segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Le dessin magnifié au musée d'Angers. --- O desenho engrandecido no museu Angers

En puisant dans les réserves de son cabinet d'arts graphiques, le musée des Beaux-Arts d'Angers a bâti une exposition où chaque dessin est mis en perspective. Passionnant.

¬ Paul et Virginie (?). Jeune homme tenant une femme qu'il vient de retirer des flots. OEuvre marquante de Théodore Géricault. Ariane James-Sarazin y voit « l'obsession du naufrage des corps, malades, suppliciés ou vieillissant ». | Musées d'Angers, F. Baglin


C'est un trésor : le cabinet d'arts graphiques du musée des Beaux-Arts d'Angers compte 13 500 dessins. Ariane James-Sarazin, directrice des musées d'Angers, et Dominique Brême, les deux commissaires d'exposition, en ont extrait la substantifique moelle pour exposer La fabrique de l'œuvre. Ses quatre parties - exercices, genèses, fortunes et obsessions - dissèquent le dessin. Des dizaines d'alcôves mettent en perspective une création originale avec des reproductions proches dans le style ou le sujet.

Dans cette exposition atypique, se côtoient des œuvres de Caspard-David Friedrich, Fragonard, Rembrandt, Géricault ou Rubens. Un espace est dédié à Pierre Narcisse Guérin, pour lequel l'œuvre finale n'était qu'un prétexte à la recherche compulsive d'études par le dessin. En écho à cette Fabrique de l'œuvre, l'Artothèque d'Angers propose deux expositions - Intentions graphiques aux formes très innovantes, et Blacklight Selva, fresque à la peinture fluorescente d'Éric Winarto, longue de 15 mètres et quasi-hypnotique. Notre coup de cœur.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.





--br via tradutor do google
O desenho engrandecido no museu Angers

Ao tocar as reservas de seu estudo das artes gráficas, o Museu de Belas Artes de Angers construiu uma exposição em que cada projeto é colocado em perspectiva. Emocionante.

É um tesouro: a arte gráfica gabinete do Museu de Belas Artes de Angers tem 13 500 desenhos. Ariane James-Sarazin, diretor dos museus de Angers, e Dominique Bremen, os dois curadores da própria substância extraída para expor o trabalho da fábrica. Seus quatro partes - exercícios, génese, fortunas e obsessões - dissecar o desenho. Dezenas de alcovas colocar em perspectiva uma criação original com reproduções próximos no estilo ou tema.

Nesta exposição única, obras de coexistir Caspard-David Friedrich, Fragonard, Rembrandt, Rubens e Géricault. Um espaço é dedicado a Pierre Narcisse Guérin, para que o trabalho final foi apenas um pretexto para a busca compulsiva de estudos através do desenho. Ecoando esse trabalho fábrica, Angers oferece duas exposições Artothèque - Intentions gráficos para formas muito inovadoras e Blacklight Selva, pintura fresco fluorescente Winarto Eric, 15 metros de comprimento e quase hipnótico. Nosso coração favorito.


BANNU MUSEUM, Pakistan. --- MUSEU Bannu, Paquistão

Bannu basin is connected to the Gomal Valley and is surrounded by hills and mountains. It is very strategically located between the Balochistan plateau, Central Asia, and the plains of the greater Indus Valley. 




The area was inhabited in prehistoric times and it is no wonder that a few Neolithic settlements and prehistoric sites were recorded here. 

The sites of Sheri Khan Tarakai (Khan et al. 1986), Lewan, and Akra were excavated jointly by the University of Peshawar and the Bannu Archaeological Mission including the British Museum, the University of Cambridge, the University College London, and Bryn Mawr College from 1984 to 2001. Bannu, having rich cultural history in the form of material evidence, the Directorate of Archaeology and Museums has established a Museum of Archaeology and Ethnology near Allah Chowk, next to the Agriculture Office at Bannu, inaugurated by Mr. Sayed Aqil Shah, Minister for Sports, Tourism, Archaeology, and Youth Affairs, in 2011.

-

Although the area is economically underdeveloped, this archaeological site was first identified by the British. They found the site rich with socio-cultural heritage, archaeological antiques and remnants of a glorious past. However, there has been no excavation done in the past to prepare a culture and heritage profile of the area. This is the first excavation project to be undertaken in the area.

Dr Samad added the history for the region could be traced back to 5,000 – 2,600 BCE. Last year, excavations at Rahman Dheri, 14 kilometres north of DI Khan, revealed objects dating back to 3,500 BCE. K-P is mainly known for the Gandhara civilisation in Charsadda.

