Listen to the text.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

MARDAN MUSEUM, MARDAN. Pakistan. --- Mardan MUSEU, Mardan. Paquistão

Mardan Museum was first established in the Town Hall in 1990 under the supervision of the then Commissioner Mardan Divisoin, Sahibzada Riaz Noor. The museum consisted of a single hall which displayed few Gandharan sculptures. In 2006 on the request of Provincial Government the District Government had provided a chunk of land for the construction of a new building of Mardan Museum. The building has been completed consisted of three Galleries and was inaugurated by Ameer Haider Khan Hoti, Chief Minister Khyber Pakhtunkhwa in 2009.




Gandhara Gallery

Mardan Museum has the most beautiful collection of Gandharan sculptures. Most of these sculptures come from the sites of Takht-i-Bahi, Jamal Garhi and Sahri Bahlol. These are the Previous birth (Jataka) stories of Buddha, life scenes of Buddha, Palace scenes, Individual images of Buddha and Bodhisattva, Bejeweled heads of Bodhisattva, Stucco heads of Buddha and Architectural elements.

Ethnological Gallery

The Ethnological Gallery represents the ethnic profile of the region. These include the traditional jewelry, household objects, weapons, embroidery works and musical instruments. There are wooden and leather stools and boxes. The jewelry exhibited includes earrings, ear pendants, finger rings, necklaces, torques, bangles, bracelets, head ornaments and shoulder ornaments in silver. The embroidery work displayed in the gallery includes shirts and shawls. Weapons displayed include swords, muzzle loaded guns and pistols, representing the culture and tradition of nineteenth and early twentieth century. Household objects in wood, stone, and metal includes spoons, bowls, trays, querns, samawar, tea pots and glasses etc. Others are decorated terracottaKalo khanaibowls and modern dishes. The musical instruments are rabab, sitar, tabla, tambourine, flute, drum, pitcher and Harmonium.

Islamic Gallery

Islamic Gallery exhibits the manuscripts of eighth to thirteen century Hijri. These include the beautiful calligraphic specimens of Quran, religious texts and poetry etc. The language is mostly Arabic and Persian where the dominant calligraphic styles are Naskh and Nastalique.



Takht-i-Bhai, Mardan



The monastic complex of Takht-i-Bhai is one of the most well-known, well-preserved, sites and the only Gandhara site in the Frontier Province that is on the World Heritage List. Most of the Gandhara pieces in the Peshawar Museum were recovered from Takht-i-Bhai and Sahri Bahlol. The site of the Takht-i-Bhai is in the Mardan District, about 54 km northeast of Peshawar. It is about 1771 feet above the sea level and about 570 feet above the surrounding plains.

General Court, a French Officer in the court of Ranjit Singh, first reported the site in 1836. The site is mainly dated to the Ktishan period, but some earliest structures are dated to the time of the Parthian king, Gondophares. The complex consists of the main stupa, votive stupas, monastery complex and the lower cells. The main stupa is in typical Gandharan style having an elongated dome with square plinth and surrounded on three sides by chapels. The monastery is located to the north of the complex and has a central water tank, surrounded by small rooms on all sides. The monks for meditation purposes used low-level cells in the complex. It is worthy to note that the Chinese travellers, who visited Gandhara (6th -7th centUry AD), have not mentioned the site of Takht-i-Bahi in their accounts; probably the site was already abandoned at the time or was off their route.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar. 



--br via tradutor do google
Mardan MUSEU, Mardan
Mardan Museu foi estabelecido pela primeira vez na Câmara Municipal em 1990, sob a supervisão do então Comissário Mardan Divisão, Sahibzada Riaz Noor. O museu consistia de um único corredor que exibiu algumas esculturas gandharana. Em 2006, a pedido do Governo Provincial do Governo do Distrito havia fornecido um pedaço de terra para a construção de um novo edifício de Mardan Museum. O edifício foi concluída consistiu de três Galerias e foi inaugurado pelo Ameer Haider Khan Hoti, ministro-chefe Khyber Pakhtunkhwa em 2009.

Gandhara Gallery
Mardan Museum tem a mais bela coleção de esculturas gandharana. A maioria dessas esculturas vêm dos locais de Takht-i-Bahi, Jamal Garhi e Sahri Bahlol. Estas são as nascimento anterior (Jataka) histórias de Buda, cenas da vida de Buda, cenas Palace, imagens individuais de Buda e Bodhisattva, cabeças Bejeweled de Bodhisattva, cabeças de estuque de Buda e elementos arquitetônicos.

