Listen to the text.

sábado, 9 de janeiro de 2016

Museo de Sitio de Palenque Alberto Ruz Lhuillier - CNCA/INAH - Palenque-Zona Arqueológica , Palenque, Chiapas. --- Museu Palenque Sítio Alberto Ruz Lhuillier - CNCA / INAH --Palenque Sítio Arqueológico, Palenque, Chiapas

El Museo de Sitio de Palenque Alberto Ruz Lhuillier tuvo como precedente el inaugurado en 1957. El actual se encuentra en un inmueble construido ex profeso, abierto al público en diciembre de 1994.



Considerado como uno de los museos arqueológicos más notables del área maya, reúne alrededor de 234 objetos procedentes de distintas áreas de Palenque, que atestiguan las expresiones estéticas generadas por el poder dinástico de la antigua urbe, además de que constituyen fuentes de información sobre las creencias religiosas, prácticas rituales y formas de organización política de la sociedad palencana.

Salas exhibición
Recorrido
Desde las delicadas figurillas de barro hasta las grandes esculturas de piedra caliza, los objetos exhibidos reflejan la tradición artística de Palenque, que irradió su influencia a otras ciudades mayas, como las de la región del Usumacinta.

Destacan los tableros esculpidos, cuyas representaciones de gobernantes y textos glíficos dan fe de la preeminencia que alcanzó la ciudad durante el periodo Clásico. Los tableros del Palacio, el grupo de las Cruces y la Acrópolis Sur son extraordinarios ejemplos de esta clase de monumentos.

La colección de portaincensarios, decorados con imágenes de dioses y antepasados, posee una depurada técnica cerámica y una compleja variedad iconográfica. Los ornamentos de jadeíta, malaquita, concha, coral y otros materiales, procedentes de las tumbas de los miembros más encumbrados del linaje gobernante, permiten al visitante apreciar el poder y la riqueza de la dinastía local. El recorrido incluye las siguientes salas:

Introducción
Proporciona información esencial sobre la relevancia histórica y cultural de Palenque, así como una visión amplia de las características urbanas y los principales periodos de desarrollo del sitio.

La Acrópolis Sur
Integrada por magníficas esculturas de los templos XVIII y XIX, da la pauta para que el público se familiarice con la narrativa y las representaciones glíficas realizadas durante el reinado de K’inich Ahkal Mo’ Nahb’ (721-ca. 736 d.C.).

El grupo de las Cruces
Ilustra las creencias y costumbres religiosas de Palenque, con tableros glíficos, ofrendas y portaincesarios del grupo de las Cruces, corazón ceremonial de Palenque.

La morada de los muertos/El juego por la regeneración
Está integrada por cerámica y ornamentos de recintos mortuorios que permiten un acercamiento a las prácticas y concepciones funerarias de los palencanos. Destaca la colección de máscaras, collares y pectorales de las tumbas de los templos de La Calavera y de la Reina Roja.

El Palacio/La corte real
Incluye monumentos labrados con escenas palaciegas e inscripciones glíficas que refieren el nacimiento, entronización y rituales de varios gobernantes, así como esculturas de estuco y vasijas de la élite local.

Las unidades habitacionales
Contiene figurillas, portaincensarios, esculturas, enseres domésticos y otros objetos procedentes de los espacios residenciales que rodean el núcleo arquitectónico de Palenque, que ofrecen una visión de la vida cotidiana en la ciudad.

Tumba de Pakal
Inaugurado en 2007, en este espacio se ofrece una réplica de la cámara funeraria del gobernante K’inich Janahb’ Pakal (siglo VII d.C.), localizada en el Templo de las Inscripciones, para satisfacer el interés de los visitantes por conocer el monumento original, actualmente cerrado al público.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google

Museu Palenque Sítio Alberto Ruz Lhuillier - CNCA / INAH --Palenque Sítio Arqueológico, Palenque, Chiapas

-
O site Palenque Museu Alberto Ruz Lhuillier foi precedida pela corrente aberta em 1957. A propriedade está em um propósito construído, inaugurado em Dezembro de 1994.


Considerado um dos mais notáveis ​​museus arqueológicos na área de Maya, reúne cerca de 234 objetos de diferentes áreas de Palenque, atestando as expressões estéticas geradas pelo poder dinástico da cidade velha, mais eles são fontes de informação sobre as crenças rituais religiosos e formas de organização política da sociedade práticas Palenque.

Salas de exposições
Viagem

A partir das figuras de barro delicados para grandes esculturas de pedra calcária, as exposições refletem a tradição artística de Palenque, que se espalhou a sua influência para outras cidades maias, como a região do Usumacinta.

