Listen to the text.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Cultura e idioma brasileiro: - TUPI - O tupi ou tupi antigo era a língua falada pelos povos tupis que habitavam o litoral do Brasil no século XVI.. --- Brazilian culture and language: - TUPI - The Tupi or Old Tupi was the language spoken by Tupi peoples who inhabited the coast of Brazil in the sixteenth century

O tupi antigo foi a língua mais usada na costa do Brasil no século XVI. No século XVII ele daria origem a línguas gerais. Estas foram, por séculos, as línguas da maioria dos membros do sistema colonial brasileiro, de índios, negros africanos e europeus, contribuindo para a unidade política do nosso país. Legaram à língua portuguesa do Brasil milhares de termos, nomearam milhares de lugares em nosso território, penetraram em nossa literatura colonial, no Romantismo, no Modernismo, foram a referência fundamental de todos os que quiseram afirmar a identidade cultural do Brasil.

Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro, Bahia, Brasil, em 1500. Oscar Pereira da Silva – 1922


O tupi ou tupi antigo era a língua falada pelos povos tupis que habitavam o litoral do Brasil no século XVI ( tupinambás, tupiniquins, caetés, tamoios, potiguaras, temiminós, tabajaras etc.). Foi aprendida pelos colonizadores portugueses que aí aportaram a partir desse século e, por intermédio deles e de seus descendentes mestiços (como, por exemplo, os bandeirantes), se tornou o idioma mais usado não só no litoral, mas em todo o atual território brasileiro durante os séculos XVI e XVII . Possui vários documentos que comprovam sua existência, sendo o padre jesuíta José de Anchieta considerado como seu primeiro gramático ( os jesuítas que criaram a representação escrita da língua, a qual era, até então, exclusivamente oral ) . Anchieta não foi, porém, o primeiro jesuíta a aprender a língua nativa: o padre basco João de Azpilcueta Navarro compôs os primeiros hinos religiosos em suas pregações aos indígenas .

Nos séculos XVI e XVII, era chamado pelos portugueses de língua brasílica por ser o idioma mais usado no Brasil ( o termo "língua tupi" somente se generalizou a partir do século XIX). Os europeus que iam viver no Brasil, bem como os escravos africanos que eram trazidos para o país, a aprendiam e a falavam no seu dia a dia, usando o português apenas na suas relações com a Coroa Portuguesa. Teve sua gramática estudada pelos jesuítas (os quais a utilizavam como instrumento de catequese). Deixou de ser falada no final do século 17, quando foi suplantada pela língua geral.

Com a proibição da língua pelo Marquês de Pombal em 1758, o tupi deixou de ser a língua mais falada no Brasil, sendo substituída pelo português. É considerada, atualmente, uma língua morta. Sua descendente paulista, a língua geral paulista, continuou, no entanto, a ser falada no interior do atual estado de São Paulo até o início do século 20 e a sua descendente amazônica, o nheengatu, continua a ser falada até hoje no vale do rio Negro, na Amazônia. A língua tupi também continua presente no cotidiano dos brasileiros através de vários nomes tupis que se encontram na geografia brasileira e nas denominações de vários animais e plantas nativos do Brasil.

Geralmente, são descrições das coisas a que se referem, envolvendo uma explicação inteira. Cada palavra pode ser uma verdadeira frase. Decifrar o significado das palavras requer, muitas vezes, uma visita ao local a que se refere o termo. Um exemplo disso é o topônimo Paranapiacaba = paraná + epiak + -(s)aba, "mar" + "ver" + "lugar" = "lugar de onde se vê o mar", que se refere a um ponto da serra do Mar onde se pode avistar o mar. A língua tupi é aglutinante, não possui artigos (assim como o latim) e não flexiona nem em gênero nem em número.

Levantar informações confiáveis sobre a fonologia da língua tupi para uma possível reconstrução fonológica seria uma tarefa difícil ou até mesmo impraticável, não tivesse o tronco tupi, e mais especificamente a família tupi-guarani, da qual o tupi faz parte, uma ampla distribuição geográfica. Preponderante a uma reconstrução fonológica, já realizada, foi o fato de o nheengatu, língua que descende do tupi, ser falado ainda hoje na Amazônia. Somando-se a este fato, já bastante favorável, não se pode deixar de citar a continuidade do guarani antigo, língua distinta mas muito próxima ao tupi, nos atuais guarani-mbyá, guarani-nhandéva, guarani-kaiowá e guarani paraguaio. Sendo tão fortes os pontos favoráveis, tornou-se factível a reconstrução da fonologia tupi.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--in via tradutor do google
Brazilian culture and language: - TUPI - The Tupi or Old Tupi was the language spoken by Tupi peoples who inhabited the coast of Brazil in the sixteenth century

The former Tupi was the language most used in Brazil's coast in the sixteenth century. In the seventeenth century it would lead to general languages. These were, for centuries, the languages ​​of the majority of the Brazilian colonial system, Indians, Africans and Europeans black, contributing to the political unity of our country. Bequeathed to the Portuguese language in Brazil thousands of terms, named thousands of places in our territory, penetrated our colonial literature, Romanticism in Modernism, it was the fundamental reference for all who wanted to affirm the cultural identity of Brazil.

