Listen to the text.

sábado, 3 de outubro de 2015

Unidad Regional Sonora de Culturas Populares e Indígenas, Hermosillo, Sonora, México.

El Instituto Sonorense de Cultura es creado por decreto No. 14, publicado en el Boletín Oficial del 26 de diciembre de 1988, como un organismo descentralizado, con personalidad jurídica y patrimonio propios, cuyo objetivo es promover el desarrollo cultural en la entidad, lo cual implica generar y apoyar un desarrollo integral y armónico a través de la concentración y coordinación sistematizada de los esfuerzos y recursos al alcance de la comunidad.



La Coordinación Estatal de Bibliotecas Públicas se creó el 27 de abril de 1988, autorizada por el C. Rodolfo Félix Valdés, Gobernador del Estado de Sonora, bajo el decreto publicado en el boletin oficial No. 39, donde se establece que la Secretaría de Fomento Educativo y Cultura es responsable de coordinar, enlazar y articular las bibliotecas públicas municipales por conducto del coordinador de la Red Estatal de Bibliotecas Públicas.

La Casa de la Cultura de Sonora se crea bajo decreto el día 2 de mayo 1980, como un organismo encargado de vincular el pasado histórico con el presente transformador, establecido por el Gobernador del Estado, Dr. Samuel Ocaña García, cuyo objetivo es el de promover y fomentar la cultura a través de las diferentes disciplinas artísticas, así como la preservación de las manifestaciones culturales que reafirman nuestra identidad nacional. El 26 de diciembre de 1988 se integra al Instituto bajo el decreto de creación del mismo.

Dirección Estatal de Museos. En agosto de 1985, a través del Departamento de Oficialía Mayor, se creó la Dirección Estatal de Museos y Archivos Históricos; en septiembre de 1986 pasa a formar parte de la Subsecretaría de Cultura, y a partir del 26 de diciembre de 1988, con la creación del ISC se integra a éste mediante el mismo decreto de creación.

Unidad Regional Sonora de Culturas Populares e Indígenas. Se crea en 1978 con el nombre de Dirección General de Culturas Populares, con la finalidad de impulsar en la política cultural un espacio de trabajo institucional para el fortalecimiento de los procesos y manifestaciones de las culturas populares. A partir del 6 de diciembre de 1998 se integra al Consejo Nacional Para la Cultura y las Artes, y el 13 de octubre de 1999 se firma el convenio de descentralización de la Unidad Sonora donde pasa a formar parte del Instituto Sonorense de Cultura.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.isc.gob.mx/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

KUTAISI STATE HISTORICAL ETHNOGRAPHICAL MUSEUM, Georgia

One of the most beautiful cities of Georgia – Kutaisi, is located in Imereti - also rarely beautiful region. The city, as a settled place was born (founded) near the mouth where the River Rioni’s narrow and deep gorge outfalls to the plain. Kutaisi is considered as one of the oldest cities in the world. The old Greek history and mythology dates the city by the “Epoch of Minos” (XVII-XV centuries B.C).



The well known “Argonautica”, which express the tidings older then 3300 years, is totally focused on the main city – Kutaisi.

Starting from the ancient times and even later in feudal age, Kutaisi endured its leadership position in western Georgia (Kolkheti, Egrisi, Lazeti). In 6th century Kutaisi, as the capital of Egrisi Kingdom, became a military polygon of Persia and Byzantium, but as a final result, with the support of Christian Byzantium, city was taken back by Georgians and from 8th century it is a capital of United Kingdom of Egrisi and Abkhazia. In 10th century the importance of Kutaisi is getting(emerging) even bigger as it becomes the first capital of United Kingdom of Georgia and the residential place for King Bagrat III. As a symbol of Unity of the country, he built a beautiful “Bagrati” Cathedral in Kutaisi. Kutaisi was capital of United Georgian Kingdom for 124 years after that.