Etnológico Gallery
A Galeria Etnológico representa o perfil étnico da região. Estes incluem a jóia tradicional, objetos domésticos, armas, trabalhos de bordados e instrumentos musicais. Há bancos e caixas de madeira e couro. A jóia exibiu inclui brincos, pingentes de orelha, anéis, colares, pulseiras, torques, braceletes, ornamentos e enfeites de cabeça do ombro em prata. O trabalho de bordado em exibição na galeria inclui camisas e xales. Armas exibidos incluem espadas, focinho carregado de armas e pistolas, que representam a cultura e tradição do século XIX e início do século XX. Objetos domésticos em madeira, pedra, metal e inclui colheres, tigelas, bandejas, querns, samawar, potes de chá e copos etc. Outros são decorados em terracota khanaibowls Kalo e pratos modernos. Os instrumentos musicais são rabab, sitar, tabla, pandeiro, flauta, tambor, arremessador e Harmonium.

Galeria Islâmica
Galeria islâmico exibe os manuscritos de oitavo a treze século islâmico. Estes incluem os belos espécimes de caligrafia do Alcorão, textos religiosos e poesia etc. A linguagem é principalmente árabe e persa, onde os estilos caligráficos dominantes são Naskh e Nastalique.

Takht-i-Bhai, Mardan
O complexo monástico de Takht-i-Bhai é um dos mais conhecidos, bem preservados, sites e do site Gandhara apenas na Província da Fronteira que está na Lista do Património Mundial. A maioria das peças Gandhara no Museu Peshawar foram recuperados a partir de Takht-i-Bhai e Sahri Bahlol. O site do Takht-i-Bhai é no distrito de Mardan, cerca de 54 km a nordeste de Peshawar. É cerca de 1.771 pés acima do nível do mar e cerca de 570 pés acima da planície circundante.

Tribunal Geral, um oficial francês na corte de Ranjit Singh, primeiro relatou o site em 1836. O site é datada principalmente para o período Ktishan, mas algumas primeiras estruturas são datadas da época do rei parta, Gondophares. O complexo é composto do stupa principal, stupas votivas, complexo do mosteiro e as células mais baixas. A principal stupa é em estilo típico Gandharan tendo uma cúpula alongada com pedestal quadrado e rodeada em três lados por capelas. O mosteiro está localizado ao norte do complexo e tem um tanque de água central, rodeado por pequenas salas em todos os lados. Os monges para fins de meditação usadas células de baixo nível no complexo. É digno de nota que os viajantes chineses, que visitou Gandhara (6 século dC -7th), não ter mencionado o local de Takht-i-Bahi nas suas contas; provavelmente, o site já foi abandonada no momento ou estava fora de sua rota.


A Fundação da Casa do escritor Rui Barbosa, no Botafogo, Rio de janeiro, Brasil, promoverá ampla agenda de pesquisa em 2016 --- The Casa Rui Barbosa Foundation in Botafogo, Rio de Janeiro, Brazil, will promote broad research agenda in 2016

Localizada em Botafogo, tradicional bairro do Rio de Janeiro, a Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), teve um ano movimentado em 2015. A instituição promoveu 153 eventos, entre seminários, palestras e exposições. Um dos destaques foi o VI Seminário Internacional de Políticas Culturais, realizado no fim de maio. Referência na produção e discussão de conteúdo relacionado a políticas culturais, o seminário já tem a sétima edição confirmada para 17 a 20 de maio deste ano.



Além dos eventos, a FCRB também ofereceu, em 2015, 91 bolsas de pesquisa, variando da iniciação científica até o estágio pós-doutoral. A instituição abriu, ainda, 15 vagas para o recém-criado Mestrado Profissional em Memória e Acervos, que terá início no primeiro semestre de 2016.

Outra prioridade em 2015 foi a reforma do jardim da sede da FCRB, que recebeu mobiliário contemporâneo e sustentável. Peças em ferro fundido, madeira e pedra — que compõem estátuas, luminárias, vasos de planta, quiosque, grades, portões de ferro, pontes, pergolado e lagos, entre outros — foram restauradas. Também fizeram parte da revitalização melhorias na pavimentação e na acessibilidade.