Destaca os painéis esculpidos, cujas representações de governantes e textos hieróglifos atestar a preeminência que atingiu a cidade durante o período clássico. Placas Palace, o grupo de cruzes e Acropolis do Sul são exemplos extraordinários deste tipo de monumentos.

Coleção Portaincensarios, decorados com imagens de deuses e ancestrais, cerâmico tem uma técnica apurada e uma variedade iconográfica complexo. Os ornamentos de jade, malaquita, concha, corais e outros materiais, desde os túmulos dos membros mais exaltados da linhagem decisão, permitir que os visitantes para apreciar o poder ea riqueza da dinastia local. O passeio inclui as seguintes salas:

1. introdução

Ele fornece informações essenciais sobre o significado histórico e cultural de Palenque, bem como uma visão ampla de características urbanas e grandes períodos de desenvolvimento do site.

2. A Acrópole Sul

Composto por magníficas esculturas dos templos XVIII e XIX, ele define o tom para o público a familiarizar-se com a narrativa e as representações glíficos feitas durante o reinado de K'inich Ahkal Mo 'NAHB "(721-ca. 736 dC).

3. O grupo das Cruzes
Ele ilustra as crenças religiosas e costumes de Palenque, com placas hieroglíficas, presentes e grupo portaincesarios Cruzes coração cerimonial de Palenque.

4. A morada do / O jogo regeneração mortos
É composto de cerâmica e ornamentos mortuário recintos que permitem uma aproximação às práticas funerárias e concepções de Palenque. Ele salienta a coleção de máscaras, colares e couraças de as tumbas dos templos do crânio e da Rainha Vermelha.

5. Palace / A Corte Real
Inclui esculpidas com cenas do palácio e inscrições glíficos referentes nascimento e rituais de entronização de vários governantes e esculturas de estuque e vasos dos monumentos de elite locais.

6. As unidades habitacionais
Contém estatuetas, portaincensarios, esculturas, utensílios domésticos e outros objetos a partir de premissas que cercam o centro arquitetônico de Palenque, oferecendo um vislumbre da vida cotidiana na cidade.

Túmulo de Pakal
Foi inaugurado em 2007, oferece uma réplica da câmara funerária Janahb governante K'inich 'Pakal (século VII dC), localizado no Templo das Inscrições, para satisfazer o interesse dos visitantes para conhecer o monumento original neste espaço, atualmente fechado ao público.

Paula Silva é nova diretora geral do Património Cultural Português. --- Paula Silva's new general director of the Portuguese Cultural Heritage.

A arquiteta Paula Silva foi nomeada para o cargo de diretora-geral do Património Cultural, em regime de substituição, por despacho do ministro da Cultura, e inicia funções na próxima segunda-feira, anunciou hoje o Ministério da Cultura.


A arquiteta Paula Silva fotografada em 2011, quando era
Direcção Regional do Porto do Instituto Português do Património Arquitectónico
| ARQUIVO DN

Paula Silva foi nomeada para o cargo de diretora-geral do Património Cultural, em regime de substituição, por despacho do ministro da Cultura, João Soares, e inicia funções na segunda-feira, anunciou ontem o Ministério da Cultura (MC).

Paula Araújo Pereira Silva, licenciada em Arquitetura pela Escola Superior de Belas Artes do Porto e mestre em Arqueologia pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, sucede a Nuno Vassalo e Silva, que assumiu este cargo em fevereiro de 2014, e em outubro último o deixou, quando tomou posse como secretário de Estado da Cultura, funções que desempenhou até 25 de novembro.

Foi diretora regional do Porto do ex-Instituto Português do Património Arquitetónico (IPPAR), de 2006 a 2007, e diretora de Bens Culturais da Direção Regional de Cultura do Norte, de 2008 a 2009, e, posteriormente, diretora Regional da Cultura do Norte, de 2009 a 2013, quando o diretor geral do Património era Elísio Summavielle. Desde 2014, chefiava a Divisão Municipal de Museus e Património Cultural da Câmara Municipal do Porto.

Ao contrário dos antecessores, Isabel Cordeiro e Vassalo e Silva, mais ligados aos museus, Paula Silva, 59 anos, tem um percurso ligado à recuperação de património, missão do cargo que agora vai ocupar. As atribuições da Direção Geral do Património Cultural (DGPC) "passam, entre muitos outros campos de atividade, pelo estudo, investigação, proteção legal e divulgação do património cultural imóvel, móvel e imaterial, pela gestão do património classificado arquitetónico e arqueológico, pela realização de obras de conservação nos monumentos classificados que lhe estão afetos, pela gestão dos Museus Nacionais e dos Monumentos Nacionais inscritos na lista do Património Mundial (UNESCO)", de acordo com o comunicado do MC.