In 1089 Davit the Builder became the king of Georgia. In 1122, he freed Tbilisi from Arabs and moved the capital. That is the time when the Kutaisi History, as a capital of Georgia is finished. During the period of David the Builder, the unique architectural monument – “Gelati” Monastery and higher Ecclesiastic Academy was build near Kutaisi. Despite of loosing the status of capital, Kutaisi has never lost its place in History of Georgia. Kutaisis is still a cultural, educational and tourist center of the country.




-

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://kutaisi.gov.ge/eng/news/id/90

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.





--br
Uma das mais belas cidades da Geórgia - Kutaisi, está localizado em Imereti - também raramente bela região. A cidade, como um lugar assente nasceu (fundada) perto da boca, onde estreitos e profundos emissários do desfiladeiro do rio Rioni para a planície. Kutaisi é considerada como uma das cidades mais antigas do mundo. A história grega antiga e mitologia datas a cidade pelo "Epoch de Minos" (séculos XVII-XV aC).

O bem conhecido "Argonautica", que expressam as notícias mais velhos, em seguida, 3300 anos, está totalmente voltada para a cidade principal - Kutaisi.

A partir dos tempos antigos e até mesmo mais tarde na idade feudal, Kutaisi suportou sua posição de liderança no oeste da Geórgia (Kolkheti, Egrisi, Lazeti). No século 6 Kutaisi, como a capital do Egrisi Unido, tornou-se um polígono militar da Pérsia e Bizâncio, mas como resultado final, com o apoio de Christian Bizâncio, cidade foi levado de volta por georgianos e do século 8 é uma capital do Reino Reino de Egrisi e da Abkházia. No século 10 a importância de Kutaisi está ficando (emergentes) ainda maior, uma vez que torna-se a primeira capital do Reino Unido de Geórgia eo lugar residencial para o rei Bagrat III. Como um símbolo da unidade do país, ele construiu uma bela "Bagrati" Catedral em Kutaisi. Kutaisi foi capital do Reino Unido para Georgian 124 anos depois disso.

Em 1089 Davit o Builder tornou-se o rei da Geórgia. Em 1122, ele libertou Tbilisi de árabes e mudou a capital. Esse é o momento em que a História Kutaisi, como uma capital da Geórgia está terminado. Durante o período de David the Builder, o monumento arquitectónico único - "Gelati" Mosteiro e superior Eclesiástica Academy foi construído perto de Kutaisi. Apesar de perder o status do capital, Kutaisi nunca perdeu o seu lugar na História da Geórgia. Kutaisis ainda é, um centro educacional e turístico cultural do país.


Musée Reva : le secret le mieux gardé du Témiscamingue

Le Musée Reva est peut-être le secret le mieux gardé du Témiscamingue. Ne cherchez pas l'adresse du domaine dans les brochures touristiques. Vous ne la trouverez pas. Pour visiter le musée à ciel ouvert, il faut y être invité par quelqu'un qui y a lui-même déjà mis les pieds. Mais une fois que les portes du mystérieux domaine s'ouvrent, les milliers d'objets qui s'y trouvent racontent l'évolution de la culture au Témiscamingue, de la préhistoire, en passant par la colonisation, jusqu'à aujourd'hui.



Un article de Félix B. Desfossés



Un des bâtiments du Musée Reva Photo : ICI Radio-Canada / Félix B. Desfossés
« C'était comme un projet de retraite. Je m'étais fait un rêve de ramasser tout ce que j'avais recueilli soit de la maison de mon père, mon grand-père, d'un oncle qui m'a élevé. Moi, je suis un peu un maniaque de ce qui existait autrefois, de ce qui est la mémoire d'autrefois. Et moi je voulais que les gens, mes connaissances, les amis, les gens de Duhamel-Ouest et les autres, de bouche à oreille, je voulais que les gens en profitent. »— Réjean Gaudet


15 ans après sa retraite, juchés sur une colline avec vue sur un merveilleux lac, cinq bâtiments érigés par Réjean Gaudet renferment sa collection d'objets du passé.


