderemos definir prioridades em termos de uma recolha coerente de novo acervo. Caso contrário, vamos continuar a recolher, mas recolher as mesmas coisas, sem diversificação.

O essencial é concluir os grandes projectos do sector, entre os quais a construção dos depósitos centrais e a partir daí trabalhar-se seriamente no processo de enriquecimento do acervo dos distintos museus.

Angop: O processo de recolha e renovação do acervo dos museus tem contado com a contribuição das comunidades?

ZD - Sim. E em função do que se pretende para o futuro dos museus, esta participação será ainda mais abrangente. As comunidades são os nossos primeiros parceiros. Quem conhece o acervo museológico melhor do que nós são as comunidades. Os museus estão a gerir um património que vem das comunidades. Portanto, temos um interesse de envolver as comunidades nas políticas de recolha, conservação e promoção, pois são elas que têm as informações verídicas sobre a história das peças museológicas. É uma parceria natural que leva a que os museus a veicular a verdadeira mensagem que as peças transmitem.

Angop: O país ganha brevemente uma nova infra-estrutura museológica. Estamos a falar do Museu da Moeda e o Museu das Telecomunicações. A concepção desta instituição contou ou conta com o parecer ou intervenção dos técnicos do sector?

ZD - Sim. Os técnicos do Ministério da Cultura fazem parte dos grupos técnicos criados para o acompanhamento da execução física das referidas instituições que poderão abrir as suas portas ao público muito brevemente. 

Felizmente, a cultura tem uma palavra a dizer e neste caso estabelece os parâmetros a serem seguidos para que estas instituições sejam dignas e que possam representar, de facto, a cultura angolana.

Angop: E sobre os instrumentos legais para a melhor gestão dos museus, como estão?

ZD - Estamos em bom plano. Temos a Lei do Património Cultural, de onde conseguimos extrair o Estatuto Geral dos Museus e daí os estatutos orgânicos dos museus. Mas temos um instrumento fundamental sob o qual estão a trabalhar neste momento, que é a Lei Quadro dos Museus. É uma Lei própria dos museus. Existe um grupo técnico a trabalhar sobre uma proposta que deverá ser enriquecida através de um estudo comparado, olhando um pouco pelas leis dos museus de países como França, Portugal, Brasil, Cuba para que tenhamos uma proposta que seja mais consensual, que possa atender as preocupações, não só dos próprios museus mas, sobretudo, do público que gosta de visitar os museus. É um instrumento que vai estabelecer as bases do funcionamento dos museus em Angola.

Aprovada esta Lei, poderemos trabalhar em outras para a criação do Sistema da Rede Angolana dos Museus, para que possamos saber situar os museus privados ou públicos.

Angop: Fruto das novas tecnologias, que futuro se espera para os museus angolanos?

ZD - Hoje todas as instituições são obrigadas a fazer uso das novas tecnologias de informação e os museus não fogem à regra. Hoje, fala-se das exposições virtuais, o processo de inventariação informatizada para colocar em linha as suas colecções e suscitar a curiosidade do público. Só temos a ganhar com a utilização das novas tecnologias de informação, quer seja para o processo de inventariação, como para a segurança da instituição em si, bem como para as técnicas de mediação ou valorização do acervo. As novas tecnologias estão a ditar regras também no mundo museológico, tornado as instituições mais atractivas.

Os museus angolanos devem continuar a considerar-se actores e participantes activos no desenvolvimento do país, porque sem cultura não poderemos idealizar o país do amanhã. Os museus têm um papel fundamental no processo de educação da população, socializar cada vez a população, sobretudo os jovens, para que possam aprender as origens de Angola e onde o país está a caminhar. E se os museus estiverem em condições de fornecer estes itens, teremos uma população bem-educada culturalmente e quanto mais culta mais facilmente poderá dar o seu contributo no desenvolvimento do país.

Principais museus de Angola

Museu Nacional de Antropologia

O Museu Nacional de Antropologia localiza-se no bairro dos Coqueiros, na cidade de Luanda. Fundado em Novembro de 1976, o Museu Nacional de Antropologia foi a primeira instituição museológica criada após a independência de Angola ocorrida um ano antes.

Esta instituição de carácter científica, cultural e educativa está vocacionada para a recolha, investigação, conservação, valorização e divulgação do património cultural angolano. O Museu Nacional de Antropologia é composto por 14 salas distribuídas por dois andares que abrigam peças tradicionais, designadamente utensílios agrícolas, de caça e pesca, fundição do ferro, instrumentos musicais, jóias, peças de pano feitos de casca de árvore e fotografias dos povos khoisan. Para além do seu núcleo permanente, o museu recebe também diversas exposições temporárias.

