Listen to the text.

sábado, 14 de novembro de 2015

Victoria and Albert Museum. The world's leading museum of art and design. Japanese Art & Design - Motifs & symbols: natural features

As the world's leading museum of art and design, the V&A enriches people's lives by promoting the practice of design and increasing knowledge, understanding and enjoyment of the designed world.

Japanese Art & Design

The natural world - mountains, clouds, rivers, the sea - are often depicted in Japanese art. Clouds represent elegance and high status. In Buddhism, clouds signify the ‘Western Paradise’ beyond earth; and in Shintoism, the spirits of the dead. Mountains represent the unyielding, or unmoving. Water, or waves, signify power and resilience. Waves constantly ebb and flow and so symbolize great tactical ability.
Buddhist Priest's Mantle (Kesa)


Buddhist priest's mantle (or kesa)
Japan
18th or 19th century
Silk brocade

Buddhist Priest`s Mantle or Kesa; tapestry weave with pictures of birds (peacocks, herons, storks and doves); a woman with birds feet, flying through a stylised coloured sky of yellow, with clouds of blue, green, brown, orange & red. Below is a stylised representation of a foaming sea (blue and white semi-circles) and rocks. The design also includes six orange squares with three yellow edged green circles.




http://www.vam.ac.uk/content/articles/j/japanese-art-and-design-themes/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.

Museum of Anatolian Civilizations, Gözcü Street No:2 06240 Ulus, Ankara, Turkey. --- Museu das Civilizações da Anatólia, Gözcü Street No: 2 06240 Ulus, Ancara, Turquia

The Museum of Anatolian Civilizations (Turkish: Anadolu Medeniyetleri Müzesi) is located on the south side of Ankara Castle in the Atpazarı area in Ankara, Turkey. It consists of the old Ottoman Mahmut Paşa bazaar storage building, and the Kurşunlu Han. 

            Open square in front  of the museum entrance                                    
A historical view of Kurşunlu Han
                                 now the main museum building.

Because of Atatürk's desire to establish a Hittite museum, the buildings were bought upon the suggestion of Hamit Zübeyir Koşay, who was then Culture Minister, to the National Education Minister, Saffet Arıkan. After the remodelling and repairs were completed (1938–1968), the building was opened to the public as the Ankara Archaeological Museum.

Today, Kurşunlu Han, used as an administrative building, houses the work rooms, library, conference hall, laboratory and workshop. The old bazaar building houses the exhibits. Within this Ottoman building, the museum has a number of exhibits of Anatolian archeology. They start with the Paleolithic era, and continue chronologically through the Neolithic, Early Bronze, Assyrian trading colonies, Hittite, Phrygian, Urartian, Greek, Hellenistic, Roman, Byzantine, Seljuq and Ottoman periods. There is also an extensive collection of artifacts from the excavations at Karain, Çatalhöyük, Hacılar, Canhasan, Beyce Sultan, Alacahöyük, Kültepe, Acemhöyük, Boğazköy (Gordion), Pazarlı, Altıntepe, Adilcevaz and Patnos as well as examples of several periods.


Bronze figurine of a naked woman breast-feeding a baby,
 from a grave in Horoztepe.



The exhibits of gold, silver, glass, marble and bronze works date back as far as the second half of the first millennium BC. The coin collections, with examples ranging from the first minted money to modern times, represent the museum's rare cultural treasures.

Mother Goddess from Çatalhöyük, frontal view



Museum of Anatolian Civilizations reaching the present time with its historical buildings and its deeply rooted history was elected as the first "European Museum of the Year" in Switzerland on April 19, 1997.


Stag statuette, symbol of a Hittite male god



Open square in front of the museum entrance

The first museum in Ankara was established by Mübarek Galip Bey, Directorate of Culture, in 1921, in the section of the Castle of Ankara called Akkale. In addition to this museum, artifacts from the Augustus Temple and the Byzantine Baths were also collected. Upon recommendation of Atatürk and from the view of establishing an "Eti Museum" in the center, the Hittite artifacts from the region were sent to Ankara and therefore a larger museum was needed.



