Listen to the text.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

information: Google Analytics BLOG museu2009.blogspot.com in August 2015 ( 01-31 )

BLOG museu2009.blogspot.com in August 2015

Location Visits







BLOG museu2009.blogspot.com in August 2015

% - 
Location Visits



font: Google Analytics
@edisonmariotti






CONSERVACIÓN Y DIFUSIÓN DE COLECCIONES DEL MUSEO -- · en GESTIÓN, INSTITUCIONES,MUSEO, MUSEOGRAFÍA, OPINIÓN, PATRIMONIO. ·

La función mencionada en el título de hoy dentro del museo tiene mucho que ver con la diversidad de personas que nos visitan. La variedad de perfiles nos obliga a plantear una serie de consideraciones complementarias que deben tenerse en cuenta de cara a las funciones tradicionales de la conservación y difusión de las colecciones del museo, así como en la programación de exposiciones y organización de actividades complementarias a las propias exposiciones, ya sean permanentes o temporales. Los gestores de los museos deben valorar aspectos básicos para la acogida de visitantes, que denominamos “indicadores de servicio”, ya que contribuyen considerablemente a mejorar la experiencia del público que les ofrece el museo. Nos referimos como “indicadores” a todos esos factores que hay que tener en cuenta con relación al universo de perfiles personales que acuden a nuestro museo para que éste se adapte a ellos y no al revés – hicimos referencia a esa variedad de visitantes en nuestra entrada de ayer -.


En el proceso de diseño de una estrategia propia es esencial valorar estos indicadores, ya que la dinámica del museo debe complementarse con las de los perfiles implicados y organizarlos para que el desarrollo de las actividades del museo funcione, que esté plenamente adaptada a todos, que sea universal.


Otra labor importante del museo es la de crear una dinámica de comunicación hacia el exterior que se adapte a todos los diferentes puntos de vista posible, a todo el espectro de personalidades que son susceptibles de tener relación con el museo de una forma u otra. Lo ideal es poder trasmitir desde la propia museografía el potencial emocional de los profesionales del museo. esto exige una renovación constante que se acople al ritmo de evolución de una sociedad cambiante, con el uso de estrategias de comunicación destinadas a mediar entre esa sociedad en continua transformación y el museo, que debe garantizar la conservación de sus fondos y colecciones.


Los departamentos y/o profesionales que tienen funciones y responsabilidades relacionadas con la difusión, educación e interpretación del museo reciben diferentes nombres dependiendo de cada institución, normalmente por su tamaño organizativo. Los museos que nosotros hemos denominado pobres, son aquello que su director acomete prácticamente todo el trabajo, es dueño y señor de todas estas funciones por que no le queda más remedio. Para el museo medio/grande existen departamentos que afrontan acciones de difusión y cultura, servicios educativos, comunicación y visitantes, etcétera. Este último departamento del museo tiene la misión de planificar actividades dirigidas a una muy amplia gama de receptores. Un trabajo que requiere de sus responsables altísimas dotes de imaginación, creatividad y comunicación, una metodología de trabajo basada en una investigación continuada que ayude al desarrollo de programas para visitantes para trabajar sobre una constante innovación, un I+D+I (investigación+desarrollo+innovación) que permita hacer comprensibles y atractivas las exposiciones y acciones propuestas por conservadores, comisarios, museólogos, etcétera.


¿Cómo hacer todo esto posible? Pues creemos que se hace abriendo las puertas del museo a experiencias que hasta hace unos años podrían sonar a ciencia ficción: teatralizaciones, actividades gastronómicas, reenacments, conciertos musicales, acampadas dentro del museo, trabajo en red con otros museos e instituciones patrimoniales, diseño de programas educativos adaptados a públicos que se habían quedado excluidos de las prioridades de los museos, y mucho más. En definitiva, hablamos de preservar el patrimonio, nuestra memoria histórica material e inmaterial vitaminándolo con unas buenas dosis de espectáculo, haciendo mucho más atractiva y divertida la experiencia del museo. Ya está bien de museos aburridos y pasivos que en su visita nos recuerdan constantemente que nos duelen los pies.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  Espacio Visual Europa (EVE)

Glenbow Museum, Canada

Gun Sculpture


Organized by the Art Gallery of Alberta

In 1995, Sandra Bromley and Wallis Kendal embarked on a five-year quest to produce the monumental Gun Sculpture. Seeking donations from around the world, the two Alberta artists acquired guns from across North and Central America, and from as far as South Africa, Ireland and South Korea.

Ultimately they collected and deactivated over 7000 guns. These weapons were then welded together into 14 panels that make up a massive dark cube measuring 8’ tall, 12’ long and 8’ wide, and weighing almost 20,000 lbs. The walls of this sculpture are comprised of handguns, rifles, semi- and fully automatic weapons, landmines, grenades, rocket launchers and bullets.

