Listen to the text.

domingo, 31 de janeiro de 2016

An Art Powerhouse From North Korea. --- Museu em Siem Reap (Camboja) impressiona por abrigar um impressionante mural em 360 graus.

SIEM REAP, Cambodia — The giant mural in the foyer depicting a smiling stone face offers a mere taste of the grandiosity within the new Angkor Panorama Museum here. Inside, a 360-degree painted vista covers an area the size of nearly four basketball courts. Over 45,000 figures populate this cyclorama, a depiction of 12th-century Angkorian history.

Visitors at the new 360-degree panoramic installation at the Angkor Panorama Museum.CreditLuc Forsyth for The New York Times

The museum, which opened in December, is a sweeping homage to what historians call one of the greatest cities in the world between the ninth and 15th centuries and the capital of the Khmer empire. But almost everything that went into this building — the money, the concept, the design and the artists — came not from Cambodia but from North Korea, namely, Mansudae, the largest art studio in that country.


At a time when much of the world’s focus is on North Korea’s mercurial leadership and nuclear capabilities, this studio’s work is quietly making its way beyond the borders of that hermit kingdom. In recent years, monuments and sculptures made by Mansudae artists, modern-day masters of Socialist Realism, have popped up in Africa, the Middle East, Southeast Asia and even Germany.Photo
A detail from the panorama, which depicts 12th-century Angkorian history
.CreditLuc Forsyth for The New York Times

The Angkor Panorama Museum is the studio’s most ambitious foreign project. It took 63 artists, flown in from North Korea, four months to paint the cyclorama.

“Mansudae has great talent and a good reputation in artwork, painting and construction,” said Yit Chandaroat, acting director of museums for Apsara, the government agency responsible for managing the Angkor complex, explaining why Cambodia chose its partner.Photo

The work includes over 45,000 figures. CreditLuc Forsyth for The New York Times

Mansudae Art Studio in Pyongyang, founded in 1959, is one of the world’s biggest art factories. It employs about 4,000 people, including 800 to 900 of North Korea’s most talented artists, according to Pier Luigi Cecioni, its representative in the United States and Europe.

The studio produces a variety of works, including most of the propaganda art and sculptures that dot North Korea. Its artists are said to be the only ones permitted to portray that country’s ruling family, the Kims. In 1972, it built a 66-foot-high statue of Kim Il-sung, North Korea’s founding leader and the grandfather of the current leader, on a hill in Pyongyang, the capital. A second, similarly sized likeness of Kim Jong-il, Kim Il-sung’s son and successor, was added beside the original in 2012 after Kim Jong-il’s death.Photo
The African Renaissance Monument in Dakar, Senegal.
CreditNichole Sobecki for The New York Times

Starting in the 1990s, Mansudae also began taking on outside projects. Governments in Southeast Asia and Africa have commissioned its artists for large-scale projects at low costs, among them the African Renaissance Monument in Dakar, Senegal, and the Fairy Tale Fountain in Frankfurt. The studio also maintains a gallery in the 798 Art District in Beijing, opposite the Pace Gallery and the Faurschou Foundation.

Mansudae’s overseas division first approached the Council for the Development of Cambodia, the government’s investment board, with a proposal to build a museum in Siem Reap several years ago, Mr. Yit said.


Cambodia and North Korea have historically maintained strong ties, based largely on the personal relationship between Kim Il-sung and King Norodom Sihanouk of Cambodia, who died in 2012.

In the 1970s, that North Korean leader gave King Sihanouk, who once referred to Mr. Kim as “more than a friend, more than a brother,” a palace outside Pyongyang. During his many years in exile, the Cambodian monarch spent several months annually in North Korea and even wrote and directed a series of films starring North Korean actors.Photo

The museum’s foyer. CreditLuc Forsyth for The New York Times

Today, North Korea operates several restaurants in Cambodia, part of a growing overseas restaurant franchise that experts say is an important revenue generator for the financially struggling government in Pyongyang.

Unlike the restaurants, however, experts say that Mansudae, though state-run, enjoys relative autonomy from the government, including on decisions involving foreign outreach.

“I don’t see this museum as an attempt to project soft power,” said Nicholas Bonner, founder of the Beijing gallery Koryo Studio, who has worked with Mansudae for more than 20 years. “Mansudae is a massive studio, and they need to keep working to bring revenue in from inside and outside of the country.”

The Angkor museum differs from past Mansudae projects in one significant way. According to museum officials and experts, it is the first in which Mansudae, which usually works on a commission basis, has invested a large amount of money.Photo
A worker in the museum’s gift shop. CreditLuc Forsyth for The New York Times

“It doesn’t seem to fit into the profit-making aspect that we usually hear about Mansudae,” said Adam Cathcart, a lecturer at the University of Leeds in England. “But then again, there’s always something going on behind the scenes when it comes to North Korea.”

Neither Mansudae nor the North Korean Embassy in the Cambodian capital, Phnom Penh, responded to requests for comment relayed by email, telephone and Cambodian museum officials.

Construction of the Angkor Panorama Museum began in 2011. Mansudae designed the structure and the cyclorama in consultation with a committee made up of Cambodian government officials, Mr. Yit said.

Proceeds from the museum are scheduled to be disbursed in three stages. Initially, revenue will go to Mansudae. After 10 years (or less, if costs are recovered before then), both sides will share revenue. And in the third and final stage, the museum — both the property and the management — will be transferred to Apsara.