The Director of Culture at that time, Hamit Zübeyir Koşay and Saffet Arıkan, Minister of Education recommended that the Mahmut Paşa Bazaar and the Inn be repaired and converted into a museum. This recommendation was accepted and restoration continued from 1938 to 1968. Upon the completion of repairs of the bazaar, where the domed structure is, in 1940, a committee chaired by German Archaeologist H. G. Guterbock arranged the museum.[citation needed]

In 1943, while the repairs of the building were still in progress, the middle section was opened for visitors. Repair projects of this part were carried out by Architect Macit Kural and repair work upon tender was performed by Architect Zühtü Bey. In 1948 the museum administration left Akkale as a storage house, and the museum was in four rooms of Kurşunlu Han the repairs of which were completed. Restoration and exhibition projects of the part around the domed structure were prepared and applied by Architect İhsan Kıygı. Five shops were left in their original form, and the walls between the shops were destroyed and thus a large location was provided for exhibition. The museum building reached its present structure in 1968. Kurşunlu Han, which has been used as an administration building, has research rooms, a library, a conference hall, a laboratory and workshops, and the Mahmut Pasha Vaulted Bazaar has been used as the exhibition hall.


A historical view of Kurşunlu Han, now the main museum building.

The Anatolian Civilizations Museum is in two Ottoman buildings located near Ankara Castle, in the historical Atpazarı district of Ankara. One of the buildings is Mahmut Paşa Bedesteni and the other is Kurşunlu Han (inn, caravanserai).

The Mahmut Paşa Bedesteni was built by Mahmut Pasha, one of the ministers (viziers) of Mehmed II the Conqueror during 1464-1471. The building does not have any inscriptions. In some sources, it is recorded that pure Angora garments were distributed here. The design of the building is of the classical type. There are 10 domes covering a rectangle designed to enclose the location, and there are 102 shops facing each other.

According to historical records and registry books, the Kurşunlu Han was built as a foundation (vakıf) to finance Mehmet Pasha's (Mehmet the Conqueror's vizier) alms giving in Üsküdar, Istanbul. It does not have any inscriptions either. During the repairs of 1946, coins of the Murat II period were discovered. The findings indicate that the Han existed in the fifteenth century. The Han has the typical design of Ottoman Period hans. There is a courtyard and an arcade in the middle and they are surrounded by two-storey rooms. There are 28 rooms on the ground floor, 30 rooms on the first floor. The rooms have furnaces. There is a barn with an "L" type on the ground floor on west and south directions of the rooms. On the north side of the han there are 11 shops and 9 shops on east side and 4 shops facing each other within the garden. The inn (han) was built by Mehmet Pasha and in 1467 Mehmet Pasha was promoted to Prime Minister (Grand Vizier). Upon orders by Mahmut Pasha the vaulted bazaar was built. He kept his position until 1470. He had his mosque, soup kitchen and madrasa in Üsküdar, and his body is buried there.

These two buildings constituting the museum today were abandoned after the fire in 1881.





Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.





--br via tradutor do google
Museu das Civilizações da Anatólia, Gözcü Street No: 2 06240 Ulus, Ancara, Turquia

O Museu das Civilizações da Anatólia (em turco: Anadolu Medeniyetleri Müzesi) está localizado no lado sul de Ancara Castelo na área de Atpazarı em Ancara, Turquia. Consiste no antigo edifício de armazenamento bazar otomano Mahmut Paşa, eo Kurşunlu Han.

Por causa do desejo de Atatürk para estabelecer um museu hitita, os edifícios foram comprados por sugestão de Hamit Zübeyir Koşay, que era então ministro da Cultura, com o ministro da Educação Nacional, Saffet Arıkan. Após a remodelação e reparos foram concluídos (1938-1968), o edifício foi aberto ao público como o Museu Arqueológico de Ancara.

Hoje, Kurşunlu Han, usado como um edifício administrativo, abriga as salas de trabalho, biblioteca, sala de conferências, de laboratório e oficina. O edifício bazar velho abriga as exposições. Dentro deste edifício otomano, o museu tem uma série de exposições de arqueologia Anatolian. Eles começam com o Paleolítico, e continuar em ordem cronológica através do Neolítico, Bronze adiantada, colônias comerciais assírios, hititas, frígios, Urartian, grego, helenística, romana, bizantina, Seljuq e períodos otomanos. Há também uma extensa coleção de artefatos das escavações em Karain, Çatalhöyük, Hacılar, Canhasan, Beyce Sultan, Alacahöyük, Kültepe, Acemhöyük, Boğazköy (Gordion), Pazarlı, Altıntepe, Adilcevaz e Patnos, bem como exemplos de vários períodos.