The sculpture is accompanied by photographs of individuals who are victims of and, in some cases, survivors of gun violence, and a space for visitors to reflect on and react to the Gun Sculpture. This artwork demands our attention and makes a clear statement about the impact of guns and their proliferation throughout the globe.

--
Glenbow Museum began with the remarkable vision of petroleum entrepreneur and lawyer Eric Lafferty Harvie. Mr. Harvie came into his fortune when oil was discovered on the land to which he held the mineral rights to, with the discovery in Leduc in 1947 and in Redwater in 1949. With this prosperity, he decided to pursue his favourite passion — collecting — and simultaneously return some of his good fortune back to the region that had been so generous to him. Mr. Harvie's goal was to collect the objects representing the history and culture of Western Canada as well as from around the world.

Eric Harvie began collecting material relating to the history of Western Canada in the 1950s, developing an extensive collection of artifacts from North America that tell the fascinating story of Aboriginal peoples, frontier exploration, and the development of western Life. He built on these North American collections with extraordinary artifacts and art from Asia, West Africa, South America, and islands in the Pacific, eventually amassing a huge museum collection. Establishing the Glenbow Foundation in 1954, Mr. Harvie's collection became an eclectic blend of western history and international art and artifacts.

In 1966, Eric Harvie and his family donated his impressive collection of art, artifacts, and historical documents to the people of Alberta. Today, Glenbow Museum is one of the most entrepreneurial museums in Canada, playing an essential role in defining Western Canadian culture. Glenbow also continues Eric Harvie's vision to be "Where the World Meets the West," inviting visitors to explore three major special exhibitions annually, and an eclectic range of permanent galleries featuring significant Western Canadian and international collections.

Glenbow's vision is for more people to experience art and culture more often. In February of 2014, Glenbow announced its new direction - to provide visitors with a new kind of art museum experience. Glenbow showcases world-renowned travelling and permanent exhibitions that are meaningful to many diverse groups in our community, boasts the largest art collection in Western Canada and provides access and care to our collections.

Glenbow also tells the story of Southern Alberta and the West to thousands of visitors to our city each year through permanent exhibitions on our third floor.

Last year, 120,000 guests passed through Glenbow's doors, including more than 63,000 school children who took part in our School Programs and Chevron Museum School. Glenbow's Library and Archives is Canada's largest non-governmental archival repository. It is a major research centre for historians, writers, students, genealogists, filmmakers and media.

The Glenbow Shop offers visitors a unique retail experience while providing a viable revenue stream for the institution. Glenbow also serves as a rental facility for many corporate and private functions, offering a 210-seat theatre, meeting rooms and three gallery floors as event space.

Glenbow is a member-based, not-for-profit, non-governmental arts and culture organization located in the heart of Calgary's cultural district.

Lonely Planet Review

For a town with such a short history, Calgary does a fine job in telling it at the commendable Glenbow Museum that traces the legacy of Calgary and Alberta both pre- and post-oil. Contemporary art exhibitions and stunning artifacts dating back centuries fill its halls and galleries. With an extensive permanent collection and an ever-changing array of traveling exhibitions, there is always something for the history buff, art lover and pop culture fanatic to ponder. The best museum in the province - hands down.

Reproduced with permission from the Lonely Planet website www.lonelyplanet.com © 2014 Lonely Planet

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.glenbow.org/
colaboração: Ilana Sunderland

Luanda- O Museu Nacional de História Natural, localizado em Luanda, destaca nas suas colecções de exposições a fauna e a flora angolana, como forma de mostrar ao público a diversidade e a riqueza do meio ambiente.

Localizado no centro da cidade, o Museu Nacional de História Natural foi criado há mais de 60 anos e conta com as secções de biologia, geologia e ciência da terra e outras áreas.



Comporta também dois salões fundamentais de exposições permanentes, nomeadamente o salão dos mamíferos, com 37 dioramas de mamíferos, aves, répteis, o corredor dos insectos, bem como o de peixes, com 11 dioramas de peixes e outros animais marinhos, 13 dioramas de aves e uma colecção de moluscos. 



Tem igualmente um auditório para conferências, com capacidade para 160 pessoas, átrio para a montagem de exposições temporárias, salão internacional de exposições, biblioteca, áreas administrativa, de investigação científica, animação cultural e museologia.

Em entrevista à Angop sobre o estado da instituição, a sua directora, Francisca da Costa, advogou que tem como aposta a criação de novas parcerias e aprofundar o intercâmbio com outras instituições de carácter técnico, científico e académico.