C'est après une marche de 5 minutes dans la forêt que ce mini-village féérique apparaît graduellement au cœur des arbres, non sans rappeler la cité des enfants perdus de Peter Pan.


Et cette cité garde la mémoire matérielle du développement du Témiscamingue.



Les bâtiments sont organisés de manière à présenter les objets de M. Gaudet par thématiques : l'agriculture, l'enfance, le travail manuel, le patrimoine académique et religieux, la culture (littérature et musique), l'électronique et finalement la géologie et les fossiles.
À lire aussi : 



Les souvenirs et l'étonnement surgissent de partout. Les objets patrimoniaux entourent, voire enveloppent, le visiteur.


« Quand j'ai été élevé à Béarn, chez mes grands-parents, je voyais les gens qui vendaient toutes sortes de choses aux gens de Montréal, aux Américains, et je voyais tous nos souvenirs et nos mémoires d'autrefois, des gens qui ont défriché le Témiscamingue, disparaitre. J'ai dit : " wow! " Je voulais que ça reste ici et je voulais que les jeunes et les moins jeunes d'ici en profitent. C'est là que j'ai commencé à recueillir toutes sortes de choses. [...] Moi, je trouvais que la mémoire de ce que nos ancêtres ont fait, il fallait que ça demeure ici, au Témiscamingue, parce que quand ça s'en va à l'extérieur, on ne les voit plus. »— Réjean Gaudet

Réjean Gaudet, à l'entrée du parcours qui mène au Musée Reva. Photo : ICI Radio-Canada / Félix B. Desfossés

La mission est accomplie pour Réjean Gaudet. Depuis 15 ans, les Témiscamiens et leurs amis peuvent redécouvrir leur patrimoine en voie de disparition.


Mais le domaine demeure privé. Les visiteurs peuvent s'y rendre, tout à fait gratuitement, mais sur invitation seulement.


« La plupart des gens qui viennent, c'est des gens qui viennent avec des personnes qui sont déjà venues. Alors moi, je ne fais pas de publicité officielle, parce que c'est un musée privé. Mais moi, je veux partager mes choses quand même avec le public, avec des gens qu'on connaît, avec des amis et des personnes qui viennent avec d'autres qui sont déjà venus. »— Réjean Gaudet


Si vous voulez visiter l'endroit, faites-vous un ami Témiscamien ou demandez aux gens que vous croiserez à Ville-Marie. L'un d'eux pourra probablement vous y accompagner.


Ce genre de fréquentation repose toutefois à 100 % sur la confiance envers le public.
« Depuis 15 ans, il n'y a aucune chose qui est disparue de mes bâtisses. Je me dis que si quelqu'un part avec quelque chose, c'est parce qu'il en a plus besoin que moi j'en ai besoin. C'est de valeur pour les autres qui vont venir après et qui ne verront pas cet objet. Mais je n'ai aucun objet qui est parti. »— Réjean Gaudet


Repartir avec un des objets exposés reviendrait, en quelque sorte, à décrocher une des étoiles de la galaxie de précieux souvenirs de Réjean Gaudet.

Avec l'aimable participation de Chloé Beaulé-Poitras, recherche et visite.
Entrée du bâtiment à thématique « travail manuel ». Crédit : ICI Radio-Canada / Félix B. Desfossés


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 
http://ici.radio-canada.ca/regions/abitibi/2015/09/29/002-musee-reva-rejean-gaudet-temiscamingue.shtml

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.


--br

O Museu Reva é talvez o segredo mais bem guardado em Témiscamingue. Não olhe para o endereço do domínio em folhetos turísticos. Você não vai encontrá-lo. Para visitar o museu ao ar livre, você tem que ser convidado por alguém que tenha ele próprio já pôs os pés. Mas uma vez que as portas abrir o misterioso domínio, os milhares de objetos encontrados há que contar a evolução da cultura no Témiscamingue, pré-história, através da colonização, até hoje.

