quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

The Neanderthal Museum, in Germany. --- O Museu Neandertal, na Alemanha.


At the place where the most famous Neanderthal fossil was found, the new Neanderthal Museum opened its doors to the public on the 10th of October 1996. It was the day when long lasting efforts to build an adequate museum came to a happy ending.



The Neanderthal Museum is one of the most successful archaeological museums in Germany. About 170.000 visitors per year come to see the award-winning multi-media exhibition, which was updated in 2006. Any donation, endowment or testamentary promise you feel able to make will help us to secure the successful work at the museum.

You might support the acquisition of new exhibits, the special exhibition, or be supportive of a junior scientist.

The permanent exhibition is displayed on a spiraling ramp, gradually winding itself up over four floors.

The first section of the walkway tells the history of the Neanderthal and describes the original discovery of the Neanderthal skeleton ("A valley and its Secret"). Following this introduction, the decisive moments in the history of humanity are presented ("A journey through time").

Five thematic areas give a chronological overview on the "Evolution of Humankind", stressing the themes "Life and Survival", "Tools and Knowledge", "Myth and Religion", "Environment and Nourishment", as well as "Communication and Society".

“Where do we come from?” – “Who are we?” – “Where are we going?” These are the central questions leading through the Neanderthal Museum.

The exhibition traces humankind’s long journey from the savannas to the big cities of our times. Of course, emphasis is given to the Neanderthals, whose life-size figures were reconstructed from original fossils applying scientific methods.

A variety of multimedia arrangements and audio-experiences, exhibits and texts, bring to life the results of current archaeological and palaeoanthropological research. For those wishing to deepen their understanding additional computer stations are available.


A journey through the time

The main six stages of human history are shown in the time tunnel. These stages are also present in the following thematic areas:

“How it all began”: 4 Mio. to 120.000 years ago

“Robust types”: 120.000 to 40.000 years ago

“World-traveller”: 40.000 to 10.000 years ago

“Settlers with hoe and herd”: 10.000 to 5.000 years ago

“City dweller – earth consumer” – 5.000 years till today

“The evolution continues! Where will we go?”



Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.
---





--br via tradutor do google
O Museu Neandertal, na Alemanha.

No lugar onde o mais famoso fóssil de Neandertal foi encontrado, o novo Museu de Neanderthal abriu as suas portas ao público no dia 10 de Outubro de 1996. Foi o dia em que os esforços duradouros para a construção de um museu adequado chegou a um final feliz.

O Museu de Neanderthal é um dos museus arqueológicos de maior sucesso na Alemanha. Cerca de 170.000 visitantes por ano vêm para ver a exposição multi-media premiado, que foi actualizado em 2006. Qualquer doação, doação testamentária ou promessa você se sentir capaz de fazer nos ajudará a garantir o bem sucedido trabalho no museu.

Você pode apoiar a aquisição de novas exposições, a exposição especial, ou ser solidário de um cientista júnior.

-
A exposição permanente é exibido em uma rampa em espiral, enrolando-se gradualmente ao longo de quatro andares.


A primeira seção da passarela conta a história do Neanderthal e descreve a descoberta original do esqueleto Neanderthal ("Um vale e sua Segredo"). Após esta introdução, os momentos decisivos na história da humanidade são apresentados ("Uma viagem no tempo").

Cinco áreas temáticas dar uma visão cronológica sobre a "Evolução da Humanidade", sublinhando os temas "Vida e Sobrevivência", "Ferramentas e do conhecimento", "Mito e Religião", "Ambiente e nutrição", bem como "Comunicação e Sociedade" .

-

"Onde é que viemos?" - "Quem somos nós?" - "Para onde estamos indo?" Estas são as questões centrais que conduzem através do Museu de Neanderthal.

A exposição traça longa jornada da humanidade a partir das savanas para as grandes cidades do nosso tempo. Claro, a ênfase é dada aos neandertais, cujos números em tamanho natural foram reconstruídos a partir de fósseis originais aplicação de métodos científicos.


Uma variedade de arranjos de multimédia e áudio-experiências, exposições e textos, trazer à vida os resultados da pesquisa arqueológica e antropológica atual. Para aqueles que desejam se aprofundar no conhecimento estações de computador adicionais estão disponíveis.

-
Uma viagem através do tempo


Os principais seis estágios de história humana são mostradas no túnel do tempo. Estes estágios também estão presentes nas seguintes áreas temáticas:

"Como tudo começou": 4 Mio. a 120.000 anos atrás

"Tipos robusto": 120.000 a 40.000 anos atrás

"World-viajante": 40.000 a 10.000 anos atrás

"Settlers com enxada e rebanho": 10.000 a 5.000 anos atrás

"Citadinos - terra do consumidor" - 5.000 anos até hoje

"A evolução continua! Onde nós vamos?"

