Listen to the text.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Zainul Abedin Museum, Bangladesh. -- Zainul Museu Abedin, Bangladesh.

Zainul Abedin Sangrahashala (alternate: Shilpacharya Zainul Abedin Sangrahashala; translation: "Great Teacher of the Arts" Zainul Abedin "Art Gallery") is an art museum in Mymensingh, Bangladesh. Established in 1975, it contains the collections of the artist Shilpacharya Zainul Abedin (1914–1976). 




The art gallery was established in Mymensingh as this is where the artist spent his early days. Abedin, a pioneer of the country's modern art movement, created works of art on subject matters such as the Bengal famine of 1943 and the peoples' independence. The museum is located in the area of Shaheeb Quarter Park on the bank of the Old Bramaputra River.

Each year in December, the gallery authority organizes an anniversary programme that includes a discussion on the life and work of Zainul, as well as a painting competition. While the art gallery does not issue publications, Bangladesh National Museum, which has a collection of 800 Abedin paintings, has issued posters and cards on behalf of the artist. Shilpacharya Zainul Abedin Sangrahashala is a branch of the national museum.

Born in Mymensingh, Abedin drew pictures sitting by the Brahmaputra River. While a student at the local Mrityunjay ("Triumph Over Death") School, he won the first prize in a Bombay Chronicle art competition. Subsequently, the school's headmaster sent more of Abedin's paintings to India. Devoted to his art, the school teachers encouraged him to go to Kolkata and, in 1933, Abedin was admitted to Calcutta Government Art School.

In the 1950s, Abedin began a movement of collecting neglected pieces of Bangladeshi arts works that were scattered all over rural areas of the country. The artist remained attached to his hometown, prompting the establishment of a museum in Mymensingh on 15 April 1975 in a building owned by a Mr. Barden who later sold it to a member of the Viceroy's Executive Council. The gallery opened with approximately 70 pieces of art that included oil paintings and drawings by Abedin during his tours abroad. The gallery was initially run by a committee that was assisted by a local administration.

In its early years, it had 77 of Abedin's paintings but in 1982, seventeen pieces of art were stolen from the museum, only ten of which were retrieved in 1994.[5] Renovations began in 1997. Two year later, the National Museum took charge of the gallery, and completed renovations in 2004 on the 3.2-acre (1.3 ha) facility. This included construction of a main gate, ticket counters, and walls. A projector, sound system, and de-humidifier were installed. An artists' cottage and an open-air stage were added.

There are currently 53 oil paintings in the archive. The collection includes various themes and subjects, though most depict scenes of rural Bengal.[6] Besides the original paintings, there are 16 replicas, and 75 photographs on Zainul's life and works. There are also 69 mementos on display such as brushes, brush holder, bottles of turpentine and linseed oil, carbon box, charcoal, wax, colour palette, colour tube, easel, ink pot, leather portrait holder, metal clip, reed pen, scraper, spatula, and his spectacles. The mementos are situated in glass boxes in the midst of the gallery.

In accordance with Abedin's wishes, an art school has also been established in the museum grounds. Artists can stay at the Art Cottage which is located in a separate three-roomed building. An open-air stage is used by students on study tours and may be rented by others.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.bangladesh.com/blog/zainul-abedin-museum-tribute-to-a-modern-art-pioneer

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--br via tradutor do google

Zainul Museu Abedin, Bangladesh.


Zainul Abedin Sangrahashala (suplente: Shilpacharya Zainul Abedin Sangrahashala; tradução: "Grande Mestre das Artes" Zainul Abedin "Galeria de Arte") é um museu de arte em Mymensingh, Bangladesh. Fundada em 1975, contém as colecções do artista Shilpacharya Zainul Abedin (1914-1976).

A galeria de arte foi criada em Mymensingh como este é onde o artista passou seus primeiros dias. Abedin, um dos pioneiros do movimento de arte moderna do país, criou obras de arte sobre assuntos tais como a fome de Bengala de 1943 e independência dos povos. O museu está localizado na área de Shaheeb Quarter Park, na margem do Rio Antigo Bramaputra.

Todos os anos, em Dezembro, a autoridade galeria organiza um programa de aniversário que inclui um debate sobre a vida e obra de Zainul, bem como um concurso de pintura. Enquanto a galeria de arte não emitir publicações, Museu Nacional Bangladesh, que tem uma coleção de 800 pinturas Abedin, emitiu cartazes e cartões em nome do artista. Shilpacharya Zainul Abedin Sangrahashala é uma filial do museu nacional.

Nascido em Mymensingh, Abedin desenhava sentadas perto do rio Brahmaputra. Enquanto um estudante da Mrityunjay local ("triunfo sobre a morte") School, ele ganhou o primeiro prêmio em um concurso de arte Bombay Chronicle. Posteriormente, diretor da escola enviou mais de pinturas de Abedin para a Índia. Dedicado à sua arte, os professores da escola incentivou-o a ir para Calcutá e, em 1933, Abedin foi internado em Calcutá Governo Art School.

Na década de 1950, Abedin começou um movimento de recolha de peças negligenciadas de obras de artes de Bangladesh que foram espalhados por toda áreas rurais do país. O artista permaneceu ligado à sua cidade natal, o que levou à criação de um museu em Mymensingh em 15 de abril 1975 em um edifício de propriedade de um senhor Barden que mais tarde vendeu a um membro do Conselho Executivo do vice-rei. A galeria aberta com cerca de 70 peças de arte que incluiu pinturas a óleo e desenhos de Abedin durante suas turnês no exterior. A galeria foi inicialmente administrado por um comitê que foi assistido por uma administração local.

