Google+ Followers

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Iconografia ganha novo fôlego na Rússia. --- Iconography gains new life in Russia.

A iconografia é um ofício que está ressurgindo na Rússia. Nos últimos anos, o número de especialistas nessa área cresceu bastante. Antigamente, apenas os monges se ocupavam de atividade, mas hoje em dia são as mulheres formadas em Instituições de Ensino Superior de Arte e em cursos especiais que realizam esse trabalho com maior frequência.



O padre Aleksandr, um sacerdote ortodoxo, teve o primeiro contato com a iconografia nas aulas de História da Arte da Faculdade de Artes onde estudava. Mas foi quando analisava o ícone da Trindade de Andrêi Rubliov, exposto na Galeria Tretiakov, que ele teve consciência do valor espiritual da iconografia pela primeira vez.

“A princípio, eu estava analisando o ícone como artista, mas depois, por trás do brilho das cores, enxerguei uma luz interior e ela agitou todo o meu ser”, ele conta. “Eu passei a ver o ícone como uma fonte de luz, a fonte de toda a nossa vida. Andrêi Rubliov conseguiu desvendar o mistério da Santíssima Trindade e foi capaz de transmitir essa luz".

Enigma para os impressionistas

O sacerdote conta que as pessoas recebem educação em arte clássica e realista na Rússia, mas a iconografia, por muitos séculos, permaneceu como que oculta por uma espécie de cortina para o espectador. O interesse em relação às imagens religiosas surgiu na Rússia somente nos séculos 19 e 20, quando foram restaurados os trabalhos mais antigos. Até então os ícones tinham uma aparência muito escura por causa da tecnologia usada em sua criação.

"A questão é que os ícones eram cobertos com óleo de linhaça e ele ia escurecendo ao longo dos séculos. Com o passar do tempo, essas imagens escureciam e até ficavam enegrecidas”, diz padre Aleksandr. “Quando a camada enegrecida de óleo de linhaça era removida, revelava-se o brilho e o esplendor das cores. Descobria-se que as imagens brilhavam com toda paleta de cores."



Andrêi Rubliov, o pintor que sobreviveu ao caos


Muitos dos impressionistas franceses, que buscavam a pureza e a harmonia de cores em suas obras, eram apaixonados pela iconografia da Rússia antiga.

"Henri Matisse estava muito interessado na iconografia russa e em compreender a sua cor. Através dele, muitos de nossos artistas também procuram desvendar o segredo da arte das cores do ícone russo”, explica o sacerdote. “O matemático Boris Rauchenbakh pesquisou os ícones russos e em particular o ícone da Trindade, de Andrêi Rubliov, de um ponto de vista matemático. Ele encontrou leis da matemática superior nessa obra."

O padre Aleksandr está convicto de que a intuição dos pintores de ícones russos era tão precisa que hoje ela pode ser descrita em termos científicos.

O sacerdote diz que, tradicionalmente, os iconógrafos eram monges que jejuavam e oravam por muitos dias antes de começar a pintar a face dos santos e só pegavam o pincel na mão quando começavam a sentir o "ressoar da graça do Espírito Santo dentro de si".




“A própria iconografia é também um mistério, muitos afirmam que é o Espírito Santo que conduz a mão do pintor de ícones. Isso acontece quando a nossa máquina humana funde-se realmente com a mão do Senhor”, explica o padre Aleksandr. “Mas tais casos são raros e podem ser chamados de Revelação Divina. É possível fazer uma cópia de um ícone antigo, mas ela não produzirá o mesmo impacto. O trabalho de pintar um ícone é um processo complexo que requer habilidade, um foco de oração interior, pureza de coração e pureza corporal. Não é para todos que o ícone representa um processo para conversar com Deus.”

O padre Aleksandr teve a sorte de participar da pintura do maior templo russo, a Catedral de Cristo Salvador. Junto com ele muitos outros artistas trabalharam na elaboração das pinturas e depois continuaram a exercer esse ofício. 

"Para muitos formandos, esse foi o primeiro trabalho e proporcionou a eles a oportunidade de continuar exercendo esse ofício no futuro”, diz o padre.

Uma cooperativa de iconografia

Na oficina de Ekaterina Ilinskaia são pintados ícones que atendem aos mais diversos gostos. E não são monges que trabalham lá. De acordo com o que conta Elena Petiaskina, artista da oficina, atualmente existem muitas oficinas de iconografia na Rússia e as tradições iconográficas estão sendo restabelecidas e se desenvolvem ativamente.