Museu Campos Gerais, Ponta Grassa, Paraná, Brasil. --- Campos Gerais Museum, Ponta Grassa, Paraná, Brazil.

O Museu Campos Gerais, da Universidade Estadual de Ponta Grossa, tem sua origem na iniciativa da sociedade civil pontagrossense, através da ação de intelectuais como escritores, jornalistas, historiadores e professores.

Na década de 1940 esses formavam o Centro Cultural Euclides da Cunha que tinha como um de seus objetivos "reunir bens culturais do patrimônio histórico da região dos Campos Gerais".

O acervo acumulado foi confiado a então, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ponta Grossa, pela falta de condições de preservação pelo Centro Cultural.

Com a criação da Universidade Estadual de Ponta Grossa, o acervo que estava sob a guarda do Departamento de História, foi doado à Instituição.

A partir de 28 de março de 1983, o Museu entrou em funcionamento no prédio do antigo Fórum, situado à Rua Engenheiro Schamber, 654.


Fachada do Edifício do Antigo Fórum da cidade,
atual Museu Campos Gerais, após processo de restauro de sua fachada 
Foto: Álvaro Costa  Edição de imagem: Samara Hevelize de Lima



Construído em local estratégico do ponto de vista social, econômico e político, foi inaugurado em 1928, o prédio do fórum de Ponta Grossa.

Marcado por um estilo arquitetônico eclético exibe uma fachada, característica da época. No interior destacam-se os detalhes da escadaria e o trabalho de relevo no teto. A arquitetura exprime na materialidade uma afirmação da autoridade e do poder judiciário.

Atualmente, o Museu Campos Gerais tem sua sede provisória no edifício do antigo Banco do Estado do Paraná - Banestado, à rua Engenheiro Schamber 686, pois o prédio original reconhecido como patrimônio cultural, não está em condições de uso. Tombado pela Coordenadoria do Patrimônio Cultural do Paraná, em 1990, o prédio foi desativado em 2003 e se encontra em processo de restauração.

A primeira fase de Restauração do Prédio do Antigo Fórum ofereceu condições de segurança para dar continuidade nas próximas etapas de recuperação desse patrimônio histórico relevante para a cidade e seus habitantes. Nas imagens abaixo é possivel acompanhar parte do processo de restauração realizado até o momento.

A segunda fase do processo de Restauração do Prédio do Antigo Fórum compreende os trabalhos de recuperação das esquadrias metálicas e de madeira, bem como os que se referem às fachadas externas, ou seja, dascascar o reboco antigo, fazer novo reboco com material respectivo à época de sua construção.

-



Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.






--in via tradutor do google.
Museum Campos Gerais, Ponta Grassa, Paraná, Brazil.

The General Fields Museum, Ponta Grossa State University, has its origin in the initiative of pontagrossense civil society through intellectual action as writers, journalists, historians and teachers.

In the 1940s these formed the Euclides da Cunha Cultural Centre which had as one of its objectives "to bring together cultural heritage of the historical heritage of the region of Campos Gerais".

The accumulated assets entrusted the then Faculty of Philosophy Sciences and Languages ​​of Ponta Grossa, lack of preservation conditions by the Cultural Center.

With the creation of Ponta Grossa State University, the collection that was in the custody of the Department of History, was donated to the institution.

From March 28, 1983, the Museum opened at the building of the old Forum, located at Rua Engineer Schamber, 654.

Built in a strategic location from a social point of view, economic and political, was opened in 1928, the building of Ponta Grossa forum.

Marked by an eclectic architectural style displays a facade, characteristic of the time. Inside stand out the details of the steps and relief work on the ceiling. The architecture expresses the materiality an assertion of authority and judiciary.

Currently, the General Fields Museum has its temporary headquarters in the old building Paraná State Bank - Banestado, the street Schamber Engineer 686 because the original building recognized as cultural heritage, is not in working condition. Listed by Coordination of Cultural Heritage of Paraná, in 1990, the building was closed in 2003 and is in process of restoration.

The first phase of restoration of the Old Forum Building offered security conditions to continue in the next recovery steps that relevant historical heritage of the city and its inhabitants. In the images below it is possible to follow part of the restoration process carried out so far.

The second phase of the Old Forum Building Restore process comprises the recovery work of metal frames and wood, as well as those relating to external facades, ie dascascar the old plaster, make new plaster with respective material at the time of its construction.