O objetivo da reforma foi garantir maior circulação e segurança para idosos e pessoas com deficiência. O novo sistema de iluminação também permitirá realização de atividades e a visitação noturna do jardim. As obras de revitalização serão inauguradas neste início de ano, com uma exposição de painéis sobre o processo de recuperação.

Em 2016, a fundação dará continuidade à série de palestras e seminários, que abordarão temas como educação e esporte, políticas culturais setoriais, economia solidária, patrimônio, ações afirmativas, história pública e escravidão, e história oral, entre outros.

Sobre a FCRB

A casa em que o escritor Rui Barbosa viveu entre 1895 e 1923, ano de sua morte, foi adquirida em 1924, com todo seu acervo, pelo governo brasileiro. Desde 1930, tornou-se o Museu Casa de Rui Barbosa. Além da biblioteca de Barbosa, o local conserva móveis e objetos da família. A FCRB administra o patrimônio e promove estudos e pesquisas de autores brasileiros.

A instituição tem duas unidades finalísticas: o Centro de Memória e Informação, responsável pela gestão do acervo da Casa, e o Centro de Pesquisa, no qual se realizam pesquisas nas áreas filológica, histórica, de direito, de política cultural e sobre a vida e legado de Barbosa.

Rui Barbosa nasceu na Bahia, em 1849, e mudou-se para o Rio de Janeiro em 1879, quando foi eleito para a Assembleia Legislativa da Corte Imperial. Foi também orador, jurista, jornalista e presidiu a Academia Brasileira de Letras após a morte de Machado de Assis, de 1908 a 1919.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

--in via tradutor do googleThe Foundation Writer's House Rui Barbosa, in Botafogo, Rio de Janeiro, Brazil, will promote broad research agenda in 2016
Located in Botafogo, traditional neighborhood of Rio de Janeiro, the House of Rui Barbosa Foundation (FCRB), under the Ministry of Culture (Ministry of Culture), we had a busy year in 2015. The institution has promoted 153 events, including seminars, lectures and exhibitions. One of the highlights was the VI International Seminar on Cultural Policies, held in late May. Reference in the production and discussion of content related to cultural policies, the seminar already has the seventh edition confirmed for 17-20 May this year.
In addition to the events, FCRB also offered, in 2015, 91 research scholarships, ranging from undergraduate to post-doctoral training. The institution opened also 15 places for the newly created Professional Masters in Memory and Archives, which will begin in the first half of 2016.
Another priority in 2015 was the headquarters of Garden reform FCRB, who received contemporary and sustainable furniture. Pieces of cast iron, wood and stone - that make up statues, lamps, plant pots, kiosk, railings, iron gates, bridges, pergola and lakes, among others - have been restored. Also part of the revitalization improvements in flooring and accessibility.
The aim of the reform was to ensure increased circulation and safety for elderly and disabled people. The new lighting system will also allow carrying out activities and night time visits the garden. The revitalization works will be inaugurated early this year, with a panel presentation on the recovery process.
In 2016, the foundation will continue its series of lectures and seminars, which will address issues such as education and sports, cultural sectoral policies, economic solidarity, equity, affirmative action, public history and slavery, and oral history, among others.
About FCRB
The house in which the writer Rui Barbosa lived between 1895 and 1923, the year of his death, was acquired in 1924, with all its assets, by the Brazilian government. Since 1930, it became the House Museum of Rui Barbosa. In Barbosa library, the conserved site family furniture and objects. The FCRB manages equity and promotes study and research by Brazilian authors.
The institution has two purposive units: Memory and Information Centre, which manages the House acquis and the Research Center, which is conducting research in philological areas, historical, legal, cultural policy and about life and Legacy Barbosa.
Rui Barbosa was born in Bahia in 1849, and moved to Rio de Janeiro in 1879, when he was elected to the Legislative Assembly of the Imperial Court. It was also speaker, lawyer, journalist and chaired the Brazilian Academy of Letters after the death of Machado de Assis, 1908-1919.

Tabriz, Azerbaijan Museum. --- Museu Tabriz, no Azerbaijão

The Azerbaijan Museum in Tabriz, situated next to the famous Blue Mosque, may be the nicest museum in Iran. It consists of three parts. When you enter, you will find the archaeological department, which tells the story of Azerbaijan from the fifth century until the Sassanian Age.