Em seus primeiros anos, teve 77 das pinturas de Abedin, mas em 1982, dezessete peças de arte foram roubadas do museu, apenas dez dos quais foram recuperados em 1994. [5] Remodelação começou em 1997. Dois anos mais tarde, o Museu Nacional tomou encarregado da galeria, e renovações concluída em 2004 sobre a instalação de 3.2 acres (1,3 ha). Isto incluiu a construção de um portão principal, balcões, e as paredes. Um projetor, sistema de som, e de-umidificador foram instalados. Foram adicionados cottage Um dos artistas e um palco ao ar livre.

Atualmente 53 pinturas a óleo no arquivo. A coleção inclui vários temas e assuntos, embora a maioria retratam cenas de Bengal rural. [6] Além das pinturas originais, há 16 réplicas, e 75 fotografias sobre a vida e as obras de Zainul. Há também 69 mementos em exposição, tais como escovas, porta-escovas, garrafas de terebintina e óleo de linhaça, caixa de carbono, carvão vegetal, cera, paleta de cores, tubo de cor, armação, pote de tinta, titular retrato de couro, clipe de metal, pena de lingüeta, raspador , espátula, e seus óculos. As lembranças estão situados em caixas de vidro no meio da galeria.

De acordo com os desejos do Abedin, uma escola de arte também foi estabelecido nos jardins do museu. Os artistas podem ficar no Cottage Art, que está localizado em um prédio de três quartos separados. Um palco ao ar livre é usado por estudantes em viagens de estudo e pode ser alugado por outros.

Xploring Hungary: Orthodox Museum In Miskolc --

The exhibition called 'The artistic and cultural heritage of the Hungarian Orthodox Church' extends to three rooms full of ecclesiastic treasures originating from Orthodox churches and parishes in Budapest, Miskolc, Eger, Gyöngyös, Szentes, Kecskemét, Üröm, Karcag and Nyíregyháza.


"This exhibition introduces the visitor to the history and cultural heritage of the Eastern Orthodox church with the help of goldsmith works, textiles, icons and documents. Rebuilt in 1805, the former school erected by the trading association in the grounds of the Miskolc Orthodox church has been home to the museum since 1988.


The corridor of this small but rich museum holds a collection of church and school history pertaining to the Greek settlers who arrived in Hungary during the 17th-18th century. It is in particular their multifaceted cultural heritage which the museum showcases. The first room is actually the reconstruction of a chapel and reflects the atmosphere of the period when Orthodox believers gathered for liturgy in small chapels rather than in monumental Baroque churches. The copperplate consecration icons of the Orthodox churches in Hungary are kept here.

The second room contains woven and embroidered liturgical textiles and goldsmiths' works. Of particular significance is a set of blankets woven with metal fibres in the Zuzana girls' school in Constantinople. Some goldsmith works originate from the Balkans and from Venice, others were created in Hungary. A three-part set (chalice, altar cross and episcopal candlestick) created in 1721 in Moscopolis is a masterpiece of 15th-century Macedonian goldsmithery.

The third room displays a rich collection of goldsmith artwork and on the wall screens the icon collection is on view. Icon painting is guided by a strict canon of symbols and instruments. Up to the most minute details painters adhere to narrative and illustrated iconographic. By the 18th century in Hungary icons were only painted by a few workshops of a lesser standard; more significant works were commissioned from invited or itinerant icon painters. One of the most outstanding and beautiful pieces is a Suffering Mother of God created by a member of the Cretan-Venetian circle.

Today the Hungarian Orthodox Church's headquarters are in Budapest and they have six parishes and three outparishes comprised of Orthodox believers mainly of Hungarian and Russian origin, belonging as they do to the Patriarchate of Moscow."

This is part of the Xploring Hungary series sponsored by FoxAutorent, 'The Leading Independent Car Rental Company In Hungary'. Save 5% on car rental by using the Fox Autorent booking engine on XpatLoop.com

How to get there:
By public transport, Miskolc is on the Budapest-Sátoraljaújhely, Budapest-Nyíregyháza railways line. The city is also available by coaches from Debrecen, Nyíregyháza, Eger and Budapest. As a traffic hub, Miskolc has frequent bus or railway links with surrounding cities such as Edelény, Eger, Kazincbarcika, Mezőkövesd, Ózd, Sátoraljaújhely, Szerencs, Tiszaújváros, Tokaj, and Kosice/Kassa in Slovakia. By car, take the M3 motorway, from Ózd and Kazincbarcika Route 27, from Kosice/Kassa Road 3, from Sátoraljaújhely and Tokaj Route 37, and from Tiszaújváros-Debrecen Route 35.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.


--br via tradutor do google

Xploring Hungria: Museu ortodoxo em Miskolc
"Esta exposição introduz o visitante à história e do património cultural da Igreja Ortodoxa com a ajuda de ourives funciona, têxteis, ícones e documentos. Reconstruído em 1805, a antiga escola erigido pela associação de comércio nas terras da igreja Miskolc Ortodoxa tem sido o lar do museu desde 1988.


A exposição intitulada "O património artístico e cultural da Igreja Ortodoxa húngaro 'estende-se a três salas cheias de tesouros eclesiásticos provenientes de igrejas ortodoxas e paróquias em Budapeste, Miskolc, Eger, Gyöngyös, Szentes, Kecskemét, Üröm, Karcag e Nyíregyháza.

O corredor de este pequeno, mas rico museu possui uma coleção de igreja e escola história relativos aos colonos gregos que chegaram na Hungria durante o 17o-18o século. É, nomeadamente, o seu património cultural multifacetada que as vitrines do museu. O primeiro quarto é, na verdade, a reconstrução de uma capela e reflecte a atmosfera do período quando os crentes ortodoxos se reuniram para liturgia em pequenas capelas e não em igrejas barrocas monumentais. Os ícones copperplate consagração das igrejas ortodoxas na Hungria são mantidos aqui.