Long Kosal, a spokesman for Apsara, said the museum was part of a long-term plan to diversify attractions at the Angkor complex and minimize the impact of growing numbers of tourists at the temples. More than 2.5 million foreigners visited the complex last year, up from about 400,000 in 2000, Mr. Long said. He said he expected an influx of tourists to the museum soon, after the central ticket booth for the complex is moved to a new building next to the museum, which is not formally part of the complex. The entrance fee for the cyclorama section is $15 for foreign tourists.

In the meantime, museum officials say they are averaging only about 20 visitors a day. On a recent afternoon, there were almost none to be seen. As one of the few approached the main hall, a worker rushed to turn on the lights, explaining that the staff had been instructed to keep the lights and air-conditioning at a minimum to save money.

“It’s very hot and humid here, not cool like back home,” a young North Korean woman working in the museum cafe said in fluent English. “It’s been difficult to adjust.”




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.



Vamos compartilhar.


--br 

Museu em Siem Reap (Camboja) impressiona por abrigar um impressionante mural em 360 graus.

O museu foi financiado pelo regime comunista da Coreia do Norte.

Museu tem mural em 360 graus do tamanho de quatro quadras de basquete.



Trecho do painel no museu do Camboja | Luc Forsyth/The New York TimesNo mural estão mais de 45 mil figuras. O trabalho artístico reflete um período do século XII.



Um museu aberto em dezembro em Siem Reap (Camboja) impressiona por abrigar um impressionante mural em 360 graus cuja área equivale à de quatro quadras de basquete.



O mais curioso é que quase tudo no museu Angkor Panorama, contou o "New York Times", não veio de um grande investidor internacional do campo da arte.Dinheiro, conceito, design e artistas foram cedidos por um estúdio da Coreia do Norte.


O museu foi financiado pelo regime comunista da Coreia do Norte
| Luc Forsyth/The New York Times

Apesar de pertencer ao país mais fechado do mundo, o estúdio Mansudae tem atravessado as fronteiras norte-coreanas nos últimos anos e aportado com trabalhos artísticos em vários países da África, do Oriente Médio, do Sudeste Asiático e até na Alemanha.


fonte: http://blogs.oglobo.globo.com/pagenotfound/post/museu-tem-mural-com-360-graus-do-tamanho-de-quatro-quadras-de-basquete.html

O Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, acolhe 210 peças que contam a história da Lusitânia Romana e ensaia uma inovação - audioguias por infravermelhos

A exposição intitula-se 'Lusitânia Romana, origem de dois povos' é inaugurada na terça-feira e estará patente até 30 de junho, naquele museu. Das 210 peças expostas, 81 são provenientes de Portugal e as restantes 129 de Espanha.
PUB



Entre as várias peças expostas em dez núcleos, os responsáveis da mostra realçaram uma inscrição em pedra em carateres latinos, segundo a fonética lusitana, originária de Arronches, que abre a exposição, e a Tábua de Vipasca, proveniente de Aljustrel, um dos dois únicos regulamentos de extração mineira, do mundo romano, conhecidos - o outro encontra-se no Museu Geológico, do Laboratório Nacional de Energia e Geologia.

Como explicou Carlos Fabião, um dos comissários da exposição, os termos legislativos da exploração mineira no tempo romano "era muito idêntica à atual, o subsolo é propriedade do Estado, que estabelecia concessões para a sua exploração".

'Lusitânia Romana, origem de dois povos' esteve patente, no ano passado, no Museu de Arte Romana, em Mérida, e em julho apresentar-se-á no Museu Nacional Arqueológico, em Madrid.

A exposição em Lisboa inclui algumas peças que não foram apresentadas em Mérida, nomeadamente um sarcófago do século III antes de Cristo, decorado com as estações do ano e o pisar da uva, encontrado em Reguengos de Monsaraz, que foi restaurado e se encontra em condições de expor, disse o diretor do museu, António Carvalho, outro dos comissários da mostra.

Esta exposição recebeu, no ano passado, quando esteve patente em Mérida, o Prémio Internacional "Genio Protector da Colonia Augusta Emerita", atribuído pela Fundação de Estudos Romanos e pelo Grupo de Amigos do Museo Nacional de Arte Romano de Mérida, em Espanha.

Jose Maria Álvarez Martínez, o terceiro comissário da exposição, que se afirmou como "um lusitano convicto e confesso", realçou o facto de a mostra traçar uma história sem fronteiras, "a Lusitânia entendida na sua totalidade, tal como foi traçada no tempo do imperador Augusto".

O investigador realçou, entre as peças expostas, uma estela que refere Cornelius Bocchus, que foi um dos homens mais importantes da Lusitânia, tendo sido encarregado de obras públicas durante cinco anos, o que não acontecia habitualmente, e sacerdote do culto do Imperador.

A estela (monumento em pedra com inscrição) revela a oferta de um relógio (de sol) à casa de Papiria (uma família influente), e a cópia oficial do Disco de Teodósio, em prata, último imperador de Roma, em que está representada a família imperial, com os seus filhos Horácio e Arcádio, que dividiram o império, após a sua morte, e ainda uma representação da fecundidade da terra. Nesta representação, o imperador surge ladeado pela guarda germana e não os tradicionais centuriões.