Um artigo de Felix B. Desfossés
Um dos edifícios do Museu Reva Foto: AQUI CBC / Felix B. Desfossés
"Foi como um projeto de reforma. Eu tive um sonho para pegar tudo o que eu tinha recolhido era da casa de meu pai, meu avô, um tio que me criou. Eu sou um pouco de um defensor para o que existia antes, o que é a memória do passado. E eu queria que as pessoas, conhecidos, amigos, pessoas Duhamel e outros, a palavra da boca, eu queria que as pessoas gostam. "- Réjean Gaudet

15 anos após sua aposentadoria, no cimo de uma colina com vista para um belo lago, cinco edifícios erigidos por Réjean Gaudet conter sua coleção de objetos do passado.

Foi depois de 5 minutos de caminhada na floresta mágica este mini-cidade aparece gradualmente no coração das árvores, não muito diferente da cidade das crianças perdidas de Peter Pan.

E esta cidade mantém a memória do desenvolvimento de Témiscamingue hardware.

Os prédios são organizados para apresentar os objetos Mr. Gaudet por temas: agricultura, infância, trabalho manual, herança acadêmico e religioso, cultura (literatura e música), eletrônicos e, finalmente, geologia e fósseis.
Leia também:

Memórias e espanto surgindo em toda parte. Os objetos da herança cercar ou envolver o visitante.
"Quando eu fui trazido em Béarn, com meus avós, eu vi pessoas que vendem todos os tipos de coisas para o povo de Montreal, os norte-americanos, e eu vi todas as nossas memórias e as nossas memórias do passado, as pessoas que apuradas Témiscamingue, desaparecer. Eu disse: "Uau!" Eu queria ficar aqui e eu queria que os jovens e as jovens aqui se beneficiar. Este é o lugar onde eu comecei a coletar todos os tipos de coisas. [...] Eu pensei que a memória do que os nossos antepassados ​​fizeram, tiveram que permanecer aqui em Témiscamingue, porque quando ele vai embora, já não vê-los. "- Réjean Gaudet

Réjean Gaudet, na entrada da trilha que leva a Reva Museum. Foto: AQUI CBC / Felix B. Desfossés

Missão cumprida para Réjean Gaudet. Por 15 anos, o Témiscamingue e amigos podem redescobrir o seu património ameaçado.

Mas o campo permanece privada. Os visitantes podem chegar lá, absolutamente livre, mas apenas por convite.
"A maioria das pessoas que vêm, são as pessoas que vêm com pessoas que já vieram. Assim que eu faço sem publicidade formal, porque é um museu privado. Mas eu quero compartilhar minhas coisas de qualquer maneira com o público, com pessoas que você conhece, amigos e pessoas que vêm com outras pessoas que já vieram. "- Réjean Gaudet

Se visitar a área, faça um amigo Témiscamingue ou pedir às pessoas que se encontram em Ville-Marie. Um deles será provavelmente acompanhá-lo.

Este tipo de tráfego, mas baseia-se em 100% de confiança no público.
"Por 15 anos, não há coisa que está faltando meus edifícios. Digo a mim mesmo que, se alguém sai com alguma coisa, é porque ele precisa mais do que eu preciso me. Isso é importante para os outros que virão depois e que não verá este item. Mas eu não tenho nenhum objeto esquerda. "- Réjean Gaudet

Comece com as exposições que, de alguma forma, para obter uma das estrelas na galáxia memórias preciosas de Réjean Gaudet.

