Listen to the text.

sábado, 26 de setembro de 2015

Monet, Renoir, Rodin e Degas em quatro vídeos raríssimos.

Grandes mestres da história da arte.



--

O filme abaixo mostra Claude Monet aos 74 anos 

em seu glorioso jardim em Giverny, em 1915.



--

Pierre-Auguste Renoir, também aos 74 anos em 1915,
aparece sentado ao lado de seu cavalete enquanto pinta.
O filho Claude está ao lado do mestre para
ajudá-lo com sua paleta e pincéis. 
Na época em que o filme foi rodado,
Renoir já se encontrava incapaz de andar
e suas mãos estavam contorcidas.
Ele contava com a família e amigos para se mover
 e posicionar sua cadeira de rodas
para que ele pudesse trabalhar.
O seu filho Jean, escreveu no livro Renoir, Meu Pai:

"Suas mãos estavam terrivelmente deformadas. 
Seu reumatismo deixou suas articulações rígidas 
e fez com que os polegares se voltaseem para dentro, 
em direção às palmas das mãos.
Os visitantes que não estavam preparados
para isso não tiravam os olhos da sua deformidade.
Embora eles não se atrevessem a mencionar o fato,
a reação normalmente era expressa por:

Não é possível! Com as mãos assim,
como ele pode pintar essas fotos?
Há algum mistério no ar."


--


Auguste Rodin aos 75 anos, dois anos antes de sua morte.
As duas primeiras cenas mostram o escultor
perto de um edifício com colunas
e posando em um jardim, respectivamente.
A terceira seqüência mostra Rodin esculpindo
naquela que ele considerava sua segunda casa
 e estúdio, o Hôtel Biron. 

Outros notáveis inquilinos do hotel foram Jean Cocteau,
Isadora Duncan, Henri Matisse e Rainer Maria Rilke,
que trabalhou brevemente como secretário de Rodin.





Edgar Degas aos 81 anos, dois antes de sua morte. 

O impressionista desmentido
 (preferia ser conhecido como um realista)
passeia calmamente pelas ruas de Paris.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
colaboração: Ana Rita Libório Junquilho
http://www.ideafixa.com/monet-renoir-rodin-e-degas-em-quatro-videos-rarissimos/

The shrine of Fatema Mæ'sume (sister of Imām ʻAlī ibn-Mūsā Riđā) is located in Qom which is considered by Shia Muslims to be the second most sacred city in Iran after Mashhad.

Fatima Masumeh was the sister of the eighth Imam 'Ali al-Rida and the daughter of the seventh Imam Musa al-Kadhim (Tabari 60). In Shia Islam, women are often revered as saints if they are close relatives to one of the Twelver Imams. Fatima Masumeh is therefore honored as a saint, and her shrine in Qom is considered one of the most significant Shi'i shrines in Iran. Every year, thousands of Shi'i Muslims travel to Qom to honor Fatima Masumeh and ask her for blessings. For more information on the history of Fatima Masumeh, see Fatima bint Musa.

Shrine of Fātimah al-Ma‘sūmah, sister of ‘Alī al-Riđā


Also buried within the shrine are three daughters of the ninth, Twelver Shī‘ah Imām, Muhammad at-Taqī.

The golden dome above the mausoleum

--
The mosque consists of a burial chamber, three courtyards and three large prayer halls, totalling an area of 38,000 m2 (410,000 sq ft). The three prayer halls are named: Tabātabā'ī, Bālā Sar, and A‘dham.

--
Though Shi'i theology formally states that the relatives of the Imams, or imamzadehs, hold a lower status than the Imams, popular Shi'ism still strongly venerates imamzadehs. In Iran, there are many more burial places of the Imams' relatives than there are for the Imams themselves. Imamzadehs are considered to be close to God and religiously pious because of their close relation to Imams. Shi'is commonly travel on pilgrimages to shrines of imamzadehs, such as the Shrine of Fatima Masumeh, the sister of the 8th Imam 'Ali al-Rida, in Qom, Iran. Men and women seek cures to ailments, solutions to problems, and forgiveness of sins at these sites. Many hadiths, or teachings, are recorded from Shi'i Imams praising the veneration of Fatima Masumeh, and proclaiming that those who make a pilgrimage to her Shrine will "certainly be admitted to heaven."

