Listen to the text.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Inaugurado o Museu do Campo de Concentração do Tarrafal, Cabo Verde. --- Opened the Concentration Camp Museum of Tarrafal, Cape Verde.

Tarrafal, 21 Jan (Inforpress) - As obras de musealização do campo de Concentração do Tarrafal, que se iniciaram em Outubro de 2015, foram inauguradas quarta-feira, numa cerimónia co-presidida pelo primeiro-ministro, José Maria Neves, e o seu homólogo português, António Costa.


O curador do sítio histórico, José Jorge Landim, no seu discurso agradeceu a todos os que se envolveram nos trabalhos de musealização do Campo de Concentração do Tarrafal.

“A criação da curadoria do Campo de Concentração do Tarrafal vai traduzir aquilo que é uma das atribuições enquanto órgão de gestão dos sítios classificados como património nacional, visando assegurar a sua administração, conservação e desenvolvimento”, frisou.

Para o representante da Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria (ACOLP), Osvaldo Lopes da Silva, a cerimónia é de elevado significado à memória de Amílcar Cabral.

Segundo disse, a abertura do Museu do Campo de Concentração do Tarrafal significa um aprofundamento na história, estando certo que reincide, sobre os combatentes que ainda estão presentes, a responsabilidade de preservar os marcos da história de Cabo Verde.

Osvaldo Lopes da Silva pediu ainda as autoridades para darem maior atenção a um outro marco histórico do município de Tarrafal.

“Peço licença para referir a outro marco histórico existente neste concelho, a pouca distância deste Campo e que é merecedor da maior atenção. Refiro-me ao que resta das infra-estruturas do suporte à colaboração do regime salazarista, na Ponta d'Atum”.

Sobre este assunto, o primeiro-ministro José Maria Neves, reafirmou o compromisso de fazer um estudo, no sentido de considerar este aspecto histórico, que tem a ver com o abastecimento dos submarinos e o colaboracionismo de Salazar durante a Segunda Guerra Mundial.

O Museu da Resistência integra-se no projecto de preservação e musealização do ex-Campo de Concentração do Tarrafal, com o objectivo, a longo prazo, da sua declaração como Património da Humanidade.

O Campo de Concentração do Tarrafal foi criado pelo regime de Oliveira Salazar em 1936 e encerrado em 1954, onde terão morrido mais de três dezenas de presos políticos resistentes à ditadura do Estado Novo, entre eles o antigo secretário-geral do PCP Bento Gonçalves (1942).

A Colónia Penal do Tarrafal, situada em Chão Bom, foi criada pelo Governo português do Estado Novo, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26 539, de 23 de Abril de 1936. Em 29 de Outubro do mesmo ano recebeu 152 presos antifascistas portugueses.

O Campo do Tarrafal ou Colónia Penal foi encerrado em 1954, tendo sido reactivado em 17 de Junho de 1961, sob a denominação de Campo de Trabalho do Chão Bom, para receber prisioneiros oriundos das colónias portuguesas e teve o seu fim em 1974.

Após esse período, em 2000, o Campo do Tarrafal foi transformado no Museu de Resistência, como forma de dar dignidade ao espaço e às memórias das vítimas.








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


AP/JMV - Inforpress/fim


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



--in via tradutor do google


Tarrafal, Jan 21 (Inforpress) - The works of musealization the Tarrafal concentration camp, which started in October 2015, were inaugurated Wednesday in a co-chaired by Prime Minister ceremony, José Maria Neves, and its Portuguese counterpart, Antonio Costa.



The curator of the historic site, José Jorge Landim, in his speech thanked all who were involved in musealization work of Tarrafal Concentration Camp.

"The creation of curated the Tarrafal Concentration Camp will translate what is one of the tasks as managing body of the sites classified as national treasures, to ensure its management, conservation and development," he said.

For the representative of the Association of Freedom Fighters of the Fatherland (ACOLP), Osvaldo Lopes da Silva, the ceremony is of high significance to the Amilcar Cabral memory.

According to him, the opening of the Museum of the Tarrafal Concentration Camp means insight into the history, being certain that recurs on the fighters that are still present, the responsibility to preserve the landmarks of Cape Verde's history.

Osvaldo Lopes da Silva also asked the authorities to give more attention to another landmark in the city of Tarrafal.