O segundo quarto contém tecido e têxteis litúrgicos bordados e obras de ourivesaria. De particular importância é um conjunto de cobertores tecidos com fibras de metal na escola das meninas Zuzana em Constantinopla. Alguns ourives funciona originários dos Balcãs e de Veneza, outros foram criados na Hungria. Um conjunto de três partes (cálice, cruz do altar e episcopal castiçal), criado em 1721 em Moscopolis é uma obra-prima da ourivesaria macedônio do século 15.

O terceiro quarto exibe uma rica coleção de obras de arte de ourives e nas telas de parede da coleção ícone está em vista. Pintura ícone é guiado por um cânone estrito de símbolos e instrumentos. Até os detalhes mais minuciosos pintores aderem à narrativa e ilustrados iconográfica. Por volta do século 18 em ícones Hungria só foram pintados por algumas oficinas de menor padrão; obras mais significativas foram encomendados a partir de convidados ou itinerantes ícone pintores. Uma das peças mais marcantes e belos é uma Mãe O sofrimento de Deus criada por um membro do círculo de Creta-Venetian.

Hoje, os húngaros sede da Igreja Ortodoxa está em Budapeste e eles têm seis paróquias e três outparishes composta de crentes ortodoxos, principalmente de origem húngara e russa, pertencente como eles fazem para o Patriarcado de Moscou. "

Esta é parte da série Xploring Hungria patrocinado pela FoxAutorent, 'The Leading Independent Car Rental Company Na Hungria ". Economize 5% sobre o aluguer de automóveis, utilizando o motor de reserva Fox Autorent em XpatLoop.com

Como chegar:
De transportes públicos, Miskolc está na linha de caminhos de ferro Budapest-Sátoraljaújhely, Budapest-Nyíregyháza. A cidade também está disponível por treinadores de Debrecen, Nyíregyháza, Eger e Budapeste. Como um centro de tráfego, Miskolc tem de ônibus ou de trem ligações frequentes com cidades vizinhas, como Edeleny, Eger, Kazincbarcika, Mezőkövesd, Ózd, Sátoraljaújhely, Szerencs, Tiszaújváros, Tokaj, e Kosice / Kassa, na Eslováquia. De automóvel, siga pela auto-estrada M3, a partir Ózd e Kazincbarcika Route 27, a partir de Kosice / Kassa Road 3, a partir Sátoraljaújhely e Tokaj Route 37, e de Tiszaújváros-Debrecen Route 35.

Greg Gorman e Helmut Newton no Museu da Fotografia de Berlim.

Em Berlim no Museu da Fotografia, está em exposição, o resultado de três décadas de trabalho de Greg Gorman. O fotógrafo norte-americano imortalizou os rostos de famosos. Entre eles estrelas de Hollywood como Leonardo DiCaprio e Julianne Moore, ou lendas do rock como Mick Jagger e Iggy Pop.


“Tento passar o máximo de tempo possível com as pessoas antes de fotografá-las. Criar uma ligação para fazê-las sentirem-se confiantes. Ganhar a sua confiança é, provavelmente, uma das coisas mais importantes. Tento envolvê-las na sessão fotográfica para que sintam que fazem parte da equipa. Quando elas têm a oportunidade de ver o trabalho que faço é mais fácil relaxarem e abrirem-se um pouco”, adianta o fotógrafo.


Gorman é mais conhecido pelas suas imagens a preto e branco esta é a primeira vez que mostra, na Alemanha, retratos a cores.


O Olhar de Helmut Newton


Esta exposição acontece em conjunto com uma onde são mostrados ensaios de moda de Helmut Newton. Mais de 500 imagens, do fotógrafo alemão, nascido em Berlim em 1920. Uma mostra que permite também relembrar as tendências da moda e os estilos de vida, em diferentes épocas:


“As suas fotografias trouxeram, às revistas, abordagens diferentes e sempre surpreendentes. Ele era surpreendente e, talvez por isso, estava sempre a ser contratado para sessões fotográficas, fê-lo até ao fim da sua vida. Isso não é muito comum num fotógrafo, mesmo quando comparado com outros nomes importantes da história da fotografia de moda”, explica o curador da Fundação Helmut Newton, Matthias Harder.


Helmut Newton morreu em Los Angeles em 2004. Ambos os trabalhos podem ser vistos até 22 de maio no Museu da Fotografia de Berlim.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://pt.euronews.com/2015/12/09/greg-gorman-e-helmut-newton-no-museu-da-fotografia-de-berlim/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.

Cultura brasileira: MÚSICA - Povo Indígena Yawanawás - Acre, Brasil. -- Brazilian culture: MUSIC - Indigenous People Yawanawás - Acre, Brazil.

A música indígena reflete todo o espírito de um povo, existem músicas tradicionais outras de autoria de músicos de diferentes etnias. Bandas indígenas, FESTIVAIS e cantores estão espalhados por todo o Brasil, mas pouco conhecidos no cenário nacional.



Turista em pintura corporal






Músicas compostas em línguas indígenas outras em português. Algumas contam historias, falam da cultura e também sobre sentimentos, pensamentos. Existem cantos e rezas específicos para invocações rituais que acompanham também as danças tradicionais dos povos.


Apenas 50 turistas podem participar da Festa Mariri, que celebra a tradição Yawanawá, no Acre


Qual Amazônia você quer conhecer? Sua verde imensidão abriga ao mesmo tempo uma floresta, nove países, a maior biodiversidade do mundo em um ecossistema tropical, nove estados brasileiros e a maior população indígena do Brasil.