“A majority of people know about Gomal Valley and its significance in the Indus Civilisation. It is the birthplace of the ancient civilisation,” Dr Samad said. Complete excavation of the valley will provide very detailed information about the expansion of Indus Civilisation from Sindh and other areas to this part of K-P. “There are some 100 sites in Gomal Valley that can shed light on the emergence of the Indus Civilisation,” Dr Samad said.

The Indus Valley Civilisations at Mohenjodaro and Harappa were discovered in 1920-21 and often denoted by their respective locations. According to archaeologists, the civilisation spanned a period of two millennia, from 3,200 to 1,300 BCE. Late Professor Ahmad Hasan Dani, famous Pakistani archaeologist and Sanskritologist, discovered remains of the civilisation at Gumla, few miles from DI Khan. Professor Farzand Ali Durrani, who excavated Rahman Dheri, provided details on the extension of this civilisation in the South of K-P.

Dr Zakirullah from the archaeology department said Sikandar South is unique and eminent. He said these efforts will help promote the nation’s rich traditions, culture and old heritage.

http://tribune.com.pk/…/indus-valley-civilisation-extendin…/
By Hidayat Khan Published: November 19, 2015






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.kparchaeology.com/front_cms/museum/museum_info/31

http://tribune.com.pk/…/indus-valley-civilisation-extendin…/
By Hidayat Khan Published: November 19, 2015

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar. 


--br via tradutor do google
Bacia Bannu está ligado ao Vale do Gomal e é cercada por colinas e montanhas. É muito estrategicamente localizado entre o planalto Balochistan, Ásia Central, e as planícies do maior vale do Indo.

A área foi habitada em tempos pré-históricos e não é de admirar que algumas povoações neolíticas e sítios pré-históricos foram registrados aqui.

Os locais de Sheri Khan Tarakai (Khan et al., 1986), Lewan, e Akra foram escavados em conjunto pela Universidade de Peshawar ea Missão Arqueológica Bannu incluindo o Museu Britânico, da Universidade de Cambridge, da University College London, e Bryn Mawr College de 1984 a 2001. Bannu, tendo rica história cultural na forma de provas materiais, a Direcção de Arqueologia e Museus estabeleceu um Museu de Arqueologia e Etnologia perto de Allah Chowk, junto ao Posto de Agricultura em Bannu, inaugurada pelo Sr. Sayed Aqil Shah, Ministro dos Esportes, Turismo, Arqueologia, e Juventude, em 2011.


Embora a área é economicamente subdesenvolvida, este sítio arqueológico foi identificado pela primeira vez pelos britânicos. Eles descobriram o local rica com a herança sócio-cultural, antiguidades arqueológicos e resquícios de um passado glorioso. No entanto, não houve nenhuma escavação feito no passado para preparar um perfil de cultura e património da região. Este é o primeiro projeto de escavação a ser realizado na área.
Dr Samad acrescentou a história da região poderia ser rastreada até 5000 - 2600 aC. No ano passado, as escavações em Dheri Rahman, 14 quilômetros ao norte de DI Khan, revelou objetos que datam de 3500 aC. KP é conhecido principalmente para a civilização de Gandhara em Charsadda.
"A maioria das pessoas sabe sobre Gomal Valley e sua importância na Indus Civilização. É o berço da antiga civilização ", disse o Dr. Samad. Escavação completa do vale irá fornecer informações muito detalhadas sobre a expansão do Indus Civilização do Sindh e outras áreas para esta parte do KP. "Há cerca de 100 sites em Gomal Vale que podem lançar luz sobre o surgimento do Indus Civilização", disse Samad.
As civilizações do Vale do Indo na Mohenjodaro e Harappa foram descobertos em 1920-1921 e, muitas vezes denotado por seus respectivos locais. Segundo os arqueólogos, a civilização durou um período de dois milênios, a partir de 3200 a 1300 aC. Falecido professor Ahmad Hasan Dani, famoso arqueólogo paquistanês e Sanskritologist, descobriu os restos da civilização em Gumla, algumas milhas de DI Khan. Professor Ali Durrani Farzand, que escavou Rahman Dheri, forneceu detalhes sobre a extensão desta civilização no sul da KP.
Dr Zakirullah do departamento de arqueologia disse Sikandar Sul é único e eminente. Ele disse que esses esforços vão ajudar a promover a nação de ricas tradições, cultura e património de idade.