"I beg to refer to another existing landmark in this county, not far from this field and is worthy of greater attention. I refer to what remains of the support infrastructure of the Salazar regime collaboration at Ponta d'Tuna ".

On this subject, Prime Minister José Maria Neves, reaffirmed the commitment to do a study, to consider this historical aspect, which has to do with the supply of submarines and collaborating Salazar during World War II.

The Resistance Museum is part of the project of preservation and musealization the former Concentration Camp of Tarrafal, with the aim in the long term of its declaration as World Heritage.

The Tarrafal concentration camp was created by the Salazar regime in 1936 and ended in 1954, which will have died more than three dozen political prisoners resistant Estado Novo dictatorship, including the former general secretary of the PCP Bento Gonçalves (1942 ).

The Penal Colony Tarrafal, located in Chao Bom, was created by the Portuguese Government of New State, under Decree-Law No. 26539 of 23 April 1936. On 29 October the same year received 152 arrested antifascists Portuguese.

The tarrafal camp or Penal Colony was closed in 1954 and was reactivated on June 17, 1961, under the Labor Camp denomination do Chão Bom, to receive prisoners coming of the Portuguese colonies and had its end in 1974.

After that, in 2000, tarrafal camp was transformed into the Resistance Museum, as a way of giving dignity to space and victims' memories.

Cultura e cozinha brasileira: - PATO COM TUCUPI - Receita da Chef Juliana Bonomo.


Perfil da chef  Juliana Bonomo
Cozinheira, pesquisadora de cozinha brasileira e mestre em Memória Social.

Curiosa pela própria natureza, gosto de sair pelo Brasil e pelo mundo provando novos sabores. Gosto também de escrever e de dividir com as pessoas as coisas que vejo e que penso.


PATO COM TUCUPI


INGREDIENTES

Pato ½ unidade

Sal q.b.

Alfavaca Brasileira 10 folhas.

Chicória do Norte 10g

Tucupi 500 ml


Pimenta verde do norte 1 unidade

Fond Blanc 500 ml

Jambu 60g

Óleo de soja 30 ml





Fond Blanc

Carcaça de frango 0,5 kg

Cebola grande 1 und

Cenoura grande ½ und

Alho-poró ½ und

Sal grosso 3 g

Pimenta branca em grãos 1 g

Água 1 L





Preparação dos insumos

Higienizar as ervas e temperos.

Picar a alfavaca e a chicória do Norte.

Picar a pimenta de cheiro.



Preparação 

Em uma vasilha misturar o tucupi, a alfavaca, a chicória e a pimenta do norte.

Acrescentar o pato e deixar marinar por 1 hora.

Aquecer uma panela de pressão e colocar o óleo de soja.

Acrescentar o pato e deixar que ele fique bem dourado.

Não descartar o excesso de gordura.

Acrescentar o fond Blanc, fechar a panela de pressão e deixar cozinhar por 20 minutos depois do apito.

Ferver o tucupi com as ervas e a pimenta.

Adicionar o pato e o jambu.

Se for necessário, corrigir a acidez do tucupi com açúcar.

Servir com arroz branco e farinha d´água.

Bases necessários para a preparação das receitas


Fond blanc

Retirar as partes gordurosas e sanguinolentas das carcaças do frango.

Descascar os legumes.

Colocar as carcaças dentro de uma panela alta. Cobrir com a água fria.

Ferver. Escumar.


Depois de ter escumado, colocar os legumes, o sal e a pimenta.

Cozinhar durante 2 horas à 90°C (sem ferver) escumando de vez em quando.

Passar na peneira fina.

Resfriar.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 
https://julianabonomoblog.wordpress.com/


colaboração: Juliana Bonomo



--in
Culture and Brazilian cuisine: - hominy MINING - Revenue Chef Juliana Bonomo.

Chef profile Juliana Bonomo
Cook, kitchen Brazilian researcher and teacher in social memory.

Curious by nature, I like to go out throughout Brazil and the world tasting new flavors. I also like to write and to share with people the things I see and what I think.

Museu do Ar, em Sintra, Portugal

Aberto no dia 20 de janeiro uma mostra de aerofilatelia intitulada “Correio Aéreo”. A exposição vai estar patente até ao dia 20 de março e insere-se nas comemorações do Centenário da Aviação Militar em Portugal.