Na Amazônia Acriana, mais especificamente na Terra Indígena do rio Gregório, está localizada a aldeia Mutum, dos índios Yawanawás. Em 2000, o líder do povo indígena, Yawanawá Joaquim Tashka, percebeu que a cultura indígena ancestral estava se perdendo na aldeia: os jovens já não se orgulhavam tanto de suas origens e os costumes não eram mais passados de geração em geração.




Foi então que surgiu o Festival Yawanawá, que celebra a cultura indígena da tribo e resgata os costumes. O festival foi mais do que bem sucedido e passou a atrair turistas de todos os cantos. Segundo Tashka Yawanawá, a popularidade do festival era tanta que se podia compará-la ao festival de Parintins. Ou ainda, a uma espécie de “Woodstock da floresta”.




Uma década depois, diante da popularidade do Festival Yawanawá, Tashka e outros membros da tribo perceberam que o festival estava turístico demais e perdeu o tom intimista e tradicional dos primeiros anos. O festival não acabou, mas em 2013 surgiu a Festa Mariri Yawanawá, cuja programação é de cinco dias e cinco noites dedicadas à cura, dança, música e manifestações culturais e espirituais. Em 2014, a festa ocorre entre os dias 10 e 15 de agosto.




Turismo exclusivo

Apesar da Festa Mariri ser voltada para as comunidades indígenas, até 50 turistas podem fazer parte dessa celebração e conviver no espaço de aldeia. A agência Mundus Turismo Consciente oferece um roteiro exclusivo na aldeia Mutum para turistas que querem ter uma experiência de reencontro espiritual e conhecer a cultura de uma aldeia indígena.

Fugir da rotina do turismo tradicional é só um detalhe desse roteiro. Enquanto os índios Yawanawás celebram sua cultura no Festival Mariri, os visitantes, além de poder vivenciar costumes, rituais e brincadeiras da tradição Yawanawá, têm uma experiência introspectiva de harmonia com a natureza.




O passeio

Não é tão simples chegar à aldeia Mutum, mas segundo Maria Teresa Meinberg, fundadora da operadora Mundus Turismo Consciente, a jornada de praticamente três dias para chegar até a tribo já faz parte da experiência de imersão no modo de vida da floresta.

Para chegar à aldeia, o visitante deve viajar de van ou de carro por cerca de oito horas a partir de Rio Branco até o Rio Gregório. O meio de transporte será trocado por um barco, e a viagem pelo curso do rio, margeando a densidade das árvores da floresta, dura aproximadamente 6 horas. É só então que o visitante finalmente chega à tão esperada aldeia Mutum. Um avião fretado deixa a volta mais curta: todo o trajeto é feito pelos ares em "apenas" um dia.




Os hóspedes podem optar por dormir em dormitórios coletivos, em redes ou camas, ou ficar em casas de famílias que moram na aldeia. Há quatro cozinhas espalhadas pelo lugar, com comidas típicas (mingau, banana, comida de caça, mandioca...), mas também tem o tradicional arroz e feijão para aqueles que não se adaptarem à culinária local. Não há luz elétrica, nem sinal de celular, mas tem ponto de internet e Wi-Fi.




Hospedar-se em uma comunidade indígena para conviver com os Yanawás pode soar invasivo, mas Joaquim Tashka explica que o turismo é uma forma de ajudar a proteger o território ameaçado: “O turismo acaba beneficiando a comunidade pela visibilidade.”

Ainda não existe uma lei que aprove o turismo na aldeia. Os turistas que se hospedam na aldeia Mutum são “convidados”, já que o povo indígena tem autonomia sobre sua terra.

Definitivamente, os turistas que embarcam nessa experiência indígena não devem ir com expectativas de se hospedar em um Tropical Manaus ou algo do tipo. E sim com uma cabeça aberta, prontos para ver índios pintados (com roupa ou sem), experimentar carne de paca (ou macaco, ou capivara...), dormir na rede e antes de tudo: respeitar a cultura alheia.


Em nenhum momento o turista é obrigado a participar das atividades, mas tem toda a liberdade para se juntar aos rituais e brincadeiras. Quanto mais integração, melhor. Seja com os índios ou com a natureza.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://viajeaqui.abril.com.br/materias/indios-yawanawas-do-acre-recebem-turistas-para-vivencia-espiritual-na-amazonia

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.






--in via tradutor do google
Brazilian culture: MUSIC - Indigenous People Yawanawás - Acre, Brazil.

The indigenous music reflects the whole spirit of a people, there are traditional songs written by other musicians from different ethnic groups. Indian bands, singers and FESTIVALS are spread throughout Brazil, but little known on the national scene.



Tourist in body painting


music - time = 4'26 ''





Songs written in indigenous languages ​​other in Portuguese. Some tell stories, talk about the culture and also about feelings, thoughts. There are specific songs and prayers for ritual incantations which follow the traditional dances of the people.


Only 50 tourists can join the Party Mariri that celebrates Yawanawá tradition in Acre


What Amazon you want to know? His green expanse is home to both a forest, nine countries, the greatest biodiversity in the world in a tropical ecosystem, nine Brazilian states and the largest indigenous population in Brazil.

Acriana in the Amazon, specifically the Indigenous Territory of Gregory River, is located Mutum village of Yawanawás Indians. In 2000, the leader of the indigenous people, Yawanawá Joaquim Tashka, realized that the ancestral indigenous culture was being lost in the village: young people are no longer proud of both its origins and customs were no longer passed down from generation to generation.