Do currículo de Paula Silva, facultado à Lusa, consta a conservação e qualificação da Igreja e Mosteiro da Serra do Pilar, em Vila Nova Gaia, e a conservação e consolidação estrutural das muralhas de Valença do Minho, assim como a habitação paroquial de S. João Novo, no Porto, as obras de conservação e restauro da Igreja da Misericórdia, em Braga, e a conservação e valorização do Castelo do Sabugal, na Beira Alta.

No âmbito da Comissariado para a Renovação Urbana da Área de Ribeira/Barredo, no Porto, foi responsável pela requalificação de habitações, estabelecimentos comerciais e arranjos envolventes, assim como o arranjo urbanístico do largo Ator Dias, do Passeio das Virtudes e do largo da Alfândega, também no Porto. É da sua passagem pela Direção Regional de Cultura a ordem de demolição de esplanadas no Largo Parada Leitão, no Porto, contestada pelos comerciantes.

Como diretora geral do Património Cultural, Paula Silva terá nas suas mãos dossiers como a recuperação do Palácio Nacional da Ajuda e a sua conclusão, o futuro do Museu Nacional de Etnologia (a que pertence hoje o Museu de Arte Popular), a abertura do Museu da Música, entregue a Mafra pelo executivo de Passos Coelho mas defendida para Évora por Elísio Summavielle, ou a concretização do eixo Belém-Ajuda.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--in via tradutor do google
Paula Silva's new general director of the Portuguese Cultural Heritage.

The architect Paula Silva was appointed to the post of director general of Cultural Heritage, replacing regime by order of the Minister of Culture, and takes office on Monday, announced the Ministry of Culture.



Paula Silva architect photographed in 2011, when it was
Regional Directorate of the Port of Portuguese Institute of Architectural Heritage
| FILE DN

Paula Silva was appointed to the post of director general of Cultural Heritage, replacing regime by order of the Minister of Culture, João Soares, and takes office on Monday, announced yesterday the Ministry of Culture (MC).

Paula Araújo Pereira Silva, graduated in Architecture from the Fine Superior Arts School of Porto and MA in Archaeology from the Institute of Social Sciences, University of Minho, succeeds Nuno Vassallo e Silva, who took up the post in February 2014 and last October He left, when he took over as Secretary of State for Culture, roles he held until November 25th.

It was regional director of the Port of Portuguese former Heritage Institute Architectural (IPPAR), 2006-2007, and Director of Cultural Heritage of the Regional Northern Culture Department, 2008 to 2009, and later Northern Culture Regional Director , from 2009 to 2013, when the general director of Heritage was Elísio Summavielle. Since 2014 he headed the Municipal Division of Museums and Cultural Heritage of the Municipality of Porto.

Unlike predecessors, Isabel Cordeiro and Vassallo e Silva, more connected to museums, Paula Silva, 59, has a route connected to heritage recovery, job mission that will now occupy. The powers of the General Directorate of Cultural Heritage (DGPC) "are, among many other fields of activity, the study, research, legal protection and promotion of the immovable cultural values, mobile and immaterial for the asset management classified architectural and archaeological, for conducting Conservation works on the monuments that are classified her affections, the management of the National Museums and the National Monuments inscribed on the World Heritage List (UNESCO), "according to the statement of MC.

The curriculum Paula Silva, provided Lusa, consists conservation and qualification of the Church and Monastery of Serra do Pilar, in Vila Nova Gaia, and the conservation and structural consolidation of Valencia walls of Minho, as well as the parish house of St. João Novo in Porto, the works of conservation and restoration of the Church of Mercy in Braga, and the conservation and enhancement of the Castle of Sabugal, Beira Alta.

As part of the Commissioner for Urban Regeneration of Ribeira Area / Barredo in Oporto, was responsible for the rehabilitation of housing, shopping and engaging arrangements as well as the urban arrangement of wide Actor Days, ride Virtue and broad Customs also in Porto. It is your passage through the Regional Directorate of Culture of the terraces demolition order in Largo Parada Leitão, in Porto, challenged by traders.

As general director of Cultural Heritage, Paula Silva will have in your hands dossiers as the recovery of the National Palace of aid and its completion, the future of the National Museum of Ethnology (which today owns the Popular Art Museum), the opening of the Museum Music, delivered by Mafra but executive Passos Coelho defended to Évora by Elysium Summavielle, or the implementation of the Belém-Help axis.

