Google+ Followers

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Oscar de la Renta’s All-American Fashion Revolution. --- Revolução All-American da forma de Oscar de la Renta.

The designer, now dead at 82, legitimized U.S. style in the eyes of the world.



We noticed that you have an

He was the son of globalization born in the Dominican Republic to a mother of Spanish descent and a father hailing from Puerto Rico, beginning a storied career in French couture before launching in America. His was a family of intellectuals and civil servants. He dabbled in painting before diving into the cutthroat world of fashion design. He played bridge with investor whiz Warren Buffett and once nearly got in a fistfight with journalist William Norwich.

He was a true American pioneer.

With the death of Oscar de la Renta on Monday night at the age of 82, the fashion world has lost not only a brilliantly talented artist, but also arguably the very first American designer with street cred on the world s runways.

That his designs clothed American celebrities and the elite for decades is but one component of de la Renta s contribution to American fashion. De la Renta began his career with Arden, working in the burgeoning ready-to-wear business. Within a few years, de la Renta had worked his way up to launching his very own label.

Related Story

I have a creative block on a daily basis, he said in an interview with Norwich for New York magazine s The Cut. To be a good designer, you have to keep your eyes open. You have to understand the consumer. You have to understand the woman you are dressing.

Once he d scored a label, de la Renta s rise was meteoric. He splashed onto the political scene with the silk boatneck dresses favored by then-First Lady Jacqueline Kennedy. Though Kennedy was often remembered as a fashion trailblazer, de la Renta s role in creating her image and that of American women in the swingin 60s should not be ignored. The fitted bodices splaying out into full skirts kicked off a decade of iconoclastic rebellion in fashion while preserving a unique sense of American tradition within folds of taffeta.

I always say in my role as a designer is to bear, to do the very best I can for that woman, to make her feel her very best, de la Renta said in a 2013 video shot for the William J. Clinton Presidential Center s celebration of him, Oscar de la Renta: American Icon.

And make many a woman feel her very best he did. From first ladies since Kennedy through Obama, Hollywood starlets, and urban sophisticates, de la Renta clothed women over half a century, focusing on the intersection of simplicity in form and breathtaking complexity in design to create pieces that were inimitably de la Renta, undeniably American.

Before de la Renta s entrance, American fashion was ruled by copycats.

Before de la Renta s entrance, American fashion was ruled by copycats: Runway looks from Paris and London were adjusted for American tastes, which strayed towards the practical and avoided the cutting-edge risks that defined the European scene. De la Renta changed that he focused on the American woman, her needs, her cultural outlook, her sense of practicality but desire to be beautiful. De la Renta combined these sensibilities into what became his unmistakable brand of strong lines, very little skin-show, sumptuous fabrics, vibrant single hues, ornate details like lace and bows and pearls that evoked a purity that was at once sultry and innocent, and, most importantly, a tag bearing his calligraphic name, scrolled in smooth strokes both delightfully unexpected and surprisingly expected, just like his line.

Obviously, the woman I dress today is very different from the woman I dressed when I started in the business, he told Norwich. But you know, fashion is an illusion. [It s about] how good you are at projecting that illusion.

Indeed, de la Renta s revolutionary designs were, ironically, steadfast in their dedication to classic form and structure, stridently maintaining a fairy-tale quality that gave the women he dressed an ethereal aura. He favored ruffles, billowing tiered gowns that evoked a concoction of Renaissance grandeur with graphic Warholian splashes of color. Unlike some of his peers, de la Renta avoided making political statements or overt experimentation ( Fashion is non-political and non-partisan, de la Renta said in that same Clinton video while discussing how he dressed then-First Lady Hillary Clinton for a Vogue shoot).

Keith Bedford/Reuters

This intense passion for femininity and elegance without cutouts or statements made de la Renta groundbreaking and shocking, both in post-war America and the global stage of the new millennium. The classic nature of his fashion was timeless and maintained a stoic, coy sense of majesty that both made a woman imminently approachable while also giving her a sense of mystique.

Years later, de la Renta s iconic brand has transformed into something beyond legendary. De la Renta is, in fact, the epitome of American dream an immigrant who created a fantasy world of wearable art that toasted the American woman and celebrated an emerging American identity. De la Renta s outfits never oversexualized women, never attempted to make them seem skinnier or more bootylicious or false in any sense. He was a man who understood the juxtaposed layers that made an American woman who she was and created outfits that perfectly grasped that definition.

He makes a woman look like a woman, feel like a woman, feel like a princess, fellow designer Diane von Furstenburg said of de la Renta. He has that old-fashioned elegance, and yet he s able to interpret it in such a modern way.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.










--br via tradutor do google
Revolução All-American da forma de Oscar de la Renta.

O designer, agora morto aos 82 anos, legitimava o estilo americano aos olhos do mundo.

Percebemos que você tem um

Ele era o filho da globalização nascido na República Dominicana para uma mãe de ascendência espanhola e um pai proveniente de Porto Rico, iniciando uma carreira contada em couture francês antes de lançar na América. Era uma família de intelectuais e funcionários públicos. Dabbled na pintura antes de mergulhar no mundo cutthroat do projeto da forma. Jogou a ponte com o whiz Warren Buffett do investor e uma vez quase começ em um fistfight com o journalist William Norwich.

Ele era um verdadeiro pioneiro americano.