Then came the Yawanawá Festival, which celebrates the indigenous culture of the tribe and rescues customs. The festival was more than successful and has attracted tourists from all corners. According Tashka Yawanawá, the popularity of the festival was such that one could compare it to the Parintins Festival. Or, to a sort of "Woodstock of the forest".

A decade later, given the popularity of Yawanawá Festival, Tashka and other members of the tribe realized that the festival was too touristy and missed the intimate and traditional tone of the early years. The festival is not over, but in 2013 came the Feast Mariri Yawanawá, whose schedule is five days and five nights dedicated to healing, dance, music and cultural and spiritual manifestations. In 2014, the festival takes place between the 10th and 15th of August.

Exclusive Tour

Despite the Mariri Party be facing indigenous communities, up to 50 tourists can be part of this celebration and hang out in the village space. The Mundus Conscious Tourism Agency offers a unique script in Mutum village for tourists who want to have a spiritual reunion of experience and know the culture of an indigenous village.

Get away from the traditional tourist routine is only a detail of that script. While Yawanawás Indians celebrate their culture in Mariri Festival, visitors, and can experience customs, rituals and games of Yawanawá tradition, have an introspective experience of harmony with nature.

The tour

It's not that simple to get to the village Mutum, but according to Maria Teresa Meinberg, operator founder Mundus Tourism aware, the journey of almost three days to reach the tribe already part of the immersion experience on the forest way of life.

To reach the village, visitors must travel by van or car for about eight hours from Rio Branco to the Rio Gregory. The means of transport will be exchanged for a boat, and the trip through the course of the river, bordering the density of forest trees, takes about six hours. It is only then that the visitor finally reaches the long-awaited village Mutum. A chartered plane leaves the back shorter: the entire route is done through the air in "only" one day.

Guests can choose to sleep in dormitories, in hammocks or beds, or stay with host families who live in the village. There are four kitchens around the place, with typical foods (porridge, banana, hunting food, cassava ...), but also has the traditional rice and beans for those who do not adapt to the local cuisine. There is no electricity, no cell phone signal, but has internet point and Wi-Fi.

Stay in an indigenous community to hang out with Yanawás may sound intrusive, but Joaquim Tashka explains that tourism is a way to help protect the endangered territory, ". The tour ends up benefiting the community by visibility"

Although there is no law to approve tourism in the village. Tourists staying in Mutum village are "guests", as the indigenous people have autonomy over their land.

Definitely, tourists who embark on this indigenous experience should not go with expectations of staying in a Tropical Manaus or something. And yes with an open mind ready to see painted Indians (with or without clothes), try paca meat (or monkey, or capybara ...), sleeping on the network and above all: respect other people's culture.

In no time the tourist is required to participate in activities, but you are free to join the rituals and games. The further integration, the better. Is with the Indians or with nature.


Mukachevo-Berehovo, Since 1993, here is the Mukachevo historical museum, regional museum and an art gallery. -- Desde 1993, aqui é o museu histórico Mukachevo, museu regional e uma galeria de arte.

Mukachevo has a long and glorious history, which is one of the most interesting pages of Transcarpathian region. 1108 years had passed since the first written mention of the city. Mukachevo was founded on the historical crossroad of trade routes. It was granted a status of city in the 14th century. Then Mukachevo was included to the list of royal property, and it was granted the privileges like other medieval cities. During this period, the city was being built, it was expanding and changing the composition of its population.



Since ancient times trade routes crossed and different cultures met each other here. Various political storms swept over Mukachevo through the ages. It was a part of Hungary, Galicia-Volhynia principality, Austria, Austro-Hungarian empire, Czechoslovakia and the Soviet. Now it is a part of independent and sovereign Ukrainian state. 

From whatever side you approach Mukachevo, you can see the majestic military medieval architectural sight, covered by combat fame and ​​legends. It is Palanok castle, built for defense and control of trade and military routes. It played an important role in formation of Mukachevo.

Since 1993, here is the Mukachevo historical museum, regional museum and an art gallery.

A monastery on Chernecha mountain is one more decoration of the city. Its founder was a Lithuanian-Ruthenian Prince Fedor Koryatovych. This monastery underwent a lot of reconstructions and changes. Since 1772 there was a residence of bishops of Mukachevo eparchy. Prominent leaders of culture lived and worked there. Now on Chernecha mountain there is a Nunnery of St. Nicholas.

Mukachevo is a cradle of many crafts, which became a powerful multi-industrial complex. In the past our masters of casting, masons, potters, glassblowers were widely known around the world. Now industrial builders, skiers, confectioners, manufacturers of jersey, concrete, clothes, ceramics, furniture and bricks of Mukachevo are well-known in Ukraine and beyond. 

Nowadays Mukachevo is a big European industrial city, which managed to preserve and renovate the building of city hall, theatre and other objects, which were built in the end of 19th and beginning of 20th century. Here the architectural heritage of Austro-Hungarian Empire is conserved. Spirit of Habsburgs wanders here together with a captured tune with exquisite gothic and playful baroque.

Berehove town is located on the banks of small river Virke, near the mountain foot. Slopes of the mountains are covered by vineyards. Berehove is known for its ancient traditions of grape-growing and wine-making.

Famous reformed church writer Papaji Pariz Ferents (1649-1716) in his book “Dictionarium latino-hungaricum” states that before Hungarian invasion there was a Roman settlement, called Perigium. But this assumption was not scientifically proved.

During many centuries Hungarian kings were the owners of this settlement.

Widely known legend tells us about quite early foundation of the city. The famous researcher-ethnographist Tivadar Lehotsky writes: “According to the legend, on the site of modern Roman Catholic church there was a pit, which had been dug by hooves of fighting bulls. A shepherd named Sas found a huge treasure there and built a church and a town, which was later called Berehsas. But this legend doesn’t have a historical confirmation.”