Com o tipo de Chloe Beaulé-Poitras, investigação e empresas.
Temático edifício de entrada "trabalho manual". Crédito: AQUI CBC / Felix B. Desfossés

Kahal Zur Israel - Primeira sinagoga das Américas - Recife, Pernambuco,Brasil. -- First synagogue in the Americas - Recife, Brazil

O Nordeste do Brasil foi a "Terra Prometida" para cristãos-novos e judeus ibéricos nos séculos XVI e XVII. Empurrados pela Inquisição, forçados à conversão, muitos decidiram atravessar o oceano desconhecido em busca de paz e de liberdade de culto. Tiveram importante papel no início da ocupação portuguesa nas novas terras, criando ou se inserindo em diversas atividades. Em especial, na produção e comércio do açúcar.




A ocupação holandesa no Recife trouxe grande número de judeus portugueses de Amsterdã. Com eles, inúmeros cristãos-novos e descendentes que já viviam no Recife retornaram ao judaísmo, formando algumas congregações. Entre elas, aKahal Zur Israel, Primeira Sinagoga das Américas.



Em dezembro de 2001, o prédio original reconstituído foi aberto ao público, sendo hoje um dos mais importantes sítios turísticos da região. A edificação é a parte visível do que foi uma comunidade que atingiu 50% do total de habitantes de origem européia da época, deixando marcos da sua presença em muitos lugares.

"Parede das lamentações"

A formação da comunidade
A formação de uma comunidade judia em Pernambuco ocorreu efetivamente na primeira metade do século XVII, graças à liberdade religiosa durante o governo holandês, comandado por João Maurício de Nassau. Durante seu governo de sete anos (1637-44), ocorreu uma contínua imigração de judeus. Além da motivação principal, que era a religiosa, também havia uma razão econômica para a imigração, já que os judeus portugueses que viviam em Amsterdã tinham fortes laços econômicos com negociantes holandeses. Com 600 famílias, a comunidade judia de Recife se completou com a chegada do famoso líder religioso, Rabino Isaac Aboab da Fonseca, mandado pela Congregação de Amsterdã. Foi então que a congregação Kahal Zur Israel e a construção da primeira sinagoga das Américas ocorreu. No mesmo momento, foram construídas as escolas religiosas Talmud Torah e Etz Hayim, que ficavam localizadas em edifícios multi-níveis. Também havia um cemitério judeu, fora dos limites da cidade, onde hoje está a comunidade dos Coelhos.

Com o declínio do governo holandês, em 1654, e a reinstituição do regime português, a comunidade judaica de Recife teve três meses para vender seus pertences and ir embora em quaisquer navios disponíveis. Uma pequena parte dessa população foi em direção ao Caribe e América do Norte, onde estabeleceram um lugar chamado de Nova Amsterdã, constituindo a primeira comunidade judaica organizada naquela região. Este lugar é hoje conhecido como a cidade de Nova Iorque.

O lugar onde a primeira sinagoga das Américas estava situado foi recentemente identificado and sua estrutura localizada, embaixo de grandes casas, do número 197 ao 203, na Rua do Bom Jesus, antigamente conhecida como Rua dos Judeus, no Recife Antigo. A construção foi demolida no começo do século XX, sendo substituída, primeiro, por um banco e, depois, por uma loja para equipamentos elétricos.

Sinagoga Kahal Zur Israel - Recife - PE, Brasil

O Mikvah e os achados arqueológicos
Setecentas toneladas de terra e mais de mil metros quadrados de emboço foram removidos para se determinar o layout interno exato, identificando as mudanças feitas ao longo dos séculos na construção onde a primeira sinagoga do hemisfério oeste foi situada. Escavações revelaram oito diferentes níveis de piso - correspondendo aos sucessivos níveis da cidade -, as fundações da sinagoga e os restos de mudanças subsequentes feitas na construção. Durante as escavações, alguns materiais arqueológicos foram encontrados, incluindo fragmentos de canos holandeses, pratos e outros elementos que retratam o vida cotidiana da cidade durante aquele período. Um buraco no formato de uma piscina achado dentro da construção onde estava localizada a sinagoga se tornou na descoberta mais importante durante as escavações arqueológicas.