A peça original, datada de 388 depois de Cristo, foi encontrada num campo de amendoeiras, nos arredores de Mérida e encontra-se na Real Academia de História, em Madrid, que a adquiriu na década de 1850, e de onde "nunca sai". "O seu custo, na época, paralisou as atividades da instituição durante um ano", contou Álvarez Martínez.

A exposição foi pensada no sentido de estabelecer as mais diferentes ligações entre as peças, e contar a história de uma província, que, sendo a mais ocidental do império, participava na sua vida política e administrativa, conquistada pelos romanos, em 218 antes de Cristo, realçou António Carvalho.

Os lusitanos, apesar de adotarem usos e costumes romanos, mantiveram o culto de alguns dos seus deuses, nomeadamente de Endovélico, do qual se encontra na mostra um busto em mármore alentejano, material aliás maioritariamente utilizado nas obras de arte e nos retratos escultórios da província.

Por outro lado, como testemunha uma das estelas patentes, os lusitanos ocuparam lugares na administração romana, como Quintus Iulius Maximus, que desempenhou funções na Sicília e em Narbonne, no sul da atual França.

A exposição, que encerra a Mostra Espanha 2015 em Lisboa, ensaia uma inovação - audioguias por infravermelhos, que apresentam textos em espanhol, português e inglês, de modo a "fundir os conteúdos científicos do catálogo com a leitura das peças de uma forma acessível a todos os públicos", explicou António Carvalho. Esta nova tecnologia foi desenvolvida por uma "startup" de Braga.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.

Salina Slănic, cea mai mare din Europa şi locul cu cel mai pur aer de pe planetă. --- Salina Slanic, o maior da Europa e de casa para o ar mais puro do planeta.

Până la ce adâncime se poate ajunge cu „colivia“ în miezul pământului


Salina Slănic, din staţiunea cu acelaşi nume din Prahova, deţine câteva superlative speciale: este cea mai mare din Europa ca dimensiuni, volumul de sare excavată fiind de 2,9 milioane de metri cubi, şi deţine cel mai pur aer de pe planetă, lipsit aproape total de radiaţii şi poluare







Aflată la aproximativ 100 de kilometri de Bucureşti şi 44 km de Ploieşti, staţiunea Slănic este o destinaţie recunoscută pentru activitatea balneoturistică încă din anul 1853, când a fost declarată staţiune turistică de interes naţional.

Printre superlativele Salinei Slănic (Mina Unirea), cel mai important obiectiv turistic dar şi de sănătate din staţiune, se numără un volum imens de sare excavată, 2,9 milioane de metri cubi, care a dus la crearea unor cavităţi cu volume gigantice, respectiv 14 camere cu profil trapezoidal având circa 80.000 de metri pătraţi.

Cele 14 camere au o deschidere de 10 metri la tavan, 32 de metri la talpă, iar înălţimea este de 54 de metri. Adâncimea salinei este de 208 metri. Dimensiunile impresionante au consacrat salina ca cea mai mare din Europa.
Două ore la pas pentru a parcurge salina

Potrivit documentelor existente, moşia Slănic a fost cumpărată de spătarul Mihai Cantacuzino în jurul anului 1685. În 1713, moşia Slănic a fost donată Mănăstirii Colţea din Bucureşti. În perioada 1943-1970, mina a fost în exploatare, iar după 1970, a devenit obiectiv turistic.

Accesul vizitatorilor era asigurat prin coborârea cu o „colivie” prin puţul de extracţie, amenajat pentru transportul de persoane, până la adâncimea de 208 m. De anul trecut, după ce liftul s-a defectat, vizitarea se face cu ajutorul microbuzelor. Turiştii pot observa pe traseu elementele din structura internă a masivului de sare, benzile divers colorate, cu nuanţe de gri şi alb ale sării, dar şi vechile locuri în care era exploatată sarea.

Parcurgerea la pas a salinei durează aproximativ două ore, timp în care vă puteţi bucura şi de beneficiile mediului salin.
Cel mai pur aer de pe planetă

“Palate de sare” din interior au un microclimat constant, o temperatură constantă pe tot timpul anului de 13º C, o umiditate a aerului de cca. 60% şi aerosoli salini cu efecte terapeutice asupra sănătăţii, fapt care a dus la amenajarea salinei atât pentru agrement, cât şi pentru tratament în maladiile respiratorii.

Condiţiile din mină creează premisele pentru cel mai pur aer de pe planetă, din care lipsesc aproape total radiaţiile şi poluarea. Institutul Naţional de Fizică şi Energie Nucleară efectuează frecvent în salină teste şi măsurători, iar salina este în cărţi pentru amenajarea unui centru studii cosmice european.
Spaţiu de tratament şi relaxare

În interior este amenajat un sanatoriu cu 50 de locuri dotat cu paturi, scaune, mese, unde vizitatorii cu afecţiuni respiratorii pot petrece câteva ore în linişte. Un tratament de două săptămâni este suficient pentru pacienţii cu probleme pulmonare.

De asemenea, în salină sunt amenajate locuri de joacă cu tobogane, balansoare şi leagăne, terenuri de sport, volei, handbal, tenis, carting şi minifotbal, o sală cu mese de biliard şi un bufet. Deseori, în mina Unirea se organizează diverse competiţii sportive, concursuri, expoziţii şi concerte.