Favela de Dharavi, Bombaim, Índia, vai abrir um museu. --- Slum of Dharavi, Mumbai, India, will open a museum.

Em 2008, a favela de Dharavi, na Índia, ficou conhecida por causa do filme “Quem quer ser Bilionário?”. Mas agora há mais razões para atrair os turistas.

Favela de Dharavi, localizada na cidade de Bombaim, na Índia
© DANISH SIDDIQUI / REUTERS


Lembra-se do rapaz que vivia numa favela algures na Índia e que ficou conhecido por ganhar o concurso de respostas que oferecia muitos milhões? O filme “Quem quer ser Bilionário”, que estreou em 2009, foi um grande sucesso de Hollywood e tornou a favela de Dharavi uma atração turística da cidade indiana de Bombaim. Mas agora... Dharavi atrai por outras razões.

Dharavi, uma das grandes favelas da Ásia, abrirá ao público, em fevereiro, o seu primeiro museu. Será a primeira favela em todo o mundo a ter um edifício desta natureza. O objetivo é demonstrar os talentos escondidos e criativos dos residentes da favela.

Segundo o diário britânico “The Guardian”, os organizadores do Museu de Design de Dharavi referiram que a sua criação visa desafiar as perceções que as pessoas têm sobre as favelas. Para isso, e durante dois meses, o museu irá exibir diferentes objetos que existem na favela, como cerâmicas, têxteis e artigos reciclados.

Em 2010, o príncipe Charlos de Inglaterra afirmou que Dharavi era um exemplo notável de como viver de forma sustentável, elogiando o hábito de reciclagem dos moradores.

No total, Bombaim tem 20 milhões de habitantes, metade dos quais vive em favelas.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.





--in via tradutor do google

Slum of Dharavi, Mumbai, India, will open a museum.

In 2008, the slum of Dharavi, India, became known because of the movie "Slumdog Millionaire." But now there are more reasons to attract tourists.


Dharavi slum, located in Mumbai, India
© DANISH SIDDIQUI / REUTERS


Remember the boy who lived in a slum somewhere in India and was known for winning the contest of responses offered many millions? The film "Slumdog Millionaire," which debuted in 2009, was a blockbuster Hollywood and became the slum of Dharavi a tourist attraction in the Indian city of Mumbai. But now ... Dharavi attracts for other reasons.

Dharavi, one of the biggest slums in Asia, will open to the public in February, its first museum. It will be the first favela in the world to have a building of this nature. The goal is to show the hidden and creative talents of the favela residents.

According to the British daily "The Guardian", the organizers of Dharavi Design Museum said that its creation aims to challenge perceptions that people have about the slums. For this, and for two months, the museum will display different objects that exist in the slum, such as ceramics, textiles and recycled items.

In 2010, Prince Charlos of England said Dharavi was an outstanding example of how to live sustainably, praising the habit of recycling of residents.

In total, Mumbai has 20 million inhabitants, half of whom live in slums.

Aplicativo Microsoft Museum aparece na Windows Store.

Um novo aplicativo desenvolvido pela Microsoft foi visto na Windows Store, desenvolvido para os curiosos e fãs que gostam de conhecer um pouco sobre a história e curiosidades da empresa. O Microsoft Museum tem o objetivo de cumprir aquilo que o nome promete - permitir aos usuários explorarem momentos históricos e marcantes, conhecerem artefatos e percorrerem todo o caminho da jornada da empresa, desde 1975. Tudo com curadoria da Microsoft Archives.


O conteúdo do app será atualizado continuamente ao longo do ano, uma vez que a equipe do Archives adiciona novas exposições, histórias e artefatos nunca antes vistos. As exposições incluem o marco do lançamento do Windows 95 e detalhes sobre o Campus da Microsoft em Redmond.



A Microsoft possui um museu físico, no Visitor Center que fica localizado em Redmond, e é um passeio indispensável para os fãs de tecnologia, independente de gostar ou não dos softwares da empresa, pois há registros de produtos históricos no mínimo curiosos. Porém, é algo que só pode ser conferido pessoalmente, em Seattle. Com o aplicativo, porém, os interessados podem ter o acesso ao material em casa.

O app ainda está indisponível, e não foi comunicado oficialmente, e foi flagrado primeiro por um usuário, leitor do site WMPowerUser. Na loja, há apenas a indicação de que ele será liberado apenas para PC, ao menos por enquanto, e de acordo com o WMPU deverá ser lançado em breve.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.