Trabalhos seguintes também revelaram a estrutura de um poço, feito de pedras, uma sobre a outra, sem argamassa, com 1,7 m de profundidade e aproximadamente 70 cm de diâmetro. Dois meses depois, uma comissão de quatro rabinos partiu para o Recife para inspecionar o lugar. Apenas então esse grupo de rabinos brasileiros e argentinos confirmou a descoberta do ritual judeu do Mikvah - um banho para fins de purificação. De acordo com os rabinos, especialistas no assunto, as dimensões estão em conformidade com a tradição judaica. Os rabinos categoricamente afirmam que o Mikvah é o mais importante aspecto da sinagoga e uma das fundações básicas de qualquer comunidade judaica, independente de sua localização. "É no Mikvah que homens e mulheres se purificam diante de Deus", explicam.

Sinagoga Kahal Zur Israel - Recife - PE, Brasil. Fachada

Com a restauração vem a memória do passado
Graças à sua importância para a história dos judeus no Nordeste brasileiro, o projeto escolhido para a restauração das construções onde estava a Sinagoga Kahal Zur Israel teve como principal meta preservar a harmonia estética com um objetivo histórico. Por isso, os elementos arqueológicos descobertos - que são de grande importância - foram ressaltados, sem, entretanto, se transformarem em material de exibição pública. A intervenção também não determinou o período histórico do prédio, mas mostrou as várias etapas das construções em questão. As construções de hoje são resultados acumulados de sucessivas modificações.

Sinagoga Kahal Zur Israel - Recife - PE, Brasil. Quelle: http://www.casadacultura.org/br/pe/recife/Recife_igrejas_fortes_pessoas/Placa_Rua_Bom_Jesus_Antiga_Rua_dos_judeus_grd.jp

Por conta da falta de definição de alguns elementos construídos, o prédio não foi restaurado de volta à sua aparência original do século XVII. Ainda que os estudos tenham sido intensos, o layout original do telhado e de outras áreas internas não puderam ser discernidas, como o tipo de teto da sala de oração ou a parede na parte de trás do edifício. Por outro lado, as escavações arqueológicas expuseram um rico legado abaixo do atual nível da rua. Deixar todas essas descobertas enterradas embaixo do chão ou atrás de muros emboçados não seria lógico. Com isso, o objetivo principal é associar o interesse nessas descobertas arqueológicas com o uso do edifício como um centro de documentação e um memorial judeu, simplesmente reconstituindo a fenda cultural existente a fim de aumentar a importância histórica e artística do local.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://www.kahalzurisrael.com/

colaboração: Vania Luiza de Lira

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.



--in

Kahal Zur Israel
First synagogue in the Americas - Recife, Brazil

History 

History
The history of the Jews in Brazil is extensive, particularly in the State of Pernambuco. Their presence on this soil dates back to the first years of the discovery of Brazil. With Cabral's fleet came Gaspar da Gama, Polish Jew travelling from India, who served as an interpreter for the troops. The importance of the Jewish community during the so-called Portuguese-Brazil and the Dutch-Brazil periods was far greater than what has been written down in the country's official history. The restoration of the building that housed the first synagogue in the Americas has filled the historical gap and contributed to a broader recognition to the sheer plurality of Brazil's roots. Jews were here well before the country came to be known as Brazil, but were forgotten.


The formation of a Jewish community in Pernambuco State occurred effectively in the first half of the 17th century, thanks to the religious freedom under the Dutch government, headed by João Maurício de Nassau. During Nassau's secure seven-year reign (1637-44), there was continuous Jewish migration. Besides the main motivation, which was religious, there was also an economic reason for immigration, as sepharadic Portuguese Jews who settled in Amsterdam had strong commercial ties with Dutch entrepreneurs. With 600 families, Recife's Jewish community was completed with the arrival of the famous religious leader, Rabbi Isaac Aboab da Fonseca, sent by the Amsterdam Congregation. It was then that the Kahal Zur Israel congregation and the construction of the first synagogue in the Americas occurred. At the same time, there was the construction of the Talmud Torah and Etz Hayim religious schools, which were located in multi-level edifices. There was also a Jewish cemetery, outside the city limits, where the suburb of Coelhos is currently located.