Spectaculoase sunt concursurile naţionale şi internaţionale de aeromodelism, posibile datorită climatului deosebit în care viteza de circulaţie a aerului este aproape de “0”.

Cea mai spectaculoasă cameră a salinei este Sala Genezei, în care se află busturile în sare ale lui Traian, Decebal şi Burebista precum şi scuplturi cu elemente specifice poporului daco-roman. În salină mai există un basorelief al lui Mihai Viteazul, precum şi un bust al lui Mihai Eminescu.

Peste 150.000 de persoane coboară anual în Salina Slănic.








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google

Salina Slanic, o maior da Europa e de casa para o ar mais puro do planeta. Para que profundidade pode ser alcançado por "gaiola" em terra média

Coloque a água mais pura do planeta

Publicado por: Lazareanu Razvan 26 de janeiro de 2016
Salina Slanic resort em Prahova mesmo nome, tem alguns superlativos especiais: o maior da Europa em tamanho, a quantidade de sal que está sendo escavado 2,9 milhões de metros cúbicos, e possui o ar mais puro do planeta, livre radiação quase total e poluição

Localizado a cerca de 100 quilômetros de Bucareste e 44 km de Ploiesti, Slanic é um destino reconhecido para a atividade de turismo banho desde 1853, quando o resort foi declarada de interesse nacional.

Entre os superlativos Sal Slănic (Mina Unirea), o mais importante de turismo e saúde resort são uma enorme quantidade de sal escavada 2,9 milhões de metros cúbicos, o que levou à criação de cavidades com volumes gigantescos, respectivamente 14 quartos trapezoidais com 80.000 metros quadrados.

Os 14 quartos têm uma abertura do teto de 10 metros, 32 metros na base e a altura é de 54 metros. A profundidade meu é 208 metros. Sal dimensões impressionantes consagrado como o maior da Europa.

Duas horas a pé para procurar solução salina

De acordo com os documentos existentes Slănic propriedade foi comprada por Mihai Cantacuzino em torno de 1685. Em 1713 a propriedade foi doada Mosteiro Slănic canto de Bucareste. Durante 1943-1970, a mina estava em operação, e depois de 1970 se tornou uma atração turística.

Acesso de visitantes foi fornecida por uma redução "gaiola" por poço de extração providenciado para o transporte de pessoas, a uma profundidade de 208 m. No ano passado, após o elevador quebrou, a visita é feito com microônibus. Os turistas podem ver a rota dos elementos maciços de a estrutura interna de sal, faixas coloridas com tons de cinza e branco do sal e os antigos lugares onde sal foi extraído.

Navegue para a etapa mina leva cerca de duas horas, durante o qual você também pode desfrutar dos benefícios do ambiente salino.

O ar mais puro do planeta

"Salt Palace" insiders tem um microclima constante, uma temperatura constante de 13 ° C durante todo o ano, uma humidade de aprox. 60% aerossóis de sal com efeitos terapêuticos sobre a saúde, o que resultou em planejamento de lavra, tanto para lazer, bem como para o tratamento de doenças respiratórias.

Condições na mina cria as condições para o ar mais puro do planeta, que carece de radiação quase total e poluição. Instituto Nacional de Física e Energia Nuclear faz testes e medições frequentes em sal e sal está nos cartões para a construção de um centro europeu de estudos cósmicos.

Tratamento do espaço e relaxamento

O interior é organizado um sanatório com 50 lugares, equipados com camas, cadeiras, mesas, onde os visitantes com respiratório pode passar algumas horas em silêncio. Um tratamento de duas semanas é suficiente para pacientes com problemas pulmonares.

Também em solução salina são playgrounds arranjado com escorregadores, gangorras e balanços, esportes, voleibol, andebol, ténis, karting e futebol, uma sala com mesa de bilhar e um buffet. Muitas vezes, a união mina organiza competições diversas, concursos, exposições e concertos.

Spectacular competições nacionais e internacionais de modelagem avião, possível devido à velocidade do ar climática está perto de "0".

O quarto mais espetacular é meu Genesis Hall, está localizado em bustos de sal de Trajano, Decebal Burebista e esculturas com elementos específicos pessoas Daco-romanas. Em solução salina há um alívio de Michael, o Bravo, e um busto de Mihai Eminescu.

Mais de 150.000 pessoas anualmente em Salina Slanic para baixo.

sábado, 30 de janeiro de 2016

O Museu de Zoologia da Unesc e o Turismo Cultural

Os museus vêm se destacando como importantes espaços atrativos para o turismo em diferentes regiões brasileiras. Essas instituições contribuem para refletir sobre temas específicos, seja por meio do lazer, seja por meio de projetos educativos. Museus com propostas bem definidas têm contribuído para que pessoas se desloquem, percorrendo distâncias consideráveis para conhecê-los.



O Museu de Zoologia Prof.ª Morgana Cirimbeli Gaidzinski, da Universidade do Extremo Sul Catarinense - Unesc, ao longo de seus 13 anos de atividades, desenvolveu um importante trabalho na valorização do respeito à vida em suas múltiplas formas, despertando o interesse pelo mundo natural com a difusão do conhecimento por meio das exposições e ações educativas, reforçando sua posição de atrativo turístico do município e da região sul catarinense.