Since 1504 the town is called Berehsas in the documents.

Since 1946 Berehove is an official name of the town. It is the only place of Transcarpathian region, where the majority of people are Hungarian.

Berehove is a town of district submission, a centre of Berehovo district. It is located in 72 km from Uzhhorod, the region centre. Territory of Berehove district is 802 square kilometres, population - 83,3 thousands people. 32 thousands of them live in Berehove. Town is crossed by Virke canal, which connects Borzhava river with Latorycya river.

Till 1944 the town was a centre of Berezhska zhupa (district).

Town played an active role in the liberation war of 1848-1849. After the Treaty of Saint-Germain-en-Laye it joined the Czechoslovak Republic.

In June 1945 Zakarpattya region was included into Ukraine.

In Berehove there is one Russian, 2 Ukrainian, 3 Hungarian schools, one Ukrainian and one Hungarian gymnasium, professional-technical and medical colleges. Hungarian Pedagogical Institute has been opened recently. Here are the professional Hungarian national theatre named after Gyula Illyés and the amateur folk theatre of the Culture and Rest Centre of the district. The art school also plays an active role in the cultural life of the town.

In the town there are various industries: timber, furniture-making, device-building, sewing and other, but in modern hard economical conditions they work not at their full capacity. Berehove district is famous for its wine-making. Transcarpathian branded wines are bottled in the winery of Berehove.

Extensive work is carried out by such non-governmental organizations as Society of Hungarian Culture of Transcarpathian region (town and district branches), Society of Hungarian Culture of Berehivshchyna, “Prosvita” and others.

In Berehove there are monuments to Sándor Petőfi, Lajos Kossuth, Gabriel Bethlen and Gyula Illyés and more than 42 memorial boards to different leaders of history, culture and art.

The quaint building with small tower and graceful Art Nouveau panels on the facade will not allow you to make a mistake: it was built in the epoch of modern. In the building of former casino there is the best restaurant of the town – “Zolota pava”. The style is keeped even in details: stage in the shape of peacock tail,bird-shaped lamps, bouquets of feathers. Luxurious mirrors and soft sofas. Bilingual menu. Polite doorman. Here are tasty salads, huge portions and ridiculous prices.

But it is better not to visit an outdoor thermal pool after a meal. This pool receives water from the well of 1680 m deep. Near this aqua-joy there is a freestyle springboard, sports ground, sauna. You can find all these facilities on the territory of sports base “Zakarpattya”. 

Calm lateral streets crawl like snakes among small, but special mansions of 19th century. Rare multistorey buildings look like aliens in this frozen past. Past is sweet, but with a bitter note.


http://www.truskavets.ua/en/worth-seeing/nearby/420-mukachevo-berehovo-2


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.







--br
Mukachevo-Berehovo

Mukachevo tem uma longa e gloriosa história, que é uma das páginas mais interessantes da região Transcarpathian. 1108 anos se passaram desde a primeira menção escrita da cidade. Mukachevo foi fundada no cruzamento histórico de rotas comerciais. Foi concedido um estatuto de cidade no século 14. Então Mukachevo foi incluído na lista de propriedade real, e foi concedido os privilégios como outras cidades medievais. Durante este período, a cidade estava sendo construída, ela estava se expandindo e mudando a composição de sua população.

Desde os tempos antigos rotas comerciais cruzados e culturas diferentes se conheceram aqui. Várias tempestades políticas varreu Mukachevo através dos tempos. Era uma parte da Hungria, Galiza-Volhynia principado, Áustria, Império Austro-Húngaro, Checoslováquia e da União Soviética. Agora é uma parte do Estado ucraniano independente e soberano.

De qualquer lado que você se aproxima de Mukachevo, você pode ver a vista militar medieval majestosa arquitectura, coberto por combate fama e lendas. É castelo Palanok, construído para a defesa e controle do comércio e rotas militares. Ele desempenhou um papel importante na formação de Mukachevo.

Desde 1993, aqui é o museu histórico Mukachevo, museu regional e uma galeria de arte.

Um mosteiro em Chernecha montanha é mais uma decoração da cidade. Seu fundador foi um lituano-ruteno Príncipe Fedor Koryatovych. Este mosteiro foi submetido a uma série de reconstruções e mudanças. Desde 1772 houve uma residência de bispos de Mukachevo eparquia. Líderes proeminentes da cultura viveu e trabalhou lá. Agora em Chernecha montanha há um convento de São Nicolau.

Mukachevo é um berço de muitos ofícios, que se tornou um poderoso complexo multi-industrial. No passado, nossos mestres de fundição, pedreiros, oleiros, vidreiros foram amplamente conhecida em todo o mundo. Agora construtores industriais, esquiadores, pasteleiros, os fabricantes de jersey, concreto, roupas, cerâmicas, móveis e tijolos de Mukachevo são bem conhecidos na Ucrânia e além.

Hoje em dia Mukachevo é uma grande cidade industrial europeia, que conseguiu preservar e reformar o prédio da prefeitura, teatro e outros objetos, que foram construídos no final do século 19 e início do século 20. Aqui, o património arquitectónico do Império Austro-Húngaro é conservada. Espírito de Habsburgos vagueia aqui junto com uma melodia capturado com requintado Barroco gótico e brincalhão.

Berehove cidade está localizada às margens do pequeno rio Virke, próximo ao pé da montanha. Encostas das montanhas são cobertas por vinhas. Berehove é conhecida por suas antigas tradições de cultivo de uvas e produção de vinho.