Direcção-Geral do Património Cultural divulgou plano estratégico para os próximos quatro anos. Portugal.

Dois dias depois de o Tribunal de Contas (TdC) ter divulgado o relatório da auditoria à Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), a instituição dá a conhecer o seu plano estratégico para os próximos quatro anos. As conclusões do grupo de trabalho, convocado pelo então director-geral Nuno Vassallo e Silva, não estão longe daquelas apontadas pelo TdC. Para o quadriénio 2015-19, este plano define seis objectivos: melhorar a comunicação, estimular uma cultura de qualidade, incrementar a participação, desenvolver parcerias, promover a sustentabilidade e potenciar o capital humano.


PEDRO ELIAS


Tal como na auditoria do TdC, que pretendia analisar o impacto da fusão de organismos que deram origem à DGPC, o plano estratégico elaborado por um grupo de trabalho coordenado pela museóloga Clara Frayão Camacho destaca a necessidade de pessoal na direcção-geral. Sendo evidente o envelhecimento das pessoas que ali trabalham: 58% tem mais de 50 anos e apenas 4% se situa no intervalo entre 25 e 34 anos.

Trabalham actualmente na DGPC cerca de 800 pessoas e segundo o diagnóstico deste grupo de trabalho, convocado por Vassalo e Silva em Dezembro de 2014, é expectável que até 2020 120 efectivos se aposentem. Ao TdC, via questionário, já 90% dos responsáveis dos serviços dependentes da DGPC se tinham queixado dos recursos reduzidos.

Para a sua análise, o grupo de trabalho recorreu também a entrevistas, aqui presenciais, com todos os dirigentes e técnicos com funções de coordenação dentro da DGPC, além de uma amostra representativa do respectivo pessoal. Foi aberto ainda um inquérito online ao qual qualquer trabalhador podia responder. Este material permitiu perceber as principais debilidades apontadas por este grupo: questões da ordem da gestão, da orgânica e da comunicação, além dos recursos.

Foram ainda feitas entrevistas a sete personalidades da área da cultura e a profissionais que trabalham de perto com a DGPC: António Lamas (Centro Cultural de Belém), Guilherme d’Oliveira Martins (então no Centro Nacional de Cultura e agora na Fundação Calouste Gulbenkian), Graça Filipe (Universidade Nova de Lisboa), Joana Monteiro (Museu de Lisboa), Jorge Custódio (Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial), Raquel Henriques da Silva (historiadora e representante das Universidades na Secção Museus do Conselho Nacional de Cultura) e Teresa Ferreira (Turismo de Portugal).

Entre a avaliação feita por estas personalidades foi apontada “a fraca afirmação da DGPC, a debilidade das políticas culturais que a enquadram, a escassa regulamentação legislativa na área patrimonial e a fraca relação com outras entidades da Administração Pública”. Este grupo destacou ainda “a menorização da Rede Portuguesa de Museus e dos recursos que lhe estão afectos”.

Para colmatar estas necessidades, o plano propõe seis objectivos e 19 estratégias que passam, em muito, por melhorar os serviços já existentes. Resta saber se o Ministério da Cultura adoptará este plano, visto não ter sido uma encomenda sua. No programa de Governo para esta legislatura, o PS contestava a “política precipitada de fusões institucionais que conduziu à desestruturação de organismos”. O programa de António Costa promete autonomizar as áreas dos museus e património, “garantindo para cada uma delas soluções que consagrem a especificidade da respectiva gestão e que evitem a mera fusão acrítica de assuntos e competências”.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

AGENDAS MUNDI LIX – MUSEOS EN BURKINA FASO - · en CULTURA, MUSEO, OPINIÓN,RELATO, VIAJES. ·

Burkina Faso puede que no ofrezca grandes atracciones al visitante, pero nos ganan con la calidez en el trato de sus gentes, hacia todos los foráneos a los que, invariablemente, se les da la bienvenida. La gente burkinabé son gente sencilla, de buen trato y muy agradables, y allá dónde vayas en este país, uno de los más pobres de África, que ya es decir ser muy pobre, harán lo imposible para que te sientas a gusto allí entre ellos.

 
“Mascaras de Burkina Faso”, Phyllis Galembo para National Geographic

El país sí disfruta de paisajes muy bonitos, desde el altiplano de Sahelia, con la savana y su curiosa orografía. También podemos destacar sus costumbres y celebraciones, muy centradas en el uso de máscaras y bailes. Las dos ciudades más grandes de Burkina, Ouagadougou y Bobo-Dioulasso, son famosas por su tradición musical y por lo bello de sus trabajos artesanales.

