Listen to the text.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

LEIRIA, PORTUGAL, ESPEROU 98 ANOS POR MUSEU QUE TESTEMUNHA MILHARES DE SÉCULOS DE HISTÓRIA

Abertura do espaço deu pontapé de saída para a candidatura de Leiria a capital europeia da cultura em 2027.

Museu foi inaugurado pela presidente da CCDRC


Após um investimento de 2,8 milhões de euros e de 98 anos de espera, a cidade de Leiria inaugurou neste domingo, 15 de Novembro, o seu museu. Um espaço que testemunha milhares de séculos da história do concelho. “É mais do que um museu e mais do que um espaço cultural”, afirmou o presidente da Câmara Municipal, Raul Castro, na cerimónia de inauguração. Uma sessão presidida pela presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, que considerou aquele equipamento como “um projecto do país”.

O Museu de Leiria foi criado em 1917, mas só agora, 98 anos depois, foi concretizado. Instalado no Convento de Santo Agostinho, monumento construído no século XVI e que foi alvo de obras de reabilitação, o espólio do espaço é constituído por várias reservas e colecções, alusivas à arqueologia, arte sacra, pintura contemporânea, e arte africana, entre outras. Elementos que, organizados cronologicamente, dão a conhecer a história daquela cidade da região Centro. O espaço está equipado, igualmente, com um laboratório para conservação e restauro, para além de um centro de documentação e um núcleo de investigação.

O Museu de Leiria testemunha, não só a vida da cidade a partir da construção do castelo, mas também a romana “Collipo”, com destaque ainda para o pinhal de Leiria e inúmeras relíquias arqueológicas, realçando os fósseis de mamíferos com 150 milhões encontrados na Guimarota, bem como o fóssil do Menino do Lapedo, que remonta ao Paleolítico Superior Inicial, um achado considerado importante para a compreensão da evolução da vida humana.

Para além de dispor de guiões em Braille, aquele espaço passou a ser o primeiro museu do país a colocar à disposição do público visitante um guião em sistema pictográfico, o que permitirá que o museu chegue a todos, “evitando a exclusão em áreas que vão desde a iliteracia até ao espectro do autismo”, afirmou o presidente da Câmara Municipal, Raul Castro.

A importância da abertura do Museu de Leiria foi enaltecida por Ana Abrunhosa. A presidente da CCDRC considera que se trata de um “espaço de vivência da cidade e da região”, ou seja, “um espaço de cultura”, sendo a cultura um dos aspectos que distingue o desenvolvimento dos povos.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

MUSEOS Y EXPOSICIONES: SU POTENCIAL DIDÁCTICO

Una exposición es la acción o efecto de presentar un contenido (objeto, artefacto, réplica, etcétera) públicamente, poniendo entonces este contenido de manifiesto ante una o más personas. Es indiscutible que las exposiciones se muestran como uno de los instrumentos imprescindibles sobre los que debe girar la estrategia del museo. Desde sus comienzos, los museos incorporan las exposiciones como columna vertebral para facilitar a sus visitantes el conocimiento de los fondos de sus colecciones.

FedEx

Las exposiciones en los museos han ido evolucionando a lo largo de la historia y su “puesta en escena” museográfica ha ido cambiando también progresivamente. Desde la simple disposición de los contenidos en vitrinas (objetos, artefactos, réplicas, reliquias, etcétera), hasta la configuración de un entorno repleto de estímulos para el aprendizaje (contextualización), la exposición es el centro de referencia en todos y cada uno de los museos. En la actualidad, muchos museos emplean enormes esfuerzos económicos y personales para la creación de nuevas exposiciones, entendiendo perfectamente que esas exposiciones son su contacto directo con el visitante. Los visitantes, por otro lado, entienden-entendemos que las exposiciones son la referencia fundamental para la valoración de los museos, si merece una visita nuestra, si no, y que bien ha estado o no la visita. La calidad de esas exposiciones son la base por la cual es visitante valora y genera su opinión sobre el museo.