Fatima Masumeh's Shrine in Qom is crowded every day of the year with Shi'i men, women, and children from all around the world. Some stay for hours or days praying at the mosque and circumambulating her tomb. The economy of Qom has become reliant on this pilgrimage for the tourism it brings. In turn, Qom has remained conservative and traditional to maintain a pious environment for pilgrims. Many miracles have been recorded as taking place at this shrine, and they are documented in a special office within the shrine complex. Some are published in the shrines monthly newspaper, the Payam-e Astan.

Pilgrims at the Shrine of Fatima Masumeh follow rituals that have been passed down for centuries. Imam Ali al-Rida, Fatima Masumeh's brother, outlined these ritual acts as he described the way he visited her Shrine. The prayer Imam al-Rida dictated to his sister continues to be part of the pilgrimage. Since the Safavid period, additional rituals have been added that are now typical for many Shi'i pilgrimages including ritual washing beforehand, dressing in perfumed clothing, and entering the site with one's right foot.

--
Since the beginning of Qom's history in the 7th century, the city was associated with Shi'ism and set apart from the Sunni caliphate. Many Shi'i hadiths referred to Qom as a "place of refuge for believers," calling it a deeply religious place. After Fatima Masumeh's death in Qom and the construction of her Shrine, scholars began to gather in Qom and the city gained its reputation for religious learning. Today, Qom is still noted for its religious seminaries and organizations.

Fatima Masumeh died in Qom in 201 A.H. as she travelled to join her brother, Imam Ali al-Rida in Khorasan. The caravan she travelled in was attacked in Saveh by enemies to the Shi'i's, and 23 of Fatima Masumeh's family and friends were killed (Jaffer). Fatima Masumeh was then poisoned by a women from the enemies, fell ill, and asked to be taken to Qom, where she died. Fatima Masumeh's host in Qom buried her in his plot of land.

The style of Fatima Masumeh's Shrine has developed over many centuries. At first, her tomb was covered with a bamboo canopy. Fifty years later, a dome was built above her tomb at the request of the daughter of Imam Muhammad at-Taqī, Sayyida Zaynab. The family of Sayyida Zainab later built two more domes onto the Shrine. This marked the beginning of women patronizing the tomb of Fatima Masumeh.

--
In 1519, Tajlu Khanum, the wife of Shah Isma'il I, led a project to improve the drainage around the Shrine, embellish the Shrine with an ivan and two minarets, and reconstruct the tomb chamber as a domed octagon. During the Safavid dynasty, the women of this family were very active in embellishing the Shrine of Fatima Masumeh. In times of war, Safavid royal women found refuge in Qom, and likely compared their situation to that of Fatima Masumeh. These women donated beautiful fabrics and other items to the Shrine. Shah Abbas I of the Safavids did not patronize the Shrine of Fatima Masumeh as much as he did other shrines of Imams, but he did offer books to the Shrine's seminary library. Many Safavid royalty were buried around the Shrine of Fatima Masumeh.

From 1795-1796, Fath-Ali Shah Qajar converted two Safavid sahn or courtyards into one large courtyard and, in 1803, fixed the golden dome. In 1883, Amin al-Sultan added the new sahn e-jadid or "New Court" to the Shrine complex.

In Ayatollah Khomeini's Iranian Revolution of the 1970s, Qom was named "the birthplace" of this movement. Khomeini studied in Qom and lived there at the beginning and end of the Revolution. Aspects of the culture of Qom, including the Shrine of Fatima Masumeh, were used to unite the Iranian people over significant historical and mythical events. Khomeini used images of the Shrine of Fatima Masumeh in posters, money, and stamps created during the Revolution. Khomeini also constructed an addition to the Shrine of Fatima Masumeh and added more space for pilgrims. In addition, the tomb of Ayatollah Khomeini utilizes architectural elements that are similar to Fatima Masumeh's Shrine, such as the golden dome.


--
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti     colaboração: Ali Reza Sarvdalir


--br
O santuário de Fatema Mæ'sume (irmã de Imām'Alī ibn-Mūsā Riđā) está localizada em Qom que é considerado por muçulmanos xiitas para ser a segunda cidade mais sagrada no Irã depois de Mashhad. Fátima Masumeh era a irmã do oitavo Imam Ali al-Rida e filha do sétimo Imam Musa al-Kadhim (Tabari 60). No islamismo xiita, as mulheres muitas vezes são reverenciados como santos se eles são parentes próximos de um dos imames Twelver. Fátima Masumeh é, portanto, homenageado como um santo, e seu santuário em Qom é considerado um dos santuários xiitas mais importantes no Irã. Todos os anos, milhares de xiitas muçulmanos viajar a Qom para honrar Fátima Masumeh e pedir-lhe bênçãos. Para obter mais informações sobre a história de Fátima Masumeh, consulte Fatima bint Musa.