Francisca da Costa referiu que tem mantido relações de investigação científica com a Faculdade de Ciências, com o Instituto Nacional de Investigação Pesqueira, Instituto de Desenvolvimento Florestal, Aquário Vasco da Gama, e algumas estrangeiras, que têm dado um input para a investigação, conservação e divulgação do acervo da instituição.

Segundo a responsável, pretende ainda informatizar todos os dados museológicos, formação da colecção científica, o enriquecimento das exposições permanentes, o aumento qualitativo dos trabalhadores e maior divulgação das actividades científicas de todos os trabalhos complementares.

Francisca Costa referiu que o museu tem algum défice de pessoal qualificado para fazer face a exigência da instituição, mas disse existir um programa do Ministério da Cultura de formação superior e doutoramento dos quadros de todos os museus do país, que já está em curso, com a colocação dos primeiros licenciados e doutores nos vários domínios museológicos.

O Museu Nacional de História Natural de Angola localiza-se no Largo do Kinaxixe, na cidade de Luanda. Criado em 1938, como Museu de Angola e instalado na Fortaleza de São Miguel de Luanda, contava inicialmente com secções de etnografia, história, zoologia, botânica, geologia, economia e arte. Anexos ao museu, foram criados uma biblioteca e o arquivo histórico colonial.

Mudado em 1956 para o edifício actual, construído de raiz para albergar o museu, apresenta hoje um amplo acervo de espécies representativas da rica e variada fauna angolana. O edifício tem três andares e alberga amplos salões onde estão exemplares empalhados de mamíferos, peixes, cetáceos, insectos, répteis e aves.

Com a proclamação da Independência Nacional, o museu sofreu algumas mudanças, a começar pelo nome, passando a chamar-se de Museu Nacional de História Natural, desde Maio de 1976.

Os espaços estão decorados e ambientados de forma a tentar reproduzir o habitat das espécies. O espólio do museu inclui, também, vastas e ricas colecções de moluscos, de borboletas e de conchas, muitas do tempo em que eram usadas como moeda na costa ocidental africana.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://www.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/lazer-e-cultura/2015/7/35/Angola-Museu-Historia-Natural-destaca-biodiversidade-fauna-flora-angolana,b9ed72d1-3341-4dfa-b954-6f47894f51dc.html

Museu Municipal Manuel Soares de Albergaria, Museu Municipal de Carregal do Sal, Portugal.

Eclodindo no atual contexto renovador e estruturante da museologia portuguesa contemporânea, o Museu Municipal é uma jovem instituição museológica de exclusiva tutela autárquica que, desde o dia 17 de Julho de 2006, iniciou os seus primeiros passos rumo aos objetivos e missão para que fora vocacionada, a de preservar e promover o legado histórico-cultural do concelho.



Como primeira divulgação e apresentação pública do Museu, o seu roteiro procura fornecer, de forma muito sucinta, as primeiras referências escritas sobre o nascimento da instituição, incorporação, identificação e caraterização sumária dos seus bens culturais. Todavia, esta edição não dispensará a execução de um futuro catálogo, obra indispensável para a divulgação da história e conhecimento exaustivo das suas coleções.

Nesse sentido, não podia deixar de salientar que a criação deste Museu representa, não apenas o ponto de chegada de um longo caminho percorrido em prol da defesa dos valores culturais e patrimoniais do Município, mas também o princípio de uma nova etapa da qual se espera, desta instituição, o cumprimento integral das suas funções museológicas, designadamente as de estudo e investigação das suas coleções, exposição e divulgação dos seus acervos, oferta regular de exposições temporárias, para além da inventariação, documentação, conservação e educação.

Tratando-se de um acontecimento cultural da maior relevância para a história do Município que desejou ver concretizado um velho anseio das populações, a emergência deste jovem Museu impunha-se desde há longa data, não só pela necessidade inequívoca de vir a albergar, conservar e expor os seus bens culturais que, por vicissitudes várias estiveram dispersos e impedidos ao acesso público, como também pela sentida carência de um serviço que tivesse por missão o desenvolvimento de ações culturais e educativas.

Neste contexto, como oferta educativa e de fruição cultural e turística, o Museu Municipal de Carregal do Sal dispõe, para além das suas coleções de etnografia, pintura, arqueologia, escultura e armaria, de vários sítios arqueológicos visitáveis, constituindo recursos patrimoniais capazes de virem a proporcionar uma diversidade de propostas temáticas para responder cabalmente às expetativas de todo o público e, particularmente, da comunidade escolar, para a qual deverá ser sempre direcionada a sua indispensável missão de caráter educativo.

Nesse sentido, e desde a sua entrada em funcionamento, tem havido a preocupação de que esta instituição museológica seja um pólo de dinamização e de afirmação da identidade local, um centro vivo de cultura que aposte a sua inserção na comunidade local e sirva de alavanca ao fomento do turismo cultural, bem como ao desenvolvimento económico e social de todo o Concelho.