-
Facade of Old Building Town Forum,
current Museum Campos Gerais,
after restoration process of its facade
Photo: Alvaro Costa - Image Editing: Samara Hevelize Lima

The Pars Museum is a museum in Shiraz, Fars Province, southern Iran and is located in Nazar Garden.. --- O Museu Pars é um museu em Shiraz, província de Fars, sul do Irã e está localizado no Nazar Garden.

The octagonal building was the place in which royal guests were hosted during the Zand dynasty of Iran. It was also used for holding official ceremonies.


It is also the burial place of Karim Khan Zand.

Nazar Garden
The old Nazar Garden was one of the largest gardens of Shiraz during the Safavid rule (1501–1722). During Zand dynasty (1750–1794) Karim Khan built an octagon structure which was called Kolah Farangi. It was used to receive and entertain foreign guests and ambassadors and hold official ceremonies.


Pars Museum
In 1936 the pavilion became a museum. It was the first museum which was located outside the capital city of Tehran. The brick designs, tiling, pictures and big stone dadoes are among the architectural features of the building.

Pars museum is a display of almost 30 handwritten Qurans, a number of magnificent paintings of famous Persian artists. Among the paintings is the well-known Karim Khan’s Smoking Shisha created by Jafar Naqash.








Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.





--br via tradutor do google

Pars Museu de Shiraz
O Museu Pars é um museu em Shiraz, província de Fars, sul do Irã e está localizado no Nazar Garden.

O edifício octogonal era o lugar no qual os hóspedes reais foram hospedados durante a dinastia Zand do Irã. Também foi utilizado para a realização de cerimónias oficiais.

É também o lugar do enterro de Karim Khan Zand.

Nazar Garden
O velho Nazar Garden foi um dos maiores jardins de Shiraz durante a regra de Safavid (1501-1722). Durante dinastia Zand (1750-1794) Karim Khan construiu uma estrutura octogonal que foi chamado Kolah Farangi. Foi usado para receber e entreter os convidados estrangeiros e embaixadores e realizar cerimônias oficiais.

Pars Museum
Em 1936, o pavilhão tornou-se um museu. Ele foi o primeiro museu que foi localizado fora da cidade capital de Teerã. Os projetos de tijolos, ladrilhos, fotos e grandes dadoes pedra estão entre as características arquitectónicas do edifício. [1]

Museu Pars é uma exposição de quase 30 Alcorões manuscritas, uma série de magníficas pinturas de famosos artistas persas. Entre as pinturas é a bem conhecida Smoking de Karim Khan Shisha criado por Jafar Naqash.
-
E Bem Pequeno e NÃO PODE Tirar foto, mas e interessante e bem bonito por dentro. Vale a pena ir principalmente Porque fica bem no centro.

Fossil of Massive Crocodile Found on Edge of Sahara Desert. --- Fóssil de crocodilo maciça encontrado no deserto do Saara

Paleontologists have discovered the fossil remains of the world’s biggest ocean-dwelling crocodile buried on the edge of the Sahara, a creature that was twice the size of anything seen today.


Fossil Find Reveals Ancient 900-Pound Crocodile


Think modern crocodiles are terrifying? How about a 16-foot-long, nearly half a ton sort-of-crocodile that was so tough is even outlasted the mass extinction of 60 million years ago.

Named Machimosaurus rex, this croc would have weighed in at least 6,600 pounds and been around 32 feet long. Other than its size, it would have looked much like a modern day crocodile except for its narrow snout – which was designed to allow it swim in the ocean.

It would have been the top predator in what was then an ocean that separated Africa from Europe about 130 million years ago.

“This is an incredibly big crocodile. It is twice as big as a present day marine crocodile,” University of Bologna’s Federico Fanti, who was part of the team that made the discovery with support from the National Geographic Society Committee for Research and Exploration, told FoxNews.com.

“The skull itself is as big I am,” said Fanti, whose discovery was detailed in a study in the journal Cretaceous Research. “Just the skull is more than five feet long. It’s a massive crocodile.”

Tunisia, where the skeleton and some bones were found, would have been a lagoon facing the ocean and the environment would have been filled with huge fish and turtles – all favorite prey of the Machimosaurus rex.

“This animal, however, used to feast on the large turtles or big fishes that it found in the ocean,” Fanti said. “He was so big and so powerful that it was absolutely at the top of the food chain.”

Beyond its size, Fanti said the significance of the find is what it tells us about a mass extinction event that is believed to have happened between the Jurassic and Cretaceous period about 150 million years ago. Machimosaurus rex was thought to have died out then but the discovery suggests the extinction event was not as widespread as some paleontologist thought.