Gran Mezquita de Bani, Burkina Faso, Matjaz Krivic/2015 National Geographic Photo Contest

Cada año impar, se celebra un importante festival cinematográfico en Fespaco, posiblemente el festival más importante de todo el continente africano con el tema cine. Una razón más que poderosa para ir a Burkina durante las dos semanas que dura el festival. Hay que tener en cuenta que la infrastructura turística del país es muy limitada. En cuestión de alojamientos todo se reduce a muy modestos hoteles en la capital, casas de invitados en villas joya como son Ouaga, Bobo y Banfora, y a campamentos en las demás zonas del país.



El Museo de Manéga es una institución que se encuentra a 55 km (34 millas) al noroeste de la ciudad de Uagadugú, en el pueblo de Manega, en Burkina Faso. Este museo fue obra de la iniciativa de Frédéric Pacéré Titinga, un abogado de Burkina Faso y escritor con más de veinte libros y 60 volúmenes a su nombre, y que tenía un gran interés en la cultura de su país natal. La institución creada por Pacéré está especializada en las artes y los instrumentos musicales de Burkina Faso. El museo contiene “Las flautas Boura” alrededor de cuarenta piezas funerarias, tubos, tarros de terracota, pulseras y elementos que fueron utilizados para rituales en el Valle del Níger, que datan del segundo al siglo XI.



Después de esperar y casi desesperar por largo tiempo la remodelación y acondicionamiento del nuevo Museo Nacional, finalmente le han dado un empujoncito y lo han acabo de construir a 10 km. del centro de la ciudad, es decir, en campo abierto. El museo expone máscaras rituales, estatuas religiosas (especialmente procedentes del país Lobi) y también se muestran diferentes trajes típicos de Burkina Faso y algunos objetos sobresalientes de las diferentes tribus del país. La renovación del museo sigue en marcha en varios pabellones llenos de polvo, uno por cada región del país. Si no habláis o leéis en francés no vais a entender nada de lo escrito allí. Para llegare al museo te recomendamos que cojas un taxi o también el autobús nº1 a Sotrao, que te llevará hasta la misma puerta del museo desde el centro de la ciudad.



El Museo Nacional de la Música esta localizado en Ouagadougou, en un edificio de dos pisos, compartiendo espacio con el colegio Phillipe Zinda Kabore. Este edificio también da cobijo a la Asociación de la Arquitectura Africana y Planificación Urbana que ha crecido para acomodar al museo. La primera colección que ha albergado la institución data de 1998. Se exponen instrumentos tradicionales que son referentes de la grandísima tradición musical del país, como también en otros muchos países de África donde la música lo es casi todo. Las piezas provienen de las diferentes tribus y estamentos culturales del país. El museo tiene una muestra muy curiosa de aerófonos, membranófonos, idiófonos y cordófonos. El más antiguo tiene 200 años de edad. El museo abre de martes a sábado.

Museo Provincial de Houet (sin website)| Houet


Localizado en una de las zonas exteriores de la ciudad villa de Huet, también es conocido con el nombre de Museo Sogossia Sanon (aviso a navegantes). El museo es muy pequeño pero tiene exposiciones interesantes, incluye estatuas de diferentes tribus (Lobi, Dagara, Lela, Mossi y Kurumba). También se exponen diferentes ejemplos de trajes y vestidos, incluyendo túnicas que visten los jefes Samory Toure del siglo XIX. También podréis ver diferentes recipientes que se utilizan para elaborar el veneno de las flechas para cazar. También se pueden visitar réplicas de viviendas Bobo y Fulani, como la que muestra la foto, en la parte central del patio del museo.

Museo Provincial de Puni (sin website) | Puni


El museo, que podríamos denominar etnográfico, es parecido en el tipo de concepto expositivo al de Huet, muestra instrumentos, estatuas, textiles, artefactos y otros objetos provenientes de la tribu Lobi, algunos muy antiguos. Como en el de Houet, en el exterior del museo se muestran réplicas de viviendas Lobi. La verdad es que no podemos decir mucho más de este pequeño museo.

Foto principal y para redes sociales: Mezquita de Kombissiri, Christa Neuenhofer






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.
A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

Cultura - Candomblé no Brasil, tombamento do Sítio Acais, solo sagrado da Jurema, .. Culture - Candomble in Brazil, site of tipping Acais, sacred soil of Jurema

Em 2 de outubro de 2009, Iphaep aprova o tombamento do Sítio Acais. 