Com aquele objetivo, o roteiro procura seguir, o mais fielmente possível, o circuito de visita às exposições permanentes que se distribuem por dois pisos e cinco salas. O público visitante, ao entrar na receção, dispõe à sua esquerda de uma planta do Museu em espaço bem visível, sendo depois, todo o itinerário expositivo orientado por setas direcionais e acompanhado por um guia.

Começando no piso zero, inicia-se a visita à sala de etnografia constituída por cinco núcleos temáticos: vinicultura, agricultura, moagem, destilagem e marcenaria, a que se segue a coleção de armaria. À saída o visitante pode efetuar uma pausa na cafetaria logo ao lado e apreciar a pequena livraria com as publicações do Município e desta instituição.

No piso 1, inicia-se a visita à exposição de arte contemporânea na Sala Luís de Almeida Melo, à qual se segue, no espaço contíguo, a exposição de escultura na Sala Aureliano Lima. Terminada esta visita passa-se à sala de exposições temporárias e, seguidamente, à sala de arqueologia de onde se regressará novamente à receção. O mesmo percurso poderá também ser iniciado pelo piso um e concluído no piso zero.

Finalmente, esperamos que, com o apoio do seu roteiro, a visita lhe seja mais agradável e lhe venha a proporcionar uma melhor compreensão e visibilidade das coleções, pois será sempre bem-vindo ao Museu Municipal de Carregal do Sal.

Para além da visita a esta instituição, poderá ainda visitar o Património Histórico e Cultural, do Município, designadamente:

- Circuito Pré-Histórico Fiais/Azenha;

- Percurso Patrimonial das Cimalhinhas;

- Circuito Arqueológico da Cova da Moira;

- Percurso Patrimonial de Chãs.

- Núcleo Museológico do Lagar de Varas de Parada;

- Complexo Patrimonial de Cabris.

Fontes bibliográficas:

«Roteiro do Museu Municipal de Carregal do Sal», Edição da Câmara Municipal de Carregal do Sal, Carregal do Sal. 2006
«O Museu Municipal Manuel Soares de Albergaria, Carregal do Sal, das Origens à sua formação, colecções, espaços, educação e património do Concelho». Edição da Câmara Municipal de Carregal do Sal, Carregal do Sal. 2007.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 
http://www.carregal-digital.pt/pt/articles/museu-municipal141/museu-municipal-manuel-soares-de-albergaria150

Museu e a Biblioteca Municipal de São José do Rio Pardo, São Paulo, Brasil, foram tombados e agora são considerados patrimônio histórico do estado.

Os prédios onde funcionam o Um projeto de revitalização dos edifícios será realizado e deve custar $ 850 mil. Foram três anos de estudos até que o Conselho Estadual de Patrimônio Histórico decidisse pelo tombamento. A expectativa agora é de que o governo libere recursos para as obras.



Ao observar o museu, o visitante dificilmente imagina que ali funcionava a Câmara e a cadeia da cidade. O prédio ainda tem o teto original e hoje reúne várias lembranças da cidade. O edifício foi tombado pelo Conselho Municipal em 2010. Já onde está a biblioteca, antes funcionava o fórum da cidade. As celas deram lugar a escritórios. “Hoje, o atual museu rio-pardense está na origem da nossa cidade. No fim do século 19, quando esse povoado começava, a luta dos moradores de São José era para a transformação da freguesia em vila. Para que a vila fosse realmente instaurada, havia a necessidade da construção do prédio e cadeia”, contou o historiador Marcos de Martini.

Os dois prédios viraram patrimônio histórico do estado. Com isso, um raio de 500 metros em volta dos imóveis também fica protegido de demolições, por exemplo. “O tombamento, nós temos que preservar a fachada, por exemplo, ladrinho hidráulico que tem lá dentro. Quando se tomba um imóvel, se tomba o entorno dele também. Então qualquer intervenção nesse entorno tem que ser aprovada”, disse o presidente do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaac), Daniel Cobra.

“Nós já fizemos um projeto, não só de reforma do museu, mas de ampliação do museu, que se manteria exatamente com as características que tem e o espaço ao fundo receberia um prédio totalmente moderno, funcional, porque a cidade já pede isso”, falou a diretora de Cultura, Lucia Vitto.

Os moradores ficaram orgulhosos com a notícia. “Vai preservar o patrimônio, as pessoas vão visitar a cidade para conhecer”, afirmou a comerciante Daniele Siqueira.

O produtor Antonio Blassi acredita que as lembranças precisam ser preservadas. “Para a gente recordar e as crianças que vem vindo conhecerem um pouco de nossa história, que é muito importante”, apontou.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/08/museu-e-biblioteca-de-rio-pardo-sao-tombados-como-patrimonio-historico.html