As exposições de ouro, prata, vidro, mármore e bronze obras remontam tanto quanto a segunda metade do primeiro milênio antes de Cristo. As coleções de moedas, com exemplos que vão desde o primeiro dinheiro cunhadas aos tempos modernos, representam raros tesouros culturais do museu.

Museu das Civilizações da Anatólia atingindo o tempo presente, com seus prédios históricos e sua história profundamente enraizado foi eleito como o primeiro "Museu Europeu do Ano" na Suíça em 19 de abril de 1997.

Praça em frente à entrada do museu
O primeiro museu em Ancara foi estabelecida por Mubarek Galip Bey, Direcção da Cultura, em 1921, na seção do Castelo de Ankara chamado Akkale. Além deste museu, artefatos a partir do Templo de Augustus e os Banhos bizantinos também foram coletados. Por recomendação de Atatürk e do ponto de vista da criação de um "Eti Museum" no centro, os artefatos hititas da região foram enviados para a Ankara e, portanto, era necessário um museu maior.

O Director da Cultura naquela época, Hamit Zübeyir Koşay e Saffet Arıkan, Ministro da Educação recomendou que o Mahmut Paşa Bazaar eo Inn ser reparado e convertido em um museu. Esta recomendação foi aceite e restauração continuou de 1938 a 1968. Após a conclusão dos reparos do bazar, onde a estrutura abobadada é, em 1940, uma comissão presidida pelo arqueólogo alemão HG Guterbock organizou o museu. [Carece de fontes?]

Em 1943, enquanto os reparos do prédio ainda estavam em andamento, a seção do meio foi aberto para os visitantes. Projectos de reparação de esta parte foram realizados pelo arquiteto Macit Kural e trabalhos de reparação mediante concurso foi realizado pelo arquiteto Zühtü Bey. Em 1948, a administração do museu deixou Akkale como casa de armazenamento, eo museu estava em quatro salas de Kurşunlu Han os reparos dos quais foram concluídos. Foram elaboradas e aplicadas pelo arquiteto İhsan Kıygı Restauração e exposições projetos da parte em torno da estrutura abobadada. Cinco lojas foram deixados em sua forma original, e as paredes entre as lojas foram destruídas e, portanto, uma grande localização foi fornecida para a exposição. O edifício do museu alcançou a sua actual estrutura em 1968. Kurşunlu Han, que tem sido usado como um edifício administrativo, tem salas de pesquisa, uma biblioteca, uma sala de conferências, um laboratório e oficinas, ea Mahmut Pasha Vaulted Bazaar tem sido utilizado como a exposição corredor.

Uma visão histórica da Kurşunlu Han, agora o edifício principal do museu.
O Museu das Civilizações da Anatólia é em dois edifícios localizados perto otomanos Ankara Castle, no centro histórico Atpazarı de Ancara. Um dos edifícios é Mahmut Paşa Bedesteni eo outro é Kurşunlu Han (estalagem, hospedaria).

O Mahmut Paşa Bedesteni foi construído por Mahmut Pasha, um dos ministros (vizires) de Mehmed II, o Conquistador, durante 1464-1471. O edifício não tem nenhum inscrições. Em algumas fontes, está registrado que roupas Angora puras foram distribuídos aqui. O design do edifício é do tipo clássico. Há 10 abóbadas que cobrem um retângulo desenhado para incluir o local, e há 102 lojas voltadas uma para a outra.

De acordo com registros históricos e livros de registro, o Kurşunlu Han foi construído como uma fundação (Vakif) para financiar Mehmet Pasha do (Mehmet, o Conquistador vizir) dar esmolas em Üsküdar, em Istambul. Ele não tem nenhum inscrições também. Durante os reparos de 1946, foram descobertas moedas do período Murat II. Os resultados indicam que o Han existia no século XV. O Han tem o design típico do período otomano hans. Há um pátio e uma sala de jogos no meio e eles são cercados por quartos de dois andares. Há 28 quartos no piso térreo, 30 quartos no primeiro andar. Os quartos possuem fornos. Há um celeiro com um "L" tipo no piso térreo em direções oeste e sul de quartos. No lado norte do han existem 11 lojas e 9 lojas no lado leste e 4 lojas que enfrentam-se dentro do jardim. A pousada (han) foi construído por Mehmet Pasha e em 1467 Mehmet Pasha foi promovido a primeiro-ministro (grão-vizir). Após ordens por Mahmut Pasha bazar abobadado foi construído. Ele manteve sua posição até 1470. Ele teve sua mesquita, cozinha de sopa e madrasa em Üsküdar, e seu corpo está enterrado lá.