-

The Tupi or Old Tupi was the language spoken by Tupi peoples who inhabited the coast of Brazil in the sixteenth century (tupinambás, tupiniquins, caetés, tamoios, potiguaras, temiminós, tabajaras etc.). It was learned by the Portuguese settlers who then landed from that century and, through them and their mixed descendants (for example, the pioneers), has become the most used language not only on the coast but around the current Brazil during the sixteenth and seventeenth centuries. It has several documents that prove their existence, and the Jesuit priest José de Anchieta considered as its first grammarian (Jesuits who created the written language representation, which was hitherto exclusively oral). Anchieta was not, however, the first Jesuit to learn the native language: the Basque priest João de Azpilcueta Navarro wrote the first hymns in their preaching to the Indians.

In the sixteenth and seventeenth centuries, it was called by Brasílica speaking Portuguese to be the most used language in Brazil (the term "Tupi" only became widespread from the nineteenth century). Europeans who were going to live in Brazil, and the African slaves who were brought to the country, learned and spoke in their day to day using the Portuguese only in its relations with the Portuguese Crown. Had its grammar studied by the Jesuits (which used as catechetical instrument). Ceased to be spoken in the late 17th century when it was supplanted by the general language.

With the prohibition of the language by the Marquis of Pombal in 1758, Tupi was no longer the most spoken language in Brazil, being replaced by Portuguese. It is currently considered a dead language. Your Sao Paulo downward, the São Paulo general language, continued, however, to be spoken within the current state of São Paulo until the early 20th century and its Amazon downward, the nheengatu, is still spoken today in the river valley black, in the Amazon. The Tupi language continues also present in the Brazilian daily through various Tupi names that are in the Brazilian geography and the names of various animals and native plants of Brazil.

Generally, they are descriptions of the things referred to, involving a full explanation. Each word can be a real sentence. Decipher the meaning of words often requires a site visit referred to the term. An example of this is the place name Paranapiacaba = paraná + epiak + - (s) tab, "Sea" + "see" + "place" = "place where you see the sea", which refers to a point in the Serra do Mar where I could see the sea. The Tupi language is binding, it does not have articles (as well as Latin) and not flex nor gender nor number.

Lift reliable information on the phonology of the Tupi language for a possible phonological reconstruction would be difficult or even impossible task, had not the Tupi, and more specifically the Tupi-Guarani family, which the Tupi part, a wide geographical distribution. Leading to a phonological reconstruction, already held, it was that the nheengatu, a language descended from Tupi, be talked about today in the Amazon. Adding to this fact, already quite favorable, one can not fail to mention the continuity of the old Guarani, distinct language but very close to Tupi, in today's Guarani-Mbya, Guarani-Nhandeva, Guarani-Kaiowa and Guarani of Paraguay. Being as strong favorable points, it became feasible reconstruction of Tupi phonology.

Children’s Museum in Oman. -- Museu Infantil Oman.

Among the many museums that a visitor can get to seeing in the sultanate of Oman the Children’s Museum Oman is an extremely interesting place, not just for children, but for their parents and care takers too. 



Officially thrown open to the public in the year 1990 on the 20th National day of the country, by Sultan Qaboos bin Said al Said, this museum close to the Qurum Nature Park is placed inside two spectacular buildings shaped like domes and is found at the foot of the hill where Mumtaz Mahal / Left bank are situated. In spite of the fact that it is a children’s museum, this museum is believed to have over fifty thousand visitors every year. Typically this is a science museum that occupies about ten thousand square feet of space and has about forty five exhibits and two demonstrations.

Managed and run by an ex-school teacher Samirah Ahmed al Raisi since the past six years, there are ever so many objects of interest inside the Children’s Museum like communicative scientific displays that are designed for kids who are in the age group of between six and twelve. Nevertheless even kids who are younger have plenty of fun engaging themselves with the varied exhibits though they are not old enough to comprehend the concepts that are demonstrated. In fact the museum is segregated into three sections namely the human life, physics and act of observing and understanding through investigative ventures how science seems to have progressed over the years.

The most intriguing part of these exhibits are that many of them are ones where the children participate in hands-on learning activities like how one learns to change gears with the help of moveable cogs, the feeling of a false electric shock, how a bolt of lightening can be triggered, the method of setting off a hot air balloon, taking photographs of one’s own shadow and passing messages via the whispering Dish.

In fact the Whispering Dishes are something that children are taken in by. These dishes are placed pretty far apart, yet when someone whispers into one of them the other person at the other dish can hear what was said very clearly. The property of the reflectors in the dishes here explain that all sounds starting from a focal point are so reflected that they move on parallel paths and reach the other dishes, though they cannot be heard by the naked ear.

One also finds a variety of optical illusions that deceive the children’ into viewing things differently. As well as there are so many things that teach the child different facets of physics like weight, speed, pressure force and reaction time.

Most children who visit the Children’s Museum are enamoured of the life sized human skeleton and a human body that has all the internal parts that are moveable such that the children learn where exactly the different organs of the body are found. Kids get to inspect a lot of things under a microscope. There is also a mirror that reflects the pattern of stars and the child is required to look into the mirror and with the help of a pointer trace between the stars. If he happens to touch any of the sides there is a beep to show failure.

Managed and run by the Ministry of Heritage and Culture the Children’s Museum, Oman is open form 9.30 am to 1.30 pm Wednesdays through Saturdays and from 9.00 am to 1.00 pm on Saturdays.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--br via tradutor do google
Museu muito interessante para crianças em Omã
Entre os muitos museus que um visitante pode começar a ver no sultanato de Oman do Museu Infantil Oman é um lugar extremamente interessante, não só para crianças, mas para os pais e cuidadores também. 

Oficialmente abertas ao público no ano de 1990 no 20º dia Nacional do país, pelo sultão Qaboos bin Said Al Said, este museu perto do Parque Natural de Qurum é colocado dentro de dois edifícios espectaculares em forma de cúpulas e é encontrado no pé da colina onde Mumtaz Mahal / Esquerda banco estão situados. Apesar do fato de que é um museu para crianças, este museu é acreditado para ter mais de cinquenta mil visitantes por ano. Normalmente este é um museu de ciência que ocupa cerca de 10.000 pés quadrados de espaço e tem cerca de quarenta e cinco exposições e duas manifestações.

Gerida e administrada por um professor de ex-escola Samirah Ahmed al Raisi desde os últimos seis anos, há sempre tão muitos objetos de interesse dentro Museu das Crianças como exposições científicas comunicativas que são projetados para as crianças que estão na faixa etária entre seis e doze. No entanto, mesmo as crianças que são mais jovens têm muita diversão engajando-se com as exposições variadas embora eles não têm idade suficiente para compreender os conceitos que são demonstradas. Na verdade, o museu é segregado em três seções ou seja, a vida humana, física e ato de observar e compreender através de empreendimentos de investigação como a ciência parece ter progredido ao longo dos anos.

A parte mais intrigante dessas exposições é que muitos deles são aqueles onde as crianças participam de atividades práticas de aprendizagem como a forma como se aprende a mudar as marchas com a ajuda de engrenagens mobiliários, a sensação de um choque elétrico falso, como um parafuso de clareamento pode ser acionado, o método de desencadear um balão de ar quente, tirando fotografias de sua própria sombra e passar mensagens através da Dish sussurrando.

Na verdade, os pratos que sussurram são algo que as crianças são tomadas por. Estes pratos são colocados muito distantes um do outro, mas quando alguém sussurra em uma delas a outra pessoa no outro prato pode ouvir o que foi dito muito claramente. A propriedade dos refletores em pratos aqui explicar que todos os sons a partir de um ponto focal são tão refletiu que eles se movem em caminhos paralelos e alcançar os outros pratos, embora eles não podem ser captadas pelo ouvido nu.

Encontra-se também uma variedade de ilusões de ótica que enganam as crianças 'para ver as coisas de forma diferente. Assim como há tantas coisas que ensinam a criança diferentes facetas da física, como peso, velocidade, força de pressão e tempo de reação.

A maioria das crianças que visitam o Museu das Crianças são apaixonados da vida dimensionada esqueleto humano e um corpo humano que tem todas as peças internas que são móveis de modo que as crianças aprendem onde exatamente os diferentes órgãos do corpo são encontrados. Os miúdos começam a inspecionar um monte de coisas sob um microscópio. Há também um espelho que reflete o padrão de estrelas e que a criança é obrigada a olhar para o espelho e com a ajuda de um traço ponteiro entre as estrelas. Se ele passa a tocar em nenhum dos lados existe um sinal sonoro para mostrar fracasso.

Gerenciado e executado pelo Ministério do Património e Cultura Museu das Crianças, Omã é forma aberta 9h30 às 1.30 pm quarta-feira a sábado e 09h00 - 13:00 aos sábados.

Museu da Herança do Povoado Português, em Malaca, Malásia. --- Heritage Museum Portuguese Settlement in Malacca, Malaysia

"Portugueses" de Malaca guardam em museu memórias de 500 anos.

Malaca é o terceiro menor estado da Malásia. Embora Malaca já tenha sido um dos mais antigos sultanatos malaios, o estado atualmente não é governado por um sultão e sim por um governador. Em 2008 foi declarada Património Mundial pela UNESCO


Um museu preserva, desde há três anos, a memória portuguesa num canto de Malaca, a cidade que Afonso de Albuquerque conquistou e cuja lenda ainda sobrevive 500 anos depois da sua morte.

A comunidade de descendência portuguesa de Malaca, iniciada após a tomada da cidade por Afonso de Albuquerque em 1511, está a divulgar as memórias da sua ligação a Portugal num museu que sobrevive do voluntariado.

