Google+ Followers

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Inaugurado o Museu do Campo de Concentração do Tarrafal, Cabo Verde. --- Opened the Concentration Camp Museum of Tarrafal, Cape Verde.

Tarrafal, 21 Jan (Inforpress) - As obras de musealização do campo de Concentração do Tarrafal, que se iniciaram em Outubro de 2015, foram inauguradas quarta-feira, numa cerimónia co-presidida pelo primeiro-ministro, José Maria Neves, e o seu homólogo português, António Costa.


O curador do sítio histórico, José Jorge Landim, no seu discurso agradeceu a todos os que se envolveram nos trabalhos de musealização do Campo de Concentração do Tarrafal.

“A criação da curadoria do Campo de Concentração do Tarrafal vai traduzir aquilo que é uma das atribuições enquanto órgão de gestão dos sítios classificados como património nacional, visando assegurar a sua administração, conservação e desenvolvimento”, frisou.

Para o representante da Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria (ACOLP), Osvaldo Lopes da Silva, a cerimónia é de elevado significado à memória de Amílcar Cabral.

Segundo disse, a abertura do Museu do Campo de Concentração do Tarrafal significa um aprofundamento na história, estando certo que reincide, sobre os combatentes que ainda estão presentes, a responsabilidade de preservar os marcos da história de Cabo Verde.

Osvaldo Lopes da Silva pediu ainda as autoridades para darem maior atenção a um outro marco histórico do município de Tarrafal.

“Peço licença para referir a outro marco histórico existente neste concelho, a pouca distância deste Campo e que é merecedor da maior atenção. Refiro-me ao que resta das infra-estruturas do suporte à colaboração do regime salazarista, na Ponta d'Atum”.

Sobre este assunto, o primeiro-ministro José Maria Neves, reafirmou o compromisso de fazer um estudo, no sentido de considerar este aspecto histórico, que tem a ver com o abastecimento dos submarinos e o colaboracionismo de Salazar durante a Segunda Guerra Mundial.

O Museu da Resistência integra-se no projecto de preservação e musealização do ex-Campo de Concentração do Tarrafal, com o objectivo, a longo prazo, da sua declaração como Património da Humanidade.

O Campo de Concentração do Tarrafal foi criado pelo regime de Oliveira Salazar em 1936 e encerrado em 1954, onde terão morrido mais de três dezenas de presos políticos resistentes à ditadura do Estado Novo, entre eles o antigo secretário-geral do PCP Bento Gonçalves (1942).

A Colónia Penal do Tarrafal, situada em Chão Bom, foi criada pelo Governo português do Estado Novo, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26 539, de 23 de Abril de 1936. Em 29 de Outubro do mesmo ano recebeu 152 presos antifascistas portugueses.

O Campo do Tarrafal ou Colónia Penal foi encerrado em 1954, tendo sido reactivado em 17 de Junho de 1961, sob a denominação de Campo de Trabalho do Chão Bom, para receber prisioneiros oriundos das colónias portuguesas e teve o seu fim em 1974.

Após esse período, em 2000, o Campo do Tarrafal foi transformado no Museu de Resistência, como forma de dar dignidade ao espaço e às memórias das vítimas.








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


AP/JMV - Inforpress/fim


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



--in via tradutor do google


Tarrafal, Jan 21 (Inforpress) - The works of musealization the Tarrafal concentration camp, which started in October 2015, were inaugurated Wednesday in a co-chaired by Prime Minister ceremony, José Maria Neves, and its Portuguese counterpart, Antonio Costa.



The curator of the historic site, José Jorge Landim, in his speech thanked all who were involved in musealization work of Tarrafal Concentration Camp.

"The creation of curated the Tarrafal Concentration Camp will translate what is one of the tasks as managing body of the sites classified as national treasures, to ensure its management, conservation and development," he said.

For the representative of the Association of Freedom Fighters of the Fatherland (ACOLP), Osvaldo Lopes da Silva, the ceremony is of high significance to the Amilcar Cabral memory.

According to him, the opening of the Museum of the Tarrafal Concentration Camp means insight into the history, being certain that recurs on the fighters that are still present, the responsibility to preserve the landmarks of Cape Verde's history.

Osvaldo Lopes da Silva also asked the authorities to give more attention to another landmark in the city of Tarrafal.

"I beg to refer to another existing landmark in this county, not far from this field and is worthy of greater attention. I refer to what remains of the support infrastructure of the Salazar regime collaboration at Ponta d'Tuna ".

On this subject, Prime Minister José Maria Neves, reaffirmed the commitment to do a study, to consider this historical aspect, which has to do with the supply of submarines and collaborating Salazar during World War II.

The Resistance Museum is part of the project of preservation and musealization the former Concentration Camp of Tarrafal, with the aim in the long term of its declaration as World Heritage.

The Tarrafal concentration camp was created by the Salazar regime in 1936 and ended in 1954, which will have died more than three dozen political prisoners resistant Estado Novo dictatorship, including the former general secretary of the PCP Bento Gonçalves (1942 ).

The Penal Colony Tarrafal, located in Chao Bom, was created by the Portuguese Government of New State, under Decree-Law No. 26539 of 23 April 1936. On 29 October the same year received 152 arrested antifascists Portuguese.

The tarrafal camp or Penal Colony was closed in 1954 and was reactivated on June 17, 1961, under the Labor Camp denomination do Chão Bom, to receive prisoners coming of the Portuguese colonies and had its end in 1974.

After that, in 2000, tarrafal camp was transformed into the Resistance Museum, as a way of giving dignity to space and victims' memories.

Nenhum comentário:

Postar um comentário