O evento de inauguração contou com a presença de individualidades como Raul Moreira, Diretor de Filatelia dos CTT, e Pedro Pereira, da Federação Portuguesa de Filatelia. 

Além de uma visita à exposição e de várias intervenções sobre a mesma, teve lugar ainda uma discussão subordinada ao tema “A contribuição da Força Aérea para o serviço postal militar (SPM) em África, 1961 – 1974”.

-
O Museu do Ar mantém em estado de voo um dos aviões mais emblemáticos do seu acervo. Trata-se de um DO-27 com o número de cauda 3357. Esta aeronave foi desenvolvida a partir do modelo DO-25, aeronave originalmente projetada para ir ao encontro das especificações requeridas pela Força Aérea Espanhola de uma aeronave utilitária ligeira. 

Em colaboração com as Construcciones Aeronáuticas SA espanhola - CASA, a Dornier Flugzeugwerke GmbH, proibida de construir aeronaves em solo alemão, por força da derrota e subsequentes sanções impostas após a II Guerra Mundial à Alemanha, desenvolveu a construção do protótipo desta aeronave, a qual viria a voar pela 1ª vez em Espanha em 8 de abril de 1955.

Após o levantamento das referidas sanções, a produção do DO-27 viria a ter lugar em Friedrichshafen, na fábrica original da Dornier, sendo de notar que esta foi a 1ª aeronave produzida em massa após a II Guerra Mundial nesse país. O 1º voo em solo alemão teve lugar a 17 de outubro de 1956.

O Do-27 é uma aeronave monoplano com capacidade para 5 ocupantes, monomotor de asa alta e de trem fixo projetado para aterrar em pistas não preparadas com descolagem e aterragem curta.

O DO-27 entrou ao serviço da Força Aérea Portuguesa em dezembro de 1961. Foram adquiridas 146 aeronaves que, na sua maior parte, foram utilizadas na Guerra Colonial Portuguesa. 
Nos teatros africanos efetuaram missões de transporte de carga e passageiros, evacuação de feridos, reconhecimento visual, posto de comando aéreo e transporte de correio. Estes aviões foram utilizados pontualmente em missões de apoio às forças terrestres utilizando foguetes ofensivos montados sob as asas.

Os Dornier Do-27 foram abatidos ao efetivo em 1979.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


http://www.emfa.pt/www/noticia-984-exposicao-de-aerofilatelia-quot-correio-aereo-quot-no-museu-do-ar-ate-dia-20-de-marco


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.


A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

Ibram comemora 7 anos nesta quarta-feira (20-01-2016). --- Ibram celebrates 7 years - (Brazilian Institute of Museums)

Há 7 anos, foi assinada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a lei de criação do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC). Cabe ao Ibram a administração direta de 29 instituições e a construção de políticas públicas de valorização, proteção e normatização do campo museológico.



O Ibram promove, divulga e consolida a presença dos museus na vida cultural do país. Ampliar a visitação e diversificar o público, metas importantes do Instituto, registraram notáveis resultados nestes sete anos. Semana Nacional e Primavera dos Museus proporcionaram aumento considerável na visitação nos últimos anos, conforme pesquisas realizadas pelo Ibram.

Os museus vinculados ao Instituto também têm passado por processo de requalificação. Para o presidente do Ibram, Carlos Roberto Brandão, o trabalho de de modernização da gestão que começou no ano passado, com mais investimentos nos museus e desconcentração das atividades do Ibram, será continuado, “acreditamos que quanto mais estruturados, os museus tornam-se mais atraentes e capazes de disseminar informação qualificada para a sociedade”.

Na avaliação do ministro Juca Ferreira, os museus são equipamentos fundamentais para a democratização da cultura e preservação da memória. Neste sentido, a criação do Ibram, em 2009, representou a consolidação histórica das conquistas alcançadas pela Política Nacional de Museus, produto de um amplo diálogo democrático. “Hoje, comemoramos mais um ano da consolidação deste processo”, disse o ministro.

Em 2013, houve a publicação do decreto nº 8.124/13, que regulamenta o Estatuto de Museus. A partir do decreto, dentre outras ações, o Ibram implantou o Formulário de Visitação Anual. Em 2016, ele será aplicado pela 2ª vez. Os resultados dão um panorama dos números de visitantes nas instituições museais em todo o país.