Com a morte de Oscar de la Renta na noite de segunda-feira aos 82 anos, o mundo da moda perdeu não só um artista brilhantemente talentoso, mas também, sem dúvida, o primeiro designer americano com crédito de rua nas pistas de decolagem do mundo.

Que seus projetos vestiram celebridades americanas e a elite por décadas é apenas um componente da contribuição de de la Renta para a moda americana. De la Renta começou sua carreira com Arden, trabalhando no crescente negócio de pronto-a-vestir. Dentro de alguns anos, de la Renta tinha trabalhado sua maneira para lançar o seu próprio rótulo.

História Relacionada

Eu tenho um bloco criativo em uma base diária, ele disse em uma entrevista com Norwich para New York revista s The Cut. Para ser um bom designer, você tem que manter os olhos abertos. Você tem que entender o consumidor. Você tem que entender a mulher que você está vestindo.

Uma vez que ele marcou um rótulo, a ascensão de de la Renta foi meteórica. Ele mergulhou na cena política com os vestidos de seda boatneck favorecidos pela então-primeira-dama Jacqueline Kennedy. Embora Kennedy fosse lembrado frequentemente como um pioneiro da forma, o papel de de la Renta em criar sua imagem e aquela das mulheres americanas no swingin 60s não deve ser ignorado. Os corpetes ajustados que splaying para fora em saias cheias começaram uma década de rebelião iconoclasta na forma ao preservar um sentido original da tradição americana dentro das dobras do tafetá.

Eu sempre digo em meu papel como designer é suportar, fazer o melhor que posso para que a mulher, para fazê-la sentir-se muito melhor, de la Renta disse em um vídeo de 2013 tiro para o William J. Clinton Presidencial s Celebração dele, Oscar de la Renta: Ícone Americano.

E fazer muitas mulheres sentirem o melhor que fez. Desde as primeiras senhoras desde Kennedy até Obama, as estrelas de Hollywood e os sofisticados urbanos, de la Renta vestiu as mulheres ao longo de meio século, concentrando-se na interseção de simplicidade na forma e complexidade de tirar o fôlego no design para criar peças inimizáveis ​​de la Renta, inegavelmente americanas .

Antes da entrada de de la Renta, a moda americana era governada por cópias.

Antes da entrada de de la Renta, a moda norte-americana era governada por cópias: os looks da pista de Paris e Londres foram ajustados para os gostos americanos, que se desviaram para a prática e evitaram os riscos de ponta que definiram a cena européia. De la Renta mudou que ele se concentrou na mulher americana, suas necessidades, sua visão cultural, seu senso de praticidade, mas o desejo de ser bonita. De la Renta combinava essas sensibilidades com o que se tornou sua marca inconfundível de linhas fortes, muito pouco show de pele, tecidos sumptuosos, vibrantes tons únicos, detalhes ornamentados como rendas e arcos e pérolas que evocavam uma pureza que era ao mesmo tempo sensual e inocente e , Mais importante, uma etiqueta com o seu nome caligráfico, percorrida em suaves carícias tanto deliciosamente inesperado e surpreendentemente esperado, assim como sua linha.

Obviamente, a mulher que veste hoje é muito diferente da mulher que eu vesti quando eu comecei no negócio, ele disse a Norwich. Mas você sabe, a moda é uma ilusão. [É sobre] como você é bom em projetar essa ilusão.

Na verdade, os projetos revolucionários de de la Renta foram, ironicamente, firmes em sua dedicação à forma clássica e estrutura, mantendo estridentemente uma qualidade de conto de fadas que deu às mulheres que ele vestiu uma aura etérea. Ele gostava de babados, vestidos em camadas que evocavam uma mistura de grandeza renascentista com manchas coloridas de Warhol. Ao contrário de alguns de seus pares, de la Renta evitou fazer declarações políticas ou experimentação aberta (a moda é não-política e não-partidária, de la Renta disse no mesmo vídeo de Clinton enquanto discutindo como ele se vestiu então - primeira-dama Hillary Clinton para uma Vogue Atirar

Keith Bedford / Reuters

Esta paixão intensa pela feminilidade e elegância sem recortes ou declarações fez de la Renta inovador e chocante, tanto na América do pós-guerra e na fase global do novo milênio. A natureza clássica de sua moda era intemporal e mantinha uma sensação estóica e tímida de majestade que fazia uma mulher imediatamente acessível ao mesmo tempo que lhe dava um senso de mística.

Anos mais tarde, a marca icônica da Renta se transformou em algo além do lendário. De la Renta é, de fato, o epítome do sonho americano um imigrante que criou um mundo de fantasia de arte wearable que brindou a mulher americana e celebrou uma identidade americana emergente. Os trajes de De La Renta nunca oversexualised mulheres, nunca tentou fazê-los parecer mais magro ou mais bootylicious ou falso em qualquer sentido. Ele era um homem que entendia as camadas justapostas que faziam de uma mulher americana quem ela era e criava roupas que perfeitamente compreendiam essa definição.

Ele faz uma mulher parecer uma mulher, sentir-se como uma mulher, sentir-se como uma princesa, colega designer Diane von Furstenburg disse de la Renta. Ele tem essa elegância antiquada, e ainda assim é capaz de interpretá-la de uma maneira tão moderna.




Nenhum comentário:

Postar um comentário