O Museu de Zoologia tem em suas exposições um espaço privilegiado para estabelecer um diálogo com o seu público. Nele merecem destaque as exposições de longa duração sobre os Animais da Mata Atlântica, que expõem exemplares taxidermizados de legítimos representantes da fauna silvestre regional, e sobre o Ecossistema Marinho, que apresentam espécies taxidermizadas e esqueletos de animais marinhos encontrados no litoral sul de Santa Catarina.

Essas exposições, em conjunto, já receberam um público total de mais de 176.121 visitantes, sendo que 108 mil participaram das visitas mediadas e dos programas educativos do museu. A visitação recebida pelo Museu de Zoologia se destaca entre as instituições culturais de Santa Catarina, fazendo dele um dos museus mais visitados do Estado.

Devido ao seu reconhecimento como espaço de lazer, convivência e compartilhamento de experiências sobre a fauna sul catarinense, a instituição foi incluída pela Fundação Cultural de Criciúma no roteiro oficial de visitação turística do município no ano de 2007. Esse reconhecimento ganhou notoriedade estadual com a inclusão do Museu no roteiro turístico "Encantos do Sul", organizado pela SANTUR (Santa Catarina Turismo S/A). Nesse sentido, o Museu de Zoologia representa um papel importante na construção do projeto turístico da região, pois tem como uma de suas funções preservar e proteger o patrimônio natural para garantir uma análise do desenvolvimento e a qualidade de vida da comunidade sul catarinense.

Ele também conseguiu se constituir como um espaço de educação, contribuindo, por meio de suas ações educativas, para que o público escolar encontrasse nele atividades pedagógicas significativas e estimulantes para o aprendizado. Um número cada vez mais crescente de escolas inclui a participação nos programas educativos do Museu de Zoologia como uma das atividades no seu calendário anual. Ao todo, já estiveram no museu 538 escolas provenientes de 44 municípios.

Esse trabalho possui uma representatividade importante e já foi reconhecido nacionalmente pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) em três edições do Prêmio Darcy Ribeiro de Educação e pela Fundação Catarinense de Cultura com o Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura.

Ciente de sua função social, o Museu pretende fortalecer seu papel como um espaço de encontro, aprendizado, lazer e turismo.


Morgana Cirimbeli Gaidzinski - Coordenadora do Museu de Zoologia da Unesc


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.

Orhan Pamuk promène son musée de l’Innocence à Londres

Des objets insolites suspendus au plafond de la Somerset House à Londres. Ben L'exposition, ouverte hier, restera jusqu'au 3 avril et présente 13 vitrines sur les 83 originales du musée d'Istanbul.









PENDANT CE TEMPS, AILLEURS...



Une série de vitrines remplies d'objets inattendus – vieux flacons d'eau de Cologne, dentier, cartes postales: l'écrivain turc et prix Nobel de littérature Orhan Pamuk présente son musée de l'Innocence à Londres, à la Somerset House. L'idée était unique: écrire un roman d'amour basé sur des objets, avec en miroir la création d'un musée renfermant ces objets. Cet exercice obsessionnel a donné lieu à la création, en 2012, du musée de l'Innocence à Istanbul, en réponse au roman éponyme paru en 2008.

L'exposition londonienne, ouverte hier et qui restera jusqu'au 3 avril, présente 13 vitrines sur les 83 originales du musée d'Istanbul, correspondant aux 83 chapitres de l'histoire d'amour malheureux d'un Stambouliote des classes aisées, Kemal, pour sa cousine pauvre, Füsun. « Nous sommes contents d'être dans une bonne galerie, les vitrines sont une réplique de celles d'Istanbul. J'ai choisi celles que j'aime le plus, que je trouve les plus jolies, explique Orhan Pamuk, âgé de 63 ans. J'ai placé moi-même les objets un par un dans la vitrine. Par exemple, la vitrine 74, celle sur la vie et la mort du père de Kemal, ce sont des objets que vous trouviez sur les tables de nuit à l'époque, le héros a mes antécédents culturels, et le roman a aussi un aspect autobiographique. »

Dans un extrait du film projeté à l'exposition, Innocence of Memories, réalisé par Grant Gee, Orhan Pamuk explique : « J'ai conçu le musée et le roman simultanément. Plus je collectionnais les objets, plus j'écrivais. » Le film, réalisé en étroite collaboration avec Pamuk et présenté au Festival de Venise, est sorti cette semaine à Londres.

Préserver la mémoire
« Les lignes qui lient les objets créent des histoires et les lignes qui lient les moments créent le temps », philosophe Pamuk dans ce film. Mais il se défend d'être sur la même Recherche du temps perdu que l'écrivain français Marcel Proust. « Mon musée est un endroit délibéré pour préserver la mémoire, tandis que Proust a basé sa madeleine sur la mémoire involontaire » qui ressurgit en goûtant le petit gâteau, souligne-t-il, ajoutant : « Kemal est un proustien complexé. »

Le directeur de la Somerset House, Jonathan Reekie, est en discussion avec plusieurs pays pour faire voyager l'exposition, répartie sur trois salles : France, Belgique et États-Unis.

Orhan Pamuk vient de terminer un nouveau roman, La Femme aux cheveux rouges, qui paraît le 2 février à Istanbul. En marge de l'exposition, l'écrivain ne mâche pas ses mots, fidèle à son habitude, pour critiquer la situation politique dans son pays et le régime du président islamo-conservateur Recep Tayyip Erdogan. Cela affecte-t-il son travail ? « On y pense tout le temps, c'est un problème pour tout le monde », conclut-il.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

ORGANIZACIÓN DE EXPOSICIONES TEMPORALES (III). · en GESTIÓN, INSTITUCIONES,MUSEO, OPINIÓN. ·

Hablemos de lo que el director y/o responsable del museo y sus colecciones (curador) debe exigir sobre condiciones específicas a la hora de prestar fondos de la colección del museo que dirige al prestatario de dicho fondo. Esas condiciones específicas podrían ser las siguientes:

· Embalaje y transporte: Aunque el director del museo que presta las piezas elige el tipo de embalaje y transporte adecuado para el transporte de los fondos, los gastos que se originen quedan a cuenta del prestatario. Existen sistemas adecuados para cada uno de los objetos teniendo en cuenta las características y naturaleza (Stolow, 1980). En la actualidad se cuenta con agencias especializadas exclusivamente en el embalaje y transporte de objetos de enorme valor, disponiendo de técnicas para disminuir hasta el nivel cero de riesgo en cada traslado. Ofrecen un servicio seguro e integral en todas las fases: embalaje de las obras, vehículos con temperatura controlada, organización de escoltas de protección al convoy, contactos con las oficinas aduaneras y hasta con los ministerios, colocación de los objetos en el lugar de la exposición y todo el proceso en viceversa. El itinerario del viaje deberá ser aprobado por el director del museo que presta los fondos.

OMSAN

· Escolta: Se organizará la escolta necesaria para la vigilancia en el trayecto, así como para las operaciones de carga y descarga (siempre contemplando esta fase cuando los objetos que movemos son de gran valor), incluso acompañadas por guardias armados.

· Conservación y seguridad: Se centrará la atención sobre todo en las medidas contra el fuego, posible vandalismo, inundación, exposición, iluminación, temperatura y humedad relativa.

· Fotografía y comunicación: Las piezas prestadas no serán objeto de filmación, fotografiado o reproducción sin el consentimiento previo del museo prestador, a excepción de tomas en planos generales para la prensa y la comunicación publicitaria, respetando siempre los derechos de propiedad intelectual.

Oficina de Turismo de San Antonio, Texas

· Informe del director del museo: Es preceptivo este documento de aquel que presta las obras, quien determinará la conveniencia del préstamo, el estado de conservación, las condiciones técnicas en que deben ser expuestas, así como el cumplimiento de las normas específicas descritas anteriormente.

· Orden Ministerial de autorización del préstamo: El préstamo de piezas provenientes de un museo nacional no puedo realizarse sin una Orden Ministerial, que se extenderá una vez revisada la solicitud y el informe del director del museo donde se encuentran las piezas que será objeto del préstamo. Si los objetos solicitados son un depósito de cualquier organismo no público o persona particular, corresponderá a estos conceder la autorización, a petición de la organización o dirección de museos pertinente en cada país.

DKV

· Póliza de seguro: El director del museo que hace el préstamo se encargará de valorar dichos bienes a efectos de formalizar la póliza del seguro, aunque la contratación correrá a cargo de la entidad organizadora de la exposición. El beneficiario de la póliza será el estado en el caso de tratarse de piezas provenientes de un museo público. Dicha póliza deberá cubrir todos los daños que puedan sufrir las piezas aseguradas desde el momento en que se retiran del museo hasta que son devueltas al mismo.

· Permiso de exportación temporal: Si la exposición se realiza en el extranjero, se necesitará un permiso de exportación en fechas determinadas, previo informe de la Junta de Calificación, Valoración y Exportación de Bienes del Patrimonio en cada país si hubiere dicha entidad. El permiso será solicitado por el museo organizador de la exposición o por el mismo museo que accede al préstamo teniendo una validez de tres meses, aunque si la duración de la exposición supera este tiempo, podría solicitarse una prórroga.

Transport for London

· Acta de entrega: Una vez autorizado el préstamo por parte de las instituciones gubernamentales correspondientes si las piezas provienen de un museo público, las partes interesadas firmarán el acta de entrega, siempre que se hayan respetado las normas concretas y las generales.

· Acta de devolución: En el momento de la devolución de los objetos, se comprobará su estado de conservación comunicándose cualquier alteración de los mismos, si las hubiere, a las instancias públicas correspondientes (Ministerio de Cultura), quien se encargará de hacer la correspondiente reclamación al seguro, siempre que se trate de objetos procedentes de un museo público. En el caso de museos privados, se comunicará directamente con la compañía aseguradora contratada.

New Zealand Transport Agency


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Espacio Visual Europa (EVE) 

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

Cultura - Candomblé no Brasil. Cossard era de origem marroquina, mas se encantou pelo Brasil e pelo Candomblé.. --- Culture - Candomble in Brazil. Cossard was of Moroccan origin, but was enchanted by Brazil and Candomblé

Morre Antropóloga Giselle Cossard.  Ela se tornou Mãe de Santo e foi autora de livros sobre a religão


Tese na Sorbonne sobre candomblé.Foto Isabela Kassow/Diadorim Ideias


MÃE GISÈLE DE IEMANJÁ

A antropóloga de família francesa, nascida em Marrocos, e que se apaixonou pelo Brasil e pelo candomblé, Giselle Cossard, faleceu na última quinta-feira (21), aos 92 anos. Ela chegou ao Brasil na década de 60, com o marido diplomata, e se converteu à religião de matriz africana. 