Desde a sua criação, o Ibram já realizou três fóruns nacionais de museus. Em cada um deles, foi possível refletir, avaliar e propor diretrizes para a Política Nacional de Museus e para o Sistema Brasileiro de Museus. É o momento que o campo tem para se reunir, discutir ações, propor medidas. É um espaço de diálogo fundamental para o fortalecimento das políticas públicas para o setor.

Lançada recentemente, a Rede Nacional de Identificação de Museus, plataforma que substituiu o Cadastro Nacional de Museus é indispensável para se conhecer a realidade museal brasileira e que tem muito a contribuir com as políticas públicas para o setor. É prioridade para este ano, fortalecer a rede.

No âmbito internacional, o Ibram tem realizado diversas ações. Destaque para a parceria com a Escola do Louvre, que tem proporcionado intercâmbio de profissionais e para a aprovação, em 2015, pela UNESCO da recomendação sobre promoção e proteção de museus e coleções. Para este ano, o Ibram se comprometeu em divulgar o instrumento junto a organizações e países amigos. Queremos que o setor conheça e se aproprie cada vez mais desta recomendação.

Nestes sete anos de Ibram, muito já foi feito, mas ainda temos um longo caminho pela frente. E cada um de vocês é importante. A equipe do Ibram agradece a todos que fizeram parte desta caminhada. Muito obrigado!





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.


--in via tradutor do google
7 years ago, it was signed by President Luiz Inacio Lula da Silva, the law that created the Brazilian Institute of Museums (Ibram / Ministry of Culture). It is up to Ibram the direct management of 29 institutions and building public policy enhancement, protection and regulation of the museum field.




The Ibram promotes, disseminates and consolidates the presence of museums in the cultural life of the country. Expand visitation and diversify the audience, important goals of the Institute, recorded remarkable results in these seven years. National Week and Spring Museum provided considerable increase in visitation in recent years, according to surveys conducted by Ibram.

Museums linked to the Institute also have undergone retraining process. The president of Ibram, Carlos Roberto Brandão, work management modernization that began last year, with more investment in museums and deconcentration of Ibram activities, will be continued, "we believe that the more structured, museums become more attractive and able to disseminate quality information to society. "

In assessing the Minister Juca Ferreira, the museums are essential equipment for the democratization of culture and preservation of memory. In this sense, the creation of IBRAM in 2009, represented the historical consolidation of achievements by the National Museums Policy, the product of a broad democratic dialogue. "Today, we celebrate another year of consolidation of this process," said the minister.

In 2013, the publication of Decree No. 8,124 / 13, which regulates the Museums Statute. From the decree, among other actions, the IBRAM implemented the Form Annual Visitation. In 2016, it will apply for the 2nd time. The results give an overview of visitor numbers in museum institutions across the country.

Since its inception, the IBRAM already held three national museums forums. In each of them, it was possible to reflect, evaluate and propose guidelines for the National Policy on Museums and the Brazilian Museums System. It is time that the field has to meet, discuss actions, propose measures. It is a key forum for dialogue for strengthening public policies for the sector.

Launched recently, the National Network of Museums identification platform which replaced the National Museums Registration is essential to know the reality and Brazilian museum that has much to contribute to public policies for the sector. It is a priority for this year, to strengthen the network.

Internationally, Ibram has conducted several actions. Emphasis on partnership with the Ecole du Louvre, which has provided professional exchanges and the adoption in 2015 by the UNESCO recommendation on the promotion and protection of museums and collections. This year, the IBRAM pledged to disclose the instrument with organizations and friendly countries. We want the industry to know and to appropriate more and more of this recommendation.

In these seven years of Ibram, much has been done, but we still have a long way to go. And each of you is important. The IBRAM team thanks everyone who took part in this walk. Thank you!


Persepolis Museum, Iran, Shiraz --- Museu Persepolis, Irã: Shiraz

Once the main building of "Xerxes Harem", Persepolis Museum is one of the country's oldest structures dedicated to house a museum. 



It was restored to its original state in 1932 and opened as a museum in 1937. 

Prehistoric, Achamenian and Islamic artifacts are exhibited here, most of which were excavated on the site of Persepolis and in the ancient city of Estakhr. 