"Até cinco ou seis anos atrás, havia pouquíssimas oficinas e agora é até difícil contá-las. Nós pintamos os ícones com base nas tradições russas dos séculos 15 e 16, bem como no estilo mais tardio do século 19. Fazemos as pinturas em tábuas de tília utilizando têmpera e óleo e para o douramento usamos folhas de ouro", diz ela.

Elena afirma que depois de terem encomendado um ícone, as pessoas tornaram-se clientes regulares em 50% dos casos.

"As pessoas gostam de encomendar ícones dimensionados para os recém-nascidos, que são feitos exatamente na medida do comprimento do bebê, bem como ícones para a ocasião do casamento e ícones familiares, onde são representados todos os Santos, patronos dos membros da família”, diz ela. “Nossos clientes são pessoas comuns que querem adquirir uma relíquia de família, ou então dar um presente especial. A demanda para o nosso trabalho é bastante elevada.”

Antes de se tornar iconógrafa, Elena havia sido professora em uma escola.

"Eu concluí a Faculdade de Pedagogia, com especialização em inglês e alemão. Passei um ano na Alemanha e depois lecionei em uma escola. Comecei a me interessar por desenho na qualidade de hobby. Eu tinha muita vontade de pintar ícones, mas não sabia onde aprender a fazer isso”, ela conta.




“Então, certa vez, vi um anúncio de cursos de iconografia. Acabei aprendendo e fui convidada para trabalhar na oficina."

Ela trabalha ali há mais de 5 anos e é especializada na pintura de roupas das imagens dos Santos. Toda a oficina funciona como uma cooperativa, um artista pinta os rostos, outro pinta o corpo, um terceiro faz o douramento e assim por diante.

"Cada um dos artistas faz no ícone o que ele consegue fazer melhor", observa Elena. Basicamente, são as mulheres que exercem esse tipo de atividade.

É interessante que Elena fez o seu primeiro ícone ainda na infância, para dar de presente a sua avó.

“Eu modelei uma plaquinha de argila, risquei uma imagem nela com um prego e depois pintei”, conta ela. “Me pareceu que ficou muito bonito. A argila não havia sido queimada, por isso esse trabalho não pôde ser conservado."

Valores

Os preços das obras de arte sacra começam a partir de 5 mil rublos (US$ 120), sendo que o preço máximo pode chegar até meio milhão de rublos (US$ 12,5 mil).

"Os preços de nossa oficina estão um pouco acima da média”, diz Elena. “Mas os ícones nunca foram baratos. Antigamente, as pessoas também tinham que ficar poupando durante anos para poder ter algo assim. Atualmente existe uma grande quantidade de ícones impressos que são bastante acessíveis, mas nós respeitamos totalmente as tradições. Aqui trabalham artistas, os ícones são decorados com prata e pedras preciosas, por isso o resultado final é totalmente diferente. Um ícone leva de dois a três meses para ser pintado.”

Elena conta que os estrangeiros que visitam a oficina não compram os ícones porque para eles os preços parecem excessivamente altos: “Isso não passa de um souvenir para eles."





Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor

Vamos compartilhar.




--in vi TRdutor do google
Iconography gains new life in Russia.

The iconography is a craft that is re-emerging in Russia. In recent years, the number of specialists in this area grew. Previously, only the monks were busy activity, but nowadays women are trained in Art Higher Education Institutions and special courses that do this work more often.



St. Petersburg art group
recreates classic painting

The Aleksandr priest, an Orthodox priest, had the first contact with the iconography in art history classes at the Arts School where she studied. But it was when analyzing the Trinity icon Andrei Rubliov exposed in the Tretyakov Gallery, he was aware of the spiritual value of iconography for the first time.

"At first I was looking at the icon as an artist, but then behind the brightness of the colors, I saw an interior light and she shook my whole being," he says. "I went to see the icon as a light source, the source of all our lives. Andrei Rubliov managed to unravel the mystery of the Holy Trinity and was able to transmit this light. "

Puzzle for the Impressionists

The priest says that people receive education in classical and realist art in Russia, but the iconography for many centuries, that remained hidden by a kind of curtain to the viewer. The interest towards religious images appeared in Russia only in the 19th and 20th centuries, when the older works were restored. Until then the icons had a very dark appearance because of the technology used in its creation.