Há três anos, Christopher De Mello, juntamente com Jerry Alcântara, decidiu pegar num museu antigo que tinha "apenas fotografias" e transformá-lo num espaço de exposição de memórias que hoje recebe pessoas de todo o mundo.

O Portuguese Settlement Heritage Museum ( Museu da Herança do Povoado Português, Malaca ), como é conhecido localmente, fica precisamente no centro do Portuguese Settlement, um bairro a cerca de três quilómetros de centro de Malaca que foi criado na década de 1930 para os descendentes de portugueses espalhados pela região.

Entre o espólio, com largas centenas de peças, há objetos e coleções pessoais, como biberões e fotografias, e artigos comprados ou "encontrados no mar" pelos pescadores, que podem ser "portugueses, chineses ou indianos", conta à Lusa Christopher De Mello.

Após ter ficado desempregado, o engenheiro de manutenção, que agora trabalha em part-time, encontrou uma oportunidade para "melhorar o museu" fazendo uso dos seus variados talentos, como a carpintaria para montar expositores e a comunicação para contar as histórias da comunidade que não cabem no museu.

É também ele o responsável pelo barco de madeira "Flor de la Mar" (Flor do Mar, em português) que se encontra no centro do museu para lembrar a famosa nau com o mesmo nome que naufragou em 1511 no estreito de Malaca, com um imenso tesouro, que nunca foi encontrado.

Afonso de Albuquerque, cujo 500º aniversário da morte se assinala esta terça-feira, também está representado, porque foi ele um dos "primeiros pais da aldeia".

"É por causa dele que estamos aqui hoje", frisou Christopher, que se sente "incomodado" quando lhe dizem que se assemelha aos malaios.

"Prefiro que digam que eu pareço mais português. Nós aqui nunca dizemos que somos malaios, dizemos que somos malaio-portugueses", sublinhou, explicando que apesar do sangue português já se ter perdido há muito, ainda predominam os sobrenomes lusos na comunidade de cerca de mil habitantes, como "Sousa" ou "Gomes".

No museu, encontram-se mobílias, louças, redes de pesca, fotografias, documentos históricos e até vinho produzido pelo próprio Christopher, uma bebida alcoólica feita de maçã que dizem fazer lembrar "o vinho do Porto".

Aos trajes tradicionais lusos oferecidos por portugueses juntam-se trajes semelhantes desenhados e usados pelos grupos de música e de dança locais que disseminam o folclore português na Malásia e no exterior.

Além das três salas de exposição, há ainda um espaço que guarda dezenas de prémios conquistados por pessoas da comunidade em concursos de beleza ou de fatos de Pai Natal ou em torneios de futebol durante os santos populares.

Entre os visitantes do museu, que nem sempre está aberto, há grupos de estudantes de todo o país e turistas estrangeiros, que vêm conhecer o Portuguese Settlement, localmente famoso pelo ambiente de festividade no Natal, no Carnaval e nos Santos Populares.

Os visitantes pagam dois ringgits malaios (0,42 cêntimos) de entrada, um valor insuficiente para sustentar o projeto, que precisa do apoio de voluntários.

O governo local já apresentou uma proposta para apoiar o museu, mas com a condição de assumir a administração do espaço e pagar um salário aos voluntários, algo que os promotores recusaram.

"Eu não quero que no futuro a história malaia entre no Portuguese Settlement. A nossa história portuguesa seria abolida", justifica.

Pedir apoios a Portugal também é visto com algumas dúvidas, pois essa eventual ajuda implicaria o envolvimento das autoridades malaias no museu, acrescentou.


Malaca, que em 2008 foi declarada Património Mundial pela UNESCO, é hoje uma cidade fortemente turística, retratando a história dos vários povos que por aqui passaram.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.





--in via tradutor do google

Heritage Museum Portuguese Settlement in Malacca, Malaysia

"Portuguese" Malacca keep memories in museum 500 years

A museum preserves, three years ago, the Portuguese in Malacca memory corner, the city Afonso de Albuquerque conquered and whose legend still survives 500 years after his death.

The Portuguese descent community of Malacca, which began after the capture of the city by Afonso de Albuquerque in 1511, is to disseminate the memories of his connection to Portugal in a museum that survives volunteering.

Three years ago, Christopher De Mello, along with Jerry Alcantara, decided to take an old museum that had "only pictures" and transform it into an exhibition space of memories that today welcomes people from all over the world.

The Portuguese Settlement Heritage Museum (Heritage Museum of the Village Portuguese, Malacca), as it is known locally, is right in the center of the Portuguese Settlement, a neighborhood about three kilometers from Malacca center that was created in the 1930s for the descendants Portuguese spread across the region.

Among the spoils, with many hundreds of pieces, there are objects and personal collections, such as bottles and photographs, and items purchased or "found in the sea" by fishermen, which can be "Portuguese, Chinese or Indian," said Lusa Christopher De Mello .

After becoming unemployed, the maintenance engineer who now works part-time, found an opportunity to "improve the museum" making use of his varied talents, such as carpentry to assemble exhibitors and communication to tell the stories of the community do not fit in the museum.