Odoric of Pordenone passed through Persepolis c.1320 on his way to China. In 1474, Giosafat Barbaro visited the ruins of Persepolis, which he incorrectly thought were of Jewish origin.[7] Antonio de Gouveia from Portugal wrote about cuneiform inscriptions following his visit in 1602. His first written report on Persia, the Jornada, was published in 1606.

Throughout the 1800s and early 1900s, a variety of amateur digging occurred at the site, in some cases on a large scale.[8] The first scientific excavations at Persepolis were carried out by Ernst Herzfeld and Erich Schmidt representing the Oriental Institute of the University of Chicago. They conducted excavations for eight seasons beginning in 1930 and included other nearby sites.

Herzfeld believed the reasons behind the construction of Persepolis were the need for a majestic atmosphere, a symbol for their empire, and to celebrate special events, especially the "Nowruz". For historical reasons, Persepolis was built where the Achaemenid Dynasty was founded, although it was not the center of the empire at that time.

Persepolitan architecture is noted for its use of wooden columns. Architects resorted to stone only when the largest cedars of Lebanon or teak trees of India did not fulfill the required sizes. Column bases and capitals were made of stone, even on wooden shafts, but the existence of wooden capitals is probable.

The buildings at Persepolis include three general groupings: military quarters, the treasury, and the reception halls and occasional houses for the King. Noted structures include the Great Stairway, the Gate of Nations (Xerxes the Great), the Apadana Palace of Darius, the Hall of a Hundred Columns, the Tripylon Hall and Tachara Palace of Darius, the Hadish Palace of Xerxes, the palace of Artaxerxes III, the Imperial Treasury, the Royal Stables, and the Chariot House.

Persepolis is near the small river Pulvar, which flows into the river Kur (derived from Persian word Cyrus / Kuroush). The site includes a 125,000 square metre terrace, partly artificially constructed and partly cut out of a mountain, with its east side leaning on Kuh-e Rahmet ("the Mountain of Mercy"). The other three sides are formed by retaining walls, which vary in height with the slope of the ground. Rising from 5–13 metres (16–43 feet) on the west side was a double stair. From there, it gently slopes to the top. To create the level terrace, depressions were filled with soil and heavy rocks, which were joined together with metal clips.

Around 519 BC, construction of a broad stairway was begun. The stairway was initially planned to be the main entrance to the terrace 20 metres (66 feet) above the ground. The dual stairway, known as the Persepolitan stairway, was built symmetrically on the western side of the Great Wall. The 111 steps measured 6.9 metres (23 feet) wide, with treads of 31 centimetres (12 inches) and rises of 10 centimetres (3.9 inches). Originally, the steps were believed to have been constructed to allow for nobles and royalty to ascend by horseback. New theories, however, suggest that the shallow risers allowed visiting dignitaries to maintain a regal appearance while ascending. The top of the stairways led to a small yard in the north-eastern side of the terrace, opposite the Gate of Nations.

Grey limestone was the main building material used in Persepolis. After natural rock had been levelled and the depressions filled in, the terrace was prepared. Major tunnels for sewage were dug underground through the rock. A large elevated water storage tank was carved at the eastern foot of the mountain. Professor Olmstead suggested the cistern was constructed at the same time that construction of the towers began.

The uneven plan of the terrace, including the foundation, acted like a castle, whose angled walls enabled its defenders to target any section of the external front. Diodorus writes that Persepolis had three walls with ramparts, which all had towers to provide a protected space for the defense personnel. The first wall was 7 metres (23 feet) tall, the second, 14 metres (46 feet) and the third wall, which covered all four sides, was 27 metres (89 feet) in height, though no presence of the wall exists in modern times.







Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.








--br via tradutor do google
Museu Persepolis, Irã: Shiraz
-
Uma vez que o edifício principal de "Xerxes Harem", Persepolis Museum é uma das estruturas mais antigas do país dedicadas para abrigar um museu.

Foi restaurado ao seu estado original em 1932 e aberto como um museu em 1937.

Artefatos pré-históricos, Achamenian e islâmicos estão expostas aqui, a maioria dos quais foram escavados no local do Persepolis e na antiga cidade de Estakhr.

Odorico de Pordenone passou por Persepolis c.1320 em seu caminho para a China. Em 1474, Giosafat Barbaro visitou as ruínas de Persépolis, que ele pensou incorretamente eram de origem judaica. Antonio de Gouveia de Portugal escreveu sobre inscrições cuneiformes seguintes a sua visita em 1602. Seu primeiro relatório escrito sobre a Pérsia, a Jornada, foi publicado em 1606.

