Google+ Followers

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Oklahoma City Museum of Art announces 2017 exhibit season, ranging from Kehinde Wiley exhibit to Japanese woodblock prints. --- O museu de arte de Oklahoma City anuncia a estação 2017 da exposição, variando da exposição de Kehinde Wiley às cópias japonesas do woodblock.


The Oklahoma City Museum of Art has announced its 2017 special exhibition season - with art ranging from the paintings and sculptures of an internationally celebrated contemporary artist - Kehinde Wiley - to Japanese woodblock prints, new acquisitions in photography and a celebration of the 75th anniversary of OKCMOA's Works Progress Administration (WPA) collection. The Kehinde Wiley exhibition is the final stop of its national tour.



 Kehinde Wiley's (American, b. 1977). 
2008 painting "Ibrahim Sacko" will be featured in the special exhibition "Kehinde Wiley: A New Republic." The Oklahoma City Museum of Art will be the final stop of the exhibit in 2017. 

"Next year will continue the momentum we gathered in 2016 with the special exhibition 'Matisse in His Time: Masterworks of Modernism from the Centre Pompidou, Paris,'" said President and CEO E. Michael Whittington in a news release. "Our members and visitors can look forward to a dynamic and exciting season of contemporary and traditional art. We will start the year with our newly installed second floor, including a celebration of the 75th anniversary of our WPA collection and will continue with photography, Japanese woodblock prints and a blockbuster exhibition featuring the big, brilliant works of Kehinde Wiley. Our 2017 exhibitions feature something for everyone."

Dec. 16, 2016 - July 2, 2017

"The Complete WPA Collection: 75th Anniversary"

In 1935, in an effort to curb the mass unemployment of the Great Depression, President Franklin D. Roosevelt created the WPA, one of a number of domestic programs known collectively as the New Deal. While much of the WPA was focused on improving the nation's infrastructure, it also provided substantial resources for the arts and artists through the Federal Art Project (FAP), which employed 3,500 artists by 1936, and was instrumental in launching the careers of many major American painters.

The Museum's WPA collection features a large proportion of rural American landscapes and depictions of labor, infrastructure and industrial development. All works are figurative, as was favored by the WPA, and there are significant representations of female and foreign-born (predominately Russian) artists in the Museum's holdings. The WPA collection also contains two artists with local ties, Muscogee (Creek)/Pawnee painter and muralist Acee Blue Eagle and printmaker Elmer Capshaw.

Feb. 18 - May 14, 2017

"After the Floating World: The Enduring Art of Japanese Woodblock Prints"

Images carved onto wooden blocks used to create colorful prints on paper are among the most famous Japanese art forms. These prints, popular in Japan from the 17th through the 19th centuries, are known as "Ukiyo-e," which translates as "pictures from the floating world." "Ukiyo-e" artists produced prints in a variety of subject matter including actors in the Kabuki theater, female portraiture, folktales and mythology and landscapes.

Organized from the collections of the Oklahoma City Museum of Art, this exhibition focuses on two artists: Torii Kiyotada VII (1875-1941) and Hiroshi Yoshida (1876-1950). These printmakers were at the forefront of the early 20th century evolution of the "Ukiyo-e" tradition into a style known as "Shin Hanga" that incorporated stylistic elements from the West. Kiyotada VII was born into a family with a long tradition of producing theatrical images, and his prints of Kabuki actors illustrate the rich tradition of Japanese theater. Yoshida (1876-1950) was a popular artist both in Japan and in the United States whose extensive world travels resulted in evocative prints of familiar landmarks such as Mt. Fuji, the Taj Mahal, the Acropolis and Niagara Falls.


"The Unsettled Lens"

Since the 19th century, photographers have crafted images that hinge on the idea of the uncanny, a psychological phenomenon existing, according to Sigmund Freud, at the intersection between the homely ("Heimlich") and the estrangement within the home ("Unheimlich") - the reassuring and the threatening.

"The Unsettled Lens" showcases new acquisitions in photography and photographs from the museum's permanent collection. Each of the photographs in the exhibition build tension with the viewer based on a sense of the uncanny. By converting the familiar into unrecognizable abstract impressions of reality, by intruding on moments of intimacy, by weaving enigmatic narratives and by challenging notions of time and memory, these photographs take viewers to unfamiliar and often unsettling places within the bounds of their own minds. 