Sítio do Acais em Alhandra, Paraiba, Brasil,
 tombado sob a Guarda de Religiões de Matriz Afro-Brasileira
do Conselho Deliberativo do IPHAEP.

O Conselho Deliberativo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba vivenciou, esta semana, um momento ímpar na sua história: a presença na sala de reuniões dos interessados no processo, a emoção dos conselheiros que avaliaram o parecer do relator Kleber Moreira, representante da APAN, e, ao final da sessão, os aplausos à decisão de aprovar, por unanimidade, o tombamento do Sítio Acais, localizado no município de Alhandra.

Na área, há décadas, a cultura indígena e afro brasileira – especialmente o ritual da jurema – vem resistindo à ação dos homens. “É a primeira vez que a Paraíba realiza um tombamento assim. É um momento histórico, com importância para todo o Brasil”, afirmou Damião Cavalcanti, diretor do IPHAEP. “Neste momento, o CONPEC presta homenagem às coisas mais antigas da humanidade: o espírito da religiosidade humana”.

Já o Pai Beto de Xangô, que é presidente da Federação Cultural Paraibana de Umbanda, Candomblé e Jurema, resumiu, em poucas palavras, o sentimento do grupo. “Não tenho muito o que falar, só que nossos antepassados agradecem este gesto e nós aproveitamos o momento para oferecer ao IPHAEP um presente sagrado: uma muda de jurema preta, muito mimosa, para ser plantada no jardim”, disse o líder espiritual, com os olhos marejados pelas lágrimas.

Em seguida, juremeiros e juremeiros fizeram uma louvação, com cânticos, palmas e o toque ritmado do tambor (ilú), que foi tocado por Netinho, 16 anos, há dois anos juremeiro e Filho de Pai de Santo. A cantoria terminou com uma toada de ensinamento, onde eles questionaram a necessidade de que haja o respeito a todas as crenças religiosas e evocaram os sentimentos de paz, amor, luz e proteção. 

O local – O Sítio Acais está localizado a oeste do município de Alhandra, às margens da antiga estrada João Pessoa/Recife. No local, além da vegetação jurema preta, que é característica da manifestação religiosa afro-indígena, encontram-se sítios de mangueiras e jaqueiras. Possui uma casa grande, um coreto e, na parte mais alta da fazenda, a capela de São João Batista. Sua última proprietária foi Maria das Dores, neta de Maria do Acais. Atualmente, o cenário é de destruição e devastação da área, restando apenas a capela e o túmulo do mestre Fósculo. 

A sessão – A reunião do CONPEC começou, como de praxe, às 14h30. Inicialmente foi discutida a questão de um imóvel em Sousa. Em seguida, os conselheiros avaliaram o pedido de tombamento do Sítio Açaís, cujos interessados são a Sociedade Yorubana Teológica de Cultura Afro Brasileira (RJ) e Federação Cultural Paraibana de Umbanda, Candomblé e Jurema (PB). 

O relator do processo, Kleber Mendonça, da APAN, explicou todo o desenrolar do processo, começando pela visita que fez ao local, acompanhado de outros dois conselheiros – Carlos Azevedo e Raglan Gondim –, onde ficou decidido que o polígono de tombamento foi demarcado pelo GPS.

Logo depois, ele leu seu relatório, favorável ao tombamento, justificando: “Diante dessa exposição, considero que a medida é inadiável e aponta para um novo marco da política de proteção e preservação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba – IPHAEP, assegurando garantias legais de proteção e reconhecendo a importância de um território da religiosidade afro-indígena”. Colocado em votação, o tombamento de Acais foi aprovado por unanimidade.

Emoção – Vários dos conselheiros ressaltaram o ineditismo do tombamento e sua importância para a história do patrimônio estadual. A representante do IPHAEP, arquiteta Cristina Evelise, lembrou suas origens – ela nasceu em Angola, na época em que o pais ainda era colônia portuguesa – e a conselheira Rossana Honorato, destacou o tombamento “como um elemento que converge para a valorização da cultura, da identidade e da origem da História do Brasil”.