My Rich Uncle

Las exposiciones, al día de hoy, deben alejarse de la idea de ser difícilmente asequibles para la comprensión del visitante, evitando ser espacios “templos sagrados” como lo son muchos. Es cierto que existe exposiciones que, al margen de emplear una ingente cantidad de recursos materiales para su construcción, se muestran muy complejas para la comprensión de la gran mayoría de los visitantes. Este es un error bastante común en determinados museos y que los profesionales debemos evitar trabajando para que esto no ocurra. Es demasiado frecuente, lamentablemente, que existan exposiciones que no tengan las herramientas necesarias para su acercamiento conceptual y de comprensión hacia aquel visitante que no es erudito en el tema expuesto ni pretende serlo, ese tipo de visitante que es el 95% de la población que visita museos. Al margen de la distribución de objetos en el espacio metidos en vitrinas, la exposición debe ofrecer un valor añadido recurriendo a desarrollos museográficos cuyo objetivo debe ser que el objeto (contenido) se vuelva comprensible para el visitante.







































Art Director’s Club New York

Actualmente, como decíamos, son muchas, muchísimas las exposiciones que carecen del valor de la comprensión para todos los públicos, lo que aleja a los museos que las exponen de la idea pública de ser un lugar de aprendizaje y disfrute. Esas exposiciones que no se proyectan pensando en el visitante, y no en el erudito, son una barrera para la comprensión. El público quiere saber más, busca conocer más, aprender y entender lo que percibe en el museo siendo esa la premisa fundamental del trabajo del especialista museólogo y museógrafo. Decir también que la distancia que existe entre el público y sus emociones con el museo es demasiado grande aun hoy, hay un gran desencuentro entre ambas partes y eso no es nada bueno.

Nackademin

Nosotros entendemos que el problema fundamental es que, desde los museos, las exposiciones no son entendidas como una herramienta didáctica sino como manifestaciones de saber y conocimiento solo alcanzable para privilegiados, proveniente de una estructura disciplinar que escapa a la comprensión de todos nosotros, personas normales. Es contradictorio que muchos museos persigan, como objetivo principal, que sus exposiciones sean propuestas educativas, pero lo hagan difundiendo conocimiento a partir de exposiciones que son auténticos ejercicios de erudición, puras enigmas para el gran público.


Por todo ello, consideramos necesario la concepción de la exposición como una acción didáctica que el museo pone al alcance del visitante no solo para consolidar las relaciones entre ambas partes, sino para facilitar los procesos de construcción del saber que deben proponer los contenidos de las exposiciones a quien quiera visitarlas. Desde la perspectiva de la museografía didáctica, las exposiciones deben considerarse como la acción didáctica por excelencia, ya que es la propuesta básica a partir de la cual el museo debe buscar la sorpresa del usuario captando su atención, ya sea desde el punto de vista del conocimiento o de lo emocional, o ambos. Entender la exposición del museo como una acción de primer orden nos permitirá realizar una aproximación distinta a la concepción tradicional que sobre el museo aun prevalece generalmente en nuestros días. Esta última consideración a conseguido que el museo sea visto como un almacén de objetos descontextualizados, carentes de significado para la comprensión del gran público que acaba por no visitarlos siendo eso un drama para la cultura en nuestra sociedad.


La estrategia del museo no debe ser restrictiva en ningún caso. Las estrategias que impiden visiones innovadores que son muy útiles en su aplicación y sus resultados de cara al público, son lo que realmente importa en el proyecto de la exposición. A pesar de que los profesionales de los museos hayamos introducido la didáctica en muchos de ellos desde finales del siglo XX, la gran mayoría de los museos hoy aun no entienden el valor que aporta esta disciplina, de modo que se mantienen organizados en torno a elementos que no aportan gran cosa al visitante, como son una carísima arquitectura espectacular y la parafernalia accesoria e inútil que no aporta nada al saber y al conocimiento de sus visitantes.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

Curadora de museu dos Estados Unidos realiza palestras em Salvador, Brasil

Paralela à exposição ‘Gullah, Bahia, África: Lorenzo Dow Turner conectando comunidades através da linguagem’ – em cartaz desta terça-feira (24) a 3 de janeiro de 2016, no Palacete das Artes, no bairro da Graça, em Salvador -, a curadora do museu Anacostia Community Museum da Smithsonian Institution, em Washington, DC, nos Estados Unidos, Alcione Meira Amos, participa de palestras e mesa redonda na capital. 