Ao longo dos anos 1800 e início de 1900, uma variedade de escavação amador ocorridos no local, em alguns casos em grande escala. As primeiras escavações científicas em Persépolis foram realizados pela Ernst Herzfeld e Erich Schmidt representante do Instituto Oriental da Universidade de Chicago. Eles realizaram escavações para oito estações que começam em 1930 e incluiu outros locais próximos.

Herzfeld acreditava que as razões por trás da construção de Persepolis foram a necessidade de um ambiente majestoso, um símbolo de seu império, e para celebrar eventos especiais, especialmente o "Nowruz". Por razões históricas, Persepolis foi construído onde a dinastia aquemênida foi fundou, ainda que não era o centro do império naquele momento.

Arquitetura Persepolitan é conhecida pelo seu uso de colunas de madeira. Arquitetos recorreu a pedra somente quando os maiores cedros do Líbano ou árvores de teca da Índia não cumpriu os tamanhos necessários. Bases das colunas e capitéis eram feitas de pedra, mesmo em eixos de madeira, mas a existência de capitais de madeira é provável.

Os edifícios em Persépolis incluem três grupos gerais: quartéis militares, o tesouro, e os salões de recepção e casas ocasionais para o rei. Estruturas notáveis ​​incluem a Grande Escadaria, o Portão de Nações (Xerxes, o Grande), o Palácio Apadana de Dario, o Salão das Cem Colunas, o Tripylon Hall e Tachara Palácio de Dario, o Palácio Hadish de Xerxes, o palácio de Artaxerxes III , o Tesouro imperial, o Royal Stables, eo Chariot House.

Persepolis está perto do pequeno rio Pulvar, que deságua no rio Kur (derivado da palavra persa Cyrus / Kuroush). O site inclui um terraço 125 mil metros quadrados, em parte artificialmente construído e parcialmente cortada de uma montanha, com o lado leste apoiado em Kuh-e Rahmet ("the Mountain of Mercy"). Os outros três lados são formados por paredes de retenção, os quais variam em altura com o declive do terreno. Levantando-se de 5-13 metros (16-43 pés) no lado oeste era uma escada dupla. De lá, ele desce suavemente para o topo. Para criar o terraço do nível, depressões foram preenchidos com solos e rochas pesadas, que foram unidas com grampos metálicos.

Por volta de 519 aC, a construção de uma ampla escadaria foi iniciado. A escada foi inicialmente planejada para ser a entrada principal para o terraço de 20 metros (66 pés) acima do solo. A escadaria dupla, conhecida como a escada Persepolitan, foi construído de forma simétrica no lado ocidental da Grande Muralha. Os 111 passos medido 6,9 metros (23 pés) de largura, com degraus de 31 centímetros (12 polegadas) e os aumentos de 10 centímetros (3,9 polegadas). Originalmente, os passos foram acreditados para ter sido construído para permitir nobres e realeza para ascender a cavalo. Novas teorias, no entanto, sugerem que os risers rasas permitido dignitários para manter uma aparência régia durante a subida. O topo das escadas conduziu a um pequeno quintal no lado norte-oriental do terraço, em frente ao Portão de Nações.

Calcário cinza foi o principal material de construção utilizado em Persépolis. Depois de rocha natural tinha sido nivelado e as depressões preenchidas, o terraço foi preparado. Grandes túneis foram escavados para esgoto subterrâneo através da rocha. Um grande tanque de armazenamento de água elevado foi esculpida no sopé leste da montanha. Professor Olmstead sugeriu a cisterna foi calculado ao mesmo tempo que a construção das torres começou.

O plano desigual do terraço, incluindo a fundação, agiu como um castelo, cujas paredes em ângulo permitiu que seus defensores para atingir qualquer parte da frente externa. Diodoro escreve que Persepolis teve três paredes com muralhas, que todos tinham torres para fornecer um espaço protegido para o pessoal de defesa. A primeira parede foi de 7 metros (23 pés) de altura, o segundo, 14 metros (46 pés) e da terceira parede, que cobriu todos os quatro lados, foi de 27 metros (89 pés) de altura, embora sem a presença da parede existe em tempos modernos.