Mas, o momento de maior emoção aconteceu quando da fala do professor e antropólogo Carlos Azevedo, que tem assento no Conselho enquanto representante do IPHAEP. “O Sítio Acaís é um lugar de memória afro-indígena. E estava sendo depredado, desprezando-se uma história de muito sofrimento, que vem de Maria Acais”, explicou. Em seguida, Azevedo levou muitos juremeiros às lágrimas, ao destacar que, ainda muito jovem, esteve na Bahia e conheceu Jorge Amado, Pierre Vérger, Caribé e Mãe Menininha de Gantoais. “Se não fosse materialista, estaria com vocês”, disse ele, referindo-se diretamente ao Pai Beto de Xangô e seus seguidores. “Acredito em vocês, meus irmãos e minhas irmãs!”.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Thamara Duarte, da Assessoria de Imprensa do Iphaep

colaboraçãoJeane Alves

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--in via tradutor do google
Culture - Candomble in Brazil, site of tipping Acais, sacred soil of Jurema, ..

On October 2, 2009, Iphaep approves the registration of the Acais site.

The Deliberative Council of the Paraíba State Historical and Artistic Heritage Institute experienced this week, a unique moment in its history: the presence in the meeting room of stakeholders in the process, the thrill of counselors who evaluated the opinion of rapporteur Kleber Moreira, representative of APAN, and at the end of the session, the applause the decision to approve unanimously the registration of the Acais site, located in the city of Alhambra.

In the area for decades, indigenous culture and Brazilian african - especially the ritual of jurema - has resisted the action of men. "It's the first time the Paraíba performs a tipping well. It is a historic moment, with importance for Brazil, "said Damian Cavalcanti, director of IPHAEP. "Right now, the CONPEC pays tribute to older stuff of humanity: the spirit of human religiosity."

Already the Father Beto of Shango, who is president of the Cultural Federation Paraibana of Umbanda, Candomblé and Jurema, summed up in a nutshell, the feeling of the group. "I have much to say, except that our ancestors thank this gesture and we took the time to offer IPHAEP a sacred gift: a seedling black jurema, very mimosa, to be planted in the garden," said the spiritual leader with eyes brimming with tears.

Then juremeiros and juremeiros made a praise, with singing, clapping and rhythmic touch the drum (Ilú), which was touched by Netinho, 16, two years and juremeiro Holy Father to Son. The singing ended with a teaching of tune, where they questioned the need that there is respect for all religious beliefs and evoked feelings of peace, love, light and protection.

The point - Acais site is located west of the city of Alhambra, on the banks of the old road João Pessoa / Recife. On site, in addition to black jurema vegetation, which is characteristic of the african-indigenous religious manifestation, are sites of mango and jackfruit. It has a big house, a gazebo and, on the highest part of the farm, the chapel of St. John the Baptist. Its last owner was Mary of Sorrows, Mary's granddaughter Acais. Currently, the scenario is destruction and devastation of the area, leaving only the chapel and the Fósculo master's grave.

The meeting - A meeting of CONPEC began, as usual, at 14.30. Initially it discussed the matter of a property in Sousa. Then, the board reviewed the application for registration of the site Açaís, whose stakeholders are the Yorubana Theological Society of Afro Brazilian Culture (RJ) and Cultural Federation Paraibana of Umbanda, Candomblé and Jurema (PB).

The rapporteur of the case, Kleber Mendonça, APAN, explained all the proceedings, starting with the visit he made to the site, accompanied by two other directors - Carlos Azevedo and Raglan Gondim - where it was decided that the tipping polygon was marked by GPS.

Soon after, he read his report favorable to tipping, explaining: "Before this exhibition, I consider that the measure is urgent and points to a new milestone in the protection policy and preservation of the Historical and Artistic Heritage Institute of the State of Paraíba - IPHAEP ensuring legal guarantees of protection and recognizing the importance of a territory of african-indigenous religiosity ". Put to a vote, the tipping Acais was approved unanimously.

Emotion - Several of the board members stressed the uniqueness of tipping and its importance to the history of state assets. The representative of IPHAEP architect Cristina Evelise recalled its origins - she was born in Angola, at a time when the country was still a Portuguese colony - and the counselor Rossana Honorato said the tipping "as an element that converges to the appreciation of culture, identity and origin of the history of Brazil. "


But the moment of greatest emotion came when speech teacher and anthropologist Carlos Azevedo, who sits on the Board as a representative of IPHAEP. "The Acaís site is a place of african-indigenous memory. And was being vandalized, disregarding a history of much suffering that comes from Maria Acais "he said. Then Azevedo led many juremeiros to tears, to point out that, at a young age, was in Bahia and met Jorge Amado, Pierre Verger, Caribé and Mother Menininha of Gantoais. "If it was not materialistic, be with you," he said, referring directly to the Father Beto Shango and his followers. "I believe in you, my brothers and sisters."