Listen to the text.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, organizam museu de peixes em Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Uma coleção pode ser hobby para alguns, mas para os pesquisadores da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) é trabalho sério. Eles organizaram um museu de peixes de diversas bacias dos rios de Mato Grosso do Sul para saber quais peixes já estão identificados e classificar espécies ainda desconhecidas.

Pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Dourados (MS) – Montar uma coleção pode ser hobby para alguns, mas para os pesquisadores da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) é trabalho sério. Eles organizaram um museu de peixes de diversas bacias dos rios de Mato Grosso do Sul para saber quais peixes já estão identificados e classificar espécies ainda desconhecidas.

O museu tem como objetivo ter uma coleção de referência de representantes de peixes do Estado, “o número de espécies de peixes registradas no MS até hoje é de 356 espécies, incluindo as bacias do Alto Paraná e Paraguai, na nossa coleção temos 217 espécies de peixes registradas em rios e riachos, mas ainda falta organizar as da planície pantaneira, então acredito que vamos nos aproximar de 300 espécies”, disse o coordenador do projeto, Yzel Rondon Súarez.

Os pesquisadores da UEMS trabalham, principalmente, na porção sul do Estado, nas bacias do Rio Ivinhema (que abrange o Rio Dourados, Brilhante e Vacaria), Amambai, Iguatemi, Miranda e Apa. Também estão começando parcerias para obter peixes do rio Sucuriú e Rio Verde, entretanto as espécies da região do Pantanal foram pouco identificadas.

Atualmente, no Estado o objetivo dos pesquisadores é integrar as informações para poder identificar os peixes que existem em cada rio ou em mais de um rio. “Neste momento nós não temos a informação de peixes que existiam há anos atrás e agora não existem, porque há muitas regiões do Estado que nunca foram coletadas. Então se não sabemos nem o que tem, não tem como saber quais espécies perdemos ou estamos perdendo. Nós temos grandes lacunas no Estado de coletas, então tem grande áreas que simplesmente a gente não tem nenhuma informação do que existe”, explicou o professor.

Pelo projeto Biota MS, que visa unir pesquisadores do Estado, a UEMS tem parceria com professores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul em Campo Grande e de Três Lagoas, da Uniderp, além da Universidade Estadual de Maringá, do museu de zoologia da Universidade de São Paulo (USP) e com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Antes da organização do museu todo material coletado era depositado em outras coleções, sendo que o grupo de pesquisadores da Universidade é responsável por cerca da metade das coletas já registradas no Estado. “O museu é uma forma de buscar representar a biodiversidade tanto para a continuidade dos trabalhos, quanto para poder servir de um registro para novos estudos no futuro e para pesquisadores que se interessem pela nossa biodiversidade. Toda vez que levamos este material para outros museus os pesquisadores se interessam, porque temos espécies aqui que não se encontram em outros locais, tanto pela raridade, quanto pelo fato da amostragem aqui ser praticamente inexistente”, mostrou Súarez.

Contudo, muitas espécies podem deixar de ser conhecidas, pois, além da expansão da agropecuária, hidrelétricas devem ser construídas em locais onde há pouca informação sobre as comunidades aquáticas. “Uma preocupação que temos é que várias centrais hidrelétricas que existem ou que estão aprovadas para começar a construção no Estado estão em locais onde ainda não existem registros de amostragens de peixes, então precisamos realizar estudos antes que estas usinas comecem a funcionar e a gente possa perder as espécies que ocorrem ali”, disse o pesquisador da UEMS.

Participam do projeto os alunos Fabiana Silva Ferreira (mestranda no PGRN), Élida Jerônimo Gouveia (acadêmica do 4º ano de Ciências Biológicas) e Djalma Pereira Moraes (biólogo egresso da UEMS e Bolsista do Programa Biota).

Veja algumas espécies raras:


Scoloplax empousa – conhecido como bagrizinho – é raro, tem registros em quatro locais – É encontrado em córregos com bastante lodo, principalmente na região de Nova Alvorada do Sul e Ivinhema.


Paravandellia – conhecido como Peixe vampiro – por ser considerado um parasita de outros peixes. Ele é difícil de ser encontrado, pois fica enterrado na areia durante o dia e sai à noite para se alimentar.

Produzido pelo Projeto Mídia e Ciência UEMS (Fundect



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 

http://jornaldiadia.com.br/pesquisadores-organizam-museu-de-peixes-na-uems/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Museu da rede Karpeles. Quer ler as cartas de Cristóvão Colombo e as notas de Einstein?

Tem de viajar até St. Louis, EUA. A rede de museus Karpeles, maior colecção de manuscritos do mundo, tem cartas do famoso descobridor, de físicos e presidentes.

"Papá, olha, é o Thomas Jefferson, a letra dele é mesmo parecida com a minha", disse a menina, de 10 anos, ao pai, na visita a uma biblioteca. Estávamos em 1978 e foi nesse momento que David Karpeles, o pai, passou de mero visitante a visionário. Começou a coleccionar documentos e hoje tem cerca de um milhão espalhados por vários museus. A história é contada pelo St. Louis Post-Dispatch, maior jornal de St. Louis, Estados Unidos, onde acaba de abrir o mais recente museu da rede Karpeles. 