Museu Nacional da Escravatura

O Museu Nacional da Escravatura localiza-se no Morro da Cruz, na cidade de Luanda. Dedicado à memória da escravidão, é uma destacada instituição cultural do país. Criado em 1977 pelo Instituto Nacional do Património Cultural, com o objectivo de dar a conhecer a história da escravatura em Angola, o Museu Nacional da Escravatura tem a sua sede na Capela da Casa Grande, templo do século XVII, onde os escravos eram baptizados antes de embarcar nos navios negreiros que os levavam para o continente americano.

O museu reúne e expõe centenas de peças utilizadas no tráfico dos escravos. Está instalado na antiga propriedade do Capitão de Granadeiros D. Álvaro de Carvalho Matoso, Cavaleiro da ordem de Cristo.

Museu Nacional de História Natural de Angola
Resultado de imagem para Museu Nacional de História Natural de Angola

O Museu Nacional de História Natural de Angola localiza-se no Largo do Kinaxixe, na cidade de Luanda. Criado em 1938, como Museu de Angola e instalado na Fortaleza de São Miguel de Luanda, contava inicialmente com secções de etnografia, história, zoologia, botânica, geologia, economia e arte. Anexos ao museu, foram criados uma biblioteca e o arquivo histórico colonial.

Mudado em 1956 para o edifício actual, construído de raiz para albergar o museu, apresenta hoje um amplo acervo de espécies representativas da rica e variada fauna angolana. O edifício tem três andares e alberga amplos salões onde estão exemplares empalhados de mamíferos, peixes, cetáceos, insectos, répteis e aves.

Os espaços estão decorados e ambientados de forma a tentar reproduzir o habitat das espécies. O espólio do museu inclui, também, vastas e ricas colecções de moluscos, de borboletas e de conchas, muitas do tempo em que eram usadas como moeda na costa ocidental africana.

Museu Nacional de História Militar

A Fortaleza de São Miguel de Luanda, com ordem militar, localiza-se no antigo monte de São Paulo, actualmente denominado Morro da Fortaleza, nas proximidades da ponte da Ilha de Luanda. Foi a primeira fortificação a ser erguida em Luanda, no século XVI, durante o governo de Paulo Dias de Novais, primeiramente construída em taipa e adobe, substituídos em 1638 por barro, taipa e adobes.

No século XX, com a extinção do Depósito de Degredados, por Portaria de 8 de Setembro de 1939, a fortaleza foi classificada como Monumento Nacional por Decreto Provincial de 2 de Dezembro do mesmo ano. Nela, veio a instalar-se, no ano seguinte, o Museu de Angola, criado pela portaria n.º 6. Após a independência, em 1979 as dependências da fortaleza passaram a albergar o Museu das Forças Armadas.

Considerado como um dos principais patrimónios edificados da capital e do país, em 1995 sofreu intervenções de conservação no exterior do edifício, encontrando-se bem conservado. De propriedade do Estado, está afectado ao Ministério da Defesa e ao Ministério da Cultura.

Museu Nacional de Arqueologia

Localiza-se na cidade de Benguela e tem um acervo de cerca de 9.150 peças. O edifício funciona numa obra do Século XVII / XVIII, onde os escravos eram armazenados temporariamente, até serem exportados para a América em navios negreiros.

Depois do fim do tráfico de escravos, o edifício passou a pertencer à Alfândega de Angola. Em 1976, foi neste edifício criado o Museu Nacional de Arqueologia para, inicialmente, para conservar os objectos arqueológicos existentes.

Actualmente, o Museu Nacional de Arqueologia controla 47 estações arqueológicas e 8.118 objectos que revelam o passado da humanidade a milhões de anos.

Museu de Etnografia do Lobito

Possui mais de 1.500 peças; 50 das quais representam peças da cultura Lunda-Cókwe. Em 1966, um grupo de portugueses amantes de artes e da cultura angolana, pertencentes à ex-Câmara Municipal do Concelho do Lobito, deliberou por unanimidade a compra de um prédio pertencente ao Banco de Angola pelo preço de 500 mil escudos, a pagar por duas prestações iguais, destinado à instalação do Museu do Lobito. A 28 de Outubro de 1969, deu-se o lançamento do primeiro pilar para a construção do museu.

A 11 Novembro 1978, reabre ao público com a devolução de todo património cultural sob sua guarda. Desde então, o museu continua com as suas actividades, recebendo peças etnológicas de várias partes do país.

Museu Regional da Huíla

O Museu Regional da Huíla conta com total de mil e cem peças etnográficas e mais 300 artefactos diversos. O Museu Regional da Huíla é um edifício adaptado, que apresenta limitações de espaço e conservação do acervo. A divulgação dos costumes e tradições dos habitantes do sul de Angola é a principal aposta da direcção do museu.