Também enterrados dentro do santuário são três filhas do nono, Twelver xiita Imam Muhammad at-Taqi.

-
A mesquita é composto por uma câmara funerária, três pátios e três grandes salas de oração, totalizando uma área de 38.000 m2 (410.000 pés quadrados). As três salas de oração são nomeados: Tabātabā'ī, Bālā Sar, e A'dham.

-
Apesar de teologia xiita afirma formalmente que os parentes dos Imames, ou imamzadehs, manter um status mais baixo do que os imãs, xiismo popular, ainda venera fortemente imamzadehs. No Irã, há muitos lugares mais de sepultamento de parentes dos imames 'do que há para os imãs próprios. Imamzadehs são considerados para estar perto de Deus e religiosamente devota por causa de sua estreita relação com imames. Shi'is comumente viajam em peregrinação a santuários de imamzadehs, como o Santuário de Fátima Masumeh, irmã do oitavo Imam Ali al-Rida, em Qom, no Irã. Homens e mulheres procuram curas para doenças, soluções para os problemas, eo perdão dos pecados a estes sites. Muitas hadiths, ou ensinamentos, são registrados a partir de Imames xiitas louvando a veneração de Fátima Masumeh, e proclamando que aqueles que fazem uma peregrinação ao seu santuário irá "certamente ser admitido para o céu.".

Santuário de Fátima Masumeh em Qom é lotado todos os dias do ano, com os homens xiitas, mulheres e crianças de todo o mundo. Alguns ficam por horas ou dias orando na mesquita e circumambulating seu túmulo. A economia de Qom tornou-se dependente desta peregrinação para o turismo traz. Por sua vez, Qom permaneceu conservador e tradicional para manter um ambiente piedoso para os peregrinos. Muitos milagres foram registrados como tendo lugar neste santuário, e eles são documentados em um escritório especial dentro do complexo do santuário. Alguns são publicados nos santuários de jornal mensal, o Payam-e Astan.

Os peregrinos no Santuário de Fátima Masumeh seguir rituais que foram transmitidos por séculos. Imam Ali al-Rida, o irmão de Fatima Masumeh, delineou estes atos rituais, como ele descreveu a maneira como ele visitou seu Santuário. A oração Imam al-Rida ditado a sua irmã continua a fazer parte da peregrinação. Desde o período de Safavid, rituais foram adicionadas que estão agora típico para muitas peregrinações xiitas incluindo a lavagem ritual de antemão, se vestir com roupas perfumadas, e entrar no local com o pé direito.

-
Desde o início da história de Qom, no século 7, a cidade foi associado com o xiismo e separado do califado sunita. Muitas hadiths xiitas referido Qom como um "local de refúgio para os crentes", chamando-o de um lugar profundamente religioso. Após a morte de Fatima Masumeh em Qom ea construção de seu Santuário, os estudiosos começaram a se reunir em Qom ea cidade ganhou sua reputação de aprendizagem religiosa. Hoje, Qom ainda é conhecida pelos seus seminários e organizações religiosas.

Fátima Masumeh morreu em Qom em 201 AH como ela viajou para se juntar a seu irmão, Imam Ali al-Rida em Khorasan. A caravana viajou em foi atacado em Saveh por inimigos para os xiitas do, e 23 da família de Fatima Masumeh e amigos foram mortos (Jaffer). Fátima Masumeh foi então envenenado por uma mulher dos inimigos, caiu doente, e pediu para ser levado para Qom, onde morreu. Acolhimento de Fátima Masumeh em Qom enterrado ela no seu lote de terra.

O estilo do Santuário de Fátima Masumeh tem desenvolvido ao longo de muitos séculos. No início, seu túmulo foi coberto com um toldo de bambu. Cinquenta anos depois, a cúpula foi construída acima de seu túmulo, a pedido da filha do Imam Muhammad at-Taqi, Sayyida Zainab. A família de Sayyida Zainab mais tarde construiu mais duas cúpulas para o Santuário. Isto marcou o início das mulheres paternalista do túmulo de Fátima Masumeh.