It is also he responsible for the wooden boat "La Mar Blossom" (Sea Flower, in Portuguese), which is in the center of the museum to remember the famous ship of the same name which sank in 1511 in the Strait of Malacca, with a immense treasure, which was never found.

Afonso de Albuquerque, whose 500th anniversary of death be marked on Tuesday, is also represented, because he was one of the "first parents of the village."

"It's because of him that we are here today", said Christopher, who feels "uncomfortable" when they tell you that resembles the Malays.

"I'd rather say I look more Portuguese. We here never say we are Malaysians, we say we are Malay-Portuguese," he said, explaining that despite the Portuguese blood already was lost long ago still dominated by lusos surnames in the community about a thousand inhabitants, like "Smith" or "Gomes".

In the museum are furniture, crockery, fishing nets, photographs, historical documents and even wine produced by Christopher himself, an alcoholic drink made from apple to remind say "Port wine".

Lusos traditional costumes offered by Portuguese join similar costumes designed and used by music groups and local dance that disseminate the Portuguese folklore in Malaysia and abroad.

Besides the three exhibition halls, there is still a space that holds dozens of awards earned by people in the community in beauty pageants or Father Christmas or facts in football tournaments during the popular saints.

Among visitors to the museum, which is not always open, there are groups of students from around the country and foreign tourists who come to know the Portuguese Settlement, locally famous for the festival environment at Christmas, Carnival and Popular Saints.

Visitors pay two Malaysian ringgit (0.42 cents) input, an insufficient amount to support the project that needs volunteers for support.

The local government has submitted a proposal to support the museum, but with the condition of taking over the management of the space and pay a salary to the volunteers, something that prosecutors refused.

"I do not want the future to Malaysian history between the Portuguese Settlement. Our Portuguese history would be abolished," he explains.

Request support for Portugal is also seen with some doubts because any such aid would imply the involvement of Malaysian authorities in the museum, he added.

Malacca, which in 2008 was declared World Heritage by UNESCO, is now a heavily tourist town, depicting the history of the various peoples who passed through here.

Museu Goiano Zoroastro Artiaga, Goias, Brasil, expõe acervo sobre povo Karajá. --- Goiano Museum Artiaga Zoroaster, Goias, Brazil, exposes collection on Karajá people

O Museu Goiano Zoroastro Artiaga, abre a exposição Povo Karajá, Arte, Memória e Sustentabilidade. A mostra, que reúne peças do acervo do museu contendo arte indígena, exemplares da fauna e flora do Cerrado, geologia, arqueologia, cultura popular e folclore.


Exposição Povo Karajá, Arte, Memória e Sustentabilidade no Museu Goiano Zoroastro Artiaga


Esse acervo foi formado a partir do mostruário da Exposição Permanente de Goiás, realizada em 1942. Nela estão peças de artesanato produzidas por homens e mulheres Karajá, objetos que representam aspectos da diversidade cultural e linguística dessa sociedade indígena. É por meio delas que os Karajá expressam seus sentimentos, vitalizam sua memória, ensinam seus filhos, transmitem o saber dos seus ancestrais.


A exposição estará em cartaz até março de 2016. As visitas podem ser feitas de terça a sexta-feira, das 9 às 17 horas, e aos sábados, domingos e feriados das 9 às 15 horas. O Museu Zoroastro Artiaga, localiza-se na Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira (Praça Cívica).





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--in via tradutor do google
Goiano Museum Artiaga Zoroaster, Goias, Brazil, exposes collection on Karajá people
The Goiano Museum Artiaga Zoroaster, opens the exhibition People Karajá, Art, Memory and Sustainability. The show, which brings together museum collection pieces containing indigenous art, copies of the Cerrado flora and fauna, geology, archeology, popular culture and folklore.

People exposure Karajá, Art, Memory and Sustainability in Goiano Museum Artiaga Zoroaster

This collection was formed from the showcase of Goiás Permanent Exhibition held in 1942. In it are handicrafts produced by men and women Karajá, objects that represent aspects of cultural and linguistic diversity of this indigenous society. It is through them that the Karajá express their feelings, vitalize your memory, teach their children transmit the knowledge of their ancestors.

The exhibition will be on display until March 2016. The visits can be made from Tuesday to Friday, from 9 to 17 hours and on Saturdays, Sundays and holidays from 9 to 15 hours. The Zoroaster Artiaga Museum, is located in Dr. Pedro Ludovico Square (Civic Square).

Gandhi Museums in India --- Museus de Gandhi na Índia

The building that houses the Gandhi Memorial Museum, Madurai is the historic Tamukkam Palace belonging to Rani Mangammal of Nayak Dynasty built about 1670 A.D.



Later, This was under the occupation of the Nawab of Carnatic, the East India Company and a few others. Finally the Palace had remained for many years as the official residence of the British District Collector of Madurai, It was in 1955 the palace with about 13 acres of land was gifted by the Tamil Nadu State Government to the All India Gandhi Smarak Nidhi for the purpose of housing Gandhi Memorial Museum.