No início, até os amigos dos filhos iam de propósito, lá a casa, apreciar as raridades que comprava. Hoje, com 70 anos, David tem a maior colecção privada de documentos do mundo, é o proprietário da rede Karpeles Manuscript Library Museums. São 14. O primeiro abriu em 1983 e, entretanto, já chegou aos estados do Minnesota, Carolina do Sul, Washington e Flórida. É através da Sotheby’s ou da Christie’s que acede aos documentos, mas também já comprou na rua, a um dealer. 

Foi com outros negócios que conseguiu manter o capricho de ter em mãos manuscritos como a Proclamação da Emancipação (lei que aboliu a escravatura) de Abraham Lincoln, que comprou por 35 mil euros – vale agora 2 milhões. Notas de Albert Einstein onde é possível encontrar a fórmula E=mc2 (parte da teoria ou princípio da relatividade) ou textos de Galileu Galilei, parte do seu último livro, "Diálogo Sobre as Duas Novas Ciências", de 1638, são outras preciosidades que conseguiu juntar à colecção.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 

http://www.sabado.pt/vida/detalhe/quer_ler_as_cartas_de_cristovao_colombo_e_as_notas_de_einstein.html

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.



MUSEO LOCAL: CRISIS DE IDENTIDAD -- · en GESTIÓN, INSTITUCIONES,MUSEO, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN, PATRIMONIO. ·

Estamos siento testigos de un buen número de transformaciones en el mundo de los museos. Pero todos estos cambios provocan cosas buenas y también alguna duras. Observamos cambios que están evidenciando la existencia de una crisis de identidad en las instituciones patrimoniales. Muchos museos no cambian, no ven razones para hacer cambios, se mantienen inalterables a lo largo del tiempo; los años pasan y siguen igual, esos museos no sufren crisis de identidad, ni tampoco disfrutan de visitantes. Los museos tradicionalistas defienden e insisten sobre que son las personas las que se deben adaptar a las cosas, cuando es precisamente todo lo contrario, y más en el mundo en que nos ha tocado vivir.


Los museos deben ser conscientes de que la evolución debe existir, que existe lo queramos o no, y que su adaptación a los cambios debe ir al ritmo de la evolución de la sociedad, el medio de dónde provienen nuestros visitantes y publico potencial. El museo debe adaptarse a las personas y no al revés. Definir la identidad del museo y su labor en función a esa idea es una labor prioritaria para encarar la evolución a la que debería estar sometido el museo siempre, día tras día, sin descanso.


Siempre hemos hablado del museo desde el profundo conocimiento de sus orígenes, de nuestra percepción sobre sus colecciones y funciones, partiendo de la base de la definición que ICOM tiene sobre estas instituciones, incidiendo incluso sobre esa importancia del impacto que sufren los museos antes una sociedad vertiginosamente cambiante, que cada vez son más rápidos, sobre todo en lo relativo a lo qué realmente interesa al público y como dirigirse a él. El museo debe ser la representación viva de la sociedad en el ámbito de su función, normalmente dentro de los relativo a la preservación del patrimonio, su estudio y su exposición, pero sin dejar de tener en cuenta que el museo debe ser generador de cultura y conocimiento.


Hay responsables de museos que se muestran ajenos con relación a los cambios que están ocurriendo ahí fuera. Hay quien lucha por mantenerse igual, defendiendo vehementemente la idea de que los museos deben seguir siendo lo que siempre han sido, y eso es algo que no se debe variar ya que desvirtuaría totalmente la esencia del museo como tal. Normalmente es la opinión del responsable de un museo vacío de público.


El museo es un símbolo de identidad cultural en todas sus expresiones, a cada uno la que le da la razón de su existencia y, en consecuencia, es el representante de una sociedad en constante evolución. La preservación de la integridad del patrimonio y contribuir a la buena evolución de la sociedad formando parte de la difusión del conocimiento universal. Ese es el barco al que hay que subirse, pero no para luego tirarse a la bartola en una de las hamacas de estribor, de eso nada, hay que bajar a la sala de máquinas para asegurarnos que el barco avanza.

Archivo EVE

El museo ya no es una realidad estática e inamovible, debe ser una entidad dinámica y creativa que sea capaz de formar parte de un contexto social que exige un nuevo tipo de museo acorde a las ideas de los nuevos tiempos. Si seguimos teniendo dos líneas de identidad: los que se aferra a la tradición y a una visión miope del pasado y los que tienen visión de futuro sin renunciar a sus valores del pasado y que caminan al ritmo de la sociedad y su desarrollo. Los primeros están condenados a desaparecer y lo harán ante la mirada atónita de sus responsables, con cara de no estar entendiendo la razón de que, finalmente, tengan que cerrar por ausencia de visitantes. El polvo no forma parte de las exposiciones y eso es algo que deben entender.