Famoso escritor igreja reformada Papaji Pariz Ferents (1649-1716) em seu livro "Dictionarium latino-Hungaricum", afirma que antes de invasão húngara houve um assentamento romano, chamado Perigium. Mas esta hipótese não foi cientificamente comprovada.

Durante muitos séculos, reis húngaros eram os proprietários deste estabelecimento.

Lenda amplamente conhecido nos fala sobre fundação bastante cedo da cidade. O famoso pesquisador-ethnographist Tivadar Lehotsky escreve: "De acordo com a lenda, no site da igreja católica romana moderna havia um poço, que tinha sido escavado por cascos de touros de lide. Um pastor chamado Sas encontrou um tesouro enorme lá e construiu uma igreja e uma cidade, que mais tarde foi chamado Berehsas. Mas esta lenda não tem uma confirmação histórica. "

Desde 1504 a cidade é chamada Berehsas nos documentos.

Desde 1946 Berehove é um nome oficial da cidade. É o único lugar da região Transcarpathian, onde a maioria das pessoas são húngara.

Berehove é uma cidade de submissão distrito, um centro de distrito Berehovo. Ele está localizado em 72 km de Uzhhorod, centro da região. Território do distrito Berehove é de 802 quilômetros quadrados, população - 83,3 mil pessoas. 32 milhares deles vivem em Berehove. Cidade é atravessada pelo canal Virke, que liga Rio Borzhava com rio Latorycya.

Até 1944, a cidade era um centro de Berezhska Zhupa (distrito).

Cidade desempenhou um papel ativo na guerra de libertação de 1848-1849. Após o Tratado de Saint-Germain-en-Laye ele se juntou a República da Checoslováquia.

Em junho de 1945 Zakarpattya região foi incluída na Ucrânia.

Em Berehove há um russo, ucraniano 2, 3 escolas húngaras, um ucraniano e um ginásio húngaro, colégios profissionais, técnicos e médicos. Instituto Pedagógico Húngaro foi aberto recentemente. Aqui estão o teatro nacional húngaro Gyula profissional nomeado após Illyés e do teatro popular amador do Centro do distrito de cultura e de lazer. A escola de arte também desempenha um papel activo na vida cultural da cidade.

Na cidade existem várias indústrias: madeira, o fabrico de móveis, de construção de dispositivo, de costura e outros, mas em condições econômicas modernas rígidos eles não trabalham em sua capacidade total. Distrito Berehove é famosa por sua produção de vinho. Vinhos de marca Transcarpathian são engarrafados na adega de Berehove.

Extenso trabalho é realizado por organizações não-governamentais tais como a Sociedade de Cultura Húngara da região Transcarpathian (cidade e filiais distritais), Sociedade de Cultura Húngara de Berehivshchyna, "Prosvita" e outros.

Em Berehove existem monumentos para Sándor Petőfi, Lajos Kossuth, Gabriel Bethlen e Gyula Illyés e mais de 42 placas memoriais para diferentes líderes da história, cultura e arte.

O edifício pitoresco com pequena torre e graciosas painéis Art Nouveau na fachada não vai permitir que você cometer um erro: foi construído na época do moderno. No edifício do antigo casino lá é o melhor restaurante da cidade - "Zolota pava". O estilo é keeped mesmo em detalhes: estágio em forma de cauda do pavão, lâmpadas em forma de pássaro, buquês de penas. Espelhos luxuosos e sofás macios. Menu bilíngüe. Porteiro educado. Aqui estão deliciosos saladas, grandes porções e preços ridículos.

Mas é melhor não visitar uma piscina térmica ao ar livre depois de uma refeição. Esta piscina recebe água do poço de 1.680 m de profundidade. Perto deste aqua-alegria há um trampolim estilo livre, campo de esportes, sauna. Você pode encontrar todas essas facilidades no território da base de esportes "Zakarpattya".

Ruas laterais calma rastejar como serpentes entre as pequenas, mas especiais mansões do século 19. Edifícios de vários andares raras parecido com estrangeiros no passado congelado. Passado é doce, mas com uma nota amarga.

-
Castelo Palanok ou Mukachevo Castle (Mukachevo, região Transcarpathian) Este monumento histórico - um belo exemplo da arquitetura medieval fortificada não só em Transcarpathia, mas também na Europa. 

Apesar do fato de que a primeira menção de um castelo aparece no século XI, a data exata da criação é desconhecida. Para todos os tempos da sua existência, Palanok substituído dezenas de governantes, experimentou uma centena de batalhas e cercos, conseguiu visitar não só o majestoso castelo e às prisões, quartéis, escolas, e agora um museu. Seu nome - "Palanok" - o castelo foi o chamado Palanca - paliçada de carvalho, que foram reforçadas por fossos ao redor do castelo no século XVII. Não se sabe se foi coincidência ou intenção, mas o castelo foi construído na cratera de um vulcão extinto, cuja altura é de 68 metros (cerca de um prédio de 20 andares).