Depois de iniciada, tornou-se mãe de santo e assumiu o nome africano Omindarewa. Giselle abriu um terreiro em Santa Cruz da Serra, na cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, região metropolitana do Rio de Janeiro.

Giselle Cossard também escreveu livros sobre o candomblé, apresentados como teses em universidades da França. Em sua juventude na Europa, ela participou da resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e atuou como espiã. A mãe de santo morreu de câncer. 

-

Filha de franceses, a escritora e antropóloga Gisèle Cossard Binon nasceu no Marrocos, em 1924, e morreu no Rio de Janeiro, em janeiro de 2016. Casou-se com um diplomata, com quem morou oito anos na África. Foi em 1960, contudo, em uma viagem ao Brasil, que sua vida mudou. Conheceu o terreiro de Joãozinho da Gomeia, em Duque de Caxias, onde iniciou-se  no candomblé. "Em uma festa para Iansã, entrei em transe e perdi o controle de mim. Quando acordei já não era mais a embaixatriz, como Pai Joãozinho me chamava", contava a mãe de santo.

Logo em seguida, Gisèle regressou  à França. Em 1970, defendeu tese de doutorado em antropologia, na Universidade de Sorbonne, em Paris, que no Brasil ganhou o título de Awô: O Mistério dos Orixás. Neste período, separou-se do marido e ficou amiga de Pierre Verger, fotógrafo francês e pesquisador do candomblé de Bahia. Em 1972, de volta ao Rio de Janeiro, Gisèle teve como guia o pai de santo baiano Balbino Daniel de Paula, apresentado a ela por Verger.

A antropóloga vivia entre Paris e o Rio de Janeiro enfrentou a família para viver na Baixada Fluminense como mãe de santo. Em 1974, comprou uma casa em Santa Cruz da Serra, onde mantinha o terreiro Ile Axé Atara Magba. "Construí a casa com pau de eucalipto que trouxe da África. Ele é o fundamento do candomblé: tem que plantar pra ter", costumava dizer Gisèle, que venceu o preconceito no Rio por ser uma mãe de santo branca.

Aposentada do serviço público francês em 1980, Mãe Gisèle de Iemanjá iniciou centenas de filhos de santo. "Por conta do excesso de segredos do candomblé, muito de sua essência se perdeu", dizia ela, que lutou para acabar com a interdição de informações sobre a religião de matriz africana. "Infelizmente o candomblé se tornou um show, com muito luxo e etiquetas. Mas ele é uma religião do povo".

Anos antes de falecer, Gisèle apontou sua sucessora. Segundo ela, Iemanjá teria se manisfestado indicando a filha de santo Akindelê, de 40 anos, criada desde pequena no terreiro, como a herdeira no comando do Ile Axé Atara Magba.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.atribuna.com.br/noticias/noticias-detalhe/atualidades/morre-antropologa-giselle-cossard/?cHash=42e6b554d427d89e9c58bd03e087d2b2

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--in via tradutor do google

Culture - Candomble in Brazil. Cossard was of Moroccan origin, but was enchanted by Brazil and Candomblé .. ---

Anthropologist Giselle dies Cossard. She became Mother of Santo and was the author of books on Religion


Thesis at the Sorbonne on candomblé.Foto Isabela Kassow / Diadorim Ideas

MOTHER IEMANJÁ Gisele

The French family anthropologist, born in Morocco, and fell in love with Brazil and the Candomblé, Giselle Cossard, died last Thursday (21), at age 92. She arrived in Brazil in the 60s, with the diplomat husband, and became the religion of African origin.

Once started, it has become holy mother and took the African name Omindarewa. Giselle opened a yard in Santa Cruz de la Sierra, in the city of Duque de Caxias, at Baixada Fluminense, the metropolitan area of ​​Rio de Janeiro.

Giselle Cossard also written books on Candomble, presented as theses at universities in France. In his youth in Europe, she participated in the French Resistance during World War II and served as a spy. The saint's mother died of cancer.

-
Daughter of French, the writer and anthropologist Gisèle Cossard Binon was born in Morocco in 1924 and died in Rio de Janeiro in January 2016. He married a diplomat, who has lived eight years in Africa. It was in 1960, however, on a trip to Brazil, his life changed. Johnny met the yard of the Goméia in Duque de Caxias, which began in Candomblé. "At a party for Iansa, went into trance and lost control of me. When I woke up it was no longer the ambassador, as Father Johnny called me", he told the saint's mother.

Soon after, Gisèle returned to France. In 1970, he defended doctoral dissertation in anthropology at the University of Sorbonne in Paris, in which Brazil won the title of AWO: The Mystery of the Orishas. During this period, she separated from her husband and became friends with Pierre Verger, French photographer and Bahia de Candomblé researcher. In 1972, back in Rio de Janeiro, Bahia Gisèle had the saint's father guide Balbino Daniel de Paula, presented to her by Verger.