“The fact that Machimosaurus rex (pertaining to a group that was well alive in the Jurassic) lived 130-120 million years ago indicate that there was no mass extinction,” Fanti said.

“Everyone thought this group of crocodiles went extinct in the Jurassic but we found it well into the Cretaceous,” he said. “We simply extended the temporal range of the animals. Twenty million years is a lot of time.”

Fanti, whose team has discovered 20 new species including a rebbachisaurid sauropod Tataouinea hannibalis in the same area, said there is less to learn about crocodile evolution from this new discovery. The reason, he said, is that crocodiles have changed little over time.

“Basically, they are bigger or smaller,” he said of their evolution, adding that even bigger crocodiles lived on land, many of which also have gone extinct. The largest freshwater crocodile, Sarcosuchus imperator, lived 110 million years ago and grew as long as 40 feet (12 meters). It weighed up to 17,500 pounds, according to National Geographic.

-





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

colaboração: Anna Sarkisyan

http://news.discovery.com/animals/fossil-of-massive-crocodile-found-on-edge-of-sahara-desert-160113.htm

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.






--br via tradutor do google
Fóssil de crocodilo maciça encontrado no deserto do Saara

Paleontólogos descobriram os restos fósseis de maior crocodilo oceano-moradia do mundo enterrado na beira do Saara, uma criatura que foi duas vezes o tamanho de qualquer coisa vista hoje.



Fossil Find revela antigo 900-Pound Crocodile
Pense crocodilos modernos são terríveis? Como cerca de um 16 pés de comprimento, quase meia tonelada classificar-de-crocodilo que foi tão difícil é mesmo sobreviveu a extinção em massa de 60 milhões de anos atrás.

Nomeado machimosaurus rex, este croc teria pesado em pelo menos 6.600 libras e foi cerca de 32 pés de comprimento. Para além do seu tamanho, teria parecia muito com um crocodilo moderno do dia, exceto para o focinho estreito - que foi projetado para permitir que ele nadar no oceano.

Teria sido o predador de topo no que era então um oceano que separava a África da Europa cerca de 130 milhões de anos atrás.

"Esta é uma incrivelmente grande crocodilo. É duas vezes maior que um crocodilo marinho dias de hoje, "Universidade de Bolonha de Federico Fanti, que era parte da equipe que fez a descoberta com o apoio do Comitê Nacional Geographic Society para a Investigação e Exploração, disse a FoxNews.com.

"O crânio si é tão grande que eu sou", disse Fanti, cuja descoberta foi detalhado em um estudo publicado na revista Cretaceous Research. "Só o crânio é mais de cinco pés de comprimento. É um crocodilo enorme. "

Tunísia, onde o esqueleto e alguns ossos foram encontrados, teria sido uma lagoa frente para o mar e para o ambiente teria sido preenchido com enorme peixes e tartarugas - todos presa favorita do rex machimosaurus.

"Este animal, no entanto, utilizado para deleitar-se nos grandes tartarugas ou peixes grandes que encontrados no oceano", disse Fanti. "Ele era tão grande e tão poderoso que era absolutamente no topo da cadeia alimentar."

Além de seu tamanho, Fanti disse que o significado da descoberta é o que ela nos diz sobre um evento de extinção em massa que se acredita ter acontecido entre o período Jurássico e Cretáceo cerca de 150 milhões de anos atrás. Machimosaurus rex foi pensado para ter morrido em seguida, mas a descoberta sugere que o evento de extinção não era tão generalizada como alguns pensavam paleontólogo.

"O fato de que machimosaurus rex (pertencente a um grupo que estava bem vivo no Jurássico) viveu 130-120 milhões de anos indicam que não houve extinção em massa", disse Fanti.

"Todo mundo achava que esse grupo de crocodilos foi extinto no Jurássico, mas que encontramos bem no Cretáceo", disse ele. "Nós simplesmente ampliou a gama temporal dos animais. Vinte milhões de anos é muito tempo. "

Fanti, cuja equipe descobriu 20 novas espécies, incluindo um rebbachisaurid Hannibalis saurópode Tataouinea na mesma área, disse que há menos para aprender sobre a evolução crocodilo desta nova descoberta. A razão, segundo ele, é que os crocodilos mudaram pouco ao longo do tempo.

"Basicamente, eles são maiores ou menores", disse ele de sua evolução, acrescentando que crocodilos ainda maiores viviam na terra, muitos dos quais também foram extintas. O maior crocodilo de água doce, Sarcosuchus imperator, viveu há 110 milhões de anos atrás e cresceu, enquanto 40 pés (12 metros). Ele pesava até 17.500 libras, de acordo com a National Geographic.