Museu Regional da Huíla tem, actualmente, cerca de 2 mil peças etnográficas, das quais 300 em exposição. Também possui peças deixadas por portugueses que colonizaram o sul do país.

Museu Regional do Dundo

O Museu do Dundo, localizado na capital da Lunda Norte, foi criado em 1936 pela então denominada Companhia de Diamantes de Angola (Diamang). Foi a primeira instituição do género criada em Angola. Em 1942 adopta a designação de Museu Etnológico.

Em 1946 inicia a edição desta colecção, tendo contado com a especial participação de José Redinha (curador do Museu - etnólogo e estudioso dos povos de Angola) e com a participação de inúmeros autores nacionais e estrangeiros.

O Museu Regional do Dundo ressurgiu modernizado a fundo, em Agosto de 2014, após um período de encerramento para reabilitação e renovação. O Museu reabriu as portas com visíveis melhoramentos no seu edifício central, mas também nas estruturas externas, com salas de exposição melhor apetrechadas, novas vitrinas para melhor aconchego e exibição das peças arqueológicas – um cenário que proporciona aos visitantes maior à vontade nas consultas ao seu acervo.

E há muito a consultar no Museu do Dundo que, se antes já estava situado entre “os maiores e melhor apetrechados de Angola e de África a Sul do Sahara”, reforçou essa condição, organizado em áreas de etnografia, história natural, arqueologia e paleontologia. Possui 14 salas de exposições (12 permanentes, uma temporária e outra de folclore), com uma colecção de cerca de 10 mil peças, 818 das quais estão expostas a tempo inteiro.

As diferentes áreas do museu descrevem a vida quotidiana, cultural e a organização político-social dos povos Lunda/Cokwe, com uma biblioteca com cerca de 35 mil livros ligados, sobretudo, à etnografia, arqueologia, filosofia, biologia e história natural. Uma sala multimédia está preparada para projecção de filmes, fornecendo as mais variadas informações sobre os habitantes do Leste de Angola, a qual se junta um laboratório de biologia.

Mundialmente conhecido pelo seu acervo em arte Lunda/cokwe, possui documentação composta por centenas de relatórios dos diferentes serviços da Companhia de Diamantes de Angola (Diamang), cobrindo detalhadamente cerca de meio século da ocupação colonial da área. O acervo compreende ainda milhares de fotografias e outra documentação relativa à vida cultural das populações do Leste de Angola.

A grande atracção do museu é a célebre máscara Mwana Pwo (Jovem Mulher), em exibição na sala reservada às Artes e Actividades Lúdicas, onde existe ainda uma grande variedade de outras máscaras lúdicas, máscaras de dança Mukixi, instrumentos musicais tradicionais, cintos de dança femininos, jogos e esculturas em madeira, como estatuetas, representando bailarinos ou mulheres repousando.

Image




O Museu do Dundo foi fundado na época colonial pelo antropólogo cabo-verdiano Augusto Mesquitela Lima, neto do governador de Cabo Verde em 1913, Bernardo Mesquitela. Este museu é um importante centro da exploração de investigação na África Central, nas áreas da arqueologia e etnografia, sendo mundialmente conhecido pelo seu acervo em Arte Cokwe.

Museu Regional de Cabinda

Um museu muito interessante para quem quer saber a história do povo cabinda. Tem 3 salas que descrevem as tradições pre-coloniais, o tempo colonial, tradição de feitiço e uma sala separada com objectos de uso diário.

Actualmente no museu estão representados acervos que simbolizam o poder tradicional, objectos de uso doméstico, bem como representações de aspectos etnográficos, antropológicos, bem como da história da região.

Museu Regional do Huambo

O Museu Regional do Huambo foi criado em 1948 pela Câmara Municipal de Nova Lisboa, com o objectivo de recolher dados de carácter etno-museológicos e conhecimentos de usos e costumes da região do planalto central, incluindo as províncias do Bié, Benguela, Cuanza Sul e Cuando Cubango.

Museu dos Reis do Congo

O edifício principal, que alberga o Museu dos Reis do Congo, foi no passado uma residência real construída em 1903, até a última sucessão do trono ocorrida na década de 60.

Após a independência nacional, a residência tornou-se como Museu do Reino do Congo. O recinto permaneceu encerrado anos depois devido ao conflito armado, tendo reaberto de forma definitiva em 2007, após beneficiar de obras de restauro e ampliação, passando desta feita a designar-se Museu dos Reis do Congo.


fonte: @edisonmarioti #edisonmariotti
http://www.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/lazer-e-cultura/2015/7/34/Museus-fundametais-transmissao-conhecimentos-sobre-comunidades-angolanas-director-Nacional-dos-Museus,43791d2e-4263-41d3-a4c5-f380bd63577b.html