Cuando nos hemos reunido con este perfil tradicional de respondables de museos para hablarles de la incorporación de la tecnología – dejando de lado el importantísimo tema de la renovación de la museografía – y explicarles los beneficios de: websites, redes sociales, museos virtuales, realidad aumentada, interacción, smartphones, apps, acciones fuera del museo, soportes de comunicación dirigidos a la infancia, accesibilidad, etcétera, y nos han mirado raro, usando el razonamiento de que los museos no deben cambiar así, están pidiendo a gritos el cierre inmediato del museo. ¿Necesitamos un relevo generacional? Definitivamente, sí.




colaboração:  Espacio Visual Europa (EVE)

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

compartilhe

Omsk regional M.A. Vrubel museum of fine arts, Siberia

The citizens of Omsk are proud of the Vrubel Museum of Fine Arts established in 1924. Its collection contains over 25,000 items, the most part of which is of global importance: outstanding paintings of Russian and European artists, sculptures, the graphic arts, prints, rare print publications, furniture, rich bronze collection, creations of famous Carl Faberge and items of Russian, French, Sachs and Chinese porcelain factures. 





The exposition possesses one of the best collection of paintings by prominent Russian artists as Vrubel, Venetsianov, Levitan, Makovsky, Kramskoi, Borisov-Musatov, Vereschagin, Konchalovsky, Kandinsky, Benua, Korovin, Polenov, Repin, Roerich, Serov and Surikov.



The museum exposition occupies two buildings. The first one is a former Trade Corpus built upon the project of architect Kryachkov in 1914, and the second one is a former Governor-General Palace, built on the left bank of the river Om’ upon the project of architect Wagner in 1859–1862.

-
The hugest in Siberia and Far East art collection of fine arts includes about 30 thousand memorials of world's fine arts. Art works of painting, graphic art, sculpture, items of decorative and applied art, rare printed editions and documentary memorials were created by masters of Russia, Western and Eastern Europe, Central and Middle Asia, Middle East, North Africa and North America. History of Omsk regional M.A. 

Vrubel museum of fine arts starts from the art gallery founded at West-Siberian Area museum and opened for visitors on 21 December 1924. Historical axis of the "golden fund" in Omsk is formed of art works by foreign masters of XVI-XVIII centuries - Isaac Van Ostade, David Teniers Junior, Jan Venix, Simon Vue, Clodion, and masterpieces by Russian artist of XVIII - early XX century: I.K. Aivazovsky, A.V. Lentulov, I.E. Repin, I.I. Shishkin, M.A. Vrubel. Numerous exhibitions, both held in the museum itself or in the exposition grounds of other Russian or foreign cities, contribute to promotion of collections


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 

http://www.russianmuseums.info/M1567

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

REGIONAL MUSEUM PRAGUE-EAST Brandýs nad Labem – Stará Boleslav, Czech Republic,

Our museum is located in the centre of Brandýs nad Labem – Stará Boleslav town and we are financed by the Central Bohemia Region. Our museum is a cultural institution with more than a hundred years of history. We collect, preserve and document objects that help us to learn more about the past of our region, and about its nature, covering the area of Brandýsko and Říčansko.




The Regional Museum Prague – East cares for the permanent expositions installed in four different facilities:


Arnoldin‘s House
The Executioner’s House of Brandýs
The Jenštejn Castle ruins

Memorial House of Josef Lada and his daughter Alena in Hrusice

We also hold various temporary exhibitions both for children and adults, lectures, performances and other events. We believe that every visitor of our museum should not only learn from the expositions but also enjoy the time spent. Through our website we inform the public about the archaeological research and other activities conducted by our museum. We are looking forward to your visit, and hope you will enjoy your stay with us.

-
Jenštejn Castle ruins

The Jenštejn Castle situated to the Southeast of Prague has become a popular destination of tours thanks to its easy accessibility and a picturesque look.

The ruins of Jenštejn, now a property of the Jenštejn municipality, were designated a cultural monument and it opened to public in 1977, after it had undergone an excessive reconstruction.

The Regional Museum of Prague-East prepared and installed a small exhibition at the site, dedicated to the constructional and historical development of the castle, including the results of the archaeological research, but also recent history and ethnography of the village. The round tower of the castle, dominating the flat landscape, serves as a lookout.

Castellan of the Jenštejn castle:


--
Memorial House of Josef Lada and his daughter Alena


Those who wish to visit the Memorial House, must head towards a small central bohemian village of Hrusice, not far from Prague. The house nr 115, today called the Lada’s Vila, can be found at the end of the village. Standing in front of the house, one can see a huge garden to the right, where two independent sculptures inspired by the painter’s works, to the left one can see the very forest where Josef Lada used to go mushroom picking.

Two huge lindens, planted in memory of two Josef Lada’s daughters, Alenka and Evička, guard the entrance to the garden. The building houses the exhibition focused on the life and work of Josef Lada and his daughter Alena Ladová.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 

www.hrusice.muzeumompv.cz

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.