Google+ Followers

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Archaeologists explore the mecca of Roman veterans in Bosnia and Herzegovina. --- Os arqueólogos exploram a meca dos veteranos romanos na Bósnia e Herzegovina.

Roman veterans and other settlers built their homes and villas two thousand years ago, guided by convenience - according to a study of Polish archaeologists in Bosnia and Herzegovina. That is why these structures were built on the edges of river valleys close to the road network.


"During this year's research we were able to find some previously unknown sections of Roman roads, including the Salona-Narona road that was key to the whole Roman province of Dalmatia" - explained the project leader, Tomasz Dziurdzik of the Institute of Archaeology of the University of Warsaw. Research is conducted in partnership with the University of Mostar, represented by Mirko Rašić.

Archaeological heritage of the area is poorly researched and documented by local services. This is in part due to the armed conflict of the 1990s. As a result, the system of protection of archaeological and historical heritage stopped working for many years. Local services received help from Polish archaeologists, who last year began a large-scale, non-invasive archaeological project planned for several years. Its purpose is to verify data on the location of archaeological sites and enter them into a new database.

Researchers use a variety of methods - from field surveys, which involve walking in the field and searching for artefacts on the surface, to the analysis of aerial and satellite images. It is also planned to prepare three-dimensional models of selected sites. "This is the first application of modern, non-destructive archaeological methods in the area" - said Dziurdzik.

People had been leaving a strong mark on the area since the first half of the 1st century AD. That was when veterans came there - legionaries, given land by successive emperors. Due to that, this area was rich and quickly succumbed to Romanization. Tomasz Dziurdzik explained in an interview with PAP that this was the time when numerous investments were made - roads, settlements and villas. That is why Polish research focuses on the settlement of the Roman period and Late Antiquity (since the turn of the era to the 7th century). Mapping some of the relics from the antiquity from the municipality Ljubuški in western Bosnia and Herzegovina allowed to draw the first conclusions about the past of the region.

"Roman settlers, including legionaries dismissed from the army, who received land here as a reward for the service during the reign of Tiberius, chose construction sites for their homes and villas guided by convenience. They built their dwellings on the edges of river valleys and close to the road network" - said Dziurdzik.

The researchers also found that during the Late Antiquity (IV-VII century AD), among the local community there was an increased sense of danger - probably related to the period of migration of nations, when many tribes from Eastern Europe were moving to the west. Therefore, at that time settlements were founded in hard to reach and naturally defensive places.

Scientists have also "scanned" three places selected during surface surveys and determined their layout without the need for excavation. This was possible through the use of geophysical survey. All three sites, located near Humac, were a riddle for scientists - it was not clear what relics of the past are hidden below.

"We were able to confirm the existence of a Roman fort, accompanying civilian settlement and cemetery from the 1st and 2nd centuries AD" - said Dziurdzik. The image generated with the geophysical method shows the fort wall and isolated shapes of buildings.

So far, archaeologists documented and verified a total of 34 previously known sites in the project. The surface research covered over 80 hectares. During these surveys, researchers found a few sites not reported by local services.


PAP - Science and Scholarship in Poland




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


PAP - Science and Scholarship in Poland


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.






--br via tgradutor do google

Os arqueólogos exploram a meca dos veteranos romanos na Bósnia e Herzegovina.

Veteranos romanos e outros colonos construíram suas casas e moradias há dois mil anos, guiados pela conveniência - de acordo com um estudo de arqueólogos poloneses na Bósnia e Herzegovina. É por isso que estas estruturas foram construídas nas bordas dos vales dos rios perto da rede rodoviária.
"Durante a pesquisa deste ano, fomos capazes de encontrar algumas seções anteriormente desconhecidas de estradas romanas, incluindo a estrada Salona-Narona que era fundamental para toda a província romana da Dalmácia" - explicou o líder do projeto, Tomasz Dziurdzik do Instituto de Arqueologia da Universidade de Varsóvia. A investigação é conduzida em parceria com a Universidade de Mostar, representada por Mirko Rašić.
O patrimônio arqueológico da região é pouco pesquisado e documentado pelos serviços locais. Isto é em parte devido ao conflito armado dos anos 90. Como resultado, o sistema de proteção do patrimônio arqueológico e histórico deixou de funcionar por muitos anos. Os serviços locais receberam ajuda de arqueólogos poloneses, que no ano passado iniciaram um projeto arqueológico em grande escala, não-invasivo, planejado por vários anos. Sua finalidade é verificar dados sobre a localização de sítios arqueológicos e inseri-los em uma nova base de dados.
Os pesquisadores usam uma variedade de métodos - a partir de pesquisas de campo, que envolvem andar no campo e procurar artefatos na superfície, para a análise de imagens aéreas e de satélite. Também está planejado para preparar modelos tridimensionais de sites selecionados. "Esta é a primeira aplicação de métodos arqueológicos modernos, não destrutivos na área" - disse Dziurdzik.
As pessoas estavam deixando uma marca forte na área desde a primeira metade do século I dC. Foi quando os veteranos chegaram lá - legionários, dada a terra por sucessivos imperadores. Devido a isso, esta área era rica e rapidamente sucumbiu à romanização. Tomasz Dziurdzik explicou em entrevista à PAP que este era o momento em que foram feitos numerosos investimentos - estradas, assentamentos e moradias. É por isso que a investigação polonesa incide sobre o estabelecimento do período romano e da Antigüidade tardia (desde a virada da era para o século 7). Mapeando algumas das relíquias da antiguidade do município Ljubuški no oeste da Bósnia e Herzegovina permitiu tirar as primeiras conclusões sobre o passado da região.
"Os colonos romanos, incluindo legionários demitidos do exército, que receberam terra aqui como uma recompensa pelo serviço durante o reinado de Tibério, escolheram locais de construção para suas casas e moradias guiadas por conveniência. Construíram suas habitações nas margens dos vales dos rios e Perto da rede rodoviária "- disse Dziurdzik.
Os pesquisadores também descobriram que durante a Antigüidade tardia (século IV-VII dC), entre a comunidade local havia um crescente senso de perigo - provavelmente relacionado com o período de migração das nações, quando muitas tribos da Europa Oriental estavam se movendo para o oeste . Portanto, naquela época os assentamentos foram fundados em lugares difíceis de alcançar e naturalmente defensivos.
Os cientistas também "escanearam" três locais selecionados durante levantamentos de superfície e determinaram seu layout sem a necessidade de escavação. Isso foi possível através do levantamento geofísico. Todos os três locais, localizados perto de Humac, eram um enigma para os cientistas - não estava claro que relíquias do passado estão escondidas abaixo.
"Pudemos confirmar a existência de um forte romano, que acompanha o assentamento civil e cemitério dos séculos I e II" - disse Dziurdzik. A imagem gerada com o método geofísico mostra a parede do forte e formas isoladas dos edifícios.
Até o momento, os arqueólogos documentaram e verificaram um total de 34 locais previamente conhecidos no projeto. A pesquisa superficial abrangia mais de 80 hectares. Durante essas pesquisas, os pesquisadores descobriram alguns sites não relatados pelos serviços locais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário