Listen to the text.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Tampere Art Museum Moominvalley, Tampere, Finland. -- Tampere Art Museum Moominvalle, Tampere, Finlândia

Is a museum devoted to original works by writer and artist Tove Jansson. Its unique collections comprise around 2000 works.


The museum is based on the Moomin books by Tove Jansson. So far, they have been translated into over 40 languages. The books fascinate adults and children alike. The original Moomin illustrations by Tove Jansson are an essential part of the atmosphere of the museum, and the three-dimensional tableaux built by Tuulikki Pietilä add to our own picture of the goings-on in the Moomin stories. The gem of the collection is a blue five-storey Moomin House that is as exceptional as its residents — and its builders, Tuulikki Pietilä, Pentti Eistola and Tove Jansson.

Wisdom, humour, a healthy love of adventure and warm geniality have made the Moomin books speak across language barriers. That same atmosphere can also be felt at the museum. The exhibit is being renovated, respecting the life’s work of Tove Jansson.


THE ADVENTURE HOME
This exhibition list tells a story about an adventure, a journey, and returning home. Moominvalley blends routine and adventure; familiar safety and unexpected dangers. Even the smallest creatures have their own adventures on their journey in the world, as well as in the complexities of their inner universe.

Without question, the main character of Moominvalley is Moomintroll. But without Moominmamma, Moominpappa, and all the familiar and strange characters that the Moomins meet, there would not be a story to tell… That is how important even the smallest little bugs are in Moominvalley.

The illustrations have been selected from the collection of 2 000 original works by Tove Jansson. Some illustrations are very delicate and are shown in a special black room with dimmed lightning. Some rare works can only be seen in Moominvalley museum. Three-dimensional tableaux complement our imaginations with regard to the events of the Moomin stories.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google
Tampere Art Museum Moominvalle, Tampere, Finlândia

 é um museu dedicado a obras originais de escritor e artista Tove Jansson. Suas coleções únicas compreendem cerca de 2000 obras.

O museu é baseado nos livros de Moomin Tove Jansson por. Até agora, eles foram traduzidos para mais de 40 idiomas. Os livros fascinam adultos e crianças. As ilustrações Moomin Tove Jansson originais por são uma parte essencial da atmosfera do museu, eo tableaux tridimensional construído por Tuulikki Pietilä acrescentar à nossa própria imagem dos acontecimentos no nas histórias Moomin. A jóia da coleção é um azul de cinco andares Moomin casa que é tão excepcional como seus moradores - e seus construtores, Tuulikki Pietilä, Pentti Eistola e Tove Jansson.

Sabedoria, humor, um amor saudável de aventura e genialidade quente fizeram os livros de Moomin falar através das barreiras linguísticas. Essa mesma atmosfera também pode ser sentida no museu. A exposição está sendo reformado, respeitando o trabalho de Tove Jansson da vida.
-
A CASA DE AVENTURA
Esta lista mostra conta uma história sobre uma aventura, uma viagem, e voltar para casa. Moominvalley combina rotina e aventura; segurança familiar e perigos inesperados. Mesmo as mais pequenas criaturas têm suas próprias aventuras em sua jornada no mundo, bem como nas complexidades de seu universo interior.

Sem dúvida, o personagem principal de Moominvalley é Moomintroll. Mas sem Moominmamma, Moominpappa, e todos os personagens já conhecidos e estranhos que os Moomins atender, não seria uma história para contar ... Isso é o quão importante até mesmo os menores erros pequenos estão em Moominvalley.


As ilustrações foram selecionadas a partir da coleção de 2 000 obras originais de Tove Jansson. Algumas ilustrações são muito delicadas e são mostrados em uma sala especial preto com relâmpagos esmaecido. Algumas obras raras só pode ser visto no museu Moominvalley. Tableaux tridimensional complementar nossas imaginações com relação aos eventos das histórias Moomin.