-
Em 1519, Tajlu Khanum, a esposa de Shah Ismail I, levou um projeto para melhorar a drenagem em torno do Santuário, embelezar o Santuário com uma ivan e dois minaretes, e reconstruir a câmara do túmulo como um octagon cúpula. Durante a dinastia Safavid, as mulheres desta família foram muito ativos na embelezando o Santuário de Fátima Masumeh. Em tempos de guerra, Safávidas mulheres reais encontraram refúgio em Qom, e provavelmente comparou sua situação à de Fátima Masumeh. Essas mulheres doado belos tecidos e outros itens para o Santuário. Shah Abbas I do Safavids não freqüentam o Santuário de Fátima Masumeh tanto quanto ele fez outros santuários de Imames, mas ele fez oferta de livros à biblioteca do seminário do Santuário. Muitos royalty Safavid foram enterrados em torno do Santuário de Fátima Masumeh.

A partir de 1795-1796, Fath-Ali Shah Qajar convertido dois sahn Safavid ou pátios em um grande pátio e, em 1803, fixou a cúpula dourada. Em 1883, Amin al-Sultan acrescentou o novo e-Jadid sahn ou "New Court" para o complexo do santuário.

Em aiatolá Khomeini Revolução Iraniana de 1970, Qom foi nomeado "o berço" desse movimento. Khomeini estudou em Qom e viveu lá no início e no fim da Revolução. Aspectos da cultura de Qom, incluindo o Santuário de Fátima Masumeh, foram usados ​​para unir o povo iraniano sobre eventos históricos e míticos significativos. Khomeini usou imagens do Santuário de Fátima Masumeh em cartazes, dinheiro e selos criados durante a Revolução. Khomeini também construiu uma adição ao Santuário de Fátima Masumeh e acrescentou mais espaço para os peregrinos. Além disso, o túmulo do Aiatolá Khomeini utiliza elementos arquitectónicos que são semelhantes para o Santuário de Fátima Masumeh, como a cúpula dourada.

Sardarapat memorial museum (1968) symbolizes the historical importance that the battle of Sardarapat had in preserving Armenia and its ancient culture.

The museum was founded by the law accepted by the Parliament of the first republic of Armenia. It was called National anthropological museum-library. On August 20th, 1921 it was opened for the visitors. It was formed on the basis of collections of Caucasian Armenian Ethnographic company, museums of Armenian antiquities of Nor Nakhchevan, Antiquity Depository of Ani, Vagharshapat Matenadaran. The national collection consisted of about 400000 items is kept in the State Museum of Armenian History, completing the culture and history of Armenia coming from pre-historic times.



Sardarapat memorial museum (1968) symbolizes the historical importance that the battle of Sardarapat had in preserving Armenia and its ancient culture. The bell tower was built according to the tradition that all the church bells from Sardarapat to Vagharshapat and Yerevan rang to gather people and keep them sharp and steady. 

To the left from the Sardarapat memorial there is an eth nographical museum which was opened in 1978 on 13th of September and exhibits historical and cultural objects from Armenia's heritage. 

The author of the monument is a renown architect Raphael Israelyan. Without windows, it resembles a fortress. There are two openings in the towers of the building: one faces Aragats and the other – Ararat. There are more than 70000 items on a display i ncluding main exhibitions dedicated to the national culture and history of the heroic May battles. 

The museum is divided into 5 exhibits. One of them contains archeological items of ancient and medieval art, crafts, religion and worship. Displayed are ethnographic instruments, crafts, rugs and carpets, furniture, lace and embroidery, national costumes and jewelry, items related to fam ily, national cuisine and calendar. 

Museum also has photographs, paintings, documents, archive materials as well as objects of decorative art and other ethnic arts and crafts. In the Armenian ethnographic museum remarkable is the archeological collection that contains more than 7000 objects. It displays bronze statuettes of the late Bronze and early Iron Ages, a III millennium B.C. bust of a tribe head that lived in the Armenian highlands, a clay fireplace and various weaponry. 

The gem of the archeological collection is a ladle dating from the Bronze Ages which was found in the late Bronze Age sepulchre located in Berd village, Lori. A priest buried in the same sepulchre used this ladle when performing rituals. A sculptural composition of a deer group repr esents the late Bronze Age art of Armenia. It was made by a local craftsman and was used in the rituals as a worship object. The collection of fabrics is the biggest in the museum. 