--ua

Mukachevo-Berehovo


За́мок Пала́нок або Мука́чівський за́мок (м. Мука́чеве, Закарпатська область) Ця історична пам′ятка - чудовий зразок середньовічної фортифікаційної архітектури не лише Закарпаття, але й Європи також. Незважаючи на те, що перші згадки щодо замку з′являються в XI столітті, остаточна дата створення залишається невідомою. За весь час свого існування Пала́нок поміняв десятки правителів, пережив сотні битв і облог, встиг побувати не тільки могутньою фортецею, але і в'язницею, казармою, училищем, а тепер і музеєм. Свою назву – «Пала́нок» – замок бере від так званого паланку – дубового частоколу, яким були укріплені рови навколо замку у ХVІІ ст. Невідомо, чи був це намір або ж випадковість, але замок побудовано в кратері згаслого вулкана, який заввишки 68 м (приблизно як 20-поверховий будинок). За́мок Пала́нок или Мука́чевский замок (г. Мука́чево, Закарпатская область) Этот исторический памятник – прекрасный образец средневековой оборонной архитектуры не только Закарпатья, но и Европы. Несмотря на то, что первые упоминания о замке появляются в XI столетии, точная дата создания остается неизвестной. За всё время своего существования, Пала́нок сменил десятки правителей, пережил сотни битв и осад, успел побывать не только величественной крепостью, но и тюрьмой, казармой, училищем, а теперь и музеем. Свое название – «Пала́нок» – замок получил от так называемого паланка – дубового частокола, которым были укреплены рвы вокруг замка в ХVІІ ст. Неизвестно, был ли это умысел или же случайность, но замок построен в кратере погасшего вулкана, высота которого 68 м (примерно как 20-этажное здание). #замок_паланок #мукачівськийзамок #архітектура_україни #замкиукраїни #достопримечательностиукраины #замокпаланок #мукачево #замкиукраины
Feel Ukraine

----
Mukachevo Historical Museum has taken all the floors of the most famous landmarks - the castle "Palanok" . It was built in 15-17 centuries by unknown architects. It was assumed that the lock will perform administrative and defense functions, so it is built on a hill 68 meters in height. Today the castle is visible from any point of the city. It is noteworthy that, despite the long history of the castle, the museum settled in it only in 1989. Initially, a small museum funds huddled in several rooms of the upper floors of the fortress. Gradually expanded exposure, patrons came from new items. At present the area of Mukachevo Historical Museum is 4000 square meters, are stored here interesting documents, relics, paintings, directly related to the history of the city as a whole and Transcarpathia. The permanent exhibition divided into several thematic groups: Hall of children`s drawings. On the walls of the gallery presents 40 paintings on the theme of the castle "Palanok", created by the hands of small local residents. Mukachevo eyes ancestors. In this exhibition, one can see rare postcards, photographs of the city. Some of them have been recreated with today`s technology, while retaining the flavor of bygone days. Ethnographic exhibition occupies 4 halls of the museum. Each of them talks about the different nationalities living in the city at different times. Exhibition halls are decorated with folk costumes, military uniforms, as well as objects of everyday life of Ukrainians, Austrians, Jews. Historical exhibition located in 5 halls of the museum. The exhibition tells about all the milestones of the city`s history - from the foundation to the present. Hall Art Gallery and Eggs. Curiously, visiting Mukachevo Historical Museum, you can simultaneously "kill two birds with one stone." Learn the history of the city and take a walk through the halls of one of the oldest castles in Ukraine.

http://ua.igotoworld.com/en/poi_object/1850_mukachevskiy-istoricheskiy-muzey.htm

----------------

У південно-західній частині Мукачева стоїть овіяний легендами і бойовою славою Мукачівський замок, один із найцінніших Історичних і воєнно-архітектурних пам'яток Закарпаття ХІУ-ХУІІ століть. Замок розташований на горі вулка-нічного походження висотою 68 м і займає пло-щу 13 930 кв.м. Точної дати заснування замку немає, але в документах, які датуються XI сто-літтям, він уже згадується.
З 1396 по 1414 роки замком володів Поділь-ський князь Федір Корятович. Він значно розбу-довує і укріплює замок, перетворює його у свою резиденцію. В цей же час у скелястій горі був ви-рубаний 85 метровий колодязь. Протягом ХУ-ХУІ століть замок знаходився в руках багатьох володарів, які проводять його розбудову і укріп-лення. В цей час в оборонній системі замку було 14 веж, а у верхній частині знаходився великий палац.

В 1633 р. Мукачівській замок придбав Тран-сільванський князь Дєрдь І Ракоці з правом ус-падкування. Князі династії Ракоці перетворили замок в столицю свого князівства і володіли ним до 1711 року.
Після смерті Дєрдя І Ракоці в 1648 р. його дружина Жужанна Лорантфі продовжує рекон-струкцію замку і споруджує ще дві 
тераси -Середню і Нижню, а також зовнішнє оборонне кільце. В 1649 р. в замку побували посланці гетьмана Богдана Хмельницького, які вели переговори з Дєрдем її Ракоці про спільні дії проти Польщі.

З 1685 по 1688р. замок переживає одну з най-більших облог, яку здійснили війська Австрій-ського імператора. Керувала обороною замку вдова князя Ференца І Ракоці їлона Зріні. Після захоплення замку австрійці його реконструю-вали, що зробило його найсильнішою фортецею на сході Австрійської імперії. ;
З 1703 по 1711 р. наш замок стає оплотом національно-визвольної війни угорського та всіх інших народів, що населяли наш край, проти австрійського гніту. Очолив війну син їлони Зріні Ференц II Ракоці.
Після поразки визвольної війни замок посту-пово втрачає своє стратегічне значення. В 1782р. тут відкривається політична в'язниця Австрій-ської монархії, в якій на протязі більше ніж 100 років перебувало понад 20 тисяч в'язнів. В липні 1847 р. замок-в'язницю відвідав видатний угор-ський поет Шандор Петефі.В 1896 р. в'язниця в замку була ліквідована. Замок поступово прихо-див в занепад та руйнувався.
В період ЧехословацькоІЇ республіки /1919-1938 pp./ в замку були розташовані військові частини. Під час Другої світової війни замок займають угорські війська. Після визволення в 1944 р. та возз'єднання Закарпаття з Радянською Україною в замку знаходилось профтехучилище. Нині в Мукачівському замку розміщений історичний музей.



Галина Онищенко

http://www.zamokpalanok.mk.uz.ua/history.html