National Museum of Historical, Taipei, Taiwan -- Museu Nacional de Histórico, Taipei, Taiwan

The“National Museum of Historical Artifacts and Fine Arts” was established in a Japanese style building near the Taipei Botanical Garden in 1955. It was renamed the“National Museum of History” (hereafter, “NMH”) in 1956 and the building was renovated in a five-floor traditional Chinese Ming and Qing palace style, with four floors for exhibition and staff offices, and one floor for storage. Despite its limited space, the NMH is renowned for its international exhibitions, and its proactive and innovative museum development and educational programs. Various conversions of the building have been carried out over the years to adapt it as a modern space fit for the newest exhibition facilities and requirements. 



Collection
The NMH's collection originally consisted of artifacts from the Henan Museum that were relocated to Taiwan in 1949, and of relics recovered from the Japanese after the Sino-Japanese War. The collection included the bronzes unearthed in Xinzheng, Hui and Anyang (in Henan Province), Pre-Qin pottery unearthed in Loyang, Han green-glazed pottery, the dancer and musician figurines of the Six Dynasties, Tang tri-colored pottery and other treasures. The arrival of allocated artifacts and donations from private collectors gradually enriched the Museum's collection and enlarged its archives. 

The museum collections continued to grow with annual acquisitions obtained with government procurement budget allocations and donations from private collectors. The annual acquisitions provided the museum with artifacts and relics from mainland China, Taiwan, and other countries. The collections date back to the Neolithic period and the ancient Chinese dynasties Shang, Zhou, Han, Tang, Song, Yuan, Ming, and Qing, up to the contemporary era.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.







--br via tradutor do google
Museu Nacional de Histórico, Taipei, Taiwan

O "Museu Nacional de artefatos históricos e Belas Artes" foi estabelecida em um edifício de estilo japonês perto do Jardim Botânico de Taipei, em 1955. Ele foi rebatizado de "Museu Nacional de História" (a seguir, "NMH") em 1956 eo edifício foi renovado em um tradicional estilo de cinco andares Palácio chinês Ming e Qing, com quatro andares para escritórios de exposições e de pessoal, e um piso para armazenamento. Apesar de seu espaço limitado, a NMH é famosa por suas exposições internacionais, e seus programas de desenvolvimento museu e educacionais pró-ativas e inovadoras. Vários conversões do edifício foram realizadas ao longo dos anos para adaptá-lo como um moderno fit espaço para os mais novos equipamentos e requisitos de exposições.
Coleção
A coleção do NMH inicialmente consistia de artefatos do Museu de Henan, que foram transferidos para Taiwan em 1949, e de relíquias recuperadas dos japoneses após a Guerra Sino-Japonesa. A coleção incluía os bronzes descobertos em Xinzheng, Hui e Anyang (na província de Henan), pré-Qin cerâmica descobertos em Loyang, Han cerâmica verde-vidros, o dançarino e músico estatuetas das Seis Dinastias, Tang tri-colorido cerâmica e outros tesouros . A chegada de artefatos e doações de colecionadores particulares alocados gradualmente enriquecido colecção do Museu e ampliado seus arquivos.
As colecções do museu continuou a crescer com aquisições anuais obtidos com as dotações orçamentais do governo contratos e doações de colecionadores particulares. As aquisições anuais desde que o museu com artefatos e relíquias da China continental, Taiwan e outros países. As colecções datam do período Neolítico e as antigas dinastias chinesas Shang, Zhou, Han, Tang, Song, Yuan, Ming e Qing, até a época contemporânea. 

Ateneum Art Museum -- Museu Nacional de Arte finlandesa.

When the Ateneum was placed under government administration in 1990, its collections were divided between the Ateneum Art Museum and the Museum of Contemporary Art. At the moment, the work of artists who have begun their career in 1960 or later is administered by the Museum of Contemporary Art Kiasma. Ateneum's collections thus introduce Finnish art from the Gustavian period of the mid-18th century to the modernist movements of the 1950s. Ateneum also houses a handsome collection of international art, featuring works by such masters as Vincent van Gogh, Paul Gauguin, Paul Cézanne, Fernand Léger and Marc Chagall.