Besides the major renovation to the original building a complete new wing on the northern side was constructed for the Library, Open Air Theatre and also several other buildings.

-
Museum Galleries

The Museum galleries are divided into three major sections, viz., “India Fights for Freedom”, “Visual Biography of Mahatma Gandhi” and “Relics and Replicas”. Also a Philatelic Gallery on Gandhi is functioning in the ground floor.

INDIAN FIGHTS FOR FREEDOM

Right at the entrance the first section entitled INDIA FIGHTS FOR FREEDOM is located with 265 illustrations displayed in 30 panels at the Dubar Hall depicting the history of the Indian Freedom Movement. A List of the content of this section is given below along with the titles:

THE COMING OF THE WHITE MEN-1498This depicts the arrival of the Europeans and the visit of Vasco da Gama (European Seaman) and finally how the Britishers began to conquer and rule India through trade and pistol point.

THE CHALLENGE FROM TAMILNADU-1795This shows how warriors like Chinnamaruthu, Vellaimaruthu and Kattabomman resisted the Britishers and met with heroic death.

MYSORE RESISTS-1767In this panel we see the valorous fight of Hyder Ali and Tipu Sultan with the British and the death of Tipu in the defence of his Capital,Sringapatnam.

THE SIKH AND THE MARATHA RESISTANCE-1775This depicts the first Maratha war (1775-1782), role of Khalsa and the first and the second Sikh War.

WAGES OF SLAVERYThis shows how Britain destroyed Indias indigenous industries, and imported raw materials without taxes and exported back the finished products to India with a very high profit.

THE VOLCANO ERUPTSThis panel depicts how the Volcano of discontent erupted. Also this pictures the wounded psyche of Indian soldiers in the East India Company.

THE FIRST SHOT-1857This panel shows the birth of the First War of Indian Independence and the declaration of the ageing Bhadur Shan as their Emperor by the rebels.

THE REVOLT SPREADSThis depicts the spreading of the First War of Indian Independence, the role of Nana Saheb and the remarkable, sacrifice of the lives of Indian patriots.

THE BIRTH OF THE INDIAN NATIONAL CONGRESS-1885This panel shows how the Indian National Congress was founded in Dec. 1885 at Bombay and its first President W.C.Banerjee, Secreaty-General A.O.Hume, G.Subramania lyer, Pherozeshan Mehta and others like Dadhabhai Naoroji, Govind Ranade, Sundredranath Banerjee, Each one distinct in his skill and dedication.

THE MODERATRES AND THE EXTREMISTS-1900This panel shows the different levels of extremists and moderates the information about the leaders of both groups.

THE PARTITION OF BENGAL AND THE AFTERMATH-1905This panel shows the announcement of Lord Curzon to bifurcate Bengal and as a result the Birth of the Swadeshi Movement.

THE CULT OF THE BOMB-1907This panel depicts how terrorist movements continued till 1918 in Bengal and all over. Also it shows how the movements like Anusilan Samitis, Jugantar, Mitramela, Abhinava Bharat Samaj and others spread the cult of using bombs.

THE LIMITS OF CONSTITUTIONALISM-1909This panel exhibits how the Morely-Minto reforms disappointed the Indian leaders, the birth of Musilm League and about stalwarts like Srinivasa Shastri, Sarojini Naidu, Pandit Madan Mohan Malaviya, Annie Besant, Tej Bahadur Sapru, Mohammad Ali Jinnah and other leaders.

THE GANDHI ERA BEGINS-1915In this panel we see the return of Gandhiji from south Africa, the beginning “Gandhi Age” in Indian politics and the definition and explanation of Satyagraha (Nonviolent direct action).

THE MASSACRE AT JALIANWALA BAGH-1919This panel shows the passing of the Rowlatt Act of 1919 by the British, the prostest emerged throughout India and the rude massacre at Jalianwala Bagh, Amritsar.

THE CHALLENGES OF THE CONSTRUCTIVE PROGRAMME-1919This panel shows the need of the ‘ Constructive Programme envisaged and practiced by Gandhiji to liberate India not only in the Political arena but also in economic, social, education and spiritual levels.

TRYING TIMES-1923The coming of the royal Simon Commission to India to find out whether India is fit for Parlimentary democracy, the decision of the Congress in its Madras session to boycott the Commission and in December 1929, the demand of the Lahore congress for Poorna Swaraj (Complete Independence) are depicted in this panel.

THE SALT SATYAGRAHA-THE MARCH TO DANDI-1930–The description of the historic Salt Satyagraha which was started on the banks of river Sabarmathi and concluded at Dandi for breaking the Salt Law, and subsequently the nonviolent direct action demonstrated throughout the Nation including the March from Trichy to Vedaranyam in Tamil Nadu.