Estes dois edifícios que constituem o museu hoje foram abandonadas após o incêndio em 1881.

UNESCO lança publicações sobre sítios arqueológicos e patrimônios mundial e imaterial no Brasil

Um livro pode nos levar a lugares longínquos, nos causar diferentes sensações e possibilitar variadas descobertas. Quando se une essa capacidade à vontade de viajar e conhecer belos lugares e que tenham valor extraordinário para a humanidade, a curiosidade é geral.

Igreja de São Francisco de Paula. Image © Leandro Neumann Ciuffo, via Flickr. CC

Duas publicações produzidas em coedição pelo escritório da UNESCO no Brasil e a Editora Brasileira e que priorizam as imagens – acompanhadas por breves textos (em português e em inglês) – reforçam o prazer das muitas viagens que começam nas páginas de um livro.

As publicações “Patrimônio da Humanidade no Brasil: suas riquezas culturais e naturais”, com textos de Marilúcia Botallo, fotos de Marcos Piffer e ilustrações de Paulo Von Poser, e “Sítios arqueológicos brasileiros”, com textos de Cristiane de Andrade Buco e introdução de Niède Guidon, foram lançadas semana passada. 

A primeira teve o patrocínio da Deicmar e da Cerâmica Portinari e a segunda, da Mineração Jundu/Saint Gobain. Ambas contam com o apoio do Ministério da Cultura doBrasil e poderão ser adquiridas nas Livrarias Cultura de vários estados e em grandes livrarias como Saraiva, FNAC, Travessa e outras.

Patrimônio da Humanidade no Brasil: suas riquezas culturais e naturais

O Brasil possui hoje 19 sítios inscritos na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO, sendo 11 sítios do Patrimônio Cultural, sete sítios do Patrimônio Natural e um sítio na categoria de Paisagem Cultural, que é o Rio de Janeiro – o primeiro desta categoria em todo o mundo. Conheça aqui quais são os sítios brasileiros que estão na lista da UNESCO.

Eles são regidos pela Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural, de 1972, da qual o Brasil é signatário. Com imagens deslumbrantes, todos os sítios do país estão representados na publicação Patrimônio da Humanidade no Brasil: suas riquezas culturais e naturais.

Além desses bens, a publicação traz também informações e ilustrações sobre os itens brasileiros inscritos na Lista do Patrimônio Imaterial da UNESCO, que é regida pela Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, de 2003.

São eles: Expressões Orais e Gráficas dos Wajãpis, do Amapá; Samba de Roda do Recôncavo Baiano, Bahia; Yaokwa, ritual do povo enauenê-nauês para a manutenção da ordem social e cósmica, Amazônia; Museu Vivo do Fandango, das comunidades costeiras do Sul e Sudeste do Brasil; Frevo, artes cênicas do carnaval de Recife, Pernambuco; Círio de Nazaré na cidade de Belém, Pará, e Roda de Capoeira, manifestação cultural afro-brasileira. Mais informações sobre esses itens que fazem parte dessa outra lista da UNESCO você encontra aqui.

O objetivo da publicação é difundir os sítios que são patrimônio mundial no Brasil e os que estão na Lista do Patrimônio Imaterial como forma de valorizar e reforçar a importância cultural do país em sua região e em todo o mundo.


Sítios arqueológicos brasileiros
A exploração de sítios arqueológicos no Brasil traça novas hipóteses sobre a chegada do homem à América, questão que sempre desperta grande interesse não apenas dos estudiosos mas da sociedade em geral. Quem não quer saber mais sobre o passado da Humanidade?

Um dos principais sítios arqueológicos brasileiros, se não o principal, é o da Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, no sudeste do estado do Piauí, um dos pontos de estudo em que se descobriram vestígios de civilização datados de 40 mil anos. As escavações costumam revelar como aconteceu o povoamento dos espaços, os tipos de vida o homem levava e os aspectos culturais que eram relevantes na época.

A publicação fala da Serra da Capivara com destaque, mas mostra vários outros sítios arqueológicos no Brasil, apresentando ao leitor informações históricas e científicas sobre o planeta Terra, o Brasil e a cultura pré-histórica, além de oferecer opções de visitação a parques arqueológicos e paisagens naturais.