The collection was initiated a couple of years after the Finnish Art Society had been established in 1846. The society itself acquired a few works considered worthy of the collection, while it also accepted donations of one or more works. A part of the donations was pure financial support. Interest from private testamentary funds provided great relief for the society struggling on a tight budget.

In 1863, the collection managed by the Finnish Art Society was first put on permanent public display. In 1864, the government began to purchase model works for the society's drawing school on state funds. The Ateneum building itself, dubbed a "Palace of a million marks" by its contemporaries, was completed in 1887, and the Finnish Art Society's collections were first exhibited in its rooms on 13 October 1888. The name Ateneum alludes to the Greek goddess of wisdom and warfare, Pallas Athene. She was also a protector of cities and government. Ateneum means a temple or shrine to Athene.

The most notable donation at the turn of the twentieth century was made by Licentiate of Medicine Herman Frithiof Antell, who not only donated the whole of his collection but also the funds for regular acquisitions. The Antell Collection includes works by van Gogh, Gauguin, Cézanne, and Edvard Munch, choices questioned by his contemporaries – to them the Finnish Akseli Gallen-Kallela, Albert Edelfelt, and Hugo Simberg seemed so much safer options.

The museum's own acquisition committee concentrated on purchasing Finnish art. Sometimes, however, their funds were not even adequate for that. Towards the late 1920s the museum expressed its concern that there would be serious gaps in their Finnish collection.

The 1950s and 60s saw a campaign to raise the Ateneum to a standard European level, and one way of achieving this was thought to be the purchase of international contemporary art. The number of acquisitions, however, was no bigger than that in the beginning of the century. The emphasis was still on Finnish art, as befits a national gallery.

During the first half of the twentieth century the museum received several important donations, but then things changed. Social structure was established, and hopes for an economic boom replaced the insecurity of the war era. On the other hand, the time of extensive donations seemed to be over. The museum had already received a large collection of works by turn-of-the-century masters.

The Ateneum Art Museum adds to its collection every year. The first major acquisition after the museum was placed under government administration was an early self-portrait by Helene Schjerfbeck, purchased with support from the Friends of Ateneum.

In recent years, Ateneum has once again received some notable donations from private individuals as well. Such donations include the Ester and Jalo Sihtola Fine Arts Foundation collection, the Yrjö and Nanny Kaunisto Collection and the Rolando and Siv Pieraccini Collection.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.ateneum.fi/en/history

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google
Museu Nacional de Arte finlandesa
Quando o Ateneum foi colocada sob administração do governo em 1990, suas coleções foram divididos entre o Museu de Arte Ateneum e do Museu de Arte Contemporânea. No momento, o trabalho de artistas que começaram a sua carreira em 1960 ou mais tarde é administrado pelo Museu de Arte Contemporânea Kiasma. As coleções de Ateneum, assim, introduzir arte finlandesa do período gustaviano de meados do século 18 até os movimentos modernistas da década de 1950. Ateneum também abriga uma coleção considerável de arte internacional, com obras de mestres como Vincent van Gogh, Paul Gauguin, Paul Cézanne, Fernand Leger e Marc Chagall.

A coleção foi iniciado um par de anos depois de a Sociedade arte finlandesa tinha sido estabelecido em 1846. A própria sociedade adquiriu algumas obras consideradas digno da coleção, enquanto ele também aceitou doações de uma ou mais obras. Uma parte das doações foi o apoio financeiro puro. Juros de fundos testamentárias particulares, desde grande alívio para a sociedade lutando em um orçamento apertado.

Em 1863, a coleção gerido pela Sociedade de Arte finlandesa foi primeiro colocado em exposição pública permanente. Em 1864, o governo começou a comprar obras modelo para o desenho escola da sociedade em fundos estatais. O edifício em si Ateneum, apelidado de "Palácio de um milhão de marcas" por seus contemporâneos, foi concluída em 1887, e as coleções de arte da Sociedade Finlandesa foram exibidas pela primeira vez em seus quartos em 13 de Outubro de 1888. O nome Ateneum faz alusão à deusa grega da sabedoria e guerra, Pallas Athene. Ela também era um protetor de cidades e governo. Ateneum significa um templo ou santuário para Athene.