THE ROUND TABLE CONFERENCE AND AGFTER-193Â 1- In continuance of the Gandhi-Irwin pact, this panel shows Gandhiji’s participation in the Round Table Conference as a sole representative of India which became a failure mission but a grand success in making the people of England and the rest of the world to understand the Indian Struggle for Independence. Also it shows The Communal Award of the British in 1932 which gave sepreate electorates to the Harijans and Gandhiji’s fast unto death in prison against this attempt to separate the Harijans from the rest of Hindu society, the founding of the Harijan Sevak Sangh all over the country and the Harijan Temple Entry in Madurai Sree Meenakshi Temple, etc.

CONGRESS MINISTRIES AND THE AFTERMATH-1937This panel shows how the Congress won 85% of the general seats in the 1937 elections and how England involved India in the World War ll, the Congress protest, Gandhiji’s introduction of Individual Satyagraha in which Vinoba Bhave was chosen and the coming of the Lord Cripp’s Mission to India, etc.

QUIT INDIA-1942This shows the genesis of the historic Quit India Movement and how it side-tracked into violent ways.

TAMILNADU IN THE QUIT INDIA STRUGGLE-1942This panel shows the role played by Tamil Nadu during the Quit India Struggle, and violent activities erupted in different parts of Tamil Nadu.

OTHER VALIANT STRUGGLES-1942This shows the inception and operation of the India National Army under the dynamic leadership of Netaji Subash Chandra Bose and how it operated in the war field.

ON THE EVE OF THE INDEPENDENCE-1945This shows the coming of the Cabient Mission the setting up of the interim Government, with the idea of carving out a Pakistan for the Musilms under the advice of Mohammed Ali Jinnah, the Musilm League opting out of the interim Government and the fast emergence of separatism.

INDIA BECOMES FREE – 1947 – THE CONSTITUTION OF INDIA EPILOGUE – Finally these panels show how India became free as a separate nation and the Preamble of the Indian Constitution.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.




--br via tradutor do google
Museus de Gandhi na Índia

O prédio que abriga o Museu Memorial Gandhi, Madurai é o Palácio histórico Tamukkam pertencente a Rani Mangammal de Dynasty Nayak construído por volta de 1670 dC

Mais tarde, esta estava sob a ocupação do Nawab de Carnatic, a Companhia das Índias Orientais e alguns outros. Finalmente, o Palácio tinha permanecido por muitos anos como a residência oficial dos britânicos Distrito Coletor de Madurai, foi em 1955 o palácio, com cerca de 13 acres de terra foi agraciado pelo Governo do Estado de Tamil Nadu ao All India Gandhi Smarak Nidhi para o efeito de habitação Gandhi Memorial Museum.

Além da grande renovação para o original a construção de uma nova ala completa no lado norte foi construído para a Biblioteca, Open Air Theatre e também vários outros edifícios.

-


Museu Galerias
 As galerias de museus estão divididos em três seções principais, viz., "A Índia luta pela liberdade", "Visual biografia de Mahatma Gandhi" e "Relíquias e Réplicas". Também uma Galeria de Filatelia sobre Gandhi está a funcionar no piso térreo.

LUTAS INDIANOS PARA A LIBERDADE
Logo na entrada da primeira seção intitulada INDIA luta pela liberdade está localizado com 265 ilustrações apresentadas em 30 painéis no Salão Dubar que descrevem a história do Movimento Liberdade indiano. Uma lista do conteúdo desta secção é dado abaixo, juntamente com os títulos:

A VINDA DO BRANCO MEN-1498This retrata a chegada dos europeus ea visita do Vasco da Gama (Seaman Europeia) e, finalmente, como os ingleses começaram a conquistar e governar a Índia através do comércio e pistola ponto.

O DESAFIO DE TAMILNADU-1795This mostra como guerreiros como Chinnamaruthu, Vellaimaruthu e Kattabomman resistiu os ingleses e se reuniu com morte heróica.

MYSORE RESISTE-1767In este painel vemos a luta valorosa de Hyder Ali e Tipu Sultan com os britânicos e da morte de Tipu na defesa de seu Capital, Sringapatnam.

Sikh E DA RESISTÊNCIA Maratha-1775This retrata a primeira guerra Maratha (1775-1782), o papel de Khalsa ea primeira ea segunda Guerra Sikh.

SALÁRIOS DOS SLAVERYThis mostra como a Grã-Bretanha destruído Indias indústrias indígenas, e matérias-primas importadas sem impostos e exportado de volta os produtos acabados para a Índia com um lucro muito alto.

Painel DO VULCÃO ERUPTSThis descreve como o vulcão entrou em erupção do descontentamento. Além disso, este retrata a psique ferido de soldados indianos na Companhia das Índias Orientais.

O primeiro painel SHOT-1857This mostra o nascimento da primeira guerra de independência indiana e da declaração do envelhecimento Bhadur Shan como seu imperador pelos rebeldes.

O SPREADSThis REVOLTA descreve a propagação da Primeira Guerra de Independência Indiana, o papel de Nana Saheb eo notável, o sacrifício das vidas dos patriotas indianos.