Livro: Patrimônio da Humanidade no Brasil:
suas riquezas culturais e naturais
Textos de Marilúcia Botallo,
Fotos de Marcos Piffer,
Ilustrações de Paulo Von Poser

Formato: 31,5×23,5 cm; capa dura; 220 páginas



--


Livro: Sítios arqueológicos brasileiros
Textos de Cristiane de Andrade Buco,
Introdução de Niède Guidon
Formato: 24,5×24,5 cm; capa dura; 200 páginas


--


Via ONUBr




Cita:Romullo Baratto. "UNESCO lança publicações sobre sítios arqueológicos e patrimônios mundial e imaterial no Brasil" 11 Nov 2015. ArchDaily Brasil. 






http://www.archdaily.com.br/br/776887/unesco-lanca-publicacoes-sobre-sitios-arqueologicos-e-patrimonios-mundial-e-imaterial-no-brasil


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.




Culture and cuisine of Armenia - Հայկական խաշ: Хаш. Khash - --- Cultura e cozinha da Arménia: - Հայկական խաշ: Хаш. Khash

Khash (Armenian: խաշ, Azerbaijani: xaş, Georgian: ხაში), Kale Pache (Persian: کله پاچه‎‎; Turkish: Kelle Paça), Pacha (Arabic: باجة‎; Bulgarian: пача, Bosnian: pače) is a dish of boiled cow's head (and sometimes the feet). 


It is a traditional dish in Armenia, Albania, Azerbaijan, Bosnia and Hercegovina, Bulgaria, Georgia, Mongolia, Iran, Iraq, and Turkey. Formerly a nutritious winter food, it is now considered a delicacy, and is enjoyed as a festive winter meal, usually by a company of women and men who sit around in a table, early in the morning.

Modern-day convention in Armenia dictates that it should be consumed during the month that has an 'r' in its name, thus excluding May, June, July, and August (month names in Armenian are derivatives of the Latin names). No such restriction on khash consumption exists in Azerbaijan or Georgia.

The name originates from the Armenian verb "khashél" (Armenian: խաշել), which means "to boil." The dish, initially called "khashoy", is mentioned by a number of medieval Armenian authors, e.g. Grigor Magistros (11th century), Mkhitar Heratsi (12th century), Yesayi Nchetsi (13th century), etc. The Persian name Kale Pacha literally translates as head and shank which are the central ingredients in a variant of this dish.

In medieval Armenian medical textbook "Relief of Fevers" (1184) khash is described as a dish with healing properties, e.g., against snuffle; it is recommended to eat it while drinking wine. In case of ailment khash from the legs of yeanling is advised.

In the Caucasus, Khash is often seen as a food to be consumed in the mornings after a party as it is known to battle hangovers (especially by men) and eaten with a "hair of the dog" vodka chaser.

Armenian families, when preparing khash themselves at home, generally invite some guests. The latters should have been invited not the day before but many days before because this ceremony is not a simple dinner-party and it requires time to "prepare for it". There is much ritual involved in khash parties. Many participants abstain from eating the previous evening, and insist upon using only their hands to consume the unusual (and often unwieldy) meal. Because of the potency and strong smell of the meal, and because it is eaten early in the mornings and so often enjoyed in conjunction with alcohol, khash is usually served on the weekend or on holidays. The guests almost always bring a bottle of vodka which is one of the necessary parts of this great feast. Even the toasts are part of the ritual. They start with a "Good Morning" (Armenian: Բարի լույս bari luys) quick toast, which is later followed by another quick toast for the hosts. The last one of the three mandatory toasts is for the guests.





Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.



--br traduzido via google
Cultura e cozinha da Arménia: - Հայկական խաշ: Хаш. Khash

Khash (arménia: խաշ, Azerbaijão: xas, Georgian: ხაში), Kale Pache (persa: کله پاچه; turco: Kelle PACA), Pacha (em árabe: باجة; búlgaro: пача, bósnio: PACE) é um prato de cabeça de vaca cozida (e às vezes os pés).

É um prato tradicional na Arménia, Albânia, Azerbaijão, Bósnia-Herzegovina, Bulgária, Geórgia, Mongólia, Irã, Iraque e Turquia. Anteriormente um alimento nutritivo inverno, é agora considerado uma iguaria, e é apreciado como uma refeição festiva do inverno, geralmente por uma empresa de homens e mulheres que se sentam em torno de uma mesa, no início da manhã.