A doação mais notável na virada do século XX foi feita por Licenciatura de Medicina Herman Frithiof Antell, que não só doou toda a sua coleção, mas também os fundos para aquisições regulares. A coleção inclui obras de Antell van Gogh, Gauguin, Cézanne, e Edvard Munch, escolhas questionadas por seus contemporâneos - para eles o finlandês Akseli Gallen-Kallela, Albert Edelfelt, e Hugo Simberg pareciam opções muito mais seguras.

Próprio comitê aquisição do museu concentrada na compra de arte finlandesa. Às vezes, porém, os seus fundos não foram ainda adequada para isso. Rumo a final de 1920 o museu manifestou a sua preocupação de que haveria graves lacunas na sua coleção finlandês.

Os anos 1950 e 60 viu uma campanha para aumentar o Ateneum a um nível europeu padrão, e uma maneira de conseguir isso foi pensado para ser a compra da arte contemporânea internacional. O número de aquisições, no entanto, não era maior do que no início do século. A ênfase ainda estava sobre a arte finlandesa, como convém a uma galeria nacional.

Durante a primeira metade do século XX, o museu recebeu diversas doações importantes, mas depois as coisas mudaram. Estrutura social foi estabelecida, e esperanças para um boom econômico substituiu a insegurança da era da guerra. Por outro lado, o tempo de doações extensa parecia ter terminado. O museu já havia recebido uma grande coleção de obras de turn-of-the-century masters.

O Museu de Arte Ateneum adiciona à sua coleção a cada ano. A primeira grande aquisição após o museu foi colocada sob administração do governo foi um auto-retrato cedo por Helene Schjerfbeck, comprado com o apoio dos Amigos de Ateneum.

Nos últimos anos, Ateneum, mais uma vez recebeu algumas doações notáveis ​​de particulares também. Tais doações incluem a Ester e Jalo Sihtola colecção da Fundação Belas Artes, o Yrjö e Nanny Kaunisto coleção eo Rolando e Siv Pieraccini Collection.

Museu Nacional de Arte finlandesa






FINLÂNDIA TEM BELEZA CLÁSSICA DO EXTREMO NORTE


País nórdico impressiona pela geografia peculiar, que proporciona fenômenos raros como a Aurora Boreal e o Sol da Meia-Noite.

Aurora Boreal é um dos fenômenos mais raros e deslumbrantes do planeta, e a Finlândia é um dos países mais recomendados para vê-la
















Quando pensamos na Finlândia, a primeira coisa que nos vem à mente são regiões cobertas de gelo, eternizadas pelas histórias do Papai Noel. De fato, essa é uma característica da região, mas esse país nórdico tem muito mais a oferecer do que simplesmente a paisagem branca marcante da Escandinávia. Por todo o seu território, paisagens peculiares e fenômenos emblemáticos são capazes de arrebatar até os viajantes mais rodados - como o sol da meia-noite no verão, e a aurora boreal no inverno.

Hoje, a Finlândia é um dos mais desenvolvidos e prósperos países do mundo. Algo inimaginável no início do século 20, quando era um dos países mais pobres da Europa. Suas cidades são seguras, e sempre ornamentadas por uma beleza endêmica - como os mais de 180 mil lagos, um recorde no planeta -, que mudam constantemente graças à ação do clima. Sim, pois a variação térmica durante o ano é impressionante, com verões que não ultrapassam os 25ºC, e invernos que beiram o glacial.

A capital é Helsinque, localizada ao sul do país. Uma cidade litorânea organizada e repleta de história. O transporte funciona com eficiência, não há multidões nas ruas (apesar de seus 600 mil habitantes), e o roteiro cultural é diversificado - com museus, galerias de arte, salões de design, lojas, restaurantes e uma arquitetura que impressiona pela harmonia entre as construções tradicionais e as modernas. Duas das estruturas mais emblemáticas da cidade são a Fortaleza de Suomenlinna, na entrada do porto de Helsinque, e igreja de pedra Temppeliaukio Kirkko. Entre os museus, destaque para o Museu Nacional da Finlândia e o Museu Nacional de Arte finlandesa.