Alcione Amos – Curadora da Exposição de Lorenzo Turner
fala do acervo, projetos e relações com o Brasil


As atividades realizadas em parceria entre o Consulado Geral dos Estados Unidos da América, no Rio de Janeiro, e a Fundação Pedro Calmon, unidade da Secretaria de Cultura do Estado (FPC/Secult), são abertas ao público e não necessitam de inscrição. Na manhã desta segunda (23), antecipando a abertura da exposição que documenta a vida e parte da pesquisa desenvolvida por Lorenzo Down Turner, o primeiro linguista afro-americano, ela integra mesa redonda para debater temas ligados à curadoria. Será na Biblioteca Pública do Estado (Barris), com a participação de museólogos e bibliotecários baianos. 

“A mesa terá uma discussão informal do tipo de atividade que o museu realiza e nós queremos saber dos nossos colegas como eles trabalham aqui. Será uma troca de experiências”, enfatiza Amos. Os debates terão a participação ainda de Joshua Gorman, também do Anacostia, abordando a história do museu.

Às 17h, no mesmo local, a curadora realiza palestra no Curso Conversando com a Sua História, com o tema ‘Os que Voltaram: Afro-Brasileiros na África Ocidental no Século XIX’, onde aborda a história dos afro-brasileiros que voltaram para a África no século 19 e formaram comunidades na costa Ocidental, áreas hoje ocupadas pelo Benin, Gana, Nigéria e Togo.

“Acho que isso é um episódio muito interessante e importante, porque mostra como a sobrevivência da cultura africana na Bahia foi importante, já que muitos desses afro-brasileiros que conseguiram retornar eram originários da Bahia”, explica a curadora. Para ampliar o alcance do público à vida e obra de Lorenzo Turner, ele faz ainda uma palestra na quarta (25), às 17h, no Palacete das Artes, sobre ‘A Coleção Fotográfica de Lorenzo Dow Turner: Gullah, Bahia, África’. Com uma apresentação que pretende ir além da exposição, a palestra mostra outras fotografias feitas por Turner em sua passagem pelo Brasil e o seu acervo online no Anacostia, buscando incentivar o público na pesquisa sobre o linguista. 

Sistema 

As bibliotecas públicas integram o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas, administrado FPC/Secult). É composto por seis bibliotecas públicas estaduais localizadas em Salvador, sendo uma delas, a de Extensão, com duas bibliotecas móveis - a localizada no município de Itaparica e uma biblioteca virtual especializada na história da Bahia (Biblioteca Virtual Consuelo Pondé), além de uma Casa de Cultura, em Lençóis, na Chapada Diamantina. O Sistema também fornece consultoria técnica para mais de 400 bibliotecas públicas municipais, comunitárias e espaços de leitura e também cursos de capacitação para os funcionários destas unidades.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

Museo de Balancán Dr. José Gómez Panaco, Ubicación: En el Municipio de Balancán, Tabasco, en el centro de la ciudad

Objetivo: Conservar el patrimonio arqueológico de la cultura maya, así como promover y fomentar la difusión de las piezas para fortalecer la identidad cultural del municipio.


Antecedentes: La casa donde hoy se encuentra el Museo Dr. José Gómez Panaco, se deduce fue construida entre fines del siglo XIX; perteneció a la familia Ocampo y por ser ésta, la única casa de dos plantas en su época y por su antigüedad, el gobierno del estado en 1975 la rescata y adapta para instalar en ella un museo biblioteca, inaugurado el 17 de agosto de 1979 y que funcionó hasta 1985.