Convenção moderna na Armênia dita que deve ser consumida durante o mês que tem um 'r' em seu nome, excluindo, assim, maio, junho, julho e agosto (os nomes dos meses em armênio são derivados dos nomes latinos). Sem essa restrição no consumo khash existe no Azerbaijão ou na Geórgia.

O nome origina do verbo armênio "khashél" (arménia: խաշել) ". Ferver", o que significa O prato, inicialmente chamado de "khashoy", é mencionado por vários autores arménios medievais, por exemplo, Grigor magistros (século 11), Mkhitar Heratsi (século 12), Yesayi Nchetsi (século 13), etc. O nome persa Kale Pacha traduz literalmente como cabeça e haste que são os ingredientes centrais em uma variante deste prato.

No livro de medicina medieval armênio "Alívio de Fevers" (1184) khash é descrito como um prato com propriedades curativas, por exemplo, contra snuffle; recomenda-se a comê-lo enquanto bebe vinho. Em caso de doença khash das pernas de yeanling é aconselhada.

No Cáucaso, Khash é muitas vezes visto como um alimento a ser consumido no período da manhã depois de uma festa, como é conhecido para combater a ressaca (especialmente por homens) e comido com um "cabelo do cão" vodka caçador.


Famílias armênias, ao preparar khash-se em casa, geralmente convidar alguns convidados. As letras devem ter sido convidado não o dia antes, mas muitos dias antes, porque esta cerimónia não é um simples jantar-festa e requer tempo para "se preparar para isso". Há muito ritual envolvido em partes khash. Muitos participantes se abster de comer na noite anterior, e insistir usando apenas as mãos para consumir a refeição incomum (e muitas vezes de difícil controle). Devido à potência e forte cheiro da refeição, e porque ele é comido no início da manhã e por isso muitas vezes apreciado em conjunto com álcool, khash é normalmente servido no fim de semana ou em feriados. Os visitantes quase sempre trazer uma garrafa de vodka que é uma das peças necessárias desta grande festa. Mesmo os brindes são parte do ritual. Eles começam com um "Good Morning" (arménia: Բարի լույս bari Luys) Torrada rápida, que depois é seguido por outro brinde rápido para os anfitriões. O último dos três brindes obrigatórias é para os convidados.

The Nelson-Atkins Museum of Art: Where the power of art engages the spirit of community.

We welcome and provide free admission to all, and deliver unparalleled opportunities to enjoy, appreciate and understand the finest visual arts and the varied cultures they represent—on our campus, online, and throughout Kansas City.


Rising Up: Hale Woodruff’s Murals at Talladega College


As an institution of national and international renown, we establish and adhere to the highest professional standards and practices in research, scholarship, presentation, interpretation and care of our collections.

We serve as a vital partner in the educational, social and cultural life of our community, using our collections and programs to build an environment where people can gather, share and contemplate the greatest creations of humankind.



Every day, in all we do, the Nelson-Atkins is committed to nurturing excellence, inspiring creativity and building community through the power of art.


Museum History
The Nelson-Atkins Museum of Art arose from the instincts and ambitions of two private individuals who shared the dream of providing a public art museum for Kansas City and the surrounding region.


Revealing a Hidden Treasure: A Jain Shrine


William Rockhill Nelson, founder of The Kansas City Star, was convinced that for a city to be truly civilized, art and culture were necessities. When he died in 1915, the bulk of his estate was used to establish the William Rockhill Nelson Trust for the purchase of works of art “which will contribute to the delectation and enjoyment of the public generally.”

Kansas City school teacher Mary McAfee Atkins had similar aspirations for her city. Although relatively unknown, she provided the city with approximately one-third of her million-dollar estate to purchase the land for a public art museum.

The Nelson estate was combined with Mary Atkins’ legacy to build an art museum for the people of Kansas City. The William Rockhill Nelson Gallery of Art and the Mary Atkins Museum of Fine Arts opened to the public on Dec. 11, 1933.

On June 9, 2007, the Nelson-Atkins unveiled the Bloch Building, an addition designed by Steven Holl Architects, which increased gallery and storage space for the growing collection.

Today, the Nelson-Atkins currently maintains collections of more than 35,000 works of art and welcomes 500,000 visitors a year.





http://www.nelson-atkins.org/


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.