June 17 - Sept 10, 2017

"Kehinde Wiley: A New Republic"

"Kehinde Wiley: A New Republic" presents an overview of the artist's career, including about 50 of his oil paintings, stained glass and sculpture. The exhibition highlights the range of Wiley's production, starting with examples of early paintings executed around the time of his 2001 residency at the Studio Museum in Harlem. These figurative canvases of African-American men, inspired by Wiley's observation of street life in Harlem, mark the beginning of his focused exploration of the male figure.

In subsequent bodies of work, the artist took figuration a step further to examine the European tradition of portraiture. Appropriating the format of specific paintings by renowned masters such as Titian, Van Dyke, Ingres and Manet, Wiley began the practice of replacing historical subjects with contemporary young African-American men sporting fashionable urban gear: puffy down jackets, sneakers, hoodies, jerseys and baseball caps. Juxtaposed with ornate decorative backgrounds, the stylized likeness and grounds became part of Wiley's signature style.

In a 2015 feature, The New York Times called Wiley "one of the most celebrated painters of his generation ... known for vibrant, photo-based portraits of young black men [who] gaze out at us coolly, their images mashed up with rococo-style frills and empowering poses culled from art history."

The exhibition also will include a selection from his ongoing "World Stage" project, which he initiated in 2006 by establishing a satellite studio in Beijing. In addition, the exhibition will include portrait busts and stained glass "paintings," as well as female portraiture from Wiley's recent series "An Economy of Grace."

"Kehinde Wiley: A New Republic" is organized by the Brooklyn Museum. Oklahoma City will be the final stop for "A New Republic."





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.






--br via tradutor do google
O museu de arte de Oklahoma City anuncia a estação 2017 da exposição, variando da exposição de Kehinde Wiley às cópias japonesas do woodblock. 

Kehinde Wiley (American, 1977). 2008 pintura "Ibrahim Sacko" será apresentado na exposição especial "Kehinde Wiley: Uma Nova República." O Museu de Arte de Oklahoma City será o ponto final da exposição em 2017. Imagem fornecida.

O museu de arte de Oklahoma City anunciou sua estação 2017 especial da exposição - com a arte que vai das pinturas e das esculturas de um artista contemporâneo comemoração internacional - Kehinde Wiley - às cópias japonesas do woodblock, às aquisições novas na fotografia e à celebração do 75th anniversary do OKCMOA Coleção Works Administration (WPA). A exposição Kehinde Wiley é a última parada de sua turnê nacional.

"O ano que vem continuará o impulso que reunimos em 2016 com a exposição especial 'Matisse em seu tempo: obras-primas do modernismo do Centre Pompidou, em Paris'", disse o presidente e CEO, E. Michael Whittington, em um comunicado à imprensa. "Nossos membros e visitantes podem esperar uma temporada dinâmica e emocionante de arte contemporânea e tradicional.Nós começaremos o ano com o nosso recém-instalado segundo andar, incluindo uma celebração do 75 º aniversário da nossa coleção WPA e continuará com a fotografia, japonês Woodblock imprime e uma exposição do blockbuster que caracteriza as obras grandes, brilhantes de Kehinde Wiley.Nossas 2017 exposições caracterizam algo para todos. "

16 de dezembro de 2016 - 2 de julho de 2017

"A coleção completa de WPA: 75th aniversário"

Em 1935, em um esforço para conter o desemprego maciço da Grande Depressão, o presidente Franklin D. Roosevelt criou o WPA, um dos vários programas domésticos conhecidos coletivamente como New Deal. Enquanto a maior parte da WPA estava focada em melhorar a infra-estrutura da nação, também forneceu recursos substanciais para as artes e artistas através do Projeto de Arte Federal (FAP), que empregava 3.500 artistas em 1936 e foi fundamental para lançar as carreiras de muitos Pintores.

A coleção WPA do Museu apresenta uma grande proporção de paisagens americanas rurais e representações de trabalho, infra-estrutura e desenvolvimento industrial. Todas as obras são figurativas, como foi favorecido pela WPA, e há representações significativas de mulheres e artistas nascidos no estrangeiro (predominantemente russo) nas explorações do Museu. A coleção WPA também contém dois artistas com laços locais, Muscogee (Creek) / Pawnee pintor e muralista Acee Blue Eagle e gravador Elmer Capshaw.