There are more than 8000 items representing rugs, embroidery, lace and costumes. The oldest item in the carpet collection dates back to the XVIIth century. The fabrics collection has more than 1600 items and represents everyday and festive attire of the Armenian peasant and urban population. There are more than 2500 lace works, embroidered towels and tablecloths, and 150 tapestries . 

The collection of more than 4500 tools and various objects representing centuries old traditions of primary and secondary economic activities, housekeeping and crafts allows us to have a good picture of the Armenian economic life and culture. Out of 360 music instruments 290 are folk, including 100 string, 159 brass and 31 percussions. 16 belong to other cultures. The oldest instrumenst of the collection are the copper cymbals from1689 and 1696 that are marked with Armenian inscriptions.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.armeniancarpets.am/

colaboração: 
Agapi Yeganyan

Museo Cerralbo. Los jardines de los museos siempre han sido lugares de especial atractivo para sus visitantes, como espacio vivo y cambiante al ritmo de las estaciones, remansos de paz y para el descanso.

El jardín del Museo Cerralbo se convierte en protagonista, desde el próximo mes de octubre, en “El Jardín de los Sentidos”, coincidiendo con la recuperación de un espacio tan emblemático como el edificio del Templete, que ha sido recientemente restaurado por el Ministerio de Educación, Cultura y Deporte.





Cinco meses con los cinco sentidos: la programación comprende una actividad especial por cada mes, hasta febrero de 2016, dedicada a la relación entre la percepción del jardín y cada uno de los cinco sentidos, que nos permitirán recorrerlo y percibirlo de distinto modo. 


Así el mes de OCTUBRE se dedicará a la VISTA, el de NOVIEMBRE al OÍDO, DICIEMBRE al OLFATO, ENERO al TACTO y FEBRERO al GUSTO. Las actividades han sido diseñadas por la empresa “Caligrama. Proyectos Culturales”.

EL JARDÍN DE LOS SENTIDOS:

2015
OCTUBRE, domingo 25: LA VISTA. Visita más taller de composiciones florares Colabora: Vernatura.

NOVIEMBRE, domingo 22: EL OÍDO. El día de Santa Cecilia realizaremos un taller de experimentación y creación de ambientes sonoros con el equipo de La Sonidera.

DICIEMBRE, domingo 13: EL OLFATO. Durante todo el mes habrá una instalación olfativa en el jardín y ese domingo una charla especialnos descubrirá ciertos secretos.


2016
ENERO, domingo 10: EL TACTO. Nos acercaremos a las esculturas y plantas del jardín con unas visitas para tocar sin ver.

FEBRERO, domingo 7: EL GUSTO. Aprovechando la coincidencia del Gastrofestival realizaremos una cata de productos exquisitos.

¡Afinar bien vuestros sentidos porque os esperamos! La información sobre cada actividad será puntualmente acutalizada en nuestra web.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariuotti 

Castelo de Santiago do Cacém, Portugal. Ocupada pelos Alanos durante as primeiras décadas do século V, foi abandonada no século VI, tendo a população se deslocado para a colina vizinha, mais próxima ao mar.

A primitiva ocupação humana de seu local remonta a tribos Celtas. À época da romanização da península Ibérica, a povoação então existente era denominada como Miróbriga, integrando a jurisdição conventual de Pax Julia (atual Beja).


Ocupada pelos Alanos durante as primeiras décadas do século V, foi abandonada no século VI, tendo a população se deslocado para a colina vizinha, mais próxima ao mar. A nova povoação foi sucessivamente dominada pelos Visigodos e no começo do segundo decênio do século VIII, pelos Muçulmanos, quando passou a ser denominada como Kassen.


O castelo medieval
À época da Reconquista cristã da península, Santiago do Cacém foi pela primeira vez tomada em 1158, no contexto da conquista de Alcácer do Sal pelas forças de D. Afonso Henriques (1112-1185). Do mesmo modo, seria recuperada entre 1190 e 1191 pelas forças do califa almóada Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur quando retomaram aquela cidade.



Desde 1186 Sancho I de Portugal havia doado à Ordem de Santiago os domínios de Almada, Palmela e Alcácer do Sal. As duas primeiras haviam sido reconquistadas anteriormente a 1194; a última permaneceu em posse muçulmana até 1217. Neste ano, sob o reinado de D. Afonso II (1211-1223), Cacém passa definitivamente para a posse de Portugal, quando os seus domínios foram também doados aos cavaleiros da Ordem, passando esses monges guerreiros a ocupar-se da reconstrução das suas defesas. A partir deste período, a povoação passa a ser conhecida por seu atual topônimo: Santiago do Cacém, datando desta fase o seu primeiro foral.

Sob o reinado de D. Dinis (1279-1325), o castelo esteve na posse de Vataça Lascaris (Dona Vetácia), aia e amiga da rainha Santa Isabel, no período de 1315 até 1336, quando regressou aos domínios da Ordem de Santiago.

À época da crise de 1383-1385, foi uma das primeiras vilas a declarar partido pelo Mestre de Avis, uma vez que D. Fernando Afonso de Albuquerque, Mestre de Santiago, havia disponibilizado ao seu serviço, todos os recursos de sua Ordem.

Sob o reinado de Manuel I de Portugal recebeu Foral Novo (1512).

À época da Dinastia Filipina, Filipe II de Espanha doou o castelo aos duques de Aveiro (1594).

Da Guerra da Restauração aos nossos dias

A defesa da vila perdeu importância estratégica após a Guerra da Restauração, na segunda do século XVII. O domínio do castelo retornou à posse da Coroa em 1759. A partir de então o antigo castelo foi progressivamente abandonado e entrou em acentuado processo de ruína. As suas dependências foram utilizadas, no século XIX como cemitério da vila.

No século XX, foi classificado como Monumento Nacional por Decreto publicado em 23 de Junho de 1910. Mais recentemente, foram promovidas intervenções de consolidação e restauro a cargo da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN).


Castelo de Santiago do Cacém.
O castelo apresenta planta aproximadamente retangular, conservando os seus muros ainda traços da fortificação muçulmana. As muralhas, ameadas, são reforçadas por dez torres de planta quadrangular e cubelos semi-cilíndricos, defendidas externamente por uma barbacã, também reforçada por cubelos. No conjunto destaca-se a torre de menagem.

No troço Sudeste da muralha encontra-se adossada a antiga Igreja Matriz de Santiago, onde se observam traços do primitivo estilo românico, do estilo gótico e de posteriores remodelações. Em seu interior destaca-se um grupo escultórico em relevo, representando "Santiago combatendo os Mouros". No pórtico sul destaca-se a decoração com motivos zoomórficos.

Na cidadela medieval subsistem vestígios da primitiva alcáçova.

A lenda da fundação
Ao tempo da ocupação muçulmana, era senhor desta região um mouro muito rico que tinha três filhos: dois rapazes e uma rapariga. Muito idoso, sentindo a morte próxima, chamou os filhos e comunicou-lhes o desejo de repartir os seus bens, pedindo-lhes que o fizessem harmoniosamente entre si. Segundo o costume, o rapaz mais velho tomou para si as terras que desejava; o segundo, procedeu do mesmo modo, com a parte restante. Restando ainda vasta extensão de propriedades e riquezas para a jovem, o idoso pai pergunta-lhe se ficara satisfeita com a parte que lhe tocara, ao que ela respondeu: - Sim, meu pai, mas não desejo propriedades. 

Penso que é mais necessário termos um castelo para a nossa defesa. Para mim desejo apenas o terreno que se possa cobrir com a pele de um boi. Diante da admiração do pai e dos irmãos, apresentaram-lhe a pele que pedira, para que pudesse demarcar a parte que reclamara da herança. A jovem fez então cortar a pele em finas tiras, e com elas delimitou o perímetro da área que pretendia. Ao terminar, sucederam-se três dias de forte nevoeiro, ao fim dos quais se dissipou: todos viram então, erguido por artes mágicas, o Castelo de Santiago do Cacém. (Suplemento Litoral Alentejano, Dezembro de 1998, adaptado.)

A lenda da princesa bizantina

Uma outra lenda narra que uma princesa, chamada Bataça Lascaris (Vataça Lascaris), fugiu do Mediterrâneo oriental, no comando de uma aguerrida esquadra por ela mesma armada. A princesa desembarcou em Sines e, à frente das suas tropas, marchou para o Sul, vindo a atacar uma povoação islâmica, governada por um senhor de nome Kassen. Dando-lhe combate, a princesa derrotou-o e matou-o, tomando-lhe o castelo no dia de Santiago (25 de Julho). Por essa razão, colocou à vila o nome de Santiago de Kassen. (Júlio Gil. Os Mais Belos Castelos de Portugal, adaptado.)

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti colaboração: Ana Rita Libório Junquilho 
http://www.cm-santiagocacem.pt/