O NASCIMENTO DO CONGRESSO NACIONAL painel INDIAN-1885This mostra como o Congresso Nacional Indiano foi fundada em dezembro 1885 em Bombaim e seu primeiro presidente WCBanerjee, Secreaty-Geral AOHume, G.Subramania lyer, Pherozeshan Mehta e outros como Dadhabhai Naoroji, Govind Ranade, Sundredranath Banerjee, cada uma caracterizada a sua habilidade e dedicação.

O MODERATRES eo painel extremistas de 1900This mostra os diferentes níveis de extremistas e moderados as informações sobre os líderes de ambos os grupos.

A partição de Bengala eo painel CONSEQUÊNCIAS-1905This mostra o anúncio de Lord Curzon bifurcar Bengala e como resultado o nascimento do movimento Swadeshi.

O culto do painel BOMB-1907This descreve como movimentos terroristas continuou até 1918 em Bengala e todo. Também mostra como os movimentos como Anusilan Samitis, Jugantar, Mitramela, Abhinava Bharat Samaj e outros difundem o culto de usar bombas.

OS LIMITES DE exposições de painéis constitucionalismo-1909This como as reformas Morely-Minto desapontaram os líderes indígenas, o nascimento de Musilm League e sobre baluartes como Srinivasa Shastri, Sarojini Naidu, Pandit Madan Mohan Malaviya, Annie Besant, Tej Bahadur Sapru, Mohammad Ali Jinnah e outros líderes.

A ERA GANDHI COMEÇA-1915In este painel vemos o retorno de Gandhiji da África do Sul, o início â € œGandhi agea € ?? Â na política indiana ea definição e explicação do Satyagraha (ação direta não violenta).

O massacre de painel Jalianwala BAGH-1919This mostra a aprovação da Lei Rowlatt de 1919 pelos britânicos, o prostest surgiram em toda a Índia e o massacre rude Jalianwala Bagh, Amritsar.

OS DESAFIOS DO PROGRAMA painel-1919This CONSTRUTIVO mostra a necessidade do â € ~ Programa Construtivo previstas e praticado por Gandhiji para libertar a Índia não só na arena política, mas também na vida económica, social, educação e níveis espirituais.

Trying Times-1923The vinda do royal Comissão Simon à Índia para descobrir se a Índia está apto para a democracia parlimentary, a decisão do Congresso, em sua sessão de Madras para boicotar a Comissão e em dezembro de 1929, a demanda do congresso Lahore para Poorna Swaraj (total independência) são representadas neste painel.

O SAL Satyagraha-o março a Dandi-1930â, posteriormente, a ação direta não violenta demonstrou toda a Nação incluindo a € "A descrição do histórico de sal Satyagraha, que foi iniciado nas margens do rio Sabarmathi e concluiu em Dandi por violar a Lei de sal, e Março de Trichy para Vedaranyam em Tamil Nadu.

A CONFERÊNCIA MESA REDONDA E AGFTER-193 1- Na continuidade do pacto Gandhi-Irwin, este painel mostra a participação de Gandhiji na Mesa Redonda como um único representante da Índia que se tornou uma missão falha, mas um grande sucesso em fazer o povo da Inglaterra e no resto do mundo para entender o esforço indiano para a independência. Também mostra O Communal Prêmio dos britânicos em 1932, que deu eleitorados sepreate aos Harijans e do jejum até a morte na prisão contra esta tentativa de separar os Harijans do resto da sociedade hindu, a fundação da Harijan Sevak Sangh todo o país Gandhiji eo Harijan Temple Entrada em Madurai Meenakshi Templo Sree, etc.

CONGRESSO ministérios eo painel CONSEQUÊNCIAS-1937This mostra como o Congresso ganhou 85% dos assentos gerais nas eleições de 1937 e como Inglaterra envolvido Índia na Segunda Guerra Mundial, o protesto Congresso, a introdução de Pessoa Satyagraha de Gandhi em que Vinoba Bhave foi escolhido e a vinda da missão do Senhor Cripp para a Índia, etc.

Deixem a Índia-1942This mostra a gênese do histórico Quit India Movement e como ele desviada para formas violentas.

TAMILNADU SAIR NA LUTA painel-1942This INDIA mostra o papel desempenhado pelos Tamil Nadu durante a Luta Deixem a Índia, e as atividades violentos eclodiram em diferentes partes do Tamil Nadu.

OUTRAS LUTAS VALIANT-1942This mostra a criação e operação do Exército Nacional da Índia sob a liderança dinâmica de Netaji Subash Chandra Bose e como ele operou no campo de guerra.

NA VÉSPERA DA INDEPENDÊNCIA-1945This mostra a vinda da Missão cabient a constituição do Governo provisório, com a idéia de esculpir um Paquistão para os Musilms sob o conselho de Mohammed Ali Jinnah, o Musilm League optando fora do intercalar Governo e ao surgimento rápido de separatismo.

INDIA torna-se livre - 1947 - A Constituição da Índia Epílogo - Finalmente estes painéis mostram como a Índia tornou-se livre como uma nação separada e do Preâmbulo da Constituição indiana.