With the decline of Dutch rule in 1654, and the reinstatement of the Portuguese regime, Recife's Jewish community had three months to sell off their goods and board any available ship. A small part of this population headed for the Caribbean and North America, where they integrated a place called New Amsterdam, institutionalizing and constituting the first organized Jew community in that region. This place is known today as New York City.


The place where the first synagogue of the Americas was once situated has recently been identified and its structural foundations located under the large houses, numbered 197 through 203, on the street known as Rua do Bom Jesus, previously referred to as Rua dos Judeus (Street of the Jews), in the port region of Recife. The building was demolished at the beginning of the 20th century, being replaced, firstly, by a bank and, later, by a store for electric equipments.

The Mikvah and the archeological findings

Some 750 tons of earth, more than one thousand square meters of plaster were removed to later determine the exact internal layout, identifying the premises and the changes made throughout the centuries in the building where the first synagogue in the Western Hemisphere was situated. Excavations revealed eight different floor levels - corresponding to the successive levels of the city - the foundations of the synagogue and the remains of subsequent changes made to the building. During the diggings, some archeological material was found, including fragments of Dutch pipes, dishware (clay enameled dishes brought by the Portuguese), and other elements that portray the day-to-day life of the city during that period. A hole in the shape of a pool found inside the buildings, where the synagogue was, became the most important discovery during the archeological exavations.


Further works also revealed the structure of a well, made of stones mounted one upon the other, with no mortar, 1.7 meters deep and approximately 70 centimeters in diameter. Two months later, a commission of four rabbis set out for Recife to inspect the site. It was only then that this group of rabbis from Brazil and Argentina confirmed the discovery of the Mikvah-Jewish ritual bath used for purification purpose. According to the rabbis, specialists in the matter, the dimensions are in accordance with Jewish tradition. The rabbis categorically affirm that the Mikvah is the most important aspect of the synagogue and one of the basic foundations of any Jewish community, independent of its location. "It is in the Mikvah that men and women purify themselves before God" - explain.

With restoration comes the recollection of time

Due to its importance to the history of the Jews in the Northeast, the project chosen for the restoration of the buildings where the Kahal Zur Israel Synagogue once stood, endeavored to preserve aesthetic harmony with a historical objective. For this, the archeological elements discovered - which are of great importance - were highlighted, however, without turning this material into an exhibit. The intervention also did not set out to determine the historical period of the building, but to show the various stages of the buildings in question. Today's buildings are the accumulated result of successive modifications.


Due to the lack of definition of some constructed elements, the building was not restored to its original splendor of the 17th century. Despite the intensity of the study, the original layout of the roof and other interior areas could not be discerned, such as the type of ceiling in the prayer room or the wall at the rear. On the other hand, these archeological diggings exposed a rich legacy below the current street level. To leave all of these discoveries buried under the floor or behind plastered walls would not be logical. With this, the main aim is to associate the interest in these archeological findings with the use of the building as a documentation center and a Jewish memorial; simply reconstituting the cultural gap, in order to increase the historical and artistic interest of the locale.

“Ernest Hemingway: Between Two Wars” é a primeira grande exposição sobre a vida do escritor. Para ver até 31 de Janeiro, na Morgan Library Museum, em Nova Iorque.

Nem todos temos a capacidade de “deitar isso cá para fora”. E aqui não falamos apenas de más memórias. Há quem guarde mesmo tudo: são aqueles que vulgarmente conhecemos como acumuladores compulsivos, que não conseguem ver-se livres de nada porque estabelecem relações afectivas com tudo o que é objecto e memória. 