18 de fevereiro - 14 de maio de 2017

"Após o mundo de flutuação: A arte de resistência de impressões de Woodblock do japonês"

As imagens cinzeladas em blocos de madeira usados ​​para criar cópias coloridas no papel estão entre as formas de arte japonesas as mais famosas. Essas gravuras, conhecidas no Japão do século XVII ao XIX, são conhecidas como "Ukiyo-e", que se traduz como "imagens do mundo flutuante". Artistas "Ukiyo-e" produziram impressões em uma variedade de assuntos, incluindo atores no teatro Kabuki, retrato feminino, contos populares e mitologia e paisagens.

Organizada a partir das coleções do Museu de Arte de Oklahoma City, esta exposição concentra-se em dois artistas: Torii Kiyotada VII (1875-1941) e Hiroshi Yoshida (1876-1950). Estes gravadores estavam na vanguarda da evolução do início do século 20 da tradição "Ukiyo-e" em um estilo conhecido como "Shin Hanga" que incorporou elementos estilísticos do Ocidente. Kiyotada VII nasceu em uma família com uma longa tradição de produzir imagens teatrais, e suas impressões de atores de Kabuki ilustram a rica tradição do teatro japonês. Yoshida (1876-1950) era um artista popular no Japão e nos Estados Unidos cujas extensas viagens mundiais resultaram em impressões sugestivas de marcos familiares como o Monte. Fuji, o Taj Mahal, a Acrópole e Niagara Falls.

"A Lente Desconectada"

Desde o século XIX, os fotógrafos criaram imagens que dependem da idéia do estranho, um fenômeno psicológico existente, de acordo com Sigmund Freud, na intersecção entre o homossexual ("Heimlich") eo estranhamento dentro da casa ("Unheimlich"), - o reconfortante e o ameaçador.

"The Unsettled Lens" apresenta novas aquisições em fotografia e fotografias da coleção permanente do museu. Cada uma das fotografias na exposição construir tensão com o espectador com base em um sentido do uncanny. Ao converter o familiar em impressões abstratas irreconhecíveis da realidade, ao invadir momentos de intimidade, tecendo narrativas enigmáticas e desafiando noções de tempo e memória, essas fotografias levam os espectadores a lugares desconhecidos e muitas vezes inquietantes dentro dos limites de suas próprias mentes.

17 de junho - 10 de setembro de 2017

"Kehinde Wiley: Uma Nova República"

"Kehinde Wiley: Uma Nova República" apresenta uma visão geral da carreira do artista, incluindo cerca de 50 de suas pinturas a óleo, vitrais e escultura. A exposição destaca a gama de produção de Wiley, começando com exemplos de pinturas antigas executadas em torno do tempo de sua residência de 2001 no Studio Museum em Harlem. Essas telas figurativas de homens afro-americanos, inspiradas pela observação de Wiley da vida de rua em Harlem, marcam o início de sua exploração focalizada da figura masculina.

Em trabalhos posteriores, o artista levou a figuração um passo adiante para examinar a tradição européia do retrato. Wiley começou a praticar a substituição de temas históricos por jovens contemporâneos afro-americanos com roupas urbanas de moda: casacos, tênis, hoodies, blusas e Bonés de beisebol Juxtaposta com fundos decorativos ornamentados, a semelhança estilizada e motivos tornou-se parte do estilo de assinatura de Wiley.

Em um artigo de 2015, The New York Times chamou Wiley de "um dos mais célebres pintores de sua geração ... conhecido por retratos vibrantes, foto-baseados de jovens negros [que] olham para nós com frieza, suas imagens trituradas com Rococo estilo folhos e empoderamento poses eliminadas da história da arte. "

A exposição também incluirá uma seleção de seu projeto "World Stage", que ele iniciou em 2006 por meio do estabelecimento de um estúdio de satélite em Pequim. Além disso, a exposição incluirá bustos de retratos e "pinturas" de vitrais, assim como retratos femininos da recente série de Wiley "Uma economia de graça".

"Kehinde Wiley: A New Republic" é organizado pelo Brooklyn Museum. Oklahoma City será a parada final para "A New Republic".

Nenhum comentário:

Postar um comentário