En este mismo año 1985, fue remozado por el Gobierno del Lic. Enrique González Pedrero para albergar el Museo Arqueológico que lleva el nombre del Dr. José Gómez Panaco (de nacionalidad cubana) como un reconocimiento a su labor y dedicación al rescate del patrimonio arqueológico de Tabasco.

Se exhiben piezas monumentales y pequeñas de la cultura maya, con un total de 1,112 objetos, que por su importancia le han dado dama internacional, debido a que algunas de sus piezas han formado parte de exposiciones montadas en países de Europa.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://iec.tabasco.gob.mx/content/museo-balancan

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



Gabrovo, Bulgarian,is a town with unique history. --- Gabrovo, Bulgária, é uma cidade com história única.

Internationally known as a centre of humour and satire, Gabrovo has two theatres, the Racho Stoyanov Drama Theatre and the puppet theatre, a House of Humour and Satire that serves as a cultural institute, a centre, museum and gallery to popularise comic art. 

There is also a cinema, Aleko Cinema, and a number of museums and menorial houses both in the town and around it, most notably the Etar Architectural-Ethnographic Complex and the National Museum of Education at the Aprilov National High School. A planetarium is also in operation. Gabrovo historian Dr. Petar Tsonchev estimated there were more than 150 types of traditional knives.




The beginning of this history is marked with the transformation of Turnovgrad into a capital of the Second Bulgarian Kingdom in 12th century as well as the subsequent significance of the road winding through the ‘Shipka” Pass. A settlement was created and inhabited by open-minded and skilful in warfare people who took the road protection. 

They had the privilege to pay fewer amounts of taxes, as well as to retain the ownership of their land and harvest. The local people established their lives as an integral part of the Bulgarian state. They erected a church, a monastery and related their existence to the conveyance of St. Petka’s relics. The cult of her is kept even nowadays. The Ottoman conquest of the state did not entirely change their means of living and it hardly affected their belonging to orthodoxy, manners and customs. They continued to guard the pass and for that reason they belonged to the detachments of the ‘dervetnzhii’, as the road guardians were called at that time. Their task was to guard the passing caravans and civil servants for which they bore a joint responsibility. 



For a short time they belonged to lands of an army leader but later became part of the grand vizier’s people. A representative of the ‘king’s’ power was the Aga of the “has” (land), the leader of the military band was a Bulgarian and the local priest was a leader of the citizens. For privileges such as carrying guns, not providing food for major military units and half-payment of taxes they were given a sultan’s resolution, confirmed by each new sultan. Their number increased as the years were passing - from 96 families in 1478 to 500 families in 1545, the population reached about 3000 inhabitants at the end of 17th century. 

The historical sources describe them as quite different physically, but predominantly they were young, of average height, with brown hair, beards, moustaches and shaved heads. They prided themselves on being independent people as described by Evliya Chelebi, one of the most famous Turkish travelers, in 1662, when he had to defend himself against a military squad armed with rifles and axes and carrying a drum, as well as a flag with the Christian cross on it. Gabrovo people raised the four basic pillars of the Bulgarian nation - the Bulgarian community, the movement for independent church, the new Bulgarian School and the movement for recognition of the Bulgarians as a separate nation within the territory of the Ottoman Empire. 



The word of the mayors of Gabrovo, called “chorbadzhii” (rich men), carried weight before the voivode (chieftain) of Turnovo and even in Tsarigrad (Istanbul) before The Great Gate. It was a Gabrovo citizen who arranged the construction of the first Bulgarian orthodox church in Tsarigrad, as well as the issue of a sultan’s decree for the separation of the Bulgarian nation from the community called ‘rumeli milet’ (Byzantine people), represented by the Greek Ecumenical Patriarchate. With the funds raised by the people of Gabrovo and after Vasil Aprilov’s initiative, the first secular school of new Bulgaria was opened. The school was followed as a model of education throughout Bulgaria.