Jiroft, weight
Weight from Jiroft, made of chlorite
ca. 3000 BCE–ca. 2000 BCE
Creator
Jona Lendering
Museum Tabriz, Azerbaijan Museum
Licence
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International
Carmania Greater Iran, Prehistory

There are many fine objects, like fifth-millennium ceramics from Ishmaelabad, beautiful weights, lots of Bronze Age pottery, jewelry from Khodafarin, an Iron Age idol from Rostamabad, a splendid Achaemenid rhyton and a marvelous gold cup from the same age. The most beautiful objects were, easily, the precious Sassanian gold and silver dishes that surprise the visitor upon entering. They are so beautiful that I at first believed that they were made by a modern artist. The museum also shows some objects from other parts of Iran, like bronzes from Luristan and a Parthian figurine from Susa.

On the first floor are displays of coins, from the Achaemenid period to the nineteenth century, and seals (from prehistory to the Sassanian age). Here, you will also find the second part of the archaeological department: pottery, carpets, candlesticks, and glass from about 650 to 1900.

In the basement is a small restaurant, but here you will also find several tall bronze statues by Ahad Hosseini, an artist born in Tabriz. I did not like them, but cannot deny that they were impressive works of art by someone with a gloomy view of the future of mankind. In the garden, you will find several inscriptions and other stone objects, mostly Islamic.

There is much to praise. The curators have wisely ignored that unfortunate European fashion to display objects in the dark and use low key light to make them look mysterious. There is also a good bookshop where you can buy archaeological reports and a DVD with photos of the full collection — a kind of digital catalog. If there is something to be critical about, it is the explanatory signs, which might be a bit longer: for example, there is a splendid sword with the inscription “from Shimas Shipack, king of the world”, but I have no idea where it was excavated (unless Shimas Shipack is the name of a site). But that is a minor quibble; the Azerbaijan Museum in Tabriz is splendid and certainly worth a visit.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



--in via tradutor do google
O Museu do Azerbaijão, em Tabriz, situado junto à famosa Mesquita Azul, pode ser o museu mais bonitos no Irã. É composto de três partes. Quando você entra, você vai encontrar o departamento arqueológico, que conta a história do Azerbaijão a partir do século V até a idade Sassanian.

Há muitos objetos finos, como cerâmica quinta-milênio desde Ishmaelabad, pesos bonitas, muita da Idade do Bronze cerâmica, jóias de Khodafarin, um ídolo da Idade do Ferro de Rostamabad, um esplêndido Aquemênida rhyton e uma taça de ouro maravilhosa da mesma idade. Os mais belos objetos foram, facilmente, os preciosos de ouro e prata pratos sassânidas que surpreendem o visitante ao entrar. Eles são tão bonitos que eu acreditava inicialmente que elas foram feitas por um artista moderno. O museu também mostra alguns objetos de outras partes do Irã, como bronzes de Luristan e uma estatueta de Parthian de Susa.

No primeiro andar estão exposições de moedas, a partir do período Aquemênida ao século XIX, e vedantes (da pré-história à idade Sassanian). Aqui, você também vai encontrar a segunda parte do departamento arqueológico: cerâmica, tapetes, candeeiros, e vidro de cerca de 650-1900.

Na cave é um pequeno restaurante, mas aqui você também vai encontrar várias estátuas de bronze de altura por Ahad Hosseini, um artista nascido em Tabriz. Eu não gostava deles, mas não podemos negar que eles eram impressionantes obras de arte por alguém com uma visão pessimista do futuro da humanidade. No jardim, você vai encontrar várias inscrições e outros objetos de pedra, em sua maioria islâmica.

Há muito a elogiar. Os curadores têm sabiamente ignorou que a moda europeia infeliz para exibir objetos no escuro e usar a luz baixa chave para torná-los olhar misterioso. Há também uma boa livraria onde você pode comprar relatórios arqueológicos e um DVD com fotos da coleção completa - uma espécie de catálogo digital. Se há algo a ser crítico sobre, são os sinais explicativas, que podem ser um pouco mais: por exemplo, há uma espada esplêndido com a inscrição "a partir Shimas Shipack, o rei do mundo", mas não tenho idéia de onde que foi escavado (a menos que Shimas Shipack é o nome de um local). Mas isso é um menor esquivo; o Museu do Azerbaijão, em Tabriz é esplêndido e certamente a pena uma visita.