Anthropologist lived between Paris and Rio de Janeiro faced the family to live in the Baixada Fluminense as holy mother. In 1974, he bought a house in Santa Cruz de la Sierra, where he kept the yard Ile Axe Atara Magba. "I built the house with wooden eucalyptus brought from Africa It is the foundation of Candomblé:. Have to plant to have" used to say Gisèle, who won the prejudice in Rio for being a white saint's mother.

Retired French public service in 1980, Mother Gisèle of Yemanja began hundreds of holy children. "Because of the excess Candomblé secrets, much of its essence was lost," she said, who fought to end the ban on information about the African-based religion. "Unfortunately Candomblé became a show, with much luxury and labels. But it is a religion of the people."

Years before he died, Gisèle pointed his successor. According to her, Yemanja would have manisfestado indicating akindele saint's daughter, 40, created from an early age in the yard, as the heir in charge of the Ile Axe Atara Magba.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

La belle histoire du jour : il crée un musée dédié à l'amour en souvenir de sa femme

ÉTATS-UNIS - Charles Evans, un Américain originaire du Mississippi, a décidé de rendre un vibrant hommage à sa femme, disparue après 60 ans de vie commune. Son projet hors du commun a attiré l'attention d'un groupe de rock, qui lui a consacré un clip.



Charles Evans et son épouse, Louise, ont filé le parfait amour durant leurs 60 ans de mariage. Jusqu'à la mort de cette dernière, qui a laissé l'époux fort désemparé. L'homme, originaire de Starkville, dans le Mississippi, s'est alors accroché à un projet hors du commun.

Le couple amassait depuis des décennies des centaines de photos et de vidéos témoignant du bonheur de leur vie conjugale, raconte le HuffPost américain. Ensemble, ils avaient évoqué à plusieurs reprises l'idée d'en faire un musée, tant ils avaient accumulé de ces instants précieux.

Love song
Quelques mois après la mort de Louise, Charles a donc décidé de s'atteler à cette tâche. Et de faire de sa maison… Un musée en mémoire de sa bien-aimée, une "si gentille personne", dit-il aujourd'hui. Son musée de l'amour, il a décidé de le baptiser "le pays de Lala (son surnom) et de Louise".

L'hommage a fait le tour de sa ville, d'autant que Charles Evans y est connu pour avoir été, durant 30 ans, l'un des premiers postiers noirs, avant de devenir le conducteur du bus reliant l'université du Mississippi. Son projet est parvenu aux oreilles des membres d'un groupe de rock, Mutemath, qui, émus, ont décidé de lui consacrer une chanson et un clip (dont la vidéo est ci-dessous). 

"Monument" a été tourné dans le musée de Charles. A travers cet hommage, le vieil homme en est certain : "Louise restera toujours avec moi".

video: 

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.


Karina Muniz Viana assume a direção do Museu da Imagem do Som do Paraná, Brasil.

A gestora museológica da Secretaria de Estado da Cultura (SEEC), Karina Muniz Viana, é a nova diretora do Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR). Bacharel em Gravura, Karina é especialista em Gestão da Informação e Inovações Tecnológicas. Atualmente também é mestranda em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO.


João Luiz Fiani, secretario de Estado da Cultura do Paraná e Karina Muniz Viana, diretora do Museu da Imagem e do Som(MIS) e da Coordenação do Sistema Estadual de Museus(COSEM).Curitiba, 26 de janeiro de 2016.Foto: Kraw Penas/SEEC

“A escolha da Karina está de acordo com o novo direcionamento que queremos dar ao museu. Além disso, o trabalho que ela vem desenvolvendo nos últimos anos aqui na Secretaria da Cultura não deixa dúvidas de sua capacidade técnica e de gestão de projetos, fundamentais para a função”, comenta o secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani.

Nas palavras da própria Karina, o MIS-PR “vive um de seus momentos de maior transitoriedade. Desperta de um sono de 12 anos e assume o desafio de resignificação da sua identidade social”.

Karina assume também a Coordenação do Sistema Estadual de Museus (COSEM) no lugar do historiador Renato Carneiro, que permanece como diretor do Museu Paranaense e inicia agora um projeto de interiorização do museu, parte dos planos e metas da Secretaria da Cultura para os próximos anos.

Trajetória
Há 12 anos atuando no campo da Museologia, Karina Muniz Viana esteve à frente de vários projetos em diferentes espaços da esfera pública. Em 2004 foi responsável pela criação do Museu da Extensão Rural, estrutura integrante da Emater. Em 2006 coordenou o projeto de digitalização do Museu do Cartaz, da Fundação Cultural de Curitiba (FCC). Em 2007, assumiu a área de Museologia do Museu Oscar Niemeyer (MON), onde foi responsável pela reestruturação e informatização do acervo artístico. Também coordenou a implantação da base de dados DONATO no MON, mesmo sistema utilizado pelo Museu Nacional de Belas Artes (MNBA).

A partir de 2011, Karina passou a integrar a equipe da COSEM, onde foi responsável pela implantação da Rede de Informações Museus Paraná, acervo online que integra o banco de dados de todos os museus do Estado, incluindo bibliotecas, arquivos, acervos artísticos, históricos, etnográficos e arqueológicos. Com mais de 145 mil registros, o Museus Paraná se tornou referência nacional em sistemas de gestão de acervos. imprensa@seec.pr.gov.br





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.