A natureza também é um ponto forte da capital. O contraste entre o imponente Mar Báltico, e a vegetação que o cerca impressiona. A menos de 150 quilômetros dali fica Turku, a mais antiga cidade do país, e primeira capital finlandesa. Sua relevância histórica é comprovada pelo belíssimo conjunto arquitetônico, com construções emblemáticas como o Castelo de Turku e a Catedral de Turku, ambas datadas do século 13. Tanto a antiga capital, quanto a nova possuem agitada vida cultural e noturna.
Helsinque é a capital da Finlândia



Tampere é outra cidade vibrante. Incrustada entre dois lagos impossíveis de soletrar - o Näsijärvi e o Pyhäjärvi -, ela tem cerca de 215 mil habitantes e reúne as maiores indústrias do país. Por isso, também tem vida cultural agitada, com inúmeros museus, teatros, restaurantes e festivais de música e dança.

Ao norte fica a Lapônia, região famosa por ser o possível lar do Papai Noel. Não se tem notícias do bom velhinho por lá, mas as renas são figurinhas fáceis de serem vistas. A cultura natalina está fortemente presente na capital da província, Rovaniemi, onde há a icônica casa do Papai Noel.

Porém, o que mais chama atenção na Lapônia não é isso, mas sim os fenômenos naturais. A região é o melhor lugar da Finlândia para se admirar dois dos maiores espetáculos da Escandinávia: a Aurora Boreal e o Sol da Meia-Noite. Como a região é praticamente intocada e repleta de montanhas, fiordes e florestas, é um dos melhores lugares do mundo para ver tais fenômenos. No verão, o sol brilha por 24 horas nesta região. No inverno, as noites são ornamentadas por luzes verdejantes, que parecem dançar sob as nuvens.

Para finalizar, com alguma sorte, você pode acompanhar outro fenômeno raro, conhecido como Sentinelas do Ártico. No inverno, em florestas remotas da Lapônia, o clima glacial simplesmente congela e camufla todas as árvores, formando um cenário surreal que parece de outro planeta. Acha exagero? Veja na galeria!

Como chegar

Não há voos diretos do Brasil para a Finlândia. Considerado um dos melhores terminais do mundo, o Aeroporto de Helsínque-Vantaa, a 20 quilômetros da capital, é o maior do país. e recebe voos com conexões das principais cidades brasileiras. O tempo de viagem pode chegar a 20 horas.

The Lithuanian Aviation Museum -- O Museu de Aviação lituano

Vytogala is the native village of Stasys Girėnas (1893–1933), an aviator and transatlantic flight pioneer.



Stasys Girėnas and Steponas Darius, both born in Žemaitija, met in the USA, where they had the idea of flying non-stop from new York to Kaunas, then the capital of Lithuania.

On 15 July 1933 they left new York, but were killed in a crash in strange circumstances only 650 kilometers short of Kaunas, on the territory of nazi Germany (now Soldin, Poland).

The distance (6411-km) they flew was the world’s second longest distance non-stop. They crossed the Atlantic under adverse conditions. With only primitive navigation equipment, they flew very precisely. In the history of aviation their flight ranks among the most precise by navigation standards.

Girenas was the 16th child in a poor farmer’s family. Orphaned in their childhood, he and his brother immigrated to the USA where he became a qualified pilot.

His parents’ house has been restored and is now a museum. One-end houses an exhibition devoted to the pilot and his village; in the other is a rich ethnographic exhibition.




Formerly known as the Lithuanian Technical Museum was founded on February 19, 1990, on the base of the Vytautas the Great Military Museum section of Technical History. It acquired its present name on February 1, 1995.


Its director is Algis Lapinskas. The museum is within the jurisdiction of the Lithuanian Ministry of Culture and its located in Kaunas, Lithuania at the Darius and Girenas airfield, which has been in operation since 1915.