"The point is that the icons were covered with linseed oil and it was getting dark over the centuries. Over time, these images darkened and even were blackened," says Father Aleksandr. "When the blackened layer of linseed oil was removed, revealed to the brightness and splendor of colors. He discovered that the images shimmered with every color palette. "




Andrei Rubliov, the painter who survived the chaos


Many of the French Impressionists, who sought the purity and harmony of colors in his works, were passionate about the iconography of ancient Russia.

"Henri Matisse was very interested in the Russian iconography and understand their color. Through it, many of our artists also seek to unravel the secret of the art of Russian icon colors," said the priest. "The mathematician Boris Rauchenbakh researched the Russian icons and in particular the icon of the Trinity of Andrei Rubliov, from a mathematical point of view. He found superior laws of mathematics in this work. "

The Father Aleksandr is convinced that intuition of Russian icon painters was so precise that it can now be described in scientific terms.

The priest says that traditionally the iconographers were monks who fasted and prayed for several days before starting to paint the face of the saints and only caught the brush in hand when they began to feel the "echo of the grace of the Holy Spirit within you" .




"The own iconography is also a mystery, many say it is the Holy Spirit who leads the hand icon painter. This happens when our human machine actually merges with the hand of the Lord, "said Father Aleksandr. "But such cases are rare and can be called Divine Revelation. You can make a copy of an old icon but it will not produce the same impact. The work of painting an icon is a complex process that requires skill, an interior prayer focus, purity of heart and body purity. Not for all that the icon represents a process to talk to God. "

The Father Aleksandr was fortunate to participate in the largest Russian temple painting, Christ the Savior Cathedral. Along with it many other artists worked on the preparation of the paintings and then continued to exercise this office.

"For many students, this was the first job and gave them the opportunity to continue exercising this office in the future," says the priest.

An iconography of cooperative

In Ekaterina Ilinskaia workshop icons are painted that meet the most diverse tastes. And are not monks who work there. According to that account Elena Petiaskina, artist workshop, there are currently many iconography workshops in Russia and the iconographic traditions are being re-established and actively develop.

"Until five or six years ago there were very few workshops and is now even difficult to count them. We painted the icons based on Russian traditions of the 15th and 16th centuries, as well as in the late 19th century style We make paintings on boards linden using tempera and oil gilding and the use of gold leaf, "she says.

Elena says that after having commissioned an icon, people have become regular customers in 50% of cases.

"People like ordering sized icons for newborns, which are made exactly as the baby's length, as well as icons for the wedding occasion and familiar icons, which are represented all the saints, patrons of family members" she says. "our customers are ordinary people who want to acquire a family heirloom, or give a special gift. the demand for our work is quite high."

Before becoming iconógrafa, Elena had been a teacher in a school.

"I concluded the College of Education, majoring in English and German. I spent a year in Germany and later taught at a school. I started getting interested in drawing in the hobby quality. I was really keen to paint icons, but did not know where learn how to do it, "she says.




"So once I saw an iconography courses ad. Just I am learning and I was invited to work in the workshop. "

She works there for more than five years and specializes in painting the images of Saints clothes. The whole workshop functions as a cooperative, an artist paints faces, another painting the body, a third one browning and so on.

"Each of the artists is the icon of what they can do better," says Elena. Basically, it is women who perform this type of activity.

Interestingly, Elena made his first icon in childhood, to give away your grandmother.

"I modeled a clay plaque, an image chalked on it with a nail and then painted," she says. "It seemed to me that was very beautiful. Clay had not been burned, so that work could not be maintained. "

values

The prices of sacred art works start from 5000 rubles ($ 120), and the maximum price can reach up to half a million rubles ($ 12,500).

"Our workshop prices are a little above average," says Elena. "But the icons were never cheap. In the past, people also had to be saving for years to have something. Currently there is a lot of icons printed which they are quite affordable, but we respect fully the traditions. Here artists work, the icons are decorated with silver and precious stones, so the end result is totally different. An icon takes two to three months to be painted. "

Elena says that foreigners visiting the shop not shop icons because for them the prices seem too high ". That's just a souvenir for them"


Nenhum comentário:

Postar um comentário