During the years of the Russian-Turkish war of liberation, Gabrovo was one of the ten Bulgarian towns with greatest contribution to the victorious end. Locals reinforced the volunteer’s bands, provided protective bands and workers for the road construction, as well as for the building of defense and military equipment, they spied out the ground and led the military columns to the way of the Russian forces, to the south of the Balkan Mountain Range, gave shelter to thousands of refugees, established hospitals, orphanages and homes for the elderly, and at the end of the battles also a camp for the captured Turkish soldiers.

In the newly created state the intellectuals from Gabrovo became the basis of the state government for which they contributed with deputies such as the first prime minister, a Minister of Education and a Minister of War. Their power was concentrated in the foundation of the Bulgarian industry with Ivan Kalpazanov’s factories and his successors. Ivan H. Berov brought in the electricity in his production process in addition to many other innovations. 

On account of that he was called ‘the Japanese in the Balkans’. Here in Gabrovo, Pencho Semov developed and enriched his entrepreneurship skills and was considered ‘the Bulgarian Rockefeller’ by his contemporaries. Because of its huge industrial power the English called the town ‘the Bulgarian Manchester’. Тhe participants in the unification of the Principality of Bulgaria with Eastern Roumelia, the declaration of the Bulgarian Independence and the wars of liberation of Bulgarian lands in Edirne region in Thrace and Macedonia represent the national pride of Gabrovo people. 10 ministers, 11 generals and 25 big industrialists, writers, poets and scientists came from Gabrovo. 

The achievements of the years before 1944 provided a basis for an industrial town famous for its weaving, knitwear, leather and telpher industries, as well as for its institutes of technological development. The changes in 1989 resulted in transformation of the industrial ‘giants’ into small and medium robotized companies exporting production all over the world.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


colaboração: Dilyana Vasileva

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.




--br via tradutor do google
Gabrovo, Bulgária, é uma cidade com história única.

Internacionalmente conhecida como um centro de humor e sátira, Gabrovo tem dois teatros, o Racho Stoyanov Drama Theatre e do teatro de fantoches, uma Casa de Humor e Sátira, que serve como um instituto cultural, um centro, um museu e galeria de popularizar a arte cómica.

Há também um cinema, Aleko Cinema, e uma série de museus e casas menorial tanto na cidade e em torno dele, mais notavelmente o Complexo Arquitetônico-Etar Etnográfico eo Museu Nacional de Educação da Aprilov National High School. Um planetário também está em operação. Gabrovo historiador Dr. Petar Tsonchev estimou que havia mais de 150 tipos de facas tradicionais.

-
O início desta história é marcada com a transformação da Turnovgrad em uma capital do Second búlgaro Unido no século 12, bem como o significado posterior do enrolamento através do "Shipka" Passe estrada. A solução foi criada e habitada por uma pessoa aberta e destros na guerra de pessoas que tomaram a proteção de estrada.

Eles tiveram o privilégio de pagar menos quantias de impostos, bem como para reter a posse de suas terras e colheita. As pessoas locais estabeleceram suas vidas como parte integrante do estado búlgaro. Eles ergueram uma igreja, um convento e relacionada a sua existência para o transporte das relíquias de St. Petka. O culto de sua é mantida até hoje em dia. A conquista otomana do Estado não mudar totalmente seus meios de vida e quase não afetou sua pertença a ortodoxia, hábitos e costumes. Eles continuaram a guardar o passe e por essa razão eles pertenciam aos destacamentos da 'dervetnzhii ", como os guardiões da estrada eram chamados na época. A tarefa deles era proteger as caravanas que passavam e funcionários públicos para que eles levavam uma responsabilidade conjunta.