The museum was started establishing in 1982 when a senior research worker was employed by Kaunas State Museum of History. He was charged to collect articles of the history of technology.

In 1983 a sector of the history of technology was established in the museum, in 1985 it was reorganized into a division.

In 1985-1987 the division of the history of technology organized 3 conferences on the history of technology in Lithuania, printed theses of reports.

In 1989-1990 the division took over a part of displays of the Museum of Sport Aviation which had functioned in Kaunas in 1983-1989.

On March 21, 1990 buildings owned by the United Aviation Crew of Kaunas in 132 Veiverių St. were transmitted to the division of the history of technology.

On February 19, 1990 on the basis of the division of the history of technology of Vytautas Magnus Military Museum Lithuanian Museum of Technology was established by order of the Minister of Culture.

On March 6, 1991 a publishing house “Plieno sparnai” (Steel wings) was registered.

In summer 1991 the museum took over transatlantic pilots’ S. Darius and S. Girenas homesteads in Klaipeda and Silale regions restored by Lithuanian Cultural Foundation and veterans of aviation.

On February 2, 1995 the museum was named Lithuanian Aviation Museum.
Founder of the museum – Ministry of Culture of the Republic of Lithuania.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--br via tradutor do google
Vytogala é a aldeia natal de Stasys Girėnas (1893-1933), um aviador e pioneiro vôo transatlântico.

Stasys Girėnas e Steponas Darius, ambos nascidos em Žemaitija, reuniu-se nos EUA, onde tiveram a idéia de voar sem escalas de Nova York a Kaunas, em seguida, a capital da Lituânia.

Em 15 de julho 1933, deixou Nova York, mas foram mortos em um acidente em circunstâncias estranhas apenas 650 km curtas de Kaunas, no território da Alemanha nazista (agora Soldin, Polônia).

A distância (km-6411) que voou foi o segundo mais longo que non-stop distância do mundo. Eles cruzaram o Atlântico em condições adversas. Com apenas equipamentos de navegação primitivo, eles voaram com muita precisão. Na história da aviação seu vôo está entre os mais precisos para os padrões de navegação.

Girenas era a criança 16 em uma família de agricultores pobres. Órfãs em sua infância, ele e seu irmão imigrou para os EUA, onde ele se tornou um piloto qualificado.


Casa de seus pais foi restaurada e é agora um museu. One-final abriga uma exposição dedicada ao piloto e sua aldeia; no outro é uma rica exposição etnográfica.
O Museu de Aviação lituano conhecido anteriormente como o Museu Técnico lituano foi fundada em 19 de fevereiro de 1990, sobre a base do Vytautas o Grande seção Museu Militar de História Técnico. Ele adquiriu seu nome atual em 01 de fevereiro de 1995.

Seu diretor é Algis Lapinskas. O museu é da competência do Ministério da Cultura da Lituânia e sua localizado em Kaunas, Lituânia no aeródromo Darius e Girenas, que está em operação desde 1915.

O museu foi iniciado o estabelecimento em 1982, quando um trabalhador sênior de pesquisa foi empregado por Kaunas State Museum of History. Ele foi acusado de recolher artigos da história da tecnologia.

Em 1983, um setor da história da tecnologia foi criada em museu, em 1985, foi reorganizado em uma divisão.

Em 1985-1987 a divisão da história da tecnologia organizada 3 conferências sobre a história da tecnologia na Lituânia, teses de relatórios impressos.

Em 1989-1990 a divisão assumiu uma parte de exposições do Museu de Sport Aviação, que tinha funcionado em Kaunas em 1983-1989.

Em 21 de março de 1990 edifícios detidos pelo grupo United Aviation de Kaunas em 132 VEIVERIU St. foram transmitidos para a divisão da história da tecnologia.
19 de fevereiro de 1990, relativa à base da divisão da história da tecnologia de Vytautas Magnus Militar Museu lituano Museu de Tecnologia foi criada por despacho do Ministro da Cultura.