Não estranhe este início de texto, é óbvio que Ernest Hemingway não vivia entre teias de aranha e um sortido de objectos a cheirar a mofo – até porque seria escandaloso que ninguém o tivesse descoberto até agora – mas que o autor norte-americano foi guardando no bolso vários objectos que lhe dizem alguma coisa, lá isso foi. Tanto assim que a Morgan Library Museum, em parceria com a John F. Kennedy Presidential Library and Museum, decidiu organizar a maior e mais significativa exposição em torno do autor, partindo destes artefactos, pedaços de história que agora podem ser vistos. Coisa possível muito por culpa de John F. Kennedy.



Quando Hemingway morreu em 1961, o então presidente – enorme fã do autor – ajudou a viúva Mary Hemingway a ir a Cuba buscar os pertences do marido, gesto que mais tarde a faria oferecer grande parte do arquivo à John F. Kennedy Presidential Library, em Boston – que acolhe a exposição a partir de Março. Para já, “Ernest Hemingway: Between Two Wars”, fica na Morgan, Nova Iorque, até 31 de Janeiro de 2016. Ainda vai a tempo. Sim, é longe, bem sabemos, mas nunca se sabe se não vai dar lá um salto nos próximos meses. Se assim for, fica a dica.

Manuscritos, cartas, fotografias, rascunhos, primeiras edições, bilhetes para touradas, antigos passaportes, tudo quanto seja elemento capaz de traçar um perfil, tudo quanto estimule a nossa imaginação face ao que só lemos e nunca conhecemos de facto sobre Hemingway, um dos grandes escritores americanos e um dos maiores ícones culturais do século XX. 

Aliás, é precisamente esse o foco desta mostra, entender o homem que escreveu obras tão intemporais como “O Velho e o Mar” (1952), “O Sol Nasce Sempre (Fiesta)” (1926) ou “Por Quem os Sinos Dobram” (1940). Para isso, Declan Kiely, curador da exposição, organizou uma viagem rara, com as Grandes Guerras – onde Hemingway quis estar – como separadores. 

Na primeira imagem, escolhida como cartaz e símbolo de boas-vindas para o visitante, um jovem Ernest posa para o retrato de muletas, quando recuperava, em Milão, dos ferimentos de guerra. Estávamos em 1918, no final do conflito onde marcou presença como voluntário da Cruz Vermelha na frente italiana. Depois disso, os anos 20, o tempo em que Hemingway escolheu fazer escala em Paris, tempo em que não havia volta a dar no que à condição de escritor diz respeito. Conheceu F. Scott Fitzgerald, James Joyce, Pablo Picasso, Joan Miró, entre outros, num ambiente que o faria, nas duas décadas seguintes, publicar cinco romances, dois trabalhos de não-ficção e cinco colecções de contos. 

Após Paris, sempre Paris – frase de bolso inventada agora. A capital francesa foi o capítulo que antecedeu a ida de Hemingway para Key West, na Florida, e, posteriormente, para Havana, Cuba, onde viveria com Martha Gellhorn, a sua terceira mulher. Anos sabáticos sabem bem a toda a gente, mesmo para um autor que nunca experiencia o nove-às--cinco da função pública. O casal esticava as pernas na altura entre o sucesso de “O Adeus às Armas” (1929) e “Ter e Não ter” (1937). 

O estatuto de estrela-rock em versão literária já estava alcançado, de tal maneira que a etapa seguinte é na Segunda Guerra Mundial, que Hemingway cobre, jornalisticamente, para a revista norte--americana “Collier’s”. Foi aí que explicou aos seus leitores: “Tenho febre de guerra como se de sarampo se tratasse”. Alguma coragem havia de ter, sobretudo depois da experiência na Primeira Guerra Mundial, de onde não saiu ileso. Nesta secção da exposição pode ver-se um visto de guerra para a Europa, o documento que o permitiu cobrir a Segunda Guerra, assinado por altos cargos dos Aliados. É nestes pequenos pedaços de papel que podemos encontrar Hemingway.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ionline.pt/413961

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.