Por um curto período de tempo a que pertenciam as terras de um líder do exército, mas depois tornou-se parte do povo o grande vizir. Um representante do poder do 'rei' foi o Aga do "tem" (terra), o líder da banda militar foi um búlgaro eo padre local era um líder dos cidadãos. Para privilégios, como portar armas, não fornecendo alimentos para as principais unidades militares e metade pagamento de impostos que lhes foram dadas resolução de um sultão, confirmado por cada novo sultão. O seu número aumentou à medida que os anos foram passando - a partir de 96 famílias em 1478 para 500 famílias em 1545, a população atingiu cerca de 3000 habitantes no final do século 17.

As fontes históricas descrevê-los como bem diferente fisicamente, mas predominantemente eram jovens, de estatura média, cabelos castanhos, barbas, bigodes e cabeças raspadas. Eles se orgulhavam de ser pessoas independentes, como descrito por Evliya Chelebi, um dos mais famosos viajantes turcos, em 1662, quando ele teve de se defender contra um esquadrão militar armados com rifles e machados e carregando um tambor, bem como uma bandeira com o cristão cruz nela. Pessoas Gabrovo levantou os quatro pilares básicos da nação búlgara - a comunidade búlgara, o movimento pela igreja independente, a nova Escola búlgara eo movimento para o reconhecimento dos búlgaros como uma nação separada dentro do território do Império Otomano.

A palavra dos prefeitos de Gabrovo, chamados de "chorbadzhii" (homens ricos), realizada peso antes do voivode (cacique) de Turnovo e até mesmo em Tsarigrad (Istambul) antes do Grande Portão. Era um cidadão Gabrovo que organizou a construção da primeira Igreja Ortodoxa da Bulgária em Tsarigrad, bem como a questão do decreto de um sultão para a separação da nação búlgara da comunidade chamada "milet rumeli '(pessoas bizantinos), representada pela Patriarcado Ecumênico de Constantinopla grego. Com os recursos arrecadados pelo povo de Gabrovo e após a iniciativa do Vasil Aprilov, a primeira escola secular da nova Bulgária foi inaugurado. A escola foi seguido como modelo de educação em toda a Bulgária.

Durante os anos da guerra russo-turca de libertação, Gabrovo era uma das dez cidades búlgaras com maior contribuição para o final vitorioso. Locals reforçado bandas do voluntário, desde bandas de protecção e dos trabalhadores para a construção de estradas, bem como para a construção de defesa e equipamentos militares, eles espiaram a terra e levou as colunas militares para o caminho das forças russas, ao sul do a Cordilheira dos Balcãs, deu abrigo a milhares de refugiados, hospitais estabelecidos, orfanatos e lares para os idosos, e no final das batalhas também um acampamento para os soldados turcos capturados.

No estado recém-criado os intelectuais de Gabrovo se tornou a base do governo do estado para o qual contribuiu com deputados, como o primeiro-ministro, um ministro da Educação e ministro da Guerra. Seu poder foi concentrado na fundação da indústria búlgara com as fábricas de Ivan Kalpazanov e seus sucessores. Ivan H. Berov trouxe a eletricidade em seu processo de produção, além de muitas outras inovações.

Por conta de que ele foi chamado de 'os japoneses nos Balcãs ". Aqui em Gabrovo, Pencho Semov desenvolveu e enriqueceu suas habilidades de empreendedorismo e foi considerado "o Rockefeller búlgaro" por seus contemporâneos. Devido à sua enorme potência industrial do Inglês chamado a cidade 'o Manchester búlgara ". Participantes? He na unificação do Principado da Bulgária com Rumélia Oriental, a declaração da Independência búlgaro e as guerras de libertação de terras búlgaras na região Edirne na Trácia e Macedónia representa o orgulho nacional do povo Gabrovo. 10 ministros, 11 generais e 25 grandes industriais, escritores, poetas e cientistas vieram de Gabrovo.

As realizações dos anos antes de 1944 forneceu uma base para uma cidade industrial famosa por suas indústrias de tecelagem, malhas, couro e telpher, bem como para os seus institutos de desenvolvimento tecnológico. As mudanças, em 1989, resultou na transformação dos "gigantes" industriais nas pequenas e médias empresas exportadoras robotizadas de produção em todo o mundo.
-