Em 6 de março, 1991 a editora "Plieno sparnai" (asas de aço) foi registrado.
No verão de 1991, o museu levou mais dos pilotos transatlânticos S. Darius e S. Girenas herdades em Klaipeda e regiões Silale restaurados pela Fundação e veteranos da aviação Cultural Lituano.

Em 2 de fevereiro de 1995, o museu foi nomeado lituano Museu da Aviação.
Fundador do museu - Ministério da Cultura da República da Lituânia.

-

Içada Bandeira-Monumento no Museu da História Militar em Luanda, Angola.

A Bandeira Monumento foi içada hoje, quarta-feira, pelas 8h00, no Museu da História Militar (Ex-Fortaleza de São Miguel), em Luanda, num acto presidido pelo Vice-Presidente da República; Manuel Domingos Vicente.


IÇADA BANDEIRA MONUMENTO
FOTO: MIUDO


A bandeira que pesa 40 quilos, com 18 metros de comprimento e 12 de largura, é içada num mastro de 75 metros de altura que pode suportar ventos até 200 quilómetros. Epode ser vista em todas artérias da baixa de Luanda.

No entanto, a bandeira da República de Angola foi içada pela primeira vez as zero horas de 11 de Novembro de 1975, com a proclamação da Independência Nacional pelo primeiro Presidente de Angola independente, António Agostinho Neto.

Enquanto a Bandeira-Monumento foi hasteada pela primeira vez no Museu Nacional de História Militar, antiga fortaleza de S. Miguel, num acto presidido pelo Presidente da república, José Eduardo dos Santos, no dia 4 de Abril de 2013, e a mesma é hasteada 12 vezes por ano.

Inaugurada no quadro das comemorações do 11º aniversário do 4 de Abril, dia consagrado a Paz e a Reconciliação Nacional, a Bandeira-Monumento é uma homenagem aos heróis da Pátria e todos quantos se empenharam para o alcance da independência nacional, da paz, do progresso e do desenvolvimento de Angola.

A referida bandeira será hasteada a 4 de Janeiro (Dia dos Mártires da Repressão Colonial Baixa de Kassanje), 4 de Fevereiro (Inicio da Luta Armada de Libertação Nacional), 8 de Março (Dia Internacional da Mulher), 4 de Abril (Dia da Paz e da Reconciliação Nacional), 1 de Maio (Dia Internacional dos Trabalhadores) e a 25 de Maio (Dia de África).

A mesma será também hasteada no primeiro domingo do mês de Julho, no primeiro domingo do mês de Agosto, a 17 de Setembro (Dia do Fundador da Nação e do Herói Nacional), no primeiro domingo do mês de Outubro, a 11 de Novembro (Dia da Independência Nacional) e a 25 de Dezembro (Dia de Natal e da Família).

A obra é constituída por um mastro de 75 metros de altura e 25 toneladas de peso, sob uma base de 1,5 metros de diâmetro, constituída por cerca de 200 metros cúbicos de betão armado, enquanto no topo, de 30 centímetros, está incrustada uma luz de sinalização aeronáutica.

O mastro, que pode oscilar até um metro para os lados, suporta uma Bandeira Nacional, com 18 metros de comprimento e 12 de largura, pesando cerca de 40 quilos, cujo material de confecção (pano) está preparado para suportar adversidades do tempo, mormente ventos de até 200 quilómetros por hora.

A Bandeira Nacional, saliente-se, tem duas cores dispostas em igual número de faixas horizontais, sendo a superior e de côr vermelha-rubra e a inferior preta, representando:

A vermelha-rubra, o sangue derramado pelos angolanos durante a opressão colonial, a luta de libertação nacional e a defesa da pátria, enquanto a preta o Continente africano.

Ao centro, figura uma secção constituída por uma semi-Roda Dentada, símbolo dos trabalhadores e da produção industrial, uma Catana, em homenagem aos camponeses, a produção agrícola e a luta armada, por fim uma Estrela, que representa a solidariedade internacional e o progresso.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


http://www.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/politica/2015/10/46/Angola-Icada-Bandeira-Monumento-Museu-Historia-Luanda,bda43507-cd52-403f-